PROJETO COMPARTILHAR

Coordenação: Bartyra Sette e Regina Moraes Junqueira

www.projetocompartilhar.org

 

 

Cap. 10º ANA MARIA DUARTE

As Três Ilhoas vol. 1º, 385, 3-8, 4 filhos

(atualizado em 04-junho-2013)

 

 

Regina Moraes Junqueira

Bartyra Sette

 

 

Também referida como Ana Maria de Carvalho ou Ana do Angaí, nascida e batizada na Freguesia dos Prados, termo da Vila de São José aos 17-08-1739, filha legítima de Caetano de Carvalho Duarte e de Catarina de São José.

Prados, MG Igreja N Sra da Conceição aos 17-08-1739 nesta matriz bat a Ana, f.l. Caetano Carvalho Duarte e Catarina de S. Jose, padr.:  Bernardo Rodrigues Dantas, desta freguesia e Maria Teresa mulher de Ignacio Franco .

Casou em 1760 na Capela de São Miguel do Cajuru com José Garcia Duarte, então com 21/22 anos, filho de João Garcia Duarte e Antonia Maria da Boa Nova. Família “Antonio Gracia” II-, neste site.

Aos dezessete dias do mês de Agosto de mil setecentos e quarenta anos batizou de minha licença o Reverendo Bento Gomes da Silva na capela de São Miguel do Cajuru filial desta Matriz de Nossa Senhora do Pilar da Vila de São João del Rei a JOSÉ filho legitimo de João Garcia e sua mulher Antonia Maria e lhe poz os Santos Óleos e foram padrinhos José de Araújo Martins e sua mulher Joaquina Maria da Fonseca todos moradores desta freguesia.

O Vigário Doutor Manoel da Rosa Coutinho 

 

B7: Matriz de Nossa Senhora do Pilar SJDR e capelas filiadas; [danificado] de 1760, Jose Gracia Duarte, n. desta freguesia, f.l. João Gracia Duarte e Ana(sic) Maria; = cc. Ana Maria, n. freg. N. Sra. da Conceição dos Prados desta comarca, f.l. Caetano Carvalho e Catarina de S. Jose.

 

inserida no inventário de Antonia Maria da Boa Nova:

Francisco Xavier da Costa Fialho, sacerdote do hábito de São Pedro e capelão da capela de São Miguel do Cajuru certifico em como nesta capela de São Miguel, filial da Matriz de São João del Rei e com licença do Reverendo Pároco assisti ao matrimonio que de palavras de presente celebraram os contraentes José Garcia Duarte e Ana Maria Duarte e lhes dei as bênçãos na forma do ritual romano, estando as testemunhas presentes Diogo Garcia, João Francisco Junqueira, José Rebelo e todas destas freguesia e para constar passei esta e se necessário for a juro in verbo sacerdotis.

Capela de São Miguel do Cajuru aos 9 de Maio de 1762


João Garcia foi batizado na Freguesia de Nossa Senhora das Angustias da Ilha do Fayal, onde casou aos 11-11-1725 com Antonia Maria da Boa Nova. Era filho legítimo de Francisco Rodrigues e Francisca Garcia, neto paterno de Diogo Rodrigues e Bárbara Duarte, neto materno de Antonio Gracia e Maria Correa, todos da citada ilha (família “Antonio Gracia e João Garcia Duarte).

 

Igreja de Nossa Senhora das Angustias da Vila de Horta, Ilha do Fayal – casamentos

Em os digo onzze (sic) dias do mês de Novembro do anno de mil settecentos e vinte e cinco de tarde nesta Parochial Igrª de N Sra da Angustias ... sem impedimto algum ..... tambem presentes Manoel Correa e o Capitam Sebastião de Almda --- celebraram matrimonio João Garcia fº de Frcº Roz já defunto e de sua mer Francisca Garcia com Antonia Maria da Boa Nova filha de Antonio da Costa da Fonseca e de sua mer Maria da Boa Nova já defunta fregueses desta freguesia.

 

Igreja de Nossa Senhora das Angustias da Vila de Horta, casamentos

Aos vinte dias do mês de fevereiro recebi Francisca Gracia filha de Antonio Gracia e sua molher Maria Correa defunta com Francisco Rodrigues filho de Diogo Rodrigues e de sua molher Bárbara Duarte defunta todos freguezes desta freguezia de Nossa Senhora das .Angustias foram prezentes João Gracia e Manoel de ??? e outras pessoas... fiz Amaro da Sylva –

(à margem) Era de seissentos e oitenta e nove


João Garcia faleceu com testamento ditado aos 16-03-1771, deixando um legado à afilhada, filha de seu irmão Antonio Garcia (família “Antonio Gracia”, neste site), e por segundo testamenteiro o cunhado Libório Pereira Luiz. Era então casado em segundas com Clara Rosa de São Guilherme, de quem não deixou filhos.

Livro de Casamentos da Matriz do Pilar e Capelas filiadas

Aos 8-7-1759 se casaram João Garcia Duarte, viúvo de Antonia Maria da Boa Nova, filho de Francisco Rodrigues e Francisca Garcia com Clara Rosa de São Guilherme, natural da Ilha do Fayal, filha de Guilherme Ferreira e Maria de São Pedro.

 

          Antonia Maria da Boa Nova era natural da mesma ilha, batizada na Freguesia de N. Sra das Angustias, filha de Antonio da Costa da Fonseca e de sua mulher Maria da Boa Nova. Faleceu aos 23-05-1758, tendo seu inventário aberto na Paragem do Ribeirão do Araújo aos 23-05-1758 (neste site). Deixou apenas dois filhos menores, José e João, o qual casou em Prados aos 18-10-1762, com Antonia Maria de Jesus, teve 10 filhos e faleceu com inventário aberto aos 21-04-1817 (neste site)

Livro de casamentos da freguesia de Prados, fls 56 v - Aos dezoito dias do mês de outubro do ano de mil setecentos e sessenta(?) e dois pelo meio dia na Capela de Santo Antonio da Lagoa Dourada, filial desta Matriz dos Prados, donde a contraente é moradora (feitas as diligências etc) em presença de Libório Pereira e João Garcia assinados na certidão e de outras que de presente se achavam de palavras de presente se casaram, in facie Eclésia, João Garcia Duarte, filho legitimo de João Garcia Duarte e sua mulher Antonia Maria já defuntos, com Antonia Maria de Jesus, natural desta Freguesia dos Prados, filha legitima de Miguel Pereira Luiz e de sua mulher Maria de Jesus (e logo receberam as bênçãos etc).

O Coadjutor João Resende da Costa

 

José Garcia Duarte e Ana Maria Duarte foram moradores na paragem do Saco do termo de Baependí, razão pela qual sua descendência é freqüentemente referida como “Os Garcia Duarte de Baependí”.

Em 1799 Ana Maria obteve sesmaria de meia légua de terra partindo das margens do Rio Elena e confrontando com as terras da sua própria Fazenda do Ingaí e de outras pessoas (Carta de Sesmaria neste site, cortesia de Guilherme Junqueira Maciel).

José faleceu aos13-08-1810 e foi sepultado na Capela de São José do Favacho (inventário neste site, colaboração de Moacyr Urbano Villela).

No arraial de Aiuruoca, Ana Maria ditou seu testamento aos 30-12-1816, aprovado aos 16-02-1817 em casa do Capitão João de Souza Meirelles, em presença da testadora. Deixou por herdeiro da sede de sua fazenda o neto José de Souza Meirelles que a ajudou na administração dos bens.

Ana Maria faleceu aos 09-03-1826 e foi sepultada na Capela do Favacho conforme a sua vontade.

B7: Baependi - Óbitos, aos 09-03-1826 faleceu D. Ana Maria Duarte, viuva de Jose Garcia Duarte; jaz dentro da Capela de S. Jose do Favacho filial desta matriz, tendo feito seu solene testamento.

 

Segundo testamento de Ana Maria (neste site), e inventário de seu marido, tiveram os seguintes filhos:

§ 1º - Manoel Garcia Duarte

§ 2º - Antonio Joaquim Duarte

§ 3º - Mariana Antonia de Jesus

§ 4º - Tereza Maria de Jesus

 

 

§ 1º Manoel Garcia Duarte

As Três Ilhoas vol. 1º, 386, 4-2, s.m.n

 

Nascido por 1764, com 46 anos em 1810, “demente” e “mudo” segundo declarações no inventário paterno. Foi tutelado por seu cunhado o Capitão Tomas Joaquim de Arantes. Faleceu em 1818.

 

 

§ 2º Antonio Joaquim Duarte

As Três Ilhoas vol. 1º, 385, 4-1, um filho

 

Nascido por 1766 em São Miguel do Cajuru, casou com Maria Tereza de Jesus, filha de Antonio Martins Borralho e Senhorinha Antonia do Nascimento. (família “Os Martins Covas”, neste site).

Maria Tereza casou em segundas com o viúvo Francisco Tomás Villela, nascido aos 23-12-1769, filho de Domingos Villela e Maria do Espírito Santo, por esta neto de Diogo Garcia e Julia Maria da Caridade. (Testamentos de Maria do Espírito Santo e Diogo Garcia neste site).

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - Batismos- Aos 18 janeiro 1770, Cap. N. Sra. B.S. de Serranos, FRAN.CO, f.l. de D.os Vilella e s/m Ma. do Spirito Santos, q.n. em 23 de dezembro 1769.

 

Francisco Tomás Villela foi casado em primeiras núpcias aos 30-04-1792 com Joaquina Tomasia dos Reis, filha de Domingos dos Reis e Silva, falecido aos 28-11-1783 (inventário neste site) e Andreza Dias de Carvalho. Casou em segundas núpcias com Luiza Cândida da Silva (ou de São José como aparece em batismo de filhos).

O processo matrimonial de Maria Tereza e Tomás Villela foi consultado pelo Dr José Guimarães e publicado na Revista Genealógica Latina nº 13. Nele os contraentes declaram serem parentes em 4º grau misto de 3º, porque Julia Maria, avó materna do orador era irmã de Antonia da Graça, da qual nasceu Catarina de São José, e esta gerou Ana Maria, mãe de Antonio Joaquim, primeiro marido da oradora.

Neste processo não consta parentesco entre Diogo Garcia e João Garcia Duarte, avô paterno de Antonio Joaquim (segundo alguns genealogistas Francisca Garcia, mãe de João seria irmã de Mateus Luiz, pai de Diogo Garcia, filhos ambos de Diogo Rodrigues e Bárbara Duarte).

Por esta via, os dois maridos de Maria Tereza seriam parentes em 4º grau igual.

 

Antonio Joaquim faleceu com testamento redigido aos 21-05-1821 na Fazenda do Ingaí, onde residia. Nele declarou sua naturalidade, filiação, seu casamento, sogros e deixou legados para a sobrinha Francelina, filha de seu cunhado Henrique Dias Mendes (neste site).

Segundo seu testamento, Antonio Joaquim deixou de legítimo matrimônio o filho único:

 

1- Gabriel Garcia Duarte, recebeu de sua avó 200$000 em terras. Na Capela de São José do Favacho aos 03-05-1824, dispensados do impedimento de consanguinidade em terceiro grau em linha transversal, casou com Áurea Francisca de Jesus, filha de Manoel Alves Madeira e de Julia Maria de Jesus (Cap. 2º § 6º, nesta família).

