PROJETO COMPARTILHAR

Coordenação: Bartyra Sette e Regina Moraes Junqueira

www.projetocompartilhar.org

 

 

JOSÉ ANTONIO DE ARAÚJO

(atualizado em 13-agosto-2015)

 

 

Geraldo Dutra de Andrade Neto

 

 

José Antonio de Araújo nasceu aos 15-03-1729 e foi batizado na paróquia de São Victor na cidade de Braga, filho de Manoel de Araújo e Mariana Pinheira.

ADB - Concelho de Braga - Paroquia de S. Vitor - Joseph Antonio filho de Manuel de Araujo e sua mulher Mariana Pinheira moradores na ponte de guimarães desta freguesia nasceu aos quinze dias do mes de março de 1729 anos e foi baptizado aos dois dias do mesmo mes por mim o Padre Domingos Antunes Cura desta igreja foi madrinha Dona Maria Thereza Coutinho Osorio filha de Pedro Vaz Almeida e sua mulher Thereza da Cunha (...) foram testemunhas Henrique de Mello e Miguel Leite.

Na Igreja do Santíssimo Sacramento na cidade do Rio de Janeiro, aos 08-04-1757 casou com Maria Bernarda de Araújo, natural e batizada na Freguesia de Nossa Senhora do Pilar do Iguaçu-RJ, filha de Tomé de Araújo Romeiro, natural da Freguesia de São Salvador de Magrelos do Bispado do Porto, e de Isabel do Amaral, natural do Rio de Janeiro, casados no Santíssimo Sacramento em 04-0-1724, neta paterna de Domingos de Araujo e Isabel da Silveira, neta materna de José Pereira Chaves e de Catarina da Motta.

Rio de Janeiro, RJ Igreja do Santíssimo Sacramento. Aos outo de Abril de mil Sette centos Sincoenta e Sette nesta Igreja Cathedral em prezença do Reverendo Coadjutor Manoel Fernandes Castro e das Testemunhas Jozé Francisco e Antonio Joze da Silva e de outras pessoas que prezente se achavão pellas Sinco horas da tarde com provizão do Reverendo Doutor Juiz dos Casamentos Antonio Jozé Reys Pereyra Filho foram recebidos por palavras de prezente na forma do Sagrado Concilio Tridentino e Constituição sem haver impedimento algum canonico forão recebidos em matrimonio Jozé Antonio de Araujo filho legitimo de Manoel de Araujo e de Marianna Pinheyra natural de São Vitor da Cidade de Braga com Maria Bernarda de Araujo filha legitima de Thomé de Araujo e de Izabel do Amaral natural da freguezia do Pilar do Iguassu Como tudo constou da dita Provizam e lhe nam dei as Benções por não Ser em tempo de que fiz este assento hoje em limpo. O que tudo me constou de Sua Certidam nestas toda Provizam consta e a Sinarão as duas Testemunhas do que fiz este a sento.

O Cura Joaquim de Senna Gomes.

 

 

Rio de Janeiro, RJ Igreja Santissimo Sacramento aos 04-09-1724 se receberam Tome de Araujo, natural e bat. na freguesia de S. Salvador do Mundo de Magrellos do Bispado do Porto, f.l. de Domingos de Araujo e Isabel da Silveira = Com Izabel do Amaral, batizada na [apagado]dade, f.l. de Joseph Pereira Chaves e de Catarina da Motta. Testemunhas presentes, e.o., Ignacio da Silva Medella, Paulo Pinto, [apagado] Antunes de Farias viúva de Francisco Fernandes da Costa, Maria da Rocha mulher de Francisco de Seixas da Fon.ca.

 

Maria Bernarda faleceu aos 05-06-1796, viúva e com testamento. Deixou duas filhas de seu casal, uma já falecida, representada por seus quatro filhos:

1- Mariana Bernarda de Araújo

2- Francisca Rosa de Araújo

 

Acervo Judiciário do Arquivo Nacional

Ano 1795 - maço 478 nº 9215

Inventariada Maria Bernarda de Araújo

Inventariante Antonio José de Castro (sic).

Disponibilizado por Geraldo Dutra de Andrade Neto

Autos do Inventário aos 16-06-1796 nesta cidade do Rio de Janeiro.

Diz Antonio Jose de Carvalho, que falecendo sua sogra Maria Bernarda de Araújo com testamento em que é nomeado o supp. testamenteiro em 2º lugar, do qual testamento faz aceitação por desistência do primeiro nomeado, e como tal e como herdeiro juntamente por cabeça de sua mulher lhe toca a qualidade de inventariante e quer proceder a inventário dos bens o qual toca a este Juízo assim p. dependência do inventário q a falecida havia feito por falecimento de seu marido Jose Antonio, sogro do suplicante, como também por haverem menores herdeiros netos da testadora que estão por cabeça de sua mãe.

 

Declarou que a falecida falecera no dia cinco do presente mês e ano com seu solene testamento de que lhe ficaram os herdeiros seguintes:

Herdeiros:

Antonio Jose de Carvalho por cabeça de s/mulher Francisca Rosa de Araújo.

Netos:

Jose de idade de 10 anos.

Inácio de 9 anos

Mariana de 5 anos

Emerenciana de 3 anos

Todos os quatro netos, filhos de Inácio Botelho de Siqueira casado que foi com Mariana Bernarda de Araújo filha da mesma falecida.

 

Avaliações:

Escravos = 200$000

Uma morada de casas de sobrado citas na rua dos Ourives, que partem com outra de Ignacio Botelho e outros (...) 800$000.

Outra morada de casas de sobrado (...) 60$000.

Trastes de madeira = Trastes com vidro = Prata = Ouro = Roupa = Latão = Cobre = Imagens = Livros = Relógios = Devedores =

 

Termo de Encerramento aos 31-08-1796

Autos Conclusos aos 02-09-1796

Publicação aos 03-09-1796

 

Juntada aos 02-09-1796 - juntei a estes autos a petição que adiante se segue:

Diz Ignacio Botelho de Siqueira que por falecimento de sua mulher Mariana Bernarda de Araújo lhe ficaram quatro filhos: Jose= Ignacio = Mariana = Emerenciana, e netos dos falecidos Jose Antonio de Araújo e Maria Bernarda de Araújo, (...) e p.r q são herdeiros os ditos seus filhos no dito inventário quer o Supp. assinar termo de tutor dos referidos seus filhos no mesmo Inventário.

 

Copia do Termo de Tutor que assina Ignacio Botelho de Siqueira aos 02-09-1796.

Auto de Partilhas - aos 12-10-1796

Monte dos Bens 2:842$053

Pagamento que se faz ao Inventariante, de sua legitima materna, por cabeça de sua mulher

Termo em q se da por entregue das legitimas de seus filhos - 05-11-1796 Ignacio Botelho de Siqueira,

 

1- Mariana Bernarda de Araújo, nasceu em 15-07-1765 e foi batizada aos 10 de agosto seguinte. Já falecida em 1796, foi representada no inventário materno pelos quatro filhos de seu casal.

          Foi casada com Inácio Botelho de Siqueira, batizado na Sé da cidade do Rio de Janeiro aos 11-08-1765, filho de José Botelho de Siqueira, natural e batizado na Freguesia de São Nicolau da cidade do Porto, e de Michaella Rodriguez de Mello, natural e batizada na Freguesia da Sé da cidade do Rio de Janeiro. Inácio era neto paterno de José Botelho, natural e batizado na Freguesia de São Martinho de Moiros, e de Maria Josefa, natural e batizada na Freguesia de Santa Maria do Bispado do Porto, neto materno de Francisco Rodrigues, natural e batizado em Ponte Lima, e de Brigida Correa da Silva, natural e batizada na Vila de Macacu-RJ.

Arquivo da Cúria Metropolitana do Rio de Janeiro

Processo de Habilitação Matrimonial de Ignacio Botelho de Siqueira e Marianna Bernarda de Araujo, no ano de 1784 (Notação HM 21161).

Ignacio Botelho de Siqueira: Nasceu em 31/07/1765 e foi batizado na Freguesia da Sé da cidade do Rio de Janeiro, em 11/08/1765 (Livro 1º/Fl. 449). É filho legitimo de Jose Botelho de Siqueira (na transcrição do assento de batismo não aparece o “de Siqueira”), natural e batizado na Freguesia de São Nicolau da cidade do Porto, e de Michaella Rodriguez de Mello (na transcrição do assento de batismo não aparece o “de Mello”), natural e batizada na Freguesia da Sé da cidade do Rio de Janeiro. Neto paterno de Jose Botelho, natural e batizado na Freguesia de São Martinho de Moiros, e de Maria Josefa, natural e batizada na Freguesia de Santa Maria do Bispado do Porto. Neto materno de Francisco Rodrigues, natural e batizado em Ponte Lima, e de Brigida Correa da Silva, natural e batizada na Vila de Macacu. Foram padrinhos Jose Ribeiro da Mota e de Luiza Clara do Sacramento.

 

Marianna Bernarda de Araujo: Nasceu em 15/07/1765 e foi batizada da Freguesia de Nossa Senhora da Candelária da cidade do Rio de Janeiro, em 10/08/1765 (Livro 7º/Fl 115). Filha legítima de Jose Antonio de Araújo, natural e batizado em São Victor na cidade de Braga, e de Maria Bernarda de Araújo, natural e batizada na Freguesia de Nossa Senhora do Pilar do Agoasú, no Bispado do Rio de Janeiro. Neta paterna de Manuel de Araújo e Mariana Pinheira, naturais do Arcebispado de Braga. Neta materna de Tome de Araujo Romeiro, natural do Bispado do Porto, e de Isabel do Amaral, natural do Rio de Janeiro – ignora-se a freguesia. Foram padrinhos Pe Frutuoso Mascarenhas da Camra e Isabel Maria de Mello, mulher do capitão Antonio Monteiro.

 

          Inácio Botelho de Siqueira foi inventariado em conjunto com Mariana, falecida há mais de 10 anos. Compareceram ou foram representados os quatro filhos legítimos e dois filhos naturais dele (inventário neste site, em outros locais):

Inácio teve com Narcisa Perpétua, os filhos naturais:

In- Leonidio Inácio Botelho.

