PROJETO COMPARTILHAR

Coordenação: Bartyra Sette e Regina Moraes Junqueira

www.projetocompartilhar.org

 

 

JOSÉ DA SILVA CAMPELO e ISABEL DE SOUZA

(atualizado em 17-junho-2017)

 

 

 

Diogo Duque Guimarães

 

José da Silva Campelo, natural e batizado na vila Franca de Xira, em Portugal, foi casado com Isabel de Souza, nascida e batizada na freguesia da Candelária, no Rio de Janeiro

 

Anteriormente Isabel de Souza foi casada com o inglês João Vernek, com descendência deste casamento, conforme consta da dispensa matrimonial de seus netos Manoel de Azevedo Ramos e Ana Maria, na qual seu filho Felix aparece como testemunha. A nacionalidade de João Vernek consta do processo de genere de seu neto padre Ignácio de Souza Verneck.

 

Isabel, viúva de João “Berneque” e com oito filhos menores, requer a restituição de suas terras. Despacho - Lisboa, 24-4-1723:

Projeto Resgate - Rio de Janeiro

Requerimento de Isabel, viúva de João Berneque, ao rei [D. JoãoV}, solicitando a restituição de todas as suas terras para nelas tirar o seu sustento.

“Izabel de Souza, viúva que ficou de João Berneque, de que ao presente se acha com oito filhos menores cinco machos e três fêmeas, que sendo ela Suplicante e o dito seu marido senhores e possuidores de umas terras sitas no Caminho das Minas, muito antes que este se abrisse pela Serra da Boa Vista para a Cidade do Rio deJaneiro, e estando a assim possuindo e desfrutando as ditas terras sucedeu abrir-se por elas o Novo Caminho das Minas, e para se sustentarem fizeram ela Suplicante e o dito seu marido algumas pousadas para os que passavam às Minas e para esse efeito e ser mais suave a jornada consertaram e abriram com alguns escravos que tinham o dito Caminho e puseram nas ditas terras uma venda de gênero comestíveis, que conservaram em todo o tempo que esteve o Registro na Paraíba, e tirado que foi daquela paragem  se veio a por nas terras da Suplicante, em tempo que governava aquela Capitania Francisco de Távora . Em o que sempre conservou a dita venda ranchos e lavoura das suas plantas, até que passado o dito Registro outra vez para a Paraíba, e tornando para o dito sítio, os Provedores dele começaram a impedir a Suplicante o uso das suas terras, pondo nelas vendas eles e os seus soldados e para esse efeito botaram fora a Suplicante com o afetado pretexto de que ela Suplicante e a sua família passavam homens pelo mato sem virem ao dito Registro, sendo tudo falso; porque quem passa os ditos homens são os mesmos soldados por conveniências e dinheiro que Ihes dão os que não querem vir ao dito Registro, tudo em prejuízo da fazenda de V. Mgde. e de seus Reais direitos como é constante e público naquela cidade, e porque com este intuito tem tirado a Suplicante o uso e desfruto das ditas suas terras, aonde conservam vendas contra as ordens de [V Mg.]de que não permite que os oficiais de sent.a (sentinela ?) e me [apagado] semelhante negociação, principalmente sendo em prejuízo dos povos, e da Suplicante, impedida por este modo do uso e fruto das ditas suas terras, e ainda dos direitos reais e como a piedade de V. Mgde. não consente se faça aos pobres tais vexações e a Suplicante é uma viúva carregada de filhos sem outros meios para os sustentar, que os da sua agência e terras que D.s e V. Mgde. lhe deu.

 

Pede a V. Maj.de lhe faça mercê em consideração de todo o referido, mandar se lhe restituam as ditas terras para delas usar como suas e para sustentar seus filhos e filhas menores, por ser uma pobre viúva e não ter outra coisa de que viva, e que os provedores e soldados não tenham vendas, e tirem as que têm por ser isto contra as ordens de V. Mag.de e contra os seus reais direitos”

                                E R M

 

1723, Abril, 24, Lisboa. Despacho do Conselho Ultramarino, determinando se escreva ao governador do Rio de Janeiro, [Aires de Saldanha de Albuquerque].

 

Entre os oito filhos de Isabel e João, três fêmeas e cinco machos:

I- Angela de Souza (Werneck), natural de Pilar do Iguaçu-RJ, casou duas vezes em Barbacena-MG. Aos 24-12-1734 casou com João da Costa Valverde, natural de Montalegre, Arcebispado de Braga, filho de Domingos João Valverde e de Maria da Costa. Segunda vez aos 22-08-1736, Angela casou com Fabião Pereira de Azevedo, natural de São Miguel de Sóbrigos de Penaguião, Bispado do Porto, filho de Manoel Pereira de Azevedo e de Vitoria da Fonseca

Pólis 30 copiados pelo Prof. João Paulo Ferreira de Assis (Ressaquinha-MG). Barbacena casamentos, matriz, livro 1-A (1731-1741) fls. 116 verso, 24/12/1734, Matriz, João da Costa Valverde, natural de Montealegre, Arcebispado de Braga, filho de Domingos João Valverde e de Maria da Costa, com Ângela de Souza, filha de João Werneck e de Izabel de Souza.

 

Pólis 30 copiados pelo Prof. João Paulo Ferreira de Assis (Ressaquinha-MG). Barbacena casamentos, matriz, livro 1-A (1731-1741) fls. 127, 22/08/1736, Ribeirão, Favião Pereira de Azevedo, natural de São Miguel de Sóbrigos de Penaguião, Bispado do Porto, filho de Manoel Pereira de Azevedo e de Victoria da Fonseca, com Ângela de Souza, natural de Nossa Senhora do Pilar do Iguassu, RJ, filha de João Werneck e de Izabel de Souza.