Certifico que revendo os Livros de Assentos de Casamentos desta Freguesia no Livro sexto se acha o seguinte a folha 172: Aos três dias do mês de Maio de Mil oitocentos e vinte e quatro, depois de feitas as diligências na forma do Concilio Tridentino e Constituição do Bispado e dispensados por sua Excelência Reverendíssima do impedimento de consanguinidade em terceiro grau em linha transversal, o Reverendo Isidoro Correa de Carvalho, com licença paroquial assistiu ao matrimônio na Capela do Favacho aos contraentes Gabriel Garcia Duarte, filho legítimo de Antonio Joaquim Duarte e Maria Theresa de Jesus e Áurea Francisca de Jesus, filha legítima de Manoel Alves Madeira e de Julia Maria de Jesus, nascidos batizados e moradores nesta Freguesia de Baependi e lhe conferiu as bênçãos nupciais na forma do Ritual Romano em presença das Testemunhas  Capitão João Pedro Junqueira e o Tenente Joaquim Nogueira de Sá. (...).

 

          Gabriel faleceu aos 19-06-1825, sem geração, e Áurea convolou novas núpcias.

Freguesia de Baependi (...).

Certifico que revendo os Livros de Óbitos desta Freguesia no Livro 7º se acha o Assento seguinte a folha 63: Aos dezenove dias do mês de Junho de mil oitocentos e vinte e cinco anos faleceu da vida presente com todos os sacramentos, de um encalhe, Gabriel Garcia Duarte, casado com Dona Áurea Francisca de Jesus, foi encomendado, acompanhado a sepultura pelo Reverendo Capelão do Favacho e outro sacerdote, envolto o seu cadáver em Hábito Preto, jaz sepultado dentro da Capela de São José do Favacho e para constar fiz este Assento.

 

 

§ 3º Mariana Antonia de Jesus

As Três Ilhoas vol. 1º, 386, 4-2, 4 filhos

(atualizado em 24-fevereiro-2013)

 

 

Nascida e batizada em São João del Rei, filha legitima do Capitão José Garcia Duarte e D. Ana Maria de Carvalho. Casou com João de Souza Meirelles, batizado na Freguesia de Sernandes (sic), Concelho de Felgueira, Arcebispado de Braga, filho de João de Souza e Joana Meirelles.

Capitão João de Souza Meirelles era irmão de Josefa de Souza Meirelles mãe de:

I- Cap. Antonio da Fonseca Guimarães casou com Ana Vitória Nogueira. Foram moradores na Alagoa de Aiuruoca onde comparecem no censo de 1831, ele com 42 anos, Ana com 30 e vários filhos, entre eles:

Censo de Alagoa de Aiuruoca 06-11-1831, fogo 44

Antonio da Fonseca Guimarães, Branco, 42, casado, lavoura

Ana Vitoria, Branco, 30, casado,

Antonio, Branco,10

Maria, Branco, 9,

Feliciana, Branco, 7,

Ana, Pardo, 5

22 escravos

I-1 Antonio de Alcantara Fonseca Guimarães, casou com Joaquina Carmelita de Souza Meirelles 1-6 abaixo.

I-2 Maria Custódia de Fonseca Nogueira, diospensados do impedimento de consanguinidade em 2º grau misto de 1º, casou com José Maximo Ribeiro de Magalhães, irmão de Ana Vitória Nogueira.

Arquivo da Cúria Diocesana de Campanha -  POA -LPM - 10 - 1840 a 1847 - Dispensa de Impedimentos

Resumido por Paulo Guedes, disponibilizado por Moacyr Villela

1841 - Oradores - Jose Maximo Ribeiro de Magalhães e Dona Maria Custodia de Afonseca Nogueira

Ambos são naturais da Freguesia de Aiuruoca. O orador é morador em Pouso Alto e a oradora na aplicação da Alagoa de Aiuruoca.

Consangüinidade em segundo grau misto de primeiro: O orador é irmão de Dona Ana Vitória mãe da oradora.

Oradora; Filha legitima do C. Antonio de Afonseca Guimarães e Dona Ana Vitória Nogueira.

Os pais da oradora são moços e tem ainda três filhos para criar.

I-3 Ana Vitória Nogueira casou com José Villela de Souza Meirelles 1-3 abaixo.

I-4 Escolástica, batizada em 1833.

Igreja N. Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - na era de 1833 pouco mais ou menos, capela Alagoa ESCHOLASTICA filha do capitão Antonio da Affonseca Guimarães e d. Anna Victoria Nogueira, padr.: Jose Maximo Ribeiro e d. Maria Augusta Ribeira.

 

Mariana Antonia de Jesus faleceu em 29-05-1822, com testamento ditado aos 18-05-1822 na sua Fazenda Boa Vista em Aiuruoca, transcrito no livro de óbitos desta freguesia (fls 173), onde ela mesma declarou sua naturalidade e filiação (pesq. Bartyra Sette) e neste site. Deixou legados a alguns netos, à Maria, filha de Bento Ferreira e a afilhada Ana, filha de Antonio de Oliveira Porto.

Em 1831, aos 80 anos, João ainda vivia em Aiuruoca no estado de viúvo.

Mapa de População, distrito de Aiuruoca - 10 nov. 1831; 9º quarteirão, fogo 2: João de Souza Meirelles, br., 80 anos, viuvo, lavrador

 

Aos 26-03-1832 ditou seu testamento ao Padre José de Abreu e Silva (neste site), declarando que de seu casamento tivera três filhos e uma filha, seus únicos herdeiros:

1- João de Souza Meirelles

2- José de Souza Meirelles

3- Manoel de Souza Meirelles

4- Ana Cândida (ou Custódia) de Meirelles

 

1- João de Souza Meirelles, natural de Aiuruoca, com 38 anos em 1831, casou com Joaquina Evarista Villela, nascida por 1794 em Serranos, filha de Joaquim Manoel do Nascimento e Severina Jacinta dos Reis. Joaquim Manoel e Severina Jacinta se casaram aos 10-08-1789 na Capela da Piedade, foram moradores em Santa Maria de Baependi, onde possuíam a fazenda Atoleiro e onde, aos 20-06-1829, após a morte de Severina, Joaquim Manoel fez uma partilha amigável dos bens com seus filhos e genros, entre eles, João de Souza Meirelles e sua mulher (neste site).

Certificado de casamento (no inventário de Domingos dos Reis e Silva, neste site)

Aos dez de Agosto de mil setecentos e oitenta e nove na Capela de Nossa Senhora da Piedade filial desta Matriz de São João del Rei, (...), o Reverendo Capelão Antonio Martins Saldanha, com licença administrou o Sacramento do matrimônio que por palavras de presente celebraram; JOAQUIM MANOEL DO NASCIMENTO filho legítimo de DOMINGOS VILELA e de MARIA DO ESPÍRITO SANTO, natural e batizado na Freguesia da Aiuruoca e = Dona SEVERINA JACINTA DOS REIS, filha legítima do Capitão DOMINGOS DOS REIS SILVA e de Dona ANDREZA DIAS DE CARVALHO, natural e batizada nesta freguesia e logo lhes deu as bênçãos na forma do Ritual Romano.

 

João e Joaquina Evarista foram moradores em Aiuruoca onde possuíam casas na vila e a Fazenda Laranjeiras com sua Ermida paramentada. Possuíam também a Fazenda Boa Vista do Baguaçu, em Pirassununga, São Paulo, para onde se mudaram alguns de seus filhos. João faleceu em Aiuruoca e teve seu inventario aberto aos 03-02-1869 (neste site). Joaquina faleceu em outubro de 1870 e foi inventariada a partir de 09-11-1870 (neste site). Tiveram 13 filhos que figuraram como herdeiros

Óbito - Igreja, N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - aos 03 outubro 1870, maior de 70 anos, Joaquina Evarista Villela, viuva do Ten.Cel. João de Souza Meirelles, com testamento. Nascida na Freguesia de Serranos, f.l. do Cap. Joaquim Manoel do Nascimento Villela e D. Severina Jacinta dos Reis.

 

Mapa de População, distrito de Aiuruoca - 10 nov. 1831

9º quarteirão, fogo 4: - João de Sza. Meirelles, br., 38 anos, casado., lavrador - - Joaquina Evarista, br., 37 anos, casada - -João, br., 13 anos --Severino, br., 10 anos;-Jose, br., 9 anos;--Valerio, br. 8 anos--Antonio, br. 3 anos -Maria,, br., 6 anos- Joaquina, br., 5 anos- Podenciana, br., 2 anos

 

1-1 João Melchiades de Souza Meirelles, nascido por 1817. Foi o inventariante de sua mãe.Casou depois de 1842 com Ambrosina Maximilla de Meirelles, nascida em Aiuruoca por 1827, filha de Manoel de Souza Meirelles e Blandina Graciana Vilela, 1-3 abaixo. João faleceu em Aiuruoca aos 60 anos:

Óbito - Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG aos 29 maio 1877, com 60 anos, João Melchiades de Souza Meirelles, cc. D. Ambrosina Maximilla de Souza Meirelles.

 

          Em 1888 D. Ambrosina morava em Santa Rita do Passa Quatro.

          Tiveram:

1-1-1 João Simpliciano, casou com Maria da Conceição de Andrade (SANTOS, Olympo Meirelles dos, Esboço Genealógico da Família Souza Meirelles, SP, Revista dos Tribunais,1937)

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG -- batismos - aos 25-8-1844 oratório da fazenda Pinhal, JOÃO, f.l. de João Melchiades de Sousa Meirelles e D. Ambrosina Maximilla de Meirelles, nascido a 16 do mesmo; padr.: Major João de Sousa Meirelles e D. Blandina Gra---- Villela, avós do mesmo.

 

1-1-2 Manoel Sant´Afra, batizado aos 11-06-1846, casou com sua cunhada Maria da Conceição acima (idem)

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG -- batismos - aos 11-6-1846 oratório do Pinhal, MANOEL, f.l. de João Melchiades de Sousa Meirelles e D. Ambrosina Maximilla, batizado em perigo por D. Blandina Graciana Villela que assistiu como madrinha e padrinho Urbano de Sousa Meirelles.

 

1-1-3 Blandina Herculana de Souza Meirelles, nascida em Aiuruoca aos 10-12-1847 onde foi batizada aos 9-4-1848. Casou com Luiz Antonio Junqueira, nascido aos 27-02-1843 em São Simão, São Paulo, filho de Joaquim da Costa Monteiro (1795-1864) e Genoveva Honoria Diniz Junqueira. Era 3º neto do Patriarca dos Junqueiras, João Francisco Junqueira e Helena Maria do Espírito Santo (inventários neste site), esta sobrinha de Catarina de São José. Foi também bisneto de Luzia Maria de Jesus, casada com Manoel de Souza Diniz, a qual também era sobrinha de Catarina de São José (inventários neste site)

 

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG -- Batismos - aos 9-4-1848 oratório da fazenda Pinhal, BLANDINA, f.l. de João Melchiades de Sousa Meirelles e D. Ambrosina Maximilla de Meirelles, padr.: Urbano de Souza Meirelles e D. Joaquina Evarista Villela.