IIn- Maria, faleceu. Herdou sua mãe e posteriormente seu irmão supra citado.

 

Mariana e Inácio tiveram:

1-1 José Botelho de Siqueira, batizado em 17-09-1786. Inventariante dos pais.

Rio de Janeiro, RJ - Santissimo Sacramento aos 16 dias do mes de 7bro de 1786 nesta catedral bat a Jose, f.l. de Ignacio Botelho de Siqueira e de Mariana Bernarda de Araujo; foram padrinhos o Alferes J---------- Diogo da Cruz e Joaquina de Santa Ana Freire.

          José Botelho de Siqueira Mattos e Araújo, dispensados do impedimento de 2º grau igual de consanguinidade, aos 28-08-1822 casou com Francisca Rosa de Carvalho. Geração em 2-3.

1-2 Inacio Botelho de Siqueira, com 9 anos em 1796 (inventário da avó materna). Faleceu em Sorocaba aos 29-10-1842. Solteiro, sem descendentes, deixou legados aos sobrinhos, missas pela alma das irmãs e cunhados e institui herdeiros do remanescente dos bens aos filhos do irmão José.

Sorocaba, SP Igreja N. Sra da Ponte aos 29-10-1842 nesta cidade faleceu Ignacio Botelho de Siqueira, de idade mais ou menos de secenta anos, solteiro, natural da cidade deo Rio de Janeiro, f.l. de Ignacio Botelho de Siqueira e de D. Mariana Bernarda de Araujo. Foi sepultado na Igreja de Santa Clara, tudo na conformidade do seu testamento, onde declara não ter herdeiros descendentes que por direito o sejam. Encomendou missas, entre as quais, pelas almas de suas irmãs e cunhados. Deixa para sua sobrinha Maria das Neves dous contos de reis, e um conto de reis para seu sobrinho, irmão da dita; institui herdeiros do remanescente a sua sobrinha Dona Maria de Carvalho, D. Mariana e a seus sobrinhos Jose Botelho e Antonio Botelho, todos filhos de seu irmão o Comendador Jose Botelho de Siqueira Matos e Araujo, todos em igual porção; deixa para todos seus afilhados e afilhadas a esmola de cem mil rs a cada um, apresentando a certidão de batismo. Testamenteiros a seu irmão o Comendador supra em 1º lugar, em 2º o Com. Caetano Maria Lopes Gama, e em 3º o Com. Aureliano de Souza Oliveira Coitinho; e no Codicilo confirma seu testamento e no caso de falecer nesta cidade de Sorocaba, nomeia seus testamenteiros a Francisco Lopes de Oliveira, a Francisco Ferreira Braga e a Manoel Lopes de Oliveira, os quais de comum acordo tomarão conta dos bens, fazendas e papeis que com ele se acharem, e remeterão um inventário por miudo com a certidão do seu obito a entregar aos testamenteiros do Rio de Janeiro; determina seu enterro; legados pios.

1-3 Mariana Bernarda de Araujo, com 5 anos em 1796. Aos 29-11-1806 casou com Maximo Felix dos Santos, natural de Cunha-SP, filho de Manoel Monteiro de Almeida e de Rosa Maria dos Santos.

Rio de Janeiro, RJ Igreja N. Sra da Candelaria aos 29-11-1806 na capela N Sra Mãe dos Homens, filial desta freguesia, na presença das testemunhas Antonio Jose de Carvalho e Ignacio Botelho de Siqueira se receberam Maximo Felis dos Santos, f.l. de Manoel Monteiro de Almeida e de Rosa Maria dos Santos, n/b na freguesia da Conceição da Vila de Cunha Bispado de S. Paulo = Com Mariana Bernarda de Araujo, f.l. de Ignacio Botelho e de Mariana Bernarda de Araujo, n/b na freguesia da Sé.

          Em 1809 o casal vende parte da herança do pai de Mariana.

Banco de Dados da Estrutura Fundiária do Recôncavo da Guanabara (1635-1770) - por Mauricio Abreu:

Tipo de escritura: Chão

Data:22/09/1809

Descrição:Escritura de venda da metade de uma morada de casas que fazem Máximo Félix dos Santos e mulher Mariana Bernarda de Araújo a Inácio Botelho Siqueira - de sobrado, sita na rua de São Pedro, de fronte para a sacristia(?), a qual houve por herança de seu pai Inácio Botelho de Siqueira, segundo inventário feito pelo Juízo dos Órfãos, vindo a pertencer a outra metade a outra filha e herdeira, Emerenciana Bernarda de Araújo, hoje casada com Antônio Vitor da Silva.

Preço:1:600$000

Código:AN, 4ON, 134, p. 19v.

Observações:Plena e geral quitação.

Obs: os nomes do comprador e do pai da outorgante são iguais

          Ambos já falecidos em 1842, deixaram a filha:

1-3-1 Maria das Neves faleceu menor.

1-4 Emerenciana Bernarda de Araújo com 3 anos em 1796. Em 1809 estava casada com Antonio Vitor da Silva. Viúva, casou em segundas com Inocencio José de Amorim.

 

Com Antonio Vitor, Emerenciana teve os filhos:

1-4-1 Maria, menor. Provavelmente a sobrinha Maria das Neves, que com seu irmão são legatários do tio Inácio: "para sua sobrinha Maria das Neves dous contos de reis, e um conto de reis para seu sobrinho, irmão da dita".

1-4-2 Vitor, menor.

 

Com Inocencio José, Emerenciana teve o filho único:

1-4-3 Inácio, menor. Faleceu, herdou seu pai.

 

2- Francisca Rosa de Araújo casada em 28-03-1795 com o Tenente Antonio José de Carvalho, filho de José da Cruz de Carvalho e de Teresa de Jesus.

Rio de Janeiro, RJ - Santissimo Sacramento - aos 28-03-1795 na capela do Sr. dos Passos com licença e em presença do R. P. Jose Barbosa de Araujo e do Cap. Jose Dias da Cruz e de Ignacio Botelho de Siqueira se receberam em matrimônio o Tenente Antonio Jose de Carvalho, f.l. de Jose da Cruz de Carvalho e de Teresa de Jesus, n/b na freguesia de S, Jose desta cidade = Com Francisca Rosa de Araujo, f.l. de Jose Antonio de Araujo e de Maria Bernarda de Araujo, batizada na referida freguesia, como tudo constou da Provisão do M.D.Dr. Provisor Francisco Gomes Villar, sendo testemunhas o Cap. Jose Dias da Cruz, e Ignacio Botelho de Siqueira.

 

Ascendência do

Tenente Antonio José de Carvalho

 

Banco de Dados da Estrutura Fundiária do Recôncavo da Guanabara (1635-1770) - Mauricio Abreu

Tipo de escritura: Chão. Data: 03/02/1812

Descrição: Escritura de quitação de venda de uma morada de casas que fazem o Tenente-Coronel Antônio José de Carvalho, cavaleiro da Ordem de Cristo, e sua mulher Dona Francisca Rosa de Carvalho Arcanjo, ao devedor Francisco Antônio Malheiro - de sobrado, sita na rua da Alfândega, vendida por por 2:900$000, conforme escritura lavrada em 29/12/1807 [3º Ofício]

Preço: 2:900$000

Código: AN, 1ON, 205, p. 93

          Francisca Rosa foi inventariada em 13-04-1826. Compareceram três filhos de seu casl (inventário neste site, em outros locais):

2-1 José Antonio de Carvalho, alferes das Ordenanças, casou com Joaquina.

2-2 Antonio José de Carvalho. Em 1826 recebeu a legítima materna.

2-3 Francisca Rosa de Carvalho batizada na Igreja da Candelária em 25-05-1804.

Rio de Janeiro, RJ - Igreja N. Sra da Candelaria aos 25-05-1804 nesta paroquial bat a Francisca, f.l. de Antonio Jose de Carvalho, n/b na freguesia de S. Jose desta cidade e de s/m Francisca Rosa de Araujo n/b na freguesia da Sé desta cidade, neta paterna de Jose da Cruz de Carvalho n/b na freguesia de Santa Engracia da cidade de Lisboa e de Teresa de Jesus n. desta ciadde, e neta materna de Jose Antonio de Araujo natural do Porto e de Maria Bernareda de Araujo nat. desta cidade; foi padrinho o Padare Jose Barbosa da Silva e Araujo, e Protetora Nossa Sen hora de Goadalupe.

          Dispensados do impedimento de 2º grau igual de consanguinidade, aos 28-08-1822 casou com José Botelho de Siqueira Mattos e Araújo, 1-1 supra.

Rio de Janeiro, RJ - Santissimo Sacramento aos 28-08-1822 nesta freguesia do Santissimo Sacramento se receberam em matrimonio Jose Botelho de Siqueira Mattos e Araujo, f.l. de Ignacio Botelho de Siqueira e D. Mariana Bernarda de Araujo, nat/bat na freguesia da Sé desta cidade = Com D. Francisca Rosa de Carvalho, f.l. do Ten. Cel. Antonio Jose de Carvalho e de D. Francisca Rosa de Carvalho, nat/bat na freg, da Candelaria desta cidade; como tudo constou da provisão do M. R. Dr. Juiz dos Casamentos Jose Caetano Ferreira de Aguiar. Foram dispensados do impedimento de 2º grau igual de consanguinidade na linha transversa. Testemunhas o Ten. Cel. Antonio Jose de Carvalho e Jose Antonio de Carvalho.

          Francisca Rosa faleceu em 09-09-1831, e Comendador José em 12-02-1846.

Rio de Janeiro, RJ - Santissimo Sacramento aos 09-09-1831 nesta freguesia do Sacramento da Sé, e Primeira Travessa de Sam Joaquim faleceu D. Francisca Rosa de Araujo Carvalho, casada com o Comendador Jose Botelho de Siqueira Mattos Araujo. Foi sepultada na Igreja dos Religiosos de Santo Antonio.

 

Rio de Janeiro, RJ - Santissimo Sacramento aos 12-02-1846 nesta freguesia do Sacramento a rua do Regente faleceu o Comendador Jose Botelho de Siqueira Mattos Araujo, de idade de 60 anos, natural desta Corte, livre, viuvo, de apoplexia e foi sepultado na Ordem Terceira de S. Francisco de Paula.