         Fabião faleceu em 02-07-1764 e Angela em 23-08-1787, com grande geração em Barbacena.

Igreja Nossa Senhora da Piedade (Barbacena-MG) aos 02-07-1764 fal. Fabião Pereira de Azevedo casado nesta freguesia com Angela de Souza. Foi sepultado no adro da Capela de N. Sra. da Piedade da Cachoeira.

 

Barbacena, MG aos 23-08-1787 faleceu sem sacramentos por ter morte repentina Angela de Souza, mulher branca, viuva de Fabião Pereira. Sepultada dentro da capela da Sra Mãe dos Homens do Bom Jardim por ordem de seu filho Manoel Pereira, assistente no Palmital desta freguesia.

Entre os filhos de Fabião e Angela:

I-1 Ana Maria, nasceu em 25-03-1743 e foi batizada aos 5 de abril seguinte. Com dispensa do impedimento de consanguinidade em 2º grau, casou com seu primo Manoel Azevedo Ramos II-2 abaixo.

Barbacena-MG aos 03-04-1743 nasceu ANNA, fa de Favião Pr.ª de Azevedo e de s/m Angellla de Souza, batizada aos 25 do mês de Março do dito ano, padr.: o Rvdo. Pe. Marcos Gomes Ribr.º e Thereza de Jesus, solteira, fa. do Cap. Pascoal Correa. Npaterna de Manoel Pr.ª de Azevedo e s/m Vitoria da Fonseca da freguesia de S. Miguel de La Brigos (?), bispado do Porto; nmaterna de João Berneque e s/m Izabel de Souza da freguesia do Pilar junto ao Rio de Janeiro deste Bispado do Rio de Janeiro.

Obs. provavelmente invertido o dia do nascimento com o do batismo.

 

II- Antonia Ribeira, natural de Pilar do Iguassu. Aos 16-12-1733 na Candelaria-RJ casou com Manoel de Azevedo Mattos, natural da freguesia de N. Sra. da Piedade da Ponta do Pico do Bispado de Angra, filho de Lourenço de Mattos e Maria Leal.

RJ, RJ Cand. aos 16-12-1733 se receberam Manoel de Azevedo Mattos, n/b na freguesia de N. Sra da Piedade da ilha do Pico Bispado de Angra, f.l. de Lourenço de Mattos e Maria Leal = com Antonia Ribeira, n/b na freguesia [--------] do Aguassu, f.l. de João Berneque [danificado] Souza e moradores nesta freguesia,

         Tiveram grande geração em Barbacena-MG, entre eles:

II-1 Inácio de Souza Werneck, nasceu aos 25-07-1742 e foi batizado em 12 de agosto do mesmo ano. Habilitou-se às Ordens Sacras em 1763.

Barbacena-MG nasceu aos 25-07-1742 IGNACIO, f.l. de Manoel de Azevedo e neto de Lourenço de Matos e de Maria Lial, da freguesia de N. Sra. da Piedade da Punta da Ilha do Pico = e de s/m Antonia Ribeira e neto de João Berneque e de s/m Izabel de Souza do Reconcavo do Rio de Janeiro. Foi batizado aos 12 de agosto do dito, padr.: Duarte da Silva Moraes e Maria da Silveira mulher de Pedro de Oliveira.

 

Arq. da Cúria de Mariana - MG – Genere  ano 1763:

Ignacio de Souza Varnek

Diz Ignacio de Souza Varnek, nat.e bat. na freg. de N. Sra. da Piedade da Borda do Campo, deste Bispado, filho leg. de Manoel de Azevedo Mattos, nat. e bat. na freg. de N. Sra. da Piedade da Ponta do Pico do Bisp. de Angra, e de Antonia Ribeira, nat. e bat. na freg. de N. Sra. do Pilar do Recôncavo do Rio de Janeiro, que ele deseja muito servir o estado clerical, ...

Neto pela parte paterna de Lourenço de Mattos, nat. e bat. na freg. de N. Sra. da Piedade da Ponta do Pico, e de Maria Leal, da mesma freg. e Bisp. de Angra, neto pela materna de João Vernek, natural da Inglaterra, e de Isabel de Souza, nat. e bat. na freg. de N. Sra. da Candelária da Cidade do Rio de Janeiro.

D. e A. passe as requesitorias necessarias 17 de Janr.º de 1763.

 

II-2 Manoel de Azevedo Ramos batizado em 29-04-1745. Com dispensa do impedimento de consanguinidade em 2º grau, casou com sua prima Ana Maria I-1 supra.

Barbacena-MG aos 29-04-1745 cap. Bertioga, MANOEL, nascido aos 11, f.l. de Manoel de Azevedo Mattos, natural da freguesia de N. Sra da Piedade da Ponta da Ilha do Pico e s/m Antonia Ribeira, natural do bispado do Rio de Janeiro; np de Lourenço de Mattos e s/m Maria Leal, nm de João Verneque e de Isabel de Souza sua mulher. Padr.: Manoel de Araujo Barbosa e Ignacia dos Reys.

