PROJETO COMPARTILHAR

Coordenação: Bartyra Sette e Regina Moraes Junqueira

www.projetocompartilhar.org

 

 

Sebastião Gil e Feliciana Dias

 

SL 8º, 36, Cap 5º- Feliciana Dias, f.ª de Pedro Dias e 2.ª mulher Antonia Gomes, casou em S. Paulo com Sebastião Gil, de alcunha o vilão, natural de S. João da Foz, que ocupou os cargos do governo em S. Paulo, onde foi juiz ordinário em 1585; era irmão de Francisco de Siqueira, que foi casado com Anna Pires de Medeiros. Teve q. d.: 1-1 a 1-10

 

Bartyra Sette

Regina Moraes Junqueira

 

 

Segundo Silva Leme, Feliciana Dias foi filha de Pedro Dias e sua segunda mulher Antonia Gomes, neta materna de Pedro Gomes e Izabel Afonso, esta filha de Pedro Afonso e de uma anônima índia tapuia. Casou com Sebastião Gil, o vilão, que o mesmo autor diz ser natural de São João da Foz.. São João da Foz é uma fortificação construída no sec XVI para a defesa da foz do Rio Douro, abrigando em seu interior a vila de Foz do Douro.

 

Nota para resguardar a imagem de Sebastião Gil: Que os desavisados não tomem “vilão” por sinônimo de indigno ou desonesto, mas sim como aquele que mora na vila, assim como o cidadão na cidade, o aldeão na aldeia.

 

A primeira informação que encontramos de Sebastião Gill data de 1614 quando ele morava em Manaqui (seria nas margens do Rio Mandaqui, próximo a Tremembé?). Nesse ano foi chamado a dar a inventario os bens de sua cunhada Paula Gomes, por ausência de André Maciel, marido da falecida (SAESPp vol 3º, neste site).

“Por ser fora André Maciel, viúvo da defunta Paula Gomes, e ficar sua fazenda ao desamparo, foi dado juramento a Bastião Gil, cunhado de André Maciel e a Paula Camacho e a Baptista Maciel por serem todos visinhos e parentes do dito André Maciel e a dita Paula Camacho é sua mãe”.

 

A informação que nos dá Silva Leme de que Sebastião foi juiz em São Paulo em 1585 não procede. O Juiz desse ano foi Sebastião Leme e Sebastião Gil nem mesmo foi citado nessas atas, ou nas anteriores e posteriores.

 

Quanto a naturalidade de Sebastião Gil, preferimos seguir Silva Leme à informação que consta do processo para habilitação a familiar do Santo Oficio de João Vaz Cardoso, família Gaspar Vaz Guedes neste site, porque o Sebastião Gil “conhecido” pelas testemunhas de Santo Estevão da Facha, Viana-PT, é cronologicamente incompatível com este Gil que em 1614 estava em São Paulo já casado com Feliciana Dias (irmã de Paula Gomes), segundo o inventario acima citado.

 

Segundo dispensa pedida por Manoel Garcia e sua segunda mulher Helena Rodrigues, nesta família 2-4 abaixo, Sebastião Gil teve ao menos um irmão que também veio para o Brasil e se casou em São Paulo: Francisco de Siqueira, casado com Ana Pires de Medeiros, SL 2º, 40, Cap 7º.

ACMSP – Dispensas Matrimoniais 1667-1689

- 22-12-1672- Autos de apresentação de uns papeis de justificação de M.el Garcia morador da Vila de S F.co das Chagas de Taubaté...

Luiz dandrade damaral, morador esta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate, de idade 70 anos pouco mais ou menos, disse ser parente da mãe de ilena Roiz por afinidade. Disse que sabe que:

- Sebastião Gil o velho era irmão de Francisco de Siqueira o velho que foi casado com Ana Pires ...............

 

Sebastião e sua família, inicialmente fregueses de S Paulo, transferiram-se para Taubaté onde tiveram terras e onde deixaram grande geração.

 

Segundo documentos que encontramos, foram seus filhos:

 

Cap.  1º Maria Gil (ou Gonçalves) que segue

Cap.  2º Sebastião Gil

Cap.  3º Paschoal Gil

Cap.  4º Pedro Gil capitão

Cap.  5º Amaro Gil Cortez

Cap.  6º Antonio Gil

Cap.  7º Ignez Gonçalves Gil

Cap.  8º Manoel Gil de Siqueira

Cap.  9º Bento Gil de Siqueira

 

 

Nota: Cremos que Gonçalo Gil, casado com Maria Luiz, não foi filho do casal, conforme conjetura Silva Leme. A conferir a cronologia deste Gonçalo em Aportes à GP Gonçalo Gil, o velho, neste site.

 

 

 

Cap 1º Maria Gonçalves Gil

 

Maria Gil, possivelmente a primeira filha de Sebastião Gil o velho.

 

Maria, também referida em documentos como Maria Gonçalves, casou duas vezes. Primeiro com Manoel da Costa, citado em SL 8º, 102. Segunda vez Maria casou com João Batista, natural do lugar de São Vicente, Porto-PT, filho de João Gonçalves e Maria Batista.

 

João Batista veio para São Paulo muito moço e aqui faleceu com testamento que recebeu o “cumpra-se” aos 22 -07-1650. Nele declarou sua naturalidade, filiação, seu casamento e deixou o sogro, Sebastião Gil, por testamenteiro. Seu inventario foi aberto na vila de São Paulo na casa de Sebastião Gil o velho, que assinou pela viúva sua filha, SAESP vol 40º neste site.

 

Maria teve dois filhos e uma filha do primeiro leito (conforme declaração do padrasto em testamento), e um único filho do segundo marido:

 

1-1 Filha, que Silva Leme diz se chamar Ines

1-2 Filho, Mathias em SL 8º, 102, 2-2

1-3 Miguel da Costa, em 1657 foi nomeado tutor de seu meio irmão João

1-4 João Batista, filho do segundo casamento de Maria, batizado na Sé de São Paulo aos 03-04-1644. Em janeiro de 1661 morava em São Paulo, onde deu quitação da legitima paterna.

 ACMSP- N Sra da Assunção – Batismos – Aos 03-04-1644 bat João fl de João Bautista e Mª Glz. Padrinhos: Bartolomeu e Magdalena Affonso.

 

____________________________________________________________________________________________

 

 

Cap. 2º Sebastião Gil

 

SL 8º, 85, 1-3; Sebastião Gil, o moço,  casou em 1640 em São Paulo com Helena Rodrigues, natural de São Paulo, f.a de Francisco Borges e de Helena Rodrigues e foram de mudança para Tautaté, onde fal. em 1683 e sua mulher em 1692. Com geração de 10 filhos. 2-1 a 2-10

 

Sebastião Gil, o moço, filho de Sebastião Gil e Feliciana Dias, com 56 anos em 1672 (dispensa matrimonial da filha Helena). Casou com Helena Rodrigues, filha de Francisco Borges e de outra Helena Rodrigues. Foram moradores de São Paulo onde batizaram filhos. Mudaram para Taubaté onde ambos faleceram. Sebastião teve inventario aberto aos 24-09-1683 por sua viúva. Helena testou aos 05-10-1692 e faleceu pouco depois, já que em 20-10-1692 seus filhos e genros selaram acordo de partilha de seus bens.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponinilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Sebastião Gil de Siqueira e Helena Rodrigues

24-09-1683- Vila de S Francisco das Chagas de Taubate em casas do defunto Sebastião Gil onde se achava Elena Rodrigues mulher do dito...disse que seu marido não fizera testamento. Assinou por ela João Sobrinho (aa João Sobr.º de M.es.

 

Titulo dos filhos

Maria Roiz cc Andre Roiz de Freitas.

Francisco Gil de Siqueira cc Anna(sic) Gracia

Sebastião Gil de idade de 30 anos pouco mais ou menos

Ilena Roiz cc Cap Manoel Garcia Velho

Domingas Roiz solteira de idade de 25 anos pouco mais ou menos

Violante de Siqueira, solteira de idade pouco mais ou menos de 21 annos

Joseph Maria de 21 annos pouco mais ou menos

Anna Maria de Siqueira solteira 17 anos pouco mais ou menos

Catherina de Siqueira de 14 annos pouco mais ou menos

 

São citados p partilhas a viúva Ilena Roiz, Francisco Gil de Siqueira, Sebastião Gil e Josep Maria emancipados pelo juiz, João Sobrinho de Moraes o moço como procurador das órfãs e o Cap Sebastião de Siq.ra como procurador da viuva.

 

Rol que dou a minha filha Doming(  ) em dote de Cazamento- Quatro pessoas do gentio ....

 

Estou pago e satisfeito do que me prometeram e da legitima da minha mulher ...Hoje 15-agosto-1684  Joseph Pedroso Lte.

 

- Recebi de Jose Maria da Cruz um cruzado legião do SS Sacramento e mais uma parte que da Cruz de N Sra do Rosario... como tesoureiro destas confrarias hoje 01-04-1683

Joam Sobrinho de Moraes - Sebastião de Siqueira dá quitação do quinhão de Helena Rodrigues

Francisco Gil, Sebastião Gil e Jose Maria recebem seu quinhão em conjunto.

Quinhão das órfãs Domingas, Violante, Ana Maria, Catherina.

 

- Aos 06-10-1696(sic) nesta vila de Taubathe por parte de Bento Gil de Siqueira (foi entregue o testamento de Helena Rodrigues mulher do defunto deu irmão Sebastião Gil de Siqueira)

Em nome da SSma Trindade... Aos 05-10-1692 estando eu Elena Roiz doente de cama mas em meu perfeito juízo....faço este meu testamento da forma seguinte: Primeiramente (encomendou a alma e fez invocação pias) Rogo a Bento Gil de Siqueira e Antonio Delgado de Escovar (serem seus testamenteiros, determinou missas e providencias para seu funeral) Declaro que sou filha legitima de Francisco Borges e Elena Roiz- Declaro que sou natural da villa de Sam Paulo- Declaro que fui cazada com Se.bam Gil de Siqueira do qual tive digo tenho vivos sete filhos a saber dous machos e cinco femeas e todas cazadas e todas não lhes devo nada- declaro que só a minha filha mulher de Salvador de Faria devo quatro mil reis (outro tanto ao genro Joseph Leite) .. Cazei uma mossa bastarda que tenho em minha casa por nome Mariana com Domingos Frz’ ...(As filhas estavam pagas das legitimas paternas mas não os filhos Jose Maria e Sebastião)...não dei a totalidade a meus genros Salvador de Farias e Fran.co Coelho ... seus cunhados Joseph Leite e Miguel da Cruz.... Devo a Domingos Roiz do Prado... devo a meu genro Miguel da Cruz... deixo o restante da minha terça a meu filho Seb.am Gil pelos bons serviços que dele sempre tive.. Assinou pela testadora Salvador Frz’ Furtado.

 

– 20-10-1692 em pousadas de Antonio Gil de Siqueira, estando presentes Sebastião Gil de Siqueira, Joseph Maria da Cruz, Joseph Pedroso Leite, Francisco Coelho de Abreo, Salvador de Faria Albernas, Bento Gil de Siqueira como curador de Miguel da Cruz Salazar, foi dito que eles tinham feito suas partilhas dos bens que ficaram por falecimento de sua mãe Elena Roiz que Deus haja.

 

Sebastião Gil o moço e Helena Rodrigues foram pais de:

-Salvador- batizado na Sé de S Paulo em 1646. Não foi citado nos inventários de seus pais.

ACMSP- N Sra da Conceição batismos - Aos 27-05-1646 bat (Sal)vador filho de Sebastião Gil o moço e de sua mulher Elena Roiz e lhe puz os santos óleos- padrinhos Fran.co Velho de Moraes e Magdalena da Luz.

1 Maria Rodrigues

2 Francisco Gil de Siqueira

3 Sebastião Gil

4 Helena Rodrigues

5 Domingas Roiz

6 Violante de Siqueira

7 José Maria da Cruz

8 Anna Maria de Siqueira

9 Catherina de Siqueira

 

 

2-1 Maria Rodrigues, casou três vezes. Primeiro com Antonio Cardoso filho de Antonio Lourenço e sua segunda mulher Izabel Cardoso, já falecido em 1670 (inventario de sua mãe Izabel Cardoso) - família Gaspar Vaz Guedes.

          Em 15-10-1673 Maria abriu inventario dos bens de seu marido Antonio Temudo, filho do Capitão Manoel Temudo e Maria Pedroso, que “o havião morto no sertão”. Em 1683 estava casada com Andre Rodrigues de Freitas.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponinilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Autos aos 15-outubro-1673 nesta vila em sitio e fazenda de Maria Roiz, dona viuva, mulher que ficou do defunto, inventariante.

Pela viuva foi dito que só uma filha tivera do dito seu marido a qual morrera e que o dito seu marido Antonio Timudo o havião morto no sertão e que não fizera testamento. Assinou a seu rogo seu pai Sebastião Gil

 

 (...) foi dito pela dita viuva que os bens lançados neste inventário em seu poder em deposito por sua sogra Maria Pedrosa (...) o que tudo consta pela certidão acostada a este em inventário  por quando em falecimento de seu sogro Manoel Timudo  de que era herdeiro seu marido (...).

 

im 307) Maria Roiz, dona viuva, moradora nesta vila, requer seja citada Maria Pedrosa, dona viuva, na vila de S. Paulo, para trazer a legitima que coube ao dito seu marido Antonio Temudo por morte de seu pai o Cap. Manoel Timudo (...).

          Segundo o inventario de sua sogra Isabel Cardoso, Maria teve filhos de seu primeiro marido Antonio Cardoso, tutelados pelo avô Sebastião Gil, entre eles:

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Izabel Cardoso- Autos aos 10-09-1670  nesta vila de S. Paulo.

