PROJETO COMPARTILHAR

Coordenação: Bartyra Sette e Regina Moraes Junqueira

www.projetocompartilhar.org

 

 

Antonio Vaz Guedes e Margarida Correa

(atualizado em 16-março-2018)

 

SL. 8º, 535 - Teve começo esta família em Antonio Vaz Guedes, natural de Mezamfrio, que casado com Margarida Correa veio residir na capitania do Espírito Santo onde nasceram os seguintes f.ºs: que conseguimos descobrir:

Cap. 1.º Merencia Vaz

Cap. 2.º Gaspar Vaz Guedes

Cap. 3.º Anna Correa

 

 

Bartyra Sette

Regina Moraes Junqueira

 

 

Antonio Vaz Guedes e Margarida Correa, casal tronco do título “VAZ GUEDES” da Genealogia Paulistana tiveram:

 

- Merencia Vaz foi casada com Luiz Monteiro com geração em SL. 5, 285, Cap. 4. Muito provavelmente Merencia casou segunda vez com Melchior (Belchior) Martins de Mello, natural da Ilha de Santa Maria, Açores inventariado em 24-01-1631 (SAESP vol. 7º, neste site).

 

- Ana Correa casou com Antonio Pedroso, filho de Antonio Rodrigues e Ana Ribeira. Antonio e Ana fizeram testamento conjunto aprovado em 14-02-1643 (SAESP vol. 44º, neste site). Sem geração.

 

- Gaspar Vaz, como sempre se assinou, ou Gaspar Vaz Guedes como entendeu Silva Leme, titulo desta família, que segue

 

Encontramos como irmã de Gaspar Vaz, sem certeza se inteira ou meia irmã:

- Domingas Rodrigues, natural do Espírito Santo casada primeiro com Fulano da Paz e segunda vez com Bartolomeu Gonçalves. Este é o que erroneamente se encontra SL I, 23, 2-1 como filho de Braz Gonçalves e de filha do caçique do Ibirapuera. Faleceu Bartolomeu com testamento de 1612 (SAESP vol 7º) em que diz:“...minha mulher Domingas Rodrigues deixo por minha testamenteira que ela faça como eu fizera por ela, e em sua ajuda ao seu irmão Gaspar Vaz....”. O inventário de Bartolomeu é de 1627, onde Domingas tem por procurador seu genro Onofre Jorge.

          Domingas testou aos 19-02-1630. O testamento recebeu o “cumpra-se” a 25 do mesmo mês, SAESPp vol 8º, neste site. Quando se casou segunda vez, Domingas já tinha três filhos, segundo declaração de Bartolomeu Gonçalves em testamento:

“Declaro que quando casei com minha mulher Domingas Rodrigues tinha tres filhos de outro marido uma fêmea e dois machos um por nome Antonio da Paz o qual já é maior e lhe dei sua legitima que de seu pai lhe cabia e lhe não devo nada: o outro por nome Gaspar levou-o Deus, digo faleceu no sertão. Mais a femea por nome Luzia da Paz a qual casou com Inofre Jorge”

Filhos de Domingas e seu primeiro marido:

I- Luzia da Paz, em 1612 já estava casada com Onofre Jorge, legatária no testamento da mãe. Com geração.

“..declarou que Genebra e Luzia moças do gentio da terra deixa a sua filha Luzia da Paz... para ser irem a dita sua filha...” (mais adiante deixou também algumas roupas para a filha Luzia da Paz).

          Por ela, seu marido recebeu cerca de 21.000 reis de herança no inventário de Domingas. Quando questionado sobre dotes recebidos pelas filhas de Domingas, Onofre disse que apenas sabia de dois índios cativos dados a Catarina de Pontes. Não declarou ter recebido dote por sua mulher.

II- Antonio da Paz. Comparar com Antonio da Paz, morador em Mogi das Cruzes, testemunha do testamento de Francisca Cardoso, um dos peticionários no requerimento de 1611, pedindo a elevação do povoado de Boigi à categoria de Vila. Foi também, juntamente com Braz da Pina, primeiro juiz ordinário da recém-criada vila de Santana de Mogi. No inventário de Domingas (1630) Antonio já era falecido, ou tido como tal. Seus filhos, como herdeiros da avó, juntos receberam cerca de 22.000 reis. Foram representados por: Onofre Jorge nomeado curador e procurador dos filhos de Antonio. Nessa função recebeu os quinhões de:

II-1 Antonio da Paz, seu quinhão de aproximadamente 6.900 reis foi semelhante aos dos demais netos de Domingas

II-2 Manoel da Paz, idem.

II-3 Domingas Rodrigues, filha de Antonio da Paz, já casada com Lourenço Peres de Tavora, morador na Ilha Grande. Ganhou da avó um moço chamado Lourenço:“... e declarou que deixava um rapaz por nome Jeronimo para sua neta filha de Antonio da Paz...”.  Tambem herdou cerca de 6.900 reis. Calixto da Mota representou:

 “... Calixto da Motta morador nesta vila e por ele foi dito e requerido ao dito juiz que Lourenço Peres seu primo dele Calixto da Mota era casado com uma filha de Antonio da Paz neta da defunta Domingas Rodrigues herdeira em seus bens pelo que requeria o fizesse seu procurador e curador neste por ser parente entregando-lhe sua parte que herdar.”

“.Digo eu Lourenço Peres de Tavora morador na Ilha Grande que eu ... recebí de meu tio Calixto da Mota um rapaz do gentio da terra por nome Jeronimo ....os quais herdei por via de minha mulher Domingas Rodrigues que herdou de sua avó Domingas Rodrigues, mulher que foi de Bartolomeu Gonçalves que Deus tem...”

III- Gaspar, falecido no sertão antes de 1612, segundo testamento do padrasto. Não compareceu nem foi representado no inventário da mãe.

 

Domingas e Bartolomeu tiveram quatro filhos, segundo inventário paterno, dois falecidos e dois viventes em 1612, um macho e uma femea:

IV- Belchior de Pontes, não compareceu nem foi representado no inventario da mãe

V- Catarina de Pontes casada segunda vez com Pedro Nunes, casal tronco família Nunes de Pontes, neste site. Falecida em 1620, seus herdeiros, os filhos Salvador de Lima e Pedro Nunes mais o genro Juzarte Lopes herdaram juntos cerca de 22.000 réis no inventário de Domingas

 

 

GASPAR VAZ GUEDES

(atualizado em 27-janeiro-2018)

 

 

Nota: Houve um Gaspar Vaz morador em Santos, escrivão de datas da Capitania de Santo Amaro em 1565 que é confundido por alguns autores com seu homônimo, o fundador de Mogi das Cruzes (Lv de Tombo da Capitania de S. Amaro, 15-8-1565, in Grimberg, Isaac, Gaspar Vaz, fl 64), Esse morador de Santos, para ter cargo público juramentado em 1565, deveria ter então a idade mínima de 25 anos, nascido portando no máximo em 1540. Possivel mas pouco provável que fosse o mesmo que acompanhou Raposo Tavares ao Guairá em 1628. Teria no mínimo 88 anos!

 

Gaspar Vaz, o filho de Antonio Vaz Guedes e Margarida Correa, casou com Francisca Cardoso, filha de Braz Cardoso.

Morador em São Paulo, aparece pela primeira vez nos registros públicos da vila em 1593 quando registrou sua marca de gado. Além da marca própria, seu gado tinha a parte de traz da orelha direita fendida. (Registro Geral da Câmara, Vol I, fl 70). No ano seguinte comprou uns chãos de João Soares junto da Matriz, em frente ao sobrado de Domingos Luiz, onde já tinha casa construída.

RGCSP, vol 7, fl 12 – Escriptura de uns chãos que vendem João Soares a Gaspar Vaz- Saibam quantos este publico instrumento e carta de pura venda de uns chãos para casas e quintal deste dia para todo o sempre virem como no Anno de Nosso Senhor Jesus Christo de Mil quinhentos e noventa e quatro anos em os quatorze dias do mez de junho........ apareceu Jão Soares e bem assim Mecia Rodrigues sua mulher... (disseram que há dias venderam um terreno atraz de sua casa) a Gaspar Vaz outrossim aqui morador junto da Igreja Matriz  donde agora o dito Gaspar Vaz tem feito umas casas térreas de taipa de pilão e cobertas de telhas defronte de umas casas altas de sobrado que são de Domingos Luiz carvoeiro de alcunha..... ...Testemunhas que se acharam presentes Baltazar Gonçalves morador ne ditta villa e Gaspar Soares e Baltazar Soares filhos deles vendedores... e pelo dito Gaspar Vaz Por não estar presente e pela dita Mecia Rodrigues assinou Baltazar Gonçalves...

Gaspar seguiu morando em São Paulo onde participou da governança da vila, eleito almotacel aos 03-10-1599 e juiz aos 01-01-1600 (Atas da Camara de SP). Em abril de 1601 já não estava em São Paulo, empenhado na abertura de caminho por terra ligando a vila aos campos de Boigi. O acesso a essa área só era possível pelos rios. Ao longo do caminho foram se estabelecendo novos moradores, conforme atestam as concessões de sesmarias, a primeira delas requerida pelo próprio Gaspar Vaz. Aos 22-09-1608, ele pediu e consegiu uma sesmaria em Mogi das Cruzes, então chamada de mogi-mirim, onde já era morador estabelecido com mulher e filhos. (Sesmarias 1, fls 28/29).

Em Moji, aos 11-03-1611 Francisca Cardoso, doente de cama, ditou seu testamento ao Padre João Álvares, tendo por testemunhas Francisco Vaz Coelho, Braz, Gaspar e João da Piña, Antonio de Proença, João de Almeida e Antonio da Paz. Nele declarou 11 filhos de seu casal: “tres filhos varões e oito filhas”.

Francisca faleceu aos 14-03-1611. Para abrir o inventário, Gaspar Vaz veio para São Paulo e se hospedou em casas de Bartolomeu Gonçalves (marido de Domingas Rodrigues), nos arrabaldes da Vila de São Paulo, “na banda do além da casa do bemaventurado Santo Antonio”. Por avaliadores da fazenda que ficou em Mogi foram indicados e prestaram juramento Francisco Vaz Coelho e Braz da Piña, que devem ter acompanhado Gaspar Vaz e o corpo de Francisca a São Paulo, para ser sepultado na Igreja do Carmo.

Estando em São Paulo com muitos dos moradores de Mogi, Gaspar Vaz encabeçou um requerimento solicitando a elevação da povoação de Santa Ana de Moji à categoria de Vila, assinado pelo governador aos 08-04-1611. Em agosto do mesmo ano, Santa Ana de Mogi (das Cruzes) foi elevada à categoria de Vila.

Requerimento dos Moradores e Povoadores pedindo elevação à Vila, transcrição de Isaac Grimberg, (por inteiro in História de Mogi das Cruzes, Saraiva, 1961)

Gaspar vaz, morador em Mogy mrim faz saber a Voça Senhoria com os mais moradores abayxo assinados em como Gaspar vaz, com eles ditos moradores, Povoarão aly por mandado de Voça Senhoria e lá aisistem e tem suas plantas e bem feitorias por ser terra boa e terem muytos filhos e cá não terem terras... (tinham dificuldade de virem para São Paulo por estarem distantes mais de vinte léguas, pedem licença para que o governador possa levantar pelourinho) Assinam pela ordem: Gaspar vaz, Francisco vaz Coelho, Braz de Pinna, Manoel Fernandes, João de Almeida, Jeronimo Rodrigues, José de Bulhões (em cruz), Manoel Gonçalves, João Fernandes daverio, Francisco villela, José Colasso, Antonio Fernandes, Antonio Gonçalves, Gonçalo Ferreira (em cruz) Gaspar de Pinho, João de Pinna, Antonio Agostim, Domingos Agostim (em cruz) Antonio da Paz, Bento Fernandes.

11-04-1611- Despacho do Governador.

27-04-1611- Informação favorável do Capitão Gaspar Conqueiro, visto “estar muyto apertados em a villa de São Paulo”.

Seguem informações às vilas de Santos, São Vicente e S. Paulo, novo pedido de Gaspar Vaz (por ter morrido o governador), despachos e por fim aos 17-08-1611 o despacho final do governador D. Luiz de Souza.

Em setembro do mesmo ano deu-se o ato oficial de instalação da vila e empossados os oficiais da Camara. Gaspar Vaz não fez parte da governança.

Traslado da cópia do Foral da Camera dezta villa de Santa Anna das Cruzes de Mogy- por inteiro in GRIMBERG, Isaac, Gaspar Vaz, fl 130 e seguintes

1611- O Senhor Governador Geral Dom Luiz de Souza paSou hua Provisão a intancia de Gaspar Vaz e dos mais moradores de Mogy mirim.... (para fazer vila e levantar Pelourinho)...e logo em continente Gaspar Conqueyro Capitão desta Capitania o veyo executar e assim no primeiro de setembro desta era lha edificou pondo lhe por nome Santa Anna ....... e logo ordenou os oficiais da republica para bom governo dela escolhendo os mais Suficientes convem a Saber  a Braz de Pinha e Antonio da Paz por Juizes ordinarioz e a Francisco vaz Coelho e a Gazpar CoLaço por Vereadores e Antonio Fernandes por procurador do Conselho.... Villa de Santa Anna hoje três de Setembro de era atraz ezcrito. João de Almeida – Gaspar Conqueiro

Em 1624, “velho morador” da Vila de Mogi, foi nomeado Tesoureiro das Bulas da Santa Cruzada.

Atas da Vila de Santana das Cruzes de Mogi, 1612 a 1627 – Transcrição publicada por GRIMBERG, Isaac, Mogi das Cruzes 1601 a 1640, São Paulo, 1981.- Aos 31-03-1624 – “nesta villa de Santana de Mogi mirim, os oficiais da câmara por requerimento do Padre Vigario gaspar chanxhes, para elegerem uma pessoa abonada morador desta villa sirva como tesoureiro das Bullas da Santa Cruzada ..... e elegerão  “a mais vozes a gaspar vas ho velho morador nesta villa a quem se deu juramento”....

Em 1628 seguiu com Manoel Preto e Antonio Raposo Tavares ao Guairá. Padre Mancilla o relacionou entre os 68 portugueses que arrasaram as reduções. Estavam com ele um filho, o genro Pedro Madeira e um filho deste.

Relation.de los portugueses que em companhia de Antonio Raposo Tavaresdeshicieros três reducciones......,.in Anais do Museu Paulista, vol II, fl 245

Antonio Raposo tauares y su Hermano Pascual y su suegro

....................

Pedro Madera com su hijo

Gaspar vas y su yerno

Américo de Moura diz que Gaspar Vaz ainda vivia em 1636, sem citar fonte para esta informação.

Gaspar Vaz e Francisca Cardoso tiveram onze filhos, dos quais dez solteiros, três machos e sete femeas, foram arrolados no inventário materno (SAESP vol. 3º, neste site). A filha mais velha, já casada e provavelmente dotada não compareceu no rol dos herdeiros, mas seu marido Pedro Madeira consta no rol dos credores de Gaspar.

1- Violante Cardoso

2- Antonio Vaz Cardoso Cap. 2º

3- Braz Cardoso

4- Gaspar Vaz Cardoso

5- Catarina Dias

6- Francisca

7- Izabel Cardosa

8- Domingas

9- Ana Vaz

10- Mecia Vaz Cardoso

11- Maria Vaz Cardoso

 

 

1- Violante Cardoso faleceu com testamento aprovado em 1617 e foi inventariada em 1620. Fora casada com Pedro Madeira “de que tenho seis filhos”. (SAESP vol. 2).

Pedro casou segunda vez com Izabel Bicudo. Testou em 16-11-1644 e foi inventariado em 23-04-1653 (SAESP vol. 14º, neste site). Geração deste matrimônio em SL. 8º, 4, § 1º, 1-1.

Violante e Pedro tiveram os filhos, segundo seus inventários:

1-1 Maria, 11 anos em 1620. Mariana ora Maria Cardoso viúva em 1653. Foi 1ª vez casada com Baltazar Lopes Fragoso, natural de Lisboa, falecido em 1635 e inventariado em 03-01-1636 (SAESP vol. 9º, neste site). Em 1637 estava casada com Antonio de Barros de Alcassova com geração em S.L. 8º, 4, 2-1.

          Em 1745, na dispensa matrimonial de Carlos Moreira de Castilho, 1-1-2-6-8-4 abaixo, Baltazar foi referido como Gaspar Lopes Fragoso. Carlos era filho de Salvador Moreira de Castilho, neto paterno de Izabel Fragosa, por esta bisneto de Maria Fragosa, e por esta trineto de Baltazar (ou Gaspar) Lopes Fragoso.

Baltazar e Mariana tiveram quatro filhos, idades em 03-01-1636:

1- Violante, 11 anos

2- Maria, 8 anos

3- Gaspar, 6 anos

4- Pedro, 2 anos

 

1-1-1 Violante Cardosa com onze anos em 1636. Casou com Luiz Peres de Gusmão, natural de São Sebastião, filho de Agostinho de Gusmão, natural de São Vicente e Suzana Peres, natural de Santos.

SL. 8º, 4, 3-1.Violante Cardoso, casada em 1643 em São Paulo com Luís de Gusmão, natural de São Sebastião, f.o de Agostinho de Gusmão, natural da vila de São Vicente, e de Suzana Peres, natural de Santos. Foram pais de:

4-1 Maria de Gusmão, que se casou com Domingos Vaz de Siqueira, f.º de Gaspar Vaz da Cunha, o Jaguareté, e de Victoria de Siqueira

 

Agostinho e Suzana foram pais, tambem, de:

- Inácio de Gusmão, natural de Santos, falecido em Itu em 20-12-1700. Foi casado com Violante Cardoso com geração em SL. 7º, 222, 1-2.

Itu,SP Igreja N. Sra da Candelaria Ignacio de Gusmão, morador desta vila e natural de S. Paulo, faleceu aos 20-12-1700, foi casado[espaço em branco]. Morreu com testamento, testamenteiro Fernão Bicudo.

- Domingas de Gusmão mãe de:

- Pedro Aranha inventariado em Taubate em 26-04-1677, foi casado com Maria Dias Botelho (ou Maria Ribeira de Escovar), filha de Domingos Arenço Botelho e Ana Ribeira de Escobar - família Domingos Arenço Botelho. Sem geração, herdou sua mãe:

- João Ledo de Lima, procurador da mãe no inventário do irmão Pedro. Pai de:

- Martinho de Lima, natural da ilha de S. Sebastião. Em 1702 tirou dispensa do impedimento de consanguinidade em 3º(sic) grau para se casar com Catarina de Gusmão, filha de Luiz Peres de Gusmão.

ACMSP Dispensas Matrimoniais ano 1702 vol. 3 im 72 a 79

Martinho de Lima, natural da ilha de S. Sebastião e Catarina de Gusmão, natural da vila de Taubate - 21-novembro-1702 - dispensa do impedimento de consanguinidade em 3º grau por descenderem de dois irmãos a saber:

Domingas de Gusmão e Luiz de Gusmão foram irmãos, de Domingas de Gusmão nasceu João Ledo pai do orador Martinho de Lima.

De Luiz de Gusmão descende Maria de Gusmão mãe da oradora Catarina de Gusmão.

 

Testemunhas - vila de Taubate 09-setembro-1702:

- Pedro Fragoso natural de São Paulo e morador em Taubaté, parente da oradora em 3º grau.

- Manoel de Bartros, n. de São Paulo e morador na vila de Taubaté. Parente dos oradores em 3º grau por afinidade.

- Manoel de Barros da Silva, n. da ilha de S. Sebatião e morador nesta vila de Taubate. Parente do orador em 3º grau e da oradora em 2º por consanguinidade.

 

Depoimento da oradora: de idade 16 anos pouco mais ou menos; 

 

(...) parentesco em 3º grau de consanguinidade na forma seguinte: os oradores procedem de dois irmãos a saber: Domingas de Gusmão e Luiz de Gusmão. De Domingas de Gusmão nasceu João Lima pai do orador e de Luiz de Gusmão nasceu a oradora (...).

Violante e Luiz tiveram outros filhos, alem de Maria citada na GP.

1-1-1-1 Mariana, batizada na Sé de S. Paulo em 04-08-1644.

SP, SP Igreja N Sra da Assunção aos 04-08-1644 bat a Mariana f.l. Luiz Gusmão e Violante Cardosa, padr.: Jose de Camargo e Izabel Bicuda.

          Mariana Cardosa mãe de:

1-1-1-1-1 João de Barros pai de:

1-1-1-1-1-1 João de Barros Pereira, falecido em Taubaté em 09-07-1743, casado com Quitéria Loureira de Jesus, com 20 anos em 1745, filha de João da Siulva Lima e Delfina do Nascimento, neta materna de um eclesiastico.

          Quitéria casou segunda vez, dispensados do impedimento de afinidade lícita em 4º grau, com Carlos Moreira de Castilho, filho de Salvador Moreira de Castilho e Izabel de Miranda, neto paterno de Izabel Fragosa filha de Maria Fragosa irmã de Violante Cardosa bisavó de João de Barros Pereira.

1-1-1-2 Agostinho, em 03-09-1645.

SP, SP Igreja N Sra da Assunção aos 03-09-1645 bat a August.º, f.l. Luiz Peres de Gusmão e Violante Cardosa, padr.: Francisco de Siqueira

1-1-1-3 Maria de Gusmão casou com Domingos Vaz de Siqueira. Geração em 10-3-3 nesta família.

1-1-1-4 Suzana de Gusmão, natural da ilha de São Sebastião, casou duas vezes. Primeira vez casou com Antonio de Aveiro. Segunda vez, Suzana casou com Bento da Cruz, filho de Bento Gil de Siqueira e Maria da Luz Cordeiro. Geração deste matrimônio na família “Sebastião Gil” Cap. 9º.

Suzana e Antonio Aveiro tiveram dois filhos, q.d.:

1-1-1-4-1 Vitorino de Aveiro de Paiva, casado duas vezes - tronco da família Vitorino de Aveiro de Paiva, neste site.

1-1-1-4-2 Sebastião Cardoso, natural de Taubate, casou com Andreza de Castilho, natural de Taubaté, filha de João da Costa de Moraes e de s/m Domingas Loba. Sebastião faleceu em 18-04-1717 e foi inventariado por Andreza em 11 de agosto do mesmo ano, e que em fevereiro de 1720 estava casada segunda vez com Jeronimo Gonçalves.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponinilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado Sebastião Cardoso 1717

Autos aos 11-agosto-1717 nesta vila em casas de morada de João Sobrinho de Moraes onde se achava Andreza de Castilho para se fazer inventário dos bens que ficaram  por morte de Salvador Cardoso, e pela cabeça de casal, a dita Andreza de Castilho, foi declarado que ficaram duas filhas femeas por nome Maria, de idade de 4 anos, e Bernarda de idade de cinco meses e meio, deste matrimonio e que o dito seu marido falecera em um sabado que se contava dezoito de abril deste presente ano e fizera testamento o qual apresentou.

 

Vitorino de Avero curador dos orfãos deste inventário.

 

Bens - avaliações - devedores - dividas, entre elas:

Declarou dever a Agostinho Cardoso de Siqueira 18$000 reis; a Bento da Cruz 3$000 reis; a Pedro da Fonseca de Carvalho 3$300 reis; a Vitorino de Avero 1$280 reis.

 

Monte mor liquido 301$480 reis

150$740 reis para a cabeça de casal inventariante.

45$659 reis a terça

91$320 reis aos dois orfãos

 

Testamento (...) eu Sebastião Cardoso faço este testamento: encomenda a alma.

Testamenteiros: a meu irmão Vitorino Avero homem, e a meu irmão Agostinho Cardoso de Siqueira e pelo mais a meu irmão Vitorino de Averos homem queira ser tutor das minhas filhas; encomenda o sepultamento e missas.

Sou natural da vila de Taubate de S. Francisco das Chagas, f.l. de Antonio de Avero homem e sua mulher Suzana de Gusmão. Sou casado com Andreza de Castilho, f.l. de João da Costa de Moraes e de s/m Domingas Loba, natural desta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate, e dentre ambos temos as filhas seguintes: Maria e Berrnarda.

Legados, entre eles: deixo de esmola a Rosa, filha de Maria da Silva, 6$000 reis. Devo a meu irmão Agostinho Cardoso de Siqueira 18$000 reis; devo a meu padrasto Bento da Cruz onze patacas; devo a Pedro da Fonseca de Carvalho ...; a Sebastião Gago uma pataca; a Vitorino de Avero quatro patacas; declara devedores. (...) roguei a Pantaleão Pedroso de Toledo que este testqamento por mim fizesse e escrevesse = S. Francisco das Chagas de Taubate no Bairro do Uma aos 12-abril-1717 Sebatião Cardoso.

Cumpra-se Taubate 18-abril1717

 

Aos 24-fevereiro-1720 nesta vila, por Jeronimo Gonçalves foi dito ao Juiz, que de duas enteadas que tinha, filhas de Sebastião Cardoso seu antecesssor, havia falecido uma chamada Bernarda, cuja herança queria ele lograr (...).

 

Aos 13(?:) dias do mes de Dezembro de 1727 Manoel Jaques, casado com Maria Cardosa, filha de Sebastião Cardoso, e herdeira neste inventario (...).

Foram duas as filhas do casal (idades em 11-08-1717):

1-1-1-2-2-1 Maria, com 4 anos. Maria Cardosa em dezembro de 1727 estava casada com Manoel Jaques.

1-1-1-2-2-2 Bernarda com cinco meses e meio. Já falecida em 24-02-1720.

 

1-1-2 Maria, com 8 anos em 1636.

S.L. 8º, 4, 3-2; Maria Fragoso, fal. em 1687 em Taubaté no estado de viúva do Coronel Sebastião de Freitas, natural de São Paulo, que faleceu nessa mesma vila em 1690; com geração de 9 filhos.

         Maria Fragosa casou com Cel. Sebastião de Freitas. Faleceu em Taubaté com testamento de 27-02-1684 que recebeu o cumpra-se aos 17-03-1687 e inventario aberto pelo viúvo no mês seguinte.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariada - Maria Fragosa

Inventariante: Sebastião de Freitas

 

Taubaté, Aos 08-04-1687 em casas e moradas do Coronel Sebastião de Freitas onde se achou o dito Coronel (viuvo de Maria Fragosa) ...

 

Filhos:

Sebastião de Freitas, casado.

Geronimo Ferreira de Mello, casado.

Gaspar Fragoso.

Cosme Fereira de Mello.

Maria Fragosa, dona viuva.

Izabel Fragosa, dona viuva.

Marina Fragosa, mulher de Lourenço da Veiga.

Ana Ribeira(sic) mulher de Francisco Felix

Balthezar Fragoso.

 

TESTAMENTO - Ano de 1684 eu Maria Fragosa....Encomendou a alma, fez invocações pias- Testamenteiros: o marido Sebastião de Freitas e o filho Hieronimo Frrª- Declarou ser nat da Vila de S Paulo, filha leg de Balthazar Lopes Fragoso já defunto e Mariana Cardosa; cc Sebastião de Freitas, temos nove filhos a saber: Sebastião de Freitas, Hieronimo Frrª, Gaspar Fragoso, Balthezar Fragoso, Cosme Frrª, Maria Fragosa, Izabel Fragosa, Anna Frrª, Marina Fragosa... 27-02-1684

Cumpra-se 17-03-1687

 

Foram citados para partilhas: Coronel Sebastião de Freitas e seus filhos Sebastião de Freitas, e Jeronimo Ferreira de Mello e Lourenço da Veiga e Francisco Felix Correa e suas mulheres, e Maria Fragosa e Izabel Fragosa donas viúvas, e Gaspar Fragoso e Cosme Ferreira e Balthazar Fragoso

 

         Coronel Sebastião de Freitas e Maria Fragosa tiveram nove filhos:

1- Sebastião de Freitas, casado

2- Jerônimo Ferreira de Melo casado.

3- Gaspar Fragoso.

4- Cosme Ferreira de Mello, citado na GP como Cosme Teixeira de Mello (SL. 8º, 9, 4-4).

5- Maria Fragosa, viúva.

6 Izabel Fragosa, viúva

7- Marina Fragosa casada com Lourenço da Veiga.

8- Ana Ribeira ou Ferreira de Mello casada com Francisco Félix Correa

9- Baltazar Fragoso.

 

1-1-2-1 Sebastião de Freitas, casado. Segundo a GP, foi casado com Izabel de Faria Albernaz. Entre seus filhos:

S.L. 8º, 5, 4-1; coronel Sebastião de Freitas Cardoso, natural da ilha de S. Sebastião, foi casado com Izabel de Faria Albernaz, falecida em 1696, Taubaté, filha do capitão Salvador de Faria Albernaz, do Rio de Janeiro, e de Francisca Duarte Ribeiro, de S. Paulo (7º, 1680); n.p. do capitão Antonio de Faria Albernaz, falecido em 1663 em Taubaté e de sua primeira mulher Catharina de Sysneros; Teve 4 filhos. 5.1 a 5.4

1-1-2-1-1 Sebastião Ferreira Albernaz casou com Izabel de Castilho, filha de José de Castilho e Izabel Fragosa de Freitas. Geração na família Guiomar de Alvarenga Cap. 4º.

1-1-2-1-3 Jeronimo Ferreira foi o primeiro marido de Margarida Cardoso, filha de Domingos Vieira Cardoso e Martha de Miranda. Geração nesta família 6-3-2-13.

 

1-1-2-2 Jerônimo Ferreira de Melo casou com Margarida Teixeira.

SL. 8, 9, 4-2, Jeronimo Ferreira de Mello em 1690 já estava casado com Margarida Teixeira. Teve q. d.: 5-1 Antonio Ferreira de Mello cc. Francisca Rodrigues do Prado, natural de Pouso Alto, filha de Euzebio Rodrigues e Francisca Ferreira.

          Alem do filho Antonio, que segue com geração, Jerônimo teve da india Rebeca, o filho natural:

1-1-2-2-1n Sebastião de Freitas, natural de Taubate-SP, filho natural do Cap. Jerônimo Ferreira de Mello e da india Rebeca. Em 18-11-1717 requereu dispensa para se casar com sua prima Josefa Moreira de Castilho, natural de Taubate-SP, filha natural de Francisco Alvares de Castilho e Ana Leite do gentio da terra.

(pesq. Moacyr Villela) AEAM - Processo Matrimonial aberto em 18-11-1717

São João Del Rei - Rio das Mortes Pequeno

Orador - Sebastião de Freitas filho natural do Capitão Jerônimo Ferreira de Melo e de Rebeca do gentio da terra

Oradora- Josefa Moreira de Castilho filha natural de Francisco Alvares de Castilho e Ana Leite do gentio da terra

Ambos naturais de Taubaté e moradores no Rio das Mortes Pequeno.

Impedimento de consanguinidade em segundo grau misto de terceiro

A oradora é neta paterna de Isabel Fragosa irmã de Jerônimo Ferreira de Melo

Testemunhas

1 Jerônimo Ferreira de Melo morador em seu sitio junto ao Rio das Mortes Pequeno, natural da Vila de Taubaté, casado, 50 anos mais ou menos, pai do orador e tio da oradora

2 Francisco Álvares de Castilho, casado, morador no Rio das Mortes Pequeno, natural de Taubaté, 40 anos mais ou menos

3 João Rodrigues Moreira, casado, morador no Rio das Mortes Pequeno, natural da Cidade de São Paulo, 30 anos mais ou menos parente da oradora em quarto grau de consanguinidade.

1-1-2-2-1 Antonio Ferreira de Mello casou com Francisca Rodrigues do Prado e foram moradores em Pouso Alto-MG. Ambos já eram falecidos em 26-07-1775 (batismo da neta Maria, filha de Jerônimo).

SL. 8, 9, 5-1, Antonio Ferreira de Mello cc. Francisca Rodrigues do Prado, natural de Pouso Alto, filha de Euzebio Rodrigues e Francisca Ferreira. Teve q. d.: 6-1

Encontramos os filhos:

1-1-2-2-1-1 Felipe Ferreira de Mello, citado na GP.

1-1-2-2-1-2 João Ferreira de Mello, natural do Pouso Alto. Em Guaratingueta-SP aos 10-02-1766 casou com Angela Maria de Jesus, dai natural, filha de José Francisco e Maria de Goes, naturais de Pindamonhangaba.

Guaratinguetá-SP Igreja Sto Antonio em 10-02-1766 João Ferreira de Mello n. freg. N. Sra da Conceição do Pouso Alto bispado de Mariana,. f.l. Antonio Ferreira de Mello e Francisca Ferreira, nts da mesma freguesia = cc Angela Maria de Jesus, n. desta vila, f.l. Jose Francisco e Maria de Goes, nts de Pindamonhangaba,

1-1-2-2-1-3 Jerônimo Ferreira de Mello, natural do Pouso Alto, casou duas vezes. Primeira vez casou com Maria Madalena de Jesus, natural de Pouso Alto, filha de José Machado Pimenta e Maria Madalena.

          Maria Madalena de Jesus faleceu aos 46 anos e foi sepultada em 25-06-1801 na Campanha.

Campanha, MG aos 25-06-1801 foi sepultada no adro desta matriz Maria Madalena de Jesus, mulher branca, casada com Jeronimo Ferreira de Mello. Morreu de malina tendo de idade 46 anos.

          Jerônimo casou segunda vez aos 09-09-1802 com Emerenciana Marques da Conceição, viuva de José Henrique de Siqueira e filha de Manoel Caetano da Cunha Borges e Ana Jacinta Marques - família Brigadeiro Silvestre Marques da Cunha.

Campanha, MG aos 09-09-1802 nesta matriz Jeronimo Ferreira de Mello, viuvo de Maria Madalena de Jesus = cc Emerenciana Marques da Conceição, viuva de Jose Henrique de Siqueira.

          Faleceu Jeronimo aos 60 anos e foi sepultado em 27-01-1803.

Campanha, MG aos 27-01-1803 foi sepultado no adro desta matriz Jeronimo Ferreira, branco, casado com Emerenciana Marques, morador em S. Bento. Morreu de hidropsia de idade de 60 anos.

Entre os filhos de Maria Madalena de Jesus e Jerônimo Ferreira de Mello:

1-1-2-2-1-3-1 Joaquim Ferreira de Mello, natural de Pouso Alto. Na Campanha em 18-11-1795 casou com Genoveva Marques da Conceição, filha de Manoel Caetano da Cunha Borges e Ana Marques da Cunha - família Brigadeiro Silvestre Marques da Cunha.

          Pais de, pelo menos:

1-1-2-2-1-3-1-1 Antonio batizado em 26-11-1800.

Campanha, MG aos 26-11-1800 na capela de S. Gonçalo bat a Antonio, branco, f. de Joaquim Jose Ferreira e Genovefa Marques da Conceição; foram padrinhos Manoel Caetano da Cunha e Joana Marques.

1-1-2-2-1-3-2 Jerônimo Ferreira de Mello aos 12-10-1796 casou com Felipa Marques da Conceição, irmãs inteiras de Genoveva Marques da Conceição, suapra citada.

1-1-2-2-1-3-3 Maria Ana de Jesus batizada em 26-07-1775. Aos 29-11-1794 casou com Manoel Marques da Cunha, irmão inteiro de Felipa e Genoveva supra citadas.

Campanha, MG aos 26-07-1775 nesta matriz bat a Maria nascida a nove dias, f.l. de Jeronimo Ferreira de Mello, n. freg. Pouso Alto e Maria Madalena de Jesus, n. do Pouso Alto, padr.: ao cabo dos Dragões Jose Henrique Pereira, casado e Angela da a[espaço] mulher de Jeronimo da Veiga. Avos paternos Antonio Ferreira e Francisca Rodrigues do Prado, ambos defuntos, maternos Jose Machado Pimenta e Maria Madalena.

 

Campanha, MG [Manoel Marques  e Mariana Teixr.ª]aos 29-11-1794 nesta matriz Manoel Marques da Cunha, f.l. de Manoel Caetano da Cunha e de Ana Marques da Cunha, n/b na freguesia das Lvaras do Funil= cc Mariana de Jesus, f.l. de Jeronimo Ferreira de Mello e de Maria Madalena, n/b nesta Campanha e nela moradores.

1-1-2-2-1-3-4 Ana Maria de Jesus batizada em 17-09-1777. aaos 29-11-1794 casou com Inacio Marques da Cunha, irmão inteiro de Manoel Marques da Cunha, de Felipa e Genoveva - família Brigadeiro Silvestre Marques da Cunha.

Campanha, MG aos 17-09-1777 nesta matriz bat a Ana nascida de 25 dias, f.l. de Jeronimo Ferreira de Mello, n. freg. Pouso Alto e Maria Madalena de Jesus, n. do Pouso Alto, padr.: Antonio Luiz Ferreira e s/m Ana Maria. Avos paternos Antonio Ferreira de Mello e Francisca Rodrigues do Prado, maternos Jose Machado Pimenta e Rosa Maria.

1-1-2-2-1-3-5 João Rodrigues Ferreira, batizado em 12-09-1784. Aos 22-02-1807 casou com Antonia Maria de Belem, exposta em casa de Manoel Moreira da Silva. Com geração na Campanha.

Campanha, MG aos 12-09-1784 bat a João de mes e meio, f.l. de Jeronimo Ferreira de Mello, n. freg. Pouso Alto e Maria Madalena de Jesus, n. do Pouso Alto, padr.:Bernardo da Cunha Cobra e Maria de Araujo mulher de Manoel de Souza Teixeira por pp a Genoveva da Silva.

 

Campanha, MG aos 22-02-1807 João Rodrigues Ferreira, f.l. de Jeronimo Ferreira de Mello e Maria Madalena de Jesus, n/b na freg. da Campanha = cc Antonia Maria de Belem exposta em casa de Manoel Moreira da Silva, n/b nesta mesma freguesia.

 

1-1-2-6 Izabel Fragoso de Freitas casou com José de Castilho Moreira, filho de Francisco Alvares Correa e Guiomar de Alvarenga.  Geração na família Guiomar de Alvarenga Cap. 4º.

          Entre seus filhos:

1-1-2-6-8 Salvador Moreira de Castilho, nascido em Taubate em 1684. Casou com Izabel de Miranda. Entre seus filhos:

1-1-2-6-8-4 Carlos Moreira de Castilho, batizado em Taubaté em 05-11-1713. Em 1745 requereu dispensa de afinidade lícita em 4º grau para se casar com Quiteria Loureira de Jesus, viúva de João de Barros Pereira 1-1-1-1-1-1 supra.

1-1-2-7 Marina Fragosa casada com Lourenço da Veiga da Costa, com 13 anos em 1673, filho de Lourenço da Veiga, inventariado em 1673 e Ana de Proença - familia Maria da Cunha e Jeronimo da Veiga.

Entre os filhos de Marina e Lourenço:

1-1-2-7-1 Maria Fragosa da Veiga (citada na GP como da Veiga Fragosa), em 1745 era viúva de Antonio Gonçalves do Prado. Geração em SL. 3º, 216, 3-1:

          Testemunha na dispensa matrimonial de Carlos Moreira de Castilho: “Maria Fragosa da Veiga, natural e moradora nesta freguesia de Taubate, viuva de Antonio Glz do Prado, que trata de suas terras, de idade 55 anos, parente no 3º grau com o contraente”.

1-1-2-8 Ana Ribeira (ou Ferreira de Mello) casada com Francisco Félix Correa - Tronco da familia Francisco Félix Correa, sargento mor.

1-1-2-9 Baltazar Fragoso. Segundo a GP, casou com Catarina do Prado, natural de Itu onde faleceu em 28-05-1800. Baltazar tambem faleceu em Itu, aos 04-01-1701. Tiveram, pelo menos:

SL. 8, 10, 4-9 Balthazar Fragoso de Mello em 1690 em Itú cc. Catharina Leme do Prado filha de Sebastião Mendes Bicudo e Anna Maria do Prado. Teve: 5-1

Itu, SP Catarina do Prado, moradora e natural desta vila de Itu, casada com Baltazar Fragoso, faleceu aos 28-maio-1700. Testamenteiros Cosme da Silva Gil e o Cap. Pascoal [----------].

 

Itu, SP Baltazar Fragoso, viuvo, morador desta vila de Itu e natural da vila de Taubate, faleceu aos 04-janeiro-1701, não fez testamento.

1-1-2-9-1 Ana Fragosa, em Itu aos 10-05-1716, casou com Anselmo Gonçalves, aí batizado em 09-julho-1698, filho de Gaspar Gonçalves e Maria das Neves.

Itu, SP - era de 1716 - Anselmo Gonçalves, f. de Gaspar Gonçalves e de s/m Maria das Neves = cc Ana Fragosa, f. de Baltasar Fragoso e de s/m Catarina do Prado, ja defuntos. aos 10-maio da sobredita era.

 

Itu, SP aos 09-julho-1698 bat a Anselmo, f. de Gaspar Glz e de s/m Maria das Neves, foram padrinhos Sebastião Frz e Maria dos Santos.

 

1-1-3 Gaspar, com 6 anos em 1636, filho de Balthazar Lopes Fragoso e Mariana Cardoso.

1-1-4 Pedro, com 2 anos.

 

1-2 Gaspar, 8 anos. Gaspar Vaz Madeira, casado com Catarina Bicudo, filha de Antonio Luiz Grou e Guiomar Bicudo. Geração de cinco filhos em S.L. 6º, 465, 2-1, entre eles:

1-2-3 Gaspar batizado na Sé aos 12-11-1642.

SP, SP Igreja N Sra da Assunção aos 12-nov-1642 bat a Gaspar f. Gaspar Vaz Madeira e Catarina Bicuda, padr.:[---------] e Maria Cardoso.

1-2-4 Maria, batizada na Sé em 30-05-1644. Maria Bicuda casou com Manoel Rodrigues Moreira, filho de Francisco Alvares Correa e Guiomar de Alvarenga - família Guiomar de Alvarenga Cap. 6º.

SP, SP Igreja N Sra da Assunção aos 30-05-1644 bat a Maria, f.l. Gaspar Vaz Madeira e Catarina Bicuda, padr.: ---- de Oliveira, o moço e Catarina de ----

         Manoel já falecido em 1716. Em 1722, Maria fez inventário de sua meação, reservando-se a terça para sua subsistência. Testou em 30-06-1726 e faleceu em março de 1728 sendo inventariada em 8 de abril do mesmo ano. Instituiu herdeiras as filhas naturais de seu filho João.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

1722- Maria Bicudo -

Folha de partilha pertencente a Manoel Roiz do Prado por cabeça de sua mulher Guiomar de Alvarenga da legitima que lhe coube de sua mãe Maria Bicuda.

Pelo Juiz de Órfãos foram sentenciados uns autos de inventário dos bens de Maria Bicuda mulher do defunto Manoel Rodrigues Moreira, que Ds haia, da partilha em sua vida a seus filhos reservando-se somente somente para si a sua terça (...) 22-julho-1722 nesta vila.

Declarou Maria Bicudo que os filhos são os que adiante se seguião que houvera do dito seu marido como no seu inventário se declara. Rogou a seu procurador Placido dos Santos Vianna por seu rogo assinar.

 

Titulo dos filhos:

- Francisco Rodrigues Moreira, falecido, do qual ficaram os filhos seguintes: Domingos Rodrigues Correa, casado = Manoel Rodrigues Moreira, solteiro = Ignez Gonçalves cc Leuterio Felix de Oliviera = Maria Bicuda Moreira cc Pantaleão Pedroso de Toledo.

- Maria Bicudo, segundo filho, casada com João de Azeredo.

- Maria Moreira, casada que foi com Domingos Gonçalves Cardido

- João Rodrigues Moreira, viuvo.

- Guiomar de Alvarenga cc Manoel Rodrigues do Prado.

- Manoel Rodrigues Moreira, casado.

- Gaspar Correa Moreira, casado.

- Catarina Bicuda, faleceu, de que lhe ficaram os filhos: Margarida Bicuda, falecida, casada que foi com Miguel Pinheiro de Rezende, teve um filho chamado Salvador, menor; e Thome filho da dita defunta Catarina Bicuda e João Portes.

 

Avaliações/ Partilha

Sentença Folha de Partilha.

Folha de partilha de D. Maria Bicuda, dona viuva que ficou de Manoel Rodrigues Moreira, de que lhe pertence a sua terça.

Titulo dos filhos:

- Francisco Rodrigues Moreira, falecido, do qual ficaram os filhos seguintes: Domingos Rodrigues Correa, casado = Manoel Rodrigues Moreira, solteiro = Ignez Gonçalves cc Leuterio Felix de Oliveira = Maria Bicuda Moreira cc Pantaleão de Toledo Pisa.