 

Foram moradores em São Simão, onde o Coronel Luiz Antonio possuía a Sesmaria Dois Irmãos, e onde fundou a Fazenda São Joaquim e outras. O Coronel Luiz Antonio faleceu em São Paulo aos setenta e oito anos de idade, na casa de seu filho o Dr Melchiades Junqueira aos 18-12-1920. Seu corpo foi transportado no mesmo dia em composição especial da Mogiana até São Simão onde foi velado e sepultado no dia seguinte segundo anotações de seu filho Dr. Melchiades Junqueira, em cuja casa o Coronel Luiz Antonio falecera.

Aos dezoito de Dezembro de mil novecentos e vinte foi encomendado o cadaver de Luiz Antonio Junqueira viuvo de D. Blandina de Souzab Meirelles com setenta e oito anos de edade falecido hontem na Capital de São Paulo.

(pesquisa de Luís Antonio Villas Bôas que fotografou o termo)

 

Luiz Antonio e Blandina Herculana tiveram 13 filhos de legitimo matrimônio, com geração atualizada em “Família Junqueira” de José Américo Junqueira de Mattos, vol 1º, fl 450 e seguintes.

 

1-2 Severino de Souza Meirelles, batizado aos 11-06-1820 em Aiuruoca, onde foi recenseado em 1831 com 10 anos de idade. Não comparece no inventário paterno, porém aos 25-06-1837, juntamente com sua irmã Maria Elidia, foi padrinho de batismo de Blandina, igualmente sua irmã.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - Batismos- 11 junho 1820 (desordenado) Ermida dos Villelas nesta freguesia, SEVERINO, f.l. do al.f João de Souza Meirelles e de D. Joaquina Evarista Villela; padr.: o pe. Severino Villela e D. Pudenciana Guillelmina Villela.

 

1-3 José Villela de Souza Meirelles, batizado aos 28-11-1821.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos- aos 28 nov 1821 oratório do Bom Fim da Boa Vista, desta freguesia, JOSE, f.l. do Alf. João de Souza Meirelles e D. Joaquina Evarista Villela; padr.: Jo-- de Souza Meirelles e D. Candida Umbelina Villela.

Dispensados do impedimento de consanguinidade em 3º grau casou com Ana Vitória Nogueira, filha do Cap. Antonio da Fonseca Guimarães e Ana Vitória Nogueira, supra citados.

Aiuruoca,MG L. misto 1843_1845 Jose Villela de Souza Meirelles e D. Ana Vitoria Nogueira - Imp. Consanguinidade 3º grau de linha transversal

Q Josefa de Souza Meirelles era irmã do Cap. João de Souza Meirelles, deste proveio o Sarg. Mor João de Souza Meirelles e deste o orador = daquela Josefa proveio Antonio de Affonseca e deste a oradora ficando consanguineos em 3º grau.

1ª test. Alf. Joaquim Jose Nogueira, homem branco, casado, nat. e morador desta freguesia onde vive de agricultura, de idade de mais de 40 anos. Disse q o avo paterno da oradora era irmão da avó paterna do orador.

2ª test.: (aa) Raymundo de Arantes Marques.

3ª Ajudante Jose Joaquim dos Reis Villela, branco, casado, nat e morador da freg. da vila de Aiuruoca, de idade mais de 40 anos, parente do orador.

Q o avo paterno do orador era irmão da avo paterna da oradora.

 

Juramento dos Oradores (aa) Jose Villela de Souza Meirelles.

Ana Vitoria Nogueira, mulher branca, solteira, nat e moradora da freguesia desta vila onde mora em companhia de seus pais, de idade de 15 anos.

Os oradores cumpriram as penitencias Serranos 02-01-1843.

Em 1869 o casal residia na Freguesia de Nossa Senhora do Rosário, Termo de Barra Mansa. José faleceu em Resende, RJ, aos 57 anos, aos 03-03-1878 (pesquisa Itamar Boop). Geração em “Meirelles”, opus cit.

Entre seus filhos:

1-3-1 Mariana Cândida de Meirelles, nascida por 1846. Aos 01-03-1870 em Quatis-RJ, casou com José Moutinho de França, filho de José de França Moutinho e Rosa Angélica Ribeiro.

(pesq. Terezinha de Jesus Nunes Souza) Registro Paroquial Quatis, RJ, lv. 1, Folha 61 - 01/03/1870 - Jose Moutinho de França e Dona Marianna Candida de Meirelles.

Ele, 50 anos, viuvo de Dona Maria Custodia da Fonseca Nogueira, filho de Jose de França Moutinho e Dona Rosa Angelica Ribeiro, natural de Portugal, freguesia de Campanham, Bispado do Porto e morador na freguesia de Resende.

Ela, 23 anos, filha de Jose Vilella de Souza Meirelles e Dona Anna Victoria N. de Meirelles.

Testemunhas: Antonio de Alcantara Fonseca Guimarães e Francisco Antonio de Freitas Crissiuma.

1-3-2 Rita, batizada aos 21-08-1853.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG --  batismos  aos 21-08-1853 capela da Alagoa, RITA, f.l. de Jose Villela de Souza Meirelles e D. Anna Victoria Nogueira, padr.: João Melchiades de Souza Meirelles e D. Pudenciana Umbelina de Paiva, por pp apresentada por Joaquina Carmelita de Meirelles, a madrinha da freguesia de São Gonçalo.

 

1-4 Valério de Souza Meirelles, batizado na Fazenda Boa Vista em Aiuruoca, casou com Urbana Frauzina de Rezende.

 

1-5 Maria Elidia de Souza Meirelles, batizada no Oratório da Fazenda Boa Vista aos 11-04-1825, casou com Manoel Felicíssimo de Rezende (conforme o inventário de João de Souza Meirelles), filho de Antonio dos Reis e Silva e Maria Clara de Rezende (família “Domingos dos Reis e Silva” § 5º).

          Em 1869 moravam no Distrito do Rio Pardo, Termo da Cidade de Leopoldina, Minas e Comarca da Pomba.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - aos 11 abril 1825 oratório da faz. Boa Vista, MARIA, f.l. do Alf. João de Souza Meirelles e D. Joaquina E-- Villela, padr.: Joaquim Manoel Villela e D. Blandina Graciana Villela, solteiros

 

1-6 Joaquina Carmelita de Souza Meirelles, batizada aos 03-08-1826. Dispensados do impedimento de consanguinidade em 3º grau, casou com Antonio de Alcântara Fonseca Guimarães, batizado em 05-11-1820, filho de Antonio Fonseca Guimarães e Ana Vitoria Nogueira, neto materno de Josefa de Souza Meirelles, já citada. Geração em “Meirelles” opus cit

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - oratório Boa Vista, aos 03 agosto 1826, JOAQUINA, f.l. do Alf. João de Soisa Meirelles e D. Joaquina Evarista Villela, padr.: Jose Joaquim dos Reis Villela e D. Anna Candida de Meirelles mulher do Alf. Luiz Gonzaga, por pp apres. por D. Anna Ermelinda Villela.

 

Aiuruoca,MG livro misto 1843-1845 Oradores- Antonio de Alcantara de Affonseca Guimarães e D. Joaquina Carmelita Meirelles - 02-01-1843 Consanguinidade em 3º grau

Q o Cap. João de Souza Meirelles era irmão de Josefa de Souza, desta proveio Antonio d'Affonseca e deste o orador e daquele Cap. Souza proveio o S. Mor João de Souza Meirelles e deste a oradora.

A oradora é filha de uma casa de 13 filhos. Que os oradores nada possuem por serem filhos familias.

Impedimento de consanguinidade em 3º grau de linha transversal por seremos avos dos oradores irmãos.

Tetemunhas: 1ª, Alf. Joaquim Jose Nogueira, homem branco, casado, nat/morador da freguesia da vila de Aiuruoca onde vive de agricultura, de idade de 40 anos que disse ter.

 

Juramento do orador: (aa) Antonio d'Alcantara Fonseca Guimarães

Juramento da oradora Joaquina Carmelita de Meireles, mulher branca, solteira, nat/moradora desta freguesia,

Penitencias da oradora D. Joaquina Carmelita Meirelles 02-01-1843.

 

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos- aos 05 novembro 1820 Alagoa, ANTONIO, f.l. de Antonio de Afonseca e d. Anna Victoria Nogueira; padr.: cap. Manoel Ribeiro de Carvalho e d. Maria Victoria Nogueira ; --------- em Pouso Alto, os mais desta.

1-7 Antonio Soriano de Souza Meirelles, batizado aos 29-07-1828. Em Três Corações aos 18-02-1832 casou com Maria Frauzina Branquinho, 4-9 abaixo. Em 1869 eram moradores no Distrito da Freguesia de Três Corações de Jesus Maria José do Rio Verde, Termo da Cidade de Campanha, Comarca de Baependi. Geração em “Meirelles” opus cit

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG -- batismos - aos 29 julho 1828 oratório Boa Vista, ANTONIO, f.l. do Alf. João de Souza Meirelles e D. Joaquina Evarista Vi---, padr.: Manoel de Souza Meirelles e D. Mariana Nicesa de Andrade.

 

Igreja Sagrada Família (Três Corações, Minas Gerais) casamentos - aos 18-02-1852 Antonio de Souza Meirelles, f.l. de João de Souza Meirelles e D. Joaquina Evarista Villela; = Maria Flauzina Branquinho, f.l. do Alf. Gonzaga Branquinho, já falecido, e D. Anna Candida Meirelles. Test.: João Melchiades Meirelles e Jose Joaquim Branquinho.

 

Entres seus flhos, encontramos o batismo de:

1-7-1 Joaquina, batizada aos 21-05-1853.

Igreja Sagrada Família (Três Corações, Minas Gerais), batismo - Joaquina aos 21-05-1853, f.l. de Antonio Soriano e D. Maria Branquinho, nasceu a 13 dias, padr.: João de Souza Meirelles e D. Anna Meirelles.

1-7-2 Ana,nascida aos 12-03 e batizada em 16-04-1855.

Igreja Sagrada Família (Três Corações, Minas Gerais), batismo - Anna aos 16-04-1855, f.l. de Antonio Soriano Meirelles e D. Maria Flausina Branquinho, nasceu aos 12 de março, padr.: João de Souza Meirelles e D. Joaquina Vilella.

1-7-3 João, nascido aos 20-09 e batizado aos 10-10-1858

Igreja Sagrada Família (Três Corações, Minas Gerais), batismo - João aos 10-10-1858, f. de Antonio Soriano de Souza e D. Maria Branquinho, nasceu aos 20 de 7brº, padr.: Joaquim Servulo de Souza e D. Candida Branquinho.