Entre os herdeiros: Izabel, Manoel, e Maria filhos do defunto Antonio Cardoso

Procuracao que Faz Sebastião Gil como tutor e curador dos orfãos seus netos, filhos do defunto Antonio Cardoso aos 03-10-1670 nesta vila de S. Francisco das Chagas (aa) Sebastião Gil.

2-1-1 Maria Cardoso de Siqueira, natural de Taubaté. Casou com Salvador Fernandes Furtado. Faleceu viúva, na Freguesia de S Caetano da vila do Carmo-MG aos 09-03-1726, com testamento onde declarou sua naturalidade e filiação, seus filhos e netos. Geração na família Cap. Salvador Fernandes Furtado de Mendonça, neste site.

 

2-2 Francisco Gil de Siqueira, batizado na Sé de S Paulo em 1648.

ACMSP- N Sra da Conceição batismos Ano de 1648 (apagado) baptizei e puz os snatos óleos a Francisco filho leg de (  )ão Gil o mosso e de Elena Roiz forao padrinhos Frn.co Borges e Anna de Alvarenga – Albernaz

          Francisco casou com Joana Garcia do Prado, filha de Luiz Coelho de Abreu e Bernarda Rodrigues do Prado, falecida em 10-08-1672 - família Os irmãos Furtado Cap. 1º.

          Francisco testou aos 22-09-1684 com “cumpra-se no dia seguinte”. Seu inventario foi aberto aos 16-10 do mesmo ano pela viúva. Francisco deixou três filhas naturais e um filho legitimo: Durante a inventariança, Joana casou segunda vez com José Gonçalves da Silva.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponinilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado Francisco Gil de Siqueira

Inventariante – Joana Garcia do Prado

– Taubaté- Aos 16-10-1684 em casas de Luiz Coelho de Abreu, o juiz Cel Sebastião de Freitas achou Joana do Prado mulher do defunto Gil de Siqueira e lhe deu juramento. E disse que tudo declararia. Assino a rogo de minha filha J.a do Prado – Luiz Cuelho.

Titulo dos filhos

João de pouco mais ou menos ano e meyo

Testamento- Em nome da SS.ma Trindade...  aos 22-09-1684 eu Fr.co Gil de Siqrª em meu perfeito juzo......fasso este meu testamento na forma seguinte – Primeiramente (encomendou alma, fez invocações pias) Rogo a minha mulher Joana Garcia do Prado e a meu irmão Jose Maria e a meu primo Sebastião de Siqrª e a (falha) Antº Bicudo Lemme queiram ser meus testamenteiros.... Declaro que sou casado com Joana Garcia do Prado e entre ambos temos hu filho por nome João meu legitimo erdeiro. (pediu missas, declarou administrados, bens e dividas entre elas devia a seu primo Pedro da Fonseca- Deixou o resto da terça para sua mulher).

 Declaro que tenho três filhas naturais as quais são libres e desembargadas uma se chama Mariana outra Antonia e outra Domingas (devia a criação de Domingas e as outras filhas estavam com a mãe dele testador) Cumpra-se: 23-09-1684

 

Requerimento que faz IIena Roiz ao Juiz dos órfãos Luiz Correa como tutora e curadora de seu neto João- 20-09-1785

 

Diguo eu Joseph Gonçalves morador nesta villa que recebi de Manoel Antunes Barboza três mil reis que era a dever neste inventario de meu antecessor Francisco Gil de Siqrª (pediu a Sebastião Miz P.ra que este fizesse e assinasse por ele) hoje 20 de [rasurado] de mil setecentos e oitenta e sete

Digo eu Joseph Gonçalves .... (recebeu ganhos) neste inventario de meu antecessor Fcº Gil ao defunto seu filho meu entiado.os quais (eram) da.minha mulher Joana Roiz mai do dito defunto.... hoje tres de novembro de mil setecentos e oitenta e sete.

 

2-2-1n Mariana, filha natural, citada pelo pai em testamento, “livre e desembaraçada”. Em 1684 vivia com a avó paterna

2-2-2n Antonia, também livre, vivia com a avó Helena Rodrigues

2-2-3n Domingas, também citada pelo pai em testamento.

2-2-1 João, filho legitimo com ano e meio em 1684. Foi tutelado pela avó paterna Helena Rodrigues. Faleceu na infância, herdou sua mãe representada pelo segundo marido dela José Gonçalves.

 

2-3 Sebastião Gil, com 30 anos em 1683. Recebeu o restante da terça de sua mãe “pelos bons serviços que dele sempre tive

 

2-4 Helena Rodrigues, filha de Sebastião Gil e Helena Rodrigues, casou com Manoel Garcia Velho, viuvo de Ana Pires, filha de Francisco de Siqueira o moço. Depois de casados descobriram que Francisco de Siqueira, o velho e Sebastião Gil o velho eram irmãos, resultando que eram primas segundas a primeira e a segunda mulher de Manoel Garcia. Por isso precisaram de dispensa para validar o casamento.

SL. 7, 466, 3-5 Capitão Manoel Garcia Velho foi 1.º casado com Anna Pires, f.ª de Francisco Pires de Siqueira e de Helena Dias, V. 2.º pág. 43; 2.ª vez casou em 1673 (C. Ec. de S. Paulo) com Helena Rodrigues, sua parenta, f.ª de Sebastião Gil, o moço, e de Helena Rodrigues, 3.ª vez casou em 1688 em Taubaté com Maria Fragoso, f.ª do capitão Sebastião de Freitas e de Maria Fragoso. Teve da 2.ª mulher, falecida em 1687 em Taubaté, 6 f.ºs:

ACMSP – Dispensas Matrimoniais 1667-1689

- 22-12-1672- Autos de apresentação de uns papeis de justificação de M.el Garcia morador da Vila de S F.co das Chagas de Taubaté

Manoel Garcia e Elena Rodrigues, moradores da Villa de S Francisco das Chagas de Taubaté foram recebidos em face Eclesiae pelo Padre Francisco Sebastião da Silva.

Descobriram depois que eram parentes em terceiro grau de afinidade porque a primeira mulher do orador era filha de Francisco de Siqueira a qual era prima segunda da oradora Elena Rodrigues. Com o casamento declarado nulo, pedem a dispensa para regularizarem a situação.

Testemunhas:

Luiz dandrade damaral, morador esta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate, de idade 70 anos pouco mais ou menos, disse ser parente da mãe de ilena Roiz por afinidade. Disse que sabe que:

- Sebastião Gil o velho era irmão de Francisco de Siqueira o velho que foi casado com Ana Pires do qual matrimonio teve o dito Francisco de Siqueira um filho que teve o nome de seu pai Francisco de Siqueira o qual foi casado com uma filha de Custodia Glz donde teve uma filha que casou com Manoel Gracia. Casou o dito Manoel Gracia segunda vez com uma filha de Sebastião Gil, o moço, filho de Sebastião o Velho, irmão de Francisco de Siqueira o velho.

 

 [danificado] Manoel Garcia, morador nesta vila, e Ilena Roiz, filha de Sebastião Gil e de Ilena Roiz, todos aqui moradores.

Sebastião Gil, morador nesta vila, de idade 56 anos pouco mais ou menos, disse que não sabia que a defunta Ana de Siqueira, mulher de Manoel Garcia Velho tinha parentesco com Ilena Roiz [danificado]le testemunha, mulher que é agora do dito Manoel [danificado] genro (...).

 

          Falecendo Helena, em Taubaté sem testamento, foi aberto inventario de seus bens aos 22-12-1687. E porque o viuvo estava ausente, a fazenda foi entregue a Domingos Garcia, cunhado da defunta.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariante – Domingos Garcia

Inventario de Ilena Roiz mulher do Capitão Mel Garcia Velho- 22-12-1687 no sitio e pousada de Ilena Roiz q Deus tem mulher q foi do Cap Manoel Grassia Velho e estando este no sertão e por não haver pessoa branca que desse conta da dita fazenda e Ilena Roiz falecer sem testamento mandou o juiz que desse Dominguos grassia irmão do viuvo os bens que se achassem e que dissesse os filhos que ficaram da defunta sua cunhada...

Titulo dos filhos

Manoel 12 anos pouco mais ou menos

Joana 11 anos pouco mais ou menos

Ilena 9 anos pouco mais ou menos

Maria 7 anos pouco mais ou menos

Maria 3 anos pouco mais ou menos

Salvador 2 anos pouco mais ou menos

Foram avaliados os bens e entregues a Domingos Garcia.

 

Helena Rodrigues deixou seis filhos menores (idades pouco mais ou menos em 1687):

2-4-1 Manoel 12 anos

2-4-2 Joana 11 anos

2-4-3 Helena 9 anos

2-4-4 Maria 7 anos

2-4-5 Maria (outra) 3 anos

2-4-6 Salvador 2 anos

 

2-5 Domingas Rodrigues, solteira com 25 anos 1683. Segundo Silva Leme, casou com Miguel da Cruz, genro citado no testamento de Helena Rodrigues.

 

2-6 Violante de Siqueira, filha de Sebastião Gil o moço e Helena Rodrigues, solteira com 21 anos em 1683. Casou depois com Francisco Coelho de Abreu, natural de Taubaté, filho de Luiz Rodrigues de Abreu e Bernarda Rodrigue do Prado, já citados.

          Luiz faleceu com testamento datado de 29-08-1797, com inventario de dezembro do mesmo ano.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado Francisco Coelho de Abreu

Autos 05-dezembro-1697

Inventariante a viúva do dito Violante de Siqueira. Assinou a seu rogo seu irmão Jose Maria da Cruz

Titulo dos filhos (idade pouco mais ou menos):

Bernarda de 10 anos.

Ilena de 8 anos

Francisco de 4 anos.

Maria de vinte dias.

 

Diz Salvador de Faria Albernaz que ele ficou por testamenteiro do defunto Francisco Coelho (...).

Testamento: aos 29-agosto-1697 eu Francisco Coelho de Abreu (...) faço este meu testamento: encomenda a alma, o sepultamento, e missas. Testamenteiros: na Salvador de Faria e a minha mulher Violante de Siqueira.

Sou natural desta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate, filho de Luis Coelho de Abreu e Bernarda Rodrigues do Prado. Sou casado com Violante de Siqueira e temos três herdeiros, um por nome francisco e duas femeas Bernarda e Elena e a mulher pejada. Tenho um sitio na barra do Itamhy. (...) declara dividas. (...) roguei a Alberto Dias de Carvalho que este me escrevesse e comigo assinasser.

Aprovação: 31-agosto-1697

Violante e Luiz foram pais de (idades em 1697)

2-6-1 Bernarda de 10 anos.

2-6-2 Helena de 8 anos

2-6-3 Francisco de 4 anos.

2-3-4 Maria de vinte dias em 05-12-1697

 

2-7 Joseph Maria da Cruz, 21 anos em 1683, em 1697 assinou pela irmã Violante.

 

2-8 Ana Maria de Siqueira solteira 17 anos, em 1692 estava casada com João Tavares, falecido com inventario aberto pela viúva em 1698, deixando um único filho de cinco meses. Ana Maria foi inventariada em 1701 por seu irmão José Maria da Cruz.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponinilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado João Tavares 1698

Autos 1698 nesta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate

Inventariante Ana Maria de Siqueira. Assinou a seu rogo seu irmão(sic) Salvador da Costa.

Titulo de filhos:

- ------ Tavares de idade cinco meses pouco mais ou menos.

 

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponinilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Ana Maria de Siqueira -1701

Ana Maria de Siqueira -1701

Autos aos 03-junho-1701 nesta vila em casas de Joseph M.ª da Cruz, irmão da defunta Ana Maria de Siqueira, inventariante.

Titulo dos filhos: Manoel

Diz Manoel de Siqueira, f.l. de Ana Maria de Siqueira, que por falecimento da dita sua mãe se fez inventário (...).

Termo de Curadoria: 21-fevereiro-1711 nesta vila para tutor e curador do orfão Manoel, conteudo neste inventario, a Sebastião Gil de Siqueira, tio legitimo do dito órfão

 

          Ana Maria de Siqueira deixou o filho:

2-8-1 Manoel de Siqueira, tutelado pelo tio Sebastião Gil de Siqueira

 

2-9 Catarina Rodrigues de Siqueira de 14 anos em 1683, casou antes de 1692 com Salvador de Faria Albernaz, citado como genro no inventario de Helena Rodrigues. Silva Leme diz ser marido de Ines Gonçalves, irmã de Catarina, esta Ines inexistente nos inventarios dos supostos pais.

          Catarina faleceu com inventario aberto pelo viuvo em 02-05-1702. Sem filhos, herdaram seus irmãos que viviam nesse ano.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariada Catherina Rodrigues de Siqueira

Autos aos 02-05-1702 nesta vila em pousadas de Salvador de Faria Albernaz, viuvo que ficou de Catarina Roiz de Siqueira, inventariante.

A dita defunta não fizera testamento e não tiveram filhos e os herdeiros que havia eram os abaixo nomeados

Titulo de herdeiros:

Sebastião Gil de Siqueira

Jose Maria da Cruz

Domingas Rodrigues

Violante de Sequeira

Avaliações/Dividas/Devedores/

Quinhões: do viúvo Salvador de Faria = de Sebastião Gil de Siqueira = de Jose Maria da Cruz = de Domingas Rodrigues de Siqueira = de Violante de Sequeira

Aos 23-maio-1702 entregou Salvador de Faria Albernaz ao Juiz Ordinario e dos Orfãos a quantia que era dever neste inventário aos orfãos que ficaram da defunta Ana Maria de Siqueira a saber 48.720 reis

 

2-10 A mulher de José Pedroso Leite que em 1684 deu quitação a legitima de sua mulher no inventario do sogro:

Estou pago e satisfeito do que me prometeram e da legitima da minha mulher ...Hoje 15-agosto-1684  Joseph Pedroso Lte.