- Maria Bicudo, segundo filho, casada com João de Azeredo.

- Maria Moreira, casada que foi com Domingos Gonçalves Cardido

- João Rodrigues Moreira, viuvo.

- Guiomar de Alvarenga cc Manoel Rodrigues do Prado.

- Manoel Rodrigues Moreira, casado.

- Gaspar Correa Moreira, casado.

- Catarina Bicuda, falecida, que foi casada, de que lhe ficaram os filhos: Margarida Bicuda, falecida, casada que foi com Miguel Pinheiro de Rezende, teve um filho chamado Salvador, menor; e Thome filho da dita defunta Catarina Bicuda, tambem órfão de Joam Portes.

 

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariada Maria Bicuda ano 1728

Autos aos 08-abril-1728 dos bens que ficaram de Maria Bicuda, viuva que ficou de Manoel Rodrigues Moreira, inventariante Gaspar Correa Moreira, filho da defunta.

Sua mãe fizera inventário dos bens que lhe pertenciam, depois de dado partilhas aos seus herdeiros por morte de seu marido. Reservou-se apenas sua terça.

Faleceu em dias do mes de março do presente ano

 

[danificada a lateral] nomeados em testamento filhos naturais de João Roiz Moreira.

Tomasia casada com Domingos de Castro

Andresa de idade de 12 anos, solteira.

 

Testamento: (...) aos trinta do mes de junho de 1726 eu Maria Bicuda faço este meu testamento: encomenda a alma.

Testamenteiros: Sr. Miguel Pinheiro de Rezende e ao -- Francisco Roiz de Oliveira; encomenda o sepultamento e missas.

Sou natural da vila de [borrado]y, f.l. de Gaspar Vaz Madeira e de Catarina Bicuda, Fui casada com Manoel Rodrigues Moreira de cujo matrimonio tive os filhos seguintes: Francisco Rodrigues Moreira = João Rodrigues Moreira = Manoel Rodrigues Moreira = Gaspar Correa Moreira = Guiomar de Alvarenga = Maria Bicuda Moreira = Maria Rodrigues de Alvarenga = Catarina Bicuda os quais são meus herdeiros.

Por falecimento de meu marido fiz inventario da meação do dito seu pai e ficaram todos pagos de sua legitima. Depois fiz novas partilhas do monte reservando para mim a minha terça para me alimentar. Declara o que lhe tocou na terça. Declaro, nomeio e instituo por meus herdeiros forçados de tudo o que, depois de cumpridos meus legados, restar de minha fazenda que é a sobredita terça, que não per[rasgo] aos meus filhos, a Tomasia e Andreza moças bastardas que se criaram em minha casa as quais faço a esmola da dita herança ou deixa).(...) roguei a D.os Affonço Felix que este testamento me fizesse nesta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate aos 30 de junho de 1726

 

 (...) João Rodrigues Moreira do legado da herdeira sua filha (...).

 

Diz Domingos de Castro, morador nesta vila, por cabeça de sua mulher Thomasia Moreira, que ele mostra pela justificação ser agil, capaz e suficiente para bem reger e administrar o que pertence por deixa de uma terça por Maria Bicuda, que Ds haja (...) sem sua folha de partilha.

Testemunhas de Domingos de Castro

 

Diz Roque Sardinha, morador nesta vila, que ele se acha casado com Andreza Bicuda, filha natural de João Roiz Moreira, e por cabeça da dita esta habilitado herdeiro legatarip da parte da terça que lhe foi deixada por morte de Maria Bicudo, que Ds haja (...) sua folha de partilha.

 

Testemunhas.

 

1-2-4-1 Francisco Rodrigues Moreira casou com Maria de Góes da Costa, filha de Domingos Gomes da Costa e Ignez Gonçalves - família Lazaro de Torres. Francisco faleceu com testamento em 1716 e foi inventariado no msmo ano. Declarou quatro filhos de seu casal:

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado Francisco Rodrigues Moreira 1716

Documento incompleto e muito danificado.

Inventário de Francisco Rodrigues Moreira inventariante Maria de Goes da Costa estando presente o Cap. Manoel de Goes da Costa curador da órfã deste inventário.

 

Procuração que faz Maria de Goes da Costa, dona viuva, a Manoel Roiz do Prado. 03-junho-1716

Declarou a inventariante haver em dinheiro amontoado, pertencente a esta fazenda, entrando o dinheiro remanescente e do que coube ao defunto de herança de seu pai Manoel Rodrigues Moreira e o mais que se achou nesta fazenda (...).

 

Avaliações/ Dividas que se deve a fazenda/ Dividas que a fazenda deve/

 (...) esta fazenda estava devendo a seu genro Pantaleão Pedroso de Toledo (...).

 

Termo de encerramento de inventário.

Citei a cabeça de casal inventariante e os mais herdeiros para estas partilhas (...) 08-junho-1716

(...) deixou o remanescente da terça para a filha Ignez Gonçalves.

 

Pagamentos:

- a Maria de Goes da Costa de sua meação

- do remanescente da terça a Ignez Gls, legataria filha

- a Domingos Roiz Correa de sua legitima

- a Pantaleão Pedroso de Toledo por cabeça de sua mulher Maria Bicuda

- a Manoel Rodrigues Moreira de sua legitima

- a órfã Ignez Gls de sua legitima

 

Aos 15-junho-1716 nesta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate em casa do Juiz dos Órfãos, presente Maria de Goes da Costa, dona viuva que ficou de Francico Roiz Moreira, e por ela foi dito que era tutora de sua filha Ignez, órfã deste inventário (...).

 

Treslado do Testamento e Condicilo de Francisco Roiz Moreira.

(...) eu Francisco Rodrigues Moreira faço este testamento: encomenda a alma.

Testametneiros: a minha mulher Maria de Goes da Costa e a meu irmão Gaspar Correa Moreira, e a meu genro Pantaleão Pedroso de Toleedo; encomenda o sepultamento e missas.

Sou natural da vila de N. Sra da Conceição da Paraiba f.l. de Manoel Roiz Moreira e de s/m Maria Bicuda. Sou casado com Maria de Goes da Costa, n. desta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate, f.l. de Domingos Gomes da Costa e de s/m Ignez Gonçalves, ja defuntos; e de entre ambos temos os filhos seguintes: Domingos Rodrigues Correa = Manoel Rodrigues Moreira = Maria Bicuda = Ignez Gonçalves. Casei minha filha Maria Bicuda com Pantaleão Pedroso de Toleedo e esta inteirado e pago de todo o dote que lhe prometi.

Declara bens. (...) meu irmão João Rodrigues Moreira (...). Declara dividas e devedores. Declaro que me deve meu cunhado Antonio de Goes da Costa (...), meu cunhado Manoel de Goes da Costa (...); a defunta minha sogra deu uma rapariga do gentio a minha filha Ignez (...).

Deixo o remanescente de minha terça a minha filha solteira Ignez Gonçalves. (...) S. Francisco das Chagas de Taubate aos 09-dezembro-1715 Francisco Rodrigues Moreira.

Aprovação 27-dezembro-1715

Condesilio: (...) eu Francisco Rodrigues Moreira faço este condicilio por me haver esquecido e lembrado de algumas cousas que não estão declaradas no meu primeiro testamento. Só aponto aqui o que me havia esquecido(...). Devo em a vila de Santos, aos herdeiros do defunto João Francisco Coelho (...); devo mais em a vila de Santos a Manoel Gonçalves de Araujo (...); declara outras dividas e devedores. (...)S. Francisco das Chagas de Taubate aos 26-dezembro-1715 Francisco Rodrigues Moreira.

Aprovação 27-dezembro-1715

 

Segundo Condecilio: (...) aos 10-janeiro-1716 eu Francisco Rodrigues Moreira (...) mando se restituam a Manoel de Lemos, tio de Gaspar Pereira 68.000 reis que lhe devo de fazenda (...). Devo, a mulher do defunto Andre Dias, uma canoa (...). declara mais dividas. (...) Vila de Taubaté aos 10-janeiro-1716 = Assino a rogo do testador = frei Gabriel de Santa Maria

Aprovação: 10-janeiro-1716.

 

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado Francisco Rodrigues Moreira

Autuação de petição para se fazer inventário e partilha - Maria de Goes da Costa inventariante e seus filhos como herdeiros - 12-maio-1721.

Diz Maria de Goes da Costa, dona viuva do defunto Francisco Roiz Moreira, que pelo termo junto esta justa e acordada com seus filhos a lhe dar partilha de seus bens (...).

Termo de ajuste e amigavel composição que faz Maria de Goes da Costa, dona viuva que ficou do defunto Francisco Roiz Moreira,, com seus filhos e genros aos 11-março-1721 nesta vila presentes:

- a sobredita viúva e bem assim: - Manoel Rodrigues Moreira, Domingos Rodrigues Moreira, seus filhos; e Pantaleão de Toledo, casado com Maria Bicuda Moreira, sua filha; e Leuterio Felix de Oliveira, casado com Ignez Gonçalves, sua filha.

 

Auto de inventario 12-março-1721 nesta vila, em casas de vivenda de Maria de Goes da Costa, dona viuva do defunto Francisco Roiz Moreira

Titulo dos herdeiros com seus dotes:

- Domingos Roiz Correa que foi dotado

- Manoel Rodrigues Moreira.

- Maria Bicuda casada com Pantaleão de Toledo, foi dotada.

- Ignez Gonçalves casada com Eleuterio Felix, sem dote.

 

Avaliações/ Partilhas/

Fica liquido para se partir pelos herdeiros e terça 2:445$492 reis

Toca a terça 815$164 reis

Aos 4 herdeiros 1:630$320 reis.

 

1-2-4-1-1 Domingos Rodrigues Correa. Em 1722 (partilha em vida dos bens da avó paterna) estava casado.

1-2-4-1-2 Manoel Rodrigues Moreira. Solteiro em 1722.

1-2-4-1-3 Maria Bicuda Moreira, casada em vida do pai com Pantaleão Pedroso de Toledo.

1-2-4-1-4 Ignez Gonçalves, herdeira da terça paterna. Em 1722 estava casada com Eleutério Felix de Oliveira.

 

1-2-4-2 João Rodrigues Moreira, viúvo em 1722. Teve duas filhas naturais, legatárias da avó paterna.

1-2-4-2-1 Tomasia Moreira casou com Domingos de Castro.

1-2-4-2-2 Andreza Bicuda, com 12 anos em 1728. Casou com Roque Sardinha. Pais de, pelo menos:

1-2-4-2-2-1 Inacio Sardinha da Silveira, natural de Taubate. Em Aiuruoca aos 12-02-1755, casou com Barbara Fernandes, natural de Guaratingueta, filha de Lucas Martins e Izabel Vitoria

Aiuruoca, MG aos 12-02-1755 nesta paroquial se receberam Inacio Sardinha, filho legitimo de Roque Sardinha e Andreza Bicuda, n/b na vila de Taubate Bispado de S. Paulo = E Barbara Fernandes, f.l. de Lucas Martins e Izabel Vitoria, n/b na freguesia de Guaratingueta do mesmo Bispado de S. Paulo. Test.: o Padre Boaventura Lopes Leite e Bernardo Mendes da Silva.

Tiveram os filhos, batizados em Aiuruoca, q.d.:

1-2-4-2-2-1-1 Maria em 01-05-1770.

Aiuruoca, MG aos 01-05-1770 na capela N. Sra do Porto do Turvo, bat a Maria, f.l. de Inacio Sardinha da Silveira e Clara Maria que nasceu em 19 de abril do dito ano, foram padrinhos João de Souza e Maria de Faria da Assunção.

1-2-4-2-2-1-2 Teresa Maria de Oliveira, batizada em 04-10-1771. Em Campanha aos 07-02-1787 casou com Francisco Gonçalves de Souza, filho de Sebastião Gonçalves Pombeiro e Joana de Souza. Geração na família Sebastião Gonçalves Pombeiro.

Aiuruoca, MG aos 04-10-1771 na capela N. Sra do Porto do Turvo, filial desta matriz, bat a Teresa, f.l. de Inacio Sardinha da Silveira e Clara Maria de Oliveira, que nasceu aos 28 do mes de setembro do dito ano, foram padrinhos Manoel Pereira da Silva, solteiro e Teresa de Jesus mulher de Constantino de Faria, todos desta freguesia.

 

1-2-4-3 Manoel Rodrigues Moreira casado com Ana Ribeiro Leme. Testou em 18-01-1757 e foi inventariado em 20-agosto-1761. Declarou sete filhos de seu casal.

          João Alvares e Manoel Rodrigues Moreira citados como filhos de Manoel Rodrigues Moreira em S.L. 5º, 442, 2-5 e 2-6 são netos, filhos de Pedro Leme.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP

Pesuisa Bartyra Sette

1761- 20 agosto Inventariado Manoel Rodrigues Moreira

aos 18 janeiro 1757, estando eu bastante molesto rogo a meu filho Manuel Barbosa Moreira como ao me compadre Verissimo do Prado Siqueira para serem meus testamenteiro.

Declaro que sou cc. Ana Ribeiro Leme e tenho os filhos seguintes:

Guilherme Moreira

Manoel Barbosa Moreira

Antonio B. Moreira

Pedro Leme já defunto e deixou 2 filhos: João Alvares e Manoel Rodrigues Moreira.

Ana Ribeira Moreira cc. João Antonio Garcia

Maria Moreira cc. Manoel Fernandes

Francisca de Arruda cc. Verissimo do Prado (assina Verissimo de Siqueira do Prado)

Os que são meus herdeiros necessários.

Deixo uma esmola a neta Ignacia, filha de meu filho Manoel Barbosa.

1-2-4-3-1 Guilherme Moreira

1-2-4-3-2 Manoel Barbosa Moreira, testamenteiro paterno.

1-2-4-3-3 Antonio B. Moreira. Antonio Alves Cabral casou com Angela Machada de Jesus e foram moradores em São Luiz do Paraitinga onde Angela faleceu em 04-12-1784.

          Em 1786 Antonio pediu dispensa do parentesco de consanguinidade em 3º grau para se casar com Maria Barbosa do Rego, viúva de Miguel Pinto de Almeida falecido em 29-06-1783 e filha de Diogo Barbosa do Rego e Catarina de Oliveira do Prado (SL. 7, 347, 3-3)

ACMSP - Dispensas Matrimoniaias ano 1786 im 31

Autos de Casamentod e Antonio Alvares Cabral e Maria Barbosa do Rego 28-abril-1786

moradores na vila de S. Luiz de Paraitinga - 3º grau de consanguinidade.

Certidão de banhos: Autos

Querem casar Antonio Alz Cabral, viuvo de sua mulher Angela Machada de Jesus, e Maria Barbosa do Rego, viuva de seu marido Miguel Pinto de Alm.da, os quais se acham dispensados do parentesco de consdanguinidade em 3º grau.

- Livro de óbitos a f 13: aos 29-junho-1783 nesta vila de S. Luiz de Paraitinga faleceu Miguel Pinto de Almeida, casado com Maria Barbosa Rego, natural da vila de Taubate e fregues desta vila. De idade 50 anos pouco mais ou menos; fez testamento.

- No mesmo livro f. 16: aos 04-dezembro-1784 faleceu Angela Machada, mulher de Antonio Alz Cabral, de idade 50 anos pouco mais ou menos, sem testamento. S. Luiz 28-abril-1786

 

Aos 19-janeiro-1786 nesta vila de S. Luiz do Praitinga os oradores Antonio Alves Cabral e Maria Barbosa Rego

Testemunhas:

1- Pedro Gomes do Amaral, natural a vila de Itu, nesta morador, carpinteiro, de idade 65 anos. [danificado] era irmã de Fran.ca Pedrosa de Alvarenga e filhas de Manoel da Costa Cabral. De Francisca Pedrosa de Alvarenga nasceu Ana Ribeira de Alvarenga, e desta nasceu o orador Antonio Alves Cabral. De Ana Maria Cabral nasceu Diogo Barbosa Rego e deste nasceu Maria Barbosa Rego - oradora.

2- Gabriel Nunes Barbosa, natural da vila de Taubate e casado, assistente nesta vila, ferreiro. Parente dos oradores em 3º grau de consanguinidade. Manoel da Costa Cabral pais de Ana Maria Cabral e de sua irmã Francisca Pedrosa de Alvarenga, desta nasceu Ana Ribeira de Alvarenga e desta Antonio Alves Cabra - orador. // De Ana Maria Cabral procedeu Diogo Barbosa Rego e deste Maria Barbosa Rego - oradora

3- João Barbosa Moreira, n. da vila de Taubate, casado, morador nesta vila, vibve de suas lavouras, de idade 59 anos. Confirma os itens.

4- Manoel Gil de Siqueira, n. da vila de Pindamonhangabas e morador nesta vila, vive de sua lavoura. Confirma os itens.

5- Pedro Pereira Barros, n. da vila de Barcelos Arc. de Braga, morador na vila de Taubate, compadre do orador. Confirma os itens.

1-2-4-3-4 Pedro Leme, já falecido em 1757, foi representado no inventário paterno por seus dois filhos:

1-2-4-3-4-1 João Alvares Moreira. Casou com Gertrudes Garcia, filha de Antonio Garcia da Cunha e Maria Antunes Cardoso - família Maria do Prado cc Miguel de Almeida, neste site.

Pais de, pelo menos:

1-2-4-3-4-1-1 Marta Alvares Moreira, batizada em Taubate aos 05-10-1743. Casou com José Barbosa da Costa, filho de Mateus Leme da Costa e Maria da Veiga - família Lazaro de Torres, neste site.

1-2-4-3-4-2 Manoel Rodrigues Moreira.

1-2-4-3-5 Ana Ribeira Moreira casada com João Antonio Garcia

1-2-4-3-6 Maria Moreira casada com Manoel Fernandes Malvão, natural de Parati, filho de João Marques Pedroso, já falecido em 1735, e Coratina Fernandes de Unhate. Manoel testou em 20-03-1735, declarou uma filha natural e a mulher pejada. Seu testamento foi aberto aos 21-03-1735 e foi inventariado em 07-08-1735.

          Durante a inventariança, Maria casou segunda vez com João Rodrigues do Prado, filho de Manoel Rodrigues do Prado e Joana de Oliveira - família Sebastião Gil Cap. 4º.

I- Inácia, filha natural de Manoel Fernandes Malvão, com 12 anos em 1735.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventário que se fez por falecimento de Manoel Fernandes Marvam, morador que foi desta vila.

Autos 07-agosto-1735 presente Guilherme Moreira, irmão da viuva Maria Moreira mulher que ficou do defunto Manoel Fernandes Marvam, por esta se achar enferma.

 

Termo de tutoria: (...) nomeou Guilherme Moreira para tutor dos orfãos, filhos do defunto Manoel Fernandes Marvam, seu cunhado.

 

Titulo dos filhos: Manoel, de idade de dois meses,

 

Bens - avaliações - partilhas

Monte Mor 318$240 reis

meação da viúva 159$120 reis

meação liquida do defunto 119$040 reis

Terça 39$680 reis

Dois terços pertencentes ao orfão 79$360 reis

 

Pagamentos: a viúva - ao orfão.

 

Termo de novo tutor João Rodrigues do Prado em lugar de Guilherme Moreira - 16-janeiro-1740

 

(...) Pedro Furtado da Costa havia sido citado para ser tutor da legataria Ignacia, filha natural de Manoel Fernandes Margão(sic) (a qual se acha em Parati)

 

Aos 19-abril-1752 nesta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate nomeado o Cap. João Ferreira Torres por tutor e curador da legataria Ignacia

 

Aos 20-fevereiro-1759(?) nesta vila, presente Manoel Ferreira de Castilho e por ele foi dito que fazia por seu procurador, por o suplicante ter uns penhores no cofre dos orfãos do inventario de Manoel Fernandes Marvam, a seu genro Ignacio Rabelo

 

Contas do tutor Cap. João Ferreira Torres, da legataria Ignacia deste inventário, de cinco anos, seis meses e dezenove dias (...) 08-novembro-1757

 

Aos 20-fevereiro-1759 nesta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate, sendo presente João Rodrigues do Prado, cabeça de casal da inventariante deste inventário Maria Moreira, (...) que o juiz dos orfãos nomeasse por parte da legatária o legado da dita para efeito de inteirar a meação de sua mulher (...).

 

Auto de emenda de partilhas aos 20-fevereiro-1759

Pagamento feito a João Roiz do Prado, por cabeça de sua mulher Maria Moreira, da quantia que falta em sua meação de 82$600 reis.

 

Testamento do defunto Manoel Fernandes Marvão.

(...) aos 20-março-1735 nesta vila Real de Nossa Senhora do Bom Sucesso de Pindamonhangaba eu Manoel Fernandes Marvam (...) faço este testamento: encomenda a alma.

Testamenteiros: Licenciado Domingos Roiz Ramos e a meu cunhado Guilherme Nogueira(sic); encomenda o sepultamento e missas.

Sou natural da vila de Parati, f.l. de João Marques Pedroso, ja defunto, e de sua mulher Coratina Fernandes de Unhate. Sou casado com Maria Nogueira(sic) de cujo matrimonio se acha a dita minha mulher pejada de sete para oito meses o qual será meu legitimo herdeiro.

Declara bens - no texto: meu sogro Manoel Roiz Nogueira(sic); declara dividas - devedores, entre eles: meu cunhado Guilherme Moreira.

Declaro que tenho uma filha natural na vila de Parati, Ignacia, em poder de meu cunhado Antonio Vogano, de idade de 12 anos e paguei a sua criação quinze moedas de 4.800 reis a qual deixo por forra e livre de toda a obrigação assim por minha parte como de minha mulher por consentir.

Deixo a minha terça a minha filha natural por nome Ignacia, que atras vai declarado, para amparar o seu estado.

Declaro mais que devo a meu cunhado Antonio da Silva Fogaça uma dobra de 12.800 de restituição. Declaro que a terça que tenho dado a dita filha natural sera entregue adonde assiste Antonio da Silva, porquanto esta é a minha ultima vontade. (...)Manoel Fernandes Marvam

Aprovação: aos 20 dias de março de 1735 nesta vila Real de N. Sra do Bom Sucesso de Pindamonhangaba.

Abertura aos 21-março-1735 nesta vila de S. Francisco das Chagas de Taubaté me foi apresentado este testamento com que faleceu na vila de Pindamonhangaba Manoel Fernandes Marvam

 

Diz João Roiz do Prado, morador desta vila, que lhe é necessário por treslado uma escritura que o suplicante passou a seu enteado Manoel Frz, orfão filho de Manoel Fernandes Marvam ja defunto, da quantia de 79$200 reis (...)

Maria Moreira e Manoel Fernandes tiveram o filho único:

1-2-4-3-6-6 Manoel Fernandes, póstumo, com dois meses em 1735. Recebeu sua legitima.

1-2-4-3-7 Francisca de Arruda casada com Verissimo de Siqueira do Prado, filho de Manoel Rodrigues do Prado e Joana de Oliveira - família “Sebastião Gil” Cap. 4º .

1-2-4-4 Gaspar Correa Moreira, casado.

1-2-4-5 Guiomar de Alvarenga em 1722 estava casada com Manoel Rodrigues do Prado, filho de Francisco Borges Rodrigues e Luzia Rodrigues do Prado - família “Os irmãos Furtado” Cap. 1º.

1-2-4-6 Maria Bicuda Moreira casada com João de Azeredo, filho do do Juiz João de Azeredo Coutinho e Ignez Monteiro de Alvarenga - aportes à GP: Ana de Proença - SL. IV, 383, 2-2.

1-2-4-7 Maria Moreira de Alvarenga casou primeira vez com Domingos Gonçalves Cardido com geração na família “Maria Moreira de Alvarenga”, neste site.

1-2-4-8 Catarina, batizada em Taubaté em 24-06-1684. Catarina Bicudo casou com João Portes del Rei, filho de Thome Portes del Rei e Juliana de Oliveira. Geração na família Francisco Correa de Oliveira.

(genere do neto Salvador)

- aos 24-junho-1684 bat a Catarina, f. de Manoel Roiz Moreira e de s/m Maria Bicuda, foram padrinhos Domingos Gonçalves e Maria Fragosa.

 

1-3 Jorge, 7 anos. Jorge Madeira, casado e já falecido em 1653

1-4 Francisca, instituida coerdeira da terça materna. Não comparece no inventário.

1-5 Clara, 5 anos. Clara Parente casou com Antonio de Freitas. Clara faleceu com testamento e foi inventariada por Antonio em 02-09-1654 (SAESP vol. 43º, neste site). Compareceram os filhos:

1-5-1 Maria Pedrosa casada com Antonio Pereira de Avelar

1-5-2 Pedro, de idade de16 anos em 1654.

1-5-3 Violante, de idade de 12 anos

1-5-4 Maria, de idade de 10 anos

1-5-5 Sebastião, de idade de 9 anos

1-5-6 Francisca

1-5-7 João

1-5-8 José

1-5-9 Matias

 

1-6 Maria (outra) 4 anos. Maria Cardoso, ja era falecida em 1653.

 

2- Antonio Vaz Cardoso Cap. 2º

 

3- Braz Cardoso casou com Antonia de Chaves, filha de Antonio Lourenço e sua primeira mulher Marina de Chaves. Antonio Lourenço faleceu com testamento de 06-03-1658 e foi inventariado no mesmo ano por sua segunda mulher Izabel Cardosa 7 abaixo.

Entre os filhos de Braz e Antonia:

3-1 Antonio Cardoso Pimentel foi casado duas vezes. Primeira vez com Feliciana da Rocha, nascida em agosto de 1643, filha de Domingas Ribeiro e Domingos da Rocha, este falecido com apontamentos e inventariado em 27-04-1661 - família Domingos da Rocha.

          Feliciana faleceu com testamento de 02-09-1685 com cumpra-se do dia seguinte e foi inventariada em fevereiro de 1688. Declarou onze filhos de seu casal:

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Feliciana da Rocha 1688

Autuacao de Testamento: aos ?? de fevereiro de 1688  nesta vila de Santana da Parnaiba por parte de Antonio Cardoso Pimentel me foi apresentado este testamento.

Autos aos 17-04-1686 nesta vila de Satana da Parnaiba.

Declarante Antonio Cardoso Pimentel, viuvo da defunta.

Testamento: aos 02-09-1685 eu Feliciana da Rocha (...) testamenteiro meu marido Antonio Cardoso Pimentel e meu irmão Francisco da Rocha Gralho. Meu corpo seja enterrado na matriz da vila da Parnaiba, na cova de meu pai Domingos da Rocha.

Sou f.l. de Domingos da Rocha e Domingas Ribeira. Sou casada com Antonio Cardoso Pimentel e temos onze filhos, cinco machos a saber: Bras = Antonio = Manoel = Jose = João = e seis femeas a saber: Antonia = Mariana = Catarina = --------- = Domingas = e Maria.

Cumpra-se 03-09-1685

 

Herdeiros nesta fazenda: o viuvo Antonio Cardoso Pimentel e seus filhos: Bras = Antonio = Manoel = Jose = Antonia = Mariana = Catarina = Ana = Domingas = Maria.

          Antonio casou segunda vez na Parnaiba em 1693 com Izabel Nobre, filha de Luiz Nobre e Jeronima de Mendonça, neta materna de Mateus Netto e Jeronima de Mendonça - família “Alvaro Netto”.

ASBRAP 2,  Resumo do 1º lv. casamentos de Santana de Parnaiba coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz.- Antônio Cardoso Pimentel, filho de Bras Cardoso e de Antonia de Chaves, com Isabel Nobre, filha de Luis Nobre e de Jeronima de Mendonça (ano de 1693).

 

          Morador em Itu, Antonio foi sepultado aos 25-05-1722 na capela de Nossa Senhora da Penha de Araritaguaba, de acordo com seu testamento:

Itu, SP Igreja N Sra da Candelaria - Antonio Cardoso Pimentel, f. de Braz Cardoso e de s/m Antonia de Chaves, naturais da cidade de S. Paulo e morador nesta vila de N Sra da Candelaria, faleceu com todos os sacramentos e foi enterrado na sua capela de N Sra da Penha de Aritaguava, por disposição sua em seu testamento, aos 25 de maio de 1722 anos. Testamenteiros Izabel Nobre, sua mulher e seu genro Gonçalo da Mota.

 

Antonio Cardoso Pimentel e Feliciana da Rocha tiveram onze filhos:

3-1-1 Braz

3-1-2 Antonio Cardoso em Itu aos 08-07-1704 casou com Francisca de Moraes Cavalgante, filha Pedro de Moraes Cavalgante e Francisca de Almeida.

Itu, SP Igreja N Sra da Candelaria aos 08-07-1704 nesta matriz Antonio Cardoso, f.l. de Antonio Cardoso Pimentel e Feliciana da Rocha, ja defunta = cc Francisca de Moraes Cavalgante, f.l. Pedro de Moraes Cavalgante e Francisca de Almeida, foram testemunhas Bento de Alvarenga, Pedro de Morais, Francisca de Almeida e Catarina Correa.

3-1-3 Manoel

3-1-4 José

3-1-5 João citado no testamento materno, não comparece no inventário.

3-1-6 Antonia

3-1-7 Mariana Cardoso na Parnaiba em 1693 casou com Manoel da Fonseca Ribeiro, filho de Francisco da Fonseca, natural de Setubal e de Ana Maria Ribeiro, neto paterno de Antonio da Fonseca e Vicencia da Conceição, neto materno de Domingos da Silva e Maria Ribeira, em aportes à GP: “Ana Maria Ribeiro - SL.V, 398, 2-11”.

ASBRAP 2 - Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. Manoel da Fonseca Ribeiro, f. de Francisco da Fonseca e de Mariana(sic) Ribeiro (de S. Paulo), com Mariana Cardoso, f. de Antonio Cardoso e Feliciana da Rocha, fal. (ano1693)

3-1-8 Catarina Cardoso na Parnaiba em 1694 casou com João da Silva Dias, filho dos falecidos Paulo da Silva de Alvarenga e Maria Ribeiro - família “Antonio Alvares Couceiro”.

ASBRAP 2, Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. João da Silva, f. de Paulo da Silva e Maria Ribeiro, ambos fal., com Catarina Cardoso, f. de Antonio Cadoso Pimentel e de Feliciana da Rocha - (ano de 1694).

         Segunda vez em Itu em 1706 casou com Ascenço Dias de Souza, filho de João Pereira de S}ouza e Ignez Dias de Siqueira.

Itu, SP Igreja N.Sra. da Candelaria [na era de 1706] Ascenço Dias de Souza, f. de Joam Pereira de Souza e de s/m Ignez Dias de Siqueira, moradores da vila de Mogi se recebeu com Catarina Cardosa f. de AntonioCardoso Pimentel e de s/m Pheliciana da Rocha; test.: Cap. Manoel Homem Theodoro Nobre, Maria Coimbra, e Izabel Nobre, a doze de abril da sobredita era.

3-1-9 Ana Cardoso casou na Parnaiba com Antonio Soares, filho de Antonio Soares e Catarina de Godoy. Em Itu aos 26-05-1704 casou com Manoel de Moraes da Silva, filho de Domingos Leme (da Silva) e de Ignez de Moraes Navarro, família “Domingos de Góes”.

ASBRAP 2, Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. Antonio Soares, f. Antonio Soares e Catarina de Godoy = cc Ana Cardoso, f. Antonio Cardoso e Feliciana da Rocha, fal. (ano de 1692 e/ou 1693)

 

Itu, SP Igreja N.Sra. da Candelaria aos 26-05-1704 nesta igreja matriz se casaram Manoel de Moraes da Silva, f. de Domingos Leme e de s/m Ignez de Moraes Navarro = cc Ana Cardosa, f. de Antonio Cardoso Pimentel e de s/m Feliciana da Rocha, ja defunta, todos naturais e morares desta vila; foram testemunhas Mnaoel Ribeiro, Gonçalo da Mota, Hieronima de Mendonça e Estefania Ramires.

 

         Manoel em 10-01-1722 requereu dispensa de afinidade licita em 3º grau para validar seu casamento com Margarida Cardoza, filha de Mécia Cardosa, neta materna Izabel Cardosa irmã de Brás Cardoso avô paterno de Ana Cardoso (7-4-6 abaixo). Em 18-12-1722 em Itu, Manoel casou com Felicia Ribeira, filha de Francisco Homem e de Maria Ribeira.

3-1-10 Domingas

3-1-11 Maria última filha de Feliciana e Antonio Cardoso Pimentel.

 

Antonio Cardoso Pimentel e Izabel Nobre tiveram os filhos:

3-1-12 Rosa Cardoso, casada em Itu com João Machado, filho de Manoel Machado e Leonor Falera.

Itu, SP Igreja N.Sra. da Candelaria [ na era de 1713] João Machado, f. de Manoel Machado e de s/m Leonor Falera nesta capela de N. Sra da Penha = cc Rosa Cardoza, f. Antonio Cardoso e de s/m Izabel Nobre, test.: Felix Nabor, Antonio do Canto, Domingos Frz, Lourença Vaz, e Maria de Chaves todos moradores e naturais desta propria vila a dezenove de janeiro da sobredita era.

3-1-13 Gertrudes Cardoso Pimentel, casou no mesmo lugar com Manoel Fernandes, filho de Balthazar de Godoy da Silva e de Izabel de Proença. Parentes em quarto grau de consanguinidade, pediram dispensa para se casar

ACMR SP 1713-1715 - V 6- Est 4 Gav 1

Manoel Fernandes da Silva e Gertrudes Cardoza - moradores na vila de Itu

- Parentes em 4o grau

- 10-12-1714 em SP - 20-03-1715 no RJ

Antonio Bicudo e Luiza de Mendonça foram irmãos legitimos.

Antonio gerou de Maria Bicuda mãe de Izabel de Proença mãe do orador.

De Luiza nasceu Jeronima de Mendonça mãe de Izabel Nobre, mãe da oradora.

Entre as testemunhas:

Gonçalo Simoens Chassim, casado a muitos anos, lavrador de idade que disse ser de noventa e dous annos, parente dos oradores por afinidade no 4o grau.

Testemunha e.o:

Gonçalo Simões Chassim, morador nesta cidade, casado, de idade 92 ano, aos costumes disse ser [danificado] dos oradores por afinidade no 4º grau.

Fernando Borges, 40 anos.

 

Itu, SP Igreja N.Sra. da Candelaria [na era de 1715] Manoel Fernandes filho de Balthazar de Godoy da Silva e de s/m Izabel de Proença se recebeu com Gertrudes Cardosa, f. de Antonio Cardoso e de s/m Izabel Nobre, foram padrinhos o Pe. HyeronimoBotelho, Sebastião Gil, Domingas Cardoza e Maria de Godoy aos onze de junho da sobredita era.

3-1-14 Luiz Cardoso, em 1715 casou com Izabel Nunes, filha do Cap. João Diniz da Costa e Maria Pedrosa.

Itu, SP Igreja N. Sra. da Candelaria [era de 1715] Luiz Cardoso, f. de Antonio Cardoso e de s/m Izabel Nobre, = cc Izabel Nunes, f.do Cap.Joam Diniz d Costa e de s/m Maria Pedrosa, test.: Cap.----- de Oliveira, Joam Machado, Maria de Godoy, Rosa Cardosa aos seis de novembro da sobredita era.

3-1-15 José Cardoso, em 1720 casou com Izabel Ribeiro filha de José Ribeiro e Maria do Canto.

Itu, SP Igreja N Sra da Candelaria Jose Cardoso f.l. do provedor Antonio Cardoso Pimentel e de Izabel Nobre = cc Izabel Ribeiro f.l. Jose Ribeiro e Maria do Canto, ja defuntos. Testemunhas Manoel Frz, Antonio de Siqueira, Rosa Barbosa e Francisca Nobre, todos moradores da capela da Penha - aos 19-07 da sobredita era (1720)

3-2 João Cardoso casou em 1663 na Parnaiba com Madalena Ribeiro, nascida em 15-07-1638, filha de Domingos da Rocha e Domingas Ribeiro. Geração na familia “Domingos da Rocha”.

ASBRAP 2, Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz.- João Cardoso, filho de ---- e de ---- = cc Madalena Ribeiro, filha de ---- e de ---- (naturais desta os dois) (ano de 1663).

          Madalena foi primeira vez casada com Ascenço Alvares Feijó, falecido com testamento de 27-02-1662, com cumpra-se de 02-03-1662 e inventariado em S. Paulo em 22-03-1662. Geração na família Domingos da Rocha.

3-4 Mariana Cardoso foi a segunda mulher de Crispim Duarte, natural da cidade da Bahia, filho de Crispim Duarte e Eugenia de Souza, viúvo de Ana de Aguiar, filha de Eugenio de Aguiar e Catarina Lopes. Faleceu com 29-03-1678 e foi inventariado em S. Paulo em 03-08-1678 por sua terceira mulher Maria da Silva.. Declarou seus quatro filhos com Ana de Aguiar em aportes à GP: “Mariana Cardoso cc Crispim Duarte” - SL VIII, 552, 2-8.

4- Gaspar Vaz Cardoso foi o primeiro marido de Antonia Ribeira. Viúva, Antonia casou segunda vez com Salvador de Miranda, filho de Miguel de Almeida de Miranda e Maria do Prado. Geração em aportes à GP: Maria do Prado (cc Miguel de Almeida de Miranda) - SL. III, 362, Cap.7º.

          Antonia testou em 13-06-1680, declarou uma filha do primeiro matrimônio e do segundo “quatro filhos machos e uma fêmea por nome Maria Ribeiro casada com Belchior Godoy” (SAESP vol. 20º, neste site).

Gaspar e Antonia tiveram a filha única:

4-1 Valeriana da Paixão (ou Valeria Cardosa) casou com Pantaleão Freire Pacheco, já falecido em 1680 (testamento da sogra). Pais de, pelo menos:

4-1-1 José Freire Pacheco, em Nazaré Paulista-SP aos 09-07-1690, casou com Ana Pimentel, filha de Manoel Fernandes Pimentel e Maria da Cunha.

Nazaré Paulista, SP igreja n. Sra de Nazaré aos 09-07-1690 Jose Freire Pacheco f,. Pantaleão Freire Pacheco e Valeria Cardosa = cc Ana Pimentel f.l. Manoel Fernandes Pimentel e Maria da Cunha todos naturais e moradores das partes da vila de S. Paulo.

5- Catarina Dias casou com Cap. José Preto.

SL. 8,. 553, 1-4 Catharina Dias foi casado com José Preto, irmão de Manoel Preto e de Sebastião Preto f.ºs de Antonio Preto. Faleceu José Preto em 1653 em Mogi das Cruzes com geração à pág. 269 deste.

S.L. 8º, 269, Cap. 2º,José Preto, foi C.c. Catarina Dias, f.a de Gaspar Vaz Guedes e de Francisca Cardoso. Tit. Vaz Guedes. Foi morador em Mogi das Cruzes onde fal. em 1653 e deixou os seguintes f.os: 1-1 a 1-6.

 

(Carvalho Franco) em Marginando Pedro Taques e Silva Leme, Rev. Gen Latina, nº 2: Segundo Ramo: Antonio Preto que veio na armada de Diogo Flores de Valdés entre 1582 e 1583: dedicou-se exclusivamente ao cultivo da terras que possuiu do lado do Jaraguá. Faleceu depois de 01 dez 1610, como se verifica de Sesmarias I, 121. Deixou de seu casamento, nascidos em SP, 4 filhos: Inocencio, Jose, Manuel e Sebastião.

 

(Carvalho Franco) fls. 318:José Preto paulista, f. de Antonio Preto que veio na armada de Diogo Flores de Baldés. CC. em 1611 com Catarina Dias, f. de Gaspar Vaz Guedes. Foi sertanista que esteve no Guairá, em 1628. Mudou-se para Mogi das Cruzes e faleceu em 1653.

 

Capitão José Preto, filho de Antonio Preto, foi irmão de:

- Manoel Preto em 1626 requereu a tutoria dos sobrinhos filhos de Sebastião. Já falecido em 1653 (testamento do irmão José).

Sesmarias vol. 1, 50) Manoel Preto - 1610 - terras vizinhas às de seu pai Antonio Preto

- Inocencio Preto, casado com Maria Moreira. Inventariado em 1647 (SAESP vol. 35).

- Sebastião Preto, casado com Maria Gonçalves. Inventariado em 1623 (SAESP vol. 11 e vol. 31 com subsidios), seus filhos foram curatelados pelos tios Inocencio Preto e Manoel Preto.

 

Catarina foi inventariada em 12-05-1653 e Cap. José em 23-03-1654 com testamento. Além dos seis filhos legitimos, Cap. José nomeou um filho bastardo: José “não é herdeiro em minha fazenda, assim peço a seus irmãos, meus filhos, lhe dem uma esmola”.

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin

Jose Preto - e sua mulher Catarina Dias - 1653

12-05-1653 autos de inventário de Catarina Dias, mulher que foi do Capitão José Preto.

Declarante: Capitão Jose Preto.

Testamento do Capitão Jose Preto:

(...) minha mulher que Deus tem e uma filha, mais a saber: Gaspar Cardoso Preto, José Preto Pimentel, Paulo Preto, Francisco Preto Pimentel, e tenho mais meus netos filhos que ficaram de João Vaz Cardoso.

Casei minha filha Juliana Antunes com João Portes Del Rei.

Meus irmãos Manoel Preto e Sebastião Preto, que Deus haja, me deixaram em seu testamento algumas peças e outras coisas.

Casamos nossa sobrinha Valeriana da Paixão com Pantaleão Freire Pacheco.

Tenho um filho bastardo: José (tive depois de casado) não é herdeiro em minha fazenda, assim pelo a seus irmãos, meus filhos, lhe dem uma esmola.

Rol de dividas, entre elas:

Meu sogro Gaspar Vaz Guedes, falecido, me deve um poldro.

Meu cunhado Antonio Vaz Cardoso comprou para mim um engenho na Paraiba de Manoel Homem Albernaz

Testamenteiros meus filhos: Gaspar Cardoso Preto, Paulo Preto, Francisco Preto Pimentel, José Preto Pimentel, e Antonio Mendes de Mattos.

Aprovação: 25-10-1653

Cumpra-se: ultimo dia do mes de outubro de 653.

 

Inventário, autos: 23-03-1654

Declarante Gaspar Cardoso Preto

13-04-1654 - Pantaleão Freire Pacheco e por ele foi dito e requerido ao dito juiz que em poder do defunto Jose Preto estava 6 ou 7 almas as quais eram de seu p[---], que tinha cabido em em partilhas a sua consorte Antonia Ribeiro de seu primeiro marido Gaspar Vaz, os quais lhe haviam dado em dote.

15-04-1654 Domingos Alves Couceiro, curador alide dos ófãos, filhos que ficaram de João Vaz Cardoso.

Cap. José Preto e Catarina tiveram os filhos:

5-1 Gaspar Cardoso Preto, 1º testamenteiro paterno.

5-2 José Preto Pimentel, 4º testamenteiro paterno. Foi casado com Maria de Almeida, filha de Antonio da Cunha Gago e Marta de Miranda, neta paterna de Henrique da Cunha Gago, inventariado em 04-03-1624 e de Catarina de Unhatte inventariada em 03-02-1613 (SAESP vol. 1º), neta materna de Miguel de Almeida de Miranda e Maria do Prado em aportes à GP: “Maria do Prado (cc Miguel de Almeida de Miranda)” - SL. III, 362, Cap.7º.

          José foi inventariado em 1665. Sem geração legitima, teve a filha natural:

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Inventariado Jose Preto - ano 1665

Inventariado Jose Preto, o moco

Inventariante a viuva -------------- Assina a seu rogo seu ---- Antonio de Almeida

Autos

Titulo dos Filhos:

Ana, filha natural de idade de 16 anos

(...) diz Antonio da Cunha Gago que o casal lhe era a dever quatro peças do gentio da terra que lhe pediu emprestadas para fazer viagem para o sertão. Por ser seu genro, lhe deu quatro moços dos bens que tinha.

Tomando informação da viuva e seu procurador Antonio de Almeida, seu tio, disseram ser verdade.

5-2-1 Ana, filha natural, com 16 anos em 1665.

5-3 Paulo Preto, 2º testamenteiro paterno.

5-4 Francisco Preto Pimentel, 3º testamenteiro paterno.

5-5 Juliana Antunes casada em vida do pai com João Portes Del Rei. Geração de quatro filhos em S.L. 8º, 276, 1-5;

5-5-1 Catarina Portes del Rei, natural de Mogi das Cruzes, casou com Simão da Cunha Gago (citado tambem como Simão da Cunha de Miranda), filho de Antonio da Cunha Gago e Marta de Miranda - família Maria do Prado e seu marido Miguel de Almeida de Miranda.

