PROJETO COMPARTILHAR

Coordenação: Bartyra Sette e Regina Moraes Junqueira

www.projetocompartilhar.org

 

 

Salvador Fernandes Furtado de Mendonça, capitão

(atualizado em 21-abril-2017)

 

 

Sílvia Buttros

 

 

Salvador Fernandes Furtado de Mendonça, natural da vila de S. Francisco das Chagas de Taubaté-SP, filho do Cap. Manoel Fernandes Yedra e s/m Maria Cubas, naturais da cidade de S.Paulo.

Casou com Maria Cardoso de Siqueira, filha de Antônio Cardoso e sua segunda mulher Maria Rodrigues de Siqueira.

Salvador testou na sua fazenda do Rio do Peixe aos 24 de maio de 1725 e faleceu em 21 de julho do mesmo ano. Declarou geração legítima e ilegítima:

Livro de Óbitos de São Caetano, Aos vinte e hum dias do mes de julho de mil e sette centos e vinte e cinco sepultei na capella mor desta Matriz ao Coronel Salvador Furtado filho legitimo do Cap. M.el F.ez Yedra e de sua mulher Maria Cubas natural da villa de S.Fra. das Chagas de Taubate Bispado do Rio de Jan casado com Maria Cardoza filha legitima de Antonio Cardozo e de Maria Roiz o qual faleceu com testam.to e com todos os sacramentos (...) fiz este asento era et supra. O Vigr.o Francisco Xavier (pesq. Silvia Buttros)

 

RAM 17º - BANDEIRANTISMO TAUBATEANO - Testamentos e Inventarios, por Felix Guisard Filho (resumo)

SALVADOR FERNANDES FURTADO DE MENDONÇA, nascido no Porto de Curupaitiba - hoje Curuputuba, Fazenda do Dr. Cicero Prado, municipio de Pindamonhangaba. Testamento arquivado na Cúria de Mariana, MG.

Testamento: aos 24 de maio de 1725 nas minhas cazas e pousadas sitas na fazenda chamada do Rio do Peixe.

Nomeia testamenteiros: Joam Antonio Rodrigues - compadre; e os fihos Antonio Fernandes Furtado e Boaventura Furtado de Mendonça.

Declaro que sou natural da vila de S. Francisco das Chagas de Taubaté, bispado do Rio de Janeiro, filho legitimo do capitam Manoel Fernandes Yedra e sua mulher Maria Cubas, naturais da cidade de S.Paulo. Sou casado face a igreja com Maria Cardoso filha legitima de Antonio Cardoso e Maria Rodrigues de cujo matrimonio tenho 5 filhos varões e 2 femeas a saber: Antonio Fernandes Furtado; Feliciano Cardoso já defunto; Bento Fernandes Furtado; Boaventura Furtado de Mendonça; reverendo padre Salvador Fernandes Furtado; Maria de Freitas e Donna Pombinha Furtado.

 

(nomes que aparecem no testamento): meu primo Balthazar da Silva/ meu genro capitam Antonio Pereira do Rego e minha filha Maria de Freitas/ meu compadre Joam Antonio Pereira do Rego.

Escravos: Barbara, mulata, e seus filhos Nuno e Josepha, que dizem ser filhos de meu filho Antonio Fernandes.

Do gentio da terra tenho: Joam filho de Sebastiana que por entender ser filho de meu filho Bento Fernandes.

Meu neto Joseph de Souza Taveira.

Deve-me o meu genro o sargento mór Joam de Souza Taveiro.

Deve-me Francisco Alves de Castilho

Devo a minha irman Anna Fernandes.

Devo a Luiz Gomes.

Minha filha Maria de Freitas quando a casei com o sargento mór Joam de Souza Taveiro já defunto.

Minha filha donna Pombinha Furtado quando a casei com o capitam Antonio Pereira do Rego.

Casei minha filha ilegitima Maria Furtado com Antonio Cabral de Gamboa.

Casei minha filha ilegitima Mariana de Freitas com Foam Pereira.(Lisboa)

Se dara a minha filha ilegitima Izabel Furtado Cubas para seu dote.

Idem, idem, minha filha ilegitima Anna Maria , idem , idem..

Meu irmão Manoel Fernandes Cubas.

APROVAÇÃO: aos 27 de maio de 1725, nesta paragem do Rio do Peixe, freguesia de Sam Caetano, distrito de Villa do Carmo. Testemunhas: reverendo conego Dr. Pedro Fernandes de Alinojosa Velasco, Lourenço da Veiga, Francisco Alves Correa, Sebastiam Monteiro de Faria, o licenciado Joam de Oliveira, todos moradores nesta freguesia de Sam Caetano, pessoas livres e maiores de catorze annos.

 

Codicilo com que faleceu o coronel Salvador Fernandes Furtado.

No termo: aos 18 de junho de 1725, em minha fazenda do Rio do Peixe, freguesia de Sam Caetano.

Declaro que Andreza de Castilho, molher parda, de quem tive tres filhos. Declaro que a dita Andreza de Castilho é filha de homem branco e molher neofita.

Deixo a meu irmão Antonio Fernandes.

Meu sobrinho Boaventura Furtado, morador na Villa de Taubaté.

Declaro que tanto minha filha Mariana Furtado, casada com Joam Pereira, como as minhas duas filhas solteiras se recolheram nas minhas capoeiras tanto como sua may.

Testemunhas: Manoel Alinojosa Velasco, Sebastiam de Freitas Moreira, Francisco Alves Moreira digo Alves Correa, Caetano de Mello e Andrade, sebastiam Monteiro de Faria, Conego Pedro Fernandes de Alinojosa Velasco, o padre Sypriano Soares do Cernho.

ARQUIVO DA CAMARA ECLESIASTICA DE MARIANNA, MG.

 

Casa Setecentista de Mariana. Segundo oficio - Inventário do Coronel Salvador Fernandes Furtado inventariante Maria Cardoso de Siqueira ano. 1725.

(pesquisa de Moacyr Villela)

Testamento: (partes rasgadas tornam a leitura truncada) – Sou natural de ... São Francisco das Chagas Vila de Taubaté, Bispado do Rio de Janeiro, Filho...Capitão Manoel Fe... Yedra e sua mulher ....naturais da cidade de São Paulo. Declara ser casado com Maria Cardosa, filha legitima de Antonio Cardoso e Maria Rodrigues, de cujo matrimonio tem cinco filhos homens e duas mulheres: Antonio Fernandes Furtado; Feliciano Cardoso já defunto, Bento Fernandes Furtado; Boaventura Furtado de Mendonça; o reverendo padre Salvador Fernandes Furtado; Maria de Freitas e Dona Pombinha Furtado. Todos legítimos.

Bens que possui: um engenho na paragem chamada Manja Léguas com seus pertences/ (em sociedade com o primo Baltazar da Silva da Fonseca (o nome do primo esta parcialmente rasgado e só pode ser recuperado na descrição dos bens do inventario). Casas cobertas de telha no arraial de São Caetano/ No sitio onde morou no Morro Grande tem terras com pastos e capoeiras com seus matos onde mora o genro Capitão Antonio Pereira do Rego/ Na mesma terra esta morando na parte de baixo Francisco de Brito Homem com seu consentimento/ Outro sitio na paragem  do Rio do Peixe onde assiste o testador.

Dotes; Filha Maria de Freitas quando se casou com o sargento mor João de Sousa Taveira, já defunto, recebeu 6.000 cruzados em dinheiro/ Pombinha Furtado para se casar com Antonio Pereira do Rego recebeu em dote 10.000 cruzados. A filha ilegítima Maria Cubas Furtada quando se casou com Antonio Cabral da Gamboa levou em dote cinco escravos/ A filha ilegítima Mariana de Freitas quando se casou com João Pereira Lisboa recebeu 2.000 cruzados.

Legados - A filha ilegítima Isabel Furtada Cubas deve receber como legado um conto de reis/ A filha ilegítima Ana Maria recebe legado de um conto de reis/ Ao irmão Manoel Fernandes Cubas 400.000 reis/A neta, filha mais velha de Antonio Cabral 200.000 reis/ A Andreza de Castilho pelos “muitos serviços que tem prestado há tantos anos” legado de 200 oitavas de ouro

Testamenteiros: Primeiro o compadre João Antonio Rodrigues/Segundo o filho Antonio Fernandes Furtado. Terceiro o filho Boaventura de Mendonça.

Ditado em 24-05-1725 aprovado aos 27-05-1725 na paragem do Rio do Peixe freguesia de São Caetano.

 

Segue Codicilo” Num Cupativo” com data de 18-06-1725, onde declara que Andreza de Castilho mulher parda “ que tem assistido comigo a muitos anos de quem tive três filhas que estão forras e libertas por três sentenças e uma carta de confirmação passada por sua Excelência o Governador Lourenço de Almeida” é mulher livre e do gentio da terra.

 

Inventario. Inventariante a viúva Maria Cardosa de Siqueira -

Titulo de Herdeiros: 1- Antonio Fernandes Furtado 45 anos; 2- Coronel Bento Fernandes Furtado 32 anos; 3- Boaventura Furtado Mendonça 29 anos; 4- Reverendo Padre Salvador Fernandes Furtado 28 anos; 5- Pomba Furtado de Santa Rosa com 30 anos casada com o capitão Antonio Pereira do Rego; 6- Maria de Freitas Cardosa com 32 anos viúva do sargento mor João de Sousa Taveira de quem ficaram sete filhos menores de 25 anos; 7- Capitão Feliciano Cardoso Mendonça defunto foi casado com Maria Rodrigues de Siqueira deixou duas filhas menores

Netos filhos de Maria de Freitas: Jose 19 anos; Josefa 16 anos; Salvador 12 anos; Rosa 10 anos; Maria 6 anos; Joana 3 anos; Um menina recém nascida ainda sem nome com 20 dias de idade.

Netas filhas de Feliciano Cardoso defunto: Belizarda(sic) com 10 anos; Maria com 6 anos.

Herdeiros legatários- Filhas naturais do testador: Mariana de Freitas casada com João Pereira Lisboa; Isabel Cubas 19 anos; Ana Maria Furtada 17 anos.

A viúva inventariante pede para que sejam avaliados bens em Pindamonhangaba na paragem   “ Compaytuba”  - terras com 2.000 braças de testada por uma e meia léguas para o Sertão – 200 oitavas de ouro

Monte Mor – 27.902 oitavas de ouro

 

Maria Cardoso teve seu testamento aprovado em 01-03-1726, faleceu em nove de março e foi inventariada no mês seguinte:

Livro de Óbitos de São Caetano. Aos nove de março de mil e sette centos e vinte e seis foi Deus servido levar desta p outra vida a Maria Cardoza viuva do Coronel Salvador Fernandes faleceu com todos os sacramentos e por seu testamento em que instituhio por seu herdeiro ao R.P. Salvador F.s e deixou varios legados e foi sepultada em hua das covas da Irman.de do S.S. por gozar como molher de irmão de q. fiz este asento dia, mes e era ut supra, o qual por esquecimento não foi feito no lugar onde tocava. O Vig.o João de Carvalho e Abreu.

 

Casa Setecentista de Mariana ano 1726

Inventariada Maria Cardoso de Siqueira, dona viuva do defunto Salvador Fernandes Furtado, moradores nesta freguesia de S. Caetano da vila do Carmo e faleceu na dita freguesia aos nove dias do mes de março de 1726.

inventariante padre Salvador Furtado

Autos - aos 02-04-1726 (...) e dela tinham ficado seus herdeiros filhos e netos, maiores e menores.

Testamento: 1726 anos (...) eu Maria Cardosa de Siqueira (...) faço este meu testamento na forma seguinte: Encomenda a alma. Testamenteiros em 1º lugar a meu filho o Revdo Padre Salvador Fernandes Furtado de Mendonça, e em sua falta a meu filho Boaventura Furtado de Mendonça.

Sou natural de Taubate, filha de Antonio Cardoso e s/m Maria Rodrigues de Siqueira, ja defuntos, e viúva que fiquei do Coronel Salvador Fernandes Furtado do qual ficou Antonio Fernandes Furtado = Feliciano Cardoso, tambem já defunto = o Coronel Bento Fernandes Furtado = Boaventura Fernandes Furtado = o o Reverendo Padre Salvador = D. Maria de Freitas Cardosa = D. Pomba Furtado de Santa Rosa os quais são meus herdeiros forçados.

Deixa legados pios. Deixo a meu filho Antonio Fernandes Furtado // a minha neta D. Josefa de Souza Taveira casada com o Alf. Andre Rodrigues Corteiro// a minhas netas Dona Maria e D. Ana// a minha neta Branca Furtado de Mendonça e a sua irmã Maria de Serqueira de Santa Rosa. O restante de minha terça deixo a meu filho Revdo Padre Salvador Fernandes por meu herdeiro

Pedi ao Padre Luiz Mendes de Andrade que por mim escrevesse e a meu rogo assinasse

Aprovação 01-03-1726

 

Titulo dos Herdeiros

- Cap. Antonio Fernandes Furtado de 45 anos.

- Coronel Bento Fernandes Furtado, 36 anos

- Maria de Freitas, de 38 anos, casada que foi com o Sarg. Mor João de Souza Taveira

- D. Pomba Furtada, de 32 anos, casda com o Cap. Antonio Pereira do Rego.

- Boaventura Furtado de Mendonça. de 30 anos.

- o Revdo Padre Salvador Fernandes Furtado de Mendonça, de 28 anos

- o Cap. Feliciano Cardoso de Mendonça, ja defunto, e por ele representam suas filhas Branca Furtado de idade de ---- anos e Maria Cardosa de sete anos.

 

Salvador e Maria Cardoso de Siqueira tiveram 7 filhos legítimos:

1- Antonio Fernandes Furtado

2- Feliciano Cardoso de Mendonça

3- Maria de Freitas Cardosa

4- Bento Fernandes Furtado

5- Pomba Furtado

6- Boaventura Furtado de Mendonça

7- Salvador Fernandes Furtado

 

Salvador teve a filha ilegítima, sem identificar a mãe:

1i- Maria Furtado

 

Com Andreza de Castilho, falecida em 09-12-1736, Salvador teve três filhas ilegitimas:

São Caetano, MG obitos aos 9/12/1736 faleceu Andresa de Castilho, mulher solteira e da casta do gentio da terra ou Bastarda; s/testamento;

2i- Mariana de Freitas

3i- Isabel de Cubas Furtado

4i- Ana Maria Furtada de Mendonça

 

 

 

1- Antonio Fernandes Furtado com 45 anos em 1725 (inventário paterno).