 

Foram filhos do casal:

2-3-1 Maria, batizada em 20-09-1823. Não é citada no testamento do tio Inácio.

Rio de Janeiro, RJ - Santissimo Sacramento aos 20-09-1823 nesta freguesia do Sacramento bat a Maria, f.l. de Jose Botelho de Siqueira Mattos Araujo e de D. Francisca Rosa de Carvalho Araujo, naturais desta Corte; foi padrinho o Cel. Antonio Jose de Carvalho, e Protetora Santa Ana.

2-3-2 Francisca em 17-08-1824. Também não é citada no testamento do tio.

Rio de Janeiro, RJ - Santissimo Sacramento aos 17-08-1824 nesta freguesia do Sacramento da Sé batizei a Francisca, f.l. de Jose Botelho de Siqueira Mattos Araujo e de D. Francisca Rosa de Carvalho Araujo, naturais desta Corte; foi padrinho o Coronel Antonio Jose de Carvalho e Protetora N. Senhora; nasceu a dois deste mes.

2-3-3 Mariana Siqueira Botelho de Araújo Carvalho, natural de Inhauma-RJ. Na Igreja da Candelaria em 26-06-1845 casou com Antonio Nicolau Tolentino, natural de S. Gonçalo-RJ, filho de Francisco Jose Tolentino e de Ana Maria do Amor Divino.

Rio de Janeiro, RJ - Candelaria aos 26-06-1845 no oratorio da casa de residencia do Conselheiro e Senador do Imperio Caetano Maria Lopes da Gama, com provisão e sem impedimento algum, na presença das testemunhas o Exmo. Ministro da Fazenda Manoel Alves Branco e o Exmo Senador Caetano Maria Lopes Gama se receberam em matrimonio Antonio Nicolao Tolentino, f.l. de Francisco Jose Tolentino e de D. Ana Maria Tolentino, nat/bat na freguesia de São Gonçalo deste Bispado = Com D. Mariana Botelho de Araujo Carvalho, f.l. de Jose Botelho de Siqueira Mattos e Araujo e de D. Francisca Rosa de Araujo Carvalho, nat/bat na freguesia de Inhauma deste Bispado.

         Conselheiro Antonio Nicolau Tolentino testou no Rio de Janeiro em 30-10-1884 e faleceu em 03-06-1888. Declarou os dois filhos legítimos e duas filhas naturais reconhecidas. Testamentaria, neste site, em “outros locais”.

In- Adelaide Tolentino, nasceu em 16-09-1837 e foi batizada em 14-05-1840, filha natural de Marcelina Alexandrina de Menezes, solteira.

Rio de Janeiro, RJ Igreja Santíssimo Sacramento aos 14-05-1840 nesta freguesia do Sacramento da Sé bat. Adelaide, filha natural de D. Marcelina Alexandrina de Menezes, solteira, natural do Rio de Janeiro; foi padrinho Manoel de Azevedo marques e Protetora Nossa Senhora. Nasceu a 16 de setembro do ano de 1837; e nesta mesma ocasião apareceu perante mim e as testemunhas abaixo assinadas Antonio Nicolau Tolentino, solteiro, natural do Rio de Janeiro, e disse que a inocente Adelaide, filha natural de D. Marcelina Alexandrina de Menezes, era sua filha, e como tal a tinha e por tal a reconhecia de cujo reconhecimento para maior firmeza e validade deste termo assinou comigo e as testemunhas que foram, além do padrinho, Custodio Mancio dos Santos, e Luiz Antonio Ferreira de Menezes.

          Casou com Dr. José Antonio de Araujo Filgueiras. Faleceu em 23-10-1861 e deixou quatro filhos de seu casal que a representaram no inventário paterno.

In-1 José Tolentino de Araujo Filgueiras.

In-2 Silveria Tolentino de Araujo casou com Dr. Luiz Duarte Pereira.

In-3 Augusto.

In-4 Paulo.

IIn- Josefina Tolentina, nasceu em 11-05-1839 e foi batizada em 20-06-1845, irmã inteira de Adelaide supra citada. Casou com Dr. José Antonio de Araujo Filgueiras, viúvo de sua irmã Adelaide.

Rio de Janeiro, RJ Igreja N. Sra da Candelaria aos 20-06-1845 nesta freguesia da Candelaria bat a JOSEFINA, nascida a onze de maio de 1839, filha natural de Antonio Nicolau Tolentino e de Marcelina Alexandrina de Menezes, ambos deste Bispado; foram padrinhos o Exmo Viador Jose Joaquim de Lima e Silva Sobrinho, e D. Bemvinda Amelia de Souza Soares.

 

         Mariana, faleceu em 20-08-1901 com 76 anos declarados.

Rio de Janeiro, RJ 3ª Circunscrição. Cartório de Registro Civil da 3ª Circunscrição Judiciária do Rio de Janeiro-RJ livro de óbitos nº 25 registro nº 532. Aos 20-08-1901 declarante Eduardo Wynne, morador à Travessa da Torre nº 8. Hoje, na mesma casa, as cinco horas da manhã faleceu de cachexia senil Mariana Botelho de Carvalho Tolentino, natural do Rio de Janeiro, de 76 anos de idade, viúva do Conselheiro Antonio Nicolau Tolentino, deixando um filho, sem testamento e vai ser sepultada no Cemiterio de São João Batista.

 

2-3-3-1 Antonio Nicolau Tolentino Jr. batizado em 23-12-1846. Recebeu sua legítima paterna em 04-02-1889.

Rio de Janeiro, RJ Igreja N. Sra da Candelaria aos 23-12-1846 nas casas de residencia de Antonio Nicolau Tolentino, em oratorio só para esse fim preparado, bat. a Antonio nascido a dois de Julho do corrente ano, f.l. de Antonio Nicolau Tolentino, natural e batizado na freguesia de S. Gonçalo deste bispado, e de D. Mariana Botelho de Carvalho, natural e batizada na freguesia do Sacramento desta Corte, neto paterno de Francisco Jose Tolentino e de D. Ana Maria do Amor Divino, e neto materno de José Botelho de Siqueira Mattos e Araujo e de D. Francisca Rosa de Carvalho Araujo, todos deste bispado; foram padrinhos o Senador Manoel Alves Branco e D. Joana Carneiro Alves Branco.

2-3-3-2 José nascido em 08-04-1851 e batizado aos 08-08-1852:

Rio de Janeiro, RJ Igreja S. João Batista da Lagoa - aos 08-08-1852 bat. a Jose nascido aos 08-04-1851, f.l. de Antonio Nicolau Tolentino e D. Mariana Botelho de Carvalho Tolentino, npaterno de Francisco Jose Tolentino e D. Ana Maria do Amor Divino, e neto materno do Comendador Jose Botelho de Siqueira Mattos e Araujo e de D. Francisca Rosa de Carvalho Araujo; foram padrinhos o Exmo. Conselheiro de Estado Senador do Imperio Manoel Alvares Branco e sua esposa D. Joana Carneiro Alvares Branco.

          Dr. José de Carvalho Tolentino, médico, faleceu em Barbacena-MG em 05-09-1898 com 46 anos declarados. Era casado com Laura Carneiro de Mendonça, filha de Joaquim Carneiro de Mendonça e Maria Augusta Rodrigues Loures - família “Amaro de Mendonça Coelho” Cap. 11º, neste site.

C.R.C. de Barbacena-MG 2º Subdistrito, Livro C-03 fls. 081 e verso, termo 156. Aos 05-09-1898 nesta cidade de Barbacena-MG. Declarante Joaquim Claro. Faleceu home á meia hora depois da meia noite, vitima de uma hemorragia cerebral o Sr. Dr. José de Carvalho Tolentino, medico de 46 anos de idade, casado com D. Laura Carneiro de Mendonça Tolentino, natural da Capital Federal onde reside, e f.l. do Conselheiro Antonio Nicolau Tolentino, falecido e de D. Mariana Botelho de Carvalho Tolentino residente em Cataguazes.

Pais de, e.o.:

2-3-3-1-1 Maria Clara de Carvalho Tolentino, nasceu aos 09-11-1878 e foi batizada aos 03-03-1879 na Igreja Nossa Senhora da Glória da cidade do Rio de Janeiro.

Rio de Janeiro, RJ Igreja N. Sra da Gloria - "Maria. Aos três dias do mês de Março de mil oitocentos e setenta e nove, nesta igreja Matriz de Nossa Senhora da Glória, solenemente baptizei a inocente Maria, nascida nesta freguesia no dia nove de Novembro do ano próximo findo, filha legítima do Doutor José de Carvalho Tolentino e de Dona Laura Carneiro de Mendonça Tolentino, fluminenses. Foram padrinhos o Coronel Joaquim Carneiro de Mendonça e Dona Maria Augusta Carneiro de Mendonça, avós maternos da inocente. De que fiz este assentamento, que assigno. O Vigário, Cônego Manoel da Costa Mourato."

          Em 14-12-1899, casou com Miguel da Silva Pereira, com 28 anos tamb em natural da cidade do Rio de Janeiro, filho de Virgilio da Silva Pereira, natural de São Paulo e de Purcina de Magalhães Pereira, natural do Rio de Janeiro.

Rio de Janeiro, RJ 8ª Circunscrição aos 14-12-1899 nesta cidade do Rio de Janeiro receberam em matrimônio Miguel da Silva Pereira e Maria Clara de Carvalho Tolentino, ambos solteiros, naturais desta capital. ele de 28 anos, medico, f.l. de Virgilio da Silva Pereira e de Purcina de Magalhães Pereira, esta natural do estado do Rio de Janeiro e aquele do de São Paulo, ambos residentes nesta capital; ela de 21 anos, f.l. de Jose de Carvalho Tolentino e Laura Carneiro de Mendonça Tolentino, esta natural do estado do Rio de Janeiro residente nesta capital, e aquele que faleceu no estado de Minas Gerais; Pelos contraentes foi simultaneamente dito que se casavam com escritura de separação de bens. Testemunhas (aa) Francisco Fajardo (36 anos, médico) e Francisco de Castro, 41 anos, médico.