 

ACMRJ - Dispensa Matrimonial ano 1768:

Manuel de Azevedo Ramos e Ana Maria

- Manuel de Azevedo Ramos e Ana Maria, ambos da freg. de S. Pedro e S. Paulo da Paraíba, que eles se querem receber em matrimônio, mas que não podem fazer sem que... sejam dispensados no impedimento de consanguinidade em 2° grau que entre eles há nas linhas laterais, porque:

- Ângela de Souza é irmã de Antônia Ribeira, desta nasceu o orador Manoel de Azevedo Ramos, e daquela nasceu a oradora Ana Maria.

- Que a oradora há tempos destituída de qualquer outro amparo pela pobreza dos pais, na companhia da sua avó, se recebeu à casa dos pais do orador, onde ainda assiste, ... por ter lhe falecido o pai sem bens, ou coisa de que a oradora tivesse legítima, ou a mãe meação, ficando por essa forma a oradora na necessidade de continuar na casa em que lhe fazem esmola.

- Que também o orador é pobre e necessitado, a viver do próprio trabalho e indústria, porque suposto no casal de seus pais haja perto de 50 escravos, entre velhos e moços, e umas terras que custaram 500 mil réis, e por ter falecido a mãe do orador, haver de herdeiro ... de seus bens alguma parte, em tudo por serem cinco os herdeiros e haverá algumas dívidas no casal, pouco pode caber ao orador...

- Felis da Silva Campelo, homem casado, nat. da freg. do Pilar do Aguassu, morador na da Paraíba, que vive de sua lavoura, testemunha jurada dos Santos Evangelhos, ... de idade que disse ser de 37 anos, e de costume disse ser tio dos oradores, por ser irmão das mães.

-E sendo perguntado pelo... disse ao primeiro que os oradores são seus sobrinhos, e que moram na mesma casa em que mora ele testemunha, e estão para casar, mas não podem...

- Querem, com o favor de Deus, casar Manuel de Azevedo Ramos, filho leg. de Manoel de Azevedo Mattos e de s.m. Antônia Ribeira, já defunta, nat. e bat. na freg. de N. Sra. da Piedade da Borda do Campo, bisp. de Mariana, com Ana Maria, filha leg. de Fabião Pereira de Azevedo, já defunto, e de s.m. Ângela de Souza, nat. e bat. na mesma freg., ambos assistentes na freg. de S. Pedro e S. Paulo da Paraíba, bisp. do Rio de Janeiro.

 

De acordo com o batismo do filho Salvador, José e Isabel foram moradores na freguesia de Pilar do Iguassu, onde foram batizados os filhos Manoel, Quitéria e Felix. Na data de casamento da Quitéria (1742), esta filha residia, talvez com os pais, na freguesia da Candelária. José Campelo já era falecido em 21/10/1776 (segundo consta na dispensa do filho Félix), enquanto a mãe, aparentemente, ainda não.

 

Provavelmente Isabel é a avó de Ana Maria, que foi morar na casa dos futuros sogros dela, em Paraíba do Sul, como consta na dispensa desta sua neta.

 

José e Isabel tiveram os filhos, que documentamos:

1- José da Silva Campelo

2- Manoel da Silva Campelo

3- Quiteria da Silva Campelo

4- Salvador da Silva Campelo

5- Felix da Silva Campelo

 

1- José da Silva Campelo. Em 06/03/1766 requer confirmação de sesmaria, concedida em 18/08/1748, para si ou para seu pai homônimo, vizinha a Fabião Pereira de Azevedo, a quem teria sido cedida.

AHU-MG, ACL, CU_008_Cx. 87, doc. 12, 1766.

Diz Jose da Silva Campello, morador nos Mattos gerais freguesia da Borda do Campo termo da vila de S. Jose do Rio das Mortes (...)

Fl. 4: “... Faço saber que esta minha carta de sesmaria virem que tendo respeito a me representar por sua petição José da Silva Campello, a 18/08/1748 que ele queria por sesmaria meia légua de terras em quadra nos matos gerais da Borda do Campo (donde era morador) ... as quais partiam de uma banda do poente com Fabião Pereira de Azevedo, para o sul com José Rois de Souza, e para o norte com João Francisco, ...  ”

 

Fl. 5: “Antônio de Moraes Sarmento, escrivão ... certifico que as terras e matos... foram medidas e demarcadas, e delas formavam no seu judicialmente (?) a Fabião Pereira de Azevedo, por cessão e traspasso que delas lhe haviam feito José da Silva Campello como melhor consta dos autos de quais me reporto...”. 22/12/1753.

 

          Foi casado com Ignácia Maria da Conceição, natural da freguesia de S. Pedro e S. Paulo da Paraíba-RJ, filha de Manoel Antunes Aldeia, natural de Portugal, e de Clara Maria Moreira, natural de Santos ou de São Paulo.

Pais de, pelo menos:

1-1 Maria, batizada em 1°/09/1777 em Paty do Alferes.

Paty do Alferes, RJ - Em 1°/09/1777 nesta freg. bat a Maria, fa. de José da Silva Campelo, nat. do Rio de Janeiro, e de s. m. Ignácia Maria da Conceição, neta por parte paterna de José da Silva Campelo, não sabe donde natural, e de Isabel de Souza, nat. do Rio de Janeiro, neta por parte materna de Manoel Antunes Aldeya, nat. da vila de ?   e de s.m. Clara Maria Moreira, nat. da vila de Santos?.. Pad. Manoel de Azevedo Ramos e sua mulher Ana Maria da Conceição.