          Foram seus filhos, conforme testamento paterno: “Barbara, mulata, e seus filhos Nuno e Josepha, que dizem ser filhos de meu filho  Antonio Fernandes”.

1-1n Nuno Fernandes Furtado, filho da escrava Bárbara Leal, natural de S. Caetano. Habilitou-se em 1730 para se casar com Maria Perpétua de Carvalho, natural de Santana de Parnaíba, filha de Jorge de Carvalho e de Ana da Costa.

AEAM, MG Habilitações Matrimoniais 1730. Nuno Fernandes Furtado e Maria Perpétua de Carvalho. Ele, natural de São Caetano, filho de Antônio Fernandes Furtado e de Bárbara Leal; ela, filha de Jorge de Carvalho, e de Ana da Costa, natural de Santana de Parnaíba, distrito da cidade de São Paulo, algum tempo moradora na freguesia de São Sebastião, distrito desta Vila do Carmo, e hoje moradora no Gualaxo, freguesia de São Caetano.

Testemunha Bento Fernandes Furtado (...) que Nuno Fernandes Furtado foi seu escravo (...).

Pais de, q.d.:

1-1n-1 Jerônimo, batizado em 22-01-1736.

São Caetano, MG - aos 22-01-1736 na capela do Cap. Mor João Coelho de Oliveira, no Gama, bat a Hieronymo, f.l. de Nuno Fernandes Furtado e de s/m Maria Perpétua. Foram padrinhos Ana da Costa, avó do mesmo inocente, e Serafim Rodrigues, todos meus fregueses.

1-1n-2 Bento em 01-04-1738.

São Caetano, MG - ao 01-04-1738 na capela de N. Sra das Águas Claras, cita no engenho do R. Padre Francisco Ribeiro Ribba, bat a Bento, f.l. de Nuno Fernandes Furtado e de s/m Maria Perpétua. Foram padrinhos Serafim Rodrigues de Oliveira e Ana da Costa, avó do mesmo inocente.

1-2n Josefa, filha da escrava Bárbara.

 

2- Feliciano Cardoso de Mendonça batizado em Taubaté aos 13/06/1681. Foi o primeiro marido de Maria Rodrigues de Siqueira, batizada em Mogi das Cruzes em 29-11-1680 (termos no De Genere do neto Leonardo de Azevedo e Castro).

          Maria Rodrigues de Siqueira, filha de João Pereira de Bulhões e Ignez Rodrigues (ou Dias), neta materna de Catarina de Siqueira e Aleixo Rodrigues de Niza inventariado em Mogi das Cruzes em 1690 - família “Manoel Siqueira Caldeira”, neste site (e SL. 2º, 353, 3-2 onde não consta geração do casal).

          Feliciano testou em 30 de janeiro de 1723. Pede que seja sepultado na Capela de N.S. da Glória da Passagem. Seu testamento foi aberto em 03-03-1723 e o inventário de seus bens teve início na vila do Carmo no mesmo ano (LA1, 1º Ofício, maço 9, nº 350).

Casa Setecentista de Mariana, Auto 0350, Ano 1723, Inventário que se fez dos bens que ficaram por falecimento do defunto Feliciano Cardoso de Mendonça, casado que foi com Maria Rodrigues de Siqueira. Testamento; Em nome da Santíssima Trindade (...) Ano de Nosso Senhor Jesus Cristo de mil setecentos e vinte e três, aos trinta de Janeiro do dito ano, Eu Feliciano Cardoso de Mendonça, estando em meu perfeito juízo (...) Rogo e peço ao Guarda Mor Antônio Rodrigues de Souza, e ao meu pai o Coronel Salvador Fernandes Furtado, e ao meu irmão Bento Fernandes Furtado, por serviço de Deus e por me fazerem mercê queiram aceitar serem meus testamenteiros= Meu corpo será sepultado na Capela de Nossa Senhora da Glória desta Passagem, ao pé do Altar Mor, e amortalhado em hábito de Nossa Senhora do Carmo, e quando o não haja em o de São Francisco (...) Declaro que sou natural da vila de Taubaté, filho legítimo do coronel Salvador Fernandes Furtado, e de sua mulher Maria Cardosa de Siqueira= Declaro que sou casado com Maria Rodrigues de Siqueira, de cujo matrimônio tenho dois filhos, a saber Branca e Maria= [declara os escravos de sua fazenda]= Declaro que possuo mais umas lavras, e uma roça derrubada que leva dois alqueires de milho, e duas posses mais em Itacolomi no Salto Grande= Declaro mais que tenho em povoado quinhentas braças de terra (...)Declaro que meu pai o Coronel Salvador Fernandes Furtado me deve cem oitavas de ouro de resto de contas que com ele tive(...) Aprovação 03/02/1723. Abertura em 03/03/1723. Título dos herdeiros que se acham do casal: Branca, que pareceu ser de idade de dez anos, pouco mais ou menos; Maria, que pareceu ser de idade de cinco anos, pouco mais ou menos. Foi nomeado tutor das meninas o Coronel Salvador Fernandes Furtado. (...) Diz o Coronel Bento Furtado de Mendonça, como testamenteiro de Feliciano Cardoso de Mendonça, que Deus Haja, cujo inventário se continuou-se neste juízo dos órfãos, e entre os mais bens de que trata o testamento do dito defunto e bem assim uma sorte de terras na vila de Pindamonhangaba, e umas lavras e posses e roças em matos virgens em a dita Itacolomi, e mais umas capoeiras na freguesia de São Caetano (...) Diz Maria Rodrigues de Siqueira, moradora em São Caetano, órfã que ficou do Capitão Feliciano Cardoso de Mendonça que ela suplicante está contratada para tomar estado de casada com Gonçalo de Souza da Costa, morador na mesma freguesia, natural da Vila do conde, Arcebispado de Braga, batizado na freguesia de são João Batista da mesma vila, filho legítimo de Antônio Fernandes Negreiros, e de sua mulher Margarida da Costa (...) Dizem o Capitão Leonardo de Azevedo Castro, e Gonçalo de Souza Costa, casados com Branca Furtada de Santa Rosa, e Maria Cardosa de Siqueira, filhas menores que ficaram do Capitão Feliciano de Mendonça, que o testamenteiro que foi do dito defunto, e tutor das mesmas menores (...).

 

          Maria Rodrigues de Siqueira, viúva, casou-se em 2ªs núpcias com José Gomes Monteiro, natural de São João de Souza, Bispado do Porto, filho de João Luís e de Maria Gomes.

Livro de Batismos, Matrimônios e Óbitos de Mariana. Aos onze de Dezbr.o de mil e sete(sic), e vinte e sete pellas horas da tarde, nesta Igr.a de N. Sr.a da Conceição da V.a do Carmo, ahi em prezença minha e das test.as abaixo assignadas, e de outra muita gente q. prezente estava, depois de feitas as denunciaçoins nesta Igr.a onde os contrahentes são moradores, e mais delig.cias na forma do estillo do Bispado, e havida provizão do D.or Vigr.o da Vara do destrito, se cazarão Solemnemente, e por palavras de prezente em face de Igr.a na forma do Sagrado Conc. Trid. Jozeph Gomes Monteiro f° leg° de João Luis, e de Maria Gomes do lugar de S. João de Souza Bispado do Porto, e Maria Rodrigues de Sequeira, veuva q. ficou do Cap.am Feliciano Cardozo de Mendonça, natural deste Bispado do Rio de Janr.o, e forão testimunhas o Sarg.to Mor D.os Pinto Machado, e o Sarg.to Mor João Baptista Boucão, todos desta frg.a e pessoas de mim reconhecidas, como tambem os contrahentes de q.m se não descobrio algum impedim.to, de q. fis este tr.o q. assignei com as t.as. O Vigr.o Joseph Simoens=Domingos Pinto Machado=Joam Bap.a Boucam.

 

Feliciano Cardoso de Mendonça e Maria Rodrigues de Siqueira tiveram duas filhas:

1- Branca Furtado de Santa Rosa ou Branca Furtado de Mendonça

2- Maria Rodrigues Cardosa

 

2-1 Branca Furtado de Santa Rosa, também conhecida por Branca Furtado de Mendonça, batizada aos 23/01/1714 na freguesia de São Francisco das Chagas da vila de Taubaté, Bispado de São Paulo, filha de Feliciano Cardoso de Mendonça e de Maria Rodrigues de Siqueira (Habilitação de genere de Leonardo Azevedo Castro, Cúria Metropolitana de São Paulo, 1753).

          Em São Caetano-MG aos 24-11-1728 casou com o Capitão Leonardo de Azevedo e Castro, batizado aos 02/12/1694 na freguesia de Santa Maria Madalena de Santo Tirso, Bispado do Porto, filho de Manoel de Azevedo, natural de São João de Caldas, e de Natália da Silva Castro, natural de Santo Tirso.

Arquivo da Cúria Arquidiocesana de Mariana - 15/04/2008. Processo nº 5804 Data: 1728. São Caetano-MG Leonardo de Azevedo Castro e Branca Furtado de Santa Rosa. Ele natural da freguesia de Santo Tirso Bispado do Porto, fº de Manoel de Azevedo e de sua mulher Natalia da Silva Castro, com Branca Furtado de S.ta Rosa, natural da freg. de Taubaté, moradora nestas Minas em esta freguesia de São Caetano, fª legitima do Cap.am Feliciano Cardoso de Men.ça e de sua mulher Maria Roiz. de Siqueira. Testemunhas: Francisco Moutinho Portugal, nat. da cidade do Porto, freguezia de Sam Pedro de ....Gaya, 45 anos. Duarte de Miranda, nat. da freg. de Sam Pedro de ...Couto...Santo Tirso Arcebispado de Braga, 24 anos. Alferes Manoel Pereira Mahado, nat. S. André da Villa Bispado de ....ia, 40 anos. Boaventura Furtado de Mendonça, nat. de Taubaté, 34 anos.

 

Livro de Matrimônios de São Caetano 1725/1764. Aos vinte e quatro dias do mes de Novembro de mil e sette centos e vinte e oito, nesta Matriz de S. Caetano, dados os banhos e feitas as mais deligencias, necessarias na forma do Sagrado Concilio Tridentino, e Constituiçois que se observam neste Bispado, por provizão do R.P.e Jozeph Simois, vigario da Villa do Ribeyram do Carmo, e da vara desta Comarca, assisti ao Matrimonio que por palavras de prezente e in facie Eclesia contrahiram o Capitam Leonardo de Azevedo Castro, e D. Branca Furtado de S.Rosa, elle natural de S.Tirsso junto a cidade do Portto, e ella natural da villa de Taubaté, e hoje assistente nesta freguezia. Foram testemunhas o Sargento Mayor André Gonçalves Chaves, e o Sargento Mayor Joam Antonio Rodrigues, todos desta freguezia. De que fiz este assento, dia, mes, e era ut supra. O Vigr° André Gomes Ribeiro.

 

Arquivo Distrital do Porto, Concelho de Santo Tirso, Livro de Batizados da freguesia de Santa Maria Madalena de Santo Tirso. Leonardo f° de Manoel de Azevedo do lugar do Picoto e de sua m.er Nataria da Silva nasceo aos vinte e sete de 9bro de mil, e seis centos, e noventa e coatro. Foi baptizado aos dous de Dezembro pello P.e Coadjutor Fr.co Miz. nesta Parochial Igrª de seus pais; forão PP. João Correa f° de Marg.da Dias de Sidenay e Jeronima soltr.ª da fregª das Caldas. Bento Coelho. P.e Bento do Sprito Sacto.

 

          Branca faleceu aos 05/04/1748 em São Caetano:

Livro de Óbitos de São Caetano. Aos sinco dias do mes de Abril de mil sete centos e quarenta e oito falleceo Branca Furtado de S. Rosa mulher de Leonardo de Azevedo freguezes da Fregª de S. José da Barra e de prezente assistente nesta fregª . Falleceo com todos os sacramentos e sem testamento. Foi sepultada dentro desta Igrª. De q. fiz este assento era ut supra. O Vigr° Luis de Payva.

 

Casa Setecentista de Mariana, Auto 0479, Ano 1749, Inventário aberto no Sítio do Gualaxo do Norte, freguesia de São José da Barra, Termo da Cidade de Mariana. Inventário dos bens que ficaram por falecimento de D. Branca Furtada de Mendonça, casada que foi com o Capitão Leonardo de Abreu e Castro, falecida no Sítio do Gualaxo em 5 de Abril de 1748.  Declaração dos herdeiros filhos legítimos da defunta sua mulher que faz o cabeça do casal inventariante: Antônio, de idade 19 anos; Luísa de idade 18 anos; Leonardo de idade 15 anos; Albano de idade 8 anos; Joaquim de idade 4 anos; Manoel Sulpicio de idade 2 anos. Declarou o dito inventario (sic) que não tinha mais filhos vivos da dita defunta que os seis acima, tendo ao tempo de seu falecimento doze filhos que depois dela faleceram (...) Bens: ouro, prata, cobre, estanho, roupas, armas de fogo, espada, madeira, ferramentas, criações, escravos. Bens de Raís: Um sítio de roça no Gualaxo do Norte; uma morada de casa térrea no Arraial de São Caetano, na Rua de Baixo. Em 25/04/1763, Diz Pedro Romeiro de Campos, como cabeça de sua mulher D. Luísa da Silva Castro, que para haver a sua legítima que coube à dita sua mulher por falecimento de sua mãe D. Branca Furtada de Mendonça precisa de sua sentença de folha dezoito.

 

          Em 1754, Leonardo de Azevedo Castro, morador na freguesia de São José da Barra, requereu confirmação de uma sesmaria de meia légua que possui junto ao Rio do Peixe.

AHU-ACL-N-Minas Gerais, catálogo 5389, Diz Leonardo de Azevedo Castro, morador na freguesia de São José da Barra, que ele conseguiu a Carta de Sesmaria junta para, em virtude dela, possuir as terras e matos que nela se contém, para o que se faz de preciso confirmação de Vossa Majestade.

Branca e Leonardo tiveram doze filhos. Seis deles faleceram poucos dias após a mãe:

- José, falecido aos 10/04/1748 em Barra Longa.

Livro de Óbitos de Barra Longa, Matriz de São José da Barra, Aos 10/04/1748, José, inocente, filho legítimo do Capitão Leonardo de Azevedo e Castro e e D. Branca Furtada, já defunta.

- Branca, batizada aos 28/10/1732 em São Caetano, e falecida aos 12/04/1748 em Barra Longa, MG.