         Catarina testou em Taubaté aos 12-12-1686. Seu testamento recebeu o cumpra-se aos 14 do mesmo mês e ano e foi inventariada em 13-02-1687. Foram quatro os filhos do casal:

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariada Caterina Portes del Rey

13-02-1687 em pousadas do viuvo Simão da Cunha de Miranda

Titulo dos filhos

João Portes del Rey cc Izabel da Fonseca

Marta de Miranda cc Antonio Correa da Veiga

Juliana Antunes cc Manoel da Fonseca

Antonio 13 anos pouco mais ou menos

 

TESTAMENTO: Aos 12-12-1686 eu Catherina Portes del Rei ....Rogo a meu marido Simão da Cunha Gago e ao meu primo Domingos Roiz do Prado e a Manoel Rodrigues Moreira (sejam meus testamenteiros)... Sou nat da Vila de Mogy filha leg de João Portes del Rei e Juliana Antunes já defuntos. Sou cc Simão da Cunha Gago de cujo matrimonio tivemos filhos e filhas a saber Marta de Miranda q cc Anto Correa e Juliana Antunes cc Manoel da Fonsequa e João Portes e Anto da Cunha todos são meus erdeiros. Deixo de esmola a Potencia Rodrigues ... a uma filha do defunto meu imão (  ) Portes...

Cumpra-se 14-12-1686

5-5-1-1 João Portes del Rei foi o primeiro marido de Izabel da Fonseca, filha de Sebastião da Fonseca Pinto e Leonor Jorge de Godoy. Geração na família "Sebastião da Fonseca Pinto"

5-5-1-2 Marta de Miranda (citada na GP como Marta do Nascimento Portes) casada com Antonio Correa da Veiga, filho de Geraldo Correa Soares e Estacia da Veiga - familia Maria da Cunha e Jeronimo da Veiga.

5-5-1-3 Juliana Antunes casada com Manoel da Fonseca Pinto, filho de Sebastião da Fonseca Pinto e Leonor Jorge de Godoy. Geração na família "Sebastião da Fonseca Pinto".

5-5-1-4 Antonio, com 13 anos no inventário materno (13-02-1687).

 

5-5-2 Maria Portes de El-Rei casou com Bartolomeu da Cunha Gago, filho de Antonio da Cunha Gago e Marta de Miranda. Geração na família Maria do Prado e seu marido Miguel de Almeida de Miranda.

5-5-3 Ana Portes de El-Rei foi a primeira mulher de Antonio da Cunha Gago, filho de Antonio da Cunha Gago e Marta de Miranda. Geração na família Maria do Prado e seu marido Miguel de Almeida de Miranda.

5-5-4 Thome Portes del Rei casou com Juliana de Oliveira, filha de Francisco Correa de Oliveira e Angela da Motta Requeixa. Geração na família Francisco Correa de Oliveira.

5-6 João Vaz Cardoso, já falecido em 1653, foi representado no inventário paterno por seus filhos. Foi casado com Margarida da Costa, filha de João Homem da Costa e Joana de Chaves, família “Manoel Godinho de Lara e Maria de Chaves” neste site e SL. 8º, 278, 1- 6.

          Margarida da Costa, víuva, foi inventariada em Taubaté em 1680. Compareceram uma filha e os netos, filhos do falecido seu filho João.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariada Margarida da Costa - 1680

Autos: 1680 nesta vila em pousadas de Jorge Velho onde achou a Maria Vaz, filha da defunta Margarida da Costa. Repondeu que sua mãe não fizera testamentto e os filhos que ela deixara só ela e uns órfãos filhos de seu irmão João Vaz Cardoso. Assinou a seu rogo Felipe de Moraes Madureira.

 

Ana de Moraes, tutora e curadora de seus filhos orfãos, filhos do defunto João Vaz Cardoso (...).

Procuração que faz: Ana de Moraes, dona viuva

16-outubro-1680 - vila de Santa Ana das Cruzes de Mogi

Procuradores: Inocencio Correa e Francisco Alvres Correa, moradores na vila de S. Francisco das Chagas de Taubate; e a Antonio Pimenta de Abreu, morador na vila de Santa Ana das Cruzes.

Para: assistir as partilhas do inventario de sua sogra Margarida da Costa e do que couber as suas filhas orfãs como herdeiras que são por morte de seu pai João Vaz Cardoso.

5-6-1 Maria Vaz, inventariante materna.

5-6-2 João Vaz Cardoso, já falecido, casado com Ana de Moraes; com geração.

5-6-3 Sebastião Vaz Cardoso faleceu com testamento de setembro-1674 e foi inventariado em Taubate aos 08-fevereiro-1677 por sua viúva Joana do Prado, filha de Maria Leme e irmã de Antonio do Prado. Sem geração, herdou sua mãe Margarida da Costa.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado Sebastião Vaz Cardoso -1677

Autos aos 08-fevereiro-1677 nesta vila de S. Francisco das Chagas.

Inventariante Joana do Prado, mulher que ficou do defunto Sebastião Vaz Cardoso.

Testamento: (....) aos -- do mes de setembro de 1774 eu Sebastião Vaz Cardoso faço este testamento: encomenda a alma. Testamenteiros: [--------] Antonio Velho Cabral e Cap.ç Sebastião de Freitas; encomenda o sepultamento. (...) me deve minha sogra do dote que me prometeu (...). Sou filho legitimo de João Vaz Cardoso e Margarida da Costa. Sou casado nesta vila com Joana do Prado e até o presente não temos filho nenhum. Declara dividas.

Em julho de 1672 anos, por um escrito meu, devo a meu tio (...). Encomenda missas. (...) Sebastião Vaz Cardoso.

Aprovação: aos 06-setembro-1674 nesta vila de S. Francisco das Chagas.

Cumpra-se como nele se contem 31-janeiro-1677

 

Recebi de Antonio Velho Cabral como testamenteiro do defunto Sebastião Vaz (...).

 

 (...) foi dado juramento ao Cap. Francisco Jorge Paes para procurar pela viuva Joana do Prado e a Felipe de Moraes Madureira para procurar por Margarida da Costa, mãe do dito defunto Sebastião Vaz Cardoso.

 

Titulo de terras na vila de Mogi: 50 braças de testada entre seu tio João Homem e Ana Maria Camacha

Termo de como se embargou toda a fazenda lançada neste em inventário a viuva Joana do Prado acha-se obrigada as dividas - deu por fiador a sua mãe Maria Leme. Assinou por Joana do Prado seu procurador Francisco Jorge Paes, e pela fiadora Maria Leme seu filho Antonio do Prado.

 

6- Francisca Cardoso foi a primeira mulher de Manoel da Costa Cabral. Faleceu com testamento de 21-outubro-1654 com cumpra-se de 26 de novembro do mesmo ano. Foi inventariada por Manoel em 08-06-1655. Declarou oito filhos de seu casal.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventário da fazenda que ficou da defunta Francisca Cardoza - 1655

Autos aos 08-06-1655 - Vila Taubate. Inventariante Cap. Manoel da Costa Cabral, viúvo da defunta.

Titulo dos filhos:

- Domingos Velho Cabral.

- Maria Cardoza

- Lourenço Velho

- Manoel Velho

- Gaspar Velho

- Antonio Velho

- João

- Francisca

 

Testamento (...)  aos 21-outubro-1654 nesta vila de S. Francisco das Chagas de Tremembe(sic) estando eu Francisca Cardoza (...) faço esta cédula de testamento: encomenda a alma. Declaro que fui casada com Manoel da Costa Cabral em face da igreja e entre ambos temos os filhos seguintes: Domingos = Maria = Lourenço = Manoel = Gaspar = Antonio = João = e Francisca, os quais são meus herdeiros forçados dos bens que se acharem (...).

Visto ser meu marido um homem velho e muito doente de muitas enfermidades, instituo testamenteiro meu filho Domingos Velho.

Minha terça deixo a minha filha Francisca. Encomenda missas. (...) hoje dia mes e era acima dita.

Cumpra-se como nele se contem 26-novembro-1654

          Manoel testou em Taubaté aos 24-abril-1659 e foi inventariado no mesmo ano. Declarou seu segundo casamento com Maria Vaz com geração do filho único: Belchior, com dois anos. Compareceram nove filhos do primeiro matrimônio, Ana Cabral já falecida.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponinilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventário e Testamento do Cap. Manoel da Costa Cabral - 1659

Aos 24-abril-1659 nesta vila de S. Francisco das Chagas no termo chamado Tremembe, autuação do testamento.

Testamento: (...) no ano de 1659 no termo desta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate em casas de morada do Cap. Manoel da Costa Cabral, mandou fazer este testamento (...) primeiramente encomenda a alma.

Declaro que sou casado segunda vez com MariaVaz e temos um filho, Belchior, é meu herdeiro como os mais e lhe deixo a minha terça.

Declara bens e dividas. Encomenda o sepultamento. (...)

Cumpra-se como nele se contem 3-abril-1659 annos.

 

Autos do inventário aos 24-abril-1659 na fazenda que foi do Cap. Manoel da Costa Cabral.

Inventariante Maria Vaz, dona viuva. Disse que seu marido fizera testamento e o apresentou. Disse que tinha de seu marido um filho por nome Belchior de idade de dois anos pouco mais ou menos.

 

Curador dos órfãos: Domingos Velho Cabral, filho mais velho do defunto, que fosse tutor e curador dos seus irmãos.

 

Filhos que ficaram da primeira mulher Francisca Cardosa:

- Ana Cabral, ja defunta, mulher que foi do Cap. Domingos Luiz Leme.

- Domingos Velho Cabral

- Maria Cardosa mulher de Antonio Vieira da Maya.

- Lourenço Velho Cabral

- Manoel da Costa Cabral

- Gaspar Velho Cabral

- Antonio Velho Cabral

- Francisca Romeira Velha

- João Velho Cabral

Termo de juramento que se deu a Maria Vaz e a seu genro Antonio Teixeira Cide.

Domingos Velho Cabral tutor e curador de seus irmãos.

6-1 Ana Cabral, ja falecida no inventário paterno, não é citada no materno. Foi casada primeira vez com Manoel Preto, filho de Manoel Preto e Agueda Rodrigues. Faleceu Manoel no sertão com testamento de 1637. Deixou quatro filhos de seu casal (SAESP vol. 11º, neste site).

          Durante a inventariança, Ana casou segunda vez com Capitão Domingos Luiz Leme, filho de Antonio Lourenço e Marina de Chaves. Geração em S.L. 7º, 395, Cap. 8º.

6-2 Domingos Velho Cabral tutor e curador de seus irmãos. Foi casado com Ana Leme da Silva. Pais de, segundo S.L. 7º, 390, Cap. 3º, quatro filhos, entre eles:

6-2-2 Antonio Cabral da Silva, tutor da sobrinha Antonia, filha de João abaixo.

6-2-3 João Cabral da Silva foi casado primeira vez com Antonia Furtada, filha de Domingos Rodrigues do Prado. Antonia foi inventariada em 10-12-1687.

         Capitão João faleceu nas minas do Ouro Preto e foi inventariado em Taubaté em 19-11-1702 por sua segunda mulher Maria da Veiga. Sem geração deste matrimônio, teve filha única do primeiro.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado João Cabral da Silva - Capitão 1702 e de sua mulher Antonia Furtada

Inventariante -

Inventario de João Cabral da Silva, inventariante Maria da Veiga sua mulher.

Autos aos 19-11-1702 nesta vila em casas donde estava Maria da Veiga, viuva que ficou do Capitão João Cabral da Silva, que faleceu nas minas do Ouro Preto. Deste matrimonio não tem filho algum, mas seu marido fora casado primeira vez com Antonia Furtada de cujo matrimonio lhe ficara uma filha por nome Antonia de idade 14 anos, a qual era a legitima herdeira de seu marido.

 

Declarou que no casal havia e estava em seu poder pertencente a órfã Antonia, que lhe havia cabido por morte de sua mãe Antonia Furtada, as pessas do gentio (...)

 

 (...) duzentas braças de terras no bairro de Agoa Felis que partem com Domingos Roiz do Prado, as quais foram dadas ao defunto por seu sogro Domingos Roiz do Prado para o defunto haver de casar com a filha do dito primeira mulher do dito defunto, as quais terras não foram foram inventariadas no inventario que se fez por morte de Antonia Furtada, primeira mulher do defunto(...).

 

Termo de tutoria da orfã Antonia feito a seu tio Antonio Cabral da Silva, irmão do defunto João Cabral da Silva - 21-novembro-1702

 

Anexo: Inventariada Antonia Furtada ano 1687

Autos aos 10-12-1687 nesta vila em casas e morada de Domingos Rodrigues do Prado, inventariante João Cabral da Silva, viuvo que ficou de Antonia Furtada.

 

Titulo de filhos: Antonia, de pouco mais ou menos de dois meses.

Avaliações.

 

6-2-3-1 Antonia, com dois meses no inventário materno (10-12-1687).

 

6-3 Maria Cardosa mulher de Antonio Vieira da Maia, viúvo de Izabel da Cunha Lobo, inventariada em 6-9-1641 (SAESP vol. 13º, neste site) e geração em S.L. 5º, 7, 2-3.

          Antonio testou 13-dezembro-1673, com cumpra-se de 18-maio-1674. Foi inventariado no mesmo ano. Declarou os três filhos do primeiro matrimônio, e cinco do segundo:

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado Antonio Vieira da Maya - 1674

Autos no ano de 1674 nesta vila de S. Francisco das Chagas em fazenda e sitio de Maria Cardosa, dona viuva, mulher que ficou do defunto, inventariante. Assina a seu rogo seu genro Miguel de Almeida.

 

Titulo dos filhos da primeira mulher:

João Vieira da Maya.

Mateus Vieira da Cunha

Henrique Vieira da Cunha

 

Titulo dos filhos da segunda mulher:

- Maria Vieira cc Miguel de Almeida

- Domingos Vieira Cardoso

- Paulo Vieira da Maya.

- Antonio Vieira

- Jeronimo Vieira

 

Testamento: (...) aos 13-dezembro-1673 eu Antonio Vieira da Maya faço este meu testamento: encomenda a alma.

Testamenteiros minha mulher Maria Cardosa e meu filho João Vieira da Maya. Encomenda o sepultamento e missas.

Declaro que fui casado primeira vez com Izabel da Cunha e tivemos três filhos: João Teixeira da Maya, Mateus Vieira da Cunha e Henrique Vieira da Cunha, e da legitima de sua mãe lhes não devo nada porque as dividas que eu devia eram mais que a fazenda que me ficou e os ditos meus filhos acima nomeados foram ao sertão sem eu lhes dar adjutorio nenhum.

Casei segunda vez com Maria Cardosa e dentre ambos tivemos cinco filhos a saber: Maria Vieira casei com Miguel dalmeida e foi dotada e lhe não devo nada do que lhe prometi; Domingos Vieira - Antonio Vieira - Paulo - Jeronimo; todos os meus filhos nomeados neste meu testamento são meus legitimos herdeiros. Deixo a minha terça a minha mulher Maria Cardosa. depois de meus legados cumpridos. Tenho em minha casa um mameluco por nome Marcelino e a outra Catarina os quais deixo forro. (...) 13-dezembro-1673 Antonio Vieira da Maya.

Cumpra-se como nele se contem S. Francisco das Chagas 18-maio-1674

Cumpra-se como nele se contem S. Francisco das Chagas 29-maio-1674.

 

6-3-1 Maria Vieira casada com Miguel de Almeida, dotada pelo pai. Cap. Miguel de Almeida Cunha, filho de Antonio da Cunha Gago e Marta de Miranda, faleceu com testamento e foi inventariado em Taubaté em 01-12-1687. Teve geração de três filhos - família Maria do Prado e Miguel de Almeida de Miranda, neste site.

         Em 1693 Maria Vieira já estava casada em segundas nupcias:

6-3-2 Domingos Vieira Cardoso, nascido em Santos. Casou com Marta de Miranda, natural da vila de S. Paulo, filha de Garcia Rodrigues Moniz e de s/m Catarinha de Unhate. Domingos testou em 30-01-1700. Seu testamento recebeu o cumpra-se em 17 de fevereiro e foi inventariado em 28 de abril do mesmo ano.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado Domingos Vieira Cardoso 1700

Autos aos 28-04-1700 nesta vila em o sitio e fazenda do Cap Francisco Alvares Correa, inventariante Marta de Miranda, dona viuva mulher qu ficou do dito Domingos Vieira Cardoso.

 

Titulo de filhos: Paulo // Miguel // Domingos // Grasia// Carlos// Pedro // João // Maria // Francisca // Anna Izabel // Maria // Maria // Margarida // Antonio Vieira // Catarina de Unhate cc Pedro de Oliveira // Marta de Miranda cc Manoel Gil de Siqueira//

Maria Vaz, acima nomeada, casada com Domingos do Prado Leme.

 

Partilhas

12-julho-1701 D.os do Prado Leme em como era a dever ao defunto seu sogro D.os Vieira Cardosa (...).

Termo de requerimento que fez Paulo Vieira da Maia, como procurador de sua mãe Maria Cardosa, dona viuva (...) que seu irmão Domingos Vieira Cardoso tinha tirado e a dita sua mãe lhe havia dado a conta ja de sua legitima (...).

 

Treslado do Testamento: (...) Eu Domingos Vieira Cardoso (...) faço este meu testamento: encomenda a alma. Testamenteiros: minha mulher Marta de Miranda, e a meu filho Antonio Vieira Cardoso, e a meus genros Pedro de Oliveira e a Manoel de Siqueira, e a meu irmão Paulo Vieira da Maia.

Encomenda o sepultamento e missas.

Declaro que sou natural e nascido na vila de Santos, f.l. do Cap. Antonio Vieira da Maia, q Ds aia e de s/m Maria Cardosa. Sou casado com Marta de Miranda, natural a vila de S. Paulo, f.l. de Gracia Roiz Moniz e de s/m Catarinha de Unhate, ja defuntos e de ambos temos os filhos e filhas seguintes: Antonio Vieira Cardoso = Catarina de Unhate =- Marta de Miranda = Paulo = Miguel = D.os = Gracia = Carlos = Pedro = João = Maria Vaz da Cunha = Francisca Romera Cardosa = Ana Izabel Cardosa = Maria = outra Maria = Margarida os quais são meus herdeiro.

Casei minha filha Catarina de Unhate com P.º de Oliveira e Marta de Miranda com M.el Gil de Siqueira e tenho satisfeito os dotes.

O remanescente de minha terça deixo a minhas seis filhas solteiras acima nomeadas, q se repartira igualmente por todas elas. (...) 30-01-1700 Domingos Vieira Cardoso.

Cumpra-se como pede Taubate 17-fevereiro-1700

Cumpra-se como nele se contem S. Francisco das Chagas 18-abril-1700

Aprovação: 08-fevereiro-1700

 

Recebi minha folha de partilha de minha legitima: Carlos Cardoso Cabral.

Recebi do testamenteiro do defunto o C. Domingos Vieira, duas patacas do acompanhamento e duas patacas da tumba (...) Hoje 29-abril1700

Domingos declarou dezesseis filhos de seu casal, descritos em S.L. 7º, 348, 1-2, entre eles:

6-3-2-1 Antonio Vieira Cardoso, testamenteiro paterno. Casou com Catarina de Siqueira inventariada em Taubaté em 01-05-1700. Compareceram dois filhos:

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariada Catarina de Siqueira

Inventariante - Antonio Vieira Cardoso, marido que foi da defunta.

Autos aos 01-05-1700 nesta vila de São Francisco das Chagas de Taubate, no sitio e fazenda de Marta de Miranda.

Titulo dos filhos:

- Marta, de idade tres anos.

- Maria, de idade seis meses.

6-3-2-1-1 Marta, 3 anos.

6-3-2-1-2 Maria, seis meses.

 

6-3-2-5 Miguel Vieira de Almeida, natural de Taubaté, casou com Izabel Leite de Miranda, de Itu (segundo termo de batismo do neto José, filho de João Miguel)

SL. 7, 349, 2-5 Miguel Vieira de Almeida, falecido em 1750 em Taubaté, foi casado com Izabel Leite de Miranda e teve 11 f.ºs:

          Miguel testou em 12-11-1736. Declarou naturalidade, filiação, o casamento com a geração de onze filhos (o escrevente anota 12: Joana e Ana, Joana não é citada no titulo dos herdeiros). Menciona os cunhados Antonio de Peralta e Sebastiana Leite. Seu testamento foi aberto em 12-junho-1741 e foi inventariado em 10 de julho seguinte.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventario de Miguel Vieira de Almeida, morador desta vila

Inventariante Izabel Leite de Miranda

Autos aos 10-julho-1741 nesta vila em casas de morada que foram do defunto Miguel Vieira de Almeida, presente a inventariante Izabel Leite de Miranda, viuva que ficou do dito defunto. Assinou a rogo da dita inventariante Manoel de Barros Pereira.

 

Tutor dos orfãos a Diogo de Oliveira Lobo.

 

Titulo dos filhos: Maria Leite de Miranda, casada// Catarina Leite, casada // Izabel, orfã // Domingos // Rosa // Francisco // Antonio // João // Ignacia // Ana // Joseph //

 

Bens - avaliações - dividas que deve o casal -

Colação de Salvador da Motta por cabeça de sua mulher Catarina Leite.

Colação de Jose do Prado, por cabeça de sua mulher Maria Leite de Miranda.

 

Recibos diversos.

 

Partilhas/ pagamentos

Monte Mor 191$160 reis.

Meação 95$580

Parte do defunto 95$580

Funeral 25$580 fica liquido 70$000 reis.

Terça 23$333 reis

Liquido para os herdeiros 46$666 mais os meio dotes que importam 47$880 ficam 94$546 que partidos por onze herdeiros toca a cada um 8$595 reis.

Pagamento a viúva de sua meação 95$580/ a Terça 23$333/ Funeral 25$580/ a Maria Leite de 8$595/ a Catarina Leite de 8$595/ a orfã Izabel de 8$595/ ao orfão Domingos de 8$595/ a orfã Rosa de 8$595/ ao orfão Francisco de 8$595/ ao orfão Antonio de 8$595/ ao orfão João de 8$595/ a orfã Ignacia de 8$595/ a orfã Ana de 8$595/ ao orfão Jose de 8$595/

 

(...) hei por findo este inventário e partilhas 22-agosto-1741

Treslado do testamento de Miguel Vieira: (...) aos 12-novembro-1737 eu Miguel de Almeida faço este testamento: encomenda a alma.

Testamenteiros: Pascoal Leite de Miranda e a Garcia Rodrigues Cardoso e a Antonio Leite; encomenda o sepultamento e missas.

Declaro que sou natural desta vila de Taubate de São Francisco das Chagas, f.l. de Domingos Vieira Cardoso, que Ds haja, e de Marta de Miranda Moniz, que Ds haja. Sou casado com Izabel Leite de Miranda de cujo matrimonio temos filhos onze(sic) cinco machos e seis(sic) femeas que são os seguintes: Domingos/ Francisco/ Antonio/ João/ Joseph/ Maria/ Catarina/ Izabel/ Rosa/ Ignacia/ Joana/ Ana. Declaro que tenho casado a minha filha Maria com Jose do Prado. declara o dote. Declara bens. Entre os carijos meus administrados deixo Maria e Veronica por administradora a minha comadre Izabel de Miranda. Declara dividas, entre elas: devo a meu irmão Garcia Rodrigues por um credito; devo a meu irmão Paulo Vieira Cardoso; (...) Pedi a Ignacio Jaques que escrevesse este meu testamento - Hoje 12-novembro-1737

Aprovação 14-novembro-1737

Abertura aos 12-junho-1741

 

Treslado de Codicilo: (...) faço este meu codecilo: (...) declaro que no testamento de minha mãe deixa um legado a Joseph Garcia de 5$000 reeis o qual ainda não dei cumprimento (...) pagarão tudo o que minha mãe dever juntamente as custas que deve ao escrivão de Guaratingueta (...) Declara outras dividas. Devo a meu cunhado Antonio de Peralta mil e seiscentos e peço a meus testamenteiros o satisfação logo do melhor da minha fazenda. Na mão do dito meu cunhado, Antonio de Peralta, tenho empenhado um mulatinho (...). Deixo a minha cunhada Sebastiana Leite 1.285 que peço a meus testamenteiros lhe satisfaçam quanto mais depressa puderem. Devo a Manoel da Motta Paes em Guaratingueta 1.280 (...) Vila de Taubate 06-????-1741

Aprovação 07-janeiro-1741

Abertura aos 12-junho-1741

 

6-3-2-5-1 Maria Leite de Miranda casada com José do Prado (José do Prado Martins ou José Martins do Prado e tambem José do Prado Silva). Tiveram os filhos, q.d.:

6-3-2-5-1-1 Francisca Maria de Jesus, natural de Taubate. Em São João del Rei aos 01-09-1757 casou com João Alves Madeira, filho de Amaro Alves Madeira e Ignes da Fonseca. Geração na familia Amaro Alves Madeira.

6-3-2-5-1-1 Izabel Correa Leite, natural de Taubaté. Em S. João del Rei em 1760 casou com Antonio Pereira Landim, natural de Barcelos, filho do falecido Manoel Pereira e Feola Pereira.

Matriz de Nossa Senhora do Pilar SJDR e capelas filiadas, 1760, Antonio Pereira Landim, n. freg. S. Miguel de Sude(?) termo de Barcelos Arc. Braga, f.l. Manoel Pereira, já falecido e Feola Pereira; = cc. Izabel Correya Leite, n/b freg. S. Francisco das Chagas da vila de Taubaté Bispado de S. Paulo, f.l. de Joze do Prado Martins e Maria Leite de Miranda

Izabel e Antonio tiveram grande geração em S. João del Rei:

6-3-2-5-1-1-1 Maria Francisca de Jesus, batizada em 30-04-1763. Aos 16-06-1793 casou com o viúvo José Alves Madeira, filho de Amaro Alves Madeira e Ignes da Fonseca. Geração na família Amaro Alves Madeira

6-3-2-5-1-1-2 Rosa, batizada em 09-11-1766.

Matriz N. Sra do Pilar de S. João del Rei e capelas filiadas, cap. N. Sra do Bom Sucesso aos 09-11-1766 Rosa, f.l. Antonio Pereira Landim e Izabel Correa Leite, padr.: Francisco Correa Neves e Joana Bernarda de Sena, solteira.

6-3-2-5-1-1-3 Manoel em 08-09-1768.

Matriz N. Sra do Pilar de S. João del Rei e capelas filiadas, cap. N. Sra do Bom Sucesso aos 08-09-1768 Manoel, f.l. Antonio Pereira Landim e Izabel Correa Leite, padr.: Manoel Felis filho de Jose Martins do Prado, e Izabel de Miranda filha de Agostinho Antonio Fragoso.

6-3-2-5-1-1-4 Joana em 05-12-1770.

Matriz N. Sra do Pilar de S. João del Rei e capelas filiadas, cap. N. Sra do Bom Sucesso aos 05-12-1770 Joana, f.l. Antonio Pereira Landim e Izabel Correa Leite, padr.: Agostinho Antonio Fragoso e s/m Izabel Leite.

6-3-2-5-1-1-5 Ana Rosa de Jesus aos 27-12-1801 casou com Francisco Dias de Oliveira, filho de Manoel Dias de Oliveira e Joaquina Maria de Souza. Geração na familia Jacome Fernandes das Neves

6-3-2-5-1-1-6 Antonio Pereira Landim em janeiro de 1792 casou com Ana Maria das Neves, filha de Miguel Nunes Pereira e Maria das Neves. Geração na família Jacome Fernandes das Neves.

6-3-2-5-1-1-7 Francisco Pereira Landim aos 24-02-1811 casou com Mariana Rosa do Vale, filha do Alf. Francisco Xavier do Vale e Ana Correa. Geração na família Amaro Alves Madeira.

          Segunda vez aos 24-11-1839, Francisco casou com Ana Joaquina de Jesus.

Casamentos Igreja Nossa Senhora do Bom Sucesso (Bom Sucesso, Minas Gerais) aos 24-11-1839 Francisco Pereira Landim, viuvo de Mariana Rosa do Valle = cc Ana Joaquina de Jesus. Moradores em Sto Antonio do Amparo.

6-3-2-5-1-1-8 Eustaquio José Landim, em S. Jose del Rei aos 02-10-1798, casou com Antonia Maria de Jesus, aí batizada em 04-08-1775, filha de José de Braga e Francisca Cipriana.

São José del Rei, Minas Gerais e capelas filiadas,; 02-10-1798; S. João Batista; Eustacio José Landim; f. Antonio Pereira Landim e Isabel Correa Leite; n. São João del Rey; = cc. Antonia Maria de Jesus; f. José de Braga e Francisca Cypriana; n. São José del Rei.

 

São José del Rei, Minas Gerais e capelas filiadas, batismos - aos 04-08-1775 cap. S. João Batista, Antonia, f.l. Jose de Braga e Francisca Cipriana, padr.: Jose Pacheco Borges e s/m Ursula Rosa.

6-3-2-5-1-3 Salvador Correa Leite, natural de Taubate. Em São João del Rei-MG aos 04-07-1774 casou com Madalena Maria de Jesus, natural de Taubate, filha de . Francisco Leite de Oliveira e Maria Martins de Jesus. Familia Francisco Leite de Oliveira.

Matriz N. Sra do Pilar de S. João del Rei e capelas filiadas, cap. Bom Sucesso aos 04-07-1774 Salvador Correa Leite, da freg. S. Francisco das Chagas de Taubate, f.l. Jose do Prado Silva e Maria Leite de Miranda = cc Madalena Maria de Jesus, da freg. S. Francisco das Chagas de Taubate, f.l. Francisco Leite de Oliveira e Maria Martins, test.: Agostinho Antonio Fragoso e Jose Joaquim Caldas.

6-3-2-5-1-4 Joana Bernarda de Sena, natural de Taubate. Em São João del Rei aos 04-07-1770 casou com Domingos Alves Madeira, filho de Amaro Alves Madeira e Ignes da Fonseca. Geração na familia Amaro Alves Madeira

6-3-2-5-1-5 Ana Correa Leite, natural de Taubaté. Em Carrancas-MG aos 19-10-1774 casou com Antonio Leite de Oliveira, filho de Francisco Leite de Oliveira e Maria Martins de Jesus, família Francisco Leite de Oliveira..

Igreja Nossa Senhora da Conceição (Carrancas, Minas Gerais) aos 19-10-1774 Antonio Leite de Oliveira, f.l. Francisco Leite de Oliveira e Maria Martins de Jesus, n;b na freg. S. Francisco das Chagas da vila de Taubaté Bispado de S. Paulo; = cc Ana Correa Leite, f.l. Jose Martins do Prado e Maria Leite de Miranda, n/b na sobredita freguesia de Taubaté.

6-3-2-5-2 Catarina Leite de Miranda, filha de Miguel Vieira de Almeida  e Izabel Leite de Miranda, dotada pelo pai, casou com Salvador da Motta Paes (ou Oliveira), filho de Manoel da Motta Paes e Luzia Rodrigues Bicudo. Geração em SL. 3º, 83, 4-6.

          Segunda vez em julho de 1743, Catarina casou com Manoel Alvares, natural da ilha de S. Miguel filho de José de tal e Ana Maria.

Guaratinguetá-SP Igreja Sto Antonio cas 1737, Mar-1769, Nov imagem 63 fls. 31 aos - julho de 1743 Manoel Alvares, n. da Ilha de S. Miguel, f.l. de José ---- e Ana Maria, = cc Catarina Leite de Miranda, de Taubaté, viuva de Salvador da Mota de Oliveira, f.l. de Miguel Vieira de Almeida e Isabel Leite de Miranda.

6-3-2-5-3 Izabel.

6-3-2-5-4 Domingos

6-3-2-5-5 Rosa

6-3-2-5-6 Francisco Leite de Almeida, natural de Taubate. Em Jacui-MG aos 09-01-1803 casou com Teresa Maria dos Passos, natural de Pitangui, filha dos falecidos Manoel Ferreira Passos e Ana Maria Ferreira.

Jacui, MG aos 09-01-1803 nesta matriz Francisco Leite de Almeida n. da vila de Taubate deste bispado f.l. Miguel Vieira de Almeida e Izabel Leite de Miranda, falecidos  = cc Teresa Maria dos Passos n. da vila de Pitangui bispado de Mariana, f.l. Manoel Ferreira Passos e Ana Maria Ferreira, falecidos.

6-3-2-5-7 Antonio

6-3-2-5-8 João Miguel de Almeida casou com Maria Martins de Jesus, filha de Francisco Leite de Oliveira e Maria Martins de Jesus. Geração na família Francisco Leite de Oliveira.

6-3-2-5-9 Inacia

6-3-2-5-10 Ana Leite de Miranda, natural de Taubate. Em São João del Rei aos 06-09-1766 casou com João Ferreira da Silva, viúvo de Angela Soares.

Matriz de Nossa Senhora do Pilar SJDR e capelas filiadas 06-09-1766 Capela N. Sra. do Bom Sucesso, João Ferreira da Silva, viuvo de sua 1a mulher Angela Soares; = cc. Ana Leite de Miranda, n/b freg. S. Francisco das Chagas de Taubaté, f.l. Miguel Vieyra de Almeida e de Izabel Leite de Miranda, ja defuntos. Test. Ten. Jose Fernandes de Carvalho e o Reverendo Antonio Neto da Costa

6-3-2-5-11 José, filho de Miguel Vieira de Almeida e Izabel Leite de Miranda.

6-3-2-13 Margarida Cardoso, casou duas vezes. Primeira vez casou com Jeronimo Ferreira de Freitas, inventariado em 21-07-1742 e falecido ha mais de 12 anos.

SL 7º, 386, 2-13.Margarida Cardoso, foi C.c. Jerônimo Ferreira de Freitas, e teve q. d.: 3-1 e 3-2

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado Hieronimo Ferreira

Inventariante Margaria Cardosa

Autos aos 21-junho-1742 presente Margarida Cardosa e por ela foi dito que fora notificada e vinha dar os bens que tinham ficado do defunto seu primeiro marido Hieronimo Ferreira. Declarou que o defunto somente com ela havia casado e havia pouco mais ou menos doze anos que tinha falecido e não fizera testamento. Assinou a rogo da inventariante Euzebio da Cunha e Souza.

 

Titulo dos herdeiros orfãos:

- Ignacia, mulher de Jose Garcia.

- Izabel, mulher de Diogo Garcia.

- Maria, casada com Jose Vaz.

- Rui de idade de 26 anos.

 

Orfãos:

- Antonio, de idade 22 anos.

- João, de idade 19 anos.

- Rita de idade 17 anos

 

Bens - avaliações -

Diz Diogo Garcia de Camargo, como cabeça de sua mulher Izabel de Faria, e os mais herdeiros de Hieronimo Ferreira que Ds haja, que a sua noticia é vindo em como os herdeiros de Joam Roiz Montemor, segundo marido de Margarida Cardosa, mãe dos suplicantes, a fizeram citar para dar bens a inventario e partilhas com eles (...)

 

Conclusão aos 25-junho-1742

Partilhas:

Segunda vez, Margarida casou com João Rodrigues Montemor, filho de Francisco Rodrigues Montemor e Andreza Felix de Oliveira - família Jaques Felix.

Margarida e Jeronimo tiveram sete filhos, situação em 21-06-1742:

6-3-2-13-1 Inacia casada com José Garcia.

6-3-2-13-2 Izabel de Faria casada com Diogo Garcia de Camargo que assinou a rogo da sogra no inventario da mãe de João Rodrigues Montemor.

6-3-2-13-3 Maria casada com José Vaz.

6-3-2-13-4 Rui de 22 anos. Ruy de Freitas, batizado em Taubaté em 30-08-1716. Em 1749 tirou dispensa do impedimento de consanguinidade em 4º grau para se casar com Maria Barbosa, batizada em Taubate em 17-01-1728, filha de Claudio Barbosa Rego e Ana Pedrosa de Moraes (SL. 7º, 346, 3-2).

ASCMSP Dispensas Matrimoniais ano 1749

Ruy de Freitas e Maria Barbosa, de Taubate 17-julho-1749

Ambos naturais de Taubate - impedimento de consantuinidade em 4º grau.

Que Manoel da Costa Cabral e Maria Cardosa são irmãos legitimos.

Que Manoel da Costa Cabral gerou Ana Maria Cabral e esta a Claudio Barbosa, este gerou a Maria Barbosa oradora.

Que aquela Maria Barbosa gerou Domingos Vieira este a Margarida Cardosa esta a Ruy de Freitas orador.

Irmãos

Manoel da Costa Cabral -1º- Maria }Cardosa

Ana Msaria Cabral -2º - Domingos Vieira

Claudio Barbosa - 3º - Margarida Cardosa

Maria Barbosa (oradora) -4º- Ruy de Freitas (orador)

 

Depoimento do orador: Ruy de Freitas, f.l. de Hieronimo Ferreira de Freitas e de s/m Margarida Cardosa, neto de Domingos Vieira e visneto de Manoel da Costa irmão de Maria Cardosa, e que era solteiro = queria se receber com Maria Barbosa oradora, natural de Taubate, f.l. de Claudio Barbosa do Rego e de s/m Ana Pedrosa de Moraes. Tinha de idade 34 anos pouco mais ou menos.

Depoimento da oradora: Maria Barbosa, f.l. de Claudio Barbosa Rego e de s/m Ana Pedroa de Moraes, que era solteira, tinha vinte e ujm anos pouco mais ou menos (...).

Testemunhas.

Certidões - igreja matriz de S. Francisco das Chagas de Tauabte:

- aos 30-agosto-1716 bat a Ruy, f. de Hieronimo Ferreira e de s/m Margarida Cardosa, foram padrinhos Sebastião Ferreira de Fr______ e Izabel Fragosa// Frei Gaspar de Santa Maria//

- aos 17-janeiro-1728 bat a Maria, f. de Claudio Barbosa Rego e de s/m Ana Pedrosa, foram padrinhos o Cap. Gaspar Correa [danificado] e Maria Cabral// Jose Correa// Taubate 11-agosto-1749

6-3-2-13-5 Antonio de 22 anos.

6-3-2-13-6 João 19 anos.

6-3-2-13-7 Rita com 17 anos.

 

6-3-3 Paulo Vieira da Maya.

6-3-4 Antonio Vieira

6-3-5 Jeronimo Vieira.

 

6-4 Lourenço Velho Cabral

6-5 Manoel da Costa Cabral casou com Ana Ribeiro de Alvarenga, filha de Francisco Bicudo de Brito e Tomasia Ribeiro de Alvarenga. Manoel testou em Taubate em 01-03-1709 e foi inventariado em 15-06-1711. Ana faleceu em 21-05-1717 e foi inventariada em 30 do mês seguinte.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado Manoel da Costa Cabral

Inventariante: Ana Ribeiro de Alvarenga

Autos aos 15-06-1711 nesta vila em as moradas de Ana Ribeira, viuva que ficou do Cap. Manoel dfa Costa Cabral que faleceu no seu sitio em Tremembe. Foi aprewsentado pelo viúva o testamento de seu marido que havia falevido havia mais de dois anos, e que deste matrimonio ficaram os filhos que ao diante fara declaração. Assinou a rogo da viuva seu procurador Francisco Alz Correa.

 

Titulo de Herdeiros:

Sebastião de Arruda cc Anna Moreira

Francisco de Arruda cc Joana Nardi Arzão

Vitorio de Arruda cc Anna Cabral

João de Arruda cc Andreza de Castilho

Francisca de Arruda cc Pedro Lemmes

Anna Maria cc Diogo Barbosa

 

Avaliações.

 

Testamento: 01-03-1709

Filhos

Sebastião de Arruda cc Anna Moreira

Francisco de Arruda cc Joana Nardi Arzão

Vitorio de Arruda cc Anna Cabral

João de Arruda cc Andreza de Castilho

Francisca de Arruda cc Pedro Lemmes

Anna Maria cc Diogo Bardosa

 

- Contas de testamento - 19-12-1715

Testamento - (...) eu Manoel da Costa Cabral (...) primeiramente encomendo a minha alma.

Testamenteiros Diogo Barbosa Rego e João darruda Cabral; encomenda o sepultamento: meu corpo sera enterrado na capela do Senhor Bom Jesus junto a sepultura de Cornelio da Rocha; encomenda missas.

Sou casado com Ana Ribeira nesta vila de Taubate e de entre ambos temos os filhos seguintes: Sebastião darruda = Francisco darruda = e Vitorio darruda os quais são meus universais herdeiros, e assim mais duas filhas Francisca darruda casada com Pedro Lerme do Prado = e Ana Maria que casamos com Diogo Barbosa Rego e ambos estão pagos do dote que lhe prometemos.

Declara bens, dividas. O remanescente de minha terça se reparta entre minha filha Francisca de Arruda e minha neta Tomasia igualmente. O rapaz da terra chamado Berissimo deixo a meu afilhado Claudio, filho de Diogo Barbosa (...) ao primeiro-março-1709 nesta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate em o bairro de Tremembe e assinamos com cinco testemunhas = Manoel da Costa Cabral =

Aprovação ao primeiro-março-1709

 

Diversos recibos.

 

Inventariada Ana Ribeiro de Alvarenga

Autos de inventario aos 30-junho-1717 nesta vila em casas de morada do inventariante Cap. João de Arruda Cabral. Declarou que ficaram seis filhos a saber: Sebastião de Arruda, ja defunto, casado com Ana Moreira de que tem filhos = Francisco de Arruda, ja defunto, casado duas vezes; primeiro com Leonor Leme do Prado de que não ficaram herdeiros; segunda vez com Joana Nardy de Arzão de quem teve filhos = Vitorio de Arruda Cabral casado com Ana Cabral = João de Arruda Cabral casado com Andreza de Castilho = Francisca de Arruda Cabral cc Cap. Pedro Leme do Prado = Ana Maria Cabral cc Cap. Diogo Barbosa Rego; e que a dita defunta falecera aos 21 de maio deste presente ano e fizera testamento.

 

Bens. Avaliações. Dividas

 

          Foram seis os filhos do casal:

6-5-1 Sebastião de Arruda, natural de Taubate, casou com Ana Moreira de Castilho, filha do Cap. Francisco Alvares Correa e Mécia Bicuda, neta paterna de Francisco Alvares Correa e Guiomar de Alvarenga, neta materna de Salvador Pires de Medeiros e Ana de Proença.

         Sebastião testou em 17-03-1703. Seu testamento foi aberto aos 18 de março e ele foi inventariado aos 21-junho-1703. Declarou quatro filhos de seu casal:

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado Sebastião de Arruda ano 1703

Autos aos 21-07-1703 nesta vila em as casas e morada do Cap. Francisco Alvares Correa onde se encontrava a viuva [danificado]. Declarou a inventariante que seu marido fizera testamento e fora aprovado, e que deste matrimonio teve quatro filhos machaos. Assinou a seu rogo seu pai o Cap. Francisco Alvares Correa.

 

Titulo dos filhos: Francisco = Manoel = Joseph = Salvador

Aos 21-junho-1703 nesta vila o juiz ordinario encarregou Ana Moreira como tutora e curadora de seus filhos Francisco = Manoel = Joseph e Salvador. Fiador da dita o avô dos ditos orfãos o Cap. Francisco Alz Correa.

 

Testamento - (...) 17-03-1703 eu Sebastião de Arruda (...) faço este meu testamento: encomenda a alma. Testamenteiros: a meu sogro Francisco Alvares Correa e a meu pai Manoel da Costa Cabral; encomenda o sepultamento e missas.

Sou natural desta vila de Taubate, f.l. de Manoel da Costa Cabral e Ana Ribeira de Alvarenga. Sou casado com Ana Moreira do qual matrimonio temos os filhos seguintes: Francisco = Manoel = Joseph = Salvador.

Declara bens e dividas.; Deixa o remanescente da terça para a mulher repartir com seus filhos.

(...) portanto esta é minha ultima vontade. Vila de Taubate aos 17-março-1703 e eu João de Souza Dias tabelião o escrevi = Sebastião de Arruda

Cumpra-se como nele se contem 18-março-1703.

 

Foi aberto este testamento pelo Juiz Ordinario e dos Órfãos aos 18-março-1703

 

Recibos, entre eles:

Recebi de Francisco Alvares Correa, como testamenteiro do defunto Sebastião de Arruda, duas patacas de acompanhamento, uma cruz de fabrica (...) 25-março-1703.