Testamento da Helena: declaro que só a minha filha mulher de Salvador de Faria devo quatro mil reis (outro tanto ao genro Joseph Leite)

          Ela não aparece no inventario, mas sim em SL 8º, 85, 2-10 Ignez Gonçalves foi casada com Salvador de Faria Albernaz

 

 

______________________________________________________________________________________

 

Cap. 3º Pascoal Gil

 

 

Pascoal Gil, filho de Sebastião Gil e Feliciana Dias, nascido em São Paulo, faleceu em Taubaté com testamento que recebeu o “cumpra-se” aos 03-05-1688. Nele declarou ser casado com Maria da Silva (Leme), natural de Taubaté, filha de João do Prado Martins e Maria Leme - aportes à GP: João do Prado Martins, cap. - SL. III, 196, 1-3

Maria sobreviveu vinte anos e faleceu com seu testamento que recebeu o “cumpra-se” aos 16-02-1718.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado Pascoal Gil - anexo Maria da Silva

Testamento –16-08-1687 IM 763- Em nome de Deos amem ... Pascoal Gil... Primeiramente (encomendou a alma e fez invocações pias)- Testamenteiros: minha molher Maria da Silva e meu compadre Domingos Gomes da Silva – sou natural da vila de S Paulo fl leg de Sebastiam Gil e s/m Feliciana dias ya defuntos – cc Maria da Silva nat desta villa filha leg de Joam do Prado Martins e s/m Maria Leme já defuntos – entre ambos temos os filhos seguintes// Sebastiam Leme da Silva// Domingos do Prado// Manoel// Pascoal// Joam// Salvador// Miguel// Bartolomeu// Maria Leme// Feliciana Dias// Anna Maria// Joana// Domingas os quais são meus erdeiros.

Declaro que tenho um filho natural por nome Domingos Gil o qual erdara da minha fazenda e bens igualmente com seus irmãos legítimos que he filho natural de quando fuy solteiro sem embargo de que o dito anda fora de minha obediência por eu o reeprender em seus erros o que deixo a disposição da justiça. (deu ao filho Domingos Gil uma espingarda por alguns bons serviços e esse filho lhe devia umas peças que (chegaram?) do sertão com negros e fazenda dele Pascoal ) Os cunhados deviam seis --- de peças que lhe deu a defunta sua sogra em dote de casamento - Dei por esmola a meu irmão Antonio Gil uma negra por nome Felipa e hu negro nosso trazido de sua terra a minha cunhada Mariana de Freitas- Me deve meu cunhado Luiz Coelho; me deve meu sobrinho João da Veiga; --- deixo o remanescente da terça para minhas três filhas Maria Leme// Feliciana Dias// Anna Maria. (...) Nesta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate aos 16-agosto-1687 = Pascoal Gil =

Cumpra-se como nele se contem S. Francisco das Chagas de Taubate 03-maio-1688

 

Estou pago de meu acompanhamento e da pataca da cruz da igreja, e da tumba outra pataca. Tambem recebi a esmola.

Recebi uma pataca da cruz de S. Francisco de acompanhamento do defunto Pascoal Gil e cono tesoureiro da confraria passei a presente quitação. 24-maio-1688

 

– Filhos

(obs: falta a folha anterior onde estaria a chamada “titulo dos filhos” e as duas primeira filhas citadas no testamento- Maria Leme e Feliciana Dias )

Ana Maria 27 anos pouco mais ou menos

Joana do Prado 13 anos pouco mais ou menos

Dominguas da Silva 8 anos pouco mais ou menos

Sebastião Leme do Prado 25 p/ 26 anos pouco mais ou menos

Domingos do Prado 18 anos pouco mais ou menos

Manoel Dias de Siqueira 17 anos pouco mais ou menos

Pascoal Gil 15 anos pouco mais ou menos

João do Prado 11 anos pouco mais ou menos

Salvador da --- 6 anos pouco mais ou menos

Miguel da Silva 5 anos pouco mais ou menos

Batholomeu do Prado  3 anos pouco mais ou menos

 

Titulo dos bens - Quinhões

Domingos Gil, filho natural do defunto.

- Sebastião Leme do Prado

- das filhas Ana ----; que partido pelas tres cabe a cada uma 6$450 reis.

- da orfã Joana do Prado.

- do filhos orfãos D.os do Prado, Manoel Dias; Pascoal Gil; João; Salvador; Miguel; Bartolomeu.

 

Partilhas do gentio – Quinhão da Viuva

Dominguos Gil filho natural do defunto deixa sua parte das pessas ou almas que lhe coube para sua irmã mais velha Maria Leme – Assina D.os+Gil

Quinhão das filhas Maria Leme e Feliciana Dias e Anna Maria

Quinhão dos filhos seguintes:

Sebastião leme do Prado e Dominguos do Prado e Manoel Dias- Pascoal Gil e João e Salvador e Miguel e Bertholomeu e Joana do Prado e Dominguas que coube a todos em monte.....

Maria da Silva curadora de seus filhos órfãos

Termo de Partilhas - 22-junho-1696 em casas de morada da viúva Maria da Silva molher q ficou do defunto Pascoal Gil.

 

Quinão da Viuva- quinhão da terça –

Sebastião Leme da Silva – a D.os Gil filho natural em mão da dona viuva- a Maria Leme e Feliciana Dias e Anna Maria na mão de sua mai- a João do Prado casado- a D.as do Prado  e M.el Dias e Pascoal Gil na mão de sua mai a dona veuva- A Joana do Prado e a Domingos do Prado emancipados e de maior em mãos de sua mai a dona veuva- os dois órfãos Miguel e Bertholomeu em mão de sua mai a dona veuva

 

Autos de Inventario de Maria da Silva

01-06-1718 no sitio de Maria da Silva q Deus aja e estando ai Manoel Dias de Siqrª filho da defunta .... e pelo dito erdeiro e testamenteiro mais velho foi declarado q ficaram seis filhos machos e três femeas da dita defunta sua mãe.

Titulo dos filhos

Domingos do Prado Leme Casado

João do Prado Martins casado

Manoel Dias de Siqrª casado

Pascoal Gil de Siqrª emancipado de mayor

Miguel Dias de Siqrª casado

Feliciana Dias emancipada de maior

Joana do Prado emancipada

Domingas do Prado emancipada

Sebastião Leme da Silva já defunto morador na cidade do Rio de Janeiro e tem filhos.

Filhos deste Sebastião, Custodio e Izabel.

 

Testamento – eu Maria da Silva doente de cama...Rogo a meus filhos Manoel Dias, Miguel da Silva e a meu comp.e Domingos Gomes da Silva sejam meus testamenteiros- Sou nat de S Paulo filha leg de João do Prado Martins e s/m Mª Leme já defuntos- fui cc Pascoal Gil nat de S Paulo filho leg de Seb.am Gil e s/m Feliciana Dias já defuntos- tivemos filhos legítimos q são vivos Domingos do Prado; João do Prado; Maria Dias; Pascoal Gil; Miguel da Silva; Feliciana Dias; Joana do Prado; Domingas do Prado; e Seb.am Leme que morreo na cidade do RJ onde era casado e tem filhos.- Tenho um sitio na paragem Itahiti (quer que fique com as três filhas e o filho Miguel) deixou o restante da terça para as três filhas. (...) nesta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate aos 12-janeiro-1718. Assinou pela testadora Salvador Gil do Prado

 

Cumpra-se: 13 de feb.ro de 1718

Abertura: aos 13-fevereiro-1718 por Domingos Gomes da Silva foi apresentado o testamento, cozido e lacrado; o qual testamento o juiz abriu.

 

Seguem avaliações, declaração de peças, dividas etc.

 

Segundo seu inventario e testamento, foram filhos de Pascoal Gil:

 

3-1n Domingos Gil, filho natural havido em solteiro. Reconhecido no testamento, herdaria em igualdade com seus irmãos, mas cedeu sua parte para a irmã Maria Dias ou Leme.

 

Legítimos (idades pouco mais ou menos em 1688):

3-1 Maria Leme ou Dias, primeira filha citada pelo pai e aquinhoada por ele com parte da terça. Vivia em 12-01-1718 (testamento materno) mas não vem nem é representada no inventario.

3-2 Feliciana Dias, herdou parte das terças do pai e da mãe

3-3 Ana Maria, com 27 anos em 1688, também contemplada pelo pai com parte da terça, não compareceu no inventario da mãe

3-4 Sebastião Leme do Prado 25 para 26 anos. Morador no Rio de Janeiro, já falecido em 1718 deixando os filhos Custodio e Izabel.

3-5 Domingos do Prado Leme, 18 anos em 1688. Não faleceu em 1698 como disse Silva Leme, pois vivia e estava casado em 1718 segundo o inventario de sua mãe. Mas procede a informação de que foi pai ao menos de:

3-5-1 João Dias Leme casou com Mecia de Freitas. Morador em Taubaté, pai de muitos filhos e filhas, entre eles:

3-5-1-1 Maria da Silva, em 1757 pediu dispensa de 4º grau de afinidade licita para casar com Mateus Leme, que primeiro foi casado com Maria da Veiga, bisneta materna de Antonio Gil, capitulo 6º, nesta familia.

Dispensas matrimoniais 1757

Dizem Matheus Leme e Maria da Silva moradores em Taubaté (que querem casar mas precisam de dispensa de 4º grau de afinidade porque a primeira mulher dele era parente de Maria da Silva em 4º grau de consanguinidade)

Antonio Gil e Pascoal Gil foram irmãos

Antonio Gil gerou F.ca de Oliveira e desta nasceu Francisca da Veiga e desta nesceu Maria da Veiga mulher q foi do orador.

Pascoal Gil gerou Domingos do Prado e este a Joam Dias Leme pai da oradora Maria da Sª

O pai da oradora tem muitas filhas, a oradora tinha 37 anos

 

Vila de Taubate: aos 26-fevereiro-1721 anos bat a Maria, f. de João do Prado da Silva cujo se chamava Joam Dias Leme e de sua mulher Messia de Freitas; fora padrinhos Timotheo Fernandes Correa e Catarina Pires, todos moradores e naturais desta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate. Taubaté 11-dezembro-1757 anos.

 

3-5-2 Marta da Silva casou com Inacio Jaques Albernaz, ambos naturais de Taubate. Pais de, pelo menos:

3-5-2-1 Manoel Jaques Albernaz, batizado em Taubate aos 20-08-1741. Em 1775 tirou dispensa do impedimento de consanguinidade em 4º grau para se casar com Maria Quiteria de Jesus, batizada em Taubate em 19-09-1737, filha de Manoel de Azevedo e Souza e Josefa Pinto de Souza - nesta família Cap 5º. Amaro Gil.

 

3-6 Manoel Dias de Siqueira com 17 anos, já casado em 1718. Segundo Silva Leme, foi casado com Maria do Prado, falecida com testamento em Taubaté e com inventario aberto aos 01-06-1729 pelo viuvo. Maria nasceu em Pindamonhangaba, filha de Joana (Rodrigues) do Prado e seu segundo marido José Gonçalves da Silva. Joana foi casada primeira vez com Francisco Gil de Siqueira - nesta família Cap. 2º Sebastião Gil.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariada: Maria do Prado

Inventariante: O viuvo Manoel Dias de Siqueira

01-06-1729 na vila de Taubate em casas de morada de Manoel Dias de Siqueira, foi o juiz e o escrivão para fazer inv dos bens que ficaram de Maria do Prado mulher que foi do dito Manoel Dias de Siqrª ....

Titollo dos Filhos: Carlos 15 anos;Joanna 14 anos; Manoel 10 anos; Maria 9 anos

Testamento: Aos 30-10-1722 eu Maria do Prado..... rogo a meu esposo Manoel Dias de Siqrº, comdr.e Thimoteo Correa de Toledo queiram ser testamenteiros e procuradores.... Declaro que sou nat da vila de Pindamonhangaba, filha de Joseph Gonçalves da Silva e Joana do Prado, sou cc Manoel Dias de Siqrª, quatro filhos Carlos, Joana, Maria e Manoel- Declarou casa e sitio e três pessoas a saber Antonio grande e Antonio pequeno e Climencia... e sete da administração....Assinou pela testadora Thimoteo Correa de Tolledo

Recebi de Manoel Dias de Siqueira (8$000 pelos serviços de acompanhamento e missas de corpo presente pela alma da defunta sua mulher como sindico do convento de S Clara – oje 28 de nov.bro de 1727.

 

Manoel e Maria tiveram quatro filhos que em 1729 tinham as idades seguintes:

3-6-1 Carlos, 15 anos

3-6-2 Joana, 14 anos

3-6-3 Manoel, 10 anos

3-6-4 Maria, 9 anos

 

3-7 Pascoal Gil 15 anos. Em 1718 era maior e emancipado.

SL. 8, 67, 2-4 Pascoal Gil de Siqueira, C.c. Maria Bicudo e teve q. d.: 3-1

3-1 Sebastião Leme da Silva, batizado em 1703 em Taubaté, que passou a morar em Mogi do Campo (Mogi-guaçu) onde faleceu em 1775. Foi 1.º casado em 1736 com Maria Nunes, † em 1737, natural de Jacareí, f.ª de João Dias da Silva e de Izabel da Cunha; 2.ª vez em 1739, em Mogi das Cruzes, com Josepha da Silva f.ª do capitão Aleixo Leme da Silva e de Escholastica Borges do Prado, esta natural de Itu, f.ª de André Fernandes do Prado e de Lucrecia Leme de Cerqueira. V. 2.º pág. 355. Sem geração da 1.ª mulher, porém teve da 2.ª:

 

3-7-1n Sebastião Leme da Silva, segundo termo em seu processo matrimonial, foi filho natural de Pascoal Gil e Maria Bicuda. Casou primeiro com Maria Nunes Dias, filha de João Dias da Silva e Izabel da Cunha, falecida em 1737. Sebastião casou segunda vez em Mogi das Cruzes aos 27-04-1739 com Josefa da Silva, filha natural de Aleixo Leme da Silva e Escolastica Borges.