São Caetano, Livro de Batismos. Aos 28/10/1732, nesta Matriz de São Caetano, batizei e pus os santos óleos à inocente Branca, filha legítima do Capitão Leonardo de Azevedo Castro. Foram padrinhos Lourenço de Amorim Costa, e D. Joana Rondon, mulher de Pedro Alvares Pereira. De que fiz este assento dia, mês, era ut supra. Declaro que a dita inocente é filha de D. Branca. Mulher do dito Capitão Leonardo de Azevedo Castro. O Vigr.o André Gomes Ribeiro.

 

Certidão contida no inventário de sua mãe: Livro de Óbitos de Barra Longa, Matriz de São José da Barra, fls. 74. Aos 12/04/1748, faleceu Branca, solteira, filha do Capitão Leonardo de Azevedo Castro e de D. Branca Furtado, com todos os sacramentos, foi encomendada e sepultada dentro desta Matriz de são José da Barra.

- João, batizado em S. Caetano aos 4/11/1736 e falecido aos 17/04/1748 em Barra Longa.

S, Caetano - aos 4/11/1736 bat. João, f.l. do Cap. Leonardo de Azevedo Castro e de s/m Branca Furtado. Foram padrinhos Antonio Antunes, morador no Brumado freguesia do Sumidouro e Maria Cardosa de Mendonça mulher de Gonçalo de Souza Costa, desta freguesia de S. Caetano.

 

Certidão contida no inventário de sua mãe: Livro de Óbitos de Barra Longa, Matriz de São José da Barra, Aos 17/04/1748 faleceu João, filho legitimo do Capitão Leonardo de Azevedo Castro e de D. Branca Furtado, com o sacramentos da penitência e extrema unção, foi encomendado e sepultado dentro desta Matriz

- Vicente, falecido aos 20/04/1748 em Barra Longa.

Certidão contida no inventário de sua mãe: Livro de Óbitos de Barra Longa, Matriz de São José da Barra. Aos 20/04/1748, faleceu Vicente, inocente, filho legítimo do Capitão Leonardo de Azevedo Castro e de D. Branca Furtado, já defunta, foi encomendado e sepultado no cemitério, digo, na Capela de N. Senhora do Pilar, filial desta Matriz de são José da Barra.

- Manoel, batizado em 25/8/1738 e falecido aos 20/04/1748 em Barra Longa.

S. Caetano bat aos 25/8/1738 neta matriz bat a João, f.l. do Cap. Leonardo de Azevedo Castro e de s/m D. Branca Furtado. Foram padrinhos Gonçalo de Souza Costa e Maria dos Anjos mulher de Caetano Pinto Castro.

 

Certidão contida no inventário de sua mãe: Livro de Óbitos de Barra Longa, matriz de são José da Barra. Aos 20/04/1748 faleceu Manoel, inocente, filho legítimo do Capitão Leonardo de Azevedo Castro e de D. Branca Furtado, já defunta, foi encomendado e sepultado dentro na Capela de Nossa Senhora do Pilar, filial desta Matriz de São José da Barra.

- Feliciano, batizado em S. Caetano aos 12/6/1735 teve por padrinhos Manoel Alvares da Cruz e s/m Quiteria Lanna de Jesus. Faleceu aos 29/04/1748 em Barra Longa.

Certidão contida no inventário de sua mãe: Livro de Óbitos de Barra Longa, Matriz de São José da Barra,. Aos 29/04/1748, faleceu Feliciano, filho do Capitão Leonardo de Azevedo Castro e de D. Branca Furtado de Mendonça e Santa Rosa, já defunta, com todos os sacramentos, foi encomendado e sepultado dentro da Capela de N. Senhora do Pilar desta matriz de S. José da Barra.

 

2-1-1 Antônio de Azevedo Castro, batizado em São Caetano aos 03/07/1730, tendo por padrinho Luís José, morador no Ouro Preto. Habilitou-se De Genere  em 1764. Foi soldado Granadeiro no Rio de Janeiro, e posteriormente, advogado em Curvelo, onde foi testemunha na Devassa de 1776. Pela sentença, tanto os denunciados quanto as testemunhas foram presos. Faleceu na cadeia de Ouro Preto, aos 24/01/1777, três meses após ter sido preso.

AEAM Habilitações 1764. Diz Antônio de Azevedo Castro, e seus irmãos Albano da Silva Castro, Joaquim Furtado de Mendonça e Castro, e Manoel de Azevedo, filhos legítimos do Capitão Leonardo de Azevedo Castro, e de D. Branca Furtada de Mendonça, netos pela parte paterna de Manoel de Azevedo Castro e Natália da Silva, e pela materna netos do Capitão Feliciano Cardoso de Mendonça, e D. Maria Cardosa de Serqueira, natural da freguesia de São Caetano (...) e juntamente a justificarem a fraternidade que têm ao Padre Leonardo de Azevedo Castro, seu irmão legítimo (...)

Fls.8 Certifico que à fl. 75v do presente livro dos assentos dos batizados desta freguesia de São Caetano se acha o assento de teor seguinte: Aos 03/07/1730, batizei e pus os santos óleos ao inocente Antônio, filho legítimo do Capitão Leonardo de Azevedo Castro, e de sua mulher D. Branca Furtada de Santa Rosa, tendo nascido aos 13 do mês de Junho antecedente. Foi padrinho Luiz José morador no Ouro Preto, de que fiz este assento, dia mês e era ut supra. O Vig.ro André Gomes Ribr.o=E não se continha (...) São Caetano 27/08/1766, O Vig.ro Jer.o de Sousa Barb.a

 

Óbitos de Ouro Preto, N. S. da Conceição de Antônio Dias, 1770/1796, fls. 113. Aos vinte e quatro de Janeiro de mil setecentos e setenta e sete, faleceu com todos os sacramentos Antônio de Azevedo Castro, preso na cadeia desta vila por crime de Inconfidência. Ignora-se a naturalidade e filiação. Foi encomendado e sepultado dentro desta Matriz, pelo amor de Deus, de que faço este assento. O Coadjutor Bento Manoel Pereira.

 

Biblioteca Virtual do Projeto Resgate, AHU-ACL-N-Minas Gerais, Catálogo 8724, Santo Antônio do Curvelo, 1776, Autos da Devassa de Inconfidência a que se procedeu contra o Reverendo Carlos José de Lima. Fls.7 (...) Testemunha Antônio de Azevedo Castro, homem branco, natural da freguesia de São Caetano, do Bispado de Mariana, e de presente morador neste Distrito, que vive de sua advocacia, de idade que disse ter de quarenta e cinco para quarenta e seis anos, testemunha a quem o dito juiz deferiu o juramento dos Santos Evangelhos, sob cargo do qual lhe encarregou jurasse verdade do que soubesse, e lhe fosse perguntado, sobre o deduzido no auto da denúncia, e recebido por ele o dito juramento, assim o prometeu fazer, como lhe era encarregado; e do costume dele, que o reverendo denunciado fora seu inimigo, em razão de ter procurado uma causa crime contra ele, porém que ao presente já estão reconciliados; e perguntado ele testemunha pelo conteúdo no auto da denúncia, disse que sabe pelo ver e presenciar que quando se desterminaram (sic) os denominados Jesuítas, era ele testemunha soldado Granadeiro na Praça do Rio de Janeiro, e um dos que ajudou a dar cerco no Colégio da dita praça,  e ao depois por moléstia deu baixa, e se transportou para esta freguesia, e logo que chegou a este Arraial, falando ao reverendo denunciado, em comprimento político, este perguntou a ele testemunha se sabia quantos eram os Padres Jesuítas de quatro votos, que se achavam presos do Colégio do Rio de Janeiro, e se sabia quantos tinham vindo do Colégio da Bahia, presos para o dito Colégio do Rio, se os conhecia, ao que respondeu ele testemunha não sabia, porquanto só iam a revista deles os oficiais dos guardas, e logo passou a perguntar mais a ele testemunha como tinham sido, e recebidos os ditos Padres, e como havia sido o seu embarque, ao que respondeu ele testemunha que havia sido com a roupeta no corpo, e o breviário debaixo do braço, sem outro aparato, e que depois de estarem embarcados, digo de estarem a bordo lhes mandou o Governador da dita Praça tirar as canastras, em que levavam algumas miudezas, e folhas de tabaco, os quais mandou despejar, para ver se nelas levavam alguma coisa, que proibida fosse,  ao que respondeu o reverendo denunciado dizendo a ele testemunha que este Monarca é ímpio, e cruel, porque desprezava bons homens, como eram os Padres Jesuítas, de tanta virtude, ciência, e riqueza; e que não podia ser bem sucedido, por haver tirado Ordens de Santo Inácio, porém que tinha desculpa, por estar pateta, por se deixar governar por um homem tão depravado como Sebastião José; e disse mais ele testemunha que pela publicidade com que se queixava com palavras indecorosas, mostrava ser a razão dele haver compreendido no mesmo extermínio um seu tio o Padre José de Andrade, do Colégio da Bahia. O que não há dúvida que o Padre João Gaspar Barreto passou a ele testemunha a atestação de que faz menção o auto, e que sabe ele testemunha mais, de ciência certa, que vindo o Doutor Ouvidor José de Góes, em correição a este Arraial, a ele diz esta mesma denúncia, por escrita, da qual não quis tomar conhecimento, sendo lhe feita por outrem, e mais não disse do auto, que todo lhe foi lido, e declarado pelo dito Juiz, com quem assinou, e eu Luiz Gomes da Conceição, escrivão do Judicial que o escrevi.=Mendes=Antonio de Azevedo Castro. Fls. 36, Conclusão, Aos sete dias do mês de outubro de 1776, neste Arraial de Santo Antônio do Curvelo (...). Obrigam as testemunhas desta devassa à prisão e ao seqüestro do denunciado R.do Carlos José de Lima, Vigário colado da freguesia de Santo Antônio do Curvelo, por se acharem plenamente provados os fatos conteúdos no Auto da mesma Devassa; a José de Góes de Ribr.o de Lara, Ouvidor que foi desta comarca, por não tomar conhecimento como devia dos fatos contemplados no dito auto, que lhe foram denunciados no ano de setenta e três; a Bento do Rego e Figr.do, o Padre João Gaspar Barreto, Luiz Carneiro de Sousa, Sebastião de Paiva e Almeida, Luiz Roiz’ Alvarenga, M.el Cipriano da Silva, João Guedes Pinto, Ant.o de Az.do Castro, Ant.o Ribr.o de Souza, João Luis de Souza, Fran.co Roque, e João Marques das Neves, todos moradores no distrito deste Arraial, tes.tas que juraram na presente devassa, tanto por não delatarem imediatamente os fatos que declaram em seus juramentos, como por não encontrarem as práticas tendentes à sedição, que se individuam nos mesmos seus juramentos: e a João Perez de Souza Soto e Manoel Fran.co José, moradores na Vila do Sabará, e Antônio Correia, morador na Ladeira da Conceição da Praia da Cidade da Bahia, pela referida razão, que também se manifesta dos juramentos das ditas testemunhas. Proceda-se a captura contra os sobreditos; e seqüestro em todos os seus bens. S.to Ant.o do Curvelo, 7 de Outubro de 1776. José Ant.o Barb.a do Lago

2-1-2 Luísa, batizada na Capela de N.S. da Conceição do Brumado, freguesia do Sumidouro, aos 27/08/1731, tendo por padrinhos João Antunes Rego, e D. Inácia de Arruda, mulher do Guarda-Mor Maximiano de Oliveira Leite. Luísa da Silva Castro casou-se aos 30/06/1751, no Oratório do Dr. Manoel ribeiro de Carvalho, freguesia de São José da Barra Longa, com Pedro Romeiro de Campos, natural e batizado na freguesia de Santa Bárbara das Nove Ribeiras, Ilha Terceira, e morador no Furquim, filho de Amaro Romeiro da Costa, e de Águeda da Conceição.

         Luísa faleceu aos 21/05/1782 em Mariana, e foi sepultada na Capela de Santana.

Livro de Óbitos de Mariana, 1777/1801, fls. 66, imagem 55. Aos vinte hum de Mayo de mil settecentos e oitenta e dois annos, faleceu com todos os sacramentos Luiza da Silva Castro, mulher de Pedro Romeiro; foi encomendada, e sepultada na Capella da Gloriosa Santa Anna desta Cidade. E para constar fiz este assento, que assignei. O Coadjutor Manoel da Costa Negreiros.

         O casal teve, pelo menos:

2-1-2-1 Francisco, batizado em Barra Longa, aos 13/09/1756, tendo por padrinho o Sargento-Mor Francisco de Abreu Lima. Padre Francisco da Silva Campos, habilitado De Genere em 1777.

AEAM 1777, Diz Francisco da Silva Campos, natural e batizado na freguesia de São José da Barra Longa, deste Bispado, filho de Pedro Romeiro de Campos, natural e batizado na freg.a de Santa Bárbara das Nove Ribeiras, Bispado de Angra, e de D. Luísa da Silva Castro, natural e batizada na freg.a de São Caetano deste Bispado (...)

(...) que o justificante pela parte paterna é primo legítimo do Rev.do João Batista Xavier, pela razão de ser este filho do Tenente Francisco Xavier da Costa, irmão legítimo de Pedro Romeiro de Campos, pai do justificante, nascidos do mesmo matrimônio de Amaro Romeiro da Costa, e de Águeda da Conceição, avós paternos do justificante.

(...)que o justificante é sobrinho legítimo do Rev.do Leonardo de Azevedo Castro, Vigário colado na freguesia de São Sebastião, irmão legítimo de D. Luísa da Silva Castro, mãe do justificante, nascidos do mesmo matrimônio do Capitão Leonardo de Azevedo Castro e D. Branca Furtada de Mendonça.

Caetano Pinto da Motta e Castro, Vig.ro Encomendado nesta paroquial de São Caetano, Certifico que às fls. 89 (...) Aos 27/08/1731, na Capela de N.S. da Conceição do Brumado, freguesia do Sumidouro, de licença minha, batizou e pôs os santos óleos o Rev.do Padre Bernardo Azevedo à inocente Luísa, f.l. do Capitão Leonardo de Azevedo Castro e de sua mulher Branca Furtado de Mendonça, moradores no Brumado, mas desta freguesia de São Caetano, tendo nascido a dita aos 19 do mesmo mês e ano. Foram padrinhos João Antunes Rego, e D. Inácia de Arruda, mulher do Guarda-Mor Maximiano de Oliveira Leite, moradores na mesma freguesia do Sumidouro, de que fiz este assento, dia, mês, e ano ut supra. O Vig.ro André Gomes ribeiro. E não se continha (...) São Caetano, 02/10/1777 Caetano Pinto da Motta Castro.