2-3-3-1-2 João Paulo de Carvalho Tolentino, nasceu aos 06-05-1882 e foi batizado em 15-08-1883.

Rio de Janeiro, RJ Igreja N. Sra da Gloria - "João. Aos quinze dias do mês de Agosto de mil oitocentos e oitenta e três, nesta igreja Matriz de Nossa Senhora da Glória, solenemente baptizei o inocente João, nascido no dia seis de Maio do ano próximo findo, filho legítimo do Doutor José de Carvalho Tolentino e de Dona Laura Carneiro de Mendonça Tolentino, fluminenses. Foram padrinhos Joaquim Carneiro de Mendonça Junior e Dona Mariana Botelho de Carvalho Tolentino. De que fiz este assentamento. O Vigário, Cônego Manoel da Costa Mourato."

          Em 26-08-1911, casou com Honorina Guimarães, com 22 anos, filha de José Correa Guimarães e Carlota da Silva Serpa.

Livro de casamentos do Registro Civil da 5ª Circunscrição do Registro Civil das Pessoas Naturais do Rio de Janeiro-RJ, novembro de 1910 a setembro de 1911, volume nº 14, termo nº 230, fls. 178 verso,.

Aos 26-08-1911 nesta cidade do Rio de Janeiro João Paulo de Carvalho Tolentino e Honorina Guimarães, ambos solteiros e naturais desta capital nascidos respectivamente a rua Marques de São Vicente nº 135 e 432; ele f.l. do Dr. Jose de Carvalho Tolentino e D. Laura Carneiro de Mendonça Tolentino com 29 anos, empregado no comercio; ela f.l. Jose Correa Guimarães e D. Carlota da Silva Guimarães, com 22 anos.

 

Ascendência de

HONORINA GUIMARÃES

(atualizado em 23-outubro-2016)

 

          João Paulo faleceu em Barbacena-MG em 16-05-1932 e Honorina em Niterói aos 12-09-1981:

C.R.C. Barbacena, MG Distrito de Bias Fortes Lv. 2ªfls. 63v e 64  nº 212 de registro de óbitos foi lançado o assento de João Paulo Carvalho Tolentino, falecido aos 16-05-1932 nesta povoação, com 49 anos, casado, f.l. do Dr. Jose Carvalho Tolentino, já falecido e de D. Laura Mendonça Tolentino, já falecida.

Foi declarante Octavio Rodrigues de Paula; causa da morte insuficientica hepatica. Sepultmaneto no cemitério de Barbacena. Faleceu sem testamento. Foi casado com D. Honorina Guimarães Tolentino deixando filhos: Jose, Heitor, Helena e Bruno Tolentino.

 

C.R.C. Niteroi, RJ - Icarai obitos 1981-1982 im 41 aos 14-09-1981 nesta cidade de Nitero. Declarante Jose de Castro Souza.

Em consequencia de parada cardíaca e caquexia oncologica, neoplasia renal, no dia 12 de setembro do corrente as 24 horas em Rua Francisco Dutra nº 138 nesta cidade faleceu Honorina Guimarães Tolentino, natural do Rio de Janeiro, viúva de João Paulo de Carvalho Tolentino, havendo do casal 3 filhos Maiores.

Com 91 anos de idade, filha de Jose Correa Guimarães e Carlota da Silva Guimarães.

 

2-3-4 Maria de Carvalho batizada em 14-11-1828. Co-herdeira do tio Inácio.

Rio de Janeiro, RJ - Santissimo Sacramento aos 14-11-1828 nesta freguesia do Sacramento da Sé batizei a Maria, f.l. de Jose Botelho de Siqueira Mattos Araujo, natural e bat. nesta freguesia  e de D. Francisca Rosa de Carvalho Araujo n/b nesta mesma freguesia; nasceu em 22 de agosto deste corrente ano e foi padrinho o Excmo. Lucio Soares Teixeira de Gouveia e Protetora Nossa Senhora da Conceição.

         Maria Botelho de Araujo Carvalho aos 07-01-1843 casou com Francisco Alves de Souza Guimarães, filho de João Alves de Souza Guimarães e Lauriana de Souza Lopes.

Rio de Janeiro, RJ Igreja N. Sra da Candelaria aos 07-01-1843 na capela de S. Cristovão em presença das testemunhas o Comendador Jose Botelho de Siqueira Mattos Araujo, e João Alves de Souza Guimarães se receberam em matrimônio Francisco Alves de Souza Guimarães, f.l. de João Alves de Souza Guimarães e de D. Lauriana de Souza Lopes, nat/bat nesta freguesia = Com D. Maria Botelho de Araujo Carvalho, f.l. do Comendador Jose Botelho de Siqueira Mattos e Araujo e D. Francisca Rosa de Carvalho Araujo, nat/bat na freguesia do Sacramento desta cidade.

2-3-5 Antonio Botelho, batizado em 28-11-1833. Co-herdeiro do tio Inácio.

Rio de Janeiro, RJ - Santissimo Sacramento aos 28-11-1833 nesta freguesia do Sacramento da Sé bat a Antonio, f.l. do Comendador Jose Botelho de Siqueira Mattos Araujo, n/b na freguesia da Sé desta Corte, e de D,. Francisca Rosa de Carvalho Araujo, n/b na freguesia da Candelaria desta Corte; neto paterno de Ignacio Botelho de Siqueira e de D. Mariana Bernarda de ARaujo, e pela materna de Antonio Jose de Carvalho e de D. Francisca Rosa de Araujo Carvalho; foi padrinho o Desembargador Antonio Paulino Limpo de Abreu e Protetora Nossa Senhora; nasceu em 20 de julho do ano proximo passado.

2-3-6 José Botelho, também co-herdeiro do tio Inácio. José Botelho de Araujo Carvalho aos 01-12-1854 casou com Maria Airosa, filha de Manoel Antonio Airosa e Ana Joaquina do Nascimento. Com geração.

Rio de Janeiro, RJ Igreja N. Sra da Candelaria aos 01-12-1854 nas Laranjeiras em casa de residencia do Comendador Manoel Antonio Airosa em presença das testemunhas o Comendador João Martins Lourenço Vianna e Antonio Jose Domingues Ferreira, sem imepdimento algum, se receberam em matrimônio Jose Botelho d’Araujo Carvalho, f.l. de Jose Botelho de Siqueira Mattos e Araujo e D. Francisca Rosa de Carvalho, nat/bat na freguesia do Sacramento desta Corte e residente na de Santa Ana da mesma = Com D. Maria Airosa, f.l. Manoel Antonio Airosa e D. Ana Joaquina do Nascimento Airosa, nat/bat na mesma freguesia do Sacramento e moradora nesta freguesia.

 

_____________________________________________________________________________

 

Ascendência do

Tenente Antonio José de Carvalho

Ahnentafel

 

 

Coronel Antonio José de Carvalho nasceu e foi batizado na freguesia da Sé da cidade do Rio de Janeiro, filho de José da Cruz de Carvalho e de Teresa de Jesus.

Além da geração legitima, citada nesta família, teve mais o filho natural (ou adulterino) citado no inventário e partilhas (neste site) de sua mulher Francisca Rosa de Carvalho.

 

1n José Antonio Carlos de Carvalho.

 

 

PAIS

2- José da Cruz de Carvalho, natural da freguesia de Santa Engracia da cidade de Lisboa. Na igreja da Candelária do Rio de Janeiro aos 28-08-1745 casou com:

Rio de Janeiro, RJ - Candelaria aos 28-08-1745 nesta paroquial se receberam Jose da Cruz de Carvalho, nat/]bat na freguesia de Santa Ingracia da cidade de Lisboa, f.l. de Antonio de Carvalho e de Teodora Maria = Com D. Teresa de Jesus, nat/bat na freguesia de S. Gonçalo da parte de cima termo desta cidade, f.l. de Manoel de Castilho Rodrigues(sic) e de s/m D. Joana de Campos; morador o contraente na Ilha do Doutor Antonio Telles pertencente a esta freguesia como tudo constou da provisão do Muito Reverendo Juiz de Casamentos Dr. Henrique Moreira de Carvalho, e por me não constar impedimento algum canonico. Testemunhas Cap. João de Siqueira e Figueiredo e Antonio Rodrigues de Moura.

3- Teresa de Jesus, natural da freguesia de S. Gonçalo, com 9 anos em 1731.

Alem de Antonio José de Carvalho, José e Teresa tiveram a filha:

2-2 Maria, batizada na Candelaria em 06-11-1747.

Rio de Janeiro, RJ Igreja N. Sra da Candelaria aos 06-11-1747 nesta paroquial bat a Maria, f.l. de Jose da Cruz de Carvalho, que vive de pescar, natural de Lisboa freguesia de Santa Engracia e de s/m Teresa de Jesus natural da freguesia de São Gonçalo da parte de cima e moradores nesta na ilha do Dr. Antonio Telles; neta paterna de Antonio Carvalho e de s/m Teodosia Maria ambos de Lisboa; e pela materna de Manoel de Castilho Goes e de s/m D. Joana de Campos ambos deste Bispado. Foram padrinhos Ignacio de Castilho Goes e D. Joana de Campos avo da batizada - nasceu aos 26 do passado.

 

AVÓS

4 e 5 Antonio de Carvalho e Teodora (ou Teodosia) Maria, naturais de Lisboa.

 

6- Manoel de Castilho Góes, natural da freguesia de Nossa Senhora do Itambi do Rio de Janeiro. Em 1724 já estava casado com Joana de Campos.

Banco de Dados da Estrutura Fundiária do Recôncavo da Guanabara (1635-1770), Mauricio Abreu

Escritura arquivada no Arquivo Nacional

Tipo de escritura: Terra

Data: 16/09/1724

Descrição: Escritura de venda da metade de um engenho que faz Mariana de Bulhões, viúva de João de Castilho Góis, e seus filhos Manoel de Castilho Góis e sua mulher Dona Joana de Campos e o Ajudante José de Matos, por cabeça de sua mulher Bárbara de Castilho, filha do dito defunto, assim como o Reverendo Padre Miguel de Castilho Góis e Rosa de Castilho, filhos da dita vendedora, a Manoel Soares Gomes, genro da dita vendedora - sito em Itauna, que lhes ficou por morte de seu marido, pai e sogro, que o havia arrematado na praça do Juízo do Fisco Real por vinte e cinco mil e tantos cruzados, assumindo o comprador as condições e pagamentos ainda por fazer, conforme a escritura de arrematação.

