PROJETO COMPARTILHAR

Coordenação: Bartyra Sette e Regina Moraes Junqueira

www.projetocompartilhar.org

 

 

Jerônimo Gonçalves Leite

(atualizado em 11-janeiro-2015)

 

 

Bartyra Sette

 

 

Jerônimo Gonçalves Leite, nasceu por volta de 1765 na freguesia de Santa Rita da cidade do Rio de Janeiro, filho de João Gonçalves Leite, professo da Ordem de Cristo e Teodora da Costa de Negreiros, neto materno do Sargento Mor Manoel da Costa Negreiros, já falecido em 1799.

 

João Gonçalves Leite, natural de S. João do Patriarcado de Lisboa, testou na Campanha do Rio Verde-MG aos 14-02-1799 e faleceu aos 10 do mês seguinte. Era fiho dos falecidos João Gonçalves e Inácia Leite e irmão de Antonio Leite Pereira morador na cidade do Rio de Janeiro. Viúvo de Teodora da Costa de Negreiro de quem teve 12 filhos, sendo quatro vivos em 1799:

- Antonio Gonçalves Leite, alferes da Infantaria da Armada.

- D. Theresa Maria de Jesus

- Jeronimo Gonçalves Leite

- Manoel Gonçalves Leite

Campanha, MG Igreja Santo Antonio obitos aos 10-03-1799 faleceu João Gonçalves Leite, viuvo, cavaleiro professo na Ordem de Cristo. Soi sepultado na Tumba do Rosario. Fez seu testamento.

Em nome de Deos. Amem. Eu João Gonçalves Leite (...) encomenda a alma. Sou natural da freguesia de S. João de Caber(?) termo de Cabeceira de Basto Arc. de Braga, f.l. de João Gonçalves e Ignacia Leite já defuntos e sou professo da Ordem de Cristo. Fui casado com D. Theodora da Costa Negreiros, já falecida, e deste consorcio tive doze fihos dos quais somente existem vivos quatro a saber: Antonio Gonçalves Leite, alferes da Infantaria da Armada = D. Theresa Maria de Jesus = Jeronimo Gonçalves Leite = e Manoel Gonçalves Leite os quais são meus universais e forçados herdeiros e por tais os instituo cada um na parte que por direito lhe tocar de meus bens. Sou irmão terceiro professo na Ordem de Nossa Senhora do Monte do Carmo da cidade do Rio de Janeiro.

Testamenteiros em 1º lugar a meu filho Manoel Gonçalves Leite e Verissimo José da Silva os quais, ambos juntos, farão um só corpo. em 2º lugar a m/filha D. Theresa Maria de Jesus, e em 3º lugar a Joaquim Jose.

Encomendações do funeral.

Os bens que ao presente possuo é metade do valor desta fazenda em que moro chamada Saco e metade do valor de nove escravos. Da outra metade desta fazenda e daqueles escravos é senhor meu irmão Antonio Leite Pereira morador na cidade do Rio de Janeiro em poder do qual esta grande parte do que por direito me tocou da legitima da falecida minha mulher que lhe aconteceu por morte de seu pai e meu sogro o Sargento Mor Manoel da Costa Negreiros, alem do que me deve por credito cinco contos e tantos que vence juros a dois mil cruzados, cujo credito se acha ajuizado no dito Rio de Janeiro. Da minha terça disponho na forma seguinte: (manda dizer inumeras missas) = dara 400$000 rs a Theresa Maria de Jesus, mulher cabra, em remuneração de muito que me tem servido no governo e boa economia da minha casa = dara 100$000 rs a uma afilhada da dita Theresa Maria de Jesus, mulatinha por nome Maria, e outros 100$000 rs a outra irmã da mesma mulatinha por nome Rita. 100$000 rs a tres orfãs de pai e mãe, filhos dos falecidos Miguel João de Nazare e de Maria da Conceição, recolhidas e moradores em casa de seu avo Jose da Costa Godinho, que são Theresa, maria, e Semianna.

Devo a Antonio Ferreira de Almeida, morador na ciade de Lisboa na dua dos Ourives, 243$400 rs

Se houver remanescente da terça se reparta com igualdade por meus quatro filhs herdeiros. Freguesia da Campanha do Rio Verde aos 14-02-1799 João Gonçalves Leite.