Aos 30/06/1751, no Oratório do Dr. Manoel Ribeiro de Carvalho, pelas 10 horas do dia (...) Pedro Romeiro de Campos, nat. e bat. na freg.a de Santa Bárbara das Nove Ribeiras da Ilha Terceira, Bispado de Angra, e de presente assistente na freguesia do Furquim, com D. Luísa da Silva Castro, nat. e bat. na freguesia de São Caetano, e assistente na de São José da Barra, com provisão do Rev.do Vigário Geral deste Bispado=Manoel Camelo Nunes=Ant.o P.ra Chaves=Thomás Ferreira Varandas. E mais não se continha (...) Barra Longa, 08/10/1777.

Aos 13/09/1756, Francisco, f.l. de Pedro Romeiro de Campos e Luísa da Silva Castro, neto paterno de Amaro Romeiro da Costa e de Águeda da Conceiçã, naturais da freguesia de Santa Bárbara das Nove ribeiras, Bispado de Angra; e pela materna de Leonardo de Azevedo Castro, nat. da freg.a de Santo Tirso, Bispado do Porto, e D. Branca Furtada de Mendonça, nat. e bat. na freg.a de Taubaté, Bispado de São Paulo. Foi padrinho o Sargento-Mor Francisco de Abreu Lima. e para constar fiz este. O Vig.ro Fr.co Xavier da Costa. E mais não se continha (...) Barra Longa, 07/09/1777. Felipe Nery de Almeida.

Hei por habilitado de Moribus ao habilitando F.co da Silva Campos para as ordens a que for promovido. Vistos os autos (...) Mariana, 29 de Janeiro de 1778. Dr. José Just.o de Oliv.ra Godim.

Em 1779, subdiácono, requer ser examinado de Cantochão.

2-1-3 Leonardo, batizado na Capela de N.S. da Conceição do Brumado, na Cachoeira, aos 27/11/1733. Leonardo de Azevedo Castro, habilitado de genere em 1753.

São Caetano, Livro de Batismos. Aos 27/11/1733, na Capela de Nossa Senhora da Conceição do Brumado, na Cachoeira, de licença minha, batizou e pôs os santos óleos o R.do Theotonio Soares de Magalhães, ao inocente Leonardo, filho legítimo do Capitão Leonardo de Azevedo Castro, e de sua mulher D. Branca Furtado de Mendonça. Foram padrinhos o Capitão João Rodrigues Moreira, e D. Bárbara Moreira de Castilho, mulher do Coronel Bento Fernandes Furtado. De que fiz este assento dia, mês e era ut supra. O Vigr.o André Gomes Ribeiro.

 

CMSP - Processo de Habilitação de Genere et Moribus n° 1938, estante 3, gaveta 72

Leonardo Azevedo Castro 

Requisitória do Bispado de Mariana (...) por parte de Leonardo de Azevedo Castro, natural e batizado na freguesia de São Caetano, Bispado de Mariana, filho legítimo de Leonardo de Azevedo Castro, natural e batizado na freguesia de Santa Maria Madalena de Santo Tirso, Bispado do Porto, e de sua mulher D. Branca Furtada de Mendonça, natural da freguesia e vila de Taubaté, Bispado de São Paulo; neto pela parte paterna de Manoel de Azevedo, natural da freguesia de São João das Caldas, Arcebispado de Braga, e de Nataria da Silva Castro, natural da freguesia de Santa Maria Madalena de Santo Tirso, Bispado do Porto; neto pela parte materna de Feliciano Cardoso, natural da vila de Taubaté, Bispado de São Paulo, e de sua mulher Maria Roiz Cerqueira, natural da vila de Mogi, do dito Bispado de São Paulo.

(...) Testemunhas da vila de Taubaté: Antônio Pereira Ferreira, Bernardo Teixeira de Azevedo, Roque Fernandes Viana, Francisco Cordeiro de Castilho, Manoel Vieira de Amores, Antônio de Siqueira Garcia, Pantaleão Ferreira de Mendonça, André Corsino dos Santos.

(...) Testemunhas da vila de Mogi das Cruzes: Francisco de Borja Xavier, Domingos de Almeida Ramos, Messia da Paixão, Miguel Fragoso de Matos, Gregório Alvres, Manoel Pimenta de Abreu, Manoel Antunes de Abreu.

Diz Leonardo de Azevedo e Castro, natural da freguesia de São Caetano, Bispado das Minas Gerais (...) lhe é necessário a certidão de batismo de sua avó materna Maria Roiz, filha de João Pereira, e de sua mulher Ignes Roiz, a qual foi batizada na freguesia de Santa Ana das Cruzes da vila de Mogi, Bispado de São Paulo.

Antônio de Barros Machado, vigário colado na paroquial Igreja de Santa Ana das Cruzes da vila de Mogi, deste Bispado de São Paulo, Certifico que em virtude do despacho

(...) Batismos desta freguesia nas folhas ... achei um assento de teor e forma seguintes: Batizei e pus os santos óleos aos vinte e nove de novembro de mil seiscentos e oitenta, a Maria, filha de Joam Pereira e de sua mulher Ignes Rodrigues. Foram padrinhos George Rodrigues Diniza, e Ana Paes.

O L.do João de Bessa Paes, vigário colado na Igreja de são Francisco das Chagas da vila de Taubaté certifico que em virtude de um mandado do M.to R.mo (...) fiz provimento no Livro 1° e 3° que serviram dos assentos dos batizados desta freguesia, e no Livro 1° à folha 54v, está o assento do avô do habilitando Leonardo de Azevedo e Castro do teor e forma seguinte: Aos treze dias do mes de junho de mil seiscentos e oitenta e um anos, baptizei e pus os santos óleos sagrados a Filiciano, filho de Salvador Fernandes, e de sua mulher Maria Cardoza. Foram padrinhos Sebastião de Freitas e Hieronima Ferreira. O P.e Frei Manoel de S. Antônio.

Outrossim, no Livro 3°, folhas 94v achei o assento da mãe do habilitando, do teor e forma seguinte:  Aos vinte e três de janeiro de mil setecentos e quatorze, batizei e pus o santos óleos a Branca, filha de Filiciano Cardozo e de sua mulher Maria Rodrigues. Foram padrinhos José Cardozo Guterres, e Ana de Souza de Albernaz. Padre João de Souza.

Outrossim. fiz provimento em todos os livros que serviram e o que serve de presente dos assentos dos casamentos desta freguesia, em nenhum deles achei assento do casamento do avô do habilitando que me parece foi descuido do Reverendo Baracho que então servia Antônio Barreto de Lima, porque informando-me de pessoas fidedignas de crédito me certificaram que o dito Capitão Feliciano Cardoso recebera estando muito mal com a dita Maria Rodrigues filha natural da vila de Mogi, e uma destas serviu de testemunha no dito casamento, fazendo-se este em casa do dito Capitão, e que todas estas estavam prontos para jurarem quando necessário, e também me afirmaram depois que recebeu melhorou o dito de repente e foi com ela dita sua mulher para as Minas Gerais , onde casou sua filha D. Branca Furtada de Mendonça. Tudo isto afirmo in verbo Parochi. Taubaté, 30 de Maio de 1753. O Vig.ro João de Bessa Passos.

2-1-4 Albano, de idade de 8 anos em 1749. Batizado na Capela de São José da Barra Longa, da freguesia de Bom Jesus do Furquim, aos 04/06/1740, tendo por padrinhos o Dr. Gaspar Gonçalves dos Reis, e Ana Garcia. Albano da Silva Castro habilitou-se De Genere juntamente com seus irmãos Antônio, Joaquim e Manoel em 1764. 

João de Sá Vasconcelos, Vig.ro colado na Paroquial do Senhor Bom Jesus do Monte do Furquim, Certifico que vendo o livro dos batizados desta freguesia nele a fl. 88 achei um assento de man.ra seg.te. Aos 04/06/1740, na Capela de são José da Barra Longa desta freguesia do Senhor Bom Jesus do Furquim, o Padre Luís Pereira da Silva pôs os santos óleos a Albano, inocente, f.l. do Capitão Leonardo de Azevedo Castro, e de sua m.er Branca Furtada de Mendonça. Foram padrinhos o Dr. Gaspar Gonçalves dos Reis, morador na Vila do Ribeirão, e Ana Garcia, todos os mais moradores nesta dita freg.a. E para constar fiz este assento por mim assinado dia e era ut supra. O Vig.ro Encomendado F.co Pereira. E não se continha (...) Furquim, 12/07/1766 João de Sá Vasconcelos.

2-1-5 Joaquim, de idade de 4 anos em 1749. Batizado na freguesia de São José da Barra Longa, aos 09/09/1745, tendo por padrinhos o Dr. Guilherme Nunes, e sua mulher D. Clara. Joaquim Furtado de Mendonça e Castro habilitou-se De Genere juntamente com seus irmãos Antônio, Albano e Manoel em 1764.

Francisco Xavier da Costa Vig.ro colado na freg.a de São José da Barra Longa, Certifico que no livro dos batizados a fl.30 está o assento do teor seguinte: Aos 09/09/1745, Joaquim, f.l. de Leonardo de Azevedo e sua mulher Branca Furtada, moradores no Gualaxo desta freguesia. Foram padrinhos Guilherme Nunes, doutor médico, e sua mulher Dona Clara, moradores no Ribeirão do Carmo.

2-1-6 Manoel Sulpicio, de idade de 2 anos em 1749. Batizado aos 12/02/1747 no Oratório da Casa da Barra, da freguesia de São José da Barra Longa, tendo por padrinhos Maximiano de Oliveira Leite, e D. Luísa de Souza. Manoel de Azevedo habilitou-se De Genere juntamente com seus irmãos Antônio, Albano e Joaquim em 1764.

Certifico que no dito livro a fl.38 está o assento de teor seguinte: Aos 12/02/1747 batizei e pus os santos óleos a Manoel inocente, f.l. do C apitão Leonardo de Azevedo e Castro, e de sua mulher Dona Branca Furtada, neste Oratório da Casa da Barra desta mesma freguesia. Ministrei este sacramento com licença do Rev.do Cônego Ant.o Pereira da Cunha, Vig.ro da Vara desta Comarca dada em Serptis (sic). Foram padrinhos Maximiano de Oliveira Leite da freguesia do Sumidouro, e D. Luísa de Souza, dona do dito oratório, desta freguesia. De que fiz este assento dia, mês, era ut supra. Com a rubrica do Rv.do Vigário Francisco Alves barbosa. E não se continha (...) São José da Barra Longa, Julho, 13, 1766.

 

2-2 Maria Rodrigues Cardosa aos 20-02-1735 casou com Gonçalo de Souza Costa, natural da freguesia de S. João Batista da vila de Conde Arc. Braga, filho de Antônio Fernandes Negreiros e de s/m Margarida da Costa.

São Caetano, MG matrimonios 1725-1764;im  23 aos 20-02-1735 na capela de N. Sra da Conceião das Lavras Velhas se receberam Gonçalo de Souza Costa, f.l. de Antonio Fernandes Negreiros e de s/m Margarida da Costa, n. da freguesia de S. João Batista da vila de Conde Arc. Braga = com D. Maria Rodrigues Cardosa, f.l. do Cap. Feliciano Cardoso de Mendonça e de s/m Maria Rodrigues de Siqueira, n. da freguesia de N. Sra da Boa Viagem de Otaubira destas minas e ora moradores nesta freguesia de S. Caetano.

          Gonçalo de Sousa Costa faleceu em 21-01-1776 e foi inventariado aos 5 de junho do mesmo ano. Compareceram 4 filhos:

São Caetano, MG obitos - Gonçalo de Souza Costa - aos 22-01-1776 se deu sepultura a Gonçalo de Souza em sepultura do Santissimo nesta matriz e morreu na freguesia do Furquim, com todos os sacramentos. Não fez testamento.

 

Casa Setecentista de Mariana ano 1776

Inventario de Gonçalo de Sousa Costa

inventariante Maria Cardoso de Mendonça

Inventario dos bens que ficaram de Gonçalo de Souza Costa casado com Maria Cardosa de Mendonça, moradores no rio do Peixe Pequeno, freguesia do Forq.m onde faleceu sem testamento em 21 de janeiro de 1776

Autos aos 05-06-1776

Titulo dos Herdeiros:

- Ana Maria de Souza, de idade 36 anos, casada com Antonio Vaz Vianna.

- Monica Maria de Souza, 27 anos

- Caetana Maria de Souza, 24 anos

- Antonio Fernandes 16 anos.

 

Maria e Gonçalo tiveram quatro filhos, além de outros falecidos na infância:

7-2-1 Ana Maria Cardosa de Mendonça, com 36 anos em 1776, estava casada com Antônio Vaz Vianna.

         Foi casada, primeira vez, aos 06-09-1758 com Antônio Pereira Lopes, natural do Inficionado, filho de Francisco Pereira Lopes, natural da freguesia de S. Pedro de Rates termo de Barcelos Arc. de Braga e de D. Micaela Francisca da Anunciada, natural da Ilha Terceira e casados no Inficionado. Sem geração deste matrimônio.

São Caetano, MG aos 06-09-1758 na capela de N. Sra dos Remedios filial desta matriz se receberam Dr. Antonio Pereira Lopes, f.l. de Francisco Pereira Lopes e D. Micaela Francisca da Anunciada, n/b na freguesia do Inficcionado deste bispado de Mariana = e Ana Maria Cardosa de Mendonça, f.l. de Gonçalo de Souza Costa e de D. Maria Cardosa de Mendonça, n/b na freguesia do Furquim e sempre assistente nesta freguesia de S. Caetano. Testemunhas Revdo Jose de Souza Taveira e Lourenço de Souza Costa, moradores nesta mesma freguesia.

          Francisco Pereira Lopes, filho de Manoel Pereira da Silva e de s/m Antonia Lopes, faleceu em 08-12-1764 com testamento aberto em 12-12-1764. Micaela Francisca da Anunciada, filha de Francisco Lopes Penteado e de sua mulher Andreza de São Mateus, faleceu aos 02-10-1769.

Santa Rita Durão (Nossa Senhora de Nazare) obitos.

Copia do Testamento de Francisco Pereira Lopes falecido nesta freguesia aos 8 de dezembro de 1764 anos.

 

Casa Setecentista de Mariana ano 1764

Inventario dos bens do falecido Francisco Pereira Lopes falecido na freguesia do Inficionado com seu testamento, sendo inventariante sua mulher D. Micaela da Anunciação.