 

1-8 Prudenciana Guilhermina de Meirelles, batizada na Igreja Matriz de Aiuruoca aos 17-01-1830, casou com Pedro Cardoso Brochado. Em 1869 era viúva e morava na Vila de Pirassununga, São Paulo, quando passou procuração a seu genro, Antonio Cardoso de Azevedo, para representa-la no inventário paterno. Geração em “Meirelles”, opus cit

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos - aos 17 jan 1830 matriz, PUDENCIANA, f.l. do Alf. João de Souza Meirelles e D. Joaquina Evarista Villela, padr.: João Melchiades de Meirelles e D. Anna Paulina de Rezende, esta da freg. de Baependy.

 

1-9 Mariana Balbina de Meirelles, em 1869 estava casada com Joaquim Procópio de Araújo e morava na Vila de Pirassununga.

 

1-10 Urbana Andreza de Meirelles, batizada aos 14-12-1833, em 1869 morava na Freguesia de Santa Isabel do Rio Preto, Termo de Valença, Comarca de Vassouras, com seu marido Cândido Xavier de Andrade. Geração em “Meirelles” opus cit.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos - aos 14-12-1833 oratório da fazenda Pinhal, URBANA, f.l. do Alf. Jo-- de Souza Meirelles e D. Joaquina Evarista Villela; padr.: o revdo. Urbano dos Reis Silva Resende e D. Anna Carolina dos Reis.

 

1-11 Cândida Teobalda de Meirelles, em 1869 estava casada com Salviano Xavier Fortes. Geração em “Meirelles” opus cit.

 

1-12 Blandina Laura de Meirelles, batizada aos 25-06-1837. Casou em Aiuruoca antes de 1849 com seu primo o Tenente Coronel Joaquim Vitor de Souza (Meirelles), filho de Manoel de Souza Meirelles e Blandina Graciana Villela, 3 abaixo. Geração em “Meirelles” opus cit.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos - aos 25-6-1837 oratório da fazenda Pinhal, BLANDINA, f.l. do Alf. João de Souza Meirelles e D. Joaquina Evarista Villela, padr.: Severino de Souza Meirelles e D. Maria Ilidia de Meirelles irmãos da baptizada.

 

1-13 Joaquim Servulo de Souza Meirelles, habilitou-se no inventário de seu pai em 1869 juntamente com sua mulher Guilhermina Leopoldina de Lemos. Geração em “Meirelles” opus cit.

 

1-14 Severina Jacinta de Meirelles, casou com Emerenciano Alves de Moraes. Geração em “Meirelles” opus cit.

 

2- José de Souza Meirelles, nascido por 1794, filho de João de Souza Meirelles e Mariana Antonia de Jesus, foi casado duas vezes: primeiro com Generosa Clementina Villela, filha de Domingos Villela (filho) e Luiza Pulquéria dos Reis, neta paterna de Domingos Villela e Maria do Espírito Santo e neta materna de Domingos dos Reis e Silva e Andreza Dias de Carvalho (família “Domingos dos Reis e Silva” § 5º).

Domingos Villela e Luiza Pulquéria casaram na capela de Nossa Senhora da Piedade, conforme certidão inclusa no inventário de Domingos dos Reis e Silva (neste site):

Aos dezoito dias de mês de Abril de mil setecentos e noventa anos pelas doze horas do dia na Ermida do Senhor Bomfim filial desta Matriz de Nossa Senhora da Conceição de Aiuruoca, onde os contraentes são moradores (...) na presença do Reverendo João dos Reis com licença minha e das testemunhas assinadas no mandado, o Tenente Julião da Costa Resende, o Alferes João Luiz Gonçalves e outras muitas que presente se acharam por palavras de presente et in facie Eclésia, DOMINGOS VILELA filho legítimo de DOMINGOS VILELA e de MARIA DO ESPÍRITO SANTO, natural e batizado na Freguesia da Aiuruoca e Dona LUIZA PULCHERIA DOS REIS, filha legítima do Capitão DOMINGOS DOS REIS SILVA e de Dona ANDREZA DIAS DE CARVALHO, natural e batizada na Vila de São João del Rei e logo receberam as bênçãos na forma do Missal, e para constar fiz este assento que assinei ut supra.

O Vigário Gabriel da Costa Resende.

 

Falecendo Generosa Clementina, José casou em segundas núpcias com Ana Paulina de Rezende, que era neta do mesmo Domingos dos Reis e Silva e Andreza Dias, família “Domingos dos Reis e Silva” § 5º. Para tanto requereram a devida dispensa em processo aberto em novembro de 1828.

Processo Matrimonial - Aiuruoca-MG - Livro Misto 1826-1829

www.familysearch.org (record search pilot)

Oradores: Jose de Souza Meirelles e D. Ana Paulina de Rezende, da freguesia de Aiuruoca.

Data: novembro-1828

Impedimento: afinididade licia em 2º grau da linha transversal igual, como tambem em 2º de linha transversal igual, como tambem em 4º grau da mesma linha.

O orador foi casado com D. Generosa prima co-irmã da oradora e por isso ligados em 2º grau.

Q. D. Helena e D. Julia eram irmãs, desta nasceu D. Maria do Espirito Santo, desta o Alf. Domingos Villela e deste a falecida mulher do orador; e que daquela D. Helena nasceu D. Josefa e desta D. Maria Clara e desta a oradora, e por isso consanguinidade da oradora com a falecida mulher do orador em 4º grau.

Q. o orador tem filhos menores do primeiro matrimonio

Juramento do Orador: branco, viuvo de D. Generosa Clementina Villela, natural e morador na freguesia de Baependi aonde vive de lavoura, de idade de 34 anos

 

Testemunhas:

1ª - Cap. Jose Esau dos Santos, homem branco, casado, natural da freguesia do Inficcionado e morador nesta de Aiuruoca ha muitos anos aonde vive de lavoura, de idade de 43 anos.

2ª -

Q. D. Generosa Clementina Villela era prima co-irmã da oradora por linha paterna desta e em 4º com a mesma por linha materna.

Q. D. Luiza era irmã do Cap. Antonio dos Reism deste proveio a oradora e daquela D. Luiza, a falecida primeira mulher do orador, ficando afins por este principio em 2º grau, e que D. Helena era irmã de D. Julia, desta proveio Maria do Espirito Santo, desta Domingos Villela e deste a falecida primeira mulher do orador; e que daquela D. Helena proveio D. Josefa, desta D. Maria Clara, e desta a oradora - afins por copula licita nos ditos graus.

3ª - Alferes João de Souza Meirelles, branco, casado, natural e morador nesta freguesia de Aiuroca aonde vive de lavoura, de idade de 34 anos

Por determinação testamentária José recebeu a casa da Fazenda do Angaí com suas cercanias porque, segundo sua avó, “é o único consanguineo que me tem acompanhado e administrado a minha casa e a ele devo todo o aumento que houver, desde o falecimento do meu marido...”

 

José teve geração dos dois casamentos descrita em “Meirelles” opus cit.

Descobrimos documentos relativos aos seguintes filhos:

 

2-1 Mariana, contemplada com legados no testamento da avó Mariana Antonia de Jesus.

2-2 Ana, batizada aos 19-03-1823.

Batismo: Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - aos 19 março 1823 no oratório da fazenda Boa Vista, ANNA, fa. l. de Jose de Souza Meirelles e Dona Generosa Clementina Villela; padr.: Cap. João de Souza Meirelles e Dona ---- ---- Duarte; os pais e madrinha da freg. de -------.

 

2-3 Maria (Generosa de Souza Meirelles), batizada aos 24-10-1824.

Batismo: Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - aos 24 outubro de 1824 oratório da faz. boa Vista, MARIA, f.l. de Jose de Souza Meirelles e D. Generoza Clementina Villela, padr.: Domingos Villela e D. Anna Hippolita Villela cc. o Cap. João Francisco Junqueira.

 

2-4 José de Souza Meirelles, batizado aos 28-05-1827

Batismo Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos - aos 28 maio 1827 (desordenado) oratório Boa Vista, JOSE, f.l. de Jose de Soisa Meirelles e D. Generosa Clementina Villela, npaterno do Cap. João de Soisa Meirelles e D. Mariana Antonia de Jesus, materno do Alf. Domingos Villela e D. Luisa Pulcheria dos Reis; padr.: Cap. João Francisco Junqueira e D. Anna Hippolita Villela.

 

2-5 Josefa (Vitalina de Rezende), batizada aos 03-06-1830.

Batismo Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos - aos 03 junho 1830 oratório da Boa Vista, JOSEPHA, f.l. de Jose de Souza Meirelles e D. Anna Paulina de Resende, freg. de Baependi, padr.: Cap. João de Souza Meirelles e D. Maria Clara de Resende por pp apres. por D. Joaquina Evarista Villela.

 

2-6 Olímpio de Souza Reis, em Aiuruoca aos 24-10-1877 casou com Helena Constança de Andrade Botelho, natural de Carrancas, filha do Dr. Fidelis de Andrade Botelho e Emerenciana Eliza de Andrade.

Casamento - Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG, casamento - aos 24 out 1877 matriz - Olimpio de Souza Reis, f.l. do Alf. Jose de Souza Meirelles e D. Anna Paulina de Rezende, n. e morador na freg. da Encruzilhada; c/ D. Helena Constança de Andrade Botelho, f.l. Dr. Fidelis de Andrade Botelho e D. Emerenciana Eliza de Andrade, n. da freg. de Carrancas.

 

3- Manoel de Souza Meirelles, nascido cerca de 1799, filho do Capitão João de Souza Meirelles e Mariana Antonia de Jesus. Casou com Blandina Graciana Villela, filha de Joaquim Manoel do Nascimento Villela e Severina Jacinta de Jesus, nascida por 1763, irmã inteira de Joaquina Evarista Villela, no 1- acima.

Foram proprietários da Fazenda Pinhal, sua principal moradia. Possuíam também casa na Vila de Aiuruoca e as Fazendas das Posses, Manga e Paiol, além de parte da fazenda do Atoleiro, por herança de Severina Jacinta dos Reis.

Manoel faleceu aos 30-01-1842, com testamento, deixando oito filhos legítimos, todos menores, e mais dois reconhecidos em seu testamento (neste site). Blandina viveu ainda muitos anos, vindo a falecer em Aiuruoca aos 17-09-1888 e teve seu inventário aberto aos 06-10-1888 pelo Capitão José de Souza Meirelles.

Mapa de População, distrito de Aiuruoca - 10 nov. 1831

 9º quarteirão, fogo 3: Manoel de Souza Meirelles, br., 32 anos, casado, lavrador - Blandina Garcianna, br., 22 anos, casada;-Ambrosina- br., 4 anos;-Urbano, br., 3 anos-Joaquim, br., 6 meses.

 

Segundo seu inventário e testamento (neste site), ao falecer em 1842, Manoel deixou:

Filhos legítimos por ordem de idade:

3-1 Ambrosina

3-2 Urbano

3-3 Joaquim

3-4 Olímpia

3-5 João

3-6 Severiano

3-7 Lucinda

3-8 Manoel

 

Filhos naturais com Mariana Freire de Andrade:

3-9 Antonio Theodósio de Souza Meirelles

3-10 Maria Honória de Souza Meirelles

 

Mariana Freire de Andrade casou com José de Almeida Bastos. Faleceu viúva em Aiuruoca aos 15-07-1873 com testamento, transcrito no livro da Matriz, no qual declarou os dois filhos havidos em solteira:

Igreja N. Sra. da Conceição - Aiuruoca: obitos - Aos 15 agosto 1873, c/test., 74 anos, D. Marianna Freire de Andrade, viuva de Jose d'Almeida Bastos.