Declarou ele testador que a sua agregada Teresa Maria de Jesus Cabra deixava a ela dita 120$000 rs que saira de sua terça para a dita satisfazer aquilo que ele testador lhe tem recomendado. Declarou mais ele testador deixar uma quantia de oiro a seu afilhado Antonio, filho de Verissimo Jose da Silva, que tambem saira de sua terça. Campanha do Rio Verde aos 14-02-1799 = João Gonçalves Leite = seguia-se a aprovação.

Campanha 11-03-1799 O  Coadj. Marcelino Rois Ferr.ª.

 

Jerônimo casou três vezes. Primeira vez com Maria Madalena de Menezes, com geração de seis filhos. Maria Madalena faleceu de sobre parto, aos 40 anos, e foi sepultada em 25-03-1805.

Campanha, MG aos 25-03-1805 foi sepultada dentro da capela de S. Gonçalo Maria Madalena, mulher de Jeronimo Gonçalves Leite morador na Porteira. Faleceu de um parto de idade 40 anos.

 

Segunda vez, Jeronimo casou com Laureana Gonçalves de Brito, falecida na Campanha-MG em 20-04-1814 com 32 anos, com quatro filhos.

 

Em 1815, com 50 anos de idade, requereu dispensa do impedimento de afinidade ilícita em 2º grau duplicado para se casar com Delfina Maria Claudina, batizada na capela de S. Gonçalo em 07-12-1783, filha de Antonio Ferreira Funchal e Maria do Rosário e Souza. É que Jerônimo teve “acessos criminosos” com duas primas irmãs de Delfina. Os oradores também precisaram de dispensa de impedimento “criminal” porque tiveram “comercio ilícito e adulterino” ainda em vida da mulher legitima de Jerônimo. Sem geração destas nupcias.

Processo Matrimonial - Campanha-MG - Livro Misto 1818

Jeronimo Gonçalves Leite e Delfina Maria Claudina - 1815

22-01-1815 - Querem se casar Alf. Jeronimo Gonçalves Leite, n. da cidade do Rio de Janeiro, f.l. João Gonçalves Leite e D. Teodora da Costa Negreiros, viuvo que ficou de D. Laureana Glz Brito = com Delfina Maria Claudina de Jesus, f.l. Antonio Ferreira Funchal e D. Maria do Rosario e Souza, n/b na capela de S. Gonçalo.

 

Dizem os oradores Jeronimo Glz Leite, viuvo de D. Laurena Glz de Brito =  e Delfina Maria Claudina de Jesus, f.l. de Maria do Rosario e Souza e seu marido, nts bts e moradores na freguesia da vila da Princesa da Campanha - Impedimento de afinidade ilicita em 2º grau duplicado em linha transversal e de crime de adulterio com promessa de casamento:

- que o orador teve acessos criminosos com Ana Joaquina da Silva e com Maria Jeronima Guimarães, ambas primas coirmãs da oradora - 2º grau de afinidade ilicita em linha transversal igual.

- q o orador, em vida de sua mulher, teve comercio ilicito e adulterino com a oradora a quem prometeu de casar-se depois da morte daquela - impedimento crime.

- q o orador tem nove filhos do primeiro matrimonio

 

Em o L. 6º de obitos a f 377 se acha o assento de teor seguinte: Aos 20-04-1814 falecendo com todos os sacramentos, de bexigas, de idade 32 anos, D. Laureana Gonçalves de Brito mulher do Alf. Jeronimo Gonçalves Leite morador no Barreto (...) foi sepultada dentro da capela de S. Gonçalo. o Vig. Jose de Souza Lima.

No Lº 4º de batizados a f. 86: Aos 07-12-1783 na capela de S. Gonçalo o Revdo Capelão Jose Goçalves bat. e pos os santos oleos a inocente Delfina, f.l. Antonio Ferreira Funchal e Maria do Rosario, padr.: Manoel Antonio Ferreira

 

Orador Alf. Jeronimo Gonçalves Leite, homem branco, natural da cidade do Rio de Janeiro, de idade de 50 anos q vive de seu engenho de cana, morador nesta freguesia; que tivera tratos ilicitos com Ana Joaquina e Maria Jeronima, primas co irmãs da oradora; que tivera, em vida de sua mulher, amizade e copula ilicita com a oradora e que não lhe prometera, em vida de sua mulher, casamento a oradora;

 

Oradora Delfina Maria Claudina, branca, natural desta capela de S. Gonçalo da vila da Campanha, de idade de 31 anos, f.l. Antonio Ferreira Funchal e Ana Maria do Rosario, q sempre morara nesta freguesia da Campanha, solteira. Que o orador tivera copula ilicita com Ana Joaquina e Maria Jeronema suas primas co-irmãs. Que o orador em vida de sua mulher tivera tratos ilicitos com ela oradora.