Preço: 17.000,00 cruzados

Código: AN, 4ON, 9, p. 47v

          Faleceu aos 16-06-1735 com testamento. Declarou cinco filhos vivos e um por nascer:

Rio de Janeiro, RJ - Candelaria - Manoel de Castilho Goes - aos 16-06-1735 faleceu nesta freguesia Manoel de Castilho Goes, natural desta cidade e casado com D. Joana de Campos. Foi seu corpo depositado na Igreja do Convento de N. S. do Carmo. Fez seu testamento e nele dispos na forma seguinte = Declarou que sou natural e batizado na freguesia de N. S. do Desterro de Itambi deste bispado, f.l. de João de Castilho Goes e de Mariana de Bulhões, ambos já defuntos, e sou casado com D. Joana de Campos de cujo matrimonio temos tido oito filhos a saber morto tres e vivos cinco a saber: Ignacio de onze anos; Theresa de nove anos; João de sete anos para oito; Francisco de seis para sete; Maria de cinco para seis; e um fruto que minha mulher traz no ventre, que todos são meus herdeiros forçados e por tais os nomeio e instituo naquilo que direito lhes tocar de meus bens.

Testamenteiros em 1º lugar a m/mulher D. Joana de Campos, em 2º a meu compadre o Reverendo Padre M.el Frz de Azevedo, em 3º a meu cunhado Braz da Costa Frr.ª.

Determinações do Funeral, encomendações pias, relaciona bens, devedores.

Declaro que tenho contas com meu cunhado Manoel Soares, que não sei a soma. Declaro se me devem as dividas seguintes a saber (entre elas): Sebastião de Siqueira vinte e cinco mil rs como consta de um termo de obrigação em casa do escrivão Jacinto Pereira e minha sogra Angela da Costa me deve outros vinte e cinco mil rs, como tambem consta de um termo no dito cartório; meu cunhado o Cap. Luiz da Costa me deve doze mil rs de um cavalo que lhe vendi; tenho contas com meu cunhado Manoel Soares; devo ao Juizo dos Órfãos, aos herdeiros de Antonio Pinheiro 73$500 rs e seus juros; a minha comadre Ana de Proença 1$280 rs. Tenho contas com Manoel da Costa Passos que de todas elas sabe meu cunhado Bras da Costa Ferreira. Declaro que assinei termo de depositário da Fazenda de Manoel Frz Homem (...). Roguei a Francisco da Rocha Monteiro que este por mim fizesse - Rio de Janeiro ut supra

 

7- Joana de Campos, natural de S. Gonçalo.

 

Foram filhos de Manoel e Joana, idades no testamento (cerca de 1731):

6-1 Inácio, com 11 anos.

6-2 Teresa, nove anos

6-3 João, sete anos.

6-4 Francisco seis para sete anos.

6-5 Maria, cinco para seis anos.

6-6 um por nascer. Bartolomeu batizado em 18-10-1731.

Rio de Janeiro, RJ - Candelaria aos 18-10-1731 nesta paroquial igreja bat a Bartholomeu, f.l. de Manoel de Castilho Goes natural da freguesia de Tamby e de s/m D. Joana de Campos natural e moradores na freguesia de S. Gonçalo da parte de Cima; foram padrinhos Silvestre Duarte e Maria de Siqueira, viuva.

 

BISAVOS

 

 

 

 

12 e 13 João de Castilho Góes, natural do Rio de Janeiro onde faleceu com testamento em 10-08-1721. Foi casado com Mariana de Bulhões, também natural do Rio de Janeiro e aí falecida com testamento em 29-04-1726. Geração na família “Felipa de Bulhões” neste site.

 

14- André de Siqueira Lordelo casou com Angela da Costa.

Banco de Dados da Estrutura Fundiária do Recôncavo da Guanabara (1635-1770)- por Mauricio de Abreu

Tipo de escritura: Chão

Data: 01/07/1719

Descrição: Escritura de venda de uma morada de casas que fazem André de Siqueira Lordelo e sua mulher Ângela da Costa a José de Souza Barros - térrea, de taipa de pilão, sita na travessa da Cadeia, indo para o campo, partindo de uma banda com casas de Domingos Guimarães e da outra com casas de Felipe dos Santos, livre de foro, comprada ao Padre Gregório da Costa e seus irmãos [3º Ofício].

Preço: 2.000,00 cruzados

Código: AN, 2ON, 28

 

15- Ângela da Costa (segundo PFRJ vol. 2º, 505) filha de Belchior Rodrigues Ribeiro e Antonia da Costa

 

 

 

TRISAVOS

 

24 e 25 Manoel Dias Góes e Eufrasia de Fontes.

 

26 e 27 Sebastião Serrão Freire e Felipa de Bulhões, tronco da família “Felipa de Bulhões” neste site.

 

28- Andre de Siqueira Lordelo faleceu em 09-10-1678. Deixou por testamenteiros seu filho Alf. Salvador de Siqueira e a sua mulher Magdalena de Campos. Deixou legado, na cidade do Porto, ao sobrinho Blas de Siqueira.

Rio de Janeiro, RJ - Candelaria - aos 09-10-1678 faleceu André Siqueira Lordelo; deixou por seus testamenteiros a seu filho Alf. Salvador de Siqueira e a sua mulher Magdalena de Campos. Deixou a sua filha Magdalena o remanescente da sua terça para quando casasse. Deixou, pelo amor de Deus, a seu sobrinho Blas(?) de Siqueira um campo que disse que tinha na cidade do Porto por nome Cardoso. Deixou por esmola a seu filho fr. Bento da cidade de frade de S. Francisco 20$000 para seus livros.

 

29- Madalena de Campos, batizada em 25-08-1624 no Santíssimo Sacramento, faleceu em 17-12-1680.

Rio de Janeiro, RJ -Santíssimo Sacramento aos 25-08-1624 bat a Madalena, f. de Bento Maciel e de s/m Catherina de Aguiar; foram padrinhos Manoel da Silva e Isabel Maciel mulher de Miguel Lopes.

 

Rio de Janeiro, RJ - Candelaria aos 17-12-1680 faleceu Magdalena de Campos. Deixou por seus testamenteiros a seu genro Rodrigo Dias de Figueiredo e a seu filho Andre de Siqueira.

Entre os filhos de André e Madalena:

28-1 Alferes Salvador de Siqueira, testamenteiro paterno.

28-2 André de Siqueira, testamenteiro materno.

28-3 Catarina de Siqueira foi casada primeira vez com Capitão Baltazar Vieira, com geração de três filhos. Segunda vez foi casada com Rodrigo Dias de Figueiredo, testamenteiro da sogra, sem geração. Catarina faleceu em 23-12-1687:

Rio de Janeiro, RJ - Candelaria aos 23-12-1687 faleceu D. Catarina de Siqueira e deixou por seus testamenteiros a seu marido Rodrigo Dias de Figueiredo e a Vicente Joseph Antunes; ordenou fosse seu corpo sepultado na capela dos Terceiros da Sra do Carmo. Declarou era natural desta cidade, casada com Rodrigo Dias de Figueiredo de segundo matrimonio, do qual não tinha filhos a [danificado] Capitão Baltazar Vieira tinha vivos tres filhos que eram seus legitimos herdeiros.

 

 

4º AVOS

 

 

58- Bento Maciel Tourinho aos 25-01-1621 casou na Igreja do Santíssimo Sacramento com Catarina de Aguiar.

Rio de Janeiro, RJ -Santíssimo Sacramento aos 25-01-1621 se receberam Bento Maciel Tourinho, f. de P.º de Campos Tourinho e de s/m Margarida Furtada aqui moradores = Com Catarina de Aguiar, f. de Domingos de Aguiar e de s/m Philipa Roiz, ja defunta, todos aqui moradores.

          Aparentemente, Bento já era falecido em 22-05-1652 quando Catarina vende terras:

Banco de Dados da Estrutura Fundiária do Recôncavo da Guanabara (1635-1770) - por Mauricio Abreu:

Tipo de escritura:Terra. Data:22/05/1652.

Descrição:Escritura de venda da metade de um engenho que fazem Catarina de Aguiar [ao que parece, já viúva de Bento Maciel Tourinho] e seu genro Bernardo Vieira de Araújo a André de Siqueira Lordelo, também genro de Catarina - Dizem Catarina e Bernardo que eles possuíam um engenho de fazer açúcar, de invocação Nossa Senhora da Piedade, sito no rio de Inhomirim, que houveram de compra de Vasco de Távora, o qual houve seu marido e sogro Bento Maciel Tourinho. Preço: 1:080$000, pagos através de uma dívida que os vendedores tinham com o comprador [que era neto de Catarina].

Preço:1:080$000

Código:AN, 1ON, 39, p. 179v.

Observações:Preço: 1:080$000, pagos através de uma dívida que os vendedores tinham com o comprador [que era neto de Catarina]

 

 

59- Catarina de Aguiar faleceu em 11-01-1671.

Rio de Janeiro, RJ - Candelaria - aos 11-01-1671 faleceu Catarina de Aguiar deixando por seus testamenteiros a seu genro Francisco Bernardes Pereira e a sua filha Angela Tourinha. (...) são herdeiras forçadas suas duas filhas, uma casada com Andre de Siqueira Lordello e outra com Francisco Bernardes Pereira.

Bento e Catarina tiveram nove filhos, um na dúvida, descritos em PFRJ vol. 2º, 498.

 

 

 

 

5º AVOS

 

116 e 117 Pero de Campos Tourinho e Margarida Furtada, moradores na cidade do Rio de Janeiro em 1621.

Banco de Dados da Estrutura Fundiária do Recôncavo da Guanabara (1635-1770) - por Mauricio Abreu:

Tipo de escritura:Terra. Data:09/01/1598.