 

1-2 - Ana, batizada em 18/10/1779 em Paty do Alferes

Paty do Alferes, RJ - Em 18/10/1779 nesta freg. bat a Ana, fa. de José da Silva Campelo, nat. do Rio de Janeiro, e de s. m. Ignácia Maria da Conceição, nat. da freg. de N. Sra. da Conceição  de S. Pedro e S. Paulo da Parahyba, neta por parte paterna de José da Silva Campelo, natural de Portugal, e de Isabel de Souza, nat. do Rio de Janeiro, neta por parte materna de Manoel Antunes Aldeya, e de s.m. Clara Moreira. Pad. Alf. Inácio de Souza Verneck, e sua mulher Francisca das Chagas.

 

2- Manoel da Silva Campelo batizado em 07-12-1724 na igreja de N. Sra. do Pilar do Iguassu:

Pilar do Iguassu, RJ - Aos 07/12/1724 pus os santos oleos a Manoel, fo. de José da Silva Campelo, e de s. m. Isabel de Souza, Pad. João Xerem e Antonia Maria, mulher solt.. (a partir de imagem de Nelson Vieira Pamplona em “A Família Werneck”).

          Parece ser o mesmo que, em 22/09/1772, como padre, requere a mercê do hábito da Ordem de Cristo ao rei D. José. E o mesmo que celebra o batismo de Rosa, filha da irmã Quitéria.

AHU-GO, ACL, CU_008_Cx. 26, doc. 1691, fl. 6.

“José Pereira Sarmento de Maris e Moraes … o Padre Manuel da Silva Campelo, filho de José da Silva Campelo, natural da cidade do Rio de Janeiro, aonde é morador, de idade de 44 anos, tudo segundo suas informações ...” Aos 09/09/1772.

 

3- Quiteria da Silva Campelo, natural e batizada na freguesia de Pilar do Iguassu. Casada em 05/05/1742, na Capela de S. Domingos extramuros, filial da Candelária, com Cipriano Alves Pinto, natural de Cabrela, Portugal, viúvo de Antonia Ferreira do Nascimento e filho de Manoel Pinto e Luzia de Faria.

RJ, RJ - Candelaria - Em 05/05/1742 nesta Capela de S. Domingos extramuros desta cidade, filial desta paróquia, recebi a Cipriano Alves Pinto, viúvo que ficou de Antônia Ferreira do Nascimento, com Quitéria da Silva, nat. e bat. na freg. de Pilar do Aguassu, termo desta cidade, filha leg. de José da Silva Campelo, e de s.m. Isabel de Souza, e moradores os contraentes nesta freg.. Test.: José Ferreira Santiago e José Serrão.

Quitéria e Cipriano foram pais de:

3-1 Felix, batizado na Sé em 10/05/1752.

RJ, RJ - Igreja da Sé - Aos 10/05/1752 bat a Felix, f. de Cipriano Alves Pinto, nat. e bat. na freg. na freg. de Loura, arcebispo. de Evora, e de s/m Quitéria da Silva, nat. do Rio de Janeiro, da freg. de N. Sra. do Pilar, neto por parte paterna de Manoel Pinto, nat. e bat. na vila da Loura do arcebisp. de Evora, e de s/m Luzia de Faria, nat. da cidade de Lisboa, freg. de Santa Justa, e pela materna de José da Silva Campelo, natural de vila Franca, termo de Lisboa, e de s.m. Isabel de Souza, nat. do Rio de Janeiro, da freg. da Candelária. Padrinhos: o Rev. Dr. Luis Lobo da Costa. Declaro que Sipriano Alves Pinto acima dito é nat. da freg. de Santa Justa da cidade de Lisboa.

3-2 Rosa Maria de Viterbo, batizada na Sé em 14/04/1754. Foi citada no assento de batismo da sobrinha Maria, abaixo, onde consta que residia no Alferes.

RJ, RJ - Igreja da Sé - Aos 14/04/1754 bat com licença minha o Rev. padre Manoel da Silva Campello a Rosa, f. de Cipriano Alves Pinto, nat. e bat. na freg. da Conceição do arcebisp. de Lisboa, e de s/m Quitéria da Silva, nat. e bat. na freg. de Pilar, Recôncavo desta cidade, neto por parte paterna de Manoel Pinto,  nat. e bat. na vila da Cabra do arcebispo. de Lisboa, e de s/m Luzia de Faria, nat. e bat. igual, e pela materna de José da Silva Campelo, natural e bat. em vila Franca, e de s.m. Isabel de Souza, e não disse mais. Padrinhos: Marcos Gomes Ribeiro, madrinha d. Maria Josefa Vieira, cc Tte. Caetano Xavier Lopes. Nasceu a dita criança a 28 de março de que foi este assento.

 

3-3 Joaquim Alves Pinto, batizado na Sé em 22/06/1755.

RJ, RJ - Igreja da Sé - Aos 22/06/1755 bat a Joaquim, f. de Cipriano Alves Pinto, nat. e bat. na cidade de Lisboa, freg. de Santa Justa, e de s/m Quitéria da Silva, nat. e bat. na freg. de Pilar, deste bisp., neto por parte paterna de Manoel Pinto,  nat. e bat. não dito, e de s/m Luzia de Faria, nat. e bat. não disse, e pela materna de José da Silva Campelo, e de s.m. Isabel de Souza, nat. e bat. na freg. da Candelária. Padrinhos: Manoel Ribeiro Callado, cc d. Urcela Ignácia de Vasconcellos, madrinha a dita sua mulher Urcella. Nasceu a dita criança aos 9 do dito mês de que foi este assento.