Autos aos 22-12-1764

Procuração que Faz: Micaela da Anunciação, moradora no arraial do Inficionado, termo desta cidade

Data: 14-12-1764 Arraial de N. Sra da Conceição das Cattas Altas, termo da leal cidade de Mariana

Procuradores Nomeados, e.o.:

na cidade de Mariana: Drs. Paulo de Souza Magalhães, Manoel Bras Ferreira e Luiz de Souza de Carvalho e Tiomas Pereira

na Vila Rica: Drs. Jose Manoel de Siqueira, João Tavares do Amaral e Alf. João Batista Valamiel.

na cidade do Rio de Janeiro: Dr. Antonio Moreira da Cruz, Manoel de Oliveira Santos, Manoel Correa da Silva, Pedro R. Leite.

Fins: (...) poder arrecadar toda a sua fazenda (...).

 

Descrição dos Bens, dividas por creditos,

 

Treslado do Testamento: (...) aos 31-08-1762 neste arraial e freguesia de N. Sra de Nazare do Inficionado termo da cidade de Mariana, eu Francisco Pereira Lopes (...) faço este testamento:

Testamenteiros: Manoel Luiz, Manoel Fernandes Praça, Manoel Martins, Antonio Vaz Vianna e ao Tesoureiro dos Ausentes.

Sou natural da freguesia de S. Pedro de Rates termo de Barcelos Arc. de Braga, f.l. de Manoel Pereira da Silva e de s/m Antonia Lopes, ja defuntos. Sou casado nesta dita freguesia do Inficcionado com D. Micaela Francisca da Anunciada de cujo matrimonio tenho uma filha por nome D. Brigida Teresa da Encarnação, religiosa professa no Convento de S. Gonçalo da Ilha Terceira.

(...) instituo a minha alma por minha universal herdeira da minha terça que me toca dos ditos meus bens.

Declaro que não tenho filhos naturais, mas como Marta Pereira, casada com Andre Rodrigues, diz que é minha filha natural o que eu não posso afirmar porque a minha consciencia não me acusa nem reconheço algum neste particular, porem se a dita Marta Pereira justificar ser minha filha natural e alçançar sentença de habilitação, neste caso ordeno se lhe entreguem  do que por direito lhe tocar (...).

Roquei a Jose Soares o escrevesse e como testemunha se assinasse - Inficionado 31 de agosto de 1762 Francisco Pereira Lopes.

Declaro, como ja declarei atras, ter uma filha por nome Dona Brigida Teresa da Encarnação, religiosa professa do Concenyo de S. Gonçalo da Ilha Terceira a qual sendo viva ao tempo do meu falecimento é herdeira universal das partes dos meus bens, e sendo morta ao tempo que eu falecer, depois de pagas as minhas dividas e cumpridos os meus legados instituo minha alma por minha universal herdeira de todos os meus bens, porque suposto a parda por nome Marta, e seu marido Andre Rodrigues Durão, intentem um libelo e alcancem primeira sentença a seu favor julgando ser minha filha a tal Marta, em minha consciencia declaro que o não é, nem reconheço por filha, nem por tal a instituo (...). Martiana 31 de janeiro de 1764 e eu Ignacio Franco Floreado fiz a presente declaração a rogo do testador Francisco Pereira Lopes que comigo assinou = Francisco Pereira Lopes = Ignacio Franco Floreado.

Aprovação: Mariana 31-01-1764

Abertura: certifico que abri o testamento retro para seguir as disposições do testador: Inficionado 12-12-1764.

Desistencia: Inficionado 16-12-1764 Manoel Luiz Lopes.

Desistencia: 18-12-1764 Manoel Fernandes Praça

Termo de Aceitação: 22-12-1764 nesta cidade de Mariana - Antonio Vaz Vianna, morador na freguesia do Inficionado

Codicilo: aos 05-12-1764 eu Francisco Pereira Lopes estando em meu perfeito juizo (...) revogo neste Codicilo e tambem quero que tenha todo o vigor o que novamente declaro neste meu Codicilo. Declaro que no dito testamento instituo por minha herdeira do Convento de São Gonçalo da cidade de Angra da Ilha Terceira no qual se acha minha filha Soror Brigida Teresa da Encarnação, e porque me acho composto com o dito Convento a respeito da legitima da dita minha filha na quantia em que nos ajustamos como constou dos documentos que se acham em meu poder, fica sendo de nenhum vigor aquela disposição; portanto instituo, nomeio e declaro aminha alma por minha universal herdeira.

Declaro que, pretendendo Marta Pereira, minha afilhada casada ao presnete com Andre Rodrigues Durão, habilitar-se por minha herdeira, e tendo ja sentença a seu favor do Juizo de Mariana confirmada no de Vila Rica, tomaram novo acordo e se compuseram comigo contentes com 800.000 reis que lhe dei (...). Arraial do Inficionado 05-12-1764 Francisco Pereira Lopes.

Certifico que abri este Codicilo aos 12-12-1764.

Monte Mor 15:139$244 e 1/2 Quinze contos, cento e trinta e nove mil, duzentos e quarenta e quatro réis e meio.

Diz Marta Pereira e seu marido Andre Roiz Durão que eles alcaçaram as sentenças inclusas na Certidão contra Antonio Vaz Vianna, como Testamenteiro de Francisco Pereira Lopes, pai e sogro dos suplicantes, julgando-se nulo o testamento com que o mesmo faleceu.

Habilitação por filha do testador Francisco Pereira Lopes

Pagamento feito a herdeira Marta Pereira, das duas partes de sua herança

 

Santa Rita Durão, (N.S. de Nazaré do Inficionado). Testamento de D. Micaela Francisca da Anunciada, falecida aos 02/10/1769. E, nome da Santíssima Trindade (...) Eu, Micaela Francisca da Anunciada, estando em meu perfeito juízo (...) Em primeiro lugar nomeio por meu testamenteiro o Padre Pedro de Souza, em segundo a Manoel Mendes Lopes, e em terceiro lugar a Gregório Martins Torres (...) Declaro que sou natural da Ilha Terceira, batizada na Sé da mesma cidade, filha legítima de Francisco Lopes Penteado, e de sua mulher Andreza de São Mateus, ambos já defuntos. Declaro que fui casada, em serviço de Deus, com Francisco Pereira Lopes, já defunto, de quem tive dois filhos, um por nome Antônio, já defunto, do qual não ficou sucessão, e outra por nome Brizida, religiosa professa em o Convento de são Gonçalo da Ilha Terceira, a qual nomeio por herdeira dos meus bens, excetuando minha terça por não ter outro herdeiro forçado mais senão a dita minha filha= Deixo a Antônio Vaz Viana uma libra de ouro pelo que gastou com o enterro de meu filho, e lhe deixo mais cem mil réis de esmola, cujos serão para sua filha minha afilhada (...)

 

7-2-2 João, batizado aos 21/07/1737. Não consta do inventário do pai.

São Caetano, batismos. Aos 21/07/1737, na Capela de São Francisco Xavier do Gualaxo, João, filho legítimo de Gonçalo de Souza Costa, e de sua mulher Maria Cardosa de Mendonça,. Foram padrinhos o Reverendo João de Souza, e Maria Rodrigues de Siqueira, avó da dita criança, e mulher de José Gomes Monteiro. Todos desta freguesia de São Caetano.

7-2-3 Margarida, batizada aos 14-06-1746. Não consta do inventário paterno.

São Caetano, Batismos. Aos 14-06-1746, na Capela de N. S. do Amparo, Margarida, filha de Gonçalo de Souza Costa, e de Maria Cardosa, fregueses desta freguesia. Foram padrinhos Manoel Francisco Xavier, do Furquim, e Caetano Pereira de Castro, com procuração de sua mulher Maria dos Anjos, estes desta freguesia.

7-2-4 José, batizado aos 18-07-1747. Não consta do inventário paterno.

São Caetano, Batismos. Aos 18-07-17477, na Capela de N. S. do Amparo de Águas Claras, José, filho de Gonçalo de Souza Costa, e sua mulher Maria Cardosa, fregueses desta freguesia, o qual nasceu aos sete deste mês. Foram padrinhos Domingos Dias Veloso, e D. Teresa de Jesus, mulher de Domingos da Silva Lobo. Todos desta freguesia.

7-2-5 Mônica Maria de Souza, batizada em 30-06-1749. Com 27 anos em 1764

S. Caetano - Aos 30/06/1749, na Capela de N.S. da Conceição de Águas Claras, filial desta Matriz, a Monica, que nasceu aos 25 de Maio do dito ano, filha de Gonçalo de Souza Costa, e de sua mulher Maria Cardosa de Mendonça, nat. e bat. nesta freg. De São Caetano, e o dito seu marido nat. e bat. na freg. De São João Batista da Vila do Conde, Arcebispado de Braga; neta pela parte paterna de Antonio Fernandes Negreiros da Costa, e de sua mulher Margarida da Costa; e pela materna neta de Feliciano Cardoso, e de sua mulher Maria Rodrigues de Siqueira. Foram padrinhos José Diógenes de Castro, e Ana Maria de Jesus, filha de José de Puas Valadares, moradores desta freguesia os ditos seus pais e o dito padrinho.

7-2-6 Caetana Maria de Souza, batizada em 12-09-1752. Com 24 anos em 1764.

S. Caetano batismos - Aos 12/09/1752, na Capela de N. S. dos Remédios, Caetana, filha legítima de Gonçalo de Souza Costa, e de Maria Cardosa, neta pela parte paterna de Antonio Fernandes Negrão (sic), e de Margarida da Costa, naturais da Vila do Conde, Arcebispado de Braga; pela materna do Capitão Feliciano Cardoso de Mendonça, natural de Taubaté, e de Maria Roiz de Siqueira, natural de Mogi, Bispado de São Paulo. Foram padrinhos o Doutor Manoel da Guerra Leal de Souza e Castro, morador na cidade de Mariana, e D. Barbara Moreira de Castilho, mulher do Coronel Bento Frz Furtado, desta freguesia.

7-2-7 Maria, bat. 20/11/1755. Não consta do inventário do pai.

São Caetano Livro de Bat. -. Aos 20/11/1755, na Capela de N.S. dos Remédios, Maria, filha de Gonçalo de Souza Costa, e de sua mulher Maria Cardosa; neta paterna de Antonio Fernandes Nogueira (sic), e de Margarida da Costa, ambos da freguesia de S. João Batista da Vila do Conde, Arcebispado de Braga; pela materna de Feliciano Cardoso de Mendonça, e de sua mulher Maria Rodrigues de Siqueira, naturais da vila de Taubaté, Bispado de São Paulo. Foram padrinhos Manoel Domingues Espinhosa, e Maria Madalena, mulher do --------Manoel Luiz dos Santos, fregueses do Furquim.

7-2-8 Antônio Fernandes, batizado em 08-09-1760. Com 16 anos em 1764

S. Caetano batismos - Aos 08/09/1760, na capela de N.S. da Conceição do Gualaxo do Norte, freguesia do Furquim, Antonio, filho legítimo de Gonçalo de Souza Costa, nat. da freg. De São João Batista da Vila do Conde, Arcebispado de Braga, e de D. Maria Rodrigues Cardosa, moradores na sua fazenda do Escalvado, desta freguesia; neto paterno de Antonio Fernandes Negreiros, e de sua mulher Margarida da Costa, da sobredita Vila do Conde; neto materno do Capitão Feliciano Cardosode Mendonça, e de sua mulher Maria Rodrigues de Siqueira, da vila de Taubaté, Bispado de São Paulo. Foram padrinhos o Sargento Mor Domingos Dias Veloso, e D. Antonia Constantina de Souza, filha legítima do Capitão Antonio Fernandes Torres.Todos da freguesia do Furquim.

 

3- Maria de Freitas Cardosa; 32 anos em 1725 e 38 anos em 1726. Casou, em vida do pai, com Sargento Mor João de Souza Taveira, natural da freguesia da Vila Nova da Muía Arc. Braga, filho de João Taveira e Catarina Fernandes. Maria recebeu de dote 6.000 cruzados.

          Sargento mor João de Souza faleceu com testamento em 30-04-1725 e foi inventariado em 03-08-1725.

São Caetano, MG obitos 1718-1733; im 44; aos 30/4/1725 foi Deus servido levar para si o Sargento Mor João de Sousa Taveira, n. de  Vila Nova da Muia arcebispado de Braga, filho de João Taveira; Catarina Fernandes já defuntos. Cc Maria de Freitas Cardosa. Deixou legados pios e o remanescente da terça para sua mulher gastar com seus filhos. Testamenteiros Coronel Bento Fernandes Furtado, João Antonio Rodrigues, Francisco da Costa Taveira. Foi sepultado nesta matriz em uma das covas do Santissimo.

 

Casa Setecentista de Mariana. Segundo oficio

Pesquisa Moacyr Villela

Inventário do Sargento Mor João de Sousa Taveira

Testamenteiro e inventariante Coronel Bento Fernandes Furtado ano.1725

Testamento ano 1725 (não consta a data completa): Primeiro testamenteiro o cunhado Bento Fernandes/Segundo Capitão João Antonio Rodrigues/Terceiro o primo Francisco da Costa Taveira.

Declara ser natural do Reino de Portugal da freguesia da Vila Nova da Muía arcebispado de Braga filho de João Taveira e Catarina Fernandes já defuntos. Casado com Maria de Freitas Cardosa da qual tem seis filhos: Jose de Sousa; Josefa de Sousa; Salvador; Rosa; Maria e Joana

 

Inventario aberto em 03-08-1725:

Titulo de Herdeiros:

-Jose de Sousa Taveira com 19 anos/ Salvador Fernandes Furtado com 13 anos; Josefa de Sousa Taveira com 14 anos; Rosa com 10 anos; Maria com cinco anos; Joana com três anos, Quiteria com oito dias

Entre os bens declarados em inventario: 36 escravos/24 datas de terras minerais no serviço, com roda, em sociedade com o sogro Salvador Fernandes/ Casa na Vila de Pindamonhangaba e sitio na mesma Vila defronte a Antonio Cabral/ Duas casas em terras de seu sogro em São Caetano.

Monte Mor – 9.818 oitavas de ouro

Inserido no inventario: Diz a viúva que tem contratado para casar sua filha Rosa Maria de Jesus com o licenciado Caetano Jose Pinheiro filho legitimo de João Pinheiro de Vasconcelos e Maria de Araujo Magalhães natural e batizado na Vila de Amarante conselho de Vila Real

Assento de casamento: matriz de São Caetano aos 03-07-1739 Caetano Jose Pinheiro natural de Amarante Vila Real com Rosa Maria de Jesus natural de Pindamonhangaba.