 

Testemunhas:

- Antonio Ozorio Rabello (...) que os oradores Jeronimo Gonçalves Leite e Delfina Maria Claudina eram os proprios; que o orador tem nove filhos da primeira mulher e a maior parte são menores, (aa) Antonio Ozorio Rabello.

-  Alf. João Pereira Lima, casado, n. da freg. do Inficcionado deste bispado, de idade de 32 anos, q vive de seu negocio, aos costumes disse nada.

- Euzebio Luiz da Silva, homem branco, solteiro, n. freg. S. Salvador Arc. Braga, de idade 40 anos q vive de seu negocio

 

Jerônimo fez seu testamento na Vila da Campanha da Princesa em 08-08-1834 e faleceu aos 31-03-1839.

CPA02, Lv. 15º  de Testamentos - Campanha da Princesa 1837-1838;

Registro do testamento com que faleceu Jeronimo Glz Leite pai, aos 31-03-1839 de quem é testamenteiro o Tenente Jose Vicente Valladão, morador nesta vila.

Eu, Jeronimo Gonçalves Leite, f.l. de Joam Gonçalves Leite e D. Theodora da Costa Negreiros, já falecidos, n. da freguesia de Santa Rita da Corte do Rio de Janeiro e morador nesta da Campanha.

Fui cc. Maria Magdalena de quem tive seis filhos a saber: João = Jeronimo= Joaquim= Bernardino = Manoel = Jose = de quem existem filhos e a todos estes entreguei suas legitimas na forma determinada pelo respectivo inventário que se acha no Cartório de Órfãos desta vila, estando somente a restar aos filhos de Jose quatro mil réis mais ou menos que meu testamenteiro pagara aos mesmos meus netos, filhos de Jose.

Casei-me segunda vez com D. Lauriana Gonçalves de Brito de quem tive quatro filhos a saber: Maria = Francisco = Luciano que faleceu ainda em vida da dita minha mulher = e Luciana que faleceu depos do falecimento da mesma, e por isso no respectivo inventário se lhe deu pagamento da sua legitima da quantia de quinhentos e tantos mil réis aos quais, na forma da Lei, tem direito os dois meus filhos da segunda mulher, e por isso se lhes pagara a conta do que lhes devo, estando os ditos dois herdeiros pagos de toda a legitima que lhes tocou no respectivo inventário.

Presentemente sou casado com D. Delfina Maria Claudina da qual não tenho filho até o presente.

Declaro que para casar meu filho Jeronimo com minha enteada Mariana, tratei com minha mulher D. Delfina fazer avaliar um casal de escravos e dar-lhe em dote o que tudo consta do papel que lhe passamos: sendo avaliado o casal de escravos em 300$000 réis a qual quantia para não lezar aos mais herdeiros sairão da meação da dita minha mulher; e por isso deve vir ao monte dos meus bens, para na partilha ser atendida na forma em que doamos.

Comprei a meu cunhado Amaro Gonçalves de Brito a parte de terras que ao mesmo tocou na fazenda do Saco do Carmo na Freguesia de S. Gonçalo pela quantia de 4 contos e cincoenta mil réis.

Testamenteiros: 1º Tenente Jose Vicente Valladam, 2º Capitão Manoel Luiz de Souza, 3º Capitão Domingos Rodrigues da Fonseca.

Da minha terça disponho na forma seguinte: deixo de esmola ao menino Antonio, que se acha em minha casa, 100$000 réis; deixo a minha mulher D. Delfina Maria toda a prata que se achar em casa na ocasião do meu falecimento; e todo o remanescente da minha terça deixo aos meus seis filhos do primeiro matrimonio repartido em igualdade por todos os seis, - na falta de algum, a parte respectiva sera repartida por seus herdeiros.