          Casou com Teresa Maria de Jesus, nat. de Pati do Alferes, filha de Pedro Rodrigues Manso e Rosa Maria de Jesus, família “Godoys” neste site.

          Teresa faleceu em maio de 1815 sem testamento. Teve inventário aberto em 13-05-1816 e outro em 15-12-1818, no Rio de Janeiro. Compareceram sete filhos (situação em 13-05-1816):

Arquivo Nacional – RJ

Inventário de Tereza Maria de Jesus

Inventariante: Joaquim Alves Pinto

Cx. 1.132, doc. 9.302 – Juízo de Órfãos e Ausentes

15/12/1818

Diz Joaquim Alves Pinto que ele quer fazer inventário dos bens de seu casal por falecimento de sua mulher Tereza Maria de Jesus, para dar partilha aos herdeiros, entre os quais alguns são menores.

E logo pelo inventariante foi declarado que ? falecera há ? anos, pouco mais ou menos, sem testamento, e lhe ficaram os filhos herdeiros seguintes:

 

1 – Francisco, de idade de 24 anos

2 – Joaquim, de idade de 22 anos

3 – Maria, de idade de 20 anos

4 – Luiz, de idade de 18 anos

5 – Inocêncio, de idade de 16 anos

6 – João, de idade de 14 anos

7 – Ana, de idade de 12 anos

 

Anexo ao inventário, outro de 13/05/1816

E logo pelo inventariante foi declarado que sua mulher faleceu em dias de maio do ano passado, sem testamento, e deixou os herdeiros seguintes:

 

1 – Francisco José [parece ser Machado], de idade de 20 anos

2 – Joaquim Roiz Manço, de idade de 17 anos

3 – Luiz Roiz Manço, de idade de 15 anos

4– Inocêncio da Cunha Sanches, de idade de 13 anos

5 – João, de idade de 11 anos

6 – Ana, de idade de 10 anos

7 – Maria, cc Pedro Tomé Glz.

Sem descrição de bens.

3-3-1 Francisco, bat. em 12/01/1796 em Pati do Alferes. Francisco José com 20 anos em 1816.

Paty do Alferes, RJ - Aos 12/01/1796 bat ,de licença minha o rev. padre Pedro Rodrigues Manso, condicionalmente por haver sido bat em casa aos 19/11/1795, por nascer quase morto, a Francisco, fo. leg. de Joaquim Alves Pinto, nat. da freg. da Sé da cidade do Rio de Janeiro, e de Tereza Maria de Jesus, nat. da freg. do Alferes, neto por parte paterna de Cipriano Alves Pinto, nat. da freg. de Santa Justa e Rufina da cidade de Lisboa, e de s.m. Quitéria da Silva Campelo, nat. da freg. do Pilar, e pela materna de Pedro Rodrigues Manso, nat. da vila de Cascais, patriarcado de Lisboa,  e de s.m. d. Rosa Maria de Jesus, nat. desta freg. do Alferes. Pad. Francisco José Alves e sua mulher Ana Maria de Jesus, todos moradores nesta freg.

3-3-2 Maria, bat. em 26/07/1797 em Pati do Alferes. Maria Luiza da Conceição em 1816 estava casada com Pedro Tomé Gonçalves, filho de Pedro Tomé Gonçalves, e d. Maria Águeda Correa de Oliveira.

Paty do Alferes, RJ - Aos 12/01/1796 bat  a Maria, fa. leg. de Joaquim Alves Pinto, nat. e bat. na freg. da Sé, e de Tereza Maria de Jesus, nat. desta freg., neta por parte paterna de Cipriano Alves Pinto, nat. da freg. de Santa Justa e Rufina da cidade de Lisboa, e de Quitéria da Silva Campelo, nat. da freg. do Pilar, e pela materna de Pedro Rodrigues Manso, nat. da vila de Cascais, e de s.m. d. Rosa Maria de Jesus e Moraes, nat. da freg. de N. Sra. da Piedade do Inhomirim. Pad. o Rev Manoel Gomes Leal e Rosa Maria de Viterbo, filha da referida Quitéria da Silva Campelo, moradores nesta freg.

Entre os filhos do casal:

3-3-2-1 Pedro, bat. em 12/01/1816 em Paraíba do Sul.

Paraíba do Sul, RJ - Aos 12/01/1816 bat  a Pedro, fo. leg. de Pedro Tomé Gonçalves de Oliveira, e sua mulher Maria Luiza da Conceição, nat. da freg. do Alferes da N. Sra. da Conceição e o pai nat. e bat. nesta freg. de S. Pedro e S. Paulo da Paraíba. Pad. Joaquim Alves Pinto, avô materno, e d. Maria Águeda Correia de Oliveira, avó materna (sic).

3-3-2-2 Francisco, bat. em 19/04/1818 em Paraíba do Sul.

Paraíba do Sul, RJ - Aos 19/04/1818 no oratório da Varge bat  a Francisco, fo. leg. de Pedro Tomé Gonçalves, e sua mulher d. Maria Luiza da Conceição, nat. desta freg., neto pela parte paterna de Pedro Tomé Gonçalves, e d. Maria Águeda Correia de Oliveira, naturais deste bispado, pela materna de Joaquim Alves Pinto e sua mulher Tereza Maria de Jesus, naturais deste bispado. Pad. o Capitão Francisco [rasgado] e sua mulher d. Ana ? [rasgado], por procuração que dela apresentou o Cap. Francisco das Chagas.