Termo de casamento: Na matriz de São Caetano aos 12-12-1725 Alferes Andre Rodrigues Cordeiro filho de Andre Rodrigues e Maria Cordeira natural da Ilha de São Miguel, Bispado de Angra freguesia de São Pedro da Ribeira Grande com Josefa de Sousa Taveira filha do defunto João de Sousa Taveira e sua mulher Maria de Freitas Cardosa, natural e batizada na Vila de Pindamonhangaba, freguesia do Bom Sucesso.

Salvador Fernandes Furtado herdeiro neste inventario pede sua emancipação aos 28-10-1740

Diz João Alves da Cunha de Gusmão por cabeça de sua mulher, herdeira de João de Sousa Taveira. (texto sem mais informações)

Filhos:

3-1 José de Souza Taveira com 19 anos em 1725.

3-2 Josefa de Souza Taveira, com 14 anos. Aos 12-12-1725 casou com André Rodrigues Cordeiro, filho de André Rodrigues e de Maria Cordeira, naturais da ilha de S. Miguel.

S. Caetano, MG aos 12-12-1725 nesta freguesia se receberam o Alferes Andre Roiz Cordeiro, f. de Andre Roiz e ss/m Maria Cordeira, naturais da Ilha de S. Miguel e batizado na freguesia de S. Pedro da Ribeira Grande = com Josefa de Souza Taveira, f. do Sarg. Mor João de Souza Taveira, ja defunto e de s/m D. Maria de Freitas Cardosa, natural de Pindamonhangaba e batizada na freguesia do Bom Sucesso. TEst.: Cap. Antonio Pereira do Rego e o Ajudante Inacio Cordeiro de Sampaio.

3-3 Salvador Fernandes Furtado com 13 anos. Pediu a emancipação em 28-10-1740.

3-4 Rosa com 10 anos em 1725. Rosa Maria de Jesus aos 03-07-1739 casou com Caetano Jose Pinheiro, natural de Amarante Arc. Braga, filho de João Pinheiro Vasconcellos e de s/m Maria de Araújo Magalhães.

S. Caetano, MG aos 03-07-1730 nesta freguesia se receberam Caetano Jose Pinheiro, f.l. de João Pinheiro Vasconcellos e de s/m Maria de Araujo Magalhães, natural da vila de Amarante Arc. de Braga = com Rosa Maria de Jesus, f.l. de João de Souza Taveira, ja defunto e de s/m D. Maria de Freitas Cardosa, natural de Pindamonhangaba comarca da Piedade dede S. Paulo. Test.: Lic. Gregorio da Costa e Leonardo Manço Porto

3-5 Maria com 5 anos em 1725. Maria do Espírito Santo, madrinha em 1735:

S. Caetano, MG batismos/casamentos e obitos 1735-1770; 19; aos 26/12/1735 nesta matriz bat a Escolastica, foram padrinhos o Sargento Mor Domingosz Dias Veloso e Maria do Espirito Santo, filha da viuva Maria de Freitas Cardosa.

3-6 Joana com 3 anos. Joana Izabel de Mendonça, madrinha em 1737.

S. Caetano, MG aos 12/8/1737 na capela de S. Francisco Xavier bat a Justa, f.l. do Cel. Bento Fernandes Futado e D. Barbara Moreira de Castilho; foram padrinhos o Alf. Antonio Francisco da Silva e Joana Izabel de Mendonça, filha da viuva Maria de Freitas Cardosa.

3-7 Quitéria com 8 dias em 03-08-1725, póstuma.

 

4- Bento Fernandes Furtado, 32 anos em 1725 e 36 anos em 1726, natural de Taubaté-SP. Casou com Bárbara Moreira de Castilho, filha de Domingos Alves Ferreira e Tomásia Pedroso da Silveira, naturais de Taubaté, neta paterna de Domingos Álvares Ferreira, natural de Angra dos Reis e de Andreza de Castilho, natural de Mogi das Cruzes-SP, neta materna do mestre de campo Carlos Pedroso da Silveira, natural de S. Paulo, e de Isabel de Souza Ebanos, natural do Rio de Janeiro - família Domingos Alves Ferreira.

          Bento habilitou-se a Familiar do Santo Ofício em 1733. Faleceu no Serro aos 19-10-1765, com testamento

(pesquisa Fabricio Gerin) Tribunal do Santo Ofício, Conselho Geral, Habilitações Incompletas, doc. 924 – Diligência de Habilitação de Bento Fernandes Furtado – 1733-1734 – Pretendente a familiar, coronel, natural da Vila de Taubaté, comarca de S. Paulo, morador na de S. Caetano, termo da Vila do Carmo, comarca de Vila Rica de Ouro Preto (Brasil), filho do coronel Salvador Fernandes Furtado e de Maria Cardosa de Siqueira, naturais de Taubaté; neto paterno de Manuel Fernandes Edra e de Maria Cubas Furtada, naturais de S. Paulo; e materno de Antonio Vaz Cardoso, também natural de S. Paulo, e de Maria Rodrigues de Siqueira, natural de Taubaté. Casado com Bárbara Moreira de Castilho, filha de Domingos Álvares Ferreira e de Tomásia Pedrosa da Silveira, naturais de Taubaté e moradores em Gorantigueta, comarca de S. Paulo; neta paterna de Domingos Álvares Ferreira, natural de Angra, comarca do Rio de Janeiro, e de Andreza de Castilho, natural da vila de Mogi, comarca de S. Paulo; e materna do mestre de campo Carlos Pedroso da Silveira, natural de S. Paulo, e de Isabel de Souza Cuanos(sic), natural do Rio de Janeiro

 

APM, Revista nº 8, Ano 1903. [pág. 305] Registro do Testamento com que faleceu o Coronel Bento Fernandes Furtado, nesta Vila do Príncipe, aos dezenove dias do mês de outubro de mil setecentos e sessenta e cinco anos de quem é testamenteiro o Sargento Mor Patrício da Silva Chaves. Em nome da Santíssima Trindade (...) Saibam quantos este testamento virem que no Ano de Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo de mil setecentos e sessenta e quatro anos, aos vinte e nove dias do mês de Novembo do dito ano, em casas de morada do Sargento Mor Patrício da Silva Chaves, em esta Vila do Príncipe, Comarca do Serro Frio (...) Declaro que sou natural da Vila de São Francisco das Chagas de Taubaté, Comarca da Cidade de São Paulo, filho legítimo do Coronel Salvador Fernandes Furtado, e de sua mulher Maria Cardosa de Siqueira, e são já defuntos, e sou casado com D. Bárbara Mo [pág.306] reira de Castilho de quem temos os filhos e herdeiros seguintes: Maria Magdalena, casada com Francisco Martins Penna, e assim mais Anna, Thomazia, Francisca, Escholastica, Justa, casada com João Varella da Fonseca, e Maria, Bárbara, Bento, todos legítimos  herdeiros, e também João Furtado de Mendonça havido em solteiro de sua mãe Sebastiana Cubas. E para dar execução do disposto neste testamento e na minha última vontade peço em primeiro lugar a João Francisco Alves, em segundo lugar a meu genro João Varella da Fonseca, em terceiro lugar o Sargento Mor Patrício da Silva Chaves, em quarto lugar a Manoel Domingues da Costa queiram qualquer deles, por serviço de Deus, e por me fazer mercê aceitar e serem meus testamenteiros, benfeitores, e administradores de minha fazenda e desde já os hei por abonados, e não serão obrigados a dar conta senão no fim de cinco anos. (...) Os bens que possuo é uma fazenda de Engenho de canas moente e corrente partindo da banda de baixo com Gonçalo de Souza e seu sócio Francisco da Costa (...) E assim mais cinco posses de terras lavradias desde a cachoeira grande do Rio da Prata correndo rio acima (...) Assim mais uma sesmaria de seis léguas em quadra nos campos da Campanha do Rio Verde (...) [pág.307] (...) Assim mais possuo os escravos seguintes: (...) Declaro que há sessenta e tantos anos que sou morador nestas Minas da freguesia de São Caetano, Comarca de Vila Rica, e tive muitas e várias contas com diversas e várias pessoas executado pela maior parte delas (...) [pág.308] (...) Declaro que devo a Agostinho Pereira Braga (...) por solicitar a causa de divórcio de minha sobrinha Ana Rosa de Jesus (...) [pág.310] (...) Declaro que me é devedor meu irmão já defunto o Reverendo Padre Salvador Fernandes Furtado (...) Declaro que tenho novas contas com minha irmã Maria de Freitas (...)[pág.311] (...) Declaro mais que devo a minha irmã Maria de Freitas o que constar (...) Declaro que tenho na Corte de Lisboa em poder de meu compadre João Ricardo Galego Vidigal, ou de seu pai Doutor Desembargador Estêvão Galego Vidigal de Negreiros novas certidões de serviços da Majestade minhas e de meu pai, para por mim fazerem requerimentos será em utilidade de meus herdeiros sendo encabeçado em qualquer ofício que possa vir meu filho Bento Francisco Xavier de Mendonça. (...) [pág.312] (...) Declaro que da minha terça mando meu testamenteiro dizer missas a cada um dos santos meus devotos (...) e o restante deixo a minha mulher (...) E por esta forma hei por acabado este meu testamento que quero valha como se contém nele e na melhor forma que se possa o qual mandei a meu filho Bento Francisco Xavier de Mendonça escrevesse o que eu lhe fui ditando por eu estar com moléstia grave que me impedia o escrever, e junto comigo se assinasse em dia mês e ano retro. Eu, Bento Francisco Xavier de Mendonça que este testamento escrevi por mandado de meu Pai o Coronel Bento Fernandes Furtado.(...) Aprovação 13-12-1764. (...) [pág.313] (...) Despacho Em 19 de outubro de 1765 foi aberto o testamento do C.el Bento Fernandes Furtado pelo Ouvidor Guerra. (...) Nota: Este testamento se acha registrado no Livro nº 14 do Registro de Testamentos do Cartório da Provedoria anexa ao 1º Ofício desta Comarca do Serro. Fls. 1 a 9.

 

Filhos naturais ou ilegitimos:

4-1n João Furtado de Mendonça, filho natural de Sebastiana Cubas. Citado no testamento do avô paterno: "Do gentio da terra tenho: Joam filho de Sebastiana que por entender ser filho de meu filho Bento Fernandes."

São Caetano; batismos/casamentos e obitos 1735-1770; im 23; aos 10/5/1736 nesta matriz bat a Narcisa; f.l. de Francisco Fragoso e de s/m Catarina, mulata escravos do Coronel Bento Fernandes Furtado. Foram padrinhos João Furtado de Mendonça, filho natural do mesmo coronel e Andresa de Castilho.  

4-1i Francisco Furtado, padrinho em 1757 juntamente com a irmã Tomásia:

São Caetano aos 20/6/1757; Maria; na capela de Nossa Senhora dos Remedios; filial desta freguesia, bat a Maria, f.l. de Antonio da Silva de Camargo e de Paula da Costa, n. deste bispado e o pai natural de S. Paulo, np de avós incognitos e neta materna do Alf. Antonio da Silva Costa e Maria Madalena, n. de Pernambuco. Foram padrinhos Francisco ----- de Mendonça e dona Tomazia Pedrosa da Silveira, filhos do coronel Bento Fernandes Furtado desta freguesia.

 

Bento e Bárbara tiveram outros filhos, além dos nove citados em 5º, 432, 2-13:

4-1 Maria Madalena, madrinha da irmã Maria em 1739. Maria Madalena de Pazis aos 25-09-1757 casou com Francisco Martins Pereira, natural da freguesia de N. Sra da Purificação da vila de Santo Amaro Arc. da Bahia, filho do falecido Cap. Mor Domingos Martins Pereira e D. Catarina do Prado de Oliveira.

S. Caetano matrimonios aos 25/9/1757 na capela de N. Sra dos Remedios filial desta freguesia se receberam Francisco Martins Pereira, f.l. do Cap. Mor Domingos Martins Pereira, ja defunto, e de D. Catarina do Prado de Oliveira, n/b na freguesia de N. Sra da Purificação da vila de Santo Amaro Arc. da Bahia = e D. Maria Madalena de Pazis, f.l. do Cel. Bento Fernandes Furtado e de s/m D. Barbara Moreira de Castilho, n/b e moradora nesta dita freguesia.

4-1-1 Joana, bat. 11/07/1758.

Livro São Caetano Batismos. Aos 11/07/1758, na Capela de N. S. dos Remédios, Joana, filha legítima de Francisco Martins Pereira, e de D. Maria Madalena de Pazi, moradores nesta freguesia; neta paterna do Capitão Mor Domingos Martins Pereira, e de D. Catarina do Prado e Oliveira, moradores na Vila de Santo Amaro, do Arcebispado da Bahia; neta materna do Coronel Bento Fernandes Furtado, e de D. Bárbara Moreira de Castilho, naturais da Vila de Taubaté, do Bispado de São Paulo, moradores nesta mesma freguesia. Foram padrinhos o Capitão Guarda Mor José da Silva Pontes, morador na cidade de Mariana, e D. Ana Peregrina de São Joaquim, filha do dito Coronel Bento Fernandes Furtado.

4-2 Ana, batizada em S. Caetano aos 26-11-1731. Ana Peregrina de São Joaquim, que foi madrinha da sobrinha Joana em 1758.

S. Caetano, MG aos 26/11/1731 nesta matriz bat a Ana, f.l. do Cel. Bento Fernandes Furtado e de s/m D. Barbara Noreira de Castilho; foram padrinhos o Cap. Manoel da Guerra Leal e Maria Pedrosa mulher do Cap. Franisco Alves Correa, todos desta freguesia.

4-3 Tomásia batizada em 03-02-1733. Tomásia Pedrosa da Silveira foi madrinha em 1757. Viveu sob a proteção irmã Bárbara, que recomendou a seu sobrinho herdeiro e testamenteiro que dela se encarregasse.

S. Caetano, MG aos 3/2/1733 nesta matriz bat a Tomazia, foram padrinhos Maria dos Anjos mulher de Caetano Pinto de Castro e o Revdo. Padre Diogo Soares por pp q fica em meu poder, e com ela pos a mão na dita inocente o Cap. Manoel da Guerra Leal.

 

São Caetano. Aos 06/09/1757, na Capela de N. S. dos Remédios, Felipa, filha de Manoel e Josefa, escravos de Gonçalo de Souza Costa. Foram padrinhos o Alferes João Batista, da freguesia do Furquim, e D. Tomásia Pedrosa da Silveira, filha do Coronel Bento Fernandes Furtado, desta sobredita freguesia.