Descrição: Escritura de venda de terras que faz Aleixo da Costa a Manoel dos Rios - com 200 braças de testada e "mil duzentas e tantas de sertão", sitas no Rio Soroy, herdadas da legítima de sua mãe Felipa de Andrade. As terras eram parte da sesmaria de 1.000 braças de largo e 1.500 de sertão que seu pai Manoel da Costa, o velho, havia recebido em 19/11/1567. Informa-se que as terras ficavam nas cabeceiras das de Aires Fernandes, no rio de Iriri. Preço: 7$000. (Escritura do 1° Ofício). Em 15/4/1615, o mesmo Aleixo da Costa e sua mulher Susana Rodrigues vendem 800 braças de testada com uma légua de sertão, a Manoel dos Rios. Diz-se que ficavam "onde chamam Magé, no rio de Iriri, nas cabeceiras das terras que foram de Aires Fernandes, herdadas por falecimento de seu pai e mãe". Preço: 20$000 (Escritura do 1° Ofício).

Em 9/12/1621 há um "Registro de uma escritura de venda de terras que fazem Pero de Campos Tourinho e sua mulher Margarida Furtada a Manoel dos Rios" - Trata-se de um pedaço de terra que Nicolau Baldim tinha das terras de 1 légua em quadra que Manoel da Costa recebera em Suruí. Ficavam (ao que parece) nas cabeceiras das terras que eram dos Padres do Carmo (e antes de Aires Fernandes). Nicolau Baldim herdara essa terra por parte de sua primeira mulher, Felipa de Andrade, filha do dito Manoel da Costa, de quem ficara viúvo. Casando segunda vez com Ana de Góis, que também faleceu sem filhos, metade das terras originalmente de Felipa de Andrade, couberam aos pais de Ana de Góis, os ditos Pero de Campos Tourinho e Margarida Furtada. É essa parte que foi então vendida por esta escritura, por preço de 8$000. Estas terras passarão depois ao Convento do Carmo.

Preço:8$000.

Código:AGCRJ, Códice 2-4-9, p. 26

 

Banco de Dados da Estrutura Fundiária do Recôncavo da Guanabara (1635-1770) - por Mauricio Abreu:

Tipo de escritura:Terra. Data:04/04/1626.

Descrição:Escritura de venda de terras que fazem Miguel Gomes Bravo e sua mulher Isabel Pedrosa [de Gouveia] aos reverendos padres do Carmo - sitas "no distrito de Magé, em Iriri", místicas com as terras que os reverendos padres do Carmo haviam herdado de Aires Fernandes e de sua mulher Maria de Sá. Vendem também 237,5 braças "que se acabam no rio de Iriri", com sertão de 2.000 braças, que Luiz de Madureira herdara de sua mulher Maria de Sá e as vendera a Manoel (sic). Vendem também outra sorte de terras nas cabeceiras das terras que possuem os reverendos padres do Carmo, que ficaram de Aires Fernandes e sua mulher Maria de Sá, que são 800 braças de testada e 1 légua de sertão, que consta de uma escritura que Manoel dos Rios comprou a Aleixo da Costa [herdeiro de Manoel da Costa], e assim mais pelas mesmas cabeceiras outras 200 braças de testada com o próprio sertão de 800 braças, entendendo-se esta testada na data que eles vendedores possuíam, que foi de Luiz de Madureira. E vendem outra sorte de terras nas mesmas confrontações, que Pero de Campos Tourinho vendeu a Manoel dos Rios, a qual herdara de Nicolau Baldim. Área total das terras aqui vendidas: 237,5 braças de testada e 5.000 de sertão.

Preço:320$000.

Código:AGCRJ, Códice 2-4-9, p. 76.

Observações:Há informação de outra data para esta escritura: 26/8/1626.

 

Pero e Margarida tiveram, além de Bento Maciel Tourinho, a filha q.d.:

116-1 Ana de Góes segunda mulher de Nicolau Baldim. Este foi primeira vez casado com Felipa de Andrade.

 

 

118 e 119 Domingos de Aguiar e Felipa Rodrigues, moradores que foram na cidade do Rio de Janeiro. Felipa já era falecida em 25-01-1621.

 

____________________________________________________________________________________

 

Ascendência de

Honorina Guimarães

(atualizado em 23-outubro-2016)

 

 

Honorina nasceu em 14-12-1888 e batizada na Igreja Nossa Senhora da Conceição da cidade do Rio de Janeiro em 16-06-1889.

Rio de Janeiro, RJ Igreja N. Sra da Conceição aos 16-06-1889 nesta matriz de N. Sra da Conceição da Gavea bat a HONORINA, nascida a 14 de Dezembro do ano passado, f.l. de Jose Correa Guimarães, portugues, e de Carlota da Silva Guimarães, brasileira. Padrinhos Antonio Dias Ferreira Junior e Maria Amalia Mendes Ferreira.

 

PAIS

 

2- José Corrêa Guimarães nasceu aos 3 e foi batizado aos 09-05-1858 na paróquia de S. Sebastião da cidade de Guimarães-PT.

Arquivo Municipal Alfredo Pimenta, de Guimarães-PT; Paroquia de S. Sebastião batismos Jose, f.l. de Albino Guilherme e de Josefa Rosa, moradores na rua das Pertas (sic) desta freguesia de S. Sebastião da cidade de Guimarães, neto paterno de avós incognitos e materno de Antonio Martins e Maria Rosa da freguesia de Matamá deste Concelho; nasceu aos tres dias do mes de maio do ano de 1858 e foi batizado no dia nove. Foram padrinhos Jose Correia da freguesia de Santo Tirso de Prazins e Joana Rosa, tia materna do batizado da freguesia de Matamá.

          No Rio de Janeiro aos 28-05-1881 casou com Carlota da Silva Serpa. Faleceu no Rio de Janeiro aos 24-12-1948.

Rio de Janeiro, RJ Igreja N. Sra da Gloria aos 28-05-1881 nesta igreja matriz e testemunhas Jose Constantino da Silva e Anselmo Antonio Gomes se receberam em matrimônio Jose Correa Guimarães, f. de Albino Guilherme e de Josepha Rosa, n/b na freguesia de S. Sebastião da cidade de Guimarães no Arc. de Braga = Com Carlota da Silva Serpa, f.l. de Jose Coelho de Serpa Junior e de Maria Jose da Silva, n/b na freguesia de S. João Batista de Niteroi. Os contraentes moradores nesta freguesia de N. Sra da Gloria.

 

Rio de Janeiro, RJ 5ª Circunscrição aos 24-12-1948 declarante Mario da Silva Ramos, 43 anos, natural desta capital. Hoje as seis horas e dez minutos em a sua residência faleceu Jose Correa Guimarães, com 90 anos, natural de Portugal, casado com Carlota da Silva Guimarães, filho de Albino Guilherme e Josepha Rosa. Causa da Morte: Caquexia - Lympho sarcoma Neoplasma da região cervical.

O finado deixa 8 filhos maiores, deixa bens e não fez testamento.

 

3- Carlota da Silva Serpa nasceu aos 15-02-1866 e foi batizada aos 26-02-1867 na Igreja S. João Batista em Niterói. Faleceu no Rio de janeiro aos 08-07-1960.

Niteroi, RJ Igreja S. João Batista aos 26-02-1867 nesta matriz bat a Carlota, branca nascida nesta freguesia no dia 15 de fevereiro do ano passado, f.l. de Jose Coelho Serpa Junior e de Maria Jose da Silva, foi padrinho Pedro Benevides e Protetora Nossa Sra das Dores.

 

Rio de Janeiro, RJ 5ª Circunscrição aos 08-07-1960 declarante Rene Antonio Macedo, brasileiro, 49 anos. No dia 8 do corrente as 5 horas na rua Marques S. Vicente 432, faleceu Carlota da Silva Guimarães, 94 anos, natural de Belem, estado do Rio de Janeiro, viuva de Jose Correa Guimarães. Causa morits: cancer hepático. Vai ser sepultado no Cemiterio S. João. Deixa seis filhos maiores, deixa bens; ignorado se fez testamento.

 

AVÓS

 

4- (Albino) Guilherme Correa, exposto da Roda de Guimarães e, criado por Josefa Maria mulher de José Ribeiro. Aos 03-03-1853 casou com Josefa Rosa.

Arquivo Municipal Alfredo Pimenta, Livro de casamentos da Freguesia de Santa Marinha da Costa, Guimarães-PT. Aos 03-03-1853 se receberam Guilherme Correia, exposto da Roda de Guimarães e, creado por Josefa Maria mulher de Jose Ribeiro, do lugar da Formiga desta freguesia de Santa Marianha da Costa = Com Josefa Rosa, f.l. de Antonio Martins e Maria Rosa, ja defuntos, do lugar de Morteiras freguesia de Matamá, moradora ha anos no lugar da Azenha desta dita freguesia. Testemunhas Antonio Carvalho, do lugar da Boavista, e Jose Soares Bahia, do lugar de Sobcosta todos desta freguesia.

 

5- Josefa Rosa (de Jesus)

 

 

6- José Coelho Serpa Junior batizado em 24-01-1841 em Porto Judeu, Açores.

Região Autónoma Açores, Porto Judeu, Angra, Ilha Terceira - bat - JOSE, f.l. de Jose Coelho de Serpa e de s/m Verissima Joaquina, recebidos nesta paroquia de Santo Antonio do Porto Judeu, onde são residentes; nasceu aos 24 dias do mes de janeiro do ano de 1841. Foi batizado no 7 de setembro do mesmo ano nesta sobredita paroquia; foram padrinhos Joaquim Coelho Serpa e Maria Maxima sua irmã, solteiros e irmãos do pai do batizado, fregueses da matriz de Santa Cruz da Vila da Praia desta ilha.