ACMSP - Dispensas matrimoniais ano 1738

Sebastião Leme da Silva e Josepha da Silva

- 03-janeiro-1739 Justificante Josepha da Silva

Querem casar Sebastião Leme da Silva, f. de Pascoal Gil de Siqueira e Maria Bicuda, viuvo que ficou de Maria Nunes da Silva, moradores de Mogi Grande = com Josepha da Silva, filha natural de Aleixo Leme da Silva, ja defunto e de Escolastica Borja, moradores e fregueses desta vila de Santa Ana das Cruzes de Mogi.

Sebastião Leme da Silva, filho natural de Pascoal Gil de Siqueira e de Maria Bicuda, morador nesta freguesia de N. Sra da Conceição de Mogi do Campo, viuvo que ficou de Maria Nunes = com Josefa da Silva, filha natural do Cap.l Aleixo Leme da Silva, ja drefunto e de sua mãe Escolastica Borges, naturais da fregusia de Santa Ana de Mogi das Cruzes e nela moradores.

Certidão: Aos cinco de ---- de 1737 faleceu nesta freguesia Maria Nunes Dias, mulher de Sebastião Leme da Silva, meu fregues, filha leg. de João Dias da Silva, ja defunto e de s/m Izabel da Cunha, naturais da vila de Jacarei, de idade de 19 anos; fez seu apontamento; sepultada dentro desta matriz. Mogi do Campo -- de abril de 1739.

 

Testemunhas da Justificante.

 

Paroquia de Sant'Ana de Mogi das Cruzes-SP, fls 114v aos 27-04-1739 Sebastião Leme da Silva, morador da freg. de Mogi do Campo, viuvo de Maria Nunes = cc Josefa da Silva, f. natural de Aleixo Leme da Silva e Escolastica Borges, todos estes naturais e moradores nesta freguesia.

 

3-8 Joana do Prado 13 anos, em 1718 estava emancipada

3-9 João do Prado 11 anos. Em 1718 estava casado

3-10 Domingas da Silva (ou do Prado), com 8 anos em 1688. Em 1718 Domingas do Prado estava emancipada.

SL. 8, 84, 2-8 Domingas do Prado, foi C.c.  João Leme, fal. no Rio de Janeiro.

 

3-11 Salvador com 6 anos no inventario do pai, não compareceu no da mãe.

3-12 Miguel da Silva de Siqueira, 5 anos, em 1718 estava casado.

3-13 Bartolomeu do Prado 3 anos quando morreu o pai, não aparece no inventario da mãe nem é citado em seu testamento.

 

 

____________________________________________________________________________________________

 

Cap. 6º Antonio Gil

 

 

SL. 7, 294 1-5 Paula Fernandes de Oliveira foi casada com Antonio Gil, f.º de Sebastião Gil (o vilão) e de Feliciana Dias; faleceu em 1685 em Taubaté e seu marido na mesma vila em 1699.

SL. 8, 89, 1-5 Antônio Gil, natural de São Paulo, fal. em Taubaté em 1699 e foi C.c. Paula Fernandes de Oliveira, fal. em 1685 na mesma vila, f.a de Pedro de Oliveira e de Francisca Cordeiro. Teve 13 f.os:

 

 

Antonio Gil, filho de Sebastião Gil e Feliciana Dias casou com Paula Fernandes de Oliveira, filha de Pedro de Oliveira e Mariana Cordeiro. Eram ambos naturais de São Paulo, onde provavelmente casaram e onde batizaram ao menos uma filha.

Mudaram depois para Taubaté onde ambos faleceram com testamento feito em conjunto aos 07-02-1685. Nessa data Paula estava acamada e faleceu aos doze de março do mesmo ano, quando o testamento recebeu o “cumpra-se”.

Aos 20-09-1698, Antonio fez um codicilio em adendo ao testamento, no qual nomeou seu irmão Bento Gil como testamenteiro, em substituição a Pascoal Gil, já falecido. Esse documento recebeu o “cumpra-se” aos 27-05-1699

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponinilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariada– Paula Fernandes de Oliveira

Inventariante: Antonio Gil

Aos 30-04-1685 nesta Vila de S Francisco das Chagas de Taubaté em pousadas do viuvo Antonio Gil

Marido que ficou da dita defunta ... onde o juiz achou Antonio Gil marido da defunta Paula Frz a quem o juiz deu juramento...

Titolo dos filhos

Sebastião Gil 32 anos pouco mais ou menos

Antonio Gil 26 anos pouco mais ou menos

Pedro de Oliveira 20 anos pouco mais ou menos

Domingos do Espirito Santo 16 anos pouco mais ou menos

Custodio Gil 15 anos pouco mais ou menos

Salvador de Oliveira 15 anos pouco mais ou menos

Pascoal Gil 12 anos pouco mais ou menos

Francisca Cordeira cc João da Veiga

Maxima de Oliveira cc Dominguos Gomes

Maria Cordeira 25 anos pouco mais ou menos

Maria do Rosário 23 anos pouco mais ou menos

Antonia de Paiva 20 anos pouco mais ou menos

Ana de Oliveira 10 anos pouco mais ou menos

- TESTAMENTO:

 Em nome da SS.ma Trindade.....07-02-1685 eu Anto Gil estando sam e em meu perfeito juízo e bem assim eu Paula frz’ de Oliveira estando de cama doente e de que nos conformamos ambos juntos marido e mulher por ser assim nossa vontade de ambos ordenamos fazer nosso Testam.to na maneira e forma seguinte .... Primeiram.te encomendamos nossas almas....

Rogamos a Anto Salgado de Escovar e a Pascoal Gil e a D.os Roiz do Prado... queirão ser nossos testamenteiros.e também a D.os Gomes nosso genro.

Deixaram instruções para o funeral na Matriz da vila e encomendaram missas por suas almas.

Declaro eu Anto Gil e eu Paula Frz que somos naturais da vila de S Paulo filhos legítimos de Sebastião Gil o velho e Feliciana Dias // Pedro de Oliveira e s/m Francª Cordeira todos já defuntos, Somos cazados em face a Igreja e entre ambos temos treze filhos a saber , Bastião // Antonio // Pedro // Domingos // Custodio // Salvador // Pascoal // e femeas as seguintes Fran.ca Cordeira que casamos com João da Vega // Maxima Oliveira q cazamos com D.os Gomes // Maria // outra Maria// Antonia // Anna // os quais sm nossos legítimos erdeiros

Declaro q possuímos nesta vª huas cazas de parede de mão cobertas de telha q he onde moramos e os chãos compramos por nosso dinheiro a João Preto onde armamos as dita casas.

(possuíam mais terras que lhes deixou o defunto irmão Pº  Gil e s/m Izabel da Cunha e outras terras que  compraram)

Possuaiam gentio da terra “de q servimos e doutrinamos* e pedem que os herdeiros não as “alheiem”

Não declararam dividas porque fizeram um rol delas.

Declaro q casamos nossa filha Fr.ca Cordeira com João da Veja (e lhe prometeram parte das terras que receberam de Pº  Gil, “partindo com meu cunhado Domingos Gomes da Cunha”- relacionam outras valores que deram ao genro, dizem que o genro os tem ajudado a casar suas cunhadas)

Declaro q casamos nossa filha Maxima de Oliveira com D.os Gomes....

Deixaram o resto da terça para a filha Maria Cordeira, a mais velha das solteiras “visto não querer se casar”

Cumpra-se: 12-março-1685

Recebi de Antonio Gil um cruzado (pelo acompanhamento de sua mulher Paul Frz..) 20-03-1685- Joam --- de Moraes (e outros recibos)

 

 

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponinilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado Antonio Gil

Autos 28-dezembro-1699 nesta vila em pousadas de Pedro de Oliveira filho mais velho do defunto Antonio Gil.

Inventariante Pedro de Oliveira e a seu irmão Salvador Gil e a Antonio Gil o moço e a Pascoal Gil e a Domingos do Espirito Santo e a João da Veiga, procurador dos herdeiros do defunto Sebastião de Oliveira, e a Ana de Jesus todos irmãos filhos do dito Antonio Gil defunto.

Testamento: (...) eu Antonio Gil (...) faço este meu codicilio na forma seguinte: encomenda a alma.

Declaro que em vida de minha mulher Paula Fernandes de Oliveira, em boa conformidade entre ambos fizemos nosso testamento o qual esta acostado no inventario em que estão declaradas as missas que deixo por minha alma (...), encomenda o sepultamento. Declaro que dos testamenteiros que no testamento nomeamos é falecido meu irmão Pascoal Gil, e a esse respeito em adjuto com os mais que são os vivos, de presente nomeio a meu irmão Bento Gil por meu testamenteiro.

Meu genro João da Veiga da Costa (...); meu genro Domingos Gomes da Silva esta pago e satisfeito de todo o dote q lhe prometi; depois do falecimento de minha mulher casei uma filha Maria do Rosario com Sebastião Gonçalves e de tudo que lhe prometi de dote esta entregue; depois da morte de minha mulher, professaram na Ordem de S. Francisco, duas filhas minhas, Antonia de Paiva e Ana de Oliveira que não quiseram casar.

Deixo a minha terça se reparta pelas tres filhas Maria Cordeira, Antonia de Paiva e Ana de Oliveira.

(...) minha cunhada Izabel da Cunha, mulher que ficou de meu irmão Pedro Gil que Ds haia me deixou de esmola (...).

Roguei a João Vaz Cardoso por mim fizesse (...) vila de S. Francisc9o das Chagas de Taubate aos 20-setembro-1698

Cumpra-se como nele se contem Taubate 27-maio-1699

Recibos diversos

 

Filhos de Antonio Gil de Paula Fernandes conforme seus inventários:

1 Francisca Cordeira

2 Sebastião Gil

3 Maxima de Oliveira

4 Antonio Gil

5 Maria Cordeira   

6 Maria do Rosário

7 Pedro de Oliveira

8 Antonia de Paiva,

9 Domingos do Espirito Santo

10 Custodio Gil

11 Salvador de Oliveira

12 Pascoal Gil

13 Ana de Oliveira

 

6-1 Francisca Cordeiro, natural de São Paulo onde foi batizada em novembro de 1652. Em 1685 estava casada com João da Veiga da Costa

N Sra da Assunção – Batismos 1640 a 1662- (  )vembro (1652)bat Antonio filho de Antonio Gil e de sua mulher Paula Frz’ de Olivrª. Padrinhos Sebastião Gil e Feliciana Parenta.

Pais de, pelo menos:

6-1-1 Francisca Cordeiro da Costa foi a segunda mulher de Francisco Borges Rodrigues, com geração em SL. 3º, 310, 3-13.

SL. 3, 310, 3-13 Francisco Borges Rodrigues c2c Francisca Cordeiro da Costa falecida em 1769 Guaratingueta, filha de João da Veiga e Francisca Cordeiro

 

6-2 Sebastião de Oliveira Gil, com 32 anos em 1685. Já falecido no inventario do pai, deixando herdeiros procurados por João da Veiga.

 

6-3 Maxima de Oliveira, casada antes de 1685 com Domingos Gomes da Silva

 

6-4 Antonio Gil, com 28 anos pouco mais ou menos em 1685

 

6-5 Maria Cordeiro, com 25 anos em 1685, em 1698 foi uma das legatárias da terça de seu pai.

 

6-6 Maria do Rosario, com 23 anos em 1685, em 1698 já casada com Sebastião Gonçalves

 

6-7 Pedro de Oliveira Gil, com 20 anos mais ou menos em 1685. Casou com Catarina de Unhate, filha de Domingos Vieira Cardoso e Marta de Miranda, (SL. 7º, 349, 2-2) familia Gaspar Vaz Guedes neste site.

          Pedro teve seus bens inventariados aos 15-05-1730 por sua viúva.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponinilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado: Pedro de Oliveira Gil

Aos 15-05-1730 no Bairro do Uma, Vila de Taubaté, onde o Juiz Ordinaro e dos Orfãos Amaro de Toledo Cortez fez vir Catherina de Unhate viúva do defunto Pedro de Oliveira Gil que prestou juramento ... assinou por ela Francisco Guedes de Azevedo

Titulo dos filhos

Antonio Gonçalo de Oliveira, 30 anos solteiro emancipado

Pedro de Oliveira Gil, 22 anos, casado

Maria de Oliveira 32 anos cc Davim (sic) do Prado

Maria Garcia 18 anos, cc Francisco Guedes

 

Nomeação dos bens

Pgto da terça

Pagamento dos quinhões: Antonio Gonçalo;  Pedro de Oliveira; Davim do Prado; Francisco Guedes

 

          Segundo seu inventario, Pedro e Catarina tiveram:

6-7-1 Maria de Oliveira com 32 anos em 1730, casada com Davim do Prado

6-7-2 Antonio Gonçalo de Oliveira, solteiro com 30 anos em 1730

6-7-2 Pedro de Oliveira Gil com 22 anos em 1730

6-7-4 Maria Garcia, com 18 anos em 1730, já casada com Francisco Guedes de Azevedo. Entre seus filhos

6-7-4-1 Madalena Francisca dos Santos, casada com Antonio José de Toledo, filho de Antonio da Silveira Goulart e de Maria Rosa de Toledo. Pais ao menos de:

6-7-4-1-1 Ana Joaquina de Toledo, casou em Cunha aos 11-03-1788 com Antonio José de Sampaio, natural de Cunha, filho de pais incógnitos exposto ao Padre Jose Gomes Granito.