4-4 Francisca batizada em 18-06-1734. Francisca Gertrudes de Toledo, que foi madrinha em 1754.

S. Caetano, MG aos 18/6/1734 nesta matriz bat a Francisca, foram padrinhos Manoel da Silva Tavares, morador na freguesia de S. Sebastião e D. Arcangela da Silva mulher do Cap. Miguel Lopes Ribeiro, moradora nesta freguesia de S. Caetano.

 

S.Caetano, Livro Bat.. Aos 12/05/1754, na Capela de N.S. dos Remédios, Joana, filha de Manoel Borges de Souza, e de Ana Teresa de Jesus. Foram padrinhos Manoel Rodrigues Miranda, e D. Francisca Gertrudes de Toledo, filha do Coronel Bento Fernandes Furtado.

4-5 Escolástica batizada em 26-12-1735.

S. Caetano, MG; aos 26/12/1735 nesta matriz bat a Escolastica, foram padrinhos o Sargento Mor Domingosz Dias Veloso e Maria do Espirito Santo, filha da viuva Maria de Freitas Cardosa.

          Escolástica Jacinta Ferreira de Castilho casou com o alferes (depois capitão) Joaquim da Silva Costa, natural de Paraty, filho do tenente Inocêncio da Costa, freguesia de S. Mamede da cidade de Lisboa e sua mulher Vitoria da Silva Montanha, natural da vila de Santos-SP.

          Capitão Joaquim foi irmão inteiro do Cap. Luiz Garcez de Moraes, natural de Parati, casado com Joaquina da Cunha de Vasconcelos, tambem natural de Parati, exposta ao Cap. Mor Salvador Carvalho da Cunha Amaral Gurgel. Cap. Luiz e Joaquina tiveram dois filhos habilitados de genere na cidade do Rio de Janeiro: José Maria de Moraes Garces e Manoel Eufrásio de Oliveira, este batizado em Parati em 04-04-1785.

ACMSP - Genere et Moribus  ano 1808.

Processo de Habilitação de Manoel Eufrasio de Oliveira - 1808

Autos do Patrimonio processados na Camera Geral da cidade do Rio de Janeiro.

Manoel Eufrásio de Oliveira, natural de Parati, filho do Capitão Luiz Garcez de Moraes, e de Joaquina da Cunha, naturais de Parati. NP de Inocêncio da Costa, natural da freguesia de S. Mamede da cidade de Lisboa, e de Vitória da Silva Montanha, natural da vila de Santos; NM de avós incógnitos por ter sido sua mãe exposta em casa do Cap. Mor Salvador Carvalho da Cunha Amaral Gurgel.

 

 (...) Jose Maria de Moraes Garces, e Manoel Eufrásio de Oliveira filhos legitimos do Cap. Luiz Gaces de Moraes e de D. Joaquina da Cunha, naturais e batizados na freguesia de N. Sra dos Remedios da Vila de Parati, netos paternos do Tenente Inocencio da Costa, natural e batizado na freguesia de S. Mamede da cidade de Lisboa, e de D. Vitoria da Silva Montanha, natural e batizada na vila de Santos, Bispado de São Paulo, e netos maternos de avós incognitos por ser a dita mãe foi exposta ao Capitão mor Salvador Carvalho da Cunha Amaral Gurgel, que eles pretendem habilitar se (...).

 

Diz Manoel Eufrásio de Oliveira, de idade de 24 anos incompletos, morador na vila de Cunha, aonde vive da assistencia que lhe dam seus pais (...).

 

Certidão de Batismo - Vila de Nossa Senhora dos Remedios de Parati - em um dos livros de assentos de batismos dos brancos e libertos se acha um do teor seguinte: MANOEL = aos 04-04-1785 bat a Manoel, f.l. de Luiz Garces de Moraes e de Joaquina da Cunha de Vasconcellos, naturais desta vila de Parati. Avos paternos o Ten. Inocencio da Costa, n. de S. Mamede de Lisboa e D. Vitoria da Silva Montanha, n. da Praça de Santos. Avos maternos incognitos. Foram padrinhos o Cap. Manoel Fernandes Campos da Gama e Mariana da Silva Montanha, Nasceu aos 25 do mes passado ano ut supra.

          Viúvo, Capitão Joaquim faleceu em Mariana aos 13-10-1789 com testamento deixando filha única de seu casal:

 (pesq. Moacyr Villela)

Casa Setecentista de Mariana - inventários do primeiro oficio – ano 1790 –

Inventariado Joaquim da Silva Costa, capitão viúvo que ficou de Dona Escolástica Jacinta Moreira de Castilho - Inventariante Manoel Coelho dos Santos e Silva.

Aberto a primeiro de fevereiro de 1790. Faleceu aos 13 de outubro de 1789 deixando uma única herdeira sua filha de legitimo matrimonio que teve com dona Escolástica Jacinta Ferreira de Castilho.

Testamento ditado aos 20-09-1789. Declara ser natural da freguesia de Nossa Senhora dos Remédios de Paraty filho legitimo do tenente Inocêncio da Costa e de Dona Vitoria da Silva Montanha ,já falecidos. Foi casado nesta minas, com dona Escolástica Jacinta Ferreira de Castilho de cujo matrimonio teve uma filha de nome Ana Escolástica que institui como sua universal herdeira. Pede que sua filha seja encaminhada para a casa do Capitão Jose Pereira da Fonseca morador na freguesia de Camargos ate “tomar estado”. Abertura aos 13-10-1789

titulo de herdeiros – Dona Ana Escolástica de idade 17 anos.

Diz Dona Ana Escolástica de Castilho S.ª herdeira que ela desiste da herança de seu pai – Os poucos bens não cobrem as dividas

4-5-1 Ana Escolástica de Castilho Silva com 17 anos em 1780. Nasceu aos 14 de junho e foi batizada a 01-08-1773.

Mariana matriz livro de batizados– A primeiro de agosto de 1773 na catedral Ana nascida aos catorze de junho. Filha legitima do alferes Joaquim da Silva Costa natural e batizado na freguesia de Nossa Senhora dos Remédios de Paraty Bispado do Rio de Janeiro e sua mulher dona Escolástica Jacinta Ferreira de Castilho natural e batizada da freguesia de São Caetano deste bispado. Neta pela parte paterna do tenente Inocêncio da Costa natural de Lisboa da freguesia de São Mamede e de dona Custodia(sic) da Silva Montanha natural e batizada na Vila de Santos bispado de São Paulo e pela materna neta do coronel Bento Fernandes Furtado e dona Barbara Moreira de Castilho ambos naturais de Taubaté. Padrinho Antonio Afonso Crus morador em São Caetano (pesq. Moacyr Villela).

4-6 Justa batizada em 12-08-1737. Justa Inocência de Guadalupe se casou na Capela de Santana, filial da Matriz de Mariana, aos 30/05/1763, com João Varela da Fonseca, natural de Parati, RJ, filho de Vitória da Silva Montanha, natural da vila de Santos-SP e de seu provavel primeiro marido Luís Varela da Fonseca, natural da Vila Nova de Famalicão arcebispado de Braga.

S. Caetano, MG aos 12/8/1737 na capela de S. Francisco Xavier bat a Justa, f.l. do Cel. Bento Fernandes Futado e D. Barbara Moreira de Castilho; foram padrinhos o Alf. Antonio Francisco da Silva e Joana Izabel de Mendonça, filha da viuva Maria de Freitas Cardosa.

 

Mariana, MG. Aos 30/05/1763, na Capela da Snr.a S.a  Ana, filial desta Catedral, João Varella da Fon.ca, natural da freguesia de Nossa Srn.a dos Remedios da Villa de Parati, do Bispado do Rio de Janeiro, filho legitimo de Luis Varella da Fon.ca, e de sua mulher D. Vitoria da Sylva Montanha, e D. Justa Innocencia de AgoadeLupe, natural da freguesia de S. Caetano, deste Bispado, filha legitima do Coronel Bento Friz Furtado de Mendonça, e de sua m.er D. Barbara Moreyra de Castilho. Foram testemunhas Joze Pinto Donas Botto, e Manoel Ferr.a Coutinho.

Pais de, pelo menos:

4-6-1 Mariana batizada aos 06-05-1764

Batismos Mariana - Aos seis de maio de 1764 Mariana filha legitima de João Varela da Fonseca e de Dona Justa Inocência de Guadalupe neta pela parte paterna de Luis Varela da Fonseca natural e batizado na Vila Nova de Famalicão arcebispado de Braga e dona Vitoria da Silva Mendanha(sic) natural e batizada na Vila de Santos Bispado de São Paulo e pela materna do coronel Bento Ferr. Furtado e de Dona Barbara Moreira de Castilhos naturais e batizados na Vila de Taubaté do bispado de São Paulo. Padrinhos Miguel Peixoto de Araujo e Dona Barbara Moreira de Castilhos (pesq. Moacyr Villela).

4-6-2 Pulqueria em 24-06-1765.

Batismos Mariana - Aos vinte de quatro de junho de 1765 Pulcheria filha legitima de João Varela da Fonseca e de dona Justa Inocência de Guadalupe neta pela parte paterna de Luis Varela da Fonseca natural da Vila Nova de Famalicão e de dona Vitoria da Silva Montanha natural da Vila de Santos e pela materna do coronel Bento Fernandes natural da Vila de Taubaté Bispado de São Paulo e dona Barbara Moreira de Castilho natural da mesma Vila. Padrinhos o guarda mor Jose de Barros Viana morador nesta cidade e dona Barbara Moreira de Castilho avó. Esta moradora em São Caetano (pesq. Moacyr Villela).

4-6-3 João em 20-02-1768

Batismos Mariana -Aos vinte de fevereiro de 1768  na catedral. João filho do furriel mor João Varela da Fonseca e sua mulher dona Justa Inocência de Guadalupe moradores nesta cidade Padrinhos o reverendo doutor vigário geral Jose Botelho Borges e dona Francisca Gertrudes de Toledo da freguesia de São Caetano (pesq. Moacyr Villela).

4-6-4 Maria em 18-06-1769

Batismos Mariana - Aos dezoito de junho de 1769  na catedral Maria filha legitima do furriel João Varela da Fonseca  e sua mulher dona Justa Inocência de Guadalupe .Padrinhos o reverendo vigário da Borda do Campo Feliciano Pita de Castro e dona Maria Teresa de Nazaré moradora no Inficionado por procuração que apresentou seu filho João Veloso de Miranda e todos moradores nesta cidade (pesq. Moacyr Villela).

4-6-5 Pulquéria Jacinta Clara da Silveira, batizada em Mariana aos 12-08-1770. Casou em Sabará, aos 16/02/1790, com Manoel Bernardes Varela da Fonseca, natural de São Miguel, filho de Remígio Varela da Fonseca, e D. Maria Clara de França - família “João Godinho Rosado”.

Batismos Mariana - Aos doze de agosto de 1770 na catedral. Pulcheria filha legitima do furriel mor João Varela da Fonseca e sua mulher dona Justa Inocência de Guadalupe. Padrinhos o sargento mor Antonio da Mota de Magalhães morador na Vila Rica e dona Ana Maria da Silveira nos Gualachos os demais desta cidade (pesq. Moacyr Villela).

 

Sabará Livro de Matrimônios. Aos 16/02/1790, na Capela do Rosário desta vila, filial desta Matriz, Manoel Bernardes Varela da Fonseca, f.l do Alferes Remígio Varela da Fonseca, e D. Maria Clara de França, nat. e bat. na freg. de São Miguel, com D. Pulquéria Jacinta Clara da Silveira, f.l. do Capitão João Varela da Fonseca, e D. Justa Inocência de Guadalupe, nat. e bat. na Catedral de Mariana. Testemunhas: Dr. Thomás Coelho, e José Theodoro de Toledo Piza (pesq. Sílvia Buttros).

4-6-6 Leonarda batizada em 05-03-1772

Batismos Mariana - Aos cinco de março de 1772 o vigário de São Sebastião Leonardo de Azevedo e Castro de licença batizou Leonarda filha legitima do furriel mor João Varela da Fonseca e de dona Justa Inocência de Guadalupe . Padrinhos: Capitão João Dias Correa de São Caetano e dona Catarina de Sousa Passanha de São Sebastião os mais desta freguesi (pesq. Moacyr Villela).

4-6-7 José em 25-08-1773

Batismos Mariana - Aos vinte e cinco de agosto de 1773, na Catedral Jose filho de João Varela da Fonseca furriel mor e de dona Justa Inocência de Guadalupe. Neto pela parte paterna de Luis Varela da Fonseca e de dona Vitoria da Silva Montanha  e pela materna do coronel Bento Fernandes Furtado e sua mulher dona Barbara Moreira de Castilho. Padrinho o dutor João Jose Teixeira Intendente da real casa de fundição e desembargador na Relação da cidade do Rio de Janeiro e dona Elena Rosa Francisca da Silveira  filha de Francisco Soares de Araujo (pesq. Moacyr Villela).

4-6-8 Justa em 29-10-1774

Batismos Mariana - Aos vinte e nove de outubro de 1774. Justa filha legitima do furriel mor João Varela da Fonseca e de dona Justa Inocência. Padrinhos Doutor Antonio de Gouveia Coutinho e dona Catarina Cabral de Jesus todos desta cidade (pesq. Moacyr Villela).

4-7 Maria batizada em 30-03-1739, madrinha a irmã Maria Madalena. Maria Caetana de Siqueira aos 21-10-1771 casou com João Gomes Pereira, natural da freguesia de S. Miguel, filho de André Gomes Pereira e de s/m Luzia Francisca de Macedo.

S. Caetano; aos 30/3/1739 nesta matriz, bat Maria, f.l. do Coronel Bento Fernandes Furtado e de s/m D. Barbara Moreira de Castilho; foram padrinhos o Dr. Gaspar Gonçalves dos Reis, e Maria Magdalena irmã da dita inocente.

 

São Caetano, MG aos 21-10-1771 na capela de N. Sra dos Remedios filial desta freguesia se receberam João Gomes Pereira, f.l. de Andre Gomes Pereira e de s/m Luzia Francisca de Macedo = com D. Maria Caetana de Siqueira, f.l. do Coronel Bento Fernandes Furtado e de s/m D. Barbara Moreira de Castilho. Aquele natural da freguesia de S. Miguel e esta desta freguesia.

4-8 Bárbara Moreira de Castilho natural de São Caetano, onde ditou seu testamento em 31-08-1814 e teve inventário aberto em 1824. Solteira e sem herdeiros necessários, nomeou por herdeiro o sobrinho José Antônio de Freitas. A ele confiou a irmã Tomásia.