          Casou aos 10-05-1862 na freguesia de S. João Batista de Niterói, com registro na Igreja do Santíssimo Sacramento da cidade do Rio de Janeiro, com Maria José da Silva

Rio de Janeiro, RJ Igreja Santíssimo Sacramento -. Jose Coelho Serpa Junior com Maria Jose da Silva - Aos 27-05-1862 lancei o seguinte: aos 10-05-1862 na casa de residencia de Francisco Perreira de Oliveira Mangueira, em Santa Rosa, Freguesia de S. João Batista de Niteroi, pelas cinco horas e vinte minutos da tarde na presença das testemunhas Francisco Perreira de Oliveira Mangueira e Manoel Alves Vellozo se receberam em matrimônio Jose Coelho Serpa Junior, f.l. de Jose Coelho Serpa e de Verissima Joaquina, nat/bat na freguesia de Santo Antonio da Ilha Terceira = Cc. D. Maria Jose da Silva, f.l. de Constantino Jose Nunes e Maria Balbina, nat/bat na freguesia da Praia da Vitoria da Ilha Terceira, e nesta moradora.

7- Maria José da Silva, natural da freguesia da Praia da Vitória, Ilha Terceira.

Pais também de:

6-2 Jayme Coelho da Silva Serpa, com 32 anos em 18-05-1905, casou com Jovelina Maria de Magalhães, com 16 anos, filha de Cristina Maria de Magalhães.

Rio de Janeiro, RJ 5ª Circunscrição aos 18-05-1905 nesta Setima Pretoria presente as testemunhas Antonio Ferreira Feliciano e Manoel Clementino da Silva Vianna receberam-se em matrimônio Jayme Coelho da Silva Serpa e Jovelina Maria de Magalhães; ele com 32 anos natural do estado do Rio, operario, solteiro,f.l. de Jose Coelho de Serpa Junior e Maria Jose da Silva; ela com 16 anos, natural desta capital, solteira, filha de Cristina Maria de Magalhães.

 

 

BISAVÓS

 

 

 

10 e 11 Antonio Martins e Maria Rosa, já falecidos em 1853. Moradores que foram do lugar de Morteiras freguesia de Matamá.

Pais também de:

10-1 Joana Rosa, madrinha do sobrinho José em 09-05-1858.

 

 

12 e 13 José Coelho de Serpa e Verissima Joaquina, fregueses da matriz de Santa Cruz da Vila da Praia.

 

 

14 e 15 - Constantino José Nunes, aos 09-06-1836 casou com Maria Balbina do Coração de Jesus.

Região Autónoma Açores, Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira -Casamentos - aos 09-06-1836 na Ermida de São João da Casa da Ribeira se casaram Constantino Jose Nunes, f. de Francisco Nunes e de s/m Joaquina Izabel = Com Maria Balbina do Coração de Jesus, f. de Mateos Jose Cor.ª e de sua segunda mulher Francisca Balbina, já defuntos, nat/bat na sobredita matriz

 

 

TRISAVÓS

 

 

 

24- Joaquim Coelho Serpa, natural da Freguesia de Santo Antonio da Ilha do Pico, aos 02-02-1820 casou com Francisca Máxima:

Região Autónoma Açores, Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira - Casamentos - aos 02-02-1820 na Igreja Matriz de Santa Cruz, Vila da Praia se casaram Joaquim Coelho de Serpa, f. de Antonio Vieira Serpa e de s/m Maria Francisca, já defuntos, natural da Ilha do Pico e baptizado na Parochial de Sto Antonio da dita Ilha = Com Francisca Maxima, filha do falecido Fran.co Luiz e de sua mulher Perpetua Roza, nat/bat na sobredita matriz

25- Francisca Máxima, natural da Freguesia de Santa Cruz da Vila da Praia, Ilha Terceira.

Além de José Coelho Serpa, Joaquim Coelho Serpa e Francisca Maxima tiveram os filhos:

24-1 Joaquim Coelho Serpa padrinho, com sua irmã Maria Maxima, do sobrinho José 6 supra.

24-2 Maria Maxima de Souza aos 27-07-1842 casou com José Machado Borges, filho de outro e de Mariana Victorina.

Região Autónoma Açores, Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira - Casamentos - aos 27-07-1842 nesta Igreja da Misericordia desta Vila da Praia da Vitoria Ilha Terceira se receberam Jose M.do Borges, filho de outro do mesmo nome e de s/m Mariana Victorina, nat/bat o dito contraente na paroquial do Arcanjo S. Miguel do Lugar das Lages = Com Maria Maxima de Sza. f. de Joaquim Coelho de Serpa e de Francisca Maxima, nat/bat a dita contraente na Sagrada Matriz de Sta. Cruz da dita Vila da Praia da Vitoria . (aa) Jose Machado Borges e a rogo da contraente Maria Maxima de Souza, Manoel Dias de Aguiar.

 

 

 

28- Francisco Nunes Cardoso, natural da Freguesia de Santa Cruz da Vila da Praia da Ilha Terceira, aos 30-03-1801 casou com Joaquina Izabel Ignacia:

Região Autónoma Açores, Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira - Casamentos - aos 30-03-1801 na Igreja Matriz de Santa Cruz, Vila da Praia, Ilha 3ª se casaram Francisco Nunes Cardozo, f. de Joze Cardozo, já defunto e de sua mulher Maria Joaquina = Com Joaquina Izabel Ignacia, filha de Manuel da Sylveira e de sua mulher Rosa de Jesus, já defuntos, naturais e fregueses desta dita Matriz

29- Joaquina Izabel Ignacia, natural da Freguesia de Santa Cruz da mesma Vila da Praia.

 

30- Matheus José Rabello (também Vieira), natural da Freguesia de Santa Cruz da Vila da Praia, casou duas vezes.

          Primeira vez aos 16-04-1809 casou com Eugenia da Purificação, filha dos falecidos Francisco de tal e Jacinta Rosa.

Região Autónoma Açores, Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira - Casamentos - aos 16-04-1809 na Igreja Matriz de Santa Cruz, Vila da Praia se casaram Matheos Jozé Rabello, filho de Manuel Vieira Borba e de sua mulher Thomazia Marianna = Com Eugenia da Purificação filha de Francisco ....e de sua mulher Jacinta Roza, todos já defuntos, naturais da referida Matriz

 

          Aos 23-01-1814, casou segunda vez com Francisca Balbina:

Região Autónoma Açores, Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira - Casamentos - aos 23-01-1814 na Igreja Matriz de Santa Cruz, Vila da Praia se casaram Matheos Jozé, viúvo de Eugenia da Purificassão = Com Francisca Balbina, filha de Jozé Machado de Aguiar e de sua mulher Vicencia Roza, já defunta, natural e baptizada na dita Matriz de Sta. Cruz desta sobredita villa da Praya

 

31- Francisca Balbina, natural da Freguesia de Santa Cruz da Vila da Praia.

 

 

 

4º AVÓS

 

 

48 - Antonio Vieira Serpa, natural da Freguesia de São João, Lajes do Pico, Ilha do Pico, Açores, casou duas vezes.

          Primeira vez, aos 07-05-1776, casou com Josefa do Livramento, filha de Domingos Pereira João e de Marta de Oliveira.

Região Autónoma Açores, São Antonio, Roque do Pico, Ilha do Pico - Casamentos - aos 07-05-1776, de manhã nesta Paroquial de Santo Antonio do Pico feitas as diligencias...e sem descobrirem-se impedimento algum ... se casaram Antonio Vieira Serpa, filho de Manuel Ferreira Serpa e de Josepha de Santo Antonio, com Josepha do Livramento filha de Domingos Pereira João e de Marta de Oliviera.

 

          Na Freguesia de São João, Ilha do Pico, aos 24-11-1796, casou com Maria Francisca.

Região Autónoma Açores, São João, Lajes do Pico, Ilha do Pico - Casamentos - aos 24-11-1796  se casaram An.to V.ra Serpa V.° de Josefa do Livramento n.al e fregues de N. Snr.a da Piedade de Sao Roque com M.a Fran.ca V.a de M.el Silv.ra, n.al e fregues da sobre d.a P.al de S. Joao na forma do sagrado Concil° Trid.°

 

          Antonio faleceu na Freguesia de Santo Antônio, São Roque do Pico, Ilha do Pico em 1º-10-1816, com 76 anos declarados.

Região Autónoma Açores, Santo António, Roque do Pico, Ilha do Pico - Óbitos -  em o 1º-10-1816 faleceu da vida prezente Antonio Vieira Serpa, viuvo de Maria Fran.ca natural da Freg.sia de S. João desta Ilha do Pico, de idade de setenta e seis annos, pouco mais ou menos, tendo recebido os s.tos sacramentos.

 

49 - Maria Francisca casou duas vezes. Primeira vez, aos 26-07-1787, casou com Manuel Silveira Tristão, filho dos falecidos Francisco Silveira Tristão e de Bárbara de Santo Antonio.

Região Autónoma Açores, São João, Lajes do Pico, Ilha do Pico - Casamentos -  em os 26-07-1787 ... se receberam com palavras de presente Manuel Silveira Tristão filho de Francisco Silveira Tristão e de sua mulher Barbara de Santo Antonio, já defuntos, naturais desta mesma Paroquial de São João, e Maria Francisca filha de Francisco Homem ... também defunto e de sua mulher Maria Francisca naturais da Matriz da Santíssima Trindade de Lajes desta mesma Ilha do Pico.

 

          Segunda vez Maria Francisca casou com Antonio Vieira Serpa. Faleceu na Freguesia de Santo Antônio, Roque do Pico, Ilha do Pico aos 8-02-1811, com 50 anos declarados.

Região Autónoma Açores, Santo António, Roque do Pico, Ilha do Pico - Óbitos -  em os 4-2-1811 faleceu da vida prezente Maria Francisca cazada com Antonio V.ra Serpa, de idade de cincoenta anos, pouco mais ou menos, tendo recebido os sacram.tos

 

50 -Francisco Luiz de Souza, natural da freguesia de Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira, Açores, já falecido em 1820, casou duas vezes.

          Primeira vez, aos 12-01-1784, casou com Luzia Ignacia, natural da freguesia das Lajes, viúva de João Vieira Borba.

Região Autónoma Açores, Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira - Casamentos - aos 12-01-1784 nesta de Santa Cruz, Vila da Praia se casaram Francisco Luiz de Souza, f. de Antonio Luiz de Souza e de sua mulher Antonia Luiza, com D. Luzia Ignacia, viuva de João Vieira Borba, esta natural da freguesia das Lages e aquele desta sobredita Matriz.