Fagundes, Joaquim Roberto- Casamentos em Cunha in Revista ASBRAP 10 - Antônio José de Sampaio, n. em Cunha, fº de pais incógnitos, exposto em casa do Reverendo José Gomes Granito, com Ana Joaquina de Toledo, n. em Taubaté, fª de Antônio José de Toledo e de Madalena Francisca dos Santos, naturais de Taubaté; n.p. de Antônio da Silveira Goulart e de Maria Rosa de Toledo; n.m. de Francisco Guedes e Maria Garcia. Tt.: Tomaz da Silva Reis e Manuel Antônio Barata. Fls. 38v. – 11-MAR-1788

 

6-8 Antonia de Paiva, 20 anos mais ou menos em 1685. Em 1698 era religiosa da ordem de S Francisco

 

6-9 Domingos do Espirito Santo, 16 anos em 1685. Casou com Ignez de Moraes, ambos já falecidos em 1745. Pais de, pelo menos:

5-9-1 Andre Leme do Prado, natural de Taubaté, casou com Mariana Cardoso (ou Bicudo), falecida em Jundiai aos 16-11-1742. Em 1745 André pediu provisão para casar com Joana da Rosa filha de Raimundo Pires Cardoso e Maria Francisca de Oliveira, batizada em Taubaté aos 16-11-1710, filha de Raimundo Pires e Maria Francisca.

ACMSP Dispensas Matrimoniais ano 1745

Andre Leme do Prado e Joanna da Rosa - 1745 freguesia da Conceição.

Quer casar Andre Leme do Prado, viuvo que ficou de Mariana Bicuda, filho leg. de Domingos Gil do Espirito Santo e de Ignez de Moraes, já defuntos = com Joana da Rosa, f.l. de Raimundo Pires Cardoso, ja defunto e de s/m Maria Francisca de Oliveira. Ambos os contraentes batizados na paroquial desta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate, e de presente moradores na freguesia de N. Sra da Conceição de Mogi do Campo e o contraente morador da vila de Jundiai do caminho dos Guaiases.

 

Certidão: aos 12-outubro-1742 faleceu Mariana Cardosa mulher de Andre L[danificado] do Prado, foi sepultada na igreja matriz desta vila. Jundiai 11-julho-1744

 

Matriz de S. Francisco das Chagas da vila de Taubate: aos 16-novembro-1710 bat a Joana, f. de Raimundo Pires e de s/m Maria Francisca, foram padrinhos Marcelino de [danificado] e Maria Bicuda. Taubate 04-maio-1744

 

Diz Andre Leme do Prado, viuvo de Mariana Bicuda Cardosa (...).

 

6-10 Custodio Gil, 15 anos mais ou menos em 1685.

 

6-11 Salvador de Oliveira, também com 15 anos pouco mais ou menos em 1685. Casou com Helena Nunes de Unhate. Pais de, pelo menos:

SL. 8, 90, 2-6 Salvador de Oliveira Gil, foi C.c.  Helena Nunes de Unhatte, e foi morador em Pitanguí, Minas Gerais, e teve q. d: 3-1

3-1 Salvador de Siqueira Gil, natural de Pitangui, casou em 1718 em Parnaíba com Thereza da Costa f.ª de Manoel Homem da Costa e de Mecia Ribeiro.

 

6-11-1 Salvador Gil de Siqueira, natural de Pitangui. Na Parnaiba em 1718 casou com Teresa da Costa, filha de Manoel da Costa Homem e de Mecia Ribeiro.

ASBRAP 2, - Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. Salvador Gil de Siqueira (de Pitangui) f. de Salvador de Siqueira Gil e de Helena Nunes, fal., com Teresa da Costa, f. de Manoel da Costa Homem e de Mecia Ribeiro (ano de 1718).

 

6-12 Pascoal Gil, com 11 anos em 1685.

 

6-13 Ana de Oliveira, com 10 anos em 1685, em 1698 era religiosa de S Francisco.

 

______________________________________________________________________________________________

 

 

Cap. 7º Ignez Gonçalves Gil

 

SL. 8, 94, 1-6 Ignez Gonçalves ou Ignez Gil natural de SP, inventariada em 1698 em Taubaté cc. Antonio Delgado de Escobar inventariado em 1708 Taubaté, filho de João Delgado de Escobar e Beatriz Ribeiro. pais de 5 filhos.

 

 

Ignez Gonçalves Gil nasceu em São Paulo, filha de Sebastião Gil e Feliciana Dias. Casou com Antonio Delgado de Escovar, filho de outro Antonio Delgado de Escovar e Beatriz Ribeira. Em 1650 moravam em São Paulo onde batizaram um filho. Transferiram-se para Taubaté, onde ela ditou seu testamento aos 11-06-1695, que recebeu o “cumpra-se” aos 08-10-1698.

Antonio testou aos 16-04-1704 e teve inventario de seus bens aberto aos 05-10-1708.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariada Ignez Gonçalves Gil

Autos 17-novembro-1698 no sitio e fazenda que ficou por morte de Ignez Gonçalves.

Inventariante Antonio Delgado de Escovar, marido da dita defunta.

Titulo de filhos:

Antonio de Siqueira que Ds haja.

João Delgado de Escovar

Salvador Machado Sobrinho

Miguel Delgado de Escobar

Beatriz Gonçalves.

 

Testamento Eu Ignez Gonçalves (...) faço este testamento: encomenda a alma. Testamenteiros: a meu marido Antonio Delgado de Escovar; encomenda o sepultamento e missas.

Sou natural da vila de S. Paulo, f.l. de Sebastião Gil, o velho e de s/m Feliciana Dias, ja defuntos. Sou casada com Antonio João Delgado e dentre ambos temos os filhos seguintes: Beatriz Gonçalves/ Antonio de Siqueira/ João Delgado/ Salvador Machado/ Miguel Delgado meus herdeiros. (...) Roguei a João Sobrinho de Moraes que este me fizesse e por mim assinasse nesta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate aos 11-junho-1695

Cumpra-se como nele se contem S. Francisco das Chagas 05-outubro-1698 anos.

 

Procuração:

Que Faz: Cap. Francisco da Cunha Vaz, como tutor e curador de seus sobrinhos, orfãos que ficaram de seu cunhado Antonio de Siqueira e de sua mulher Anna Vaz da Cunha

Data: 18-janeiro-1699 nesta vila de S. Paulo

Procuradores Nomeados: Cap. Antonio Velho Cabral, Sebastião Frz, Domingos Vaz

 

Inventariado Antonio Delgado de Escovar – Capitão

Autos aos 05-10-1708 nesta vila, inventariante Salvador Machado Sobrinho filho do dito defunto

Titulo dos filhos:

Beatriz Glz

João Delgado de Escovar

Cap. Salvador Machado Sobrinho

Miguel Delgado de Escovar.

Antonio de Siqueira de Escovar, ja defunto

 

Avaliações

 

Testamento: (...) eu Antonio Delgado de Escovar (...) faço este meu testamento: encomenda a alma.

Testamenteiros meus filhos João Delgado de Escovar e Salvador Machado Sobrinho; encomenda o sepultamento e missas.

Sou natural da vila de S. Paulo, f.l. de Antonio Delgado de Escovar e de s/m Beatriz Ribeira, ja defuntos; fui casado com Ignez Glz, ja deffunta, natural a dita vila de S. Paulo, f.l. de Sebastião Gil, o velho, e de s/m Feliciana Dias, ja defuntos; e de entre ambos temos os filhos seguintes|: Beatriz Glz = Antonio de Siqueira de Escovar = João Delgado de Escovar = Salvador Machado Sobrinho = Miguel Delgado de Escovar meus legitimos herdeiros.

Casamos nossa filha Beatriz Glz a primeira vez com João Preto, ja defunto, e a segunda com Mateus Vieira da Cunha e a dotamos da primeira e da segunda vez. Deu minha mulher de nossa livre vontade, em dote de casamento a nossa neta Maria Glz com João Sobrinho de Moraes (...)

 (...) Taubate 16-abril-1704 Antonio Delgado de Escobar.

Aprovação 14-junho-1704

 

Citação aos herdeiros João Delgado de Escovar = Salvador Machado Sobrinho = Miguel Delgado de Escovar = e o procurador dos filhos de Antonio de Siqueira, para as partilhas.

 

Segundo seus inventários e testamentos, Ignez e Antonio foram pais de:

1 Antonio de Siqueira

2 João Delgado de Escovar

3 Salvador Machado Sobrinho

4 Miguel Delgado de Escobar

5 Beatriz Gonçalves.

 

7-1 Antonio de Siqueira de Escovar nasceu em São Paulo onde foi batizado aos 25-01-1650.

ACMSP – N Sra da Assunção – (Ano 1650) aos 25 de janeiro bat. Anto – Anto delgado e Ignes gil foram padrinhos Franco de ( ) e Izabel Correa.

            Antonio casou com Ana Vaz Cardoso, filha de Cristovão da Cunha e Messia Vaz Cardoso. Foram moradores em Taubaté onde possuíam sitio na paragem chamada Itanhy. Foi nesse lugar que Antonio abriu o inventario de sua mulher aos 22-07-1692. Ana tinha falecido com testamento que recebeu o cumpra-se um mês antes.

                Antonio faleceu abintestado, com inventario aberto aos 22-11-1694. Inventarios e geração na família Gaspar Vaz Guedes, neste site.

 

7-2 João Delgado de Escovar, filho de Ignez Gonçalves e Antonio Delgado, também natural de São Paulo. Casou com Antonia Furtado, nascida em Taubaté, filha de Francisco Borges Rodrigues e Luzia Rodrigues do Prado.

          João testou em 01-03-1712 e em seu testamento declarou sua filiação, naturalidade, nomeou sua mulher, sogros e filhos. Faleceu antes de 28-02-1713 e teve inventario aberto pela viúva aos 05-05-1713.

          Antonia casou segunda vez com Afonso de Barros do qual não teve filhos. Faleceu com testamento de 17-01-1731 e foi inventariada em 30-12-1732.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar

Inventariado João Delgado de Escobar 1713

Inventariante Antonia Furtada, a viuva e cabeça de casal.

Autos aos 05-maio-1713 nesta vila, em casas de morada de Antonia Furtada, viuva que ficou de João Delgado de Escovar.  E por ela foi dito que lhe ficaram os filhos entre machos e femeas a saber: Antonio = João = Francisco = Raimundo = Lourenço = Ignez = Maria = Antonia = Elena = e Luzia Rodrigues casada com Salvador Esteves Leme, os mais todos solteiros e de menor idade.

 

Testamento: (...) eu João Delgado de Escovar faço este meu testamento: encomenda a alma.

Testamenteiros a minha mulher Antonia Furtada e a meus cunhados o Cap. Mateus Roiz do Prado e Joseph Roiz do Prado; encomenda o sepultamento e missas.

Sou natural da cidade de S. Paulo, f.l. de Antonio Delgado de Escovar e de sua mulher Ignez Gonçalves, já defuntos. Sou casado com Antonia Furtada, natural desta vila, f.l. de Francisco Borges Rodrigues, ja defunto e de s/m Luzia Roiz do Prado, do qual matrimonio temos os filhos seguintes: Antonio = João = Francisco = Raimundo = Lourenço = Luzia Roiz = Ignez = Maria = Antonia = Elena, meus herdeiros. Declaro que em solteiro tive dois filhos: Manoel e Sebastião, ambos naturais. Se for de direito, herdam com os legítimos (...).

Casei minha filha Luzia Roiz com Salvador Esteves Leme e esta pago e satisfeito de todo o dote que lhe prometi. Declara bens. Declaro que me devem, e.o.: meu irmão Salvador Machado Sob.º; declaro que nas partilhas dos bens do defunto meu pai, fiquei devendo aos orfãos filhos do defunto meu irmão Antonio de Siqueira algum dinheiro da legitima. Deixo o remanescente de minha terça a minhas quatro filhas solteiras Ignes = Maria = Antonia = Elena para se partir igualmente.l (...) neste sitio onde de presente moro ao primeiro de março de mil setecentos e dois = João Delgado de Escovar =

Aprovação: aos 23 de março de mil setecentos e doze nesta vila de S. Franciscco das Chagas de Taubate.

 

Diversos recibos a partir de 28-fevereiro-1713:

Avaliações/

Termo de tutor e curador aos orfãos deste inventário: 19-junho-1722 a Francisco de Almeida Gago, primo irmão dos orfãos

 

Titulo dos herdeiros que de presente se acham:

1- Antonio, emancipado.

2- Francisco Furtado Neves, menoridade de 18 anos.

3- Raimundo, de 13 anos.

4- Lourenço de 10 anos.

5- Elena de 10 anos.

 

Partilhas, cabe:

a inventariante de sua meação 1:785.555

cabe a terça 595$185 reis.

cabe a cada um dos nove herdeiros 132$263 reis

Pagamentos:

a Antonio Delgado, emancipado.

a Ignez Gonçalves, casada com Cipriano Correa

a Maria das Neves mulher de Antonio Soares Ferreira.

a Antonia Furtada casada com Geraldo Cubas.

a João Delgado

Julgo as partilhas por sentença; e o que respeita ao quinhão dos menores se ponham os bens em praça para se resumirem a dinheiro. Taubate 22-julho-1722

Quitação que da Antonio da Cunha Barros casado com Elena do Prado - aos 19-dezembro-1727

 

Inventariada Antonia Furtada

Inventário de Antonia Furtada, moradora que foi no termo da vila de Pindamonhangaba.

Autos aos 30-dezembro-1732 inventariante Lourenço de Siqueira Furtado, filho da defunta. (aa) Lourenço de Siqueira Furtado.

 

Titulo dos filhos:

Raimundo, menor.

Lourenço, menor

Antonio Delgado

João Delgado, nos guaiases

Francisco Furtado, nos guaiases

Ignes Gls mulher de Cipriano Correa Mor.ª

Luzia Roiz

Ilena Roiz mulher de Antonio da Cunha

Antonia Furtada mulher de Geraldo Cubas

Maria das Neves mulher de Antonio Soares.

 

Avaliações/

Auto de Partilhas aos 08-agosto-1741

Termo de dote com que entra a sua colação Antonio Soares Ferreira, como cabeça de casal de sua mulher Maria das Neves

Partilha. Pagamentos feitos:

- ao herdeiro Raimundo.