3-3-3 Joaquim Rodrigues Manso, com 17 anos.

3-3-4 Luiz Rodrigues Manso, com 15 anos.

3-3-5 Inocêncio da Cunha Sanches, com 13 anos.

3-3-6 João, com 11 anos.

3-3-7 Ana, com 10 anos.

 

3-4 José Alves Pinto, batizado na freguesia da Candelaria e falecido com testamento em 13/12/1799 na Sé do RJ. Foi casado primeira vez com Ana Maria Xavier. Segunda vez estava casado com Paula Ferreira Xavier.

RJ, RJ - Igreja da Sé - Aos 13/12/1799 nesta freg. e Rua dos Latoeiros fal. José Alves Pinto, cc Paula Ferreira Xavier, amortalhado no hábito de Sto. Antonio e sepultado na igreja do dito santo. Fez testamento.

 

Eu, José Alves Pinto... Sou nat. desta cidade do Rio de Janeiro, bat. na freg. de N. Sra. da Candelária, filho leg. de Sipriano Alves Pinto e de Quitéria da Silva Campelo. Fui casado pela primeira vez com Ana Maria Xavier, de cujo matrimônio tive três filhos: Joaquina, Feliz e Rosa... Sou casado segunda vez com Paula Ferreira Xavier, de cujo matrimônio tenho uma filha menor por nome Maria?. Peço e rogo em primeiro lugar a minha mulher Paula Ferreira Xavier, em segundo a meu filho Feliz Xavier Pinto em terceiro a meu irmão Inácio Miguel Pinto Campello...

Segundo o testamento, José e Ana tiveram três fihos:

3-4-1 Joaquina.

3-4-2 Feliz Xavier Pinto, 2º testamenteiro paterno. Casou-se, em 17/05/1802, com Francisca Joaquina Ramalho, exposta em casa de Luís Antônio de Miranda Ramalho.

RJ, RJ - Sé - Aos 17/05/1802 nesta catedral recebi a Feliz Xavier Pinto, filho leg. de José Alves Pinto e de Ana Maria Xavier, com Francisca Joaquina Ramalho, exposta em casa de Luís Antônio de Miranda Ramalho, ambos os contraentes nat. e bat. na freg. de S. José. Test.: José Pinto Dias e João da Costa Mattos.

3-4-3 Rosa.

 

Paula e José tiveram filha única:

3-4-4 Maria?.

 

3-5 Inácio Miguel Pinto Campelo, 3º testamenteiro do irmão José Alves Pinto. Casou-se em 30/05/1786 com Luiza de Santa Ana, bat. na freg. de Santana da Cidade da Bahia, filha de Agostinho Garcia Lobo e de Luiza Cardosa.

RJ, RJ - Sé - Aos 30/05/1786 nesta catedral recebi a Ignácio Miguel Pinto, filho leg. de Cipriano Alves Pinto e de Quitéria da Silva, bat. na freg. da Candelária desta cidade, com Luiza de Santa Ana, filha leg. de Agostinho Garcia Lobo e de Luiza Cardosa, bat. na freg. de Santana da Cidade da Bahia. Test: Felix dos Santos Lisboa e Antonio de Souza Ferreira

          Inácio foi tabelião do Judicial e Notas do Rio de Janeiro, e teve ao menos oito filhos, como consta em requerimento ao príncipe regente D. João:

Consulta do Conselho Ultramarino ao príncipe regente D. João, sobre o requerimento de Ignácio Miguel Pinto Campelo solicitando serventia vitalícia dos ofícios vagos de tabelião do judicial e notas do RJ.

AHU – Rio de Janeiro, cx 181, doc. 52; cx 171, doc. 9; cx 170, doc. 63.

Fl. 14 - Atestação

- D. Alexandre Fidele de Araújo, presbítero secular, Conde Palatino, ... e Pároco Coadjutor da Freg. de N. Sra. da Candelária desta Cidade e et cetera. Atesto e faço certo que nesta freg., na Rua do Rosário, mora o Tabelião Ignácio Miguel Pinto Campello, meu freguês, filho de honrados pais, bem morigerado (?) nos seus costumes, estudante hábil para todos os empregos públicos; serviu a Sua Maj. nesta Praça; Destacou para o Rio Grande de S. Pedro ao Sul; assistiu ao combate e assalto em que os nossos obtiveram a vitória aos espanhóis, em que ele teve grande parte; deu baixa, é hoje Tabelião do Público Judicial e Notas, e casado com uma senhora grave (?), da qual tem oito filhos, todos vivos e menores, a saber: Ignácio, Joaquina, Ana, Maria, José, Feliciana, Lucia (?) e Francisca, que todos existem debaixo do pátrio poder... Rio de Janeiro, 08/01/1798.

3-5-1 Ignácio.

3-5-2 Joaquina.

3-5-3 Ana.

3-5-4 Maria.

3-5-5 José.

3-5-6 Feliciana.

3-5-7 Lucia (?).

3-5-8 Francisca.

 

3-6 Francisca Jacinta do Nascimento. Casou-se em 28/05/1780 com José de Oliveira Quaresma, bat. na freg. da Sé do Rio de Janeiro, filho de José de Oliveira Quaresma e de Joana Maria.

RJ, RJ - Sé - Aos 28-05-1780 na capela da Lampadosa recebi a José de Oliveira Quaresma, filho leg. de José de Oliveira Quaresma e de Joana Maria, nat. e bat. na freg. da Sé desta cidade, com Francisca Jacinta do Nascimento, filha leg. de Cipriano Alves Pinto e de Quitéria da Silva, nat. e bat. na freg. da Sé desta cidade. Test.: José ? e o Rev. Manoel Gomes Leal.