Vila Campanha da Princesa 08-08-1834 Jeronimo Gonçalves Leite

Aprovação 14-08-1834

Abertura 31-03-1839

Aceitação 31-03-1839 Jose Vicente Valladam

 

Delfina Maria testou em 21-10-1852 e faleceu em 07-10-1869. Sem geração legítima reconheceu três filhos naturais e citou uma neta em seu testamento.

?-1 Umbelina casada com Inácio José de Alvarenga: “dei, com papel passado, a minha neta e afilhada Umbelina, cc. Ignacio Jose de Alvarenga”

 

I- Dr. Tristão Antonio de Alvarenga, filho natural de Delfina Maria Claudina e pai incognito. Foi o testamenteiro materno.

          Notar o termo de batismo em 17-03-1805

Campanha, MG aos 17-03-1805 na capela de S. Gonçalo bat a Tristão, filho legitimo(sic) do Alf. Jeronimo Gonçalves Leite e D. Delfina Maria Claudina, foram padrinhos o Cap. Jose da Silva Pimentel e D. Maria Antonia do Bom Sucesso

          Juiz de direito, com 32 anos em 08-10-1838 conforme declarou como testemunha em dispensa matrimonial.

Campanha, MG - Dispensa Matrimonial 08-10-1838 Jose da Cruz de Alvarenga e Francisca Gonçalves Leite: 1ª tetemunha Dr. Tristão Antonio de Alvarenga, casado, natural da freg. de S. Gonçalo e morador nesta da Campanha onde é Juiz de Direito, de idade 32 anos, consanguineo dos oradores. Impedimento de consanguinidade em 3º grau em linha transversal igual pq Ana Francisca, mãe do orador, é tia de Mariana Claudina mãe da oradora e por isso os oradores estão lem 3º grau em linha transversal desigual e não igual como se disse acima.

          No oratório do Alferes João Cândido da Costa na aplicação de S. Tomé das Letras, aos 24-01-1834 Dr. Tristão casou com Mariana Balduina da Costa.

B7: - casamentos - Igreja Nossa Senhora da Conceição (Carrancas, Minas Gerais) aos 24 de J.º de 1834 no oratorio do Alf. João Candido da Costa aplicação de S. Tome das Letras, Dr. Tristão Antonio de Alvarenga e D. Mariana Balduina da Costa.

II- Mariana casou com Jerônimo Gonçalves Leite Filho, 2 abaixo.

III- Antonio. Pai de, pelo menos:

III-1 Delfina, legatária do remanescente da terça da avó paterna.

CPA 04, Testamentos - Campanha da Princesa 1854-1871

Registro do testamento com que faleceu D. Delfina Maria Claudina de Jesus, aos 07-10-1869 de quem foi testamenteiro o Dr. Tristão Antonio de Alvarenga.

Eu, Delfina Maria Claudina de Jesus, n. da freg. de S. Gonçalo deste termo, f.l. Antonio Ferreira Funchal e Maria do Rosario, ambos falecidos. Fui cc. o Alferes Jeronimo Gonçalves Leite, já falecido, de cujo consorcio não tivemos filhos nenhum.

Em tempo de solteira tive três filhos, quais: = Tristão Antonio de Alvarenga = D. Marianna, que foi cc. Jeronimo Gonçalves Leite Filho = e Antonio.

Testamenteiros: 1º meu filho Dr. Tristão Antonio de Alvarenga, 2º Jose da Cruz de Alvarengam 3º Antonio Justiniano Monteiro de Queiros.

Declaro que dei, com papel passado, a minha neta e afilhada Umbelina, cc. Ignacio Jose de Alvarenga, um crioulinho que sairá da minha terça.

Deixo para meu filho Tristão o crioulo Olimpio; para minha neta Delfina, filha de meu filho Antonio, o crioulo Agostinho; e todas estas dadivas sairão da minha terça.

O remanescente da minha terça deixo a minha neta Delfina, filha de meu filho Antonio.

Campanha 21-10-1852 D. Delfina Maria Claudina de Jesus

Aprovação 22-10-1852

Cumpra-se e registre-se Campanha 07-10-1869 - lavre-se o termo de Abertura Campanha 08-10-1869

 

Jerônimo Gonçalves Leite e sua primeira mulher  Maria Madalena tiveram seis filhos:

1- João, batizado em 17-03-1795.