- ao herdeiro Lourenço

- ao herdeiro Antonio

- ao herdeiro Francisco

- a herdeira Ignes

- a herdeira Luzia

- a herdeira Elena

- a herdeira Antonia

- a herdeira Maria

 

Testamento: (...) eu Antonia Furtada faço este meu testamento: encomenda a alma.

Testamenteiros a meu filho Antonio Delgado e a meu genro Geraldo Cubas; encomenda o sepultamento e missas.

Sou natural desta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate, f.l. de Francisco Borges Rodrigues e de Luzia Roiz do Prado, ja defuntos. Fui casada duas vezes: a primeira vez com João Delgado de Escovar, ja defunto, natural da cidade de S. Paulo, f.l. de Antonio Delgado de Escovar e de s/m Ignes Gonçalves, ja defuntos. E deste marido entre nós tivemos os filhos e filhas seguintes: Antonio Delgado = João Delgado de Escovar = Francisco Furtado Neves = Raimundo = Lourenço = Luzia Roiz do Prado casada com Salvador Esteves Leme = Ignes Gonçalves casada com Cipriano Correa = Maria das Neves casada com Antonio Soares Ferreira = Antonia Furtada casada com Geraldo Cubas = Ilena do Prado casada com Antonio da Cunha os quais filhos e filhas são meus legitimos herdeiros. Declaro que desta segunda vez casei com o Alferes Afonso de Barros, reinol, do qual não tive filhos.

Declaro que minha filha mais velha, Luzia Roiz do Prado, casou em vida de seu pai, e as mais irmãs casaram depois do falecimento de seu pai, e no dote foram iguais e estam todas pagas e satisfeitas.

Minha filha Luzia do Prado e seus herdeiros é a dever no monte a fazenda a quantia de dinheiro que o defunto seu marido havia pedido ao seu sogro emprestado, e corria juros. E depois do falecimento do dito defunto meu primeiro marido, mandei a meu filho João Delgado para as minas com uma carregação a qual tomei o dinheiro do dito defunto meu genro(...)

Meu segundo marido o Alferes Afonso de Barros deve entrar no Monte com o valor de Afonço, Salvador e Bartolomeu, escravos e administrado que todos vendeu e gastou o dinheiro (...). Declaro que este meu segundo marido vendeu outros bens que me coube em partilha no bairro de Pindamonhangaba, sem eu ser sabedora (...) o que tudo deve o dito meu segundo marido.

Deixo o remanescente de minha terça a minha neta Marta, filha de meu genro Antonio Soares. (...) roguei as |João Sobrinho de Moraes que este fizesse e assinasse nesta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate aos 17-janeiro-1731

Aprovação 17-janeiro-1731

Testamento de Antonia Furtada do Prado mulher do Alferes Afonso de Barros, cozido com cinco pontos de linha branca e lacrado com cinco pingos de lacre vermelho (...). 17 dias do mes de janeiro de 1732.

 

Aos 11-janeiro-1733 arrematação dos bens da defunta Antonia Furtada

 

Em solteiro João teve dois filhos naturais, citados em seu testamento:

7-2-1n Manoel

7-2-2n Sebastião

 

João e Antonia tiveram:

7-2-1 Luzia Roiz do Prado, casada em vida de seu pai com Salvador Esteves Leme.

7-2-2 Ines Gonçalves casada depois de 1713 com Cipriano Correa Moreira

7-2-3 Maria das Neves Furtada casou com Antonio Soares Ferreira depois da morte de seu pai. Ambos faleceram antes de novembro de 1762. Foram pais de, q.d.:

7-2-3-1 Marta, herdeira do remanescente da terça da avó materna.

7-2-3-2 Francisco Lino Ferreira, natural de Pindamonhangaba-SP, casou duas vezes. Primeira vez com Teresa Barbosa de Jesus sepultada em Baependi-MG. Nesse mesmo local aos 18-11-1762, casou segunda vez com Rosa Maria de Jesus, natural de Aiuruoca, filha de Dionisio da Silva e Antonia Cardosa.

(pesq. Moacyr Villela) Casamentos de Baependi-MG. “Aos 18 de Novembro de 1762 na Matriz de Baependi, contraiu matrimonio Francisco Lino Ferreira natural e batizado em Pindamonhangaba filho legitimo de Antonio Soares Ferreira e de sua mulher Maria das Neves Furtada ja defuntos e viuvo de sua primeira mulher Teresa Barbosa de Jesus sepultada nesta Freguesia com Rosa Maria de Jesus natural e batizada em Aiuruoca filha legitima de Dionisio da Silva e de sua mulher Antonia Cardosa” 

          Francisco Lino e Rosa Maria ou Rosa Mariana ou ainda Rosa Moreira de Jesus tiveram os filhos, q.d.:

7-2-3-2-1 João Crisostomo Ferreira em Campanha aos 27-04-1796 casou com Maria das Neves de Jesus, filha de José da Fonseca Ozório e Cristina Maria de Jesus.

Campanha-MG - casamentos - matriz aos 27-04-1796 João Crisostomo Ferreira, f.l. de Francisco Lino Ferreira e Rosa Marianna(sic), n/b na freguesia da Aiuruoca = Maria das Neves de Jesus, f.l. de Jose da Afonceca Osorio e de Christina Maria de Jesus, n/b freguesia da Campanha.

7-2-3-2-2 Joaquina Moreira de Jesus aos 27-04-1796, mesmo dia que seu irmão João, casou com José Luciano da Fonseca batizado em 16-07-1769, irmão inteiro de Maria das Neves de Jesus supra citada, filhos de José da Fonseca Ozório e Cristina Maria de Jesus, netos paternos de Manoel da Fonseca Ozorio e Margarida Pinto (SL. 2º, 372, 4-7 onde não consta o filho José), netos maternos de Salvador Lopes da Cunha e Escolastica Pinheiro Cardoso, nestes aportes em “Salvador Lopes da Cunha - SL II, 20, 5-1”.

Campanha-MG - casamentos - aos 27-04-1796 Jose Luciano de Afonseca, f.l. de Jose de Afonseca Osorio e Cristina Maria de Jesus, n/b nesta = Joaquina Moreira de Jesus, f.l. de Francisco Lino Ferreira  e Roza Moreira de Jesus, n/b na vila nova de São Jose.

 

Igreja Santo Antonio (Campanha, Minas Gerais) aos 16-07-1769 cap. S. Gonçalo, Jose de oito dias, f.l. Jose da Fonseca Ozorio n. de Guaratingueta-SP e Cristina Maria n. da freg. de Nazare-SP, np Manoel da Fonseca Ozorio e Margarida da Cunha, maternos Salvador Lopes e Escolastica Pinheiro, padr.: Jeronimo Correa, casado e Maria da Visitação, casada.

 

7-2-3-3 José Antonio Neves, natural de Jacarei-SP. Em Baependi aos 03-10-1758 casou com Angela Ribeira de Moraes, filha de Sebastião Ribeiro Neves e Maria Telles de Menezes.

Baependi, MG aos 03-10-1758 nesta matriz e testemunhas Jose Telles de Menezes cc Madalena Pires Monteira, moradores na Aiuruoca, e Pedro dos Santos, solteiro e morador nesta dita matriz se receberam Jose Antonio Neves, n/b na Igreja da Missão de S. Jose da Companhia de Jesus freguesia de Jacarei Bispado de S. Paulo, f.l. de Antonio Soares Ferreira e Maria das Neves = com Angela Ribeira de Moraes, n/b nesta dita matriz, f.l. de Sebastião Ribeiro Neves e Maria Telles de Menezes.

 

7-2-4 Antonia Furtado, solteira em 1713, em 1731 estava casada com Geraldo Cubas.

7-2-5 Antonio Delgado, em 1732 estava em Goiaz.

7-2-6 João Delgado foi para as minas de Goiazes com carregamento pago por sua mãe.

7-2-7 Francisco Furtado menor de 18 anos em 1713. Em 1732 estava em Goias.

7-2-8 Raimundo, 13 em 1713.

7-2-9 Lourenço,10 anos em 1713. Lourenço Rodrigues do Prado em 1735 pediu dispensa impedimento de consanguinidade para casar com Marinha de Chaves, filha de Antonio do Prado Leme e Maria Antunes de Miranda, np de Salvador Gil de Siqueira e sua mulher Marina de Chaves, por Salvador bisneta de Amaro Gil, irmão de Ignez Gonçalves Gil. Nesta família Cap. 5º.

          Viuvo, Lourenço casou aos 16-02-1751 com Barbara Moreira de Castilho, filha de Francisco de Moura Ferreira e Catarina de Almeida. Ausente, Lourenço foi representado na cerimonia em Guaratinguetá por seu procurador Antonio Raposo Barbosa.

Guaratinguetá-SP Igreja Sto Antonio aos 16 de fevereiro de 1751 Lourenço Rodrigues do Prado, por seu legitimo procurador Antonio Raposo Barbosa, viuvo de Marinha de Chaves da vila de Taubate = cc Bárbara Moreira de Castilho, n/b nesta freguesia, filha de Francisco de Moura Ferreira e Catarina de Almeida

 

7-2-10 HeIena Rodrigues com 10 anos em 1713. Em 1732 estava casada com Antonio da Cunha

 

7-3 Salvador Machado Sobrinho, filho de Antonio Delgado de Escovar e Ignez Gonçalves Gil.

 

7-4 Miguel Delgado de Escovar.

 

7-5 Beatriz Gonçalves casou primeira vez com João Preto de Moraes. Segunda vez, Beatriz casou com Mateus Vieira da Cunha.

SL VII, 96, 2-5 Beatriz Gonçalves foi 1.º casada com João Preto de Moraes e 2.ª vez com Matheus Vieira da Cunha f.º do capitão Antonio Vieira da Maya, natural de Guimarães, e de Izabel da Cunha. Teve do 1.º q. d.: 3-1

 

Beatriz e João tiveram:

7-5-1 Maria Gonçalves Cabral casou com João Sobrinho de Moraes, filho de Francisco Velho de Moraes e de Francisca da Costa Albernaz. João nasceu por 1662 já que tinha 17 anos na abertura do inventário de seu pai (neste site). Teve por curador seu irmão Paulo Rodrigues de Moraes que faleceu pouco depois, pobre e sem bens, sumindo com a herança que João recebera no inventário materno.

Maria e João tiveram q.d.

 

7-5-1-1 Antonio de Moraes Madureira, casou primeira vez com Maria da Cunha Pimentel, tambem natural de Taubate e falecida em São Paulo em 29-07-1744. Por morte de sua mãe, Antonio passou a ser protetor da capela de N. Sra do Ó.

         Em 1745, com 45 anos declarados, Antonio tirou provisão para se casar com Mariana Bueno de Camargo, com 27 anos, filha de José da Costa de Camargo e de s/m Ana Buena de Albuquerque falecida em 30-10-1747 (SL. 1º, 314, 2-3).

SP, SP, aos 30-10-1747 faleceu Ana Bueno, mulher de Jose de Camargo, do bairro da Penha desta freguesia; foi sepultada na capela da Sra da Penha

 

ACMSP Dispensas Matrimoniais ano 1745

Antonio de Moraes Madureira e Mariana Buena de Camargo - 19-julho-1745

Mariana Buena, f.l. de Jose da Costa de Camargo e de s/m Ana Buena de Albuquerque, que ela se acha contratada e com banhos corridos para se casar com Antonio de Moraes Madureira, e recorrendo a suplicante ao Revdo, Paroco da freguesia de N. Sra do Desterro de Juqueri, donde ela suplicante é natural, não se acha o assento onde conste ser batizada (...)

 

Antonio de Moraes Madureira, f.l. de João Sobrinho de Moraes e de s/m Maria Glz ja defuntos, viuvo que ficou de Maria da Cunha, naturais da vila de Taubate de presente fregues desta cidade a quinze para 16 anos = com Mariana Buena, f.l. de Jose da Costa de Camargo e de s/m Ana Buena de Albuquerque, moradores no bairro da Penha e fregueses desta cidade.

 

Freguesia de N. Sra do Desterro de Juqueri: (...) correndo os livros de batizados não achei assento algum conste ser a contraente batizada.

 

Certidão = Sé de S. Paulo = aos 29-julho-1744 faleceu abintestada Maria da Cunha Pimentel, mulher de Antonio de Moraes Madureira, moradores no bairro de N. Sra do O; foi sepultada na capela da Sra. do Ó.

 

Testemunhas para justificação do batismo de Mariana Buena.

 

Depoimento dos oradores:

Antonio de Moraes Madureira, natural da vila de Taubate e de presente morador na capela de N. Sra do Ó (...) de idade 45 anos

Mariana Buena, natural da cidade de S. Paulo (...) de idade de 27 anos.

 

         Antonio faleceu aos 27-07-1760 com 70 anos pouco mais ou menos. Deixou a viúva Mariana Bueno de Camargo e um único filho

ACMSP-N Sra da Assunção - Obitos- Aos 27-07-1760 faleceu Antonio de Moraes Madureyra nat de Taubate fl leg de João Sobrinho de Moraes e s/m Maria Gonçalves cc Mariana Bueno da Camargo, com todos os sacramentos, 70 anos +ou-. Declarou que por falecimento de sua mãe ficou por protetor da Capela de N Sra do Ó como filho mais velho a qual por direito declara que toca a um único filho que tem da dita sua mulher Antonio que terá 10 anos +ou- .

 

         Em 1761, Mariana tirou provisão para se casar com Antonio Alvares, natural da freguesia de São Tome de Maside de Galiza Bispado de Ourense-Espanha, filho de Alexandre Alvares e Catarina Gonçalves.

ACMSP Dispensas Matrimoniais ano 1761

Antonio Alz e Marianna Buena de Camargo

Autos de Casamento aos 11-fevereiro-1761 .