(queimado).

No estado de solteira e por fragilidade tive 2 filhos: Antonio Theodozio de Souza Meirelles e Maria Honoria de Souza Meirelles cc. alf. João Correa de Lemos; e são estes e aqueles meus legitimos herdeiros.

Test.: m/filho Antonio Theodozio de Souza Meirelles; 2- m. filho padre (?) Jose de Arimatheia Freire de Andrade.

 

Mariana Freire e José de Almeida Bastos tiveram, que documentamos:

I- padre José de Arimatheia Freire de Andrade, testamenteiro materno.

II- Ana, batizada em 05-04-1835.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG --  batismos -aos 5-4-1835 matriz, ANNA, f.l. de Jose de Almeida Bastos e Mariana Freire de Andrade, padr.: João Baptista Freire e Jacintha Ferreira Felgas.

III- Mariana, aos 08-10-1837

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG, aos 8-10-1837 MARIANA, f.l. de Jose de Almeida Bastos e Mariana Freire de Andrade, padr.: Joaquim Gonçalves de Souza Portugal e Rita Clara de Faria Portugal digo de Souza Portugal moradores na vila de São João do Principe, por pp apresentada pelo padre Antonio Tholentino ----- e d. Anna Christina de Andrade.

 

3-1 Ambrosina de Souza Meirelles, nascida em Aiuruoca, onde foi batizada no Oratório da Fazenda Boa Vista aos 05-03-1827. Casou depois da morte de seu pai com seu primo irmão (por pai e mãe) João Melchiades de Souza Meirelles, 1-1 acima.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos - aos 05 março 1827 (desordenado) oratório Boa Vista, AMBROSINA, f.l. de Manoel de Soisa Meirelles e D. Blandina Graciana Villela, padr.: Cap. João de Soisa Meirelles e D. Severina Jacintha dos Reis, todos desta freg

 

3-2 Urbano de Souza Meirelles, nascido em Aiuruoca, batizado na Fazenda Boa Vista aos 12-05-1828. Em 1849 estudava filosofia, ciências e religião no Seminário de Mariana. Casou com Mariana Carolina de Azevedo, com geração.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos - aos 12 maio 1828 oratório da Boa Vista, URBANO, f.l. de Manoel de Souza Meirelles e D. Blandina Graciana Villela, padr.: Cap. Joaquim Manoel do Nascimento Villela e D. Joaquina Evarista Villela.

 

          Transferiu-se com a família para Santa Rita do Passa Quatro, onde era morador em 1888, porem dois anos depois (1890) foi inventariado em Aiuruoca.

 

3-3 Joaquim Vitor de Souza Meirelles, batizado em Aiuruoca aos 29-05-1831, casou com sua prima Blandina Laura de Souza Meirelles, filha de seus tios (por pai e mãe) João de Souza Meirelles e Joaquina Evarista Villela, 1-12 acima.

          Joaquim Vitor e sua mulher migraram para São Paulo e em 1888 era Tenente Coronel agregado ao 3º Batalhão da Limeira e Belém do Descalvado.

 

3-4 Olímpia Otaviana de Souza Meirelles, batizada aos 19-02-1833, aos 16-09-1849 estava casada com seu primo José de Souza Meirelles e foram moradores em Baependí.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos (1832-1873) - aos 19-2-1833 oratório da fazenda Pinhal OLIMPIA, f.l. do Alf. Manoel de Souza Meirelles e D. Blandina Graciana Villela, padr.: Jose de Souza Meirelles de Baependi e D. Anna Ermelinda Villela de S. Gonçallo por pp apresentada por D. Joaquina Evarista Villela e por não se fazer assento em tempo mandei fazer.

 

3-5 João Ciriaco de Souza Meirelles, batizado aos 30-03-1834. Em 1849 “sabia” latim e francês. Casou com Maria Teobizia da Fonseca, filha de Antonio de Alcântara Fonseca Guimarães e Joaquina Carmelita de Souza Meirelles (1-6 supra)

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos - aos 30-3-1834, oratório da fazenda Pinhal, JOÃO, f.l. do Alf. Manoel de Souza Meirelles e D. Blandina Graciana Villela, padr.: ---- Joaquim Manoel Villela e D. Marianna Nicesia d'Andrade por pp apresentada por D. Joaquina Evarista Villela.

 

          João foi inventariado em Aiuruoca em 1882. No inventário de sua mãe foi representado pelos filhos:

3-5-1 D. Theobisia de Meirelles Fortes, casada com Olegário Augusto Fortes, residente em Santa Rita do Passa Quatro, SP

3-5-2 Manoel Ciríaco de Souza Meirelles, 20 anos, solteiro residente em Pirassununga

3-5-3 D. Maria da Conceição Meirelles, 8 anos, residente em Pirassununga, tutelada por seu tio Joaquim Vitor.

 

3-6 Manoel de Souza Meirelles, em 1849 morava com seu padrinho/tutor e freqüentava aulas de latim. Casou com sua prima Maria Isabel de Resende, filha de Manoel Felicíssimo de Rezende e Maria Elidia de Souza Meirelles, 1-5 acima.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos - aos 21-10-1834, oratório da fazenda Pinhal, MANOEL f.l. do Alf. Manoel de Souza Meirelles e D. Blandina Graciana Villela, padr.: padre Severino Villela e D. Anna Paulina de ------

 

          Já era falecido em outubro de 1888, deixando filhos que neste ano tinham os seguintes estados:

 

3-6-1 D. Blandina Norberta de Meirelles, casada com Cristiano dos Reis de Meirelles, residentes em Baependi

3-6-2 D. Emidia Antonina de Meirelles, casada com Américo Albertino de Meirelles

3-6-3 D. Maria Isabel de Meirelles, casada com Alexandre Antonio de Siqueira

3-6-4 Urbano de Souza Meirelles Sobrinho, 20 anos, solteiro

3-6-5 Manoel de Souza Meirelles,

10º livro de assentos de batizados da Matriz de Aiuruoca, Manoel, aos 4-5-1872, no Oratório do Campo Grande, filho legítimo de Manoel de Souza Meirelles e D. Maria Izabel de Rezende. Padrinhos: João Melchiades de Souza Meirelles e D. Olímpia Otaviana de Meirelles. Padre Vigário Urbano dos Reis da Silva Rezende

3-6-6 D. Ambrosina Elidia de Meirelles, 15 anos. Casou aos 1-9-1893 na fazenda São Pedro com Procópio Zoroastro Alves, filho de Emerenciano Alves de Moraes falecido e D. Severina Jacinta de Meirelles, residentes em Santa Izabel do Rio Preto RJ (Fonte: Lv Casamentos, fls 54v Aiuruoca, in inventário de Blandina Graciana)

3-6-7 João de Souza Meirelles, 12 anos

3-6-8 José de Souza Meirelles, 9 anos

3-6-9 Severino de Souza Meirelles, 7 anos

3-6-10 Adelaide de Souza Meirelles, 6 anos. Casou aos 21-1-1901 em casa do capitão Cristiano dos Reis Meirelles no Distrito de São Sebastião da Encruzilhada, com seu primo Alberto de Souza Siqueira de 21 anos, fazendeiro, natural de Baependi e residente no distrito da Cidade de São Gonçalo do Sapucaí, filho legítimo do Capitão João de Siqueira e D. Lucinda Seráfica de Meirelles, 3-8 abaixo (Fonte: 1º Lv Casamentos (Civil) de Aiuruoca)

3-6-11 Manoela de Souza Meirelles, 6 meses, faleceu aos 5-7-1890

Aiuruoca, LV óbitos 10,  6-7-1889 sepultou-se no cemitério da Freguesia,a Manoela, com 1 ano e 3 meses, filha legitima do Cap Manoel de Souza Meirelles, falecida no dia anterior de sarampo

 

3-7 Severiano de Souza Meirelles, batizado aos 05-02-1838, casou com Maria Vitória de Azevedo, com geração na família “Villela” Cap. 2º, neste site.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos - aos 5-2-1838 oratório da fazenda Pinhal, SEVERINO, f.l. do Alf. Manoel de Souza Meirelles e D. Blandina Graciana Villela, nascido aos 28 janeiro p.p., padr.: ajudante Jose Joaquim dos Reis Villela e D. Anna Carolina dos Reis

 

3-8 Lucinda Seráfica de Souza Meirelles, com 2 anos em 1842, casou com João Batista de Siqueira. Foram moradores em Baependi e mais tarde na Cidade de São Bento do Sapucaí. Com geração

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos) - aos 15-12-1839 oratório da fazenda Pinhal, LUCINDA, f.l. do Alf. Manoel de Souza Meirelles e D. Blandina Graciana Villela, padr.: Cap. Antonio d'Affonseca Guimarães e D. Francisca Honorata Villela.

 

3-9 Antonio Teodósio de de Souza Meirelles, batizado aos 02-01-1822, filho natural de Mariana Freire de Andrade. Exposto a Manoel Marques Vianna, foi reconhecido pelo pai e pela mãe em testamento.

Batismo (no inventário paterno)

Aos dois de Janeiro de mil oitocentos e vinte e dois anos nesta Matriz de Aiuruoca o Padre Francisco de Paula Goulart batizou e pos os Santos Óleos a Antonio exposto a Manoel Marques Vianna. Foram padrinhos o mesmo Manoel Marques Vianna e Ana Cristina de Andrade de que fiz este assento

O Vigário José de Abreu e Silva

 

3-10 Maria Honória de Souza Meirelles, irmã inteira de Antonio Teodósio acima, batizada aos 08-05-1825, também perfilhada por Manoel de Souza Meirelles em testamento.

Batismo (no inventário paterno)

Aos oito de Maio de mil oitocentos e vinte e cinco anos nesta Matriz o Padre Francisco de Paula Goulart batizou e pos os Santos Óleos a Maria inocente exposta a Antonio Correia de Toledo. Foram padrinhos o Capitão João de Souza Meirelles e Maria Gervásia de que fiz este assento

O Vigário José de Abreu e Silva

 

          Maria Honória casou com o Alferes João Correa de Lemos. Alferes João foi inventariado em 1892. Maria Honória faleceu aos 20-11-1900 com testamento ditado aos 15-08-1897. Nele declarou os filhos legítimos e reconheceu o filho natural “Quando eu era moça e sem experiência do mundo fui seduzida e tive por humana fragilidade, em estado de solteira, um filho por nome Antonio Joaquim dos Santos, que foi criado em casa de Dona Luiza Constança Villela” (testamento e inventários neste site).

 

Foram filhos de Maria Honória:

3-10-1 Antonio Joaquim dos Santos, filho natural, criado em casa de Luiza Constança Villela. Em 30-10-1900 passa procuração em Pinhal, Comarca de Baependi. Comparar com o, residente em Baependi em 1891, casado com Ana Esméria Mendes, filha de Manoel Dias de Carvalho e Maria Mendes Villela (família “Villela” Cap. 4º).