6-5-1-1 Francisco

6-5-1-2 Manoel

6-5-1-3 José

6-5-1-4 Salvador

6-5-2 Francisco de Arruda, ja falecido em 1717, foi casado duas vezes. Primeira vez casou com Leonor Leme do Prado de quem não ficaram herdeiros. Segunda vez em Santo Amaro-SP aos 12-01-1698, casou com Joana Nardy de Arzão, filha de Francisco Nardi de Vasconcelos e Paulina de Arzão, com geração.

Casamentos de Sto Amaro-SP aos 12-01-1698; Francisco de Arruda- filho de Manoel da Costa Cabral e Ana Ribeira, moradores em Tabidate(sic); cc. Joana Nardi- filha de Francisco Nardi de Vasconcelos e Paulina de Arzão, moradores nesta freguesia. PP- Cap Manoel Roiz de Arzão e Caterina Gomes.

6-5-3 Vitorio de Arruda casado com Ana Cabral.

6-5-4 João de Arruda (Cabral) casado com Andreza de Castilho Moreira, filha do Cap. Francisco Alvares Correa e Mécia Bicudo. Geração na família “Guiomar de Alvarenga” Cap. 5º.

6-5-5 Francisca de Arruda casada com Pedro Leme do Prado.

6-5-6 Ana Maria Cabral casada com Diogo Barbosa Rego. Diogo faleceu em Taubate com testamento de 04-11-1741 aberto em 13-11-1747. Foi inventariado por Ana em 18 de abril de 1748. Compareceram sete filhos;

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventário por falecimento de Diogo Barbosa Rego, morador que foi nesta vila de Taubate.

Autos aos 18-abril-1748 na casa em que assiste Ana Maria Cabral, perto desta vila, para fazer inventario do defunto Diogo Barbosa Rego por haver ficado filhos menores. Declarou Ana Maria Cabral. viuva cabeça de casal, que o dito defunto falecera aos treze dias do mes de outubro(sic) do ano passado com testamento que apresentou, deixando varios filhos do seu matrimonio, por não haver outro. Assinou a seu rogo seu filho Claudio Barbosa Rego.

 

Titulo dos herdeiros desta fazenda

Ana Maria Cabral, viuva desta fazenda.

 

Filhos:

1- Claudio Barbosa Rego, casado e maior de 40 anos.

2- Jose da Silva Rego, casado e maior de 40 anos.

3- Diogo Barbosa Rego, casado e de maior idade

4- Quiteria Barbosa cc Matheus Rodrigues.

5- Antonio Barreto da Silva, de 26 anos pouco mais ou menos.

6- Maria Raposa Barbosa casada com David do Prado Correa.

7- orfão Francisco Bicudo de idade 21 anos pouco mais ou menos.

 

Bens - avaliações - dividas -

 

Aos 19-04-1749 nesta vila, por Matheus Rodrigues foi dito que na colação das partilhas que se queria fazer dos bens que ficaram por falecimento de seu sogro Diogo Barbosa Rego a saber: (descreve os bens do dote).

 

Declaração que faz David do Prado Correa aos 19-abril-1749 (...) (declara o dote).

 

Monte Mor 231$790 reis

meação da viúva 115$895 reis

Terça 38$631 reis.

2/3  77$262 reis mais os dotes juntos 289$962 reis por sete herdeiros toca a cada um 41$423 reis.

 

Pagamentos: a viúva // aos herdeiros Claudio Barbosa// Jose da Silva // Diogo Barbosa// Matheus Rodrigues // David do Prado // Antonio Barreto // Francisco// a terça//

 

Treslado do testamento do defunto Diogo Barbosa Rego: (...) aos 04-novembro-1741 eu Diogo Barbosa Rego faço este testamento: encomenda a alma.

Testamenteiros: a meus filhos Claudio Barbosa e Jose da Silva; encomenda o sepultamento e missas.

Sou casado com Ana Maria Cabral de cujo matrimonio temos os filhos seguintes: Claudio Barbosa, casado/ Jose da Silva, cadado/ Diogo Barbosa, casado/ Antonio, emancipado/ Francisco/ Quiteria Barbosa casada / e Maria; os quais são meus herdeiros necessários. Declara bens. Meu filho Antonio, depois de emancipado com o seu trabalho comprou um mulato (...). Deixo o remanescente de minha terça a minha mulher Ana Maria Cabral. (...) pedi a Manoel Nunes de Souza por mim escrevesse = Diogo Barbosa Rego

Aprovação: aos 08-dezembro-1741

Cumpra-se como nele se contem.

Abertura: aos 13-novembro-1747 nesta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate, me foi apresentado este testamento com que faleceu Diogo Barbosa Rego.

6-5-6-1 Claudio Barbosa Rego, casado e maior de 40 anos.

6-5-6-2 José da Silva Rego, casado e maior de 40 anos.

6-5-6-3 Diogo Barbosa Rego casado com Catarina de Oliveira do Prado, filha de David do Prado da Costa e Maria de Oliveira Cardoso - família Sebastião Gil Cap. 6º.

6-5-6-4 Quiteria Barbosa casada com Matheus Rodrigues.

6-5-6-5 Antonio Barreto da Silva, de 26 anos em 1748.

6-5-6-6 Maria Raposa Barbosa casada com David do Prado Correa.

6-5-6-7 Francisco Bicudo de idade 21 anos..

6-6 Gaspar Velho Cabral, já falecido em 1686 (testamento da sogra) foi casado com Ana Ribeira (ou Ana Loba Sobrinha) filha de Domingas Loba e seu segundo marido João Delgado de Escobar - Aportes à GP: Domingas Lobo - SL. V, 200, 1-6, neste site.

6-7 Antonio Velho Cabral

6-8 Francisca Romeira Velha, batizada na Sé em 06-10-1641.

SP, SP Igreja N Sra da Assunção aos 06-10-1641 bat a Fr.ca f.l. Manoel da Costa Cabral e Francisca Cardosa, padr.: Jose de Camargo e Luzia Moreira.

6-9 João Velho Cabral

 

7- Izabel Cardosa foi a segunda mulher de Antonio Lourenço. Antonio testou em 06-03-1658, declarou ambos os matrimônios e a geração; foi inventariado no mesmo ano. Foi casado primeira vez com Marina de Chaves, filha de Matheus Leme, inventariado em 27-9-1633 (SAESP vol.9º) e sua segunda mulher Antonia de Chaves inventariada em 15-04-1610 (SAESP vol. 1º).

Antonio Lourenço e Mariana de Chaves tiveram quatro filhos:

I- Domingos Luiz Leme, casado

II- Antonia de Chaves casada com Braz Cardoso 3 supra.

III- Ana de Chaves casou com Paulo Pereira de Avellar, falecido com testamento de 05-02-1647 e foi inventariado em Tremembé-SP aos 30-7-1647 (SAESP vol. 44º). Ana testou em 8-8-1655 e foi inventariada em S. Paulo em 11 de setembro do mesmo ano (SAESP vol. 44º). Tiveram geração de cinco filhos.

IV- Maria Leme

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Antonio Lourenço 1658

Testamentaria - contas 26-01-1679 vila de S. Paulo

Foi me entregue estes autos.

capa - Autos agosto de 1658 vila de S. Paulo

Izabel Cardosa e Manoel Cardoso testamenteiros

Filhos do Segundo matrimonio:

- Francisca Cardosa cc ---- da Silva

Antonio Lourenço = Manoel Cardoso = Mecia Cardosa cc ----vez com Francisco da Fonseca ------

Gaspar Vaz = Antonio Cardoso = Feliciano Cardoso de 20 ---- = Ana Maria da Luz cc ----noel de Goes.

 

Testamento aos 06-03-1658

Testamenteiros minha mulher Izabel Cardosa e meu filho Manoel Cardoso.

Fui casado a primeira vez com Marina de Chaves da qual tive 4 filhos: Domingos Luiz = Antonia de Chaves = Ana de Chaves já defunta = Maria Leme. Casei as 3 filhas.

Devo a meu genro Bras Cardoso a legitima de sua mulher

Sou cc Izabel Cardosa da qual tenho oito filhos, 3 filhas casadas e cinco filhos. Meu genro Manoel de Goes lhe devo 2 cadeiras e um bofete. Emprestei a meu genro Bras Cardoso do dinheiro dos orfãos que ficaram de Gabriel Antunes meu genro de que sou tutor.

Deve meu genro Francisco da Fonseca 4 patacas.

Me deve meu filho Gaspar Vaz 7.780 rs.

Citações: minha filha Francisca Cardosa = meu genro Domingos Leme da Silva = meu genro Manoel de Goes = meu genro Francisco da Fonseca = meu filho Antonio Lourenço = meus netos filhos de Gabriel Antunes = meu cunhado A----- Vaz já defunto

Declaro que sou administrador da capela de N Sra da Luz a qual administração deixo a meu filho Manoel Cardoso

Cumpra-se aos S. Francisco das Chagas 09-07-1658

Aos 10-08-1658 nesta vila de S. Paulo no termo e limite dela na paragem chamada Tremembe na fazenda casas e sitio que ficou do defunto Antonio Lourenço.

          Izabel faleceu com testamento de 26-01-1661 e foi inventariada em S. Paulo em 10-09-1670:

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Izabel Cardoso

Autos aos 10-09-1670  nesta vila de S. Paulo.

Declarante Feliciano Cardoso, filho da defunta.

Testamento em 26-01-1661

Testamenteiros meus filhos Feliciano Cardoso e Manoel Cardoso.

(...) sou natural desta vila de S. Paulo, filha de Gaspar Vaz e Francisca Cardosa, ja defuntos.

Fui cc Antonio Lourenço, que Deus tem, e ora fiquei viuva depois que Deus o levou. Tivemos cinco filhos a saber: Antonio Lourenço = Antonio Cardoso = Manoel Cardoso = Gaspar Vaz = e Feliciano Cardoso; e tres filhas a saber: Mecia Cardosa = Francisca Cardosa = Maria da Luz.

Declaro que Antonio Lourenço ficou devendo --------- a seus netos, filhos que ficaram do defunto Paulo Pereira.

Devo aos filhos que foram de Gabriel Antunes, meu genro, 14 patacas.

(no texto) minha neta filha de Mecia Cardosa e Francisco da Fonseca.

 

Procuracao que Faz Sebastião Gil como tutor e curador dos orfãos seus netos, filhos do defunto Antonio Cardoso aos 03-10-1670 nesta vila de S. Francisco das Chagas (aa) Sebastião Gil.

Procuradores Nomeados: Miguel da Costa e Matias da Costa

Fins: representa-lo na ação que se movia na causa civil na assistencia das partilhas que se anda a fazer na vila de S. Paulo por morte de Antonio Lourenço e s/m Izabel Cardosa, pai e mãe do dito seu genro Antonio Cardoso.

 

Titulo dos Herdeiros

Manoel Cardoso, casado

Domingos Luiz Leme, casado

Antonio Lourenço , casado

Gaspar Vaz, casado

Feliciano Cardoso, casado.

Izabel, Manoel, e Maria filhos do defunto Antonio Cardoso.

Francisca Cardosa cc Cap. Domingos Leme da Silva

Maria da Luz cc Manoel de Goes.

Mecia Cardosa cc Francisco da Fonseca.

Antonio Cardoso, João Cardoso, Jose Cardoso, Gaspar, Izabel Cardosa, Francisca Cardosa, Ana Cardosa, Maria Cardosa, Catarina Cardosa filhos que ficaram de Antonia de Chaves mulher que foi de Braz Cardoso.

Antonio Pereira, casado = Amador Pereira = Paulo Pereira, João Pereira = Marina de Chaves filhos que ficaram de Ana de Chaves mulher que foi de Paulo Pereira.

Foram oito os filhos de Izabel e Antonio Lourenço:

7-1 Francisca Cardosa casada com Cap. Domingos Leme da Silva, natural de S. Paulo, filho de Pedro Leme e Helena do Prado. Francisca testou em 08-01-1678 declarou oito filhos de seu casal. Seu testamento recebeu o cumpra-se em 11-02-1679.

          Segunda vez aos 24-08-1679 em Sorocaba, Cap. Domingos casou com Maria de Abreu, filha do falecido Manoel Bezarano e Potencia de Abreu.

Sorocaba-SP Igreja N Sra da Ponte aos 24-08-1679 casei o Cap. Domingos Leme da Silva, natural da vila de S. Paulo e morador nesta vila, f.l. Pedro Leme e de Ilena do Prado, ja defuntos moradores na vila de S. Paulo = cc Maria de Abreu, f.l. de Manoel Bezarano, ja defunto e de s/m Potencia de Abreu, todos moradores nesta vila. Foram testemunhas o Cap. Manoel Frz de Abreu, o Cap.Jacinto Moreira, Maria Bicuda, Sizilia de Abreu.

          Capitão Domingos testou em 05-07-1684 com cumpra-se de 07 do mesmo mês e ano. Declarou nove filhos do primeiro matrimônio, sendo um falecido, o segundo matrimônio com Maria de Abreu com geração de dois filhos, a femea falecida, é vivo Domingos Leme de Abreu.

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Domingos Leme da Silva 1684

Testamento aos 05-07-1684 eu Domingos Leme da Silva declaro que primeira vez fui cc Francisca Cardosa da qual tive seis filhos e tres filhas a saber: Pedro Leme da Silva = Francisco Leme = Domingos Leme = Jose Leme = A---- Leme outro morreu = filhas  Izabel Cardoso = ----------- Leme = e Helena do Prado.

Segunda vez fui cc Maria de Abreu e tivemos um casal de filhos, a femea morreu e o macho é vivo por nome Domingos.

Casei m/filha Izabel Cardosa com Bartolomeu Bueno. (...) meu cunhado Francisco da Fonseca.

Testamenteiros meu filho Pedro Leme da Silva e meu filho Francisco Leme.

Cumpra-se N. Sra da Ponte 07-07-1684.

 

Certifico eu o Padre Pedro de Godoy da Silva, vigario da vila de Sorocaba, em como recebi de Pedro Leme da Silva como testamenteiro do defunto seu pai, o Cap. Domingos Leme da Silva, o dinheiro que importava aos legados (...)20-09-1684

 

Autos aos 11-12-1684 em pousadas do Cap. Domingos Leme da Silva e da primeira mulher Francisca Cardosa e da segunda mulher Maria de Abreu.

Declarante o Cap. Pedro Leme da Silva.

 

Herdeiros nesta fazenda:

Cap. Pedro Leme da Silva

Izabel Cardosa

Antonio Leme

Francisco Leme

Maria Leme

Domingos Leme

Jose Leme

Helena do Prado

Domingos Leme de Abreu.

 

Testamento em 08-01-1678 eu -------- Cardosa (...) testamenteiros rogo a meu marido o Cap. Domingos Leme da Silva e meu filho Pedro Leme da Silva e meu filho Francisco Leme da Silva. Sou filha legitima de ---- Lourenço e Izabel Cardosa, naturais da vila de S. Paulo.

Sou casada com o Cap. Domingos Leme da Silva e temos cinco filhos e tres filhas: Pedro = Francisco = Antonio = Domingos = Jose = Izabel = Maria = Helena. As filhas todas casadas. Izabel cc Bartolomeu Bueno = Maria cc Cap. Jacinto Moreira = Helena com Pedro Vaz Ratão

Codicilio. Casei m/filha Maria Leme com o Cap. Jacinto Moreira. Meu marido o Cap. Domingos Leme lhe perfaça o -----. Peco ao dito meu genro que enquanto seu sogro for vivo a nao aparte (....). Peco a meus filhos Pedro Leme, Francisco Leme da Silva e Domingos Leme queiram mandar dizer cada um vinte missas. Tenho um filho por nome Antonio Leme que esta -----.

Casei minha filha Izabel Cardosa com Bartolomeu Bueno. Casei Helena do Prado com Pedro -----.

Cumpra-se 11-02-1679

Foram filhos do Cap. Domingos e Francisca Cardosa, segundo seus testamentos e descritos em SL. 2, 240, 1-5:

7-1-1 Cap. Pedro Leme da Silva casou com Domingas Cordeira de Almada (ou Gonçalves), muito provavelmente a filha de Domingos Cordeiro de Paiva e Susana de Almada, citada em SL. 7, 290, 2-5, s.m.n.

         Domingas já era falecida em fevereiro de 1707 e Cap. Pedro faleceu com testamento em Itu, em 28-09-1717

Itu-SP Igreja N. Sra da Candelaria - o Cap. Pedro Leme da Silva morador desta mesma vila faleceu aos 28 de setembro de 1717 anos com todos os sacramemtos, fez seu testamento. Deixou por testamenteiros a Francisco de Almeida Lara, ao Cap. Antonio Antunes e a Baltazar de Quadros. (...) esmolas pias; de esmola a sua sobrinha Maria, filha de seu irmão D.os Leme setenta mil rs

SL. 2, 240, § 5, 2-1 Capitão Pedro Leme da Silva (o torto) foi morador em Itu onde faleceu em 1717. Cc. Domingas Gonçalves e dela deixou 4 f.os.

Entre os filhos citados na GP:

7-1-1-1 João Leme, em Itu aos 21-02-1707 casou com Maria Bicuda, filha do falecido Jorge Moreira e Luzia de Abreu.

Itu, SP Igreja N.Sra. da Candelaria [na era de 1707] Joam Leme filho de Pedro Leme da Silva e de s/m Domingas C[ordera] de Almada, ja defunta, se recebeu com Maria Bicuda, f. de George Morera, ja defunto e de s/m Luzia de Abreu todos moradores desta vila, test.: C. Pedro Dias Leite, Antonio Frz de Abreu, Maria Cord.a de Almada, Maria Godoy a vinte e hum de fevereiro da sobredita era.

7-1-1-2 Cap. Lourenço Leme da Silva aos 24-11-1717 casou com Gertrudes de Campos, filha do falecido Tomé de Lara e Maria de Campos.

Itu, SP Igreja N.Sra. da Candelaria [era de 1717] o Cap. Lourenço Leme da Silva, f. dos defuntos Pedro Leme da Silva e s/m Domingas Gonçalves = cc Gertrudes de Campos, f. do defunto Thome de Lara e s/m Maria de Campos, test.: Francisco Paes, Domingos Leme, Branca Cordera, Catarina de Campos, todos naturais e moradores desta propria vila aos 24 de Novembro da sobredita era.

7-1-2 Francisco Leme da Silva, natural da cidade de São Paulo, filho de Domingos Leme da Silva e Francisca Cardoso, em Itu casou com Izabel de Anhaia, aí falecida em 12-12-1712, filha de Sebastião Pedroso Baião e de sua segunda mulher Florência Corrêa.

Itu-SP Igreja N Sra da Candelaria Izabel de Anhaia mulher de Francisco Leme faleceu a doze de Dezembro da sobredita era (1712) com todos os safcramentos. Fez seu testamento em que deixou por testamenteiros a seu genro Francisco de Almeida com Bartholomeu de Quadros; esmolas por sua alma, missas (...). 12-12-1712.

 

         Francisco testou Em S. Bartolomeu-MG em 13-11-1727 onde faleceu em 13-02-1728 e foi inventariado no mesmo ano.

Casa do Pilar - Ouro Preto, MG

Inventariado: SILVA - FRANCISCO LEME DA

Inventariante: JOSE LEME DA SILVA

Ano 1728

Códice 43 - Auto 505 - ficha 1668 - 1º Oficio

Indicação: Diego Duque Guimarães

Imagens Colaboração de André Buttros Rodrigues

Resumo: Bartyra Sette

 

Inventário dos bens que ficaram do Cap. Francisco Leme da Silva que faleceu com testamento em Fevereiro de 1728; e tambem dos que ficaram de sua mulher Izabel de Anhaya que faleceu na vila de Itu.

 

Autos aos 12-04-1728 no sitio e casas donde faleceu o Cap. Francisco Leme da Silva na freguesia de S. Bartolomeu termo de Vila Rica.

Testamenteiro e Inventariante Francisco Leme da Silva, filho do defunto.

 

Treslado do Auto de Inventario da dita defunta, testamento, filhos que ficaram, seus nomes e idades.

Recebeu o juramento o Capitão Francisco de Almeida Lara como procurador do viúvo cabeça do casal e foi declarado que ficaram sete filhos a saber:

Francisco Leme da Silva, de idade 33 anos, solteiro.

Salvador Esteves, de idade 30 anos, casado.

Antonio Leme, de idade 28 anos, casado.

Bras Esteves, de idade 26 anos, solteiro

Jose Leme, de idade 23 anos, solteiro

Francisca Leme, casada, de idade 32 anos

Maria Leme de idade de 24 anos, casada.

 

Aos 17-05-1713 nesta vila de N. Sra da Candelaria de Itu comarca da cidade de S. Paulo nas casas do Cap. Francisco Leme da Silva estando presente o Cap. Bento de Toledo Piza e Francisco de Almeida Lara.

Termo de Curadoria: nas casas e morada da falecida Izabel de Anhaya

Francisco de Almeida Lara, como procurador do cabeça de casal Capitão Francisco Leme da Silva. Declarou que a dita defunta falecera a 12-12-1712 e fizera testamento.

 

Testamento de Francisco Leme da Silva que faleceu aos 13-02-1728 em a freguesia de S, Bartolomeu termo de Vila Rica de N. Sra do Pilar de Ouro Preto.

Em nome da Santissima Trindade (...) aos 13-11-1727 eu Francisco Leme da Silva (...) encomenda a alma, determina o sepultamento.

Sou natural da cidade de São Paulo e nela batizado, f.l. de Domingos Leme da Silva e Francisca Cardoza e fui casado com Izabel de Anhaya, ja defunta, de cujo matrimonio tive filhos dos quais são vivos Francisco Leme, Jose Leme, Salvador Esteves, Antonio Leme, Bras Esteves, Maria Leme da Silva e Francisca Cardoza os quais são meus herdeiros legitimos

Rogo a meus filhos José e Francisco Leme da Silva e ao Capitão Manoel de Mattos Fragoso queiram ser meus testamenteiros.

Declara dividas. Encomenda missas.

Legados: a minha neta Maria Cardosa, moradora na vila de Itu, filha de Balthezar de Coadro 200 mil reis em dinheiro de contado e assim mais deixo as minhas netas Francisca e Gertrudes Cardosas 400 mil reis, 200 a cada uma.

Havendo de minha terça algum remanescente, depois de cumpridos os meus legados, deixo para sufragios de minha alma.

Declaro que meu sobrinho Domingos Leme da Silva me é devedor de dez libras de ouro como consta de uma obrigação que tenho em meu poder. Meu filho Antonio Leme da Silva me é devedor de 125 oitavas de ouro que por ele paguei a Manoel Ferraz de Campos/

Meu genro Francisco de Almeida Lara me é devedor de 300 oitavas de ouro quintados (...). Meu filho Salvador Esteves tem em seu poder um negro (...); meu filho Bras Esteves tem em seu poder um negro (...)

Roguei a João de Brito que por mim o escreveu nesta freguesia de S. Bartolomeu = Francisco Leme da Silva

Aprovação: 13-11-1727 nesta freguesia de S. Bartolomeu termo de Vila Rica em o sitio onde vive e mora o Cap. Francisco Leme da Silva.

 

Termo de Abertura: aos 13-02-1728 nesta Vila Rica de N. Sra do Pilar do Ouro Preto em casas de morada do Dr. João Pacheco Pereira, Ouvidor Geral Provedor dos Órfãos e dos Defuntos e Ausentes e por ele foi aberto o testamento retro; a margem diz que foi casado com Izabel de Anhaya, ja defunta.

 

Entreguei ao 1º testamenteiro  e como o recebeu assinou em Vila Rica em 09-04-1728

         Segundo os inventários foram sete os filhos do casal, idades em 17-05-1713 (descritos em SL. 2º, 252, 2-2):

7-1-2-1 Francisco Leme da Silva, solteiro com 33 anos em 1713.

          Em Itu sem 1728 casou com Clara de Miranda, filha de Antonio Pedroso de Alvarenga e de s/m Izabel de Freitas.

Itu, SP Igreja N. Sra da Candelaria - Setembro de 1728 - Francisco Leme da Silva, filho de Francisco Leme da Silva e de s/m Izabel de Anhaia, ja defuntos moradores nesta paroquia, se recebeu com Clara de Miranda, filha de Antonio Pedroso de Alvarenga e de s/m Izabel de Freitas, tambem moradores desta paroquia. Test.: Antonio Leme de Oliveira, Antonio Leme da Silva, Maria Pedrosa e Joana [danificado].

7-1-2-2 Francisca Leme, com 32 anos em 1713, casada com Baltazar de Quiadros. Suas filhas Maria Cardosa, Francisca e Gertrudes Cardosa foram legatárias do avô materno.

7-1-2-3 Salvador Esteves, com 30 anos, casado.

7-1-2-4 Antonio Leme da Silva, com 28 anos. Casado em 10-07-1704 com Ana de Freitas, filha do falecido João de Freitas e Clara de Miranda.

Itu, SP Igreja N. Sra da Candelaria aos 10-07-1704 nesta igreja matriz se casaram Antonio Leme da Silva, f. de Francisco Leme da Silva e s/m Izabel danhaya = com Ana de Freitas fl. de João de Freitas, já defunto e de s/m Clara de Miranda, todos naturais e moradores desta vila. Test.: Antonio Leme, Lourenço Cardoso, Luzia Leme, Ana Ribeira.

7-1-2-5 Bras Esteves, de idade 26 anos, solteiro em 1713. Bras Esteves Leme casou com Ana Maria da Silva, filha de Antonio Moreira e Maria da Silva de Aguiar. Geração na famíloia “Guiomar de Alvarenga” Cap. 9º neste site.

7-1-2-6 Maria Leme da Silva com 24 anos em 1713. Em Itu aos 24-05-1705 casou com Francisco de Almeida Lara, filho de João Pires Rodrigues e Branca de Almeida. Capitão Francisco de Almeida Lara foi procurador do sogro no inventário da sogra.

Itu, SP Igreja N. Sra da Candelaria = aos 24-05-1705 Francisco de Almeida, f. de João Pires Roiz e de s/m Branca de Almeida, moradores na vila de S. Paulo se recebeu com Maria Leme da Silva, f. do Cap. Francisco Leme da Silva e s/m Izabel de Anhaia. Test.: D. Simão de Tolçedo Piza, Francisco Pires, Ana de Proença, Catarina Gomes.

7-1-2-7 José Leme da Silva, solteiro com 23 anos em 1713. Testamenteiro paterno. Casou com Gertrudes de Siqueira de Moraes. Geração em Aportes à GP: José Leme da Silva, capitão - SL II, 255, 3-5, neste site.

 

7-1-3 Antonio Leme

7-1-4 Domingos Leme da Silva foi o primeiro marido de Maria Cordeiro de Almada

SL. 2, 255, 2-3 Domingos Leme da Silva, casou-se com Maria Cordeiro de Almada, f.a de Domingos Cordeiro Paiva e de Suzana de Almada, n. p. de Pedro de Oliveira e de Francisca Cordeiro, n. m. de João Borralho de Almada e de Maria de Proença, de S. Sebastião. Teve Domingos Leme  os 3 f.os seguintes, naturais de Jundiaí:

         Maria Cordeiro de Almada casou segunda vez com o viúvo Cap. Manoel Homem Albernaz falecido em Itu aos 14-12-1706. Cap. Manoel, filho de João Homem da Costa e Joana de Chaves, foi primeira vez casado com Izabel de Barros falecida em Itu aos 03-06-1703.- família “Manoel Godinho de Lara”:

Itu-SP Igreja N Sra da Candelaria [na era de 1706 anos] o Cap. Manoel Homem Albernaz, morador neta, faleceu de sua doença. Fez testamento em que deixou por testamenteiros seu filho Jordão Homem e o Cap. Antonio Antunes Maciel. Fiz este termo a catorze de dezembro de 1706.

 

         Terceira vez aos 08-01-1709, Maria Cordeiro casou com Manoel Bicudo de Brito, filho de João Bicudo de Brito e Ana Ribeira, naturais da Parnaiba. Manoel era viúvo de Tomasia de Almeida, casados na Parnaiba em 1674, filha de Antonio de Almeida e Maria Falcão. Geração deste matrimonio em SL. 6, 339, 3-2.

Itu, SP Igreja N.Sra. da Candelaria [na era de 1709] Manoel Bicudo de Brito f. de João Bicudo de Brito e de s/m Ana Ribeira, naturais da Parnaiba = cc Maria Cordr.ª de Almada, filha de D.os Cordr.º de Payva e Suzana de Almada, test.: Jordão Homem Albernaz, Francisco Pires de Camargo, Joana de Alm.da e Francisca Cordeira aos 08-01-1709.

 

ASBRAP 2 - fls. 101 a 121 - Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. Manoel Bicudo de Brito, f. de Jo]ao Bicudo de Brito e Ana Ribeiro de Alcarenga = com Tomasia de Alvarenga, f. de Antonio de Almeida, fal. e de Maria Falcão (desta) (ano de 1674).

 

Maria Cordeiro de Almada faleceu aos 05-06-1739 com testamento. Declarou os três matrimônio, com geração apenas do primeiro.

Itu, SP Igreja N.Sra. da Candelaria aos 05-06-1739 nesta matriz faleceu Maria Cordeira de Almada, natural da vila de Jundiai e moradora desta, filha de Domingos Cordeiro de Payva e de s/m Suzana Almada, casada tres vezes a saber:primeira vez com Domingos Leme da Silva de que ficaram três filhos, um macho e duas femeas; segunda vez com Manoel Homem Albernaz, e terceira vez com Manoel Bicudo de Brito; e do segundo e do terceiro matrimonio não teve filho algum. Fez testamento; testamenteiros a João da Costa Castanho e a ------ do Canto.

Domingos Leme da Silva e Maria Cordeiro tiveram três filhos, um macho e duas femêas, entre eles:

7-1-4-1 Domingos Leme da Silva aos 12-11-1703 casou com Maria Soares de Abreu, filha do Cap. Antonio Fernandes de Abreu e Ana Maria Soares.

Itu, SP Igreja N.Sra. da Candelaria aos 12-11-1703 nesta matriz Domingos Leme da Silva, f. de Domingos Leme da Silva, já defunto e de s/m Maria Cordeira = cc Maria de Abreu, f. do Cap. Antonio Frz de Abreu e s/m Ana Maria Soares, todos naturais e moradores desta vila, foram test.: o Cap.Mel. Homem Albernaz , João Borralho, Maria Cordeira e Ignez Dias.

          Maria Soares, viúva, aos 30-07-1729 casou com João Francisco Brandão, filho de Euquerio de Aguiar e Mendonça e Ana de Souza Moreira.

Sorocaba, SP Igreja N Sra da Ponte aos 30-07-1729 nesta matriz João Francisco Brandão, f.l. de Eucherio de Aguiar e Mendonça e de Ana de Souza Moreira, nts e moradores da vila da Sra.S. Ana da Parnaiba = cc Maria Soares de Abreu, f.l. de Antonio Fernandes de Abreu, ja defunto e de Ana Maria Soares; viuva de Domingos Leme da Silva. Naturais da vila de Itu e moradores nesta mesma vila; test.: Sarg. Mor Pedro Domingues Paes, R.Pe.Braz de Almeida Lara, Maria Paes Domingues, e Izabel Vaz.

7-1-4-2 Maria Leme do Prado aos 01-04-1704 casou com Antonio Pedroso de Oliveira, filho dos falecidos Tomas Mendes Barbosa e Lucrecia Pedrosa.

Itu, SP Igreja N.Sra. da Candelaria aos 01-04-1704 nesta matriz Antonio Pedroso de Oliveira, f. de Thomas Mendes Barbosa e de s/m Lucrecia Pedrosa, ja defuntos = cc Maria Leme do Prado, fa de Domingos Leme da Silva, já defunto e de Maria Cord.ª sua mulher, todos naturais e moradores nesta vila, foram test.: Pedro Leme, Nuno de Campos, Veronica de Jesus e Elena do Prado.

7-1-5 José Leme

7-1-6 Izabel Cardosa casada em vida dos pais com Bartolomeu Bueno, filho de Francisco Bueno, inventariado em 1638 (SAESP vol. 13º) e Felipa Vaz. Em 1697na Parnaiba, Bartolomeu casou com Maria de Moraes, filha de Jeronimo de Lemos e de Leonor Domingues.

ASBRAP 2, Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. Bartolomeu Bueno, filho de Francisco Bueno e Felipa Vaz = com Maria de Moraes, filha de Jeronimo de Lemos e de Leonor Domingues (ano de 1697)

         Entre os filhos de Izabel e Bartolomeu citados em SL. 1, 503, 1-2:

- Francisco, batizado em 10-01-1655, não é mencionado no rol de seus irmãos.

SP, SP Igreja N Sra da Assunção aos 10-01-1655 bat a Francisco filho l. Bartolomeu Bueno e Izabel Cardoso, padr.: Cap. D.os Leme da Silva e Mariana Buena.

7-1-6-1 Francisca Cardoso, natural da Parnaiba onde em 1670 casou com Manoel Peres, filho de Afonso Peres Calhamares e de Maria da Silva.

ASBRAP 2, Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. Manoel Peres, filho de Afonso Peres Calhamares e de Maria da Silva = com Francisca Cardoso, filha de Bartolomeu Bueno e de Isabel Cardoso (ano de 1670)

          Francisca faleceu com testamento de agosto de 1683 com cumpra-se de 08-09-1683 e foi inventariada por Manoel em 28-03-1684. Declarou dois filhos de seu casal:

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Francisca Cardoso 1684

Autos aos 28-03-1684 nesta vila de Santana da Parnaiba em casas de morada de Manoel Peres Calhamares, o viuvo declarante.

Testamento: derradeiro de agosto de 1683 eu Francisca Cardosa (...) testamenteiro meu marido Manoel Peres.

Sou natural desta vila da Parnaiba, filha de Bartholomeu Bueno e Izabel Cardosa. Sou cc Manoel Peres e temos uma filha por nome Maria e um filho por nome Bart------.

Cumpra-se 08-09-1683

Cumpra-se 28-03-1684

 

Herdeiros nesta fazenda:

o viuvo Manoel Peres Calhamares e seus filhos

Maria de 5

Bartolomeu de onze meses.

          Manoel testou em 21-04-1703. Seu testamento recebeu o cumpra-se em 04-03-1704 e foi inventariado em 4 de abril do mesmo ano. Declarou dois filhos legítimos do primeiro matrimônio, e um filho bastardo: Pedro, fugido.

Arquivo do ESP - Inventários não publicados

Auto de inventario do defunto Manoel Peres Calhamares c/testamento 1703.

Autos do inventário aos 04-abril-1704 no sitio e fazenda chamada Ibitirabigu sitio que ficou do defunto Cap. Manoel Peres Calhamares, termo da vila de Santa Ana da Parnaiba, a requerimento de Sebastiana da Silva, mulher que ficou do dito defunto, e Bartolomeu Bueno Calhamares, filho e legitimo herdeiro do dito capitão.

 

Testamento do Capitão Manoel Peres Calhamares - 1703.

(...) aos 21-abril-1703 eu Manoel Peres Calhamares  (...) este testamento na forma seguinte: encomenda a alma.

Testamenteiros: meu irmão Sebastião Soares e a minha mulher Sebastiana da Silva; encomenda o sepultamento e missas.

Fui casado com Francisca Cardosa, filha do Cap. Bartolomeu Bueno e de s/m Izabel Cardosa, ja defuntos, de que tive filhos os quais são vivos Bartolomeu Bueno Calhamares, Maria Buena a qual esta casada com João Pimentel, os quais são meus herdeiros a qual lhe dei 14 peças do gentio da terra que contavam de 20 almas em q entrou a legitima de sua mãe, mais 200 mil reis em dinheiro e deilhe mais seis colheres de prata, uma tambuladeira e uma gargantilha de ouro com seus brincos e de sua legitima se não estiver inteirada com isto me reporto ao inventário.

Meu filho Bartolomeu Bueno é solteiro e lhe coube de legítima o que no inventário se achar.

Declaro que tenho um filho bastardo por nome Pedro, fugido. Sou casado com Sebastiana da Silva, filha de Manoel Dias da Silva e de s/m Catarina Rodrigues, ja defuntos, que não tive filhos nem filhas, a qual é minha herdeira.

Tambem peço a meu cunhado Bartolomeu Bueno e a meu genro João da Rocha Pimentel, meu procuradores.

Declara bens, entre eles um sitio no bairro de Juquiri; legados, entre eles: deixo por esmola a minha irmã Maria da Silva 20$000 reis; a meu irmão Sebastião Soares 28$000 reis em dinheiro.

Declara devedores. Herdeiro do remanescente de minha terça a meu filho Bartolomeu. (...) Manoel Peres Calhamares

Aprovação: 04-março-1703

Cumpra-se nele como se contem. Parnaiba seis-janeiro-1704

 

7-1-6-1-1 Maria com 5 anos em 1684. Maria Buena Calhamares casou na Parnaíba em 1692 com João da Rocha Pimentel, filho de Pedro da Rocha Pimentel e Leonor Domingues.

ASBRAP 2 Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz.: João da Rocha Pimentel, f. Pedro da Rocha Pimentel e Leonor Domingues = cc Maria Bueno, f. Manoel Peres e de Francisca Cardoso (ano 1692)

7-1-6-1-2 Bartolomeu com onze meses em 1684. Bartolomeu Bueno Calhamares, dispensados do impedimento de consanguinidade em 4º grau, casou com Izabel da Cunha Gago, filha dos falecidos Pascoal Delgado Lobo Sobrinho, e sua primeira mulher Mariana de Camargo (SL. 1º, 372, 2-8)

RMJ ACMSP V 4- Est 4 Gav 1

Bartholomeu Bueno e Izabel da Cunha Gago - 11-04-1705

Impedimento de consanguinidade no 4º grau:

Francisco Bueno e Maria Ribeira foram irmãos.

Francisco Bueno foi pai de Bartolomeu Bueno este pai de Francisca Cardosa, mãe do orador

Maria Ribeira foi mãe de Messia Ribeira, e esta mãe de Marianna Camargo, mãe da oradora

A oradora é órfã de pai e mãe

7-1-6-6 Ana Cardoso (ou Bueno) em 1692 na Parnaiba casou com João Pedroso, filho do falecido Francisco Pedroso e Maria Cardoso.

ASBRAP 2 - f- Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. João Pedroso, filho de Francisco Pedroso, fal. e Maria Cardoso, com Ana Cardoso, filha de Bartolomeu Bueno e de Isabel Cardoso (ano de 1692)

          Em 1704 João casou com Sebastiana da Silva, filha de Manoel Dias da Silva e de Catarina Rodrigues. João faleceu em 14-08-1707 e foi inventariado em 21-02-1708 por Sebastiana.

ASBRAP 2 - Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. João Pedroso Xavier, filho de Francisco Pedroso Xavier, fal. e Maria Cardoso, com Sebastiana da Silva, filha de Manoel Dias da Silva e de Catarina Rodrigues (ano de 1704).

 

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

João Pedroso Xavier ano 1708 Santana de Parnaíba

Autos do inventario 21-02-1708 vila de Parnaiba

Inventariante a cabeça de casal Sebastiana da Silva.

Deixara quatro filhos: Maria cc Cap. Phelipe Cardoso - Izabel de idade 12 anos = Guilherme de 8 anos = Ana ja defunta.

O dito defunto falecera aos 14-08-1707

Foram filhos de João, segundo o inventário (aparentemente todos filhos de Ana):

7-1-6-6-1 Maria Cardoso em 1706 casou com Felipe Cardoso, filho do falecido Francisco Cardoso e de Maria de Campos

ASBRAP 2 - Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. Felipe Cardoso, filho de Francisco Cardoso, fal. e de Maria de Campos, com Maria Cardoso, filha de João Pedroso Xavier e Ana Bueno (ano de 1706).

7-1-6-6-2 Izabel com 12 anos.

7-1-6-6-3 Guilherme com 8 anos

7-1-6-6-4 Ana já falecida em 1708.

 

7-1-7 Maria Leme da Luz casada em vida da mãe com Cap. Jacinto Moreira Cabral, natural de S. Paulo, filho de Pedro Alves Moreira Cabral e Sebastiana Fernandes, neto paterno de Pedro Alves Moreira, inventariado em 1638 (SAESP vol. 11º), e Sebastiana Fernandes filha natural de André Fernandes em aportes à GP: “André Fernandes, capitão” - SL. 7, 225, Cap.1º.

         Capitão Jacinto faleceu em Sorocaba aos 03-02-1690 com testamento de 18-01-1690. Declarou, mas não nomeou, dois filhos de seu casal:

Sorocaba, SP Igreja N Sra da Ponte obitos aos 03-02-1690 faleceu o Alcaide Mor Hiasinto Moreira, natural a vila de S. Pauloe morador nesta vila de Nossa Sra da Ponte de Sorocaba, filho de Pedro Alveres Moreira e de s/m Sebastiana Frzmoradores da dita vila de S. Pulo; esta sepultado na igreja de São Bento na capela mor; fez testamento;foram testamenteiros Maria Leme sua mulher, o Cap. Bras Domingues Vidigal, Joseph Bernardes.

 

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Jacinto Moreira Cabral – 1690

Testamento - Aos 18-01-1690 testamenteiros minha mulher Maria Leme da Silva e meu compadre o Sr. Braz Domingues Vidigal, e Jose Bernardes.

Sou cc Maria Leme da Silva e tenho dois filhos. Sou n. da vila de S. Paulo, f. de Pedro Alz Moreira Cabral e Sebastiana Fernandes.

(no texto) meu cunhado Francisco Leme.

Vila de Sorocaba 02-02-1690 nesta vila de N Sra da Ponte de Sorocaba eu Jacinto Moreira Cabral (...)

Cumpra-se 03-02-1690.

Recibo do Cel. Pascoal Moreira Cabral. O padre recebeu 30 patacas de missas que o defunto alcaide mor Jacinto Moreira Cabral deixou por sua alma, do Cel. Pascoal Moreira Cabral como procurador de sua cunhada Maria Leme. 28-02-1690.

7-1-7-1 Pedro Alvares Moreira aos 10-05-1691, dispensados do parentesco de consanguinidade, casou com Maria Fernandes de Oliveira, filha de João Fernandes de Oliveira e da falecida Catarina de Oliveira.

Sorocaba, SP Igreja N Sra da Ponte aos 10-05-1691 Pedro Alvares Moreira, natural e morador nesta vila de N. Sra da Ponte de Sorocaba, filho do Alcaide Mor Jiasinto Mor.ª Cabral e de s/m Maria Leme da Luz, moradores nesta sobredita vila = cc Maria de Oliveira, nat.e moradora na vila de n. Sra da Ponte de Sorocaba, f. de Joam Frz de Oliveira e s/m Catarina de Oliveira, ja defunta, moradorres na sobredita vila.Os contraentes foram dispensados pelo bispo do Rio de Janeiro do parentesco que tinhão entre si de consanguinidade. Foram testemunhas o Cap. Mel. Ribeiro, Andre Domingues Vidigal, Maria Domingues, Izabel de Oliveira.

Tiveram as filhas, citadas em SL. 7, 430, 4-1:

7-1-7-1-1 Josefa Leme da Silva em Sorocaba aos 16-07-1715 casou com José da Costa Homem, filho do falecido João da Costa Homem e de Ana Vieira.

Sorocaba, SP Igreja N Sra da Ponte. aos 16-07-1715 Joseph da Costa Homem, f.; de João da Costa Homem, ja defunto e de s/m Ana Vieira moradores em Parnaiba = cc Josepha Leme da Silva, f. de Pedro Moreira Cabral, ja defunto e de s/m Maria Frz de Oliveira, naturais desta vila; foram testemunhas Antonio Roiz Penteado, Manoel da Costa Homem, Izabel de Oliveira e Teresa da Costa.

7-1-7-1-2 Catarina Moreira Cabral casou com Manoel da Costa Homem. Entre seus filhos:

7-1-7-1-2-1 Manoel da Costa Homem em 26-10-1734 casou com Catarina Dias, filha de Marcos Dias Arenso e de Izabel João, família “Amaro Domingues”.

Sorocaba, SP Igreja N Sra da Ponte aos 26-10-1734 Manoel da Costa Homem, f.l. Manoel da Costa Homem e de s/m Catarina Moreira Cabral = cc Catarina Dias, f.l.de Marcos Dias Arenso e de Izabel Joam, todos naturais e moradores nesta freguesia; test.: Manoel Gomes, Mnoel de Souza Pereira ambos desta freguesia

7-1-7-1-2-2 Pedro Moreira da Costa aos 25-10-1734 casou com Maria Rosa Dias, irmã inteira de Catarina Dias supra citada.