Em seu testamento nomeou também:

- Capitão Thomas Joaquim, seu primo

- Padre José Inocêncio Varella, seu sobrinho

AHCSM - Arquivo Histórico da Casa Setecentista de Mariana-MG

Documento: Inventário

Inventariado: Bárbara Moreira de Castilho

Inventariante: José Antonio de Freitas

Data:1824

Local: Mariana

Ref:  cx:15 / A:2830 / 1º of

Transcrição feita por Izabella Fátima de Oliveira Sales de Itabirito-MG a pedido de Antônio Carlos de Castro

[fl1] [Abertura:]

Defunta: D. Bárbara Moreira de Castilho

Inventario do bens que fica/ram por falecimento da / Defunta supra que faleceu / nesta cidade com testamento so-/lene a 18 de Dezembro de / 1823 e de quem é testamenteiro e herdeiro / Inventariante o Tenente Jose Antonio / de Freitas

[fl3] [Título de herdeiros:]

O Inventariante testamenteiro / Tenente Jose Antonio de Freitas / casado morador nesta cidade

[fl6] [Traslado do Testamento:]

(...) Em nome de Deus Amém / Saibam quantos este instrumento de / testamento, e ultima vontade virem / que sendo no Ano (...) de 1814 aos 31 do mês de Agosto (...) nesta Leal cidade de Marianna nas / casas de morada de mim Dona Bar/bara Moreira de Castilho estando / em meu perfeito juízo determino / fazer o meu testamento na forma se-/guinte = (...) sou natural e fui batizada na / Freguesia de São Caetano deste / Termo, e Bispado filha legitima / do Coronel Bento Fernandes Furta-/do de Mendonça, e Dona Bárbara / Maria de Castilho já falecidos, e / vivi sempre no estado de solteira, nem / tenho herdeiros forçados descendentes / nem ascendentes, e por isso instituo / por meu herdeiro universal a meu so-/brinho Tenente José Antonio de Frei/tas, com quem tenho sempre a/chado para todos os meus negócios / e tem tido comigo muito trabalho / e sempre zeloso do que me interessa / sendo o único que por falecimento / de meu Primo o Capitão Thomas Joa/quim, e ainda já em sua vida tra-/balhava, e o ajudava em tudo a minha / casa, e negócios. Peço em primeiro lu-/gar ao dito meu sobrinho, e herdei-/ro Tenente Jose Antonio de Freitas / queira ser meu testamenteiro, e / em segundo lugar a meu sobrinho o / Padre José Innocencio Varella, e em ter/ceiro lugar ao guarda Mor Joaquim / Gomes [ilegível] e Freitas.

[fl6v]

(...) Declaro que sempre tive / em minha companhia a minha / Irmã Thomazia, e quero, e com/fio que o meu testamenteiro e her-/deiro, a trate sempre como eu sempre / fiz até a sua morte (...) Hei por / findo este meu testamento (...) Bárbara Mo-/reira de Castilho

4-9 Bento batizado em 12-08-1743. Bento Francisco Xavier de Mendonça, conforme testamento paterno.

S. Caetano, MG aos 12/8/1743 na capela S. Francisco Xavier bat a Bento q nasceu a 24 de julho do corrente ano, foram padrinhos João Ricardo Fajardo Perdigão e D. Felipa Pereira de Jesus, ambos desta freguesia.

4-10 Teresa de Jesus, madrinha da irmã Gertrudes.

4-11 Caetana batizada em 13-04-1747 e falecida em 11-04-1748.

S. Caetano, MG aos 13/4/1747 bat a Caetana, que nasceu aos 3 do dito mes, foram padrinhos Manoel João Soares e D. Joana Teodora do Monte, todos desta freguesia.

S. Caetano, MG aos 11/4/1748 faleceu Caetana parvula, f. do Cel. Bento Frz Furtado e de s/m BarbaraMoreira de Castilho, fregueses desta freguesia.

4-12 Gertrudes, batizada em 29-05-1749.

S. Caetano, MG aos 29/5/1749 bat a Gertrudes, f. do Coronel Bento Fernandes Furtado e s/m D. Barbara Moreira de Castilho, foram padrinhos o Revdo. Procurador do Bispado Jose de Andrade e Moraes, por pp ao Revdo Padre Antonio F. Moraes e D. Teresa de Jesus, filha do dito coronel, moradora ------ de Águas Claras, desta freguesia..

4-13 José, batizado em 31-10-1751.

S. Caetano, MG aos 31/10/1751, na capela de N. Sra do Amparo, desta matriz bat a José, f.l. do do Coronel Bento Fernandes Furtado e s/m D. Barbara Moreira de Castilho, npaterno de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça e s/m Maria Cardoso, nm de Domingos Alves Ferreira e de s/m Tomasia Pedroso da Silveira; foram padrinhos [------------------]. e D. Maria Madalena de Pazis filha do Cel. Bento Fernandes Furtado.

4-14 Joaquina batizada em 23-04-1754.

S. Caetano, MG aos 23/4/1754 na capela de N. Sra dos Remedios filial desta matriz bat a Joaquina, filha do Coronel Bento Fernandes Furtado e s/m D. Barbara Moreira de Castilho, npaterno de Salvador Fernandes Furtado e s/m Maria Cardoso naturais de Taubate Bispado de S. Paulo, nm de Domingos Alves Ferreira e de s/m Tomasia Pedroso da Silveira naturais da dita vila de Taubaté. Fora padrinhos Jose Ferraz de Araujo, morador na freguesia de S. Antonio da Campanha do Rio Verde, e D. Mariana Dias Paes, mulher do Cao. Jose da Silva Pontes, morador na freguesia de N. Sra de Nazare do Inficcionado deste bispado.

 

5- Pomba Furtado de Santa Rosa, 30 anos em 1725 e 32 em 1726. Casada em vida do pai com o Capitão Antônio Pereira do Rego. Recebeu de dote 10.000 cruzados.

Pais de, pelo menos:

5-1 Antônio Pereira do Rego aos 23-07-1760 em Carrancas, viúvo de Maria Madalena, casou com Gertrudes de Jesus, filha de Carlos Martins de Souza e Tomásia Borges de Aguiar e viúva de Carlos Luiz Barbosa. Geração na família “Antonio Borges”, neste site.

6- Boaventura Furtado de Mendonça com 29 anos no inventario paterno

7- Salvador Fernandes Furtado, padre com 28 anos no inventario paterno

 

 

Filhos ilegítimos de Salvador (segundo testamento dele):

 

1i- Maria Cubas Furtada casada, em vida do pai, com Antônio Cabral Gamboa. Recebeu de dote 5 escravos. Sua filha primôgenita foi legatária do avô materno: “A neta, filha mais velha de Antonio Cabral 200.000 reis”:

1n-1 Maria batizada em 18-12-1718.

São Caetano, MG aos 18-12-1718 bat Maria, f. de Antonio Cabral Gamboa e de s/m Maria Furtada; foram padrinhos Salvador Fernandes Furtado e Maria de Freitas, todos desta freguesia.

 

Filhos ilegítimos de Salvador com Andreza de Castilho:

 

2i- Mariana de Freitas, casada em vida do pai, recebeu de dote 2.000 cruzados. Casou aos 18-02-1725 com João Pereira Lisboa, batizado na freguesia de N. Sra do Socorro da cidade de Lisboa, filho de Manoel Pereira Lisboa e de Maria de Jesus.

São Caetano, MG aos 18-02-1725 nesta matriz se receberam João Pereira Lisboa, f. de Manoel Pereira Lisboa e de s/m Maria de Jesus, n. da cidade de Lisboa freguesia de N. Sra. do Socorro = com Mariana de Freitas, filha natural de Salvador Fernandes Furtado e de Andreza de Castilho, natural destas minas. Test.: Coronel Bento Fernandes Furtado e Baltazar da Silva

Mariana faleceu aos 08/09/1742 e foi inventariada por João Pereira em 02-10-1742. Compareceram 4 filhos.

São Caetano. Aos 08/09/1742, faleceu Mariana de Freitas Furtado, casada com João Pereira Lisboa. Recebeu o sacr, digo, confessou-se e indo-lhe levar o sacramento da Eucaristia por viático, em tempo que lho quis administrar achei haver falecido. Foi pormim e mais três sacerdotes acompanhada, encomendada, e sepultada dentro nesta Matriz de São Caetano, em uma sepultura das que tem livres a Irmandade do Santíssimo para si, suas mulheres, e filhos, da qual é Irmão o dito seu marido; e não fez testamento, e ficaram dela filhos. De que fiz este assento dia, mês e ano ut supra.

 

Casa Setecentista ano 1743 45 1043 imagens 1 a 109

Inventário de Mariana de Freitas Furtado casada que foi com João Pereira Lisboa, moradores no arraial de S. Caetano termo desta vila.

Autos aos 02-10-1742

Diz João Pereira Lisboa que da vida presente faleceu sua mulher ficando de ambos quatro filhos (...).

im 5) Declaração de Herdeiros:

1- Maria de Jesus 12 anos

2- Joana 7 anos

3- Monica 4 anos

4- Jose 8 meses

 

2i-1 Maria de Jesus, batizada em 29-12-1729. Com 12 anos em 1742.

S. Caetano batismos - aos 29/12/1729 nesta matriz bat a Maria, f.l. de Antonio Preira Lisboa e Mariana de Freitas Furtada, foram padrinhos [--------------------] Veloso e Teresa Gonçalves.

2i-2 Joana em 15-04-1734.

S. Caetano batismos - aos 15/4/1734 nesta matriz bat a Joana, f.l. de João Pereira Lisboa e Mariana de Freitas Furtado; foram padrinhos Alexandre dos Santos dos Reis e D. Joana  mulher de Pedro Alvares Pereira.

2i-3 Mônica batizada em 20-04-1737.

S. Caetano - aos 20/4/1737 nesta matriz bat a Monica, f.l. de João Pereira Lisboa e Mariana de Freitas Furtado; foram padrinhos Antonio Francisco da Silva, morador nesta freguesia e Monica Maria de Souza mulher do Cap. de Cavalos Antonio Gonçalves Torres.

 

2i-4 Félix, falecido aos 05/09/1742.

São Caetano. Aos 05/09/1742, faleceu Feliz, filho legítimo de João Pereira Lisboa, e de sua mulher Mariana de Freitas. Foi encomendado e sepultado em uma das sepulturas da Irmandade do Santíssimo, como filho de Irmão, nesta Matriz de São Caetano. De que fiz este assento dia, mês e ano ut supra.

2i-5 José com 8 meses no inventário materno (1742)

 

3i- Isabel de Cubas Furtado, irmã inteira da supra, com 19 anos em 1725 (inventário paterno). Aos 15-08-1726 casou com João Mendes da Costa, natural da Ilha Terceira.

São Caetano, MG matr 1725-1764 im 7 aos 15-08-1726 nesta matriz se receberam João Mendes da Costa, n. da Ilha Terceira com Izabel de Cubas Furtado, filha natural do Coronel Salvador Fernandes, natural destas minas.

Filhos:

3i-1 Alexandre, batizado em 02-04-1729

S. Caetano batismos aos 2/4/1729 nesta matriz bat a Alexandre, f.l. de João Mendes e Izabel de Cubas Furtado, foram padrinhos o Cel. Bento Fernandes Furtado e Mariana de Freitas mulher de João Pereira Lisboa, todos desta dita freguesia.

3i-2 Manoel em 18-04-1734, padrinhos Geraldo de Castro e Maria da Costa mulher do Alf. João do Monte de Medeiros.

3i-3 Ana, em 13-06-1736, foram padrinhos Alexandre dos Santos Reis e Maria da Costa de Camargo mulher do Alf. João do Monte de Medeiros.

3i-4 Ana, batizada em 12-08-1737, foram seus padrinhos Geraldo de CAstro Figueiredo e Barbara Moreira de Castilho mulher do Cel. Bento Fernandes Furtado

3i-5 José batizado em 07-12-1739, padrinhos: Manoel Gonçalves de Souza e Maria de Souza mulher do Cap. Francisco Alvares

3i-6 e 3i-7 Inácio e Maria batizados em 11-02-1743.

São Caetano Batismos. Aos 11-02-1743, na Matriz, Inácio, filho legítimo de João Mendes da costa, e de Isabel de Cubas, moradores neste Arraial, e o pai roceiro. Foram padrinhos Antônio Pereira do Lago Viana, morador na freguesia do Furquim, e Maria Correa de S. Tiago, mulher de André Correa Lima, desta freguesia.

 

Em o dito dia, mês, e ano supra, nesta Matriz de São Caetano, pôs os santos óleos o R.do P.e D.os Dias de Oliveira, a Maria, filha legítima do dito João Mendes da Costa, e de sua mulher Isabel de Cubas, por haver sido batizada em casa, em perigo de vida, e nasceu com o dito Inácio, gêmeos, (...) onze de janeiro deste ano supra. De que fiz este assento dia, mês e ano ut supra.

3i-8 Antônio, batizado em 01-11-1745.

São Caetano Batismos. Aos 1/11/1745; Antônio, batizado em casa por José [...] Ferreira por estar em perigo de vida.

 

4i- Ana Maria Furtada de Mendonça, com 17 anos em 1725. Em 22-11-1728 casou com Pedro da Silva Souza, natural da Ilha Terceira, falecido em S. Caetano em 11-02-1729.

São Caetano, MG matr 1725-1764 im 10 aos 22-11-1728 nesta matriz se receberam Pedro da Silva Souza, n. da Ilha Terceira com Ana Maria Furtada de Mendonça, n. desta mesma freguesia. Foram testemunhas o Sarg. Mor Andre Gonçalves Chaves e o Sarg. Mor João Antonio Rodrigues, todos desta freguesia.

 

São Caetano, MG ob 1718-1733 im 71 aos 11-02-1729 faleceu Pedro da Silva Souza, naturtal da Ilha Terceira, cc. Ana Maria Furtado de Mendonça desta freguesia. Sem sacramentos e sem testamento por ser apressadamente e lhe dei sepultura dentro desta matriz

4i-1 Francisca, filha póstuma, batizada em 07-09-1729.

São Caetano, MG bat 1727-1818 im 11 aos 07-09-1729 nesta matriz bat a Francisca, f.l. de Pedro da Silva, ja defunto e de s/m Ana Maria. Foram padrinhos o Cap. Manoel da Guerra Leal e Barbara Moreira mulher do Coronel Bento Fernandes Furtado, todos desta freguesia.