 

3-10-2 Mariana Etelvina casada com o Capitão João Hilário Grellet.

 

3-10-3 João Correa de Souza Lemos, inventariante materno. João faleceu aos 20-05-1904 e foi inventariado por sua viúva Mariana Leopoldina de Almeida, filha de Manoel Jacinto de Almeida e Rita Marilia das Dores

Foram filhos do casal, segundo inventário de João (neste site):

3-10-3-1 Ana Elisa de Lemos, com 26 anos, solteira em 1904.

3-10-3-2 Maria Isabel de Lemos, 24 anos, solteira.

3-10-3-3 Rita Leopoldina de Lemos, com 22 anos, casada com José Gonçalves sobrinho.

3-10-3-4 Zulmira Fabiana de Lemos, 19 anos, solteira.

3-10-3-5 Orlando Correia de Lemos, 15 anos.

3-10-3-6 Orminda, 12.

3-10-3-7 Mariana, 10.

3-10-3-8 Samuel, 8 anos.

3-10-3-9 Horeb Correa de Lemos, 5 anos em 1904, Nasceu aos 07-06-1899. Em 1921 residia em Caxambu.

3-10-10 José Correa de Lemos, 3 anos. Nasceu aos 28-09-1901. Em 1926, alfaiate, residia em Caxambu.

 

4- Ana Cândida (ou Custódia) de Meirelles, filha de João de Souza Meirelles e Mariana Antonia de Jesus, nascida e batizada na Freguesia de Baependí. Casou aos 05-08-1813 na Capela de São Tomé, Freguesia de Santana das Lavras do Funil com Luiz Gonzaga Branquinho. Luiz foi filho de José Joaquim Gomes Branquinho e Maria Vitória dos Reis, esta filha do Capitão Domingos dos Reis e Silva e Andresa Dias de Carvalho, irmã inteira de Severina Jacinta e Luiza Pulqueria (sogras de João e José de Souza Meirelles acima), conforme se vê no inventário do Capitão Domingos dos Reis e Silva (neste site).

B7: Casamento - Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG, -- aos 05 ago 1813 Cap. S. Thomé filial da freg. de Sta. Anna das Lavras do Funil - Alf. Luis Gonzaga Branquinho, f.l. do Cap. (apagado) Joaquim Gomes Branquinho e de D. Maria Victoria (--- apagado) Reis, n. e b. e morador na sobredita.

c/ D. Anna Custodia de Meirelles, f.l. do Cap. João de Soisa Meirelles e D. Mariana Antonia de Jesus, n. e b. na freg. de Baependi e moradora nesta de Aiuruoca

 

          José Joaquim Gomes Branquinho faleceu 01-04-1821com inventário aberto aos 25-06-1822 por Maria Vitória na Fazenda Boa Vista, freguesia de Santana das Lavras, Termo da Vila de São João Del Rei, onde morava. Dez filhos foram arrolados em seu inventário, neste site.

          Nota: Os inventários referentes a este ramo foram pesquisados e disponibilizados por Moacyr Urbano Villela.

 

          Luiz Gonzaga faleceu aos 16-03-1861 e teve seu inventário aberto por sua viúva na Fazenda da Serra, Freguesia de Três Corações do Rio Verde, termo de Campanha. Alem da Fazenda da Serra e seu engenho, deixou casas em diversos lugares e parte da fazenda Palmela em sociedade com Francisco Paula Paiva, e parte da ponte do Rio Verde. Ana Cândida foi sepultada aos 30-10-1868.

Carmo da Cachoeira-MG (pesquisa de Moacyr Villela)

Aos 30 de outubro de 1868 sepultou-se sem sacramentos Dona Ana Cândida de Meireles viúva, com idade de 80 anos mais ou menos, com testamento, cujo existe com seu genro Antonio Suriano de Souza...jaz no cemitério desta matriz. vig. Joaquim Antonio Resende;

 

          Ana faleceu aos 20-10-1869 com testamento. Logo após o inventário de Jose, Ana fez seu próprio inventário, reservando-se a terça para subsistencia.

CAMARA MUNICIPAL DE CAMPANHA - MG

Centro de Memoria Cultural do Sul de Minas

CPA 04, Testamentos - Campanha da Princesa 1854-1871

Registro do testamento com que faleceu D. Ana Candida de Meirelles, aos 20-10-1869 de quem foi testamenteiro Antonio Surianno de Souza Meirelles.

Eu, Donna Candida de Meirelles, n. da Aiuruoca, f.l. João de Souza Meirelles e D. Marianna Antonia de Jesus, já falecidos. Fui cc. Alferes Luiz Gonzaga Branquinho, já falecido, de cujo matrimonio tivemos oito filhos que são: Jose = João = Brasilicia cc. Gabriel dos Reys Silva = Candida, cc. Jose Martins de Andrade = Maria, já falecida, e foi cc. Jose Teixeira Rios e deixou um filho de nome Jose = Marianna, casada em segunda nupcias com Jose Custodio = Anna, cc. Joaquim Alves Campos = Maria, cc. Antonio Surianno de Souza Meirelles; alem das que faleceram e não deixaram herdeiros; aos quais oito filhos acima mencionado entreguei as duas partes de todos os meus bens, reservando-me a terça para dela dispor como bem me parecer e conforme os ditames de minha consciencia.

Declaro que por falecimento de meu marido se fez inventário de todos os bens e a todos os herdeiros entreguei o que lhes coube em suas legitimas, e logo depois, em beneficio dos ditos meus filhos, deliberei fazer meu inventário entregando a eles as duas partes de meus bens, reservada a terça para minha subsistencia.

Testamenteiros: 1º meu genro Antonio Surianno de Souza Meirelles, 2º meu genro Jose Martins de Andrade, 3º meu genro Joaquim Alves Campos.

Dei a meu filho Jose a quantia que ele me devia, e consta do inventário, e foi dada no pagamento de minha terça (...); e pela mesma forma dei a meu filho João; bem como a quantia de 100$000 por este meu filho paguei a meu genro Antonio Soriano de Souza Meirelles.

(...) a terça que me coube nas terras das Fazendas da Serra e Santa Fé dou a minha filha Maria Flausina Branquinho e seu marido Antonio Suriano de Souza Meirelles sem prejuizo de sua legitima como consta da Escritura de Doação passada aos 18-09-1853 (...).

Declaro que devo a meu genro Antonio Soriano de Souza Meirelles a quantia de dois contos de réis (...).

Depois de cumpridas minhas disposições e legados, instituo herdeiro dos restantes dos meus bens a todos os meus oito filhos.

Fazenda da Serra 05-03-1861 Dona Candida de Meirelles

Aprovação 05-03-1861 nesta Fazenda da Serra da Freguesia do Espirito Santo da Varginha termo da cidade de Três Pontas em casa de D. Anna Candida de Meirelles.

Abertura 29-10-1869

Aceitação 12-11-1869 Antonio Suriano de Souza Meirelles

 

          No inventário (neste site) de Luiz e testamento de Ana foram arrolados oito filhos:

 

4-1 José Joaquim Branquinho, batizado na Matriz de Aiuruoca aos 31-08-1814.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismos- - aos 31 agosto 1814 matriz, JOZE, f.l. do Alf. Luis Gonzaga Branquinho e D. Anna Candida de Meirelles; padr.: Cap. Joam de Soisa Meirelles e D. Maria Victoria dos Reis, esta da freguesia de Lavras e avós os padrinhos do generado.

          Casou com sua sobrinha Olímpia Amélia Teixeira Branquinho, 4-4-1 abaixo. José Joaquim faleceu aos 30-04-1888 e teve seu inventário aberto na fazenda do  Barreiro, Freguesia de Três Corações do Rio Verde, termo de Campanha (neste site), onde constam os filhos seguintes:

4-1-1 Amélia Teixeira Branquinho, casada com José Eduardo Branquinho;

4-1-2 Maria Augusta Branquinho, casada com  Francisco Ferreira

4-1-3 Perciliana Augusta Branquinho, casada com José Gomes Ferreira, residentes em Carmo do Rio Claro

4-1-4 Luiz Teixeira Branquinho, casou com sua prima Mariana Carmelita Branquinho, 4-2-8-2 abaixo, dispensados do impedimento de consanguinidade “terceiro grau atinente ao segundo simples. A mãe da oradora é prima-irmã do orador” (processo matrimonial neste site).

4-1-5 Amalia Augusta Branquinho, solteira, 26 anos;

4-1-6 Alberto Teixeira Branquinho, solteiro, 23 anos;

4-1-7 Ana Alexandrina Branquinho, casada com Luiz Custódio de Santana, passaram uma procuração na Fazenda Água Limpa.

4-1-8 Ermelinda Teixeira Branquinho, casada com João Antonio da Fonseca

4-1-9 Virgilio Teixeira Branquinho, solteiro, 16 anos;

4-1-10 Filomena de Nazaré Branquinho, solteira, 12 anos.

 

4-2 João do Nascimento Branquinho, casou com Mariana Honória de Meirelles, filha de Jose de Souza Meirelles e Generosa Clementina Villela (família “Villela” Cap. 4º).

          Entre seus filhos, batizados em Três Corações-MG:

4-2-1 Ana, em 26-09-1842, foram seus padrinhos o Alferes Luiz Gonzaga Branquinho e Anna Paulina de Rezende.

4-2-2 Maria, nascida em 27-09 e batizada em 25-10-1843, foram seus padrinhos José Martins de Andrade e Ana Jacinta de Meirelles. Maria Eulália Branquinho casou com Flausino Pinto Ribeiro, nascido em Três Corações aos 01-07-1839, filho de José Pinto Ribeiro e Bernardina Maria de Jesus.

Igreja Sagrada Família (Três Corações, Minas Gerais) batismos - Flausino aos 10-07-1839, f.l. de Jose Pinto Ribeiro e D. Bernardina Maria de Jesus, nasceu aos 01 deste, padr.: Antonio Ferreira Pinto e D. Candida Carolina de Jesus.

 

         Maria Eulália faleceu aos 14-01-1882, foi inventariada por seu viúvo e teve, segundo seu inventário (neste site) sete filhos:

 

4-2-2-1 Basílio Pinto Ribeiro, solteiro, com 18 anos em 1882. Em 1887 pediu dispensa do impedimento de onsanguinidade “em segundo grau e simples” para se casar com sua prima Maria Cândida Pinto Ribeiro, filha de Gabriel Pinto Ribeiro e Teresa Vitoria das Dores Ribeiro (processo matrimonial neste site).

4-2-2-2 Helena Eulália Branquinho, com 12 anos. Em 1886 pediu dispensa do impedimento de consanguinidade “Consangüinidade em linha transversal desigual. Porque João Gonzaga Branquinho pai do orador é também pai de Maria Eulália Branquinho mãe da oradora.” para se casar com seu tio Francisco Augusto Branquinho 4-2-9 abaixo.

4-2-2-3 Ana Eulália Branquinho, com 10 anos.

4-2-2-4 Leonina Eulália Branquinho, com 9 anos.