Sorocaba, SP Igreja N Sra da Ponte aos 25-10-1734 Pedro Moreira da Costa, f.l. Manoel da Costa Homem e de s/m Catarina Moreira Cabral = cc Maria Rosa Dias, f.l. Marcos Dias Arenso e de Izabel Joam, todos naturais e moradores nesta freguesia; test.: Thimoteo Lems da Silva, Ten. Cel. Bernardo ntunes de Moura.

7-1-8 Helena do Prado casada em vida da mãe com Pedro Vaz Ratão, Helena faleceu em Itu-SP aos 07-11-1707.

Itu-SP Igreja N Sra da Candelaria Helena do Prado da Silva mulher de Paulo Vaz Ratão faleceu a 07-11-1707 com todos os sacramentos

Entre os filhos do casal:

7-1-8-1 Ana Leme do Prado aos 18-07-1709 em Itu casou com Manoel Martins da Cunha, filho de Pedro Martins e Maria Gonçalves, naturais da freguesia da vila Cova, Barcelos-PT.

Itu-SP aos 18-07-1709 nesta vila Manoel Martins da Cunha, f.l. Pedro Martins e Maria Gonçalves, nts de Barcelos, da freguesia da vila Cova = cc Ana Leme, f.l. Pedro Dias Ratam e Helena do Prado, já defunta.Test.: Manoel Bicudo, Joseph Martins, Francisca Dias, Veronica de Jesus moradores desta mesma vila.

Ana Maria faleceu em Mogi das Cruzes aos 09-07-1724 e foi inventariada no mesmo ano. Deixou três filhos de seu casal. Tenente Manoel Martins da Cunha casou com Joana de Siqueira, filha de Miguel Dias de Siqueira e Maria Soares de Siqueira, família “Manoel de Siqueira Caldeira”.

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

2º Cartório de Mogi das Cruzes -

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Inv. Ana Leme do Prado mulher de Manoel Martins da Cunha

Herdeiros menores:

Maria, de 9 anos = Francisco de 6 = Manoel de 3 anos.

Autos aos 25-08-1724

Declarante Manoel Martins da Cunha

Falecera aos 09-07 do presente ano com seu testamento.

Ficaram tres filhos: Maria, de 9 anos = Francisco de 6 = Manoel de 3 anos.

Curador o viuvo.

          Ana Maria e Manoel tiveram três filhos:

7-1-8-1-1 Maria, de 9 anos em 1724.

7-1-8-1-2 Francisco de 6

7-1-8-1-3 Manoel de 3 anos

7-2 Antonio Lourenço Cardoso, segundo SL. 1º, 83, 1-5, foi primeira vez casado com Maria das Neves, filha de Francisco Leme da Silva e Isabel de Góes, neta paterna de Matheus Leme e Antonia de Chaves, neta materna de Domingos de Góes e Joana Nunes - SL. 2º, 349, 2-1

          Em Taubaté, aos 13-agosto-1682, Antonio foi inventariado por sua viúva Maria Luiz. Compareceram oito filhos do casal, citados na GP.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado Antonio Lourenço - 1682

Autos aos 13-agosto-1682 nesta vila em pousadas de Maria Luiz, mulher que ficou do defunto Antonio Lourenço. Disse que seu marido morrera de --- de hu pau e que não deixara testamento Assinou a seu rogo seu genro Antonio Roiz.

 

Titulo dos filhos, idade pouco mais ou menos:

- Izabel Cardosa cc Antonio Roiz.

- Manoel Cardoso 16 anos

- Mateus Vaz Cardoso 14

- Domingos Luiz de idade 13 anos

- Antonio Lourenço de idade 11 anos

- Francisco de Camargo de idade 9 anos

- Maria Cardosa de idade 7 anos.

- Francisca de idade 5 anos.

 

Citados, Antonio Roiz e sua mulher Izabel Cardoso, filha do dito defunto, não queriam nada nestas partilhas.

7-2-1 Izabel Cardosa casada com Antonio Rodrigues, filho de Antonio Rodrigues e Catarina da Cunha. Antonio faleceu com testamento e foi inventariado no mesmo ano em Taubate aos 30-07-1683. Deixou filha única de seu casal:

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponinilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado Antonio Rodrigues

Inventariante- Izabel Cardosa

30-07-1683 na Vila de S Francisco das Chagas de Taubate - em pousadas de Izabel Cardosa viuva que ficou de Antonio Roiz - disse que seu marido começou o testamento mas não acabou e que ficou uma filha. Assinou pela viúva Domingos Roiz Pais

Titulo dos filhos

Maria de idade de oito meses pouco mais ou menos.

 

Digo eu Domingos Rodrigues Pais que sou paguo e sastifeito do sr. Manoel Cardoso da Costa do que devia ao defunto Antonio Roiz e. como procurador que sou de minha [--------].

Im 06- Recebi de minha filha Izabel Cardoso 6$000 que tantos me deixou o defunto seu marido Antonio Roiz e por verdade roguei a meu filho Manoel Cardoso este fizesse  por mim oje 31 de ioio (sic) de 683 annos Mel Cardoso.

 

TESTAMENTO -Em nome da Santissima Trindade... 23(sic)-iulho-1683. Primeiramente encomendou a alma. Testamenteiros: Dos Roiz Pais e a Sebastião de Siqueira

Declarou ser filho de Antonio Rodrigues e Catarina da Cunha, já defuntos, cc Izabel Cardosa "e dela tenho uma filha por nome Maria"...

Declaro que devo ao Cap. Antonio Bicudo 4.000 reis e a minha sogra 6.000 reis. (...) meu cunhado Mateus Vaz Cardoso. Devo a defunta Izabel da Cunha cinco patacas

Cumpra-se 22(sic)-07-1683 (sic)

 

Estou pago do meu acompanhamento e da cruz (...) 21-outubro-1683 Pe. Diogo Luiz Pr.ª

 

Digo eu Antonio Bicudo Leme que Miguel Delgado pagou a viuva Izabel Cardosa sete patacas que era a dever e como procurador da viuva lhe passei este hoje 8-junho-1681(sic) Antonio Bicudo Lemme.

 

Quinhão da viuva Izabel Cardosa. Assinou por ela seu procurador Domingos Roiz Pais.

Quinhão da órfã Maria, em mão de seu tio João Bauptista.

 

Tutora e curadora da órfã Maria, sua mãe Izabel Cardosa, e deu por fiador a seu irmão Francisco Cardoso. Assinou a eu rogo Domingos Roiz Pais.

Seguem as avaliações, partilhas e termos de dinheiro a ganhos.

7-2-1-1 Maria nascida em 1682.

7-2-2 Manoel Cardoso 16 anos em 1682.

7-2-3 Mateus Vaz Cardoso 14 anos.

         Comparar com o casado com Catarina da Costa e pais de:

7-2-3-1 Francisco Rodrigues Montemor, natural de Pindamonhangaba. Em Guaratingueta aos 15-05-1766 casou com Mariana Ramalha Edra, dai natural, filha de João Barreto de Menezes e Bernarda Ramalha Edra.

Guaratinguetá-SP Igreja Sto Antonio em 15-05-1766 Francisco Rodrigues Montemor, f.l. Mateus Vaz Cardoso e Catarina da Costa, n.b. freg. Pindamonhangaba = cc Mariana Ramalha Edra, f.l. João Barreto de Menezes e Bernarda Ramalha Edra, n.b e moradora nesta freguesia. Testemunhas: João da Silva Cavaco e Domingos Vaz moradores desta freguesia.

7-2-4 Domingos Luiz de 13 anos

7-2-5 Antonio Lourenço de 11 anos em 1682.

7-2-6 Francisco de Camargo de 9 anos. Francisco Cardoso, citado no inventário do cunhado Antonio Rodrigues.

7-2-7 Maria Cardosa de 7 anos em 1682. Maria da Luz casou com Antonio da Costa Gil, filho de João Batista Gil. Antonio faleceu com testamento que recebeu o cumpra-se em 25-10-1691 e foi inventariado em 29-01-1692:

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponinilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado Antonio da Costa Gil

Inventariante Maria da Luz

Auto de Inventario que mandou fazer o Juiz ordinário e dos órfãos Serafino Correa dos bens e fazenda que ficou por morte e falecimento de Antonio da Costa Gil que Deos tem.

 

29-01-1692 nesta vila de São Fran.co das Chagas de Taubathe em casa de morada de Paulo Vieira de Maya ...... e sendo ahi o juiz encontrou a Donna viúva Maria da Luz mulher que ficou do dito defunto Antonio da Costa Gil a quem o juiz deu juramento..... disse que seu marido fizera apontamento... assinou por ela seu procurador Domingos Vieira Cardozo

 

Recibo - Digo eu Izabel Cardosa que he verdade recebi de minha irmam M.ª da -uz (também como curadora da filha órfã Mª, umas patacas que devia o cunhado Antonio da Costa Gil de legitima (que coube por falecimento do marido Anto Roiz) e roguei a meu irmão Manoel Cardozo que este por mim fizesse .... nov 1691

 

Testamento - Em nome de Deos amem - Faço este meu testamento com muita brevidade por estar já no articulo de morte - Declaro eu sou casado... com Maria da Luz da qual tenho hu filho chamado João que he meu legitimo erdeiro. Testamenteiros: meu pai João Bautista Gil e João Vaz Cardoso... Devo a a minha cunhada Izabel Cardoza ... Assino a rogo do testador Salvador Frz Lobo

Cumpra-se: 25-10-1691

 

Titulo dos filhos

João 2 anos pouco mais ou menos

Antonio hum mês pouco mais ou menos

 

Partilhas: quinhão da viúva, quinhão do órfão João, quinhão do órfão Antonio

7-2-7-1 João, com dois anos.

7-2-7-2 Antonio com um mês, póstumo.

 

7-2-8 Francisca de 5 anos.

 

7-3 Manoel Cardoso foi casado com Catarina Rodrigues, filha de Francisco Rodrigues e Antonia Furtado. Catarina faleceu com testamento de 01-08-1674 e ambos foram inventariados em 1675. Geração na família “Furtado, os irmãos Luiz e Leonel”.

7-4 Mecia Cardosa em 1659 estava casada com Francisco da Fonseca Aranha, citado em alguns termos como José da Fonseca Aranha. Mecia foi casada primeira vez com Gabriel Antunes inventariado em 05-05-1649. Seus quatro filhos foram tutelados pelo avô materno (inventário SAESP vol. 39º, neste site).

7-4-1 João Antunes, de 7 anos em 1649.

7-4-2 Gabriel Antunes batizado na Sé de S. Paulo aos 27-03-1643. De 6 anos.

RMJ-Gabriel, batizado na mesma Matriz (Sé)  aos 27-3-1643, tendo por padrinhos Miguel Luiz e Izabel Cardoso, pelo padre Salvador Lima do Canto.

7-4-3 Maria Antunes da Luz, de 4 anos em 1649. Maria da Luz Cardoso casou com João de Moura Gavião, natural da freguesia de S. Julião da cidade de Lisboa.

         Tiveram outros filhos, alem dos quatro citados em SL. 1º, 143, 2-3:

7-4-3-1 Catarina Correa Perestrelo casou com Leonardo Rodrigues Setubal, natural do Porto, filho de Manoel Rodrigues Setubal e de Maria de Almeida. Geração de nove filhos em SL. 1º, 143, 3-1. Entre eles:

7-4-3-1-5 Bernardo Antunes de Moura, em Sorocaba aos 25-02-1716, casou com Gertrudes Paes Domingues, aí batizada em 30-03-1698, filha póstuma de Paulo de Saavedra Moreira, batizado em 12-02-1668, e de Maria Paes Domingues batizada em 16-07-1668 e casados em 31-01-1695, neta paterna de Paulo de Saavedra e de Ines Pedrosa Moreira [Aportes: Paulo de Saavedra - SL. VIII, 383, 1-2] neta materna de Pedro Domingues de Lima e de Izabel Soares Figueiro.

Sorocaba, SP, Igreja N Sra da Ponte aos 25-fevereiro-1716 se receberam Bernardo Antunes de Moura, f.l. de Leonardo Roiz, ja defunto e de s/m Catarina Correa Perestrela, moradores da cidade de S. Paulo = com Gertrudes Paes, f. de Paulo Moreira(sic), ja defunto e de s/m Maria Paes, moradores nesta vila. Testemunhas Fernão Dias Falcão, Jose Fran.co, Maria D.es das Candeias, e Gertrudes de Moura.

 

Sorocaba, SP aos 30-março-1698 bat a Gertrudes, f. de Paulo Saavedra, ja defunto e de s/mulher Maria Paes. Padrinhos Estevão Sanches e Ignez Sanches.

          Depois de casados, e já com filhos, precisaram ser dispensados de impedimento de afinidade ilícita:

ACMSP Dispensas Matrimoniais

Bernardo Antunes de Moura e Gertrudes Paes 01-abril-1719 foram inqueridas testemunhas por parte dos oradores 01-abril-1719

(...) Bernardo Antunes de Moura, n. da cidade de S. Paulo e Gertrudes Paes n. da vila de Sorocaba, depois de casados e terem filhos, se publicou que o dito Bernardo Antunes de Moura, antes de casar com a dita Gertrudes tivera copula com Angela Cardosa, filha de um filho bastardo de Pedro Domingues Paes avo da dita Gertrudes Paes mulher do suplicante Bernardo, e por isso impedidos no segundo grau de primos; e tal impedimento ignoravam naquele tempo.

- Cap. Manoel Ribeiro Lima, morador e natural desta cidade, casado, dos nobres da cidade ser de 60 anos, aos costumes no 3º grau de afinidade.

- Cap. [danificado] da Cunha, n. desta cidade, casado, parente do orador por consanguinidade.

- Antonio Roiz de Moura, n. desta cidade, casado, de 25 anos, parente do orador no primeiro grau.

- Padre João de Moura Gavião, morador e natural desta cidade, clerigo presbitero, parente

Geração de seis filhos em SL. 1º, 144, 4-5. Entre eles:

7-4-3-1-5-1 Maria Paes de Moura, batizada em Sorocaba em dezembro de 1717. Aos 21-01-1738 casou com Paschoal Moreira Cabral, filho dos falecidos Guarda Mor Pascoal Moreira Cabral e Izabel de Godoy.

Sorocaba, SP - Igreja N. Sra da Ponte aos [--] de Dezembro de 1717 bat a Maria, f. de Bernardo Antunes de Moura e Gertrudes Paes, foram padrinhos o Cap. Miguel Antunes Maciel e Gertrudes de Moura.

 

Sorocaba, SP, Igreja N Sra da Ponte aos 21-janeiro-1738 se receberam Paschoal Moreira Cabral, f. do Guarda Mor Pascoal Moreira Cabral e de s/m Izabel de Godoy, ja defuntos, naturais e moradores desta vila = com Maria Paes de Moura, f. o Tenente Coronel Bernardo Antunes de Moura e de s/m Gertrudes Paes Domingues, naturais e moradores nesta mesma vila. Test.: Jose de Barros Lima, o Tenente Antonio Lourenço, Maria de Almeida Leite, e Gertrudes de Moura.

7-4-3-1-5-2 Catarina Correa Perestrela, batizada em 01-11-1718. Aos 28-09-1755 casou com Antonio Alvares Furtado, natural de Santo Amaro, filho de Julio Alvares Furtado e de s/m Maria Pedrosa naturais de Santo Amaro, neto paterno de João Furtado e Maria Alves Tenoria, neto materno de Manoel Pereira das Neves e Joana Pedrosa Borba, todos naturais de Santo Amaro (SL. 8º, 446, 3-1).

Sorocaba, SP - Igreja N. Sra da Ponte em o primeiro-novembro-1718 bat a Catarina, f. de Bernardo Antunes de Moura e Gertrudes Paes, foram padrinhos Jose Machado de [-----]nho e Hieronima de Almeida.

 

Sorocaba, SP - Igreja N. Sra da Ponte aos 28-setembro-1755 nesta matriz de N. Sra da Ponte e testemunhas Paschoal Moreira Cabral, casado e Leonardo Rodrigues de Camargo, solteiro se receberam Antonio Alvares Furtado, natural de Santo Amaro, f. de Julio Alves Furtado e de s/m Maria Pedrosa naturais de Santo Amaro, npaterno de João Furtado e de s/m Maria Alves Tenoria, nts de Santo Amaro, neto materno de Manoel Pereira das Neves e de s/m Joana Pedrosa, ambos da freguesia de Santo Amaro = com Catarina Correa Perestrela, f. de Bernardo Antonio de Moura, n. de S. Paulo e de s/m Gertrudes Paes Domingues, n. desta vila, neta paterna de Leonardo Rodrigues Setubal e de s/m Catarina Correa Perestrella, n. de S. Paulo, neta materna de Paulo de Saavedra n. de Santo Amaro e de s/m Maria Paes Domingues n. de S. Paulo.

 

7-4-3-1-5-3 João Rolim de Moura, batizado em Sorocaba em 21q-11-1734. Em Santo Amaro aos 26-11-1758, com provisão, casou com Maria Furtado das Neves, aí batizada em 11-06-1739, filha de Julio Alvares Furtado e de Maria Pedrosa das Neves, neta paterna de João Furtado Tenorio e de Maria Alz, naturais desta freguesia, neta materna de Manoel Pereira das Neves e de Joana Pedrosa Borba, naturais de Santo Amaro.

ACMSP Dispensas Matrimoniais

João Rolim de Moura e Maria Furtada das Neves

Autos de casamento aos 22-novembro-1758. Ele f.l. do Tenente Coronel Bernqardo An.to de Moura e de s/m Gertrues Paes Domingues, naturais e moradores da vila de Sorocaba = Maria Furtada das Neves, f.l. de Julio Alz Furtado e de s/m Maria Pedrosa das Neves, todos naturais e moradores desta freguesia de Santo amaro.

 

Freguesia de Santo Amaro: - aos 11-junho-1739 bat a Maria, f.l. de Julio Alz Furtado e de s/m Maria Pedrosa, foram padrinhos Ignacio Gomes, filho solteiro do defunto Francisco Gomes morador na vila de N. Sra da Conceição de Itanhaem, e Ana de Borba mulher de Francisco Mis do Prado moradora nesta freguesia. Santo Amaro 18-novembro-1758

 

Matriz de N. Sra da Ponte de Sorocaba:- aos 21-novembro-1734 bat a Joam, f.l. do Ten. Coronel Bernardo Antunes e Moura e de s/m Gertrudes Psaes. Foram padrinhos o Cap. Thome de Lara e Abreu e Maria de Arruda mulher de Fernando de M[danificado], todos desta freguesia. Sorocaba 28-outubro-1758.

 

SP, SP, Santo Amaro = João Rolim de Moura e Maria Furtado das Neves = aos 26-novembro-1758 nesta freguesia de Santo Amaro e testemunhas o Tenente Cipriano Cardoso e Antonio Rodrigues da Silva, se receberam João Rolim de Moura, f.l. de Bernardo Antunes de Moura e de s/m Gertrudes Paes Domingues, naturais e moradores da vila de Sorocaba, neto paterno de Leonardo Rodrigues Setubal e de Catarina Correa Perestrela, naturais da cidade de S. Paulo, neto materno de Paulo Saavedra Moreira e de Maria Paes Domingues, naturais de S. Paulo = com Maria Furtado das Neves, f.l. de Julio Alz Furtado e de Maria Pedrosa das Neves, neta paterna de João Furtado Tenorio e de Maria Alz, naturais desta freguesia, neta materna de Manoel Pereira das Neves e de Joana Pedrosa Borba, naturais desta freguesia,

          Segunda vez aos 15-08-1805, João casou com Maria de Freitas, viúva de João Bicudo de Anhaia.

Sorocaba, SP - Igreja N. Sra da Ponte matr 1800-1813 im 77 = João Rolim de Moura com Maria de Freitas = aos 15-agosto-1805 nesta matriz e testemunhas Salvador Antunes e Domingos Padilha, casados, se receberam João Rolim de Moura e Maria de Freitas; ele viuvo de Maria das Neves, ela viuva de João Bicudo de Anhaia; todos desta freguesia.

7-4-3-1-5-4 Josefa Paes de Moura, em Sorocaba aos 18-02-1738, casou com Francisco Paes de Almeida, filho do falecido Francisco Paes de Almeida e de Maria de Almeida, naturais de Sorocaba. Geração em SL. 2º, 340, 5-2.

Sorocaba, SP, Igreja N Sra da Ponte aos 18-fevereiro-1738 se receberam Francisco Paes de Almeida, f. de Francisco Paes de Almeida, ja defunto e de s/m Maria de Almeida, naturais e moradores desta vila de Sorocaba = com Josefa Paes de Moura, f. o Tenente Coronel Bernardo Antunes de Moura e de s/m Gertrudes Paes, naturais e moradores nesta mesma vila. Test.: Sarg. Mor João Jose Rodrigues, [-----] Barros Lima, Izabel Maria, e Serafina Leite.

7-4-3-1-5-5 Francisco de Moura, natural de Sorocaba. Habilitou-se as ordens sacras em 1760.

ACMSP - Aplicação Sacerdotal (Genere et Moribus) ano 1760

Habilitando Francisco de Moura, n. da vila de Sorocaba, f.l. de Bernardo Antunes de Moura, n. desta cidade e de s/m Gertrudes Paes Domingues, natural de Sorocaba, neto paterno de Leonardo Rodrigues, n. da cidade do Porto e de s/m Catarina Correa Perestrela n. desta cidade, neto materno de Paulo de Saavedra, n. da freguesia de S. Amaro e de s/m Maria Paes Domingues n. desta cidade.

 

Diz Francisco de Moura, clerigo in minoribus, (...) precisa a certidão de assento do batismo de seus avós Paulo Saavedra Moreira, f. de Paulo de Saavedra e de Ines Pedrosa Moreira, e de sua avó Maria Paes, filha de Pedro Domingues de Lima e de Izabel Soares Figu[danificado] como tambem o casamento do dito seu avo Paulo Saavedra Moreira com Maria Paes.

Certidões Sé:

- aos 12-fevereiro-1668 bat a Paulo, f. de Paulo de Saavedra e de sua mulher Ignez Pedrosa, foram padrinhos Pedro Simões da Costa e Ignez Pedrosa. D.os da Cunha

- aos 16-julho-1668 bat a Maria, f. de Pedro de Lima e Izabel de Figueyro, foram padrinhos Martim Carrasco e Ana João = Albernaz =

Casamentos: aos 31-janeiro-1695 na igreja de Nossa Sra do Pinheiro se receberam Paulo de Saavedra e Maria Paes, cujos paes não achei na provisão de banhos corrida. S. Paulo 06-maio-1761

 

(...) não se achou o assento de batismo de Bernardo Antunes de Moura, pai do suplicante (...) aceitando para isso a certidão de casamernto inclusa.

 

(...) o teor do assento do assento do batismo do suplicante, filho leg. do Tenente Coronel Berbardo Antunes de Moura e de s/m Gertrudes Paes D.es, do batismo de sua mãe Gertrudes Paes que é filha de Paulo Saavedra e Maria Paes D.es, e tambem do casamento dos ditos seus pais.

Matriz de Nossa Senhora da Ponte de Sorocaba:

- aos dezenove dias do mes de fevereiro de mil setecentos e [apagado]e nove nasceu Francisco, f. de Bernardo Antunes de Moura e de s/m Gertrudes Paes; batizado aos 27 do dito mes, foram padrinhos Lourenso Casado e Izabel Soares, casada, todos moradores desta vila.;

 

Batismo da mãe do habilitando: aos 30-março-1698 bat a Gertrudes, f. de Paulo Saavedra, ja defunto e de s/mulher Maria Paes. Padrinhos Estevão Sanches e Ignez Sanches.

- aos 25-fevereiro-1716 se receberam Bernardo Antunes de Moura, f.l. de Leonardo Roiz, ja defunto e de s/m Catarina Correa Perestrela, moradores da cidade de S. Paulo = com Gertrudes Paes, f. de Paulo Moreira, ja defunto e de s/m Maria Paes, moradores nesta vila. Testemunhas Fernão Dias Falcão, Jose Fran.co, Maria D.es das Candeias, e Gertrudes de Moura. Sorocaba 4-agosto-1760

 

Autos de Justificação de fraternidade de Bernardo Antunes de Moura com o Rdo. P.e João de Moura a favor do habilitando Francisco de Moura.

Diz Francisco de Moura, clerigo in minoribus, natural da vila de Sorocaba (...) em como Bernardo Antunes de Moura, pai dele suplicante, é irmão legitimo do P.e João de Moura, ja defunto, habilitado neste Juizo (...) justificar a fraternidade.

Testemunhas.

 

Auto de Patrimonio

 

7-4-3-1-8 Gertrudes de Moura, batizada em 03-08-1698 na Sé de S. Paulo, póstuma. Casou com José Francisco de Aguiar, filho de Antonio Francisco de Aguiar, natural da freguesia da vila Real de Santiago do Soutello e Maria Pires da Assunção, natural da freguesia de Santo Antonio de Paredes do Rio ambas Arc. Braga e casados na freguesia de S. Paulo da cidade de Lisboa. Pais de, pelo menos:

7-4-3-1-8-1 Leonarda Maria de Meneses (ou de Moura), natural de Itu. Em Sorocaba aos 09-02-1747 casou com Jeronimo de Almeida Abreu, filho do Cap. Antonio de Proença e Abreu e de s/m a falecida Francisca de Almeida Lara. Geração em SL. 6º, 148, 6-3.

Sorocaba, SP - Igreja N. Sra da Ponte aos 09-fevereiro-1747 se receberam Jeronimo de Almeida Abreu, natural e morador desta vila, f. do Cap. Antonio de Proença e Abreu e de s/m Francisca de Almeida Lara, ja defunta = com Leonarda Maria de Meneses, n. da vila de Itu e moradora desta vila de Sorocaba, f. de Jose Francisco de Aguiar e de s/m Gertrudes de Moura, moradores desta vila. Testemunhas o Capitão Maior Jose de Matrros Lima e o Cap. Francisco Xavier Rodrigues, Lucrecia de Almeida e Izabel de Proença.

7-4-3-1-8-2 Rafael Tobias de Aguiar, batizado em Itu aos 06-02-1719. Habilitou-se as ordens sacras em 1747.

ACMSP - Aplicação Sacerdotal (Genere et Moribus) ano 1747

Habilitando Rafael Tobias de Aguiar, natural da vila de Itu e morador na de Sorocaba, f.l. de Jose Francisco de Aguiar, n. de Lisboa freguesia de S. Paulo, e de Gertrrudes de Moura, n. da cidade de S. Paulo, neto paterno de Antonio Francisco de Aguiar n. do lugar de Soutelo termo de Vila Pouca de Aguiar e batizado na freguesia do dito lugar e de Maria Pires da Assunção, n. de Paredes do Rio Arc. Braga batizada na freguesia de Santo Antonio, neto materno de Leonardo Roiz Setubal, n. da cidade do Porto e de s/m Catarina Correa Perestrella natural desta cidade de S. Paulo.

 

(...) a seu favor as certidões de batismos e casamento dos avos paternos Antonio Francisco de Aguiar natural da freguesia da vila Real de Santiago do Soutello Arc. de Braga e de s/m Maria Pires da Assunção n. da freguesia de Santo Antonio de Paredes do Rio do mesmo arcebispado, moradores que foram na cidade de Lisboa e casados na freguesia de S. Paulo da dita cidade. Certidões dos batismos dos avos maternos Leonardo Rodrigues Setubal, n. da cidade do Porto e de s/m Catarina Correa Perestrella n. desta cidade, todos ja defuntos.

 

Sé de S. Paulo: não se encontrou o batismo de Catarina Correa (...). S. Paulo 4-9bro-1751

 

Vila Nossa Sra da Candelaria de Itu = batismo do habilitando: RAPHAEL = filho de Joseph Francisco e de s/m Gertrudes de Moura foi batizado por mim Felis Nabor, vigario confirmado desta igreja; foram padrinhos João Paess Rodrigues com Lucrecia Pedrosa aos seis de fevereiro de 1719 anos. 16-setembro-1742

Catedral de S. Paulo: aos 03-agosto-1698 bat a Gertrudes, f. de Leonardo Roiz e de s/m Catarina Correa Perestrella, foram padrinhos o Cap. Isidro Tinoco de Sá e Maria da Luz mulher de João de Moura Gavião. S. Paulo 22-7bro-1751.

 

Autos de Patrimonio

 

Autos de justificação de casamentos dos pais e avós maternos de Rafael Tobias de Aguiar.

 

7-4-3-2 Maria Antunes de Moura casou com João Paes de Almeida, filho de Francisco Paes Correa e Isabel de Proença de Almeida.

SL. 4, 425, 4-4 João Paes de Almeida casou 1.º em 1692 em Itu com Francisca de Barros, f.ª do capitão Manoel Homem Albernaz e de Izabel de Barros Freire, 2.ª vez em 1694 na mesma vila com Maria Antunes de Moura, f.ª de João de Moura Gavião e de Maria da Luz. Teve q. d. da 2.ª mulher: 5-1

 

Pais de, q.d.:

7-4-3-2-1 Francisco Xavier de Almeida, primeira vez aos 28-04-1738 na Cotia com provisão, casou com Escolastica de Moraes Pires, aí batizada em 18-06-1720, filha do falecido José de Moraes e Izabel Gonçalves - família Bento de Oliveira Pires.

ACMSP - Dispensas Matrimoniaias ano 1737

Francisco Xavier de Almeida e Escolastica de Moraes Pires 15-04-1738

Ele f.l. de Luiz Paes de Almeida e Maria Antunes de Moura, moradores que foram da vila de Itu e por ora são moradores e assistentes nas minas gerais = com Escolastica de Moraes Pires, f.l. de Jose de Moraes Pires, ja defunto e de s/m Izabel Gonçalves Paes, moradores e fregueses da freguesia da Cotia.

Freguesia da Cotia - Batismo: aos 18-06-1720 bat Escolastica, f.l. de Jose de Moraes e Izabel Gonçalves; foram padrinhos o Alf. Manoel Pacheco e Ana de Barros.

 

Cotia Matrimonios - Aos 28-04-1738 se receberam Escolastica Pires filha legitima de Joseph de Moraes já defunto e Izabel Gonçalves fregueses desta freguesia  com Francisco Xavier de Almeida filho de João Paes de Almeida e  Maria Antunes de Moura moradores que foram de Utu e agora das minas gerais Foram testemunhas Francisco Xavier Paes e Manoel Pedroso, Vitoria de Camargo Paes e Anna da Veiga todos casados e fregueses desta freguesia

 

          Segunda vez em Sorocaba aos 07-09-1756, Francisco casou com Maria Perpetua da Luz, natural de Santo Amaro, filha de João da Silva Ribeiro, n. de S. Paulo e Mariana Domingues, de Santo Amaro, np de Miguel Ribeiro da Silva n. de S. Paulo e s/m Domingas Moreira n. de Santo Amaro, neta materna de Jeronimo Pereira Sardinha, de Santo Amaro e s/m Clara Domingues tambem de Santo Amaro

Sorocaba-SP Igreja N. Sra da Ponte aos 07-09-1756 nesta matriz onde ambos os contraentes são fregueses e testemunhas o Cap. Joseph de Almeida Leme, casado e o Revdo Padre Raphael Tobias. Francisco Xavier de Almeida, natural da vila de Itu, f.l. de Joam Paes de Almeida e Maria Antunes de Moura e viuvo de Escolastica de Moraes, moradora que foi da freguesia de Cotia, neto paterno não souberam dizer, neto materno de João de Moura Gaviam natural de Lisboa e s/m Maria da Luz natural de S. Paulo = cc Maria Perpetua da Luz, n. da freguesia de Santo Amaro, f.l. Joam da Silva Ribeiro n. de S. Paulo e Mariana Domingues n. de Santo Amaro, neta paterna de Miguel Ribeiro da Silva n. de S. Paulo e s/m Domingas Moreira n. de Santo Amaro, neta materna de Jeronimo Pereira Sardinha, de Santo Amaro e s/m Clara Domingues tambem de Santo Amaro.

7-4-3-4 João Antunes de Moura (depois João de Moura Gavião) em Sorocaba aos 26-06-1689 casou com Mecia Soares, filha do do Cap. Pedro Domingues Paes e de s/m Izabel Soares. Geração na família “João Soares”.

7-4-3-5 Josefa em 18-02-1666.

SP, SP aos 18-fevereiro-1666 bat a Josefa, f. João de Moura e s/m Maria da Luz, foram padrinhos Jose [----] e João [-] da Silva.

7-4-3-6 Salvador em 25-12-1666.

SP, SP aos 25-dezembro-1666 bat a Salvador, f. de João de Moura Gavião e s/m Maria da Luz, foram padrinhos [----] Rodovalho] e Izabel Cubas.

7-4-3-7 José batizado em 24-02-1687 na Sé de São Paulo.

SP, SP aos 24-fevereiro-1687 bat a Joseph, f. de João de Moura Gavião e Maria da Lux, foram padrinhos Lourenço [--] e Catarina Correa.

7-4-3-8 Francisco em 23-10-1689, em Sorocaba.

Sorocaba, SP, Igreja N Sra da Ponte aos 23-outubro-1689 bat a Francisco, filho de João de Moura Gavião e de s/m Maria da Lux. Foi padrinhos o Cap. P.º Domingues Paes e madrinha Josefa de Moura.

7-4-3-9 João Batista em 08-02-1691 na Sé de S. Paulo.

SP, SP aos 08-fevereiro-1691 bat a João Batista, f. de João de Moura e de s/m Maria da Luz, foram padrinhos o Cap. [danificado]

7-4-3-10 Maria em 01-10-1693.

SP, SP ao primeiro-outubro- 1693 bat a Maria, f. João de Moura e Maria da Luz, foram pdrinhos Diogo Ferreira a Ana Garcia.

 

7-4-4 Antonio Antunes Maciel, batizado na Sé de S. Paulo em 02-02-1648. Antonio testou em 21 março 1717 e foi inventariado em 15 outubro 1725 em Itu-SP (SAESP vol. 26º neste site). Foi casado primeira vez com Ana de Campos e segunda vez com filha de Antonio de Siqueira e Catarina de Oliveira.

(pesq. Regina Moraes Junqueira) Antonio Antunes Maciel, batizado na Sé de SP aos 2-2-1648, filho de Gabriel Antunes e Mesia Cardoso, tendo por padrinhos Dom Francisco Rendon de Quevedo e Francisca Cardosa.

 

Entre os filhos de Mécia e Francisco:

7-4-5 Isabel Cardoso na Parnaiba em 1686 casou com Francisco da Silva, filho de Jeronimo da Silva e Jeronima Paes.

ASBRAP 2- Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. Francisco da Silva (de S. Paulo), f. de Jeronimo da Silva e Jeronima Paes, com Isabel Cardoso, f. de Francisco da Fonseca e de Mecia Cardoso (ano de 1686)

7-4-6 Margarida Cardosa da Fonseca foi casada com Alvaro Barreto de Siqueira e foram moradores em Nazaré onde batizaram vários filhos (SL. 8, 233, 3-3). Em 1721 Margarida casou com Manoel de Moraes da Silva. Em 10-01-1722 requereram dispensa do impedimento de afinidade em 3º grau, por ter sido o orador casado com parente da oradora (3-1-9 supra).

ACMSP Dispensas matrimoniais - 1720-1723

Autuamento de uma petição apresentada por parte dos oradores Manoel de Moraes da Silva e Margarida Cardosa, moradores na freguesia da Conceição distrito desta cidade de S. Paulo.

Manoel de Moraes da Silva e Margarida Cardoza

10-01-1722 nesta cidade de S. Paulo

Afinidade em grau 3º por elle orador ter sido cc Anna Cardoza, parente da oradora

Os oradores casaram sem saber do impedimento e depois de 3 meses souberam do parentesco por afinidade em 3º grau pela 1ª mulher do orador, Desde então vivem apartados

Braz Cardozo e Izabel Cardoza foram irmãos legitimos.

De Braz Cardozo procedeo Antonio Cardozo e deste Anna Cardoza mulher que foi do orador.

De Izabel Cardoza nasceo Messia Cardoza e desta a oradora.

O orador é filho de Domingos Leme da Silva e sua mer Ignes de Moraes, já defuntos.

A oradora é filha de Joseph de Affonseca Ara--- e Mecia Cardoza.

Testemunhas:

- Francisca Cardosa, moradora e natural desta cidade, casada com Manoel Alves Roiz, parente com a oradora no primeiro grau por ser irmã, e a primeira mulher defunta do orador em 3º grau por consanguinidade.

- R.do Padre Frei Joachim de Jesus Maria, religioso de S. Bento, sacerdote, de idade de 28 anos, parente do orador no 3º grau por afinidade e com a oradora em 2º grau por consanguinidade.

- Getrudes(?) Cardosa, moradora e natural desta cidade, casada com Caetano Soares, de idade de 24 anos, parente da oradora em 2º grau por consanguinidade e com o orador por afinidade em 3º grau.

Depoimento dos oradores

O Padre Joseph de Frias e Vas.los capelão curado de N. Sra. da Conceição do distrito da cidade de S. Paulo certifico (...) os contraentes Manoel de Moraes da Silva, f. de Domingos Leme da Silva e de s/m Ignez de Moraes, já defuntos, e Margarida Cardosa, f. de Joseph(sic) de Affon.ca Aranha e de s/m Mecia Cardosa, moradores na sobredita freguesia e me não sahiram a impedimento algum incontinenti, mas depois de passados tres meses me sahiram e comoeram parentes por afinidade no 3º grau, e sabendo do impedimento os apartei e mandei que se recorresse (...) para poderem alcançar a graça da dispensa (...) Conceição 17 de janeiro de 1722

         Em Itu aos 18-12-1722 Manoel de Moraes da Silva casou com Felicia Ribeira, filha de Francisco Homem e de Maria Ribeira - Familia Domingos de Góes”.

Entre os filhos de Margarida e Álvaro:

7-4-6-1 Joana, batizada em 15-10-1686.

Nazaré Paulista, SP igreja N. Sra de Nazaré aos 15 de outubro de 1686 bat a Joana f.l. Alvaro Barreto e Margarida da Affonseca, padr.: João Amaro e Ana da Ribeira

7-4-6-2 Maria em 24-04-1688

Nazaré Paulista, SP igreja N. Sra de Nazaré aos 24-04-1688 bat. Maria, f.l. Alvaro Barreto e Margarida da Affonseca, padr.: João Barreto e Maria de Almeida.

7-4-6-3 Maria em 24-07-1692.

Nazaré Paulista, SP igreja N. Sra de Nazaré aos 24-07-1692 bat Maria, f.l. Alvaro Barreto e Margarida da Cunha, padr.: Francisco Correa de Oliveira e Messia Ribeira.

7-4-6-4 Margarida em 28-07-1694.

Nazaré Paulista, SP igreja N. Sra de Nazaré aos 28-07-1694 bat Margarida, f.l. Alvaro Barreto e Margarida da Affonseca, padr.: Domingos de Souza e Izabel Bicuda.

7-4-7 Francisca Cardosa casada com Manoel Alvares Rodrigues. Foi testemunha na dispensa matrimonial da irmã Margarida supra citada. Geração em SL. 1, 175, 2-7.

7-5 Gaspar Vaz Cardoso em 1652 estava casado com Izabel Rodrigues, filha de Antonia Furtado e Francisco Rodrigues, este inventariado em 03-08-1652 (SAESP vol. 42º, neste site), família “Furtado, os irmãos Luiz e Leonel”.

          Izabel Rodrigues testou em 28-11-1683 e foi inventariada em Atibaia-SP em 1685. Declarou dois filhos de seu casal:

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Izabel Rodrigues 1685

Autos em 1685 neste bairro de Atubaia, sitio e morada de ------

 

Titulo dos Filhos [borrado]

- a viuva de Antonio Vaz com dois filhos Gaspar e Maria e uma filha natural Mariana

- Francisco Rodrigues, de maior.

 

Testamento: aos 28-11-1683 eu Izabel Rodrigues (...) testamenteiros meu cunhado João Pinheiro e meu sobrinho Francisco Pinheiro.

Sou natural desta terra, filha de Francisco Rodrigues e Antonia Furtado. Casada com Gaspar Vaz Cardoso e de entre ambos tivemos dois filhos Antonio Vaz e Francisco Rodrigues.

 

Quinhões:

- do viuvo

- quinhão da viuva de Antonio Vaz e de seus filhos orfaos.

- quinhão de Mariana, natural filha de Antonio Vaz.,

- quinhão de Francisco Ribeiro.

          Gaspar testou na vila de Parnaiba em 11-08-1705. Declarou filiação, o matrimônio com Izabel Rodrigues com dois filhos, o segundo matrimônio com a falecida Izabel Ribeira, sem geração, e um filho natural. Seu testamento recebeu o cumpra-se em 14 do mesmo mês e ano:

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Juizo de Residuos - auto de contas de testamentos

1715 Gaspar Vaz Cardoso

Em correição da vila de Parnayba desta comarca.

Conta de testamento com que faleceu Gaspar Vaz Cardoso que toma de seu testamenteiro Pedro da Rocha do Canto morador nesta vila.

Ano de 1715 nesta vila de Pernayba aos 15 dias do mes de fevereiro do dito ano.

Testamento: aos 11-08-1705 nesta vila de Parnaiba Capitania de S. Vicente parte do Brasil. Eu Gaspar Vaz Cardoso (...) faço este meu testamento na forma seguinte: (...) sou natural da vila de S. Paulo, f.l. de Antonio Lourenço e Izabel Cardoza, ja defuntos. Fui casado com Izabel Ribeira, ja defunta, de que não tivemos filho nenhum.

Encomendações pias.

Testamenteiros Pedro da Rocha do Canto e João de Cubas.

Declaro que possuo umas moradas de casas nesta vila(...). Possuo alguma roupa branca de meu uso, e os meus vestidos o que tudo com as mais miudezas de casa dara a conta a seu tempo minha neta Izabel Rodrigues. Possuo um sitio no termo desta vila em a paragem chamada Itapesirica, com tres laços de casas cobertas de telhas com as terras q constarem nas escrituras que tenho. (...) tenho uma tenda que foi de orives com as ferramentas necessarias. Possuo toda a ferramenta de carpintaria necessárias.

Declaro que fui casado a primeira vez com Izabel Rodrigues, que por me não lembrar atras, o ponho aqui, da qual tivemos dois filhos: Antonio Vaz Cardoso e Francisco Rodrigues Cardoso, ja defuntos, os quais lhe ficaram filhos que são meus netos, meus herdeiros, os quais farão partilhas do que se achar.

Declara dividas.

Do remanescente da minha terça. depois de meus legados satisfeitos, se repartira irmanamemte com a menina engeitada q tenho em casa por nome Izabel a metade do remanescente da terça e a outra metade a minha neta de nome Izabel mulher de Gaspar de Pontes.

Declaro que tenho um filho natural por nome Manoel, o qual não é adulterino, o qual mando e ordeno que herde igualmente com os meus herdeiros, pelos bons serviços que dele tenho tido e por ser meu filho.

Gaspar Vaz Cardoso

Aprovação 09-08-1705 nesta vila de Santa Ana da Parnaiba Capitania de S. Vicente

Cumpra-se 14-08-1705

 

Recibos, entre eles:

fls. 16: Recebi 141$120 rs que Gaspar Vaz deixou a minha mulher Izabel Rodrigues, que foi a metade do remanescente da terça (...) 18-02-1715 Gaspar de Fontes.

 

fl.s 25 Consta caber na partilha da parte que toca a menina Izabel engeitada, por deixa do remanescente da terça do dito defunto outros 141$120 rs a qual ficou satisfeita da dita quantia.

 

7-5-1n Manoel, filho natural de Gaspar Vaz Cardoso reconhecido em testamento. Herdou com seus irmãos.

7-5-1 Antonio Vaz Cardoso, filho de Izabel Rodrigues. Faleceu no sertão em 1684 e foi inventariado em S. Paulo em 11-6-1685 (SAESP vol.22º). Deixou viúva Felipa Raposo (ou da Silveira), filha de Antonio Raposo da Silveira, falecido em 1663 (SAESP vol. 16º, neste site) e de Maria Raposo de Siqueira.

         Felipa faleceu em 1704 deixando viúvo Jerônimo da Veiga Bueno (SL. 3º, 6, 2-3 e 3º, 205, 3-3).

         Antonio Vaz deixou os filhos:

7-5-1-1n Mariana, filha natural com 10 anos em 1685, tutelada por Gaspar Vaz, em casa de quem estavam peças que herdou de sua avó.