 

4- Salvador da Silva Campelo, batizado na Candelária em 27/10/1728. Casou-se em 02/08/1750, na Sé (Rio de Janeiro), com Feliciana Francisca Barreto, filha de José Barreto Pissarro e Margarida da Cunha Sampaio.

No mesmo dia mes e anno (27-10-1728) nesta paroquial bat. a Salvador, filho leg. de José da Silva Campello, nat. da Vila Franca de Xira, arcebisp. de Lisboa, e de sua mulher Isabel de Souza, nat. desta cidade, e moradores na freg. de N. Sra. do Pilar do Aguassu. Pad. José Carvalho de Oliveira e sua mulher d. Mariana Correa Pimenta.

 

RJ, RJ - Sé - Em 02/08/1750 nesta igreja de N. Sra. do Parto recebi a Salvador da Silva Campello, nat. e bat. na freg. da Candelária, filho leg. de José da Silva Campello e de Isabel de Souza com Feliciana Francisca Barreto, nat. e bat. nesta freg., filha leg. de d. Margarida da Cunha e de José Barreto Pissarro. Test.: Antônio Antunes de Menezes e Gonçalo Gonçalves Chaves.

 

          Capitão de Ordenanças e porteiro guarda-livros da Secretaria de Estado na Corte, Salvador, com 90 anos em 1818, solicita aposentadoria e pede mercê do hábito de Cristo, renunciável a seu filho Manoel da Silva Campelo.

Biblioteca Nacional - Manuscritos - C-0423,018

Título: Requerimento encaminhado ao Ministério do Império, solicitando a mercê da Ordem de Cristo, com sobrevivência para seu filho Manuel da Silva Campelo;

1818.

- Diz Salvador da Silva Campelo, Capitão da Ordenança, nat. desta cidade, hoje Corte do Brazil, ocupado no serviço de V. Maj. há mais de 32 anos, tendo a honra de ser Porteiro Guarda-livros da Secretaria de Estado desde o tempo do Exc. Vice Rei Luiz de Vasconcellos... o conservou sempre na nova Secretaria no lugar de 2° Porteiro Guarda-livros, encarregado também da Secretaria Antiga, ...

Até agora, senhor, não se atreveu o suplicante pedir um prêmio dos seus serviços por lhe parecer que seriam poucos para seu merecimento, mas vendo-se agora com 90 anos de idade, e conhecendo a bondade de Sua Maj. ...conceder-lhe a mercê do Hábito de Cristo, com renúncia e passagem a seu filho leg. Manoel da Silva Campello, por se achar o suplicante com a idade tão avançada de 90 anos, e cheio de moléstias, o qual filho é sujeito hábil... que se trata com honra e tem capacidade de servir a V. Maj., tendo também já servido a V. Maj. em milícias e hoje é Tenente de Ordenanças.

Rio de Janeiro, 1°/12/1818.

Salvador e Feliciana foram pais de, q.d.:

4-1 Custódio, batizado na Sé em 09/11/1750.

RJ, RJ - Igreja da Sé - Aos 09/11/1750 bat a Custódio, f. leg. de Salvador da Silva Campello, nat. deste bispado, filho leg. de José da Silva Campello e de Isabel de Souza, e de s/m Feliciana Francisca Barreto, nat. deste bispado, filha leg. de José Barreto e de d. Margarida da Cunha Sampaio. Padrinhos: Cap. Custodio da Costa Gouvea e Rosa Maria, mulher de Ignacio Tavares. Nasceu a dita criança a 9 deste presente mês que foi este assento.

 

4-2 João da Silva Campelo, batizado na Sé em 26/06/1753. Tornou-se padre.

RJ, RJ - Igreja da Sé - Aos 09/11/1750 bat a João, f. leg. de Salvador da Silva Campello, nat. e bat. na freg. da Candelária, e de s/m Feliciana Francisca Barreto, nat. e bat. na freg. não disseram,  neta por parte paterna de José da Silva Campelo, natural de vila Franca, arcebisp. de Lisboa, e de Isabel de Souza, nat. e bat. na freg. da Candelária, neta por parte materna de José Barreto Pissarro e de s.m. Margarida da Cunha Sampaio, nat. desta cidade, na freg. não disseram. Padrinhos: o Licenciado Cipriano Alvares Pinto e sua mulher Quitéria da Silva Campelo. Nasceu em 26 de junho essa criança.

 

Arquivo da Cúria do RJ-RJ

Hab. sacerdotal  de João da Silva Campello – 1792

“Diz João da Silva Campello, filho leg. de Salvador da Silva Campello e de d. Feliciana Francisca Barreto, nat. e bat. na freg. da Sé...”

Foi aprovado a presbítero em 1794.

Seminário de N. Sra. da Lapa.

 

4-3 Manoel da Silva Campelo citado, no requerimento paterno, como tenente de Ordenanças em 1818. Casou com Rosa dos Santos e não deixou descendência. Faleceu, viúvo, em 25/04/1848, com testamento, e foi inventariado no mesmo ano.

Arquivo Nacional – RJ

Inventário de Manoel da Silva Campelo

Inventariante: José Manoel da Cunha

Cx. 4.122, doc. 13 – Vara Cível do Rio de Janeiro

24/05/1848

 Diz José Manoel da Cunha que, falecendo Manoel da Silva Campelo com testamento solene, nomeou o Suppe. por seu 1° testamenteiro...