4-2-2-5 Ubaldina Eulália Branquinho, com 8 anos.

4-2-2-6 Delcidio Pinto Ribeiro, com 7 anos.

4-2-2-7 Elidia Eulália Branquinho, com 2 anos.

 

4-2-3 José, nascido em 24-03 e batizado em 17-04-1845, foram seus padrinhos Luiz Gonzaga Branquinho e Paulina de Rezende.

4-2-4 Gabriela, nasceu em 04-11 e batizada em 01-12-1847, padrinhos José Joaquim Branquinho e D. Maria Jacinta de Meirelles.

4-2-5 João, batizado em 24-10-1849, padrinhos José Joaquim Branquinho por pp o Alferes Luiz Gonzaga e D. M.ª Meirelles

4-2-6 Ana (outra) batizada aos 04-11-1850, padrinhos Antonio Belizandro de Souza Reis por procuração que apresentou José Joaquim Branquinho e D. Basiliza Candida Branquinho

4-2-7 Mariana, nasceu em 01 e foi batizada em 06-06-1853, padrinhos Manoel dos Reis Silva e D. Ana Branquinha.

4-2-8 Generosa Emília Branquinho, casou com José Pinto Ribeiro Junior, nascido em Três Corações em 18-07-1838 filho de José Pinto Ribeiro e Bernardina Maria de Jesus.

Igreja Sagrada Família (Três Corações, Minas Gerais) batismos - Joze aos 05-08-1838, f.l. de Joze Pinto Ribeiro e D. Bernardina Maria de Jesus, nasceu a 18-07, padr.: Miguel Gonçalves Martins e D. Delfina Candida de Jesus.

 

         José faleceu em 07-07-1869, foi inventariado por seu irmão Flausino Pinto Ribeiro e deixou de seu casal, segundo seu inventário (neste site), duas filhas:

4-2-8-1 Eudóxia, com 4 anos em 1869. Eudoxia Filomena Ribeiro casou com Domingos José Pinto (Cap. 11º, família “Villela”), filho de João Bernardes Pinto e Maria Cristina dos Reis.

4-2-8-2 Mariana, com 3 anos em 1869. Mariana Carmelita Branquinho em 1888 pediu dispensa do impedimento de consanguinidade (processo matrimonial neste site) para se casar com Luis Teixeira Branquinho 4-1-4 supra, filho de José Joaquim Branquinho e Olimpia Amelia Teixeira Branquinho.

 

4-2-9 Francisco Augusto Branquinho em 1886 pediu dispensa de consanguinidade (processo matrimonial neste site) para e casar com sua sobrinha Helena Eulália Branquinho 4-2-2-2- supra.

 

4-3 Maria Eufrasina Branquinho (como referida no testamento do marido copiado no livro de óbitos da Igreja Sagrado Coração, Três Corações-MG), já falecida, casada que foi com José Teixeira Rios, natural de Conceição da Barra, filho do Guarda Mor José da Costa Rios e Maria Bárbara de Jesus, neta paterna de João da Costa Rios e Josefa Ferreira Carneiro (“Origens dos Carneiros e Costa Rios”, neste site).

Igreja Sagrada Família (Três Corações, Minas Gerais),óbitos - a 13 de maio de 1850 faleceu José Teixeira Rios.

Testamento: Eu, Jose Teixeira Rios, filho legitimo de José da Cota Rios e D. Maria Barbara de Jesus, já falecidos, natural e batizado na freguesia de N. Sra. da Barra, Comarca de São João del Rei, Bispado de Mariana, e morador na freguesia de S. Gonçalo da Campanha, fui casado com Maria Euphrasina Branquinho de cujo matrimonio tivemos um filho por nome Jose; falecida minha esposa tornei a casar segunda vez com Mariana Clara Branquinho de cujo matrimonio tivemos os filhos: Olimpia = Antonio  = Casemiro = Valerio todos de menor idade.

Testamenteiros: em 1º a minha consorte Marianna Clara Branquinho adjunto com seu pai Luiz Gonzaga Branquinho , e em falta d'este a meu cunhado Jose Joaquim Branquinho fazendo ambos um só cargo e representação; em 2º a meu irmão Manoel da Costa Rios adjunto com meu filho José Teixeira Rios Branquinho adjunto com <<ficou aqui por falta das folhas respectivas>>

          Maria Eufrasina deixou o filho único:

4-3-1 José Teixeira Rios Branquinho.

 

4-4 Mariana Clara Branquinho, foi a segunda mulher de José Teixeira Rios (acima). Para se casarem obtiveram dispensa de impedimento licito por afinidade, já que Mariana era irmã da primeira mulher de José. No processo aberto aos 22-09-1835 (neste site), ele declarou ter 50 anos, enquanto ela, natural de Aiuruoca e moradora em Lavras contava 16 anos. José faleceu aos 12-05-1850, com inventário aberto pelo sogro, dado que sua viúva sofria de alienação mental. Foram moradores em Três Corações do Rio Verde. Em 1861 (testamento materno), Mariana estava casada com José Custodio.

          Segundo o inventário de José Teixeira (neste site) tiveram:

4-4-1 Olímpia, 14 anos. Casou depois com seu tio José Joaquim Branquinho, 4-1 supra.

4-4-2 Antonio, nascido aos 29-11-1838 e batizado aos 09-12 na fazenda do avô materno, tendo por padrinho Manoel da Costa Rios.

4-4-3 Casimiro, nascido aos 14-09 e batizado aos 16-11-1840 na fazenda de Luiz Gonzaga Branquinho

4-4-4 Valério, nascido a 22-12-1843 e batizado em 01-01-1844 na Matriz de Três Corações do Rio Verde

4-4-5 Maria Guilhermina Teixeira, 5 anos em 1850. Casou aos 24-08-1861 no oratório da fazenda de José Custodio de Santana com Ananias Gomes Pereira filho de Joaquim Gomes Macedo e Maria Silvéria de Oliveira, conforme certidão inserida no inventário paterno.

4-4-6 Severina, 2 anos em 1850. Severina Praxedes Teixeira em 1867 estava casada com Gabriel Gonçalves Lopes.

4-4-7 Ana Alexandrina Teixeira, com um ano em 1850, casou aos 02-07-1866 com Jose Bento de Carvalho Junior, natural da Freguesia de Dores da Boa Esperança, filho do Capitão Jose Bento de Carvalho e Maria Silveria de Andrade.

 

4-5 Cândida Umbelina, casada com José Martins de Andrade. Teve seu inventário aberto em 1880 na freguesia de Três Corações do Rio Verde, Termo de Campanha, onde tinha casa na Rua Direita. O casal foi proprietário de partes das fazendas Campo Belo e Vargem Grande, havidas por herança e outras terras havidas por compra. No inventário (neste site) de Cândida Umbelina constam os herdeiros:

4-5-1 André Martins de Andrade Junqueira, casado com Ana Cândida de Andrade;

4-5-2 Francisco de Paula Pereira de Andrade, casado com Maria Mariana de Andrade;

4-5-3 André Martins de Andrade Primo;

4-5-4 Valério Teixeira Rios, casado com Mariana Filomena de Andrade;

4-5-5 José Marciano da Costa, casado com Cândida Umbelina de Andrade

4-5-6 Antonio Faxardo da Costa Junqueira, casado com Gabriela Augusta de Andrade;

4-5-7 Aureliano de Andrade Junqueira, casado com Bazilicia de Andrade;

4-5-8 Tobias de Andrade Junqueira, casado com Blandina Augusta de Andrade

4-5-9 Francisca de Paula de Andrade

 

4-6 Bassiliza Cândida Branquinho, casada com Gabriel dos Reis e Silva

 

4-7 Ana Cândida Branquinho, foi a segunda mulher de Joaquim Alves Campos. Ana faleceu aos 09-12-1871, com inventário aberto na Freguesia de Três Corações do Rio Verde, termo de Campanha. Deixou as fazendas Tranqueira e Serrinha, e casa no Arraial do Rio Verde.

          Joaquim faleceu aos 01-07-1886 e foi inventariado na Fazenda das Tranqueiras, Freguesia de Três Corações do Rio Verde, termo de Campanha por sua terceira mulher, Felicidade Justininiana Villela, com quem não teve filhos. Porém teve de primeiras núpcias com Carolina ou Francisca Cândida da Paixão como citada na dispensa matrimonial (neste site) da neta Amélia Carolina:

- Evaristo Alves Pereira Campos, casado

- Maria Carolina, casada com Manoel Antonio Pereira Lima

- Carolina Cândida das Dores, falecida antes do pai, casada que foi com José Carvalho Bastos, deixando três filhas: Filomena Carolina casada com José Bento Gonçalves Lopes; Ana Carolina com 15 anos e Amélia Carolina com 13 anos respectivamente em 1886.

- Emerenciana casada com Inácio Gonçalves de Avelar

 

          Segundo inventários de ambos (neste site), Joaquim e Ana Cândida tiveram:

4-7-1 Luiz Alves Gonzaga, nasceu aos 05 e foi batizado aos 22-10-1853. Casou com Ana Candida de Meirelles

Igreja Sagrada Família (Três Corações, Minas Gerais), batismo - Luiz aos 22-10-1853, f.l. de Joaquim Alves Campos e D. Anna Branquinho, nasceu a 5 deste, padr.: Jose Joaquim Branquinho e D. Anna Candida Meirelles.

4-7-2  Olímpio Alves Campos, batizado aos 13-11-1855. Em 1886 estava casado.

Igreja Sagrada Família (Três Corações, Minas Gerais), batismo - Olympio aos 13-11-1855, f.l. de Joaquim Alves Campos e D. Anna Candida Branquinho, nasceu a 20 dias, padr.: Joaquim Jose Pereira e D. Marianna Clara Branquinho.

4-7-3 Ana Alexandrina Branquinho, batizada aos 12-04-1857. Casou com Gabriel Gonçalves Lopes.

Igreja Sagrada Família (Três Corações, Minas Gerais), batismo - Anna aos 12-04-1857, f. de Joaquim Alves Campos e D. Anna Candida, padr.: Antonio Joaquim da Silva e Basiliça Branquinho.

4-7-4 Cândida Umbelina Branquinho, batizada aos 10-10-1858. Em 1886 estava casada com José Ferreira da Costa Neves.

Igreja Sagrada Família (Três Corações, Minas Gerais), batismo - Candida aos 10-10-1858, f. de Joaquim Alves Campos e D. Anna Branquinho, nasceu a 60 dias, padr.: Joaquim Alves Pereira Campos e D. Candida Branquinho.

4-7-5 Maria Georgina Branquinho, solteira, idade 12 anos, casou depois com Antonio Bonifácio Villela

4-7-6 João Alves Campos, natural de Três Corações, com 11 anos em 1872. Em 1890 requereu dispensa do impedimento de consanguinidade (processo matrimonial neste site) para se casar com Amélia Carolina de Bastos, natural de Três Corações, filha da falecida Carolina Cândida das Dores e José de Carvalho Bastos, este natural de Portugal; neta materna de Joaquim Alves Campos (filho de João Alves Campos e Lourença de Campos) e Francisca Cândida da Paixão (filha de Manoel Antonio Pereira e Teresa Vitória de Jesus esta irmã de Lourença de Campos retro citada).