         Antonio e Felipa tiveram dois filhos, tutelados pela avó materna Maria Raposo (de Siqueira):

7-5-1-1 Gaspar, com 9 anos em 1685.

7-5-1-2 Maria com 7 anos.

7-5-2 Francisco Rodrigues Cardoso estava com o irmão Antonio no sertão em 1684. Francisco aos 15-11-1687 casou com Maria de Pontes, filha de Salvador de Pontes e Izabel Sutil. Geração na família “Nunes de Pontes” Cap. 1ª § 3º 4.

Nazaré Paulista, SP igreja N. Sra de Nazaré (Francisco Rodrigues e Maria de Pontes). Aos 15-11-1687 Francisco Rodrigues, f.l. Gaspar Vaz Cardoso e Izabel Rodrigues = cc Maria de Pontes, f.l. Salvador de Pontes e Izabel Subtil(sic), todos nts de S. Paulo e moradores desta freguesia de Nazaré. Test.: Pedro de Souza e João Amaro.

7-6 Antonio Cardoso, foi o primeiro marido de Maria Rodrigues, filha de Sebastião Gil o moço, e Helena Rodrigues - família Sebastião Gil, neste site.

          Já falecido em 1670, Antonio foi representado no inventário materno por três filhos:

7-6-1 Izabel

7-6-2 Manoel

7-6-3 Maria

 

7-7 Feliciano Cardoso, com 20 anos em 1659. Casou com Maria Rodrigues Barbosa, filha do Capitão Domingos Barbosa Calheiros e Maria Maciel.

          Maria casou segunda vez com Manoel Alvares Couceiro com geração na família “Antonio Alvares Couceiro” § 2º.

          Feliciano testou em Lisboa-PT em 30-10-1673. Teve seu inventário aberto pela viúva em S. Paulo aos 12-05-1674 (inventário neste site, SAESP não publicados, colaboração de Fabricio Gerin). Compareceram três filhos:

7-7-1 Maria da Luz Maciel, com 7 anos em 1674. Foi a segunda mulher de Antonio Rodrigues Lopes, ambos falecidos e inventariados em Mogi das Cruzes-SP. Antonio era viúvo de Izabel de Góes inventariada em 1686 (inventários neste site, SAESP não publicados). Geração na família “Joana Simoa Rodrigues”.

7-7-2 Antonio, com 6 anos em 1674.

7-7-3 Teresa Cardoso, com 3 anos em 1674. Em Santo Amaro aos 09-08-1688 casou com Francisco Ribeiro, filho de Antonio Ribeiro e Ana Antunes.

RMJ: Casamentos de Sto Amaro-SP aos 09-08-1688; Francisco Ribeiro - Antonio Ribeiro e Anna Antunes; cc. Tereza Cardoso - Felliciano Cardoso, já falecido, e Maria Rodrigues Barbosa, naturais de SP.

7-8 Ana Maria da Luz (assim citada no inventário paterno, ou Maria da Luz em outros docs) em 1658 estava casada com Manoel de Góes. Ambos foram inventariados em Mogi das Cruzes, Manoel em 28-04-1693 e Maria em 03-04-1698 com testamento de 03-11-1697:

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Auto de Partilhas aos 20-03-1711

Manoel de Goes Cardoso e Maria da Luz em pousadas de Jose de Goes Cardoso.

 

Foi perguntado a Manoel Gomes Mataris, marido de Maria de Goes filha dos ditos defuntos, se queria herdar alguma coisa. Foto 13

 

Idem a João Leite da Silva, marido de Francisca Cardosa, se queria alguma coisa.

 

Titulo dos Herdeiros:

Manoel de Goes, cc 46 anos = Jose de Goes Cardoso, casado, 42 = Izabel Cardosa, viuva de Manoel Correa de Barcelos, 55 anos = Ana de Goes, viuva de Alberto de Mello Coutinho, 52 = Maria da Apresentação, ausente em Pernambuco, casada com João Gago da Cunha = Maria de Goes, mulher de Manoel Gomes, 48 = Francisca Cardosa, mulher de João Leite da Silva, 46 = Josefa Cardosa, mulher de Francisco de Aguiar de Siqueira, ausente em S. Vicente, 36 =

 

Procuradores:

De Izabel Cardosa - Cap. Miguel Fragozo de Mattos.

De Ana de Goes - Domingos de Candia de Macedo

De Josefa Cardosa - Jose Bassam

De Maria da Apresentação - Cap. Manoel do Prado de Siqueira

 

22-03-1711 - Requerimento dos herdeiros e seus procuradores:

Foi dito que Gabriel de Goes Cardoso q Deus tem, irmão dos dittos herdeiros deixara por sua morte uma filha natural por nome Teodosia, filha de uma escrava pertencente a esta fazenda. A qual dita mãe por nome Josefa ficara nas minas dos Cataguazes. Por desencargo de suas consciencias largariam todo e qualquer dominio que na dita Teodosia tinham e podiam ter, para que fosse livre e forra.

 

Autos do inventario de Maria da Luz 03-04-1698

Na paragem chamada Taquesecuba, no sitio e fazenda que ficou de Maria da Luz mulher de Manoel de Goes ja defuntos.

Declarante Manoel de Goes dos bens que ficaram de sua mãe Maria da Luz

Filhos: Gabriel de Goes = Manoel de Goes = Jose de Goes

Filhas: Izabel Cardosa, viuva = Ana de Goes, viuva = Maria de Goes cc Manoel Gomes = Maria da Apresentação cc João Gago = Francisca Cardosa, solteira = Josefa Cardosa, solteira, Catarina Cardosa, solteira.

 

Curadoria: João Lopes de Miranda

Testamento aos 03-11-1697

Eu, Maria da Luz (…)

Testamenteiros: meus filhos Manoel de Goes Cardoso e Jose de Goes Cardoso.

Sou natural da vila de S. Paulo, f. de Antonio Lourenco e Izabel Cardosa, ja defuntos. Fui cc. Manoel de Goes, ja defunto e tivemos 10 filhos, 3 machos e sete femeas.

Casei 4 filhas: Izabel Cardosa com Manoel Correa, ja defunto = Ana de Goes com Alberto de Mello, ja defunto = Maria de Goes com Manoel Gomes e estão todas inteiradas. Casei mais Maria da Apresentação com João Gago da Cunha não esta inteirada.

Terça: as minhas 3 filhas solteiras Francisa, Josefa e Catarina.

Cumpra-se 09-11-1697.

 

Autos do inventario de Manoel de Goes 28-04-1693

Declarante Jose de Goes, dos bens que ficaram de seu pai Manoel de Goes.

Filhos que ficaram

Gabriel de Goes = Manoel de Goes = Jose de Goes = Francisca Cardosa = Josefa Cardosa = Catarina Cardosa=

          Tiveram dez filhos, 3 machos e sete femeas.

7-8-1 Gabriel de Goes Cardoso, já falecido em 20-03-1711 (partilha materna) deixou a filha natural:

7-8-1-1n Teodosia, filha natural da escrava Josefa que ficara nas minas dos Cataguazes

7-8-2 Izabel Cardosa, viuva de Manoel Correa de Barcelos, inventariado em 19-05-1673.

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Manoel Correa Barcelos - 1673

Autos 19-05-1673 Declarante a viuva Izabel Cardosa

Manoel de Góes procurador do órfão seu neto.

Procurador da viúva Domingos Nunes Caldeira

Herdeiro: um menino chamado Francisco.

Curador do órfão: Manoel de Góes, avô do dito.

Pais de:

7-8-2-1 Francisco, tutelado pelo avô materno.

7-8-3 Ana de Goes, viuva de Alberto de Mello Coutinho inventariado em 26-09-1684.

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Alberto de Mello Coutinho - Autos 26-09-1684

Declarante a viuva Ana de Goes, assina por ela seu pai Manoel de Góes.

Titulo da órfã: Luiza, de 12 anos.

Pais da filha única:

7-8-3-1 Luiza, com 12 anos em 1684.

7-8-4 Maria de Goes casada com Manoel Gomes Mataris.

7-8-5 Manoel de Goes, inventariante materno. Segundo SL. 1, 177, 2-1 Capitão Manoel de Góes Cardoso casou com Izabel de Almeida, filha de João Pires Rodrigues e de Branca de Almeida. Sem geração

         Capitão Manoel teve, pelo menos, a filha natural (ou bastarda conforme autos de justificação de seu neto Vicente):

7-8-5-1n Ignez de Goes Cardoso, filha natural de Maria Fernandes (filha de carijó e branco, que também tinha parte de indio). Foi casada com José de Oliveira Neves, filho de Salvador de Oliveira e Mariana Correa, esta filha natural bastarda (filha de índia) de Lourenço Correa de Lemos.

          Ambos faleceram com testamento. Ignez em 24-12-1733 e foi inventariada em 21-01-1735. José em outubro de 1736 e foi inventariado em primeiro de dezembro do mesmo ano.

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Inventariada Ignez de Goes mulher de Jose de Oliveira Neves

Autos 21-01-1735

Testamento de Ignez Cardosa aos 22-12-1733 no sitio Piaçaba do distrito de N. Sra da Ajuda

Testamenteiros: meu marido Jose de Oliveira, meu pai o Cap. Manoel de Goes Cardoso.

Sou f. natural do Cap. Manoel de Goes Cardoso, casada com Jose de Oliveira Neves e temos cinco filhos: Jose = Francisco = Vicente = Ana Maria = Teresa

Assinou a rogo da testadora Manoel Rodrigues de Oliveira

 

Autos 21-01-1735

Declarante o viuvo

Faleceu com testamento em 24-12-1733

Titulo dos filhos: Jose de 15 = Ana de 13= Francisco de 10 = Vicente de 6 = e Teresa de 4.

Curador Manoel Rodrigues de Oliveira

 

Inventarios 2º Cartório de Mogi das Cruzes - SP

Inventariado: Jose de Oliveira Neves viuvo de Ignez de Goes

Sebastiana Fernandes, comadre

Autos 01-12-1736

Faleceu com testamento nos ultimos dias do mes de outubro de 1736. Fora casado somente com a defunta Ignez de Goes, cinco filhos

Titulo dos filhos:

Jose 16 = Ana 14 = Francisco  10 = Vicente 7 = Teresa 5.

 

Tutoria e curadoria Domingos Barbosa

 

Testamento aos 29-08-1735. Eu Jose de Oliveira Neves.

Testamenteiros: Cap. Manoel de Goes Cardoso, Salvador da Cunha Lobo.

Sou f. Salvador de Oliveira q Deus haja e Mariana Correa q Deus haja.

Fui cc Ignez de Goes Cardoso, falecida, filha do Cap. Manoel de Goes Cardoso. Tenho seis filhos: um natural por nome Apolinario de Oliveira, e os legitimos: Jose Correa = Francisco Xavier = Vicente Ferreira = Ana Maria de Jesus = Teresa de Jesus.

São citados no texto:

(...) meu irmão Sebastião Correa. Me deve meu sobrinho Cosme Ferreira. Minha irmã Ana das Neves. Defunto meu cunhado Manoel Gomes. Declaro --- minha sogra aguardar 12 oitavas de ouro. Meu irmão João de Oliveira Neves

(...) por nome Ursula, filha de m/comadre Sebastiana Fernandes.

1736

Justificação - 29-03-1737

Manoel Vaz Cardoso morador na cidade de S. Paulo, que falecendo da vida presente uma filha natural do suplicante por nome Ignez de Goes, instituiu ao suplicante por testamenteiro e bem assim a seu marido Jose de Oliveira pq este se achava ausente . Tomou o suplicante conhecimento do dito testamento dando cumprimento a todos os legados.

Testemunhas:

Vicente Pimenta de Abreu 40 anos

João Maciel, 49 anos, parente por consanguinidade do 3 para o 4 grau do justificante.(aa João Maciel Bassan)

João Lopes da Cunha 60 anos, parente por sanguinidade do 3 p/ 4 do justificante

Foram cinco os filhos do casal:

7-8-5-1n-1 José de 15 anos em 1735, que segue.

7-8-5-1n-2 Ana Maria de 13

7-8-5-1n-3 Francisco de 10

7-8-5-1n-4 Vicente Ferreira de 6 anos, que segue

7-8-5-1n-5 Teresa de 4 anos.

 

7-8-5-1n-1 José Correa de 15 anos em 1735 e 16 anos em 1736. José de Oliveira Neves, em Conceição dos Guarulhos em 03-12-1752, casou com Izabel da Silva, daí natural, filha natural de Sebastião da Costa Coutinho e Josefa da Silva.

Guarulhos, SP Igreja N. Sra da Conceição aos 03-12-1752 nesta igreja e por testemunhas Antonio Cabral Dornellas, casado e João Pinto Rodrigues, casado. Jose de Oliveira Neves natural da freg. da cidade, f.l. Jose de Oliveira Neves e Ignez de Goes Cardosa = cc Izabel da Silva natural desta freguesia f. natural de Sebastião da Costa Coutinho e Josefa da Silva, todos desta freguesia.

7-8-5-1n-4 Vicente Ferreira de 16 anos em 1735 e 7 anos em 1736. Vicente Ferreira das Neves em 1754 pediu dispensa e provisão para se casar com Quiteria de Godoy.Moreira, viúva de Pedro de Lima Pereira e filha de Francisco de Godoy Moreira e Adriana Barreto - família Bento Pires de Oliveira Cap. 8º.

          Em seu auto de neofitismo apurou-se em que grau Vicente descendia do gentio da terra, pelas linhas materna e paterna.

ACMSP – Dispensas Matrimoniais - ano 1754

Autos de Justificação de Neofitismo de Vicente Ferreira Neves - 11-novembro-1754

Testemunhas:

- Jose Rodrigues da Silva, solteiro, morador desta cidade, vive de sua agencia. Conhece o justificante Vicente Ferreira Neves e sabe por ser publico e notório que tem mais de seu quarto de neofito, por ser filho de uma bastarda (...).

- Antonio de Souza, casado, natural e morador do termo desta cidade. Disse que o conhece e que é seu cunhado. Sabe que é filho legitimo de Jose de Oliveira Neves e de Ignez de Goes a qual é filha natural de Manoel de Goes Cardoso e de Maria Fernandes, assistente hoje nas minas gerais.

- Manoel João de Oliveira, casado, natural desta cidade e morador da freguesia de N. Sra da ?Conceição dos Guarulhos, de 73 anos.

 

Diz Vicente Ferrª fº leg de Joze de Olivrª e de Ig( ) de Goiz que apregoando-se na forma costumada para se cazar com Quiteria de Godoi viúva de Pedro de Lima Prª e saindo-lhe com impedimento de 3º grau (alega que é de mais de 4º grau, vem de um bisavo materno cujo nome ignora e “ainda que incerto contudo com a incerteza não he com a bastardia..).

 

No despacho a esquerda: Declare os pais de Marianna Correa e os do Pay de Mª Frz

Pay de Ma---- Correya Lour.ço Correa de Lemos

May = Marianna Correa sua Avo bastarda, 2.p.tes

Filho= Jose de Oliveira Neves seu pai, quartura

Neto= Vicente Ferrª seu fº q he supp.te meyo quarto

 

Por p.te materna tem mais de meyo como mostra a conta seguinte:

May= Maria Fernandes sua avo materna tenha mais de duas partes porq era fª de carijó e branco com alguma cousa de bastardia q.to ao certo se não sabe

Fª= Maria Fernandes era avo materna do supp.te e dela e de Mel de Goez Cardozo homem branco nasceu Ignes de Goiz q era nestes mais de quarteiroa e assim tem por esta p.te o supp.te mais de meyo quarto e com o meio q da parte paterna tem mais de quarteirão o suplicante.

 

7-8-6 Maria da Apresentação casada João Gago da Cunha (ou da Cunha Gago) ausentes em Pernambuco em 1711.

7-8-7 Francisca Cardosa, solteira em 1698 coerdeira da terça materna. Casou com João Leite da Silva

7-8-8 José de Goes Cardoso. Em 1711 estava casado.

7-8-9 Josefa Cardosa, solteira em 1698 coerdeira da terça materna. Casou com Francisco de Aguiar de Siqueira e em 1711 estavam ausentes em S. Vicente

7-8-10 Catarina Cardosa, solteira em 1698 coerdeira da terça materna.

 

8- Domingas, filha de Gaspar Vaz Guedes e Francisca Cardoso.

 

9- Ana Vaz casou com Manoel da Cunha Gago. Ana foi inventariada em 1633. Sem geração, o viúvo e o sogro fizeram a partilha:

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

2º Cartório de Mogi das Cruzes-SP

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Ana Vaz - 1633

Autos 05-02-1633, inventariante Manoel da Cunha Gago.

Gaspar Vaz, o velho, seu sogro, que fizesse com ele partilhas.

10- Mecia Vaz Cardoso casou com Cristovão da Cunha de Unhatte. Cristovão testou em 24-06-1664 e foi inventariado em 12-06-1665 (SAESP vol. 16º, neste site). Mécia testou em 1667 e foi inventariada em 11-03-1668.

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Inventariada Mecia Vaz

Autos aos 11-03-1668 nesta vila de S. Paulo em casas de morada do Padre Antonio Rodrigues

Inventariada Mecia Vaz

Inventariante e Testamenteiro Cristovão da Cunha, filho da defunta

 

Titulo dos Filhos

Catarina de Unhate cc Antonio Lopes de Medeiros

Maria da Cunha cc Francisco Rodrigues do Prado

Maria Cardosa cc Francisco Pedroso

Maria Vaz da Cunha cc Jose Pedroso

Gaspar Vaz da Cunha, casado

João Vaz, casado

Francisco da Cunha, 26 anos

Cristovão da Cunha, 33

---- orfão que ficou da defunta ---------------.

Francisca Cardosa, 22

Ana da Cunha 18

Domingas da Cunha 19

 

Testamento - Ano de 1667 eu Mecia Vaz (...)

Testamenteiros meu genro Antonio Lopes de Medeiros e Cristovão da Cunha meu filho.

Fui cc Cristovão da Cunha de quem tive os filhos seguintes: Gaspar Vaz da Cunha = João Vaz = Francisco da Cunha = Cristovão da Cunha = e as filhas: ----------- de Unhate = Maria da Cunha = Maria ----------- = Maria -------------------- casadas; solteiras Francisca Cardosa = Ana da Cunha = Domingas da Cunha.

          Segundo os inventários, foram doze os filhos do casal

10-1 Catarina de Unhate foi primeiro casada com Pantaleão Fernandes de Faria (omitido na GP) e segunda vez com Antonio Lopes de Medeiros.

Pantaleão teve de Izabel, do gentio da Guiné, a filha natural Catarina.

Sesmarias 144) Pantaleão Fernandes e sua filha Catarina de Faria – 1639 – moradores de Mogi Miri, terras em Guarulhos, partindo com Henrique da Cunha e Antonio Vieira de Maia.

 

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Inventarios de Mogi das Cruzes-SP: 2º Cartório

Pesq.: Fabricio Gerin e Bartyra Sette

Pantaleão Fernandes - 1640

Pantaleão Fernandes de Faria, viúva Catarina de Unhatte.

Autos: 27-08-640

Cristovão da Cunha sogro do defunto.

Petição: Izabel, do gentio da Guiné, que ela tem uma filha de nome Catarina, filha natural do defunto Pantaleão Frz.

Curadoria à Catarina: 01-09-640 nesta vila do Porto de Santos.

 

          Geração de Catarina e Antonio Lopes de Medeiros em S.L. 2º, 10; 1-1. Entre eles:

10-1-3 Manoel Lopes de Medeiros, sargento mor. Foi inventariado em 06 de agosto de 1710 (SAESP vol. 26º) em conjunto com sua mulher Maria Cabral. Ficaram dois filhos do casal:

10-1-3-1 Antonio João de Medeiros com 15 anos. Emancipado em 1715.

10-1-3-2 Antonia de Medeiros com 13 anos. Em 1711 estava casada com Estevão Barbosa que deu quitação da legitima.

 

10-1-4 Maria Cardoso casada com Capitão Gaspar da Cunha de Abreu. Geração de oito filhos em SL. 6, 249, 2-3, entre eles:

10-1-4-2 Izabel da Silva casou duas vezes. Primeira vez com Bartolomeu Preto Moreira inventariado em 29-12-1698. Faleceu Izabel em 23-06-1718 e foi inventariada no mesmo ano por seu segundo marido Cap. José de Camargo Pires. Geração do 1º matrimonio em SL. 1°, 502, 2-4 e do segundo em SL. 1°, 305, 2-3.

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Treslado de Procuração

Que Fazem: Cap. Jose de Camargo Neves e seu cunhado Sebastião Lopes Cardoso

Data aos 07-05-1719 nesta cidade de S. Paulo

 

Treslado do inventario de Bartolomeu Bueno Preto .

Aos 29-12-1798(sic é 1698) nesta vila de S. Paulo.

Inventariante a viuva Izabel da Silva.

Faleceu abintestado,

Assinou por ela Francisco Lopes de Siqueira.

Titulo dos Herdeiros: Maria de 9 anos = Maria, morta = Sebastião Preto = Ana de ano e meio.

 

Treslado do Testamento de Izabel da Silva - Eu Izabel da Silva (....)

Testamenteiros: meu marido o Cap. Jose de Camargo Pires e a meu ----- Estevão da Cunha.

Tenho herdeiros necessarios a saber: Sebastião Preto que tive de meu primeiro marido o Cap. Bartolomeu Preto e uma filha por nome Maria Pires a qual tenho de meu marido Cap. Jose de Camargo Pires, de presente casada.

Cidade de S. Paulo aos 23-06-1718 assino a rogo da testadora Izabel da Silva, Antonio de Oliveira e Vasconcellos.

Cumpra-se 23-06-1718

Sebastião Lopes Cardoso, orfão maior de 25 anos, (....) filho de Izabel da Silva e Bartolomeu Preto Moreira

 

Inventario Izabel da Silva

Autos aos 23-05-1720 nesta cidade de S. Paulo

Inventariante o viuvo Cap. Jose de Camargo Pires e os herdeiros Jose de Camargo Neves e Sebastião Lopes Cardoso

 

O inventario foi principiado aos 28-07-1718 e que se renovou o termo de curadoria feito a João Correa de Figueiredo em Miguel de Camargo Pires tio da menor Maria Pires sua sobrinha (...)

 

Requerimento que fazem os herdeiros Cap. Jose de Camargo Neves e Sebastião Lopes Cardoso: e por eles foi dito e requerido que antes que se entrasse na partilha deste segundo inventario , se fizesse partilhas do primeiro inventario do defunto seu sogro e pai Bartolomeu Preto Moreira (....)  No tocante ao enterro da primeira orfã defunta Maria, importava  40:000 rs; e neste inventario não herdava a dita defunta nada = e fazer partilha da legitima da segunda filha que faleceu  por nome Ana Pires (....) 25-05-1720

 

Partilhas do primeiro inventario.

A defunta Ana Pires tem de legitima paterna 412.776 rs

Pagamento ao herdeiro Cap. Jose de Camargo Neves por cabeça de sua mulher Maria Bueno.

Pagamento da legitima paterna ao herdeiro Sebastião Lopes Cardoso

 

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

(1º inventario contestado. Existe o segundo na mesma caixa)

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Inventariada Izabel da Silva

Inventariante o viuvo Jose de Camargo Pires

Autos aos 28-07-1718 cidade de S. Paulo em casa do juiz dos órfãos Cap João Dias da Silva que deu juramento ao Cap Jose de Camargo Pires.

Ficaram do primeiro matrimonio que teve com o Cap. Bartolomeu Preto Moreira, dois filhos: Mariana Buena cc Cap. Jose de Camargo Neves = Sebastião Lopes cardoso, maior de 25 anos.

Do segundo matrimonio, com ele inventariante, uma filha por nome Maria Pires de 8 para 9 anos.

Falecera aos 23-06-1718 com testamento.

Bens de raiz

Casas na Rua direita de S Bento partindo de um lado com as casas de João gago Paes e de outro com as de Maria de Quadros

Um sitio no Thiethe junto a Santana com casas de taipa de pilão de 3 lanços coberta de telhas ...

Testamento- 03-06-1718

Eu Izabel da Silva estando enferma....

Testamenteiros: Meu marido Cap Joseph de Camargo Pires, meu tio Estevão da Cunha.

Corpo sepultado na capela dos terceiros da Igreja de N Sra do Carmo

....Filho Sebastião Preto que teve do primeiro marido Bartholomeu Preto e uma filha Maria Pires com o marido Cap Joseph de Camargo Pires

Deixo a minha filha Maria Pires... a meu filho Sebastião Preto ...

 

10-1-4-3 Maria Leme da Silva, falecida em Guarulhos-SP com mais de 80 anos. Fora casada primeira vez com Francisco Lopes (família “Atanásio da Mota”) e segunda vez com Antonio Pereira de Faro (SL. 6º, 249, 3-3)

Guarulhos, SP obitos ---- aos 04-04-1754 fal. Maria Leme da Silva viuva, de idade 80 anos pouco mais ou menos. Fez testamento: testamenteiros Bernardo Pereira da Silva e Martinho Guarcia Pais. Era natural da cidade de S. Paulo, f.l. Gaspar Cubas digo da Cunha de Abreu e Maria Cardosa, que fora casada duas vezes. A primeira com Francisco Lopes de cujo matrimonio teve um filho cujo é morto, e o segundo com Francisco digo Antonio Pereira de Faro de cujo matrimonio não teve filhos, o qual é morto.

10-1-4-6 Izabel de Abreu em 27-11-1711 requereu dispensa do impedimento de consanguinidade em 4º grau para se casar com João de Lima. Geração em SL. 3, 165, 3-1.

RMJ - ACMSP V 5- Est 4 Gav 1

João de Lima e Izabel de Abreu - 27-12-1711

Ana Pires, bisavó do orador, e Catarina de Medeiros bisavó da oradora foram irmãs.

4o grau de sanguinidade

Anna Pires e Ctrna de Medeiros eram irmãs.

De Anna Pires nasceu Mecia de Siqueira e desta Anna de Siqueira que é mãe de João de Lima.

De Cta de Medeiros nasceu M--- Lopes de Medeiros que era pai de Ma Cardosa mãe da oradora Izabel de Abreu.

Testemunhas

Cap João de Camargo Pimentel morador e natural desta Vila, homem casado e dos nobres, 58 anos, parente dos oradores em 4o grau

Cap João do Prado, natural desta Vila ,casado e dos nobres, 56 annos, parente dos oradores em 4o grau.

João Gago Pais, natural e morador desta Va, h casado e dos nobres, 62 anos, do costume disse nada.

10-2 Mecia Vaz da Cunha, já falecida em 24-6-1664, casada que foi com Francisco Lopes, deixou um filho citado no testamento do avô materno. Não consta da GP: “Declaro que minha filha Mecia Vaz da Cunha já defunta, mulher que era de Francisco Lopes a qual minha filha lhe dei (...) e paguei, quando ela morreu, todos os legados que deixou por seu marido estar nesse tempo no sertão”.

          Francisco Borges, também referido como Lopes, morador em Taubaté, abriu mão da herança em favor de sua sogra, conforme o inventário do sogro.

          Francisco Borges Rodrigues, natural de S. Paulo e filho de Francisco Borges e Helena Rodrigues, faleceu com testamento e foi inventariado em Taubaté aos 05-10-1685 por sua segunda mulher Luzia Rodrigues do Prado. Teve geração de um filho do primeiro matrimonio, já falecido e 13 filhos do segundo - família os Irmãos Furtado Cap. 1º, neste site.

S.L. 1º, 33, 5-5; Francisco Borges Rodrigues, natural de S. Paulo, foi 1.o casado com Maria Vaz, de quem teve um f.o falecido em menoridade. Casou  2.a vez com Luzia Rodrigues do Prado, f.a de Francisco Rodrigues e de Antonia Furtado. Faleceu Francisco Borges Rodrigues com testamento em 1685 em Taubaté, onde foi morador.

 

10-3 Gaspar Vaz da Cunha morador na Vila de São Francisco das Chagas de Taubaté. Abriu mão da herança em favor de sua mãe. Foi casado com Vitoria de Siqueira inventariada em Taubaté na paragem chamada Caçapava em 25-04-1702. Compareceram quatro filhos:

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariada Vitoria de Siqueira ano 1702

Inventariante - Domingos Vaz de Siqueira

Autos aos 25-04-1702 nesta vila na paragem chamada Caçapava sitio e fazenda de Domingos Vaz de Siqueira filho que foi de Vitoria de Siqueira, inventariante.

 

Recebi de Domingos Vaz de Siqueira uma pataca de esmola da cruz do acompanhamento de sua mãe e (...) Hoje 16-setembro-1701 Manoel de Barros da Silva.

 

Titulo de herdeiros:

Cap Gaspar Vaz da Cunha

Domingos Vaz de Siqueira

Messia Vaz da Cunha

Margarida Rodrigues de Siqueira

 

Pagamento aos herdeiros: Gaspar Vaz// Domingos Vaz // a João Tavares da Silva como cabeça de casal de Messia Vaz // a Salvador Machado como cabeça de casal de Margarida de Siqueira.

 

10-3-1 Messia Vaz da Cunha, batizada na Sé de S. Paulo em 20-01-1655. Casou com João Tavares da Silva.

SP, SP Ig. N. Sra Assunão aos 20-janeiro-1655 bat Messia, f. de Gaspar Vaz da Cunha e Vitoria de Siqueira, foram padrinhos Henrique da Cunha e Catarina de Unhate.

         Pais de, pelo menos:

10-3-1-1 João Tavares da Cunha, morador em Pindamonhangaba. Requereu os bens que lhe tocaram por morte de sua avó Vitória de Siqueira.

10-3-2 Capitão Gaspar Vaz da Cunha

10-3-3 Domingos Vaz de Siqueira, inventariante materno. Casou com Maria de Gusmão, filha de Luiz de Gusmão e Violante Cardoso 1-1-3 supra.

         Com geração de cinco filhos em SL. 5º, 137, 3-1. Encontramos mais os filhos:

10-3-3-6 Francisco de Gusmão, assinou a rogo da sobrinha Maria Fragosa de Jesus (filha de Margarida Rodrigues de Siqueira e Miguel Garcia Bicudo) no inventário do avô paterno Manoel Garcia da Cunha - família “Maria do Prado cc Miguel de Almeida”, neste site.

10-3-3-7 Catarina de Gusmão em 1702 tirou dispensa do impedimento de consanguinidade em 3º(sic) grau para se casar com Martinho de Lima, natural da Ilha de S. Sebastião, filho de João Ledo de Lima, neto paterno de Domingas de Gusmão - em 1-1-3 supra .

10-3-4 Margarida Rodrigues de Siqueira casada com Salvador Machado, que recebeu a legitima de sua mulher no inventário da mãe dela, não identificado por Silva Leme.

SL. 3, 146, 3-2 Margarida de Siqueira, f.a de Gaspar Vaz da Cunha n.o 2-2, foi casada. (3) Teve q. d.: 4-1- e 4-2.

(3) Não descobrimos o nome do marido e sim a descendência por documento na Cam. Ec. dispensa e impedimento para o casamento de Manuel da Motta Paes com Ana Barbosa n.o 6-3 adiante.

4-1 Lourenço de Siqueira, que foi C.c. Mécia Fragoso de Mendonça

4-2 Maria Vaz de Siqueira, f.ª de Margarida de Siqueira n.º 3-2, foi casada. Teve q. d.: 5-1 Francisca do Prado Leme casada com Miguel de Freitas Machado.

 

Comparar com SL. 8º, 96, 2-3 Salvador Machado Sobrinho f.º do § 6.º (Ignez Gonçalves Gil e Antonio Delgado de Escobar).

 

Foram filhos de Margarida e Salvador:

10-3-4-1 Lourenço de Siqueira Machado casou com Mécia Fragoso, ambos naturais de Taubate. Geração de seis filhos em SL. 5º, 146, 4-1, entre eles:

10-3-4-1-1 Gaspar Vaz de Siqueira casou com Joana Maria Barbosa. Pais de nove filhos (SL. 5º, 146, 5-1), entre eles:

10-3-4-1-1-2 Bernarda Fragosa Leme aos 08-04-1766 casou com Antonio Pinto de Souza, filho de Timoteo Pinto de Souza e Maria Leme Barbosa - família “Sebastião Gil” Cap. 5º.

Guaratinguetá-SP Igreja Sto Antonio em 08-04-1766 Antonio Pinto de Souza, f.l. Timoteo Pinto de Souza e Maria Leme Barbosa = cc Bernarda Fragosa Leme, f.l. Gaspar Vaz de Siqueira e Joana Maria Barbosa. Ambos os contraentes nts bts e moradores nesta.

10-3-4-1-1-3 Ana Barbosa de Siqueira, batizada em Guaratinguetá em 18-10-1747. Aos 21-05-1765 casou com Manoel da Motta Paes, batizado em janeiro de 1742, filho de Francisco Borges Rodrigues e Maria Fragoso; neto paterno de Manoel da Motta Paes e Luzia Rodrigues e neto materno de Miguel Garcia Bicudo e Margarida Rodrigues de Siqueira. Este casamento foi invalidado por descobrir-se serem os contraentes parentes em 4º grau de consanguinidade. Foram separados, dispensados do impedimento e revalidaram o matrimonio em 18-10-1766.

          Viúva, em 24-02-1800 Ana casou com Antonio Correa Leme, natural de Pouso Alto-MG, filho de Domingos da Silva Ludovico e Maria Antunes do Prado.

Guaratinguetá-SP Igreja Sto Antonio aos 21-05-1765 Manoel da Motta Paes, n. desta, filho de Francisco Borges Rodrigues e Maria Fragoso; n.p. de Manoel da Mota Paes e Luzia Rodrigues e n.m. de Miguel Garcia Bicudo e Margarida Rodrigues de Siqueira, naturais estes de Taubaté, = cc Ana Barbosa de Siqueira, desta, filha de Gaspar Vaz de Siqueira e Joana Maria Barbosa; n.p. de Lourenço de Siqueira Machado e Mecia Fragoso, naturais de Taubaté e n.m. de Mateus Barbosa Leme e Maria da Silva. Naturais os contraentes desta.

 

Guaratinguetá-SP Igreja Sto Antonio 18-10-1766 Manoel da Motta Paes, f.l. Francisco Borges Rodrigues e Maria Fragosa de Jesus = cc Ana Barbosa de Siqueira, desta, filha de Gaspar Vaz de Siqueira e Joana Maria Barbosa nts desta

 

ACMSP Dispensas Matrimoniais ano 1765

Autos de impedimento dos Contraentes Manoel da Motta Paes e Ana Barbosa de Siqueira - 06-10-1765

Manoel da Motta Paes, f.l. de Francisco Borges Roiz e de s/m Maria Fragosa de Jesus, natural desta freugesia = Ana Barbosa de Siqueira, f.l. de Gaspar Vaz de Siqueira e de s/m Joana Maria Barbosa, natural e batizada nesta freguesia, todos do Bispado de São Paulo.

Certidões:

- aos --  dias do mes de janeiro de 1742 bat a Manoel, f. de Francisco Borges e de Maria Fragosa, sua mulher, foram padrinhos Manoel Machado [danificado] e Maria da Conceição, todos moradores desta freguesia.

- em 18-outubro-1747 bat a Ana, f. de Gaspar Vaz de Siqueira e de s/m Joana Maria, foram padrinhos Francisco Borges e Elena da Silva, desta freguesia moradores.

 

Testemunhas.

 

4º grau de consanguinidade porque: Gaspar Vaz da Cunha casado com Victoria de Siqueira (tinta apagada, leitura comprometida)

Deligências na vila de Santo Antonio de Guaratingueta 18-junho-1765

 

Depoimento da testemunha Gaspar Vaz de Siqueira: Lourenço de Siqueira, seu pai, e de Margarida de Siqueira sua avó e que esta descendera de Gaspar Vaz da Cunha bisavo dele depoente; e que Victoria de Siqueira era mulher de Gaspar Vaz da Cunha, porem que antes de celebrado o matrimonio, tinha ouvido dizer a mesma Maria Fragosa de Jesus a afirmar e dizer que Victoria de Siqueira era irmã de Gaspar Vaz da Cunha bisavo dele depoente, e que por essa noticia dera o seu primeiro depoimento cuidando que assim era, e que os despozados se achavam ja no quinto grau.

 

18-junho-1766 autos de dispensa do 4º grau de consanguinidade em o qual estão ligados os oradores Manoel da Motta Paes e Ana Barbosa, naturais de Guaratingueta deste bispado, se fizeram proclar e foram havidos por desempedidos em cujo consórcio se conservaram em boa fé, até que averiguando estavam ligados no 4º grau de consanguinidades, Separados judicialmente e a oradora depositada e mantida por este Juizo onde foram julgados por legitimamente impedidos, de cujo impedimento querem haver dispensa (...).

P.P. que Margarida de Siqueira e Domingos Vaz de Siqueira eram irmãos e q deste procedeu Margarida de Siqueira a qual gerou Maria Fragosa e esta o orador Manoel da Motta Pais.

P.P. que Margarida de Siqueira gerou a Lourenço de Siqueira do qual procedeu Gaspar Vaz de Siqueira e deste a oradora Ana Barbosa.

P.P. que os oradores se receberam em boa fé, porquanto ignoravam o impedimento e nesta boa fé viveram no consorcio.

P.P. que a oradora esta depositada em casa de seu proprio pai, onde não tem comunicação alguma com o orador.

 

Arvore de geração:

Margarida de Siqueira     1º irmãos Domingos Vaz de Siqueira

Lourenço de Siqueira      2º Margarida de Siqueira

Gaspar Vaz de Siqueira  3º Maria Fragosa

Ana Barbosa                    4º Manoel da Motta Paes

 

Autos de Casamento de Manoel da Motta Paes e Ana Brisida(sic) 10-outubro-1766.

Dizem Manoel da Motta Paes e Ana Brisida(sic) da freguesia de Guaratingueta deste bispado, que sendo recebidos em matrimonio e vivendo no consórcio por tempo de dois meses  sucedeu descobrir-se impedimento de 4º grau de consanguinidade, por cuja razão sendo logo separados trataram de impetrar dispensa e com efeito a alcançaram como consta da sentença junta.

 

 

Guaratingueta, SP Igreja Santo Antonio - Antonio Correa Lemes e Ana Barbosa de Siqueira - aos 24-fevereiro-1800 nesta matriz de Guaratingueta e testemunhas Manoel da Silva Barbosa e Manoel Barbosa Leme, casados, se receberam Antonio Corrrea Leme, natural da freguesia de Pouso Alto, f.l. de Domingos da Silva Ludovico e Maria Antunes do Prado = com Ana Barbosa de Siqueira, viuva de Manoel da Motta Paes.

 

10-3-4-2 Maria Vaz de Siqueira, filha de Margarida Rodrigues de Siqueira e Salvador Machado Sobrinho. Casou com José do Prado Martins, falecido em Taubaté aos 06-05-1745 com testamento:

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado Jose do Prado Martins

Inventário que se fez dos bens de Maria Vaz de Siqueira por morte e falecimento de seu marido Jose do Prado Martins, morador que foi desta vila.

Aos 02-junho-1756 nesta vila em casas de morada do Juiz de Orfãos e por Francisco do Prado e por ele foi requerido ao dito juiz em sua petição para citar a sua mãe Maria Vaz de Siqueira para efeito de dar a inventário seus bens (...). E estando presente a dita viúva Maria Vaz de Siqueira declarou que o dito seu marido havia falecido ha onze anos pouco mais ou menos e que fizera testamento cujo treslado apresentava seu filho Francisco do Prado e por ela assinou a seu rogo Carlos Correa de Toledo.

 

Titulo dos Filhos:

1- Joseph do Prado, de maior, casado.

2- Salvador do Prado, de maior, casado.

3- Maria do Prado, ja defunta, que foi casada com João de Faria, tem filhos e os pais ja falecidos.

4- Margarida do Prado, casada que foi com Antonio Paes e falecida e deixou filhos.

5- Joana do Prado, falecida, foi casada com Manoel Pinto Ferraz e deixou filhos.

6- Bernarda do Prado, falecida, que foi casada com Gabriel Nunes e deixou filhos.

7- Francisco do Prado, casado, de maior.

 

Bens - Avaliações - devedores -

 

Termo de juramento deferido ao herdeiro Jose do Prado aos 27-julho-1756 para depor a verdade do que deve e tem em seu poder pertencente a sua mãe Maria Vaz de Siqueira (...).

 

O Lic. João de Bessa Passos, vigario colado na igreja matriz de S. Francisco das Chagas da vila de Taubate certifico (...) que no livro que serve dos assentos dos testamentos a fl. 119v esta o assento do testamento com que faleceu Joze do Prado Miz do teor e forma seguinte: aos 16 de maio de 1745 faleceu nesta freguesia Joze do Prado Miz com todos os sacramentos e fez seu testamento na forma seguinte: rogo ao Cap. Amaro de Toledo e ao Cap. Lourenço Roiz do Prado (...) sejam meus testamenteiros: encomenda o sepultamento e missas. Sou casado com Maria Vaz de Siqueira da qual tenho os filhos seguintes: Jose/ Francisco/ Salvador/ Bernardo(sic)/ Joana/ Margarida/ Maria, meus herdeiros forçados. Declara bens. Devo a meu filho Salvador do Prado 15 patacas. Devo a minha mulher 103$000 reis em dinheiro que lhe gastei de sua fazenda, fora ja da minha parte. Declaro que me deve meu cunhado Joze Machado 90$000 reis; Manoel Pinto Ferraz, meu genro, 55$000 reis, de cujo conta se ha de abater 6$000 reis os quais pagou a meu genro Antonio Paes. (...) e não constava mais no dito testamento do defunto que bem e fielmente me reporto Taubate 17-fevereiro-1756.

 

Diz Francisco do Prado, morador desta vila, que falecendo seu pai Jose do Prado Martins ficou em posse, como cabeça de casal sua mãe Maria Vaz de Siqueira, de todos os bens que no monte havião, e isto ha muito anos, e na mesma forma os mais herdeiros que são Miguel de Freitas por cabeça de s/m/ M.el Pinto Ferras por cabeça de s/m ja falecida/ Gabriel Nunes na mesma forma/ assim mesmo Antonio Paes/ o qual Manoel Pinto ja tem casado segunda vez/ Jose do Prado/ e Salvador do Prado/ (...) e como ha menores que são os filhos de Antonio Paes, Manoel Paes q são casados segunda vez (...).

 

Nota: No testamento de 1745 são citados os três filhos e quatro filhas. No titulo dos herdeiros em 1756 aparecem o genro João de Faria, marido de Maria do Prado, já “falecida e deixou filhos. os pais já falecidos” e outros três genros cujas mulheres já tinham falecido deixando filhos. Na declaração dos herdeiros feita por Francisco do Prado, aparecem os mesmos dois filhos e três genros também citados no rol dos herdeiros. Miguel de Freitas aparece apenas na declaração de Francisco do Prado casado com uma das herdeiras ainda vivente.

 

Filhos de José Martins do Prado e Maria Vaz de Siqueira citados no testamento do pai e no rol dos herdeiros:

10-3-4-2-1 José do Prado, casado. José do Prado Martins foi casado com Gertrudes Rosa de Jesus, filha de Francisco Bicudo Correa e Custodia Maria de Aguiar. Pais de, q.d.:

10-3-4-2-1-1 Antonio Correa do Prado, natural de Taubate. Em Mogi das Cruzes aos 10-06-1770 casou com Rosa de Souza, daí natural, filha de Manoel de Souza Brito e Ilaria Nunes, neta paterna de Roque de Souza e Maria Pinta de Moraes, neta materna de Pedro Nunes de Oliveira e Maria da Fonseca Pinto - família “Manoel da Cunha”. Geração em SL. 7º, 109, 7-7.

SL. 7, 109, 7-7 Rosa de Souza Brito f.ª de 6-1, casou em 1770 em Mogi das Cruzes com Antonio Correa do Prado, natural de Taubaté, f.º de José do Prado Martins e de Gertrudes Rosa, n. p. de José do Prado Martins e de Maria Vaz de Siqueira, n. m. de Francisco Bicudo Correa e de Custódia Maria de Aguiar. Teve q. d.: 8-1 e 8-2

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 10-06-1770 Antonio Correa do Prado, n. Taubate e morador nesta, f.l. Jose do Prado Martins e Gertrudes Rosa de Jesus, np Jose do Prado Martins e Maria Vaz de Siqueira, nm Francisco Bicudo Correa e Custodia Maria de Aguiar = cc Rosa de Souza, n. desta, f.l. Manoel de Souza Brito e Ilaria Nunes, np Roque de Souza e Maria Pinta de Moraes, nm Pedro Nunes de Oliveira e Maria -urea.