Antonio Alz, f.l. de Alexandre Alz e de s/m Catarina Glz, natural da freguesia de S. Tome de Maside de Galiza Bispado da cidade de Ourense = com Mariana Buena de Camargo viuva de Antonio de Moraes de Madureira natural desta cidade

 

Certidão = Sé de São Paulo = Aos 27-07-1760 faleceu Antonio de Moraes Madureira nat de Taubate fl leg de João Sobrinho de Moraes e s/m Maria Gonçalves cc Mariana Bueno da Camargo, com todos os sacramentos, 70 anos mais ou menos.

7-5-1-1-1 Antonio Bueno de Moraes, herdeiro da Capela de N Sra do Ó, batizado na Sé de São Paulo em 22-08-1747.

SP, SP aos 22-agosto-1747 nesta Sé bat a Antonio, f. de Antonio de Moraes Madureira e de s/m Mariana Buena de Alguquerque, foram padrinhos Josdeph da Costa de Camargo e s/m Ana Buena.

          Em 1770 pediu dispensa de consanguinidade para casar com sua parenta Maria Josefa Paes, filha de Josefa Paes de Lira. Geração em SL 8º, 97, 4-2

ACMSP_ Dispensas Matrimoniais- 1770

Dizem os oradores Antonio Bueno de Moraes nat desta Cidade e Maria Jospha Paes nat de S João del Rey e fregueses desta Sé ... se acham impedidos em 4º grau pq

Francisco Bueno de Mendonça e Marianna Bueno foram irmãos. De Fr.co Bueno procedeo Anna Buena de Albuquerque a qual pariu Marianna Buena de Camargo, da qual nasceo o orador

De Marianna Buena procedeo Catharina Buena do (Prado?) da qual nasceu Josepha Paes de Lira e desta a oradora Maria Josepha Paes.

Depoimento do orador- vive de suas lavouras, 24 anos

Depoimento da oradora- Maria Josepha Fernandes, nat de S João del Rei, freguesa da Sé desta cidade, vive na companhia de seu tio João da Costa Guimarães, 24 anos

Escolastica de Jesus, solteira, vive de seus bens, 50 anos, tia do orador em 3º grau e da oradora em segundo

Catedral de SP - Certidão- Aos 22-08-174(7) o Pe Mathias Alves Torres bat Antonio filho de Antonio de Moraes Madureira e s/m Marianna Buena de Albuquerque. Padrinhos: Joseph da Costa de Camargo e s/m Anna Buena de Albuquerque.

7-5-1-2 Francisco Velho de Moraes, natural de Taubaté, não citado por Silva Leme. Francisco faleceu nas minas aos 09-11-1776 em uma paragem de Lavras do Funil. Não era casado nem teve descendentes, nomeou como suas herdeiras as sobrinhas filhas de suas irmãs abaixo, todas já falecidas. Inventário neste site.

7-5-1-3 Maria Velha de Moraes, casada que foi com Jorge Furtado de Mendonça. Citada por SL como Maria de Moraes, sem seu casamento.

Entre seus filhos:

7-5-1-3-1 João Furtado, padrinho em conjunto com sua irmã Helena Dutra

Matriz de Nossa Senhora do Pilar e Capelas Filiadas, cap. N. Sra da Conceição da Barra em 1739 Angela, escrava, f. Maria, preta escrava de Mateus Pereira Dutra, padr.: João Furtado e Helena Dutra, filhos do falecido Jorge Furtado de Mendonça.

7-5-1-3-2 Helena Maria Furtado, natural de Taubate-SP, em S. João del Rei aos 29-07-1750 casou com José Antonio da Costa Sobral, filho de Tomé da Costa e Maria Sobral.

Matriz de Nossa Senhora do Pilar e Capelas Filiadas, cap. de Nazaré aos 29-07-1750 Jose Antonio da Costa Sobral, f.l. Tome da Costa e Maria Sobral = cc Helena Maria Furtado, n. freg. S. Francisco da vila de Taubate, f.l. do falecido Jorge Furtado de Mendonça e Maria Velha de Moraes. Test.: João Soares Bulhões e Diogo da Silveira Cardoso.

Pais de, q.d.:

7-5-1-3-2-1 Luiz, batizado em S. João del Rei em 15-11-1751.

Matriz de Nossa Senhora do Pilar e Capelas Filiadas, cap. N. Sra de Nazaré aos 15-11-1751 Luiz, f.l. Jose Antonio da Costa Sobral e Helena Maria Furtado, padr.: Luiz Correa Lourenço e Maria Velha de Moraes.

7-5-1-3-2-2 Josefa da Costa Sobral aos 28-11-1778 casou com Simão Lopes de Siqueira, filho do Cap. João Lopes de Siqueira e Ana da Fonseca Coutinho. Faleceu em outubro de 1804 com inventário, neste site, aberto pelo viúvo no ano seguinte. Geração na família “Lopes de Siqueira” Cap. 13º

7-5-1-3-2-3 Ana Maria de Jesus, natural de S. João del Rei. Em Carrancas aos 30-11-1781 casou com Felisberto Mariano de Campos, exposto.

B7: Casamentos - Freguesia de N.S. da Conceição das Carrancas e Sta Ana das Lavras do Funil, aos 30-11-1781 Cap. N.S. Nazare, filial de S. João del Rei, Felisberto Marianno de Campos, exposto em casa do Dr. Luiz de Campos na cidade de S. Paulo onde é natural e foi batizado; = cc. Ana Maria de Jesus, f.l. Joze Antonio da Costa Sobral e Helena Maria Furtada, n/b freg. S. João del Rei e de presente moradora nesta freguesia das Carrancas.

7-5-1-3-2-4 Teresa Maria de Jesus, tambem natural de S. João del Rei. Em Carrancas aos 21-02-1784 casou com Manoel de Siqueira Prado, natural de Baependi-MG, filho de Manoel de Siqueira Prado e Maria dos Reis.

B7: Casamentos - Freguesia de N.S. da Conceição das Carrancas e Sta Ana das Lavras do Funil, aos 21-02-1784 matriz da vila de S. João del Rei, Manoel de Siqueira Prado, f.l. Manoel de Siqueira Prado e Maria dos Reis, n/b freg. N.S. de Monserrat de baependi; = cc. Theresa Maria de Jesus, f.l. Joseph Antonio da Costa Sobral e Ellenna Maria Furtado, n/b freg. S. João del Rei.

7-5-1-3-2-5 José da Costa Sobral, batizado em 13-02-1763. Em 12-08-1784 casou com Ângela Maria da Cunha, filha de Antonio Teixeira da Cunha e Antonia Maria da Silva;

Matriz de Nossa Senhora do Pilar e Capelas Filiadas, cap. N. Sra de Nazaré aos 13-02-1763 Jose, f.l. Jose Antonio da Costa Sobral e Helena Maria Furtado, padr.: Domingos Afonso e Francisca da Silva Chaves.

 

B7: Matriz de Nossa Senhora do Pilar SJDR e capelas filiadas,12-08-1784 matriz, Jose da Costa Sobral, f.l. de Jose Antonio da Costa Sobral e Elena Maria Furtada; = cc. Angela Maria da Cunha, f.l. Antonio Teixeira da Cunha e Antonia Maria da Silva. Ambos nts/bts nesta

7-5-1-3-2-5-1 Ângela, batizada em 19-06-1785.

Matriz de Nossa Senhora do Pilar e Capelas Filiadas cap. N. Sra. da Piedade do Rio Grande em 19-06-1785 Angela, f.l. Jose da Costa Sobral e Angela Maria da Cunha, padr.: Antonio Teixeira da Cunha e Antonia Maria da Silva.

7-5-1-3-2-5-2 Domingos, em 28-08-1786.

Matriz de Nossa Senhora do Pilar e Capelas Filiadas cap. N. Sra. da Piedade aos 28-08-1786 Domingos, f.l. Jose da Costa Sobral e Angela Maria da Cunha, padr.: Luiz Freire Oliveira e Teresa Maria de Jesus.

7-5-1-3-2-5-3 João, em 30-09-1788

Matriz de Nossa Senhora do Pilar e Capelas Filiadas cap. N. Sra. da Madre de Deus em 30-09-1788 João, f.l. Jose da Costa Sobral e Angela Maria da Cunha, padr.: João da Costa Sobral, casado e Margarida Teixeira, solteira.

7-5-1-3-2-6 João da Costa Sobral, batizado em 28-07-1765. Em Carrancas aos 04-09-1784 casou com Maria Teodora de Moraes, natural de Aiuruoca, filha de José Freire e Maria Dutra.

Matriz de Nossa Senhora do Pilar e Capelas Filiadas, cap. N. Sra de Nazaré aos 28-07-1765 João, f.l. Jose Antonio da Costa Sobral e Helena Maria Furtado, padr.: Francisco Rodrigues Neves.

 

B7: Freguesia de N.S. da Conceição das Carrancas e Sta Ana das Lavras do Funil, aos 04-09-1784 Ermida N. Sra. do Rosario, filial desta matriz, João da Costa Sobral, f.l. Jose Antonio Sobral e Illena Maria Furtado, n/b freg. S. João del Rei; = cc. Maria Theodora de Morais, f.l. Jose Freire e Maria Dutra de Moraes, n/b na freg. de N. Sra. da Conceição da Aiuruoca

7-5-1-4 Francisca, que foi casada com Lucas Aires da Guerra (Francisca da Costa Albernaz, c.c. Lucas .Aguirre Correa, segundo SL)

7-5-1-5 Ana, casada que foi com Mateus Pereira Dutra. Não consta na Genealogia Paulistana.

7-5-1-6 Rosa (de Moraes), que foi casada com Jorge Dias Velho (SL 7º, 469, 4-3 e SL 8º 96, 4-1, sem a geração). Rosa e suas filhas foram legatárias do irmão Francisco.

Entre seus filhos:

7-5-1-6-1 Tomé Garcia de Moraes, natural de Taubaté-SP. Aos 13-06-1760 em S. João del Rei-MG, casou com a viúva Izabel de Unhate de Lara, tambem natural de Taubate, filha natural do falecido Garcia Rodrigues e Fulana Siqueira.

Matriz de Nossa Senhora do Pilar e Capelas Filiadas, aos 13-06-1760 Tome Garcia de Moraes, da freg. S. Francisco das Chagas de Taubate, f.l. do falecido Jorge Dias Velho e Rosa de Moraes = cc Izabel de Unhatte de Lara, n. da freg. S. Francisco das Chagas de Taubate, filha natural de Garcia Rodrigues, já defunto e ---- Siqueira, e viuva de seu primeiro marido Jose Pires da Cunha sepultado nesta dita freguesia de S; João del Rei. Test.: Antonio Gonçalves de Siqueira e Sebastião Pereira Leitão.

         Izabel foi casada primeira vez com José Pires da Cunha com quem teve q.d.:

- João Pires da Cunha, batizado aos 05-03-1740 em S. João del Rei onde em 1762 casou com Josefa Pedroso, natural da Conceição dos Guarulhos-SP, filha de Francisco Pedroso de Oliveira e Ana da Cunha de Siqueira.

Matriz de Nossa Senhora do Pilar e Capelas Filiadas, cap. N. Sra da Conceição da Barra aos 05-03-1740 João, f.l. Jose Pires da Cunha e Izabel de Unhate, padr.: Luiz Machado de Abreu e Josefa da Silva de Jesus, solteiros.

 

Matriz de Nossa Senhora do Pilar e Capelas Filiadas, em 1762 João Pires da Cunha, desta, f.l. do falecido Jose Pires da Cunha e Izabel de Unhatte = cc Josefa Pedroso, da freg. da Conceição bispado de SP, f.l. Francisco Pedroso de Oliveira e Ana da Cunha de Siqueira. Test.: Francisco da Costa Dias e Antonio Gonçalves de Siqueira.

João e Josefa tiveram filhos batizados na capela de Nazaré filial de S. João del Rei, q.d.:

- João, em 13-02-1763

Matriz de Nossa Senhora do Pilar e Capelas Filiadas, capela N. Sra de Nazare aos 13-02-1763 João, f.l. João Pires da Cunha e Josefa Pedroso de Oliveira, padr.: -------- Marques Vale e Maria Velha.

- Ana, em 13-01-1765

Matriz de Nossa Senhora do Pilar e Capelas Filiadas, cap. N. Sra de Nazare aos 13-01-1765 Ana, f.l. Jo-- Pires da Cunha e Josefa Pedroso de Oliveira, padr.: Domingos Vieira e Maria da Conceição.

- Izabel, em 20-04-1766

Matriz de Nossa Senhora do Pilar e Capelas Filiadas, capela N. Sra de Nazare aos 20-04-1766 Izabel, f.l. João Pires da Cunha e Josefa Pedroso de Oliveira, padr.: Jeronimo Furtado e Inacia Pedroso cc João Siqueira Graças.

- Francisco em 29-07-1770

Matriz de Nossa Senhora do Pilar e Capelas Filiadas, capela N. Sra de Nazare 29-07-1770 Francisco, f.l. João Pires da Cunha e Josefa Pedroso de Oliveira, padr.: João da Costa Vaz e Luiza da Silva de Mendonça cc Manoel Rodrigues.

- José em 13-02-1773.

Matriz de Nossa Senhora do Pilar e Capelas Filiadas, capela N. Sra de Nazare aos 15-02-1773 Jose, f.l. João Pires da Cunha e Josefa Pedroso de Oliveira, padr.: Jose Marques Vale e Inacia Pedroso cc João de Siqueira.

7-5-1-7 Matias Rodrigues Sobrinho que em 1728 pediu dispensa para se casar com sua parenta Rosa Cordeira (Rosa de Leme Cordeiro em SL. 8º, 87, 4-1 e Rosa de Sene em SL. 8º, 97, 4-4), filha de Manoel Paes da Fonseca e Joana do Prado de Siqueira, neta materna de Miguel Gil de Siqueira e Antonia Furtado, nesta família Cap. 5

ACMSP- Dispensas Matrimoniais –1728

07-04-1728 em S Francisco das Chagas de Taubaté

Oradores: Mathias Rodrigues Sobrinho e Rosa Cordeira

Parentes em 4º Grau consaguineo

Amaro Gil          1º grau  Ines Gonçalves

Miguel Gil          2º grau  Beatriz Gonçalves

Anna do Prado 3º grau  Mº Glz

Roza Cordeiro  4º grau  Matihas Roiz

Amaro Gonsalves e Inês Gonçalves foram irmãos.