E logo o mesmo [rasgado] declarado compareceu o inventariante que por ele foi dito que o inventariado Manoel da Silva Campelo faleceu com testamento no dia 25/04, deixando por herdeiro, ele inventariante.

 

“Eu, Manoel da Silva Campelo, Católico romano, achando-me em meu mais perfeito juízo... porém achando-me doente em uma cama de moléstia... Declaro que sou cidadão brasileiro, nat. do Rio de Janeiro, filho leg. do Cap. Salvador da Silva Campelo e de Feliciana Francisca Barreto, já falecidos,... Declaro que sou viúvo de d. Rosa dos Santos, de cujo matrimônio nenhum filho tive. Declaro mais que nenhum filho tenho.

Instituo por meu universal herdeiro a José Manoel da Cunha, em razão dos grandes serviços que me tem feito em minhas moléstias. Deixo todos os meus escravos forros. Declaro que possuo três braças de terras na Rua do Lavradio.

 

5- Felix da Silva Campelo, natural da freguesia de Nossa Senhora do Pilar- RJ, filho de José da Silva Campelo, já falecido em 1776, e Isabel de Souza.

          Em 1768 com 37 anos, Felix testemunhou nos banhos dos sobrinhos Manoel de Azevedo Ramos e Ana Maria, ocasião em que morava com os sobrinhos e o cunhado Manoel de Azevedo Mattos em Paraíba do Sul:

ACMRJ - Dispensa Matrimonial ano 1768:

Manuel de Azevedo Ramos e Ana Maria

- Ângela de Souza é irmã de Antônia Ribeira, desta nasceu o orador Manoel de Azevedo Ramos, e daquela nasceu a oradora Ana Maria.

- Felis da Silva Campelo, homem casado, nat. da freg. do Pilar do Aguassu, morador na da Paraíba, que vive de sua lavoura, testemunha jurada dos Santos Evangelhos, ... de idade que disse ser de 37 anos, e de costume disse ser tio dos oradores, por ser irmão das mães.

-E sendo perguntado pelo... disse ao primeiro que os oradores são seus sobrinhos, e que moram na mesma casa em que mora ele testemunha, e estão para casar, mas não podem...

 

          Primeira vez, Felix casou com Maria da Conceição, falecida em Pati do Alferes-RJ em 19-06-1775, filha de Manoel Antunes Aldeia, nat. de Portugal, e de Clara Maria Moreira, pais também de Ignácia Maria da Conceição, casada com José da Silva Campelo supra citado.

          Em 1776, Felix tirou provisão para se casar com Joana Maria de Moraes, batizada em Guarapiranga-MG em 01-04-1750, filha do falecido Cristóvão da Cunha de Moraes e de Leonor Barbosa de Jesus, neta paterna de Gaspar de Godoy Ribeiro e de Maria Pedroza, naturais da freguesia de N. Sra. da Conceição dos Guarulhos da cidade de S. Paulo, e pela materna de João Jaques de Almeida e de Tereza Barboza de Jesus.

ACMRJ - Dispensa Matrimonial ano 1776:

- Diz Joana Maria de Moraes, nat. da freg. de Guarapiranga, bisp. de Mariana, bat. na capela de S. João do Rio Abaixo, filial de Guarapiranga, e moradora na freg. do Alferes, Caminho de Minas, que se acha contratada para casar com Felix da Silva Campello, morador na mesma freg. 

 

- Diz Felix da Silva Campello, viúvo de Maria da Conceição, que faleceu na freg. do Alferes... em 19/06/1775. Ele se acha justo para casar com Joana Maria de Moraes, filha leg. de Cristóvão da Cunha de Moraes, já defunto, e de Leonor Barbosa de Jesus.

- Ele é pobre e vive de sua agência de lavrador, tendo a seu cargo um filho de menor idade que ficou do 1° matrimônio. Ela é igualmente pobre.... Ele possui poucos escravos...

- Quer casar Felix da Silva Campello, filho leg. de José da Silva Campello, já defunto, e de sua mulher Isabel de Souza, bat. na freg. de Nossa Senhora do Pilar, neste bispado. Em 21/10/1776.

- Livro de bat. de Guarapiranga: Joana, filha leg. de Cristóvão da Cunha de Moraes, e de Leonor Barbosa de Jesus, moradores na Pirapoza (?) desta freg. neta pela parte paterna de Gaspar de Godoy Ribeiro e de Maria Pedroza, naturais da cidade de S. Paulo, da freg. de N. Sra. da Conceição, e pela materna de João Jaques de Almeida e de Tereza Barboza de Jesus, naturais desta cidade e freg., n. aos 03/01/1750, bat. em 1°/04/1750.

 

Felix e Maria da Conceição tiveram o filho único:

5-1 Vicente, batizado em Pati do Alferes em 03-07-1775.

Paty do Alferes, RJ - Em 03/07/1775 nesta freg. bat a Vicente, fo. leg. de Feliz da Silva Campelo, e de s. m. Maria da Conceição, falecida do mesmo parto, neto por parte paterna de José da Silva Campelo, natural de Portugal, e de Isabel de Souza, nat. do Rio de Janeiro, neta por parte materna de Manoel Antunes Aldeya, nat. de Portugal e de s.m. Clara Maria, nat. de S. Paulo.. Pad. Manoel de Azevedo Ramos e sua mulher Ana Maria de Jesus