Campanha, MG aos 17-03-1795 na capela de S. Gonçalo bat a João, f.l. de Jeronimo Gonçalves e Maria Madalena de Menezes; foram padrinhos Antonio Ribeiro da Silva e s/m Maria Borges da Silva, todos deta freguesia.

 

Duplicata:

Campanha, MG no ano de 1796 na capela de S. Gonçalo bat a João, f.l. de Jeronimo Gonçalves e Maria Madalena; foram padrinhos Antonio Ribeiro da Silva e s/m Maria Borges da Silva; e por não aparecer este assento, informado dele, lanei aqui para todo o  tempo constar.

2- José, batizado em 07-10-1796. Já falecido em 1834, deixou filhos.

Campanha, MG aos 07-10-1796 na capela de S. Gonçalo bat a Jose, f.l. de Jeronimo Gonçalves e Maria Madalena, foram padrinhos João Leite por pp do Furriel Thomas de Aquino.

 

Duplicata:

Campanha, MG no ano de 1798 na capela de S. Gonçalo bat a Jose, f.l. de Jeronimo Gonçalves e Maria Madalena; foram padrinhos João Leite Pereira e Antonia Leite Pereira; e por não aparecer este assento, informado dele, lancei aqui para todo o  tempo constar.

3- Jerônimo Gonçalves Leite Junior casou com Mariana Claudina de Jesus, filha de Delfina Maria Claudina. Jeronimo, testemunha em 1838, declarou a idade de 38 anos:

Campanha, MG - Dispensa Matrimonial 08-10-1838 Jose da Cruz de Alvarenga e Francisca Gonçalves Leite:

3ª Testemunha: Jeronimo Gonçalves Leite Junior, casado, natural da freguesia de S. Gonçalo e morador nesta da Campanha onde vive de seu negocio, de idade 38 anos, consanguineo dos oradores.

Jerônimo já era falecido em 21-10-1852 (testamento da sogra). Tiveram os filhos batizados na Campanha, q.d.:

3-1 Maria, batizada em 27-05-1831.

Campanha, MG aos 27-05-1831 bat a Maria, f.l. de Jeronimo Gonçalves Leite e Marianna Claudina, foram padrinhos o Cap. Luiz Antonio da Silva Pereira e D. Vitoria Alexandrina de Magalhães.

3-2 Mariana em 11-08-1832.

Campanha, MG aos 11-08-1832 bat a Mariana, f. de Jeronimo Gls Leite, foram padrinhos Antonio Glz Leite e Delfina Maria Claudina.

3-3 Mariana (outra) em 30-10-1834.

Campanha, MG aos 30-10-1834 bat a Mariana, f.l. de Jeronimo Gonçalves Leite Junior e D. Mariana Claudina de Jesus, foram padrinhos Tristão Antonio de Alvarenga e D. Maria Joaquina de Alvarenga.

3-4 Antonio em 12-12-1835.

Campanha, MG aos 12-12-1835 bat a Antonio, f.l. de Jeronimo Gonçalves Leite Junior e D. Mariana Claudina, foram padrinhos Manoel Leite e Maria Barbosa de S. Jose.

4- Bernardo, batizado em 27-10-1802.

Campanha, MG aos 27-10-1802 na capela de S. Gonçalo bat a Bernardo, f.l. Jeronimo Gonçalves e Maria Madalena, foram padrinhos Carlos Francisco de Oliveira e Rosa Maria.

5- Joaquim

6- Manoel, batizado em 22-03-1805.

Campanha, MG aos 22-03-1805 na capela de S. Gonçalo bat a Manoel, branco, f.l. Jeronimo Gonçalves Leite e Maria Madalena, foram padrinhos Carlos Francisco de Oliveira e Gertrudes Coelha.

 

Jerônimo e Laureana tiveram quatro filhos:

 

7- Maria do Carmo Generosa, batizada em 21-06-1806.

Campanha, MG Igreja Sto Antonio aos 21-06-1806 na capela de S. Gonçalo bat a Maria, branca, f.l. do Alf. Jeronimo Gonçalves Leite e D. Laureana Gonçalves de Britto. Foram padrinhos o Cap. Amaro Gonçalves Chaves por pp que do mesmo apresentou Manoel Joaquim Gonçalves de Brito, e D. Luzia Theresa.