De Amaro procedeu Miguel Gonçalves, pai de Joana ?, a qual é mãe da oradora Rosa Cordeiro

De Inês nasceu Beatriz Gonçalves, e desta nasceu Maria Gonçalves, mãe do orador Mathias Rodrigues Sobrinho

 

Entre as testemunhas: Pedro de Oliveira Gil, nesta vila (Taubaté) morador, 70 anos, disse ser tio terceiro dos oradores.

 

7-5-1-8 João Preto de Moraes, natural de Taubaté, faleceu em São Paulo aos 28-02-1781, deixando viuva Mariana da Silva Fajardo, natural da cidade de São Paulo, filha de José da Silva Pinheiro, natural de Lisboa e de Margarida da Silva, natural da cidade de S. Paulo.

         Segundo Silva Leme, João casou primeiro com Maria de Araujo que faleceu em 1728, de quem teve três filhos, descritos em SL 8º, 97, 4-3.

ACMSP-N Sra da Assunção -  Obitos- Aos 28-02-1761 fal João Preto de Moraes nat de Taubaté filho de (   )inho de Moraes e s/m Maria Gonçal( )  cc Marianna da Silva Fajardo sem testamento

João e Mariana tiveram vários filhos, um citado por Silva Leme e outros q.d::

6-5-1-8-1 Pedro Jacome de Moraes, natural e batizado em São Paulo em 04-10-1732, onde em 1758 pediu provisão para casar com Maria de Jesus Bueno de Camargo, natural de Guarulhos onde foi batizada em 26-11-1734, filha de Antonio Bueno da Cunha e Ana Pires Cardoso. Maria faleceu em 25-08-1780 e foi sepultada na Sé. Viuvo, em 1788 Pedro pediu outra provisão desta vez para casar, como casou aos 31-08-1788 em Atibaia, com Escolastica Antunes de Catilho, natural de Atibaia onde foi batizada aos 03-12-1743, filha de João Ribeiro de Alvarenga e Francisca Pedroso de Avelar.

ACMSP- Dispensas Matrimoniais- ano 1758

Quer casar Pedro Jacome de Moraes filho leg de João Preto de Moraes e Marianna da S.ª Fajarda nat desta freguesia em ella batizado, com D. Maria de Jesus Buena de Camargo filha leg de Antonio Bueno de Camargo e de s/m Anna Maria Pires Cardoza nat e bat na freg de conceição dos Guarulhos. E de presente assistente em S João de Atibaia.

 

Francisco Alz de Oliveira, Cura da Sé da cidade de S. Paulo, certifico: aos 04-outubro-1732 bat a Pedro, f. de João Preto de Moraes e de s/m Mariana da Silva, foram padrinhos Manoel Jacome e sua mulher Maria Garcia.

 

N Sra de Conceição dos Guarulhos- Aos 26-11-1734 bat Maria filha de Antonio Bueno da Cunha e s/m Anna Maria Pires Cardosa. Padrinhos: Dionizio Cardoso Ribeiro e Thereza Ribeiro mulher de Antonio Cardoso- Lopo Rodrigues Ulhoa- e mais não continha....

 

ACMSP- Dispensas Matrimoniais –ano 1788

Autos de casamento aos 18-agosto-1788

Quer cazar Pedro Jacome de Moraes viuvo q ficou de Maria Buena de Camargo, com Escolastica Antunes de Castilho filha leg de João Ribeiro de Alvarenga já defunto e s/m Francisca Pedroza de Avelar bat na Matriz de S João de Atibaia.

 

Lv. de Óbitos: aos 25-agosto-1780 faleceu Maria Buena casada com Pedro Jacome, era natural desta cidade, teria quarenta anos, mais ou menos; sepultada na Sé.

 

Lv Bat fls 32- Aos 03-12-1743 bat Escolastica filha de Joam Ribeiro de Alvarenga e s/m Francisca Pedrosa. Padrinhos: Jose da Cunha Ribeiro e Izabel Vieira mulher de Antonio Lopes da Sá

 

Atibaia, SP - Pedro Jacome de Moraes e Escolastica Antunes - aos 31-agosto-1788 nesta matriz e com provisão, sendo testemunhas João Rorigues Vieira, casado e Mateus Jose Botelho Mourão se casaram Pedro Jacome de Moraes, natural da cidade de S. Paulo, f.l. de João Preto de Moraes, natural de Taubate, e de s/m Mariana da Silva Fajardo natural da cidade de S. Paulo, np de João Sobrinho de Moraes e de s/m Maria Gonçalves Cabral naturais de Taubate, neto materno de Jose da Silva Pinheiro natural de Lisboa e de s/m Margarida da Silva natural da cidade de S. Paulo = com Escolastica Antunes de Castilho, natural e freguesa desta vila, f.l. de João Ribeiro de Alvarenga e de s/m Francisca Pedrosa e Avellar, esta natural de Parnagua e aquele desta vila, cujos avós não sabem.

 

6-5-1-8-2 Angela da Silva, falecida solteira com 41 anos em 05-08-1774.

Aos 05-08-1774 fal Angela da Silva solteira de 41 anos filha do defunto João Preto e s/m Marianna da Sylva Fajarda

6-5-1-8-3 Francisco, batizado na matriz de São Paulo aos 24-01-1734.

Nossa Senhora da Assunção, Aos 24-01-1734 nesta Matriz bat Francisco filho de João Preto de Moraes e s/m Mariana Fajardo. Padrinhos Joseph Dias da Silva e Maria das Neves solteira filha de João Gonçalves Figueyra

6-5-1-8-4 Maria, batizada no mesmo lugar aos 03-01-1741

Nossa Senhora da Assunção, - Aos 03-01-1741 bat Maria filha de João Preto de Moraes e Maria da Sylva. Padrinhos, Pedro da Rocha Pimentel, ,e Arcangela Ortiz, ambos casados .

6-5-1-8-5 Sebastião, batizado aos 04-02-1743

Nossa Senhora da Assunção - Aos 04-02-1743 bat Sebastiam fl de João Preto de Moraes e Mariana da Sylva. Padrinhos: Francisco Bueno (...)cha, casado e Bernarda Ortiz de Camargo.veuva

6-5-1-8-6 Ana, batizada em 01-08-1745

Nossa Senhora da Assunção - Ao 01-08-1745 bat Anna fl de João Preto de Moraes e Marianna da Sylva. Pdrinhos: Antonio de Moraes Madureira e Mariana Buena, ambos solteiros.

 

 

__________________________________________________________________________

 

 

Cap. 8º Manoel Gil de Siqueira

 

 

 

Manoel Gil de Siqueira, natural de São Paulo, filho de Sebastião Gil e Feliciana Dias, casou com Ignez Dias Felix, nascida em Taubaté, filha do Capitão Domingos Dias Felix e Suzana de Goes, família Jaques Felix neste site. Manoel faleceu em 1695, com inventario aberto em novembro desse ano pela viúva.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado- Manoel Gil de Siqueira

Inventariante: Maria Ines Dias Felix

Abertura do inventario: Taubaté 09-11-1695 na Vila de S Fran.co das Chagas de Taubathe em pousadas de Manoel Gil de Siqueira onde o juiz achou a dona viúva Ignes Dias Felix mulher que ficou do dito defunto Manoel Gil de Siqueira (que prestou juramento, disse que seu marido fez testamento que apresentou e que declararia os filhos e bens) assinou pela viúva o Capitão Sebastião de Siqueira Gil.

 

Testamento- 15-09-1695- Eu Manoel Gil de Siq,ra estando doente..... faço este testamento... (encomendou a alma com invocações pias) Testamenteiros: minha mulher Ignes Dias Felix e os filhos Domingos Gil de Siqueira e Manoel Gil de Siqueira.

Declaro q sou nat da Vila de Sam Paulo filho leg de Sebastião Gil e s/m Feliciana Dias já defuntos; cc Ignes Dias Felix ( ) desta vila fª leg de D.os Dias Felix e s/m Suzana de Gois já defuntos; temos os filhos e filhas seguintes: Suzana de Gois, Domingos Gil de Siq.ra, Manoel Gil de Siq.ra, Vidal, Antonio, Fran.co meus erdeiros. Suzana de Gois cc Pº de Miranda pagos do dote.

Declaro q tenho as filhas naturais Feliciana Dias, Anna Dias e Catharina Dias feitas em solteiro. Casei as três filhas naturais e a hua delas dei algumas coisas e a Feliciana e Anna dei uma peça a cada uma. A Catarina não pude dar por estar falto de gente... Declaro que tenho um sitio em Una... (declarou terras, alguns chãos que comprou do cunhado Jaques Felix, outros partindo com o irmão Bento Gil de Siq.ra junto das casas de Salvador Machado. Terras “com seu sertão em tapiirebeguaba” Possuimos dezoito almas “entre grandes e pequenas” Tenho dois bastardos João e Salvador que se criaram em minha casa e se entregarão a seu pai. Deixou a terça para a mulher pedindo que ela desse 4$000 “para minha sobrinha Antonia de Paiva filha de meu irmão Anto Gil”...

Cumpra-se (borrado) mbro de 1695

 

Titulo dos filhos

Suzana de Gois cc Pº de Mr.da

Domingos Gil de Siqueira 33 anos pouco mais ou menos

Manoel Gil de Siqueira cc Marta de Miranda

Vidal Gil de Siqueira 26 anos pouco mais ou menos

Antonio Dias Felix 22 anos pouco mais ou menos

Fran.co 12 anos pouco mais ou menos

 

Seguem avaliações

Perecerão por mandado do dito juiz os Genros bastardos do dito defunto a saber João Gomes e Seb.am ---- e Silvestre Peres e por eles foi dito que não queriam nada. Assino a rogo de Joam Gomes e de Sebastião --- e de Silvestre Peres = Domingos Gomes da Silva.

Seguem as partilhas- das dividas, de Manoel Gil de Siqueira já casado, da viúva e dos quatro órfãos juntos.

 

Taubaté 10-04-1710- Em casa do escrivão apareceu Fran.co Homen requerendo-me...

Diz Fran.co Home morador nesta vila filho de Manoel Gil q Ds tem (que ele tem idade para se reger e não precisa de curador). A mãe confirma

Testemunhas:

João Ribeiro Maciel 38 anos

Sebastião Frrª Albernaz, 35 anos

 

Antonio Dias Felix pede a folha de partilhas dizendo estar casado “nesta vila”

 

Filhos de Manoel Gil de Siqueira, segundo declarado em seu testamento:

 

Filhas naturais havidas em solteiro e casadas em vida do pai com João Gomes, Sebastião Fuão, Silvestre Peres:

8-1n Feliciana Dias

8-2n Ana Dias

8-3n Catarina Dias

 

Manoel e Ines tiveram:

8-1 Suzana de Goes, casada com Pedro de Miranda

8-2 Domingos Gil de Siqueira

8-3 Manoel Gil de Siqueira, casado com Marta de Miranda, filha de Domingos Vieira Cardoso e Marta de Miranda. Manoel faleceu com testamento redigido aos 20-05-1715 e inventario aberto pela viúva em julho do mesmo ano.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado Manoel Gil de Siqueira

Autos aos 08-julho-1715 nesta vila, em casas do Cap. Pedro de Oliveira Gil, inventariante D. viúva Marta de Miranda.

Titulo de filhos:

Marta/ Ignez/ Manoel/ Domingos/ Luiz/ Antonio//

Avaliações/ Dividas que a fazenda deve/ Partilhas/

Assinou a rogo da viuva, Capitão Salvador Moreira de Castilho

 

Treslado do Testamento: (...) eu Manoel Gil de Siqueira faço este meu testamento: encomenda a alma.

Testamenteiros: a meu compadre Pedro de Oliveira Gil e a meu cunhado o Cap. Salvador Moreira de Castilho; encomenda o sepultamento e missas.

Sou natural desta vila, f.l. do Cap. Manoel Gil de Siqueira, ja defunto e de s/m Ignez Dias Felis, Sou casado com Marta de Miranda, natural desta vila, f.l. de D.os Vieira Cardoso, ja defunto e de s/m Marta de Miranda; e dentre ambos temos os filhos seguintes: Marta = Ignez - Manoel - Luiz = Antonio, meus universais herdeiros. Declara bens. Declara dividas, entre elas: devo a meu cunhado Pedro de Miranda; devo ao Cap. Antonio Jorge Paes (...). Minha mãe, Ignez Dias Felis me tem dado 125$000 reis na conta de minha legitima daquilo que me caberia por sua morte.

Deixo remanescente da minha terça a minha mulher Marta de Miranda. (...) Vila de Taubate 20-maio-1715 = Manoel Gil de Siqueira

Aprovação: 20-maio-1715

Tutor dos orfãos deste inventário o Cap. Pedro de Oliveira Gil.

Termo de novo tutor e curador pelo tutor nomeado ter falecido.

Aos 02-maio-1736 a Miguel Vieira de Almeida, tio dos orfãos.

 

Filhos de Manoel e Marta

8-3-1 Marta

8-3-2 Ines

8-3-3 Manoel

8-3-4 Domingos

8-3-5 Luiz

8-3-6 Antonio

 

8-4 Vidal Gil de Siqueira, com 26 anos em 1695

8-5 Antonio Dias Felix, 22 anos em 1695. Quando pediu sua folha de Partilha alegou estar casado “nesta vila”.

8-6 Francisco Homem, com 12 anos em 1695, em 1710 abriu processo de emancipação alegando que não mais precisava de curador.