PROJETO COMPARTILHAR

Coordenação: Bartyra Sette e Regina Moraes Junqueira

www.projetocompartilhar.org

 

 

Processos Anchietanos, por Helio Abranches Viotti, S.J. (ASBRAP 3)

fls. 23, 8: Baltazar Gonçalves (ouvido a 5 abril 1622), agricultor, natural de Santos com c. de 78 anos, filho de Domingos Gonçalves e de Antonia Rodrigues. Era sogro de Clemente Alvares.

fls. 23, 9, Maria Alvares (ouvida a 6 abril 1622) natural de São Paulo, com c. 67 anos, filha de Fernão Alvares e Margarida Marques.

fls. 31, 12, (ouvida a 22 de novembro de 1627), natural da vila de São Paulo, com cerca de 78 anos. mulher de Baltazar Gonçalves. Era seu cunhado Brás Gonçalves.

 

SL. 5º, 424, 1-2 Paulo (ou Francisco) de Almeida casou em 1643 em S Paulo com Maria de Albernaz f.a de Luís Albernaz e de Andreza Gonçalves.

 

 

Subsídios à Genealogia Paulistana (Bartyra Sette)

 

Balthazar Gonçalves, nascido por 1544, filho de Bartolomeu Gonçalves (que primeiro se chamou Domingos, A. Moura fls. 377) e de Antonia Rodrigues, casou com Maria Álvares, nascida por 1555, filha de Fernão Alvares e Margarida Marques.

Pelos inventários reunidos neste site encontramos os seguintes filhos do casal:

 

1- Andreza Gonçalves, falecida em outubro de 1632, casada em primeiras núpcias com Luiz de Albernaz e em segundas com o ourives Antonio da Silveira, falecido no sertão em junho de 1632, filho de Gaspar da Silveira que vivia na Bahia em 1633.

Teve a filha única, do primeiro matrimonio:

1-1 Maria de Albernaz, nascida por 1617, tutelada por seu avô Baltazar Gonçalves o qual declarou em testamento ainda ter em seu poder a legítima da neta. Aos 26-4-1634 estava casada com Francisco de Almeida. (SL. 5º, 424, 1-2)

 

2- Maria Gonçalves, falecida em 1632 (sAESP vol. 1º, neste site), casada com Clemente Alvares falecido em 1641 (sAESP vol. 14º, neste site) (SL. 4º, 429 nota)

 

3- Miguel Gonçalves, citado no testamento da irmã abaixo.

 

4- Ignez Gonçalves, falecida em 1644 (sAESP vol. 29º, neste site) casada em primeiras núpcias com Gonçalo ----- e em segundas com Francisco Barbosa que foi curador de Maria d’Albernaz e declarante no inventário da cunhada Andreza Gonçalves.

 

ANTONIO DA SILVEIRA

Inventário

(anexo o de Andreza Gonçalves)

 

Vol 30, fls 101 a 130

Data: 2-4-1613 (sic)

Juiz: Francisco Rendon de Quebedo

Escrivão dos Órfãos: Ambrosio Pereira

Avaliador: Manoel da Cunha e Fr.co da Guaia

Local: Vila de São Paulo, nas casas de Fr.co Barboza

Declarante: Fran.co Barboza

 

Avaliações:

(entre elas)

- as braças de chãos no outão do quintal de Ana Ribeiro defronte dos chãos de João de Savedra que foram da velha Maria Alves que vendeu ao defunto Antonio da Silveira como consta de umas escrituras.

- outros chãos para dois lanços de casas que partem com chãos de Fr.co Jorge de que ficou uma escritura feita pelo tabelião (...) que ficou em poder de Fr.co Barboza.

- um mandado que se achou em que se deram a viúva antes de se casar --- defunto Antonio da Silveira para que lhe dera o a----- Baltasar Guaya qual mandado de resto dele que deve-se lhe quatro mil pouco mais ou menos ou o que na verdade --------

 

Dividas que devem ao defunto:

- e assim mais declarou Antonio da Silva genro de Maria Roiz dever ao defunto Antonio da Silveira 16$000 rs