10-3-4-2-2 Salvador do Prado, casado.

10-3-4-2-3 Maria do Prado citada pelo pai em testamento. Em 1756, constou do rol dos herdeiros como falecida e casada com João de Faria deixando filhos “e os pais” (no plural), já falecidos. João era filho de Duarte de Faria e Maria Raposa de Brito. Geração em aportes à GP: Antonio Raposo Barreto, capitão - SL. III, 88, 1-7

10-3-4-2-4 Margarida do Prado, falecida, foi casada com Antonio Paes e deixou filhos. Antonio casou segunda vez.

10-3-4-2-5 Joana do Prado, falecida, foi casada com Manoel Pinto Ferraz e deixou filhos. Manoel casou segunda vez.

10-3-4-2-6 Bernarda do Prado, falecida, foi casada com Gabriel Nunes e deixou filhos.

10-3-4-2-7 Francisco do Prado, casado.

 

Filha relacionada por Silva Leme:

SL. 5, 148, 5-1 Francisca do Prado Leme, casada com Miguel de Freitas Machado. Teve q. d.:

 

10-3-4-2-8 Francisca do Prado, não é citada pelo pai em testamento, nem no rol dos herdeiros na abertura do inventario em 1756. Na inventariança, Miguel de Freitas, herdeiro, é mencionado por cabeça de sua mulher (não nominada).

Francisca do Prado, segundo as dispensas abaixo, filha de Maria Vaz de Siqueira, neta materna de Margarida de Siqueira. Casou com Miguel de Freitas Machado e teve os filhos, segundo as ditas dispensas:

10-3-4-2-8-1 Helena da Costa Collaço, batizada em Taubate em julho de 1730. Em 1761 pediu dispensa do impedimento de consanguinidade em 4º grau para se casar com Manoel Pinto da Fonseca, batizado em Taubate aos 15-01-1726, filho de Sebastião da Fonseca Pinto e de s/m Maria de Gusmão, neto materno de outra Maria de Gusmão - família Sebastião da Fonseca Pinto.

ACMSP Dispensas Matrimoniais ano 1761

Oradores Manoel Pinto da Fonseca e Helena da Costa Colassa

Autos de dispensa do 4º grau de consanguinidade, aos 18-fevereiro-1761.

Manoel Pinto da Fonseca, f.l. de Sebastião da Fonseca e de Maria de Gusmão = e Elena da Costa Colassa, f.l. de Miguel de Freitas Machado e de Francisca do Prado; naturais e moradores da vila de Taubate deste bispado de S,Paulo.

Que Domingos Vaz e Margarida Rodrigues eram irmãos; que de Domingos Vaz nasceu Maria de Gusmão de que nasceu Maria de Gusmão mãe do orador Manoel Pinto; e que da Margarida Rodrigues nasceu Maria Vaz, e desta nasceu Francisca do Prado e desta a oradora Elena da Costa Colassa.

 

Depoimento dos oradores:

Elena da Costa Colassa, (...) de idade de trinta anos.

Manoel Pinto da Fonseca, (...) confirma os itens.

 

Testemunhas: confirmam os itens.

 

Autos de Casamento aos 04-julho-1761

Certidões - Igreja matriz de S. Francisco das Chagas de Taubate:

- aos 15-janeiro-1726 bat a Manoel, f. de Sebastião da Fonseca Pinto e de s/m Maria de Gusmão, foram padrinhos Manoel Antunes Cordeiro, casado e Izabel da Silva, viuva, todos fregueses desta freguesia.

- Aos -- do mes de julho de 1730 bat a Elena, f. de Miguel de Freitas e de s/m Francisca do Prado moradores desta freguesia; foram padrinhos Amaro de Freitas, casado e Francisca darruda Cabral mulher do Cap. Carlos P[danificado] da Fonseca, todos moradores nesta freguesia, Taubate 17-setembro-1760

 

Manoel e Helena tiveram, pelo menos, o filho:

10-3-4-2-8-1-1 Manoel Pinto da Fonseca, em S. Luiz de Paraitinga-SP em 07-02-1796, casou com Maria Francisca dos Reis, filha de Joaquim Estolano do Carmo e de s/m Andreza Maria

(pesq. Joaquim Roberto Fagundes) S. Luiz do Paraitinga, SP lv. cas. 2 (1791-1798) Fls. 29v. - 07/02/1796 MANUEL PINTO DA FONSECA - MARIA FRANCISCA DOS REIS

Ele, fº de Manuel Pinto da Fonseca e de s/m Helena da Costa Cardoso.

Ela, fª de Joaquim Estolano do Carmo e de s/m Andreza Maria.

10-3-4-2-8-2 Quiteria de Freitas, sem saber que tinham impedimento de consanguinidade, casou com João de Almeida Telles, filho de Miguel de Almeida e de s/m Antonia da Fonseca Telles, neto paterno de Maria de Gusmão, todos naturais de Taubaté. Em 1762, já com três filhos, requereram a dispensa do impedimento de consanguinidade em 4º grau para a legitimação dos filhos:

ACMSP Dispensas Matrimoniais ano 1762 vol 569 im 28 a 51

Oradores João de Almeida e Quiteria de Freitas

Autos de dispensa do 4º grau de consanguinidade - ao primeiro-fevereiro-1762, moradores da vila de Taubate.

Domingos Vaz de Siqueira e Margarida de Siqueira eram irmãos.

Domingos Vaz de Siqueira gerou a Maria de Gusmão e desta nasceu Miguel de Almeida e este gerou João de Almeida orador.

De Margarida de Siqueira nasceu Maria Vaz de Siqueira e desta nasceu Francisca do Prado a qual gerou Quiteria de Freitas oradora.

 

Os oradores estavam casados sem impedimento, ignorando o haver, e ja tem tres filhos menores de seu consorcio, que se precisa serem legitimados.

 

Depoimento dos oradores: confirmam os itens.

Testemunhas.

 

Autos de Casamento aos 11-junho-1762

 

Casou João de Almeida Telles, f.l. de Miguel de Almeida, ja defunto e de s/m Antonia da Fonseca Telles = com Quiteria de Freitas, f.l. de Miguel de Freitas Machado e de s/m Francisca do Prado, todos naturais e batizados nesta matriz de S. Francisco das Chagas de Taubate.

 

10-4 João Vaz da Cunha, já casado com Ana Ribeiro Rodovalho, f.ª de Dom Simão de Toledo Piza e de Maria Pedroso.

SP, SP Igreja N Sra da Assunção aos de--- de 7bro de 1643 bat a Ana, f.l. Dom Simão de Toledo Piza e Maria Pedrosa, padr.: Cap. João Correa Bocarro e Margarida Co[---] por via do procurador da referida Sebastião Frz Correa.

          Geração de 14 filhos em SL. 5º, 514, Cap. 3º, entre eles:

10-4-1 Simão, batizado na Sé de São Paulo em 19-01-1658.

SP, SP Igreja N Sra da Assunção aos 19-01-1658 bat a Simão, f.l. João Vaz da Cunha e Ana Ribeira, padr.: Simão de Toledo e D. Maria Pedrosa.

10-4-2 Mécia em 28-02-1660.

SP, SP Igreja N Sra da Assunção aos 28-02-1660 bat Messia, f.l. João Vaz da Cunha e Ana Ribeira, padr.: Gaspar Gls de Arahu--- e Ana Ribeira.

10-4-3 João foi batizado em 18-09-1661 na Sé de São Paulo. João Vaz Cardoso aos 25-02-1691 casou com Francisca de Freitas Cortez, natural de Taubate, filha de Amaro Gil Cortez e Mariana de Freitas. Geração na família Sebastião Gil Cap. 5º.

SP, SP Igreja N Sra da Assunção aos 18-09-1661 bat a João, f.l. João Vaz da Cunha e /Ana Ribeiro, padr.: Francisco Rois e Filipa de Barros.

            João habilitou-se ao cargo de familiar do Santo Ofício:

[Tribunal do Santo Ofício, Conselho Geral, Habilitações, João, mç. 46, doc. 918 (1707-1711)- pesquisa de Fabrício Gerin.

Diligências de habilitação para o cargo de familiar do Santo Ofício de João Vaz Cardoso, casado com Francisca de Freitas: Informações de limpeza de sangue e geração do Capitão João Vaz Cardoso, natural e morador na vila de Taubaté de São Francisco das Chagas, bispado do Rio de Janeiro, casado com Francisca de Freitas.

- Diz o Capitão João Vaz Cardoso, natural e morador da vila de Taubaté, vizinha da de São Paulo, no bispado do Rio de Janeiro, que ele tem grande desejo de servir ao Santo Ofício no cargo de familiar.

- Declara ser f.l. de João Vaz da Cunha e de Ana Ribeiro, naturais e moradores da dita vila de Taubaté; n.p. de Cristovão da Cunha e Maria Vaz (ou Mécia Vaz Cardoso); n.m. de D. Simão de Toledo Pisa e Maria Pedroso, naturais e moradores da dita vila de Taubaté - Declara mais que é casado com Francisca de Freitas, f. de Amaro Gil e Mariana de Freitas; n.p. de Sebastião Gil e Feliciana Dias; n.m. de Manoel Fernandes Edra e Maria Cubas, naturais e moradores da dita vila de Taubaté.

- Declara o Capitão João Vaz Cardoso que seu avô materno D. Simão de Toledo Pisa é natural da cidade de Angra da Ilha Terceira, e foi filho de D. João de Pisa e Dona Grácia da Fonseca Rodovalho, os quais tiveram mais filhos que ficaram na dita ilha, como foram D. Inácio, D. Gabriel, Dona Aurélia e Dona Serafina, que ambas foram freiras, segundo parece, no convento de São Gonçalo.

- Declara mais que Sebastião Gil, avô paterno de Francisca de Freitas, mulher dele suplicante, é natural das partes de Viana do Minho, arcebispado de Braga, de Santo Estevão da Facha, onde ainda se acharão muitos parentes seus, gente da principal daquela terra, e todos os mais, assim pais e avós nomeados na petição, são naturais da dita vila de Taubaté, de onde também ele suplicante e sua mulher o são - se ordenaram de novo dois clérigos, um primo-irmão do dito Capitão João Vaz Cardoso, e outro sobrinho de sua mulher Francisca de Freitas, assim mais tem o dito capitão um tio seu clérigo do hábito de São Pedro, ocupando o cargo de vigário da vara e visitador de sua jurisdição.

- Testemunhas (04/11/1709, vila de Taubaté): 1ª tt. Domingos Afonso, homem honrado, que vive de sua lavoura, de 65 anos; 2ª tt. João Machado, homem honrado, que vive de sua lavoura, de 66 anos; 3ª tt. João Dias de Vergara, homem honrado, que vive de sua lavoura, de 69 anos; 4ª tt. Antonio Bicudo Leme, homem honrado, que vive de sua lavoura, de 74 anos; 5ª tt. Pedro Fragoso, homem honrado, que vive de sua lavoura, de 75 anos; 6ª tt. João Ribeiro da Rosa, homem honrado, que vive de sua lavoura, de 84 anos; 7ª tt. João Correia Soares, homem honrado, que vive de sua lavoura, de 61 anos.

 

- Certidão do Padre Antonio Barreto de Lima, vigário confirmado na Igreja Paroquial da vila de Taubaté de São Francisco das Chagas: consta por fama pública que se receberam Sebastião Gil de Siqueira com Feliciana Dias, Manoel Fernandes Edra com Maria Cubas, Cristovão da Cunha com Mécia Vaz Cardoso, D. Simão de Toledo Pisa com Dona Maria Pedroso, o Capitão João Vaz da Cunha com Ana Ribeiro, o Capitão Amaro Gil com Mariana de Freitas, e o Capitão João Vaz Cardoso com Francisca de Freitas, ainda que não consta dos livros, que por antigos se consumiram, e somente em um livro moderno achei o recebimento do Capitão João Vaz Cardoso com Francisca de Freitas, em que diz: João Vaz Cardoso, f. de João Vaz da Cunha e Ana Ribeiro, com Francisca de Freitas, f. de Amaro Gil, já defunto, e Mariana de Freitas, todos naturais e moradores nesta vila (25/02/1691).

 

- João Vaz Cardoso, a respeito de seu avô materno: se diz que o avô materno, D. Simão de Toledo Pisa, é natural da dita cidade de Angra, Ilha Terceira, f. de D. João de Pisa e Dona Grácia da Fonseca Rodovalho, e neto de D. João de Toledo e Dona Ana, oriundos de Castela, e por via materna neto de Vasco Fernandes Rodovalho, e que o dito D. Simão de Toledo Pisa tivera mais irmãos na dita Ilha Terceira, chamados D. Inácio, D. Gabriel, e Dona Aurélia e Dona Serafina, as quais foram freiras, segundo parece, no mosteiro de São Gonçalo da mesma ilha.

 

- Testemunhas (03/06/1709, cidade de Angra, Ilha Terceira) - Santa Sé do Salvador: 24/07/1603: Aurélia, f. de D. João de Pisa e Dona Grácia da Fonseca, padrinhos: Felipe Espíndola Queiroz e Dona Beatriz Pereira; 08/12/1604: Serafina, f. de D. João de Pisa e Dona Grácia da Fonseca, padrinhos: Francisco de Aduna, veador, e Bárbara da Fonseca; 26/03/1606: Gabriel, f. de D. João de Pisa e Dona Grácia da Fonseca, padrinhos: Diogo de Miranda e Queiroz; 29/11/1610: Inácio, f. de D. João de Pisa e Dona Grácia, padrinhos: o Mestre-de-Campo D. Pedro Sarmento e Dona Margarida de Betancor; 04/11/1612: Simão, f. de D. João de Pisa e Dona Grácia da Fonseca, padrinhos: o Tenente D. João Pestana e Dona Juliana Dalfaro, filha do Capitão Lombreyra.

 

- Francisca de Freitas, casada com o Capitão João Vaz Cardoso, seus pais e avós paternos e maternos: natural e moradora na mesma vila de Taubaté, f. do Capitão Amaro Gil e Mariana de Freitas; n.p. de Sebastião Gil e Feliciana Dias; n.m. de Manoel Fernandes Hedra e Maria Cubas, naturais e moradores na dita vila de Taubaté.

 

- Testemunhas (04/11/1709, vila de Taubaté): 1ª tt. Domingos Afonso, homem honrado, que vive de sua lavoura, de 65 anos; 2ª tt. Manoel Antunes de Macedo, homem honrado, que vive de sua lavoura, natural de Alenquer, arcebispado de Lisboa, de 83 anos; 3ª tt. João Machado, homem honrado, que vive de sua lavoura, de 66 anos; 4ª tt. João Dias de Vergara, homem honrado, que vive de sua lavoura, de 69 anos; 5ª tt. Antonio Bicudo Leme, homem honrado, que vive de sua lavoura, de 74 anos; 6ª tt. Pedro Fragoso, homem honrado, que vive de sua lavoura, de 75 anos; 7ª tt. João Correia Soares, homem honrado, que vive de sua lavoura, de 61 anos.

 

- Certidão do Padre Antonio Barreto de Lima, vigário confirmado nesta Paroquial Igreja de Taubaté de São Francisco das Chagas: consta por fama pública se receberam Sebastião Gil de Siqueira com Feliciana Dias, Manoel Fernandes Hedra com Maria Cubas, Cristovão da Cunha com Mécia Vaz Cardoso, D. Simão de Toledo Pisa e Dona Maria Pedroso, o Capitão João Vaz da Cunha com Ana Ribeiro, o Capitão Amaro Gil com Mariana de Freitas, e o Capitão João Vaz Cardoso com Francisca de Freitas, ainda que não constem dos livros, que por antigos se consumiram, e somente em um livro moderno achei o recebimento do Capitão João Vaz Cardoso com Francisca de Freitas, em que diz o seguinte: João Vaz Cardoso, f. de João Vaz da Cunha e Ana Ribeiro, com Francisca de Freitas, f. de Amaro Gil, já defunto, e Mariana de Freitas, todos naturais e moradores nesta vila (25/02/1691).

 

- Inquirição de Francisca de Freitas, casada com o Capitão João Vaz Cardoso, a respeito de seu avô paterno Sebastião Gil (freguesia de Santo Estevão da Facha, termo da vila de Ponte de Lima): neta paterna de Sebastião Gil, que se diz ser natural de Santo Estevão da Facha, termo da vila de Viana.

- Testemunhas (28/02/1709, freguesia de Santo Estevão da Facha, termo da vila de Ponte de Lima): 1ª tt. Roque Gonçalves, lavrador, natural desta freguesia de Santo Estevão da Facha, morador no lugar de Boquo, de 82 anos: conheceu a Sebastião Gil, o qual é natural desta freguesia de Santo Estevão da Facha, o conhece porquanto sendo este de 10 para 12 anos o embarcou seu pai Gonçalo Gil para o Rio de Janeiro para companhia de um tio seu, e que por morte do dito Gonçalo Gil, pai do habilitando Sebastião Gil, se fez neste concelho inventário, de que nele se fez formal ao dito Sebastião Gil, que hoje ainda logram seus herdeiros, e que o conheceu como dito tem sendo ele de 10 para 12 anos, sabe que o dito Sebastião Gil era filho legítimo de Gonçalo Gil; 2ª tt. Francisco de Puga, natural desta freguesia de Santo Estevão da Facha, do lugar da Currudoura, e nele morador, de 75 anos: conheceu a Sebastião Gil, o qual era natural desta freguesia de Santo Estevão da Facha, que sendo rapaz de pouca idade o mandou seu pai, chamado Gonçalo Gil, para o Rio de Janeiro, por de lá lho pedir um tio seu, irmão de seu pai, de onde houve notícia se casara o dito, e que os bens que lhe sucederam por falecimento de seu pai os logram seus parentes, conheceu ao dito em rapaz, como dito tem e outros irmãos mais que nesta freguesia casaram, sabe que o dito Sebastião Gil era filho legítimo de Gonçalo Gil; 3ª tt. Beatriz Barbosa, mulher de Pedro Pinto, homem que vive a lei da nobreza, natural desta freguesia de Santo Estevão da Facha, e nela moradora no lugar do Boquo, de 80 anos: conheceu a Sebastião Gil, o qual era natural desta freguesia de Santo Estevão da Facha, que sendo rapaz de pouca idade, seu pai o mandara para o Rio de Janeiro, por de lá o mandar pedir um irmão do dito seu pai, e que a este conheceu e se chamava Gonçalo Gil, conheceu ao dito Sebastião Gil rapaz de pouca idade, e sabe que o dito Sebastião Gil era filho legítimo do dito Gonçalo Gil - (29/02/1709): 4ª tt. Domingos Alves, lavrador, natural desta freguesia de Santo Estevão da Facha e nela morador no lugar da Corrudoura, de 82 anos: conheceu a Sebastião Gil, natural desta freguesia, o qual fora de poucos anos para o Rio de Janeiro, para a companhia de um tio seu, natural desta mesma freguesia, irmão do pai do dito Sebastião Gil, e que a este conheceu, que era natural desta dita freguesia, defunto há anos, e que por morte dele se fizera inventário, e que ainda hoje o formal que aconteceu ao dito Sebastião Gil o estão logrando os seus parentes, sem ele nunca dispor deles, sabe que o dito Sebastião Gil é filho legítimo do dito Gonçalo Gil; 5ª tt. Pedro Pinto, homem limpo, que vive a lei da nobreza, natural desta freguesia e nela morador no lugar do Boquo, de 81 anos: conheceu a Sebastião Gil, o qual era natural desta freguesia de Santo Estevão da Facha, e dela se ausentara há muitos anos para o Rio de Janeiro, sendo de poucos anos, mandado por seu pai Gonçalo Gil por lho haver pedido um irmão do dito Gonçalo Gil, assistente e casado que era no dito Rio de Janeiro, e que depois do falecimento do dito Gonçalo Gil nunca houve cartas do dito seu filho Sebastião Gil, e assim se presume ser falecido, porquanto nunca mandou tratar nem dispor da legítima que lhe coube por falecimento de seus qual, a qual de presente logram os seus parentes mais chegados, e que conheceu o dito Sebastião Gil rapaz, e viu criar até sua ausência, e sabe que o dito Sebastião Gil era filho legítimo do dito Gonçalo Gil.

 

- Certidão do notário (16/03/1709, Viana): fui fazer diligência na freguesia de Santo Estevão da Facha, e me foi custoso fazer com que as pessoas que inquiri me dessem notícia do que pretendia, temerosos estes de que se vinha saber desta família para haver de se tirarem uns bens que pertencem a Sebastião Gil, que lhe sucederam por morte de seu pai Gonçalo Gil, e declarando eu o que pretendia, depuseram o que consta dos ditos das cinco testemunhas, e fora destas perguntei muitas mais que achei serem parentes em grau conhecido com Sebastião Gil, e achei esta família aparentada com a maior parte desta freguesia, de onde há duas gerações que entre eles são de nome a saber Gil e Amados, e ambas se acham unidas por razão de casamentos].

 

PROJETO COMPARTILHAR- NOTA: O Sebastião Gil, conhecido das testemunhas supra, não é o Sebastião Gil que em São Paulo já estava casado e estabelecido em 1614. Incompatibilidade matemática. Ou é outra pessoa bem mais moça que “encaxou” na necessidade do autor do processo, ou as testemunhas faltaram deliberadamente com a verdade.

 

10-4-4 Vasco Fernandes Rodovalho, natural da cidade de São Paulo. Foi o segundo marido de Maria Moreira, filha de Gaspar Martins e Ana Moreira de Castilho. Vasco faleceu em Taubaté em 06-09-1733 com testamento. Geração de quatro filhos na família Guiomar de Alvarenga, neste site.

 

10-4-5 Sebastião Fernandes Correa, em Nazaré-SP aos 20-11-1686 casou com Maria do Prado, filha de João Lopes de Medeiros e Mariana da Luz. Geração na família Braz de Piña, neste site.

Nazaré Paulista, SP igreja N. Sra de Nazaré. Aos 20-11-1686 Sebastião Fernandes Correa, f.l. João Vaz Cardoso e Ana Ribeira m,oradores e nts da vila de S. Paulo = cc Maria do Prado, f.l. João Lopes de Medeiros e Mariana da Luz, nts de São Paulo e moradores desta freguesia. Test.: Cristovão da Cunha e Antonio de Godoy.

10-4-6 Pantaleão Pedroso de Toledo foi inventariado em Taubate em 1731 por sua viúva Antonia da Rosa Guedes, natural de Taubaté, filha dos falecidos João Correa da Rosa e de s/m Maria Correa.

Inventariado Pantaleão Pedroso de Toledo 1731

Autos aos 09-janeiro-1731 inventariante Antonia da Rosa Guedes, cabeça de casal, assinou a seu rogo João de Freitas.

 

Titulo dos filhos e herdeiros:

1- Pantaleão de Toledo, de maior.

2- Joseph Pedroso, de maior.

3- Bernardo Guedes, de maior.

4- Lourenço de Toledo, 22 anos.

5- Francisco de Freitas, 20 anos. // Aportes à GP: Francisco de Freitas de Toledo (Francisco Pedroso de Toledo) - SL. V, 562, 2-5

6- Manoel de Toledo, 18 anos.

7- Felicia Pedrosa casada com Francisco de Albuquerque. // Aportes: Francisco de Albuquerque (Saraiva) - SL. VIII, 374, 3-3 - 4-3

 

Filhos defuntos, com filhos:

Eugenia Pedrosa, casada que foi com Manoel da Costa de que lhe ficaram quatro filhos a saber:

1- Ana de idade de 14 anos.

2- Antonia de 11 aos

3- Joseph de 8 anos

4 Ursula de 7 anos.

 

Bens - Avaliações - Dividas que o Monte deve - Partilhas

meação da viuva 94$250 reis.

para partir por oito herdeiros, com o meio dote, toca a cada um 11$781 reis.

 

         Antonia da Rosa testou em 09-06-1735. Seu testamento foi aberto aos 10 do mesmo mês e foi inventariada no mesmo ano

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventário de Antonia da Rosa, moradora que foi desta vila.

Autos no ano de 1735 presente Bernardo Guedes de Toledo, filho da defunta Antonia da Rosa, inventariante.

Titulo dos filhos:

Pantaleão de Toledo, casado

Joseph Pedroso

Bernardo Guedes, casado

Lourenço Guedes, casado

Francisco de Freitas,

Manoel Pedroso

Feliciana, casada

Eugenia Pedrosa, defunta

 

Avaliações - Arrematações -

 

Pagamentos aos herdeiros:

Pantaleão da Costa 10$730 reis

Jose Pedroso 10$730 reis

Bernardo Guedes 10$730 reis

Lourenço Guedes 10$730 reis

Aos orfãos da defunta Eugenia Pedrosa 10$730 reis; que são quatro Jose, Ana, Antonia e Ursula

Francisco de Albuquerque por cabeça de sua mulher 10$730 reis

Francisco de Freitas 10$730 reis

Manoel Pedroso 10$730 reis

 

Pagamento feito a terça da quantia de 33$014 reis para a deixa das orfãs suas netas, filhas de Francisco de Albuqurque: Quiteria e Rosa/ filhas da defunta Eugenia Pedrosa: Ana, Antonia e Ursula.

 

Diz Rosa Maria, filha de Francisco de Albuquerque, que no cofre desta vila se encontra, por deixa de sua avó Antonia da Rosa, e como a suplicante tem mais de 25 anos (...).

 

Diz Caetano Jose de Azevedo que ele esta casado com Quiteria Guedes de Toledo como consta da certidão junta; sua mulher tem no cofre deste juizo uma deixa que lhe deixou sua avó Antonia da Rosa (...).

Certidão: Igreja Matriz de São Francisco das Chagas de Taubate - aos 02- outubro-1753 anos nesta freguesia se receberam Caetano Jose de Azevedo, natural da cidade de Lisboa, f. de Sebastião Pacheco e de s/m [danificado]ra Maria, ja defunta = com Quiteria Guedes de Toledo, bat. nesta freguesia de Taubate, f. de Francisco de Albuquerque e de s/m Feliciana Guedes, Test.: Timotheo Correa de Toledo, casado e Matias de Freitas de Sampaio, solteiro. Taubate 14-outubro-1753

 

Testamento: (...) aos 09-junho-1735 anos nesta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate eu Antonia da Rosa (...) faço este testamento: encomenda a alma.

Testamenteiros: meu filho Bernardo Guedes de Toledo e Manoel Pedroso de [---] e a meu filho Lourenço Guedes; encomenda o sepultamento e missas.

Sou natural desta vila de Taubate, f.l. de João Correa da Rosa e de s/m Maria Correa, ja defuntos. Fui casada com Pantaleão Pedroso de Toledo, ja defunto, do qual matrimonio tivemos sete filhos a saber: Pantaleão de Toledo/ Bernardo Guedes de Toledo/ Joseph Pedroso/ Lourenço Guedes / Francisco de Freitas/ Manoel Pedroso/ Feliciana Pedrosa/ e Eugenia Pedrosa, que Deus haja, casada com Manoel da Costa , tambem ja defunto. Declara bens.

Havendo remanescente deixo as minas netas, filhas de Francisco de Albuquerque e para as filhas da dita minha filha Eugenia Pedrosa (...)

Pedi a Antonio Jorge de Siqueira me fizesse e escrevesse este testamento e por não saber escrever por mim assinasse. Taubate dia mes e era atras declarada.

Aprovação 09-junho-1735

Abertura aos 10-junho-1735

 

Diz Bernardo Guedes de Toledo (...) se acham ausentes alguns herdeiros como é Pantaleão de Toledo e Joseph Pedroso de Toledo e dois menores que são Francisco de Freitas e Manoel de Toledo, os quais todos se acham pelas minas gerais onde se não sabe lugar certo em que se achem para serem citados (...).

 

         Compareceram oito filhos, uma filha já falecida representada por seus filhos:

10-4-6-1 Pantaleão de Toledo.

10-4-6-2 Eugenia Pedrosa de Toledo, com dispensa do impedimento de consanguinidade em 4º grau, casou com Manoel da Costa Cabral, filho de Francisca de Arruda Cabral e Pedro Leme do Prado (SL. 3º, 25, 3-8).

RMJ - 1713-1715 - ACMSP V 6- Est 4 Gav 1

Manoel da Costa Cabral e Eugenia Pedrosa de Toledo - 27-05-1715

Os oradores eram naturais de Taubaté, ele com 25 anos e ela 16.

4o grau de consanguinidade por descenderem de duas irmãs, Mecia Vaz e Francisca Cardosa.

De Mecia nasceu João Vaz da Cunha pai de Pantaleão Pedroso de Toledo pai da oradora.

De Francisca Cardosa nasceu Manoel da Costa Cabral, pai de Francisca de Arruda Cabral, mãe do orador

Testemunhas

Capitão Diogo Barbosa do Rego, 54 anos parente em 1o grau de afinidade com o orador

Sebastião Fernandes Correa, 50 anos, irmão do (pai da oradora) e primo (no terceiro grau) do orador por consanguinidade

          Eugenia testou em 02-07-1726 e faleceu em 05-05-1727. Foi inventariada em 20 de setembro do mesmo ano.

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponinilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Falecida Eugenia Pedrosa

Inventariante Manoel da Costa Cabral

Aos 20-setembro-1727 auto de inventário dos bens que ficaram de Eugenia Pedrosa, inventariante seu viuvo Manoel da Costa Cabral. Sua mulher falecera a 05-julho deste mesmo ano com seu testamento.

 

Titulo dos Filhos:

1- Ana de 10 anos.

2- Antonio de 7

3- Jose de 6

4- Ursula de 3 anos.

 

Testamento: Aos 02-julho-1726 eu Eugenia Pedrosa (...) faço este testamento: encomenda a alma.

Testamenteiros: meu irmão Bernardo Guedes e a meu marido Manoel da Costa Cabral; encomenda o sepultamento e missas.

Sou natural desta vila de Taubate, f.l. de Pantaleão Pedroso de Toledo e de Antonia da Rosa; sou casada com Manoel da Costa Cabral, da dita vila, de que tenho herdeiros quatro filhos de menor idade a saber: Ana/Antonio/Jose/Ursula. Declara bens - dividas, entre elas: devo a meu cunhado Pedro Leme, uma pataca; a minha cunhada Thomasia / declaro que devemos a Mariana, seis patacas, a bastarda de minha sogra// (...) roguei a meu irmão Lourenço de Toledo assinasse por mim por eu não saber ler e escrever nesta vila de Taubate em casa de meu pai Pantaleão Pedroso aos dois de julho de 1726 anos =

 

Aos 13-outubro-1732 Manoel da Costa Cabral requer se passe a tutoria de seus filhos (com Eugenia Pedrosa) a seu irmão João de Arruda Leme (...)

 

Dizem Jose da Costa e Antonia Pedrosa, orfãos que ficaram de Manoel da Costa e Eugenia Pedrosa, que Ds haja, (...) (pedem juros que se acham vencidos)

 

Sentença de folha de formal partilhas a favor de Milguel de Siqueira Gil, por cabeça de sua mulher Antonia da Rosa - 1744 -

 

Requerimento de Miguel de Siqueira Gil que se acha casado com uma das menores deste inventário chamada Antonia, que ele se havia habilitado neste juizo, por cabeça de sua mulher Antonia da Rosa, filha da defunta Eugenia Pedrosa e de Manoel da Costa Cabral, e se havia ja dado sua folha de partilha que se acha errada (por ter a dita sua mulher, no inventário da defunta sua avó Antonia da Rosa que lhe deixou uma parte da terça).

 

 (...) coube a cada um dos quatro menores 25$940 reis, donde achei que dois dos herdeiros estam já casado e inteirados, sendo os noutros dois que um é a mulher do dito Miguel de Siqueira Gil, achei que Pantaleão de Toledo, como fiador e principal pagador da defunta sua mãe Antonia da Rosa, devia exibir em juizo a conta (...).

 (...) se acha dois recibos de Francisco Martins, cujo casou com a herdeira Ursula, do mesmo inventário.

(...) parte do inventário de Antonia da Rosa avó de Antonia da Rosa mulher de Miguel de Siqueira Gil (...).

Autos aos 18-julho-1735 nesta vila Bernardo Guedes, filho da defunta Antonia da Rosa para fazer inventário.

Titulo dos herdeiros: Pantaleão de Toledo, casado// Jose Pedroso/ Bernardo Guedes, casado// Lourenço Guedes, casado// Francisco de Freitas// Manoel Pedroso/ Feliciana, casada/ Eugenia Pedrosa, defunta//

Terça liquida 33$014 reis

Monte Mor liquido 85$840

partido por 8 herdeiros, fica a cada um 10$730 reis.

 

Pagamento da Terça de 33$014 reis: para a deicha de seus netos orfãos, duas filhas de Franciso de Albuquerque: Quiteria e Rosa// e os filhos da defunta Eugenia Pedrosa: Ana, Antonia, Ursula// que por todos foram cinco legatários, que a cada um cabe 6$600 reis.

Eugenia e Manoel foram pais de:

10-4-6-2-1 Ana de 10 anos em 1727.

10-4-6-2-2 Antonia de 7 anos. Antonia Pedrosa depois Antonia da Rosa casou com Miguel de Siqueira Gil.

10-4-6-2-3 José de 6 anos em 1727 e 8 anos em 1731. José da Costa.

10-4-6-2-4 Ursula de 3 anos. Casou com Francisco Martins.

 

10-4-6-3 José Pedroso.

10-4-6-4 Bernardo Guedes de Toledo, batizado em Taubat em 06-02-1704. Aos 31-07-1728 casou com Maria Antunes de Miranda, batizada em 16-12-1696, filha de Pedro Teixeira e Maria Antunes da Estrela. Geração na família Maria da Cunha e Jeronimo da Veiga, neste site.

10-4-6-5 Lourenço de Toledo, 22 anos.

10-4-6-6 Francisco de Freitas, 20 anos. Francisco de Freitas de Toledo (Francisco Pedroso de Toledo), natural de Taubate. Em Prados-MG aos 20-02-1735, casou com Rosa Maria de Freitas, natural de Taubaté-SP, filha de Salvador Gil Cortes e Maria Pereira.

Prados, MG Igreja N Sra da Conceição aos 20-02-1735 nesta matriz Francisco Pedroso de Toledo, f.l. Pantaleão Pedroso de Toledo, já defunto e Antonia da Rosa Guedes = cc Rosa Maria de Freitas, f.l. Salvador Gil Cortes e Maria Pereira. Os contraentes ambos natureis da vila de Taubaté Bispado de S. Paulo e moradores nesta freguesia. Test.: Padre Manoel Gomes da Costa e Bento da Costa Silva.

Pais de, q.d.:

10-4-6-6-1 Francisco batizado em Prados em 21-03-1736.

Prados, MG Igreja N Sra da Conceição aos 21-03-1736 nesta matriz bat a Francisco, f. de Francisco Pedroso de Toledo e de s/m Rosa Maria, foram padrinhos Manoel João de Oliveira e Izabel Pires mulher de Domingos Francisco, ambos desta freguesia.

10-4-6-6-2 Antonio, batizado em 10-04-1738.

Prados, MG Igreja N Sra da Conceição aos 10-04-1738 nesta matriz bat a Antonio, f.l. Francisco Pedroso de Toledo em Rosa Maria, padr.: Antonio da Silveira e Angela Maria.

 

10-4-6-7 Manoel de Toledo, 18 anos em 1731. Manoel Pedroso de Toledo casou com Maria Vieira da Conceição. Geração de sete filhos em SL. 5º, 563, 2-6, entre eles:

10-4-6-7-2 Antonio Alvares de Toledo, batizado em Taubaté aos 26-07-1714 como Gaspar, mudou o nome na crisma. Em 16-05-1648 casou com Maria Pedrosa Leme, filha de Salvador da Motta Paes e da falecida Maria Bicuda. Geração de dez filhos em SL. 5º, 563, 3-2, entre eles:

10-4-6-7-2-8 Ignes Maria Alvares casou com o viúvo Caetano Alberto Correa, batizado na Candelária do Rio de Janeiro em 26-06-1752, filho de Antonio Francisco da Costa, natural da freguesia de S. Nicolau de Lisboa e de s/m Izabel Maria de Jesus, n. da ilha do Faial freguesia do Salvador e moradores nesta; neto paterno de Manoel Gonçalves, n. da vila Nova de Famelicão Arc. Braga e de s/m Maria Madalena da dita freguesia de S. Nicolau, neto materno de Paschoal Correa e de s/m Maria de São Jose, ambos da sobredita ilha.

Rio de Janeiro, RJ - Candelaria aos 26-06-1752 nesta paroquial bat a Caetano, f.l. de Antonio Francisco da Costa, n. de Lisboa freguesia de S. Nicolau e de s/m Izabel Maria de Jesus, n. da ilha do Faial freguesia do Salvador e moradores nesta; neto paterno de Manoel Gonçalves, n. da vila Nova de Famelicão Arc. Braga e de s/m Maria Madalena da dita freguesia de S. Nicolau, neto materno de Paschoal Correa e de s/m Maria de São Jose, ambos da sobredita ilha. Foram padrinhos Domingos Pereira Chaves e Teresa Cipriana de Jesus por pp que dela apresentou seu marido Caetano Rosado de Faria. Nasceu aos onze do corrente.

          Caetano foi primeira vez casado na Sé do Rio de Janeiro, com provisão de 1770, com Maria de Almeida de Gusmão, natural de Guaratingueta, filha de José Pinto de Gusmão e da falecida Maria da Mota Paes - aportes à GP: Antonio Francisco da Costa - citado em SL. VII, 460, 6-2 Maria de Almeida de Gusmão cc Alf. Caetano Alberto Correa

Ignez e Caetano tiveram, pelo menos, o filho:

10-4-6-7-2-8-1 Antonio Alvares Correa batizado em Guaratingueta em 24-09-1802. Habilitou-se às Ordens Sacras em 1822.

ACMSP - Genere et Moribus ano 1822

Autos de genere a favor de Antonio Alvares Correa - 26-novembro-1822

Antonio Alvares Correa, n/b na vila de Guaratingueta, f.l. do Alferes Caetano Alberto Correa, n. da freguesia de N. Sra da Candelaria da cidade do Rio de Janeiro e de Ignes Maria Alz, n. da dita vila, neto paterno de Antonio Francisco da Costa, n. da freg. de S. Nicolao da cidade e Patriarcado de Lisboa e de s/m Izabel Maria de Jesus, n. da freguesia de S. Salvador da ilha do Faial Bispado de Angra, nmaterno de Antonio Alz e de s/m Maria Pedrosa, da sobredita vila de Guaratingueta

 

Certidão: aos 24-setembro-1802 nesta matriz bat a Antonio, f. l. de Caetano Alberto, alferes e de Ignez Maria Alvares, nascido a 20 do corrente e foram padrinhos o Alferes Antonio Pires Qurido e Ana Caetana de Jesus mulher de Manoel Ferreira,o padrinho da vila de Cunha e todos os mais desta vila. Guaratingueta 13-9bro-1822.

 

Diz Antonio Alz Correa, clerigo subdiacono deste bispado, natural e morador da vila de Guaratingueta, f.l. de Caetano Alberto Correa, ja falecido e de Ignez Maria de Toledo, aquele n. do Rio de Janeiro e esta da supra dita vila de Guaratingueta, npaterno de Antonio Francisco da Costa n. da Europa Portuguesa, e de Izabel Maria de Jesus, n. das ilhas, e neto materno de Antonio Alz de Toledo e de Maria Pedrosa Leme, ambos naturais e moradores deta vila de Guaratingueta. (...) mande proceder as deligencias na vila de Guaratingueta, dispensado as requisitorias para inquirição em Portugal por ser o habilitando primo irmão do Padre João Euzebio filho do Cap. Victoriano Jose da Costa, legitimo irmão de Caetano Alberto Correa, pai do suplicante, todos bem conhecidos nesta vila de Guaratingueta.

 

Testemunhas:

 

Certidão de Banhos - Catedral na Sé desta cidade do Rio de Janeiro -

Caetano Alberto Correa, f.l. de Antonio Francisco da Costa e de s/m Izabel Maria de Jesus, natural e bat. na dita freguesia de N. Sra da Candelaria desta ciudade = com Maria de Almeida de Gusmão, f.l. de Jose Pinto de Gusmão e de s/m Maria da Mota, ja defunta, natural e bat. na vila de Santo Antonio de Guaratingueta, onde são moradores, Bispado de São Paulo - (...) e não lhes saiu impedimento algum. E o denunciado Caetano Alberto Correa fora batizado na sobredita freguesia de N. Sra da Candelaria desta cidade aos 26-junho-1752 anos por filho leg. dos ditos pais e havera nascido aos 11 do dito mes de junho. Cidade do Rio de Janeiro 18-abril-1770

 

(por não encontrar o assento de batismo de Antonio Alz de Toledo, avo materno do habilitando) requer a certidão tirada dos autos de casamento daquele (...).

Vila de Santo Antonio de Guaratingueta: certifico que revendo os autos de casamento de Antonio Alves de Toledo com Maria Pedrosa Leme (...), certifico que: aos 26-julho-1713 bat a Gaspar, que este era o nome de batismo, que na crisma é Antonio, filho de Manoel de Toledo Piza e de s/m Maria da Conceição, foram padrinhos Ignacio Moreira e Sebastiana de Aguiar. 10-maio-1748

 

Certifico que revendo o livro antigo de assentos de casamentos se acha o assento seguinte: aos 16-maio-1748 se receberam Antonio Alves de Toledo, f. de Manoel Pedroso de Toledo e de s/m Maria da Conceição, naturais, moradores e fregueses desta vila de S. Francisco das Chagas de Taubate = com Maria Pedrosa Leme, f.l. de Salvador da Motta Paes e de s/m Maria Bicuda, ja defunta, naturais, moradores e fregueses da freguesia de Santo Antonio de Guaratingueta. Tes.: Thome Portes del Rei e Andre Corsino dos Santos, e Maria do Rego Barbosa e Utsula Izabel de Mello, todos moradores e fregueses desta vila. Vila de Taubate 12-fevereiro-1828

Testemunhas.

Autos de Patrimonio

 

10-4-6-8 Felicia Pedrosa (tambem Feliciana Pedrosa de Toledo) casada com Francisco de Albuquerque (Saraiva), filho de Manoel Pacheco de Albuquerque e Catarina Moreira de Godoy - família Duarte Pachecvo de Albuqeruque Cap. 1º.

SL. 8, 374, 3-3 Francisco de Albuquerque casou em Taubaté com Feliciana Guedes, f.ª de Pantaleão Pedroso de Toledo e de Antonia Guedes da Rosa. Teve q. d.:4-1 e 4-2.

4-1 José Correa de Toledo,

4-2 João Ribeiro de Toledo,

Alem dos filhos citados em SL. 8º, 374, 3-3, Feliciana e Francisco tiveram mais os filhos, q.d.:

10-4-6-8-3 Rosa Maria, legatária da avó materna Antonia da Rosa.

Diz Rosa Maria, filha de Francisco de Albuquerque, que no cofre desta vila se encontra, por deixa de sua avó Antonia da Rosa, e como a suplicante tem mais de 25 anos (...).

10-4-6-8-4 Quiteria Guedes de Toledo, tambem legatária da avó materna. Em Taubate aos 02-10-1753 casou com Caetano José de Azevedo, natural da cidade de Lisboa, f. de Sebastião Pacheco e de s/m já falecida.

inserida no inventário de Antonia da Rosa:

Certidão: Igreja Matriz de São Francisco das Chagas de Taubate - aos 02- outubro-1753 anos nesta freguesia se receberam Caetano Jose de Azevedo, natural da cidade de Lisboa, f. de Sebastião Pacheco e de s/m [danificado]ra Maria, ja defunta = com Quiteria Guedes de Toledo, bat. nesta freguesia de Taubate, f. de Francisco de Albuquerque e de s/m Feliciana Guedes, Test.: Timotheo Correa de Toledo, casado e Matias de Freitas de Sampaio, solteiro. Taubate 14-outubro-1753

10-4-6-8-5 Manoel Joaquim de Toledo, natural de Taubaté-SP. Em Carrancas-MG aos 24-01-1776 casou com Maria Leme Ribeira, filha de Josefa Lemes de Lima e seu segundo marido João Duraens, neta materna de João Bicudo do Espirito Santo e Maria Leme Soares. Geração na família “João Bicudo do Espirito Santo”.