 

            Na freguesia de Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira, aos 25-09-1796, casou com Perpetua Roza.

Região Autónoma Açores, Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira - Casamentos - em os 25-09-1796 na presença vigário desta Matriz de Santa Cruz Vila da Praia se casaram Francisco Luiz, viúvo de. Luzia Ignacia, sepultada na Igreja da Misericórtdia desta dita vila, com Perpetua Roza filha de Manuel Vieira Borba e de sua mulher Maria das Candeias, já defunta

 

51 - Perpetua Rosa, irmã de Manuel Vieira Borba citado em 60º.

 

 

 

 

56 - José Cardoso, natural da freguesia de Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira, Açores, nasceu aos 22-03-1748 e foi batizado a 01-04-1748. Já era falecido em 30-03-1801.

Região Autónoma Açores, Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira - Batismos - Joseph filho de Felipe Cardoso e de sua mulher Dorothea Antonia naturais desta Matriz de Santa Cruz da Vila da Praia e moradores no lugar da Casa da Ribeira distrito desta Vila nasceu em os 22-04-1748 e foi batizado em o primeiro dia do mês de abril do dito ano por mim João Borges Tristam cura na Ermida de São João Batista da Casa da Ribeira sufragânea desta Matriz, foram padrinhos Francisco Cardoso morador no lugar da Casa da Ribeira, e Barbara Antonia mulher de Bartholomeu Vieira morador na freguesia de Santa Catarina do lugar do Cabo da Praia, e que para que conste fiz este termo que assinei com testemunhas

 

            Aos 19-06-1776 casou com Maria Joaquina.

Região Autónoma Açores, Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira - Casamentos - em os 19-06-1776 nesta Matriz de Santa Cruz, Vila da Praia, desempedidos do impedimento de consanguinidade que lhes foi posto, se casaram solenemente Jose Cardoso, f. legítimo de Felippe Cardoso e de sua mulher Dorothea Antonia, já defunta, com Maria Joaquina, filha de Francisco Nunes de Mendonça, já defunto, e de sua mulher Francisca Antonia, natural da Paroquial de Santa Bárbara do lugar de Fonte de Bastardo

 

57 - Maria Joaquina, natural da freguesia de Fonte do Bastardo, Praia, Ilha Terceira, Açores, nasceu aos 02-12-1749 e foi batizada aos 08-12-1749.

Região Autónoma Açores, Fonte do Bastardo, Praia, Ilha Terceira - Batismos - Maria, f. de Francisco Nunes de Mendonça natural desta freguesia de Santa Bárbara de Fonte Bastardo, e de sua mulher Francisca Antonia natural da Matriz da Vila da Praia e fregueses nesta Paroquial de Santa Bárbara de Fonte Bastardo, nasceu aos 02-12-1749, foi batizada nesta Igreja de Santa Bárbara aos 08-12-1749

 

58 - Manuel Silveira Coelho, natural da freguesia de Nossa Senhora da Piedade, Lajes do Pico, Ilha do Pico, Açores, já falecido em 30-03-1801, casou duas vezes.

          Primeira vez, aos 09-02-1747, casou com Catarina Pamplona, viúva de Francisco Monteiro Machado..

Região Autónoma Açores, Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira - Casamentos - em os 09-02-1747 nesta Matriz de Santa Cruz da Vila da Praia desta Ilha 3ª se casaram solenemente Manuel Silveira f de João Silveira e Luzia Teixeira natural da Paroquial de Nossa Senhora da Piedade da Ilha do Pico, e D. Catarina Pamplona viúva de Francisco Monteiro Machado

            Na freguesia de Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira, aos 12-02-1764, casou com Rosa de Jesus.

Região Autónoma Açores, Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira - Casamentos - em os 12-02-1764 na presença de mim Francisco Mendes de Sousa cura atual desta Matriz de Santa Cruz da Vila da Praia e das testemunhas Alferes Antonio Machado Ennes e Antonio Leal Borges, filho do sargento maior Antonio Leal Borges, se casaram solenemente Manuel Silveira Coelho, viúvo de D. Catharina Pamplona, sepultada na sobredita Matriz, com Rosa de Jesus filha de Antonio Vieira e de sua mulher Francisca de Jesus, já defunta, natural da presente Matriz

 

59 - Rosa de Jesus, natural da freguesia de Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira, Açores. Já falecida em 30-03-1801.

 

60 - Manuel Vieira Borba, natural da freguesia de Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira, Açores, nasceu aos 28-11-1745 e foi batizado a 05-12-1745. Irmão de Perpetua Rosa, citada em 51ª,

Região Autónoma Açores, Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira - Batismos – Manoel filho de Manoel Vieira Borba e de sua mulher Maria das Candeias naturais desta Matriz, dela fregueses e moradores na casa da Ribeira; Nasceu em os 28-11-1745, pelas doze horas da noite do dito dia, pouco mais ou menos; foi batizado nesta dita Matriz Paroquial ..., em os cinco dias do mês

 

 

          Na freguesia de Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira, aos 06-03-1776, casou com Thomazia Mariana, dispensados do impedimento de consanguinidade de terceiro e quarto grau.

Região Autónoma Açores, Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira - Casamentos - em os 16-03-1776, sendo de manhã nesta Matriz de Santa Cruz da Vila da Praia na presença de mim Cura dela Raimundo do Rego Pamplona e das testemunhas presentes abaixo assinadas Antonio Vieira Borba e o Alferes João de Avila Nunes, homens casados e fregueses da mesma Matriz, feitas p.ro as diligências necessárias na forma do Sagrado Concílio Tridentino e Constituição deste Bispado por se não descobrir impedimento algum, se não o que lhes resultava de terceiro e quarto grau de consanguinidade em que se acham dispensados pelo Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Bispo D. João Marcelino dos Santos Homem Aparício, como me constou de um mandado do R.do Ouvidor da mesma vila Vicente Ferreira Sotomaior vigário próprio da sobredita Matriz por virtude do qual se casaram por palavras de presente em face da Igreja Manoel Vieira Borba filho de outro do mesmo nome e de sua mulher Maria das Candeias, e Thomazia Marianna filha de Simião Vieira e de sua mulher Maria Rabela, naturais ambos os contraentes da sobredita Matriz onde satisfizeram os preceitos da quaresma passada; e não receberão as bênçãos por ser em tempo proibido pela Igreja e para constar fiz este termo dia, mês e ano supra.

 

61 - Thomazia Mariana, natural da freguesia de Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira, Açores, nasceu aos 28-05-1745 e foi batizada a 02-06-1745.

Região Autónoma Açores, Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira - Batismos – Thomazia filha de Simião Vieira e de sua mulher Maria Rabela naturais desta Matriz e moradores na casa da Ribeira. Nasceu em os 28-05-1745 pelas seis horas da manhã do dito dia pouco mais ou menos. Foi batizada nesta Matriz de Santa Cruz Paroquial de seus Pais, por mim Manoel de Andrade M.do Cura dela, em 02-06-1745. Foram padrinhos Manoel Vieira Borba e sua mulher Maria das Candeias moradores no dito lugar da casa da Ribeira e para que conste fiz este termo, que assinei com testemunhas no dito dia, mês e ano, ut supra.

 

62 - José Machado de Aguiar, natural da freguesia de Fontinhas, Concelho de Praia da Vitória, Ilha Terceira, Açores. Aos 27-06-1773 casou com Vicencia Rosa.

Região Autónoma Açores, Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira - Casamentos - em os 27-06-1773, sendo de tarde na presença de mim Vicente Ferreira Sotomaior Vigário desta Matriz de Santa Cruz e das testemunhas abaixo assinadas Bartholomeu Lourenço filho de João Lopes Valadão, já defunto, freguês desta dita Matriz, e Matheos de Aguiar casado com Catarina Antonia fregueses de São Miguel Arcanjo Lugar das Lajes; feitas p.ro as diligências necessárias na forma do Sagrado Concílio Tridentino e Constituição deste Bispado por se não descobrir impedimento algum, como me constou pelas certidões dos suas R.dos Párocos depois do que lhe mandei passar mandado para se receberem, em virtude do qual se casaram por palavras de presente José Machado filho de Francisco Machado e de sua mulher Catarina Antonia nat da Paroquial de Nossa Senhora da Pena Lugar das Fontinhas, com Vicencia Rosa filha de Francisco Vieira de Barcelos e de sua mulher Rosa de Viterbo natural desta Matriz e desta fregues; e para constar fiz este termo, era ut supra.

 

63 - Vicencia Rosa, natural da freguesia de Santa Cruz, Praia, Ilha Terceira, Açores, já era falecida em 30-01-1814.

 

 5º AVÓS

 

 

96 e 97 - Manuel Ferreira Serpa e s/m Josepha de Santo Antonio

 

98 e 99 Francisco Homem, já falecido em 26-07-1787, e Maria Francisca, naturais da Matriz da Santíssima Trindade de Lajes da Ilha do Pico.

 

100 e 101 - Antonio Luiz de Souza e s/m Antonia Luiza

 

102 e 103 - Manuel Vieira Borba e s/m Maria das Candeias, já falecida em 25-09-1796.

 

 

 

 

112 e 113 Felipe Cardoso e sua mulher Dorothea Antonia naturais desta Matriz de Santa Cruz da Vila da Praia e moradores no lugar da Casa da Ribeira distrito desta Vila. Dorothea já era falecida em 19-06-1776.

 

114 e 115 Francisco Nunes de Mendonça, já falecido em 19-06-1776, natural da freguesia de Santa Bárbara de Fonte Bastardo e s/m Francisca Antonia, natural da Matriz da Vila da Praia.

 

116 e 117 João Silveira e s/m Luzia Teixeira.

 

118 e 119 Antonio Vieira e s/m Francisca de Jesus, já falecida em 12-02-1764.

 

120 e 121 - idem 102 e 103 Manuel Vieira Borba e s/m Maria das Candeias

 

122 e 123 Simião Vieira e s/m Maria Rabela, moradores na casa da Ribeira.

 

124 e 125 Francisco Machado e s/m Catarina Antonia.

 

126 e 127 Francisco Vieira de Barcelos e s/m Rosa de Viterbo.