          Casou com Domingos José Pereira (tambem Domingos Pereira Leite Teixeira), falecido em agosto de 1848.

Campanha, MG [Dom.os Per.ª Leit Texr.ª. br. casado] aos vinte e ---- de agosto de 1848 falecendo Domingos Pereira Leite Texeira, casado, idade sessenta anos, com [cortado o topo da pagina] sepultado em catacumba.

          Maria do Carmo, viuva, testou em 21-01-1885 e faleceu em 13-08-1888.

CPA 05, Testamentos - Campanha da Princesa 1872-1897

Registro do testamento de D. Maria do Carmo Generosa, com que faleceu em 13-08-1888, testamenteiro Jeronymo Gonçalves Leite.

Eu, Maria do Carmo Generosa, n. da cidade de S. Gonçalo, f.l. do Alferes Jeronymo Gonçalves Leite e D. Lauriana, ambos já falecidos.

Sou viuva, fui casada com o falecido Domingos Jose Pereira de cujo consorcio tive os seguintes filhos: Maria Umbelina = Maximiano = Iria = Francisco Antonio = Jeronymo = Jose Antonio = Paulino = João Pedro = e Mariana, já falecida, por quem representam suas filhas Mariana e Maria, os quais todos são meus legitimos herdeiros.

Testamenteiros: 1º meu filho Jeronymo Gonçalves Leite, 2º Francisco Antonio Gonçalves; 3º Paulino Gonçalves Pereira.

Deduzidos de meus bens minhas dividas e disposições, do restante instituo herdeiro da terça parte deles a meu neto Emygdio, filho de Jeronymo, e a minha neta Maria Ignez, filha de Paulino em partes iguais, e das duas terças instituo  herdeiros a meus filhos e netos acima declarados.

Cidade da Campanha 21-01-1885 Maria do Carmo Generoza

Aprovação 21-01-1885

Cumpra-se, registre-se: 16-08-1888

Abertura 16-08-1888

Aceitação 16-08-1888 Jeronymo Gonçalves Leite

          Foram filhos do casal:

7-1 Maria Umbelina

7-2 Maximiano

7-3 Iria

7-4 Francisco Antonio

7-5 Jerônimo Gonçalves Leite, batizado em 27-12-1835. Testamenteiro materno.

Campanha, MG aos 27-12-1835 bat a Jeronimo, f.l. de Domingos Pereira Leite Teixeira e D. Maria de Carmo Generoza, foram padrinhos Manoel Gonçalves Leite e D. Ana Joaquina Gonçalves de Brito.

          Pai de, pelo menos:

7-5-1 Emidio, legatário da avó paterna.

7-6 José Antonio

7-7 Paulino. Pai de, pelo menos:

7-7-1 Maria Ignez, legatária da avó paterna.

7-8 João Pedro

7-9 Mariana, já falecida em 1885. Foi representada pelas filhas:

7-9-1 Mariana

7-9-2 Maria

 

8- Francisco batizado em 08-05-1808.

Campanha, MG Igreja Sto Antonio aos 08-05-1808 na capela de S. Gonçalo bat a Francisco, f.l. de Jeronimo Gonçalves Leite e D. Laureana Gonçalves de Brito, foram padrinhos o Cap. Amaro Gonçalves Chaves e D. Mariana Gonçalves de Brito.

9- Lucio ou Luciano, batizado em 10-04-1810 e sepultado aos 21-04-1810.

Campanha, MG aos 10-04-1810 na capela de S. Gonçalo bat a Lucio, f.l. do Alf. Jeronimo Gonçalves Leit e D. Lauriana Gonçalves de Brito; foram padrinhos o Cap.Francisco Chaves de Araujo e D. Ana Gonçalves de Brito.

 

Campanha, MG aos 21-04-1810 foi sepultado adro a capela de S. Gonçalo, Luciano, f. do Alf. Jeronimo Gonçalves Leite, morador no arraial. Faleceu de defluxo de idade um mes.

10-Luciana, batizada em 22-04-1811. Faleceu depois da mãe.

Campanha, MG aos 22-04-1811 a Luciana, branca, f.l. do Alf. Jeronimo Gonçalves Leite e D. Lauriana Gonçalves de Brito; foram padrinhos Alf. Boaventura Gonçalves de Brito e D. Anacleta Gonçalves de Brito.