4-7-7 Antonio Alves Campos Sobrinho, 10 anos

4-7-8 José Alves Campos, 8 anos

4-7-9 Joaquim Alves Campos, 6 anos. Em 1886, solteiro, idade 20 anos e meio - “idiota”

 

4-8 Casemiro, não vem no inventário paterno.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - batismo - aos 31 julho 1825 oratório Boa Vista, CASEMIRO, f.l. do Alf. Luiz Gonzaga Branquinho e D. Anna Candida de Meirelles, padr.: Manoel de Soisa Meirelles e D. Francisca Finorata Villela.

4-9 Maria Frauzina Branquinho, batizada aos 12-10-1834. Com 16 anos em 1851, depois casada com seu primo Antonio Soriano de Souza Meirelles, 1-7 supra. Em 1869 morava na Freguesia de Três Corações de Jesus Maria José do Rio Verde, Termo da Cidade de Campanha, conforme está no inventário de seu sogro o Sargento Mor João de Souza Meirelles.

Igreja Sagrada Família (Três Corações, Minas Gerais) - batismo - Maria aos 12-10-1834, f.l. do Alferes Luiz Gonzaga e D. Anna Candida Meireles, padr.: Alferes Joze Fr.ª e D. Marianna Clara Branquinho

 

 

§ 4º Teresa Maria de Jesus

As Três Ilhoas vol. 1º, 438, 4-4, 2 filhos

 

Teresa Maria de Jesus foi a segunda esposa de Tomás Joaquim de Arantes, viúvo de Maria Ferreira de Souza (casados aos 17-06-1795 na matriz de Aiuruoca, ela filha do Alferes João Ferreira Guimarães e Izabel Maria de Souza),

Tomás foi batizado no Varadouro aos 28-04-1772, filho do Capitão Antonio de Arantes Marques e Ana da Cunha de Carvalho, falecida, já viúva, em Aiuruoca aos 05-05-1824 com testamento, neto paterno de Domingos de Arantes e Josepha Marques naturais da Freguesia de S. Salvador do Souto, Concelho de Vianna, Arcebispado de Braga, neto materno do Capitão Antonio da Cunha de Carvalho natural da Freguesia de Molares, Concelho de Guimarães Termo de Bastos, Arcebispado Braga, e D. Bernarda Dutra da Silveira (testamento e estudo neste site) natural da freguesia da Borda do Campo termo do Rio das Mortes (os avós foram nomeados no batismo de José, irmão de Tomás).

Casou Tomás em terceiras núpcias em Baependi aos 23-09-1816 com Lucia Cândida Fidelis de Noronha, filha do Sargento Mor Domiciano Jose Monteiro de Noronha e D. Marianna Justina de Meirelles, casados aos 15 fevereiro 1795 na matriz de Baependi. Geração na família “Meirelles Freire”.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - Batismos- aos 28 abril 1772 Cap. Varadouro, THOMAZ, f.l. de Antonio de Arantes e Anna da Cunha, q.n. 07 março, padr.: Antonio da Cunha de Carvalho e Thereza da S.a ---.

 

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG, Casamentos - aos 17 junho 1795 matriz - Thomaz Joaquim de Arantes, f.l. do Cap. Antonio de Arantes Marques e de Anna da Cunha; c/ Maria Ferreira de Souza, f.l. do Alf. João Ferreira Guimarães e Izabel Maria de Souza.

Ns. e bts. nesta freguesia de Aiuruoca.

 

Baependi, lv. 6;- 23 setembro 1816 Capitão Thomas Joaquim de Arantes viúvo, e D. Lucia Candida Fidelis de Noronha f.l. do sarg. Mor Domiciano Jose Monteiro de Noronha e D. Marianna Justina de Meirelles.

 

Teresa e Tomás foram pais de:

 

1- José, batizado aos 09-11-1801. Provavelmente falecido na infância, não herdou da avó materna.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - Batismos - aos 09 nov 1801 Cap. Favacho, filial da freg. de Baependi, Joseph, f.l. do Alf. Thomas Joaquim de Arantes e D. Thereza Maria Duarte; padr.: Cap. Joseph Garcia Duarte e Anna Maria de Carvalho da freg. de Baependi e aquele desta de Aiuruoca

 

2 João Tomás de Arantes Marques, representou a mãe no inventário da avó materna. Casou com Ana Severina do Amor Divino, falecida em Aiuruoca com testamento em 12-07-1877 e inventariada em 24 de agosto do mesmo ano, deixando nove filhos:

B7: Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG (partes queimadas) aos 12-07-1877 faleceu com solene testamento abaixo transcrito, de enfermidade cronica, D. Ana Severina do Amor Divino, viúva do Ten. João Tomas de Arantes.;

Fui cc. o ten. João Thomas de Arantes; filhos: João Eustaquio, hoje falecido tendo deixado filhos = Justiniano, Joaquim = Francisco = Thomas = Francelina cc. Manoel Francisco = Carolina cc. João Moreira = Maria cc. Tristão Joaquim de Arantes = Gabriella cc. Manoel Alves.

Testamenteiros, meus filhos: 1- Justiniano; 2- Joaquim; 3- Francisco.

Aiuruoca 03 outubro 1876. a testadora Anna Severina do Amor Divino. Registrado aos 12 julho 1877.

 

Inventariado: Anna Severina do Amor Divino

Inventariante: Joaquim Thomaz de Arantes - filho

Data do Inventário: 24/08/1877

Local: Aiuruoca-MG

Transcrito e disponibilizado por: José Edmar Arantes Ribeiro

 

Filhos:

1- Francelina Umbelina de Arantes, casada com Manoel Francisco de Oliveira e Souza, Três Pontas

2- Carolina Theobaldina de Arantes, casada com João Moreira de Andrade Jr., Queluz, São Paulo

3- Justiniano Procópio de Arantes, casado com Maria Jacintha Ribeiro do Valle, moradores neste termo (nota: trisavós do copista)

4- Gabriela Francisca de Arantes, casada com Manoel Alves Pereira, Baependy

5- Maria Theobaldina de Arantes, casada com Tristão Joaquim de Arantes, Barbaima(?)

6- Joaquim Thomaz de Arantes, casado com Gabriela Cândida Pereira, moradores neste termo

7- Thomaz Avelino de Arantes, casado com Lúcia Cândida de Arantes, moradores neste termo

8-Francisco Thomaz de Arantes, casado com Júlia Maria Pereira, Baependy

9- João Eustáquio de Arantes, falecido em agosto de 1875, casado com Mathilde Cândida de Arantes. Deixaram: 1- Antônio Olinto, solteiro, 26 anos; 2- Maria Amélia, casada com João Lisboa; 3- Benevenuto, solteiro, 22 anos; 4- Lindolfo, 12 anos; 5- Henrique, 11 anos; 6- Guilherme, 9 anos; 7- Helena, 6 anos; 8- Josefina, 4 anos; todos residentes em Juiz de Fora.

 

Bens de Raiz:

Uma parte de terras na Fazenda do Maia avaliada em 8:250"000. Uma parte de terras na Fazenda do Capão Redondo avaliada em 6:250"000. Uma morada de casas nesta cidade (Ayuruoca) avaliada em 400"000. Uma morada de casas na Freguezia da Encruzilhada avaliada em 2:000"000. (...)

2-1 João Eustaquio de Arantes, batizado aos 29 out 1825 oratório Boa Vista, tendo por padrinhos o Alferes Domiciano Plácido de Noronha, da freguesia de Baependi e, D. Silveria Constança de Noronha mulher do Alferes Jose Justino Gonçalves. Já falecido em agosto de 1875, foi casado com Matilde Cândida de Arantes e representado no inventário materno pelos filhos, todos residentes em Juiz de Fora:

2-1-1 Antonio Olinto, solteiro com 26 anos em 1877.

2-1-2 Maria Amélia, casada com João Lisboa

2-1-3 Benevenuto, solteiro, 22 anos

2-1-4 Lindolfo, 12 anos

2-1-5 Henrique, 11 anos

2-1-6 Guilherme, 9 anos

2-1-7 Helena, 6 anos;

2-1-8 Josefina, 4 anos

2-2 Francelina, batizada aos 01-03-1826, padrinhos: Matheus Tavares da Silva e Joaquina Evarista Villela. Francisca Umbelina de Arantes casou com Manoel Francisco de Oliveira e Souza. Em 1877 eram moradores em Três Pontas.

2-3 Carolina Teobaldina de Arantes em 1876 estava casada com João Moreira de Andrade Jr, moradores em Queluz-SP.

2-4 Justiniano Procópio de Arantes, batizado aos 21-07-1833 oratório da fazenda Pinhal, padrinhos: o Reverendo Urbano dos Reis Silva Resende e D. Lucia Cândida de Noronha moradora em Baependi. Casou com Maria Jacinta Ribeiro do Valle.

2-5 Gabriela Francisca de Arantes, batizada aos 15-05-1835. Casou com Manoel Alves Pereira.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - Batismos aos 15-5-1835 na Conquista, GABRIELA, f.l. de João Thomaz de Arantes e D. Anna Severina do Amor Divino, padr.: Antonio Belfort de Arantes e D. Francisca de Paula e Silva.

2-6 Maria Teobaldina de Arantes, batizada aos 15-07-1839. Em 1855 dispensados do impedimento de consanguinidade em 2º grau misto com 1º casou com Tristão Joaquim de Arantes, filho de Tomás Joaquim de Arantes e sua terceira mulher Lucia Cândida Fidelis de Noronha, família “Meirelles Freire”.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - Batismos - aos 15-7-1839 no oratório Sra. da Conceição das Laranjeiras o vigário da vara Antonio dos Reis Silva Rezende batizou MARIA, f.l. de João Thomas de Arantes e de D. Anna Severina do Amor Divino, padr.: o mesmo revdo e Anna Paulina de Resende, esta de Baependi.

 

www.familysearch.org (record search pilot)

Dispensas matrimonias livro misto - Aiuruoca 1855

dizem os oradores Tristão Joaquim de Arantes e D. Maria Teodolina de Arantes nts e moradores na freg. da vila de Aiuruoca - consanguinidade em 2º grau misto de 1º pq o orador é irmão do pai da oradora. Os pais da oradora tem 9 filhos.

Autos Mariana 30-01-1855

 

2-7 Joaquim Tomás de Arantes em 1877 estava casado com Gabriela Cândida Pereira.

2-8 Tomás Avelino de Arantes em 1877 estava casado com Lucia Cândida de Arantes

2-9 Francisco Tomas de Arantes em 1877 estava casado com Julia Maria Pereira, moradores em Baependi.

2-10 Ana, batizada aos 12-08-1829, provavelmente falecida na infância, não consta no testamento materno.

Igreja N.Sra. da Conceição, Aiuruoca, MG - Batismos - aos 12 agosto 1829 oratório da Boa Vista, ANNA, f.l. de João Thomaz de Arantes e Anna Severina do Amor Divino, padr.: Joaquim Jose Pereira e D. Anna Paulina de Resende.