B7: casamentos Igreja Nossa Senhora da Conceição (Carrancas, Minas Gerais) aos 24-01-1776 Manoel Joaquim de Toledo, f.l. Francisco de Albuquerque Saraiva e Feliciana Guedes de Tolledo, n/b na freg. de Taubaté bispado de S. Paulo; = cc. Maria Leme Ribeira,  f.l. João Duraens e Josefa Lemes de Lima, n/b nesta freguesia. Test.: Antonio de Souza Lopes e Luiz Alves Taveira.

 

10-4-11 Catharina de Freitas de Toledo (ou Catarina Ribeiro de Toledo), natural de Taubaté-SP, filha de João Vaz da Cunha e de Ana Ribeira Rodovalho. Casou com Manoel Carvalho da Rocha (ou Manoel da Rocha de Carvalho), com 54 anos em 1739, natural da freguesia de Santa Maria de Nine Arc. Braga (dispensa da filha Inácia). Catharina faleceu com testamento ditado aos 04-05-1725 no Sítio do Rio Verde Distrito de Capivari, Termo da Vila de São João del Rei e foi inventariada pelo viúvo em 22-10-1726.

     Catarina e Manoel tiveram três filhas segundo o testamento e inventário (neste site):

10-4-11-1 Joana, com 15 anos em 1726. Segundo a GP (SL. 6, 282, 5.1) casou com José Machado (do Prado), filho de João Machado Fajardo e de Bernarda Luís.

Pais de, pelo menos:

10-4-11-1-1 Inácio Machado de Toledo casou com Francisca Xavier Pedroso (SL. 6, 282, 5.1)

10-4-11-1-2 Maria de Toledo casou com Joaquim Cardoso Lauriano. Pais de, q.d.:

10-4-11-1-2-1 Joaquim Cardoso de Toledo casou com Escolástica Maria Barbosa (SL. 3, 38, 6-2)

10-4-11-1-2-2 Antonio Cardoso de Toledo aos 24-06-1794 casou com Felicidade Antonia de Lima, filha de pais incognitos.

Jacui, MG matr. - aos 24-06-1794 matriz Antonio Cardoso de Toledo n. Mogi Guaçu, f.l. Joaquim Cardoso Lauriano e Maria de Toledo, falecidos = cc Felicidade Antonia de Lima n. desta freguesia, f. pais incognitos.

10-4-11-2- Andreza, com 12 anos. Andreza Nunes de Toledo casou com João Machado do Prado, irmão inteiro de José Machado supra citado. Geração de dois filhos em SL. 8, 203, 4-1:

10-4-11-2-1 Antônio Machado de Toledo, citado na GP. Casado em 1771 em Mogi-Guaçu com Teresa Pedroso, filha de Cláudio Furquim de Campos e de Maria de Lima do Prado.

10-4-11-2-2 Isabel de Toledo, tambem citada na GP. Casada em 1772 em Mogi-Guaçu com João Pedroso Xavier, filho de Símplício Pedroso, de Santana de Parnaíba e de Maria da Rocha

10-4-11-2-3 Inácia de Toledo casou com Manoel Paes Gonçalves, filho de João Paes e Isabel Pedroso. Pais de, pelo menos:

10-4-11-2-3-1 João Paes Gonçalves casou com Ursula Maria, filha de João Leme Barbosa e Rita Pedroso da Rocha SL. 3, 38, 6-1.

10-4-11-2-4 João Machado de Toledo casou com Maria Paes Garcia, filha de João Paes Gonçalves e Izabel Pedroso ambos da vila da Parnaiba, supracitados.

          João teve, de Gertrudes Martins, a filha natural:

10-4-11-2-4-1n Martinha Machado aos 14-10-1779 casou com Antonio José da Rocha, natural de Pitangui, filho de Manoel da Rocha, natural de Braga e Arcangela Maria natural de Pitangui.

Jacui, MG matr. - aos 14-10-1779 matriz Antonio Jose da Rocha n. de Pitangui, f.l. Manoel da Rocha n. de Braga e Arcangela Maria n. do Pitangui = cc Martinha Machado n. de Mogi Guaçu, f. natural de João Machado e Gertrudes Martins ambos de Mogi Guaçu, np João Machado do Prado e Andresa de Toledo de Mogi Guaçu, ignorando-se os avos maternos.

 

João e Maria Paes tiveram os filhos legitimos, q.d.:

10-4-11-2-4-1 Bernarda Maria da Conceição aos 26-07-1784 casou com Antonio João Sobreira filho de José Fernandes Sobreira e Ana Maria Rabela

Jacui, MG matr. -  aos 26-07-1784 Antonio João Sobreira f.l. Jose Fernandes Sobreira e Ana Maria Rabela = cc Bernarda Maria da Conceição f.l. João Machado de Tollledo e Maria Paes Garcia, todos desta freguesia.

          Antonio faleceu em 16-05-1800, com 38 anos declarados.

(pesq.Silvia Buttros) Jacui, MG obitos - Antônio João Sobreira c/c Bernarda Maria, Nat. Piumhi, 38 anos, 16/05/1800.

10-4-11-2-4-2 Ana Machada de Toledo aos 03-03-1791 casou com Manoel Rodrigues da Silva, filho do falecido João Rodrigues da Silva e Maria Vieira de Araújo casados em 07-11-1769, neto paterno de Antonio Rodrigues Moreira e Ana Maria Franca da Silva, neto materno de Timoteo dos Reis de Araújo e Rita Maria da Assunção.

Jacui, MG matr. - aos 03-03-1791 nesta matriz Manoel Rodrigues da Silva n. desta freguesia f.l. João Rodrigues da Silva, falecido e Maria Vieira de Araujo ambos naturais de Mogi Guaçu, neto paterno de Antonio Rodrigues Moreira e Ana Maria nts da dita freguesia de Mogi Guaçu, neto materno de Timoteo dos Reis e Rita Maria da Assunção natural desta freguesia = cc Ana Machada de Toledo n. desta freguesia f.l. João Machado de Toledo e Maria Paes Garcia, da dita freguesia, neta paterna de João Machado do Prado da dita freguesia e Andresa Nunes de Toledo n. da vila de Taubate, neta materna João Paes Gonçalves e Izabel Pedroso ambos da vila da Parnaiba e falecidos. Ambos os contraentes moradores do bairro dos Pinhais.

 

Jacui, MG matr - aos 07-11-1769 matriz João Rodrigues da Silva, f.l. Antonio Rodrigues Moreira e Ana Maria Franca da Silva, n/b na freg. N. Sra da Conceição de Mogi Guaçu Bispado de S. Paulo = cc Maria Vieira de Araujo, f.l. Timoteo dos Reis de Araujo e Rita da Assunção, n/b na freg. de N. Sra da Conceição de Mogi Guaçu Bispado de S. Paulo.

10-4-11-2-4-3 André Machado de Toledo aos 30-04-1799 casou com Mariana Branca da Silva, irmã inteira de Manoel Rodrigues supracitado.

Jacui, MG matr. - aos 30-04-1799 nesta matriz Andre Machado de Toledo n desta freg. f.l. João Machado de Toledo n. da freg. de Mogi Guaçu e Maria Paes Gonçalves = cc Mariana Branca da Silva n. desta freguesia f.l. João Rodrigues da Silva, falecido e natural de Mogi Guaçu e Maria Vieira de Araujo n. desta freguesia. Os contraentes moradores no bairro dos Pinhais.

10-4-11-2-4-4 Maria Gertrudes da Conceição aos 24-11-1800 casou com Manoel Joaquim de Toledo, natural de Vila Rica, filho de José de Toledo Barros e Maria Caetana da Silva (SL. 6, 445, 6-2)

Jacui, MG matr. aos 24-11-1800 Manoel Joaquim de Toledo n. de Vila Rica matriz de Antonio Dias do bispado de Mariana f.l. Jose de Toledo Barros e Maria Caetana da Silva = cc Maria Gertrudes da Conceição n. desta freguesia f.l. João Machado de Toledo e Maria Paes Graci.

 

10-4-11-3 Inácia natural de Taubaté, com 8 anos em 1726, filha de Catharina de Freitas de Toledo (ou Ribeira de Toledo) e Manoel Carvalho da Rocha (ou da Rocha Carvalho). Inácia de de Freitas de Toledo em 06-11-1739 tirou provisão para se casar com Francisco Alves da Cunha, filho de Manoel Alves da Cunha e Agustinha de Albuquerque, naturais da freguesia de São Pedro da Sé da cidade de Pernambuco.

ACMSP Dispensas Matrimoniais ano 1739

Francisco Alves da Cunha e Ignacia de Freitas de Toledo aos 06-novembro-1739

Quer casar Francisco Alves da Cunha, f.l. de Manoel Alz da Cunha e de s/m D. Agustinha de Albuquerque, naturais da cidade de Pernambuco, da freguesia de São Pedro da Sé = com Ignacia de Freitas de Toledo, f.l. de Manoel da Rocha de Carvalho e s/m Catarina Ribeira de Toledo, ja defunta, da vila de Taubate.

Ignacia de Freitas de Toledo, moradora em Mogi Guaçu, batizada na vila de Taubaté (...) quer justificar a menoridade.

(...) a contraente é moradora nesta freguesia Ha nove para dez anos e tem dado satisfação aos preceitos da quaresma (...) Mogi do Campo 02-novembro-1739 O Coadjutor Diogo Barbosa Rebello.

Testemunhas:

- Andre Correa de Toledo, n/morador na vila de Taubate, filho leg. de Vaz Cardoso e Francisca de Freitas Cortes, de idade 27 anos.

- Ignacio Pedroso de Barros, n/morador em a vila de Pindamonhangaba, casado, vive de suas lavouras, de idade de 33 anos, parente da justificante no 3º grau de afinidade. (...) conhece a justificante Ignacia de Freitas de Toledo, f.l. de Manoel da Rocha de Carvalho e de Catarina de Freitas de Toledo, naturais da vila de Taubate (...).

- Manoel da Rocha de Carvalho, natural da freguesia de Santa Maria de Nine Arc. Braga, assistente nesta freguesia de Mogi do Campo, viúvo, vive de suas lavouras, de idade 54 anos, pai da justificante. (...) a justificante Ignacia de Freitas de Toledo é filha tambem de Catarina de Freitas de Toledo, ja defunta, e foi batizada em a Igreja Matriz da vila de Taubate na era de mil setecentos e quinze pouco mais ou menos e foram padrinhos Manoel de Toledo e Teresa Ribeira (...) (aa Manoel da Rocha de Carvalho).

          Inácia faleceu em 30-10-1740. Em 01-12-1740 Francisco tirou provisão para se casar com Maria Vieira da Silva, filha de Manoel Vieira da Silva Paiva e de s/m Joana Rodrigues - família Joana Simoa Rodrigues, neste site.

SP, SP Ignacia de Freitas de Toledo - aos 30-outubro-1740 faleceu Ignacia de Freitas de Toledo, mulher que foi de Francisco Alves da Cunha. Fez seu testamento e nele declarou fosse sepultado seu corpo na capela de N. Sra do Rosario dos Pretos. Testamenteiros seu marido Francisco Alves da Cunha e a Si---- de Toledo Rodovalho.

 

10-5 Maria da Cunha casou primeira vez com Fernão de Siqueira. Em 1664 estava casada com Francisco Rodrigues do Prado. Francisco faleceu com testamento de 1667, que recebeu o cumpra-se em 12-11-1667 e foi inventariado em 01-04-1668. Maria testou em 04-11-1687 e foi inventariada em 21-01-1689.

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Inventariado Francisco Rodrigues do Prado

Autos aos 01-04-1668 nesta vila de S. Paulo em casas do Revdo Padre Antonio Rodrigus do Prado

Inventariado Francisco Rodrigues do Prado

Inventariante a viuva Maria da Cunha. Assina a seu rogo Francisco da Cunha

Titulo dos Filhos:

Antonio, 4

Maria, 3

Alexandre, 2 anos.

Testamento ano de 1667 eu Francisco Rodrigues (...)

Testamenteiros Domingos Lopes e Antonio Lopes de Medeiros.

Fui casado com Maria da Cunha e tive os filhos seguintes: Antonio = Alexandre = e Maria.

(aa) Francisco Rodrigues do Prado

Cumpra-se 12-11-1667

 

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Acostado inventario de Maria da Cunha

Autos aos 21-01-1689 nesta vila de S. Paulo nas casas de Manoel ----------- de Brito.

Inventariante Antonio Rodrigues, filho da defunta.

Titulo dos Herdeiros

- os orfãos de Francisco de Siqueira

- Maria Cardosa cc Antonio Pimentel

- Antonio Rodrigues

- Alexandre Rodrigues de 22 anos

Testamento

Aos 04-11-1687 no termo desta vila de S. Paulo chamado ---urubu.

Declaro que fui c1c ------------ de Siqueira - um filho por nome Francisco. C2c Francisco Rodrigues [---------]

Paguei a meu filho Francisco de Siqueira (...) da sua legitima.

Devo a meu filho Antonio e a seu irmão Alexandre a legitima de seu pai.

Maria da Cunha e Fernão de Siqueira tiveram o filho único:

10-5-1 Francisco de Siqueira, já falecido em 1689, deixou filhos menores.

 

Maria da Cunha e Francisco Rodrigues do Prado tiveram três filhos:

10-5-2 Antonio, com 4 anos em 1668. Antonio Rodrigues, inventariante materno. Antonio Rodrigues do Prado foi o primeiro marido de Catarina Vieira. Faleceu com testamento de 16-09-1694 com cumpra-se dre 01-11 do mesmo ano. Catarina casou segunda vez com o Ajudante Luiz Teixeira de Azevedo.

         Segundo inventário de Antonio (SAESP vol. 23º neste site), foram três os filhos com Catarina, curatelados pelo tio Alexandre Rodrigues:

10-5-2-1 Francisco com 4 anos em 1694. Francisco Rodrigues do Prado requer a legitima em 1721. Casou com Maria Morgada.

10-5-2-2 José com 2 anos. José Rodrigues, já falecido em 1721, herdou seu irmão Francisco.

10-5-2-3 Timoteo com sete meses. Timoteo Rodrigues idem.

10-5-3 Maria com 3 anos. Maria Cardosa (ou Rodrigues do Prado) casou com Antonio Pimentel (SL. 8, 24, 3-5).Pais de, q.d.:

10-5-3-1 Manoel Alvares Pimentel em Itu em janeiro de 1711 casou com Maria de Godoy, filha de Baltazar de Godoy Mendonça e Francisca Cordeira de Paiva. Geração em SL. 6, 26, 2-6.

Itu-SP Igreja N Sra da Candelaria na era de 1711 anos Manoel Alvres Pimentel, filho de Antonio Pimentel e s/m Maria Roiz se recebeu com Maria de Godoy, filha de Baltazar de Godoy Mendonça e de s/m Francisca Cordeira de Paiva aos -- de janeiro da sobredita era.

10-5-3-2 Sebastiana Pimentel em Itu aos 28-11-1726 casou com José de Arruda, filho de Sebastião de Arruda e Izabel de Quadros (SL. 4, 126, 1-4)

Itu-SP Igreja N Sra da Candelaria na era de 1726 Joseph de A|rruda filho de Sebastião de Arruda e s/m Izabel de Quadros se recebeo com Sebastiana Pimentel filha de Antonio Pimentel, ja defunto e de s/m Maria Rodrigues do Prado. Test.: Francisco de Arruda, Antonio Correa, Catharina Pais; aos 28 de novembro era ut supra.

10-5-4 Alexandre com 2 anos. Alexandre Rodrigues, com 22 anos em 1689. Em 1696 era curador dos órfãos seus sobrinhos, filhos de Antonio.

10-6 Maria Cardoso casada com Francisco Pedroso Xavier. Cap. Francisco faleceu com testamento com cumpra-se em 09-01-1680 e foi inventariado na Parnaiba no mesmo ano. Declarou seis filhos de seu casal (SAAESP vol. 20º, neste site).

10-6-1 Mécia Vaz Pedroso casou em 1681 com Antonio Furquim, batizado em 17-02-1658, filho de Estevão Furquim e Maria da Luz. Geração na família “Antonio Furquim da Luz”, neste site.

SP, SP Igreja N Sra da Assunção aos 17-02-1658 bat a Antonio, f.l. Estevão Furquim e Maria da Luz, padr.: Claudio Furquim e Maria Gonçalves.

 

ASBRAP 2 - fls. 101 a 121 - Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. Antonio Furquim da Luz, filho de ---- e de ---, com Mecia Vaz Pedroso, filha de Francisco Pedroso Xavier e Maria Cardoso (ano de 1681)

10-6-2 Izabel Pedroso casou em 1683 na Parnaiba com Claudio Furquim da Luz, irmão inteiro de Antonio Furquim da Luz supra citado, filhos de Estevão Furquim e Maria da Luz. Geração de nove filhos em SL. 6º, 260, 2-5.

ASBRAP 2 - fls. 101 a 121 - Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. Claudio Furquim da Luz, filho de Estevão Furquim e Maria da Luz, com Isabel Pedroso, filha do Cap. Francisco Pedroso Xavier e Maria Cardoso (ano de 1683)

Entre os filhos do casal:

10-6-2-3 (Segundo SL. 6º, 285, 3-3) Capitão Francisco Pedroso Furquim, f.º de Claudio Furquim da Luz n.º 2-5, foi casado com Maria de Alvarenga Leite f.ª de Francisco Leme de Alvarenga e de Anna de Alvarenga Leite. Teve q. d.: 4-1 a 3, entre eles:

10-6-2-3-1 Francisco Pedroso de Alvarenga, natural da vila de Itu onde aos 25-11-1772 casou com Maria de Almeida de Jesus (citada na GP como Maria de Araújo), natural de Mogi, filha de Antonio de Almeida Velho, natural da vila da Parnaiba e de s/m Gertrudes de Almeida de Jesus, natural de Araçariguama, neta paterna de José Velho Moreira e de s/m Turibia de Almeida Naves, naturais da Parnaíba, neta materna de Pedro Leme Ferreira e de s/m Izabel de Lara naturais de Araçariguama (família Isidoro Pinto da Silva e SL. 6º, 39, 2-4).

Itu, SP aos 25-11-1772 nesta matriz se receberam Francisco Pedroso de Alvarenga, natural da vila de Itu, f. do Capitão Francisco Pedroso Furquim, n/b na vila de Parnaíba?, e de sua mulher Maria de Alvarenga, n/b nesta vila de Itu = com Maria de Almeida de Jesus, n/b na freguesia de Mogy, f.l. de Antonio de Almeida Velho, n/b na vila da Parnaiba e de s/m Gertrudes de Almeida de Jesus, n/b na freguesia de Araçariguama. O contraente neto paterno de Claudio Furquim da Luz e de s/m Isabel Pedroso e neto materno de Francisco Leme de Alvarenga e de s/m Ana de Alvarenga, naturais e batizados nesta vila de Itu. A contraente neta paterna de Jose Velho Moreira e de s/m Maria(sic) de Almeida Naves, naturais e batizados na Parnaiba, neta materna de Pedro Leme Ferreira e de s/m Izabel de Lara naturais e batizados na freguesia de Araçariguama. Testemunhas: Cláudio Furquim da Luz, ------ Alvarenga, João Leite da Silva Lara, e outras pessoas (...)

10-6-2-3-2 Claudio Furquim Pedroso de Alvarenga, desconsiderar, na GP, os matrimônios e geração que são do primo homônimo 10-6-2-7-3 abaixo.

SL. 6º, 286, 4-2 Claudio Furquim Pedroso de Alvarenga, habilitou-se de genere, porém casou 1.º com Anna Maria de Arruda e 2.ª vez em 1781 em Sorocaba com Anna de Almeida Lima f.ª do capitão-mor José de Barros Lima e de Lucrecia de Almeida, à pág. 217 deste. Teve da 2.ª mulher q. d.: 5-1 e 5-2

 

10-6-2-6 Bernardo Furquim Pedroso batizado em 19-02-1686 em Santana de Parnaiba (SAESP vol. 47º carta de emancipação). Em 07-08-1721 requereu dispensa do impedimento de consanguinidade em 3º grau para se casar com Leonor Domingues, filha de João da Rocha, neta paterna de Leonor Domingues irmã de Estevão Furquim avô paterno de Bernardo.

RMJ Dispensa Matrimonial- 1718 a 1720 - ACMSP Vol 9 estante 4 gaveta 2

Bernardo Furquim e Leonor Domingues

07-08-1721

Estevão Furquim, irmão de Leonor Domingues, teve um filho por nome Claudio Furquim do qual procedeo o orador.

De Leonor Domingues descendeu João da Rocha e deste a oradora

Impedidos no 3º grau de consanguinidade

Testemunhas e.o.

Capitão Mayor Dom Simão de Tolleo Piza, casado e dos nobres ---enta e tres annos.

Diogo Barbosa 51 anos casado (na assinatura está Diogo Barbosa do Rego)

Pedro Delgado de Camargo solteiro e dos nobres, 45 anos

10-6-2-7 Simplicio Pedroso, natural da Parnaíba. Em Itu aos 27-04-1723 casou com Maria do Rosario Leite, filha de Francisco Leme de Alvarenga e de s/m Ana de Alvarenga, viuva de Antonio Soares de Godoy filho de Sebastião Gil e de s/m Maria Soares (SL. 5º, 225, 3-3).

Itu, SP Simplicio Pedroso, filho do defunto Claudio Furquim e de s/m Izabel Pedroso, naturais da vila da Parnaiba, se recebeu com Maria do Rosario, f. de Francisco Leme de Alvarenga e de s/m Ana de Alvarenga, viuva de Antonio Soares de Godoy filho de Sebastião Gil e de s/m Maria Soares. Test.: Pantaleão Pedroso da Silva, Izabel Pires, Francisco Pereira, Ignez Monteira todos naturais e moradores nesta freguesia aos 27 de abril de 1723

Geração em SL. 6º, 288, 3-7, entre eles:

10-6-2-7-2 Francisco Pedroso Furquim natural de Itu onde aos 10-01-1775 casou com Gertrudes Ribeira da Silva, daí natural, filha de Pedro de Godoy da Silva e de s/m Mecia Ribeira de Proença naturais de Itu, neta paterna de João de Godoy da Silva e Maria de Almeida Ferreira, neta materna de José Ribeiro da Costa, n. da vila da Parnaiba e de s/m Maria Simoa de Proença, natural de Itu.

Itu, SP aos 10-01-1775 nesta matriz e testemunhas Rafael Leme de Oliveira, casado e Gabriel Ponce de Leão, casado fregues da freguesia de Araritaguaba e este Rafael fregues desta freguesia, se receberam Francisco Pedroso Furquim, n/b nesta vila de Itu, f.l. de Simplicio Perdroso Furquim, n. da vila de Parnaiba e de s/m Maria do Rosario Leite n. desta vila de Itu, npaterno de Claudio Furquim e de s/m Izabel Pedrosa nts da vila de Parnaiba, nmaterno Francisco Leme de Alvarenga e de s/m Ana de Alvarenga nts desta vila de Itu = com Gertrudes Ribeira da Silva, n. desta vila, f.l. de Pedro de Godoy da Silva e de s/m Mecia Ribeira de Proença naturais desta vila, npaterna de João de Godoy da Silva n. desta vila de Itu, e de s/m Maria de Almeida Ferreira a sua naturalidade não me souberão dizer, neta materna de Jose Ribeiro da Costa, n. da vila da Parnaiba e de s/m Maria Simoa de Proença n. desta vila,

10-6-2-7-3 Claudio Furquim de Alvarenga, natural de Araçariguama. Em Itu aos 21-05-1762 casou com Ana Maria de Arruda, filha de Manoel de Sampaio Pacheco, natural da vila de Ribeira Grande Ilha de S. Miguel Bispado de Angra, e de Veronica Dias Leite, natural de Itu, neta paterna de Manoel Pacheco Botelho e de s/m D. Maria de Arruda, naturais do Lugar das Calhetas freguesia do Senhor Bom Jesus da ilha de S. Miguel

Itu, SP aos 21-maio-1762 nesta matriz e testemunhas João Francisco Vasconcelos e Antonio Ferraz Pacheco se casaram Claudio Furquim de Alvarenga e Ana Maria de Arruda, esta natural aqui de Itu e aquele de Araçariguama, fregueses ambos desta freguesia de Itu. Ela filha leg. de Manoel de Sampaio Pacheco e de Veronica Dias Leite, esta natural de Itu e aquele da vila de Ribeira Grande Bispado de Angra Ilhas de S. Miguel, npaterna de Manoel Pacheco Botelho e de s/m D. Maria de Arruda, naturais da dita ilha de S. Miguel do Lugar das Calhetas freguesia do Senhor Bom Jesus; e o contraido filho legitimo de Simplicio Pedroso Furquim e de Maria do Rosario Leite, naturais da freguesia de Araçariguama, e não soube dar noticia de seus avós, ou dos avós do dito contraido.

          Segunda vez, Claudio casou com Ana de Almeida, filha do capitão-mor José de Barros Lima, natural da vila de Viana e de Lucrecia de Almeida, Arc. Braga e casados em Sorocaba aos 08-08-1730, neta paterna de Antonio de Proença de Abreu e da falecida Francisca de Almeida (SL. 6º, 214, 6-6)

Sorocaba, SP, aos 08-agosto-1730 se receberam Jose de Barros Lima, f.l. de Agostinho Martins de Barros e de s/m Francisca de Lima, naturais e moradores da vila de Viana Arc. Braga = com Lucrecia de Almeida, f.l. de Antonio de Proensa Abreu e de s/m Francisca de Almeida, ja defunta. Test.: João Bicudo de Proensa, Jose Nogueira Homem, Blanca de Almeida, Ana de Proensa.

          Claudio Furquim de Alvarenga e sua segunda mulher Ana de Almeida tiveram dois filhos descritos na GP:

10-6-2-7-3-1 Maria Furquim, natural de Sorocaba onde aos 23-03-1800, casou com Antonio de Camargo, natural de Itu, filho de Antonio de Camargo e de Gertrudes de Arruda (SL.1º, 189, 5-5).

Sorocaba, SP aos 23-março-1800 nesta matriz e testemunhas Francisco de Paula Leite e Alf. Agostinho Jose de Camargo, se receberam Antonio de Camargo, n. da vila de Itu, f.l. de Antonio de Camargo e de Gertrudes de Arruda = com Maria Furquim, n. desta vila de Sorocaba, f.l. do Alf. Claudio Furquim de Alvarenga e de Ana de Almeida. O contraente da vila de Itu e os mais desta,

10-6-2-7-3-2 José Furquim Pedroso em Sorocaba aos 08-08-1809 casou com Izabel de Camargo, filha de Jose de Camargo Paes e de Maria Bernarda (SL. 1º, 190, 5-10)

Sorocaba, SP aos 08-agosto-1809 nesta matriz dispensados do parentesco de 2º grau de consanguinidade e testemunhas o Revdo. Jose Coelho e o Revdo Bento Paes, se receberam Jose Furquim Pedroso e Izabel de Camargo. Aquele f.lo. do Alf. Claudio Furquim e de Ana de Almeida, esta filha leg. de Jose de Camargo Paes e de Maria Bernarda, todos naturais e fregueses desta vila.

 

10-6-2-8 Maria Furquim em 1703 casou com Jeronimo Dias Barroso, filho do falecido Luiz Barroso e Maria Leme. Maria Furquim citada como Ana Furquim em SL. 6, 289, 3-8 e SL. 3, 167, 4-1

ASBRAP 2 - fls. 101 a 121 - Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. Jeronimo Dias Barroso, f. Luiz Barroso, fal. e Maria Leme (de S. Paulo) = com Maria Furquim, f. Claudio Furquim e Izabel Pedroso - ano de 1703

10-6-2-9 Escolática Furquim em 1704 casou com José Ferraz, filho do falecido Antonio Ferraz e Maria Pires. Geração em SL. 2, 499, 4-2.

ASBRAP 2 - fls. 101 a 121 - Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. 114 - Jose Ferraz, filho de Antonio Ferrraz, fal. e Maria Pires, com Escolastica Furquim, filha de Claudio Furquim e Izabel Cardoso (ano de 1704)

10-6-3 Catarina Pedroso em 1690 casou com Simão Bueno. Geração em SL. 1, 508, 2-5

ASBRAP 2 - fls. 101 a 121 - Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. Simão Bueno, filho de .... e de .... , cc Catarina Pedroso9, filha de .... e de ... (ano de 1690)

10-6-4 Maria Pedroso em 1693 casou com Estevão Ortiz de Camargo, filho de José Ortiz de Camargo e de Isabel Ribeira. Geração em SL. 6, 295, 2-1.

ASBRAP 2 - fls. 101 a 121 - Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. Estevão Ortiz de Camargo, filho de José Ortiz de Camargo e de Isabel Ribeira (de S. Paulo), com Maria Cardoso, filha do Cap. Francisco Pedroso Xavier, fal. e Maria Carodso (ano de 1693)

10-6-5 João Pedroso Xavier casou duas vezes. Em 1692 casou com Ana Cardoso, filha de Bartolomeu Bueno e de Isabel Cardoso (SL. 1. 510, 2-6)

ASBRAP 2 - fls. 101 a 121 - Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. João Pedroso, filho de Francisco Pedroso, fal. e Maria Cardoso, com Ana Cardoso, filha de Bartolomeu Bueno e de Isabel Cardoso (ano de 1692)

         Segunda vez em 1704 casou com Sebastiana da Silva, filha de Manoel Dias da Silva e de Catarina Rodrigues (SL. 2, 170, 2-7).

ASBRAP 2 - fls. 101 a 121 - Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. João Pedroso Xa\vier, filho de Francisco Pedroso Xavier, fal. e Maria Cardoso, com Sebastiana da Silva, filha de Manoel Dias da Silva e de Catarina Rodrigues (ano de 1704)

         João faleceu em 14-08-1707 e foi inventariado em 21-02-1708. Deixou quatro filhos, uma filha já falecida.

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

capa:João Pedroso Xavier ano 1708 antana de Parnaíba

Cap. João Pedro Xavier

Autos do inventario 21-02-1708 vila de Parnaiba

Inventariante a cabeça de casal Sebastiana da Silva.

Deixara quatro filhos: Maria cc Cap. Phelipe Cardoso - Izabel de idade 12 anos = Guilherme de 8 anos = Ana ja defunta.

O dito defunto falecera aos 14-08-1707

10-6-5-1 Maria Cardoso (citada em SL. 7, 148, 4-1 como Maria Bueno) casou em 1706 com Felipe Cardoso, filho do falecido Francisco Cardoso e Maria de Campos

ASBRAP 2 - fls. 101 a 121 - Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. Felipe Cardoso, filho de Francisco Cardoso, fal. e de Maria de Campos, com Maria Cardoso, filha de João Pedroso Xavier e Ana Bueno (ano de 1706)

10-6-5-2 Izabel, com 12 anos

10-6-5-3 Guilherme, 8 anos

10-6-5-4 Ana, já falecida.

 

10-6-6 Simplicio, filho do Cap. Francisco Pedroso Xavier e Maria Cardoso.

 

10-7 Cristóvão da Cunha, com 29 anos em 1665. Casou com Maria de Moraes de Barros (SL. 7, 7, 3-1). Cristovão foi inventariado em São Paulo em 5-6-1697 (SAESP vol. 16º). Foram onze os filhos do casal descritos em SL. 5º, 149, 2-7.

10-7-1 Maria de Moraes, casada. SL cita o casamento de Maria de Moraes com Jorge Dias Velho, antes de 1697. Este casamento foi posterior, pois Sebastiana de Unhate, primeira mulher de Jorge, faleceu em 1702 - família Maria do Prado cc Miguel de Miranda, neste site.

SL. 5º, 150, 3-1, Maria de Moraes, casou antes de 1697 com Jorge Dias Velho, viúvo de Sebastiana de Unhatte, f.a de Antônio da Cunha Gago e de Marta de Miranda, o contraente f.o de Manuel Garcia Velho e de Maria Moniz da Costa. Tit. Garcias Velhos. Sem geração.

 

10-7-2 Pedro de Moraes, com 18 anos em 1697

10-7-3 João, 15 anos

10-7-4 Francisco, 12 anos

10-7-5 Antonio, 8 anos

10-7-6 Ana, 7 anos. Ana Maria Pedroso de Moraes casou com Gaspar de Godoy Ribeiro, filho de Belchior de Godoy Moreira e Maria Ribeiro. Geração na família “Godoys”, neste site.

10-7-7 Maria, 6 anos

10-7-8 Catarina, 5 anos.

10-7-9 Teresa, batizada em Guarulhos em 03-09-1693. Com 4 anos em 1697.

Guarulhos, SP Igreja N. Sra da Conceição aos 03-09-1693 bat Teresa, f.l. Cristovão da Cunha e Maria de Moraes. Padr.: Domingos de Souza e Maria Antunes,

10-7-10 José de Moraes e Cunha, batizado em Guarulhos-SP em 24-10-1694. Com 2 anos em 1697.

Guarulhos, SP Igreja N. Sra da Conceição aos 24-10-1694 bat Jose, f.l. Cristovão da Cunha e sua mulher M.ª de Moraes, padr.: Fr. Bartolomeu da Conceição e M.ª Antunes.

         José casou primeiro com Maria dos Santos. Viuvo, casou em Parnaiba com Cristina Maria de Moraes, natural de Nazare, viúva de Roque de Siqueira. Cristina Maria era filha de Tomé Cabral Dorneles e Maria de Souza Dias, com banhos corridos na Sé de São Paulo em março de 1704. Tomé  natural da cidade de Angra, filho de Manoel Cabral de Melo e Catarina Dorneles. Maria filha de Antonio de Souza Dias e Cristina Maria de Moraes, moradores de São Paulo,

Guarulhos, SP {sem inicio) E Francisco de Moraes, de licença minha, sendo testemunhas Alexandre Rodrigues do Prado e Inacio Rodrigues [danificado] se receberam Jose de Moraes da Cunha, desta freguesia, viuvo de Maria dos Santos, filho de Cristovão do [danificado] Cunha e de Maria de Moraes, ja defuntos = com Cristina Maria de Moraes, da freguesia de Nazareth, viuva de Roque de Siqueira, filha de Tome Cabral, ja defunto e de Maria de Souza de Moraes. Mesmo dia (fls. anterior 07-07-1740 e termo posterior [danificado] e quatro de janeiro de 1741).

 

RMJ – ACMSP – Dispensas Matrimoniais- vol 4 -1704 a 1709 ACMSP V 4- Est 4 Gav 1

Thomé Cabral Dornelles e Maria de Souza Dias - 25-03-1704 - Ele filho de Manoel Cabral de Mello e Catarina Dornelles já defuntos, moradores e naturais da cidade de Angra.

Ela filha de Antonio de Souza Dias já defunto e Cristina Maria de Morais moradores em SP, com banhos corridos nos dois lugares sem sair impedimento algum que elles saibam.

Testemunhas:- João de Arruda Cabral, naturais de Taubaté; - Artur da Rocha Lemme natural de Taubate;- Luiz Rodrigues natural de Covilhan e mor em Taubaté

         José e Cristina Maria moraram em Guarulhos e depois se mudaram para Nazare onde faleceram ele em 4 de janeiro de 1775 e ela aos 4 de agosto de 1778

Nazare Paulista, SP aos 04-01-1775 faleceu Jose de Moraes da Cunha, natural da freguesia de Conceição e fregues desta freguesia de Nazare, casado com Cristina Maria. Foi sepultado na igreja matriz desta freguesia, tinha de idade noventa anos, pouco mais ou menos. Fez testamento, nomeou seus testamenteiros a Manoel Alves Dantas, a Constantino Pedro de Moraes e a Luiz Pedroso de Moraes. Deixou legados pios e encomendou missas, entre elas: pela alma de Maria dos Santos sua primeira mulher.

 

Nazare Paulista, SP aos 04-08-1778 faleceu Cristina Maria de Moraes, natural da freguesia de N. Sra da Conceição dos Guarulhos, de idade de mais ou menos setenta anos, viuva de Jose de Moraes da Cunha. Sepultada dentro desta igreja matriz.

Entre os filhos do casal:

10-7-10-1 José Pedroso Navarro, natural e morador em Guarulhos, casou em Santana de Parnaiba aos 17 de fevereiro de 767 com Ana Maria Joaquina de Meirelles, natural dessa mesma freguesia de Parnaiba. Era filha de Cosme Ferreira de Meirelles, natural da freguesia de S. Martinho de Lagares de Ordins, bispado do Porto, e de Gertrudes de Jesus, também de Parnaiba. Neta paterna de Manoel Ferreira natural da freguesia de S. Martinho de Lagares e Maria João, da freguesia de Sobreira de Recarey, ambos do Bispado do Porto. Neta materna de Manoel Ferreira, de Parnaiba e Maria das Neves de Jundiai.

Santana de Parnaiba-SP aos 17-02-1767 nesta matriz se receberam Jose Pedroso Navarro, natural e morador na freguesia de N. Sra da Conceição dos Guarulhos, f.l. de Jose de Moraes e Cunha e de Cristina Maria de Moraes, naturais da freguesia de N. Sra da Conceição dos Guarulhos, neto paterno de Cristovão da Cunha e de s/m Maria de Moraes, naturais da dita freguesia da Conceição, neto materno de Tome Cabral Dornelles, natural da Ilha de Angra e de s/m Maria de Souza, natural da mesma freguesia da Conceição dos Guarulhos = com Ana Maria Joaquina de Meirelles , natural e moradora nesta freguesia de Santa Ana da Parnaiba, f.l. de Cosme Ferreira de Meirelles, n. da freguesia de S. Martinho de Lagares de Ordins do Bispado do Porto, e de Gertrudes de Jesus, n. desta freguesia da Parnaiba, neta paterna de Manoel Ferreira n. da freguesia de S. Martinho de Lagares e de s/m Maria Joam, n. da freguesia de Sobreira de Recarey, ambos do Bispado do Porto, e neta materna de Manoel Ferreira, n. desta freguesia e de s/m Maria das Neves n. da freguesia de N. Sra de Desterro da vila de Jundiai. Foram testemunhas Revdo Padre Antonio Ferreira de Meirelles, vigario da freguesia de N. Sra de Nazare, o Revdo padre Ignacio Paes de Oliveira, sacerdote secular, Marta Maria mulher de Francisco Ortiz de Camargo, todos moradores nesta freguesia.

Entre os filhos de José Pedroso Navarro e sua mulher Ana Maria Joaquina:

10-7-10-1-1 Antonio da Cunha de Moraes, batizado aos 13 de outubro de 1776 na Matriz de Santana de Parnaiba, onde casou aos 3 de fevereiro de 1801 com Ana Luiza da Silva, filha de Maria de Nazare e do Capitão José Mauricio da Silva natural de S Miguel do Outeiro do Bispado de Vizeu , nm de Gertrudes dos Anjos e pai incógnito, np Antonio Rodrigues e de Maria Correa naturais de S Miguel do Outeiro. Com geração na família Gaspar Nunes Sarmento.

Santana de Parnaíba, SP - Antonio - aos 13-10-1776 nesta igreja matriz o Revdo Padre Antonio Ferreira de Meyrelles, com licença minha digo o Revdo Padre Antonio Ferreira de Meyrelles, vigario atual da freguesia de N. Sra da Ponte de Araçariguama, com licença minha, bat a Antonio, f.l. de Jose Pedrozo Navarro e de Ana Maria; foram padrinhos o Ten. Antonio Manoel da Rocha Leite, casado e Ana Gertrudes, mulher de jose Luiz, moradores nesta freguesia.

(a margem: Passei certidão a 18 de janeiro de 1830 = Lima)

 

ACMSP – Santana do Parnaiba – Livro de Casamentos - 03-02-1801 – Antonio de Moraes da Cunha e Dona Anna Luiza da Silva. Ele com 24 annos, filho do Tenente Jose Pedrozo Navarros de Guarulhos já defunto e e D Anna Maria Joaquina desta, np de Jose de Moraes e Cunha e Cristina Maria, de Guarulhos, nm de Cosme Ferreira de Meirelles natural de São Martinho de Lagares do Bispado do Porto e Gertrudes de Jesus desta. Ela com 19 anos, filha do Tenente Jose Mauricio da Silva natural de São Miguel do Outeiro Bispado de Vizeu e Dona Maria de Nazareth já falecida, desta, np de Antonio Rodrigues e Maria Correia da mesma villa do Outeiro, nm de Gertrudes Maria dos Anjos que depois se casou com Ignacio Jose Preto esta Gertrudes então solteira natural desta Villa. T: Capitão Jose Martins da Cruz e Jose de Moraes da Cunha.

10-7-10-1-2 Mariana Joaquina de Moraes aos 23-04-1795 casou com Cap. Antonio José Rodrigues, filho do Cap. Inácio José da Silva e Maria Benta Rodrigues.

Santana de Parnaiba-SP aos 23-04-1795 nesta matriz e as testemunhas Coronel Policarpo Joaquim de Oliveira e o Ajudante Jose Luiz Pereira e Braga, este desta paroquia e aquele da freguesia de Araçariguama, se receberam o Capitão Antonio Jose Rodrigues e D. Mariana Joaquina de Moraes, ambos desta freguesia e nela moradores; esta filha do Tenente Jose Pedroso Navarro, já falecido e de D. Ana Maria Joaquina sua mulher, e aquele filho do Cap. Ignacio Jose da Silva e de s/m D. Maria Benta de Atayde, alias Rodrigues, já falecidos; de avós me não deram noticia alguma.

 

10-7-11 Cristovão, seis meses em 1697. Cristovão da Cunha Barros (ou de Moraes), em Nazaré Paulista aos 19-10-1718, casou com Joana Moreira (ou do Prado), filha de João Telles Fogaça e Maria Lopes do Prado (SL. 2, 19, 3.1), neta paterna de Zuzarte Lopes e Lucrecia Moreira ambos naturais de S. Paulo e moradores em Nazaré onde Lucrecia faleceu aos 14-03-1697:

Nazaré Paulista, SP igreja n. Sra de Nazaré aos 19-10-1718 Cristovão da Cunha Barros, f.l. Cristovão da Cunha, falecido e Maria de Moraes Barros = cc Dona Joana Moreira f.l. João Telles Fogassa e Maria Lopes do Prado.

 

Nazaré Paulista, SP igreja n. Sra de Nazaré aos 14-03-1697 fal. Lucrecia Moreira, testamenteiros Cap. Francisco de Godoy e João Telles Fogassa.

Maria Lopes do Prado faleceu em Nazaré em 24-01-1723 com 50 anos:

Nazaré Paulista, SP igreja n. Sra de Nazaré. aos 24-01-1723 fal. Maria Lopes de idade 50 anos mulher de João Telles, filha de Zuzarte Lopes e s/m Lucrecia Moreira naturais da cidade de S. Paulo e fregueses de Nazare. Fez testamento, testamenteiros o Revdo Padre Antonio Casado e Manoel Telles de Menezes.

Foram irmãos inteiros de Joana, batizados em Nazaré, q.d.:

- Gregorio em 21-05-1693.

Nazaré Paulista, SP igreja n. Sra de Nazaré aos 21-05-1693 bat a Gregorio, f.l. João Telles Fogaça e Maria do Prado, padr.: Cap. Francisco de Godoy Moreira e D. Izabel da Estrada.

- Zuzarte em 04-01-1705.

Nazaré Paulista, SP igreja n. Sra de Nazaré aos 04-01-1705 bat Zuzarte, f.l. João Telles Fogaça e Maria Lopes, padr.: Jorge Moreira e Izabel Bicuda.

 

Cristovão faleceu em Guarulhos-SP aos 10-08-1771. Geração em SL. 5, 173, 3-7.

Guarulhos, SP aos 10-08-1771 fal. Cristovão da Cunha de Moraes marido que foi de Joana do Prado. Teria 70 anos

10-8 Francisco da Cunha, com 25 anos em 1665.

10-9 Maria Vaz da Cunha, com 20 anos em 1665. Casou com José Pedroso. José foi inventariado aos 16-02-1680 na Parnaiba. Compareceram cinco filhos (nomes ilegiveis e uma filha falecida durante a inventariança.

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Jose Pedroso 1680

Autos 16-02-1680 no termo desta vila de Santana de Parnaiba, sitio e fazenda que foi do defunto Jose Pedroso.

Declarante -----------------------------. Assino por minha irmã, Cristovão da  Cunha.

Titulo dos herdeiros:

-------------- de 12 anos

-------------- de 10 anos

--------------

-------------- de 6 anos

--------------, morta

Quinhão da viuva Maria Vaz

Quinhão dos orfãos

a viuva Maria Vaz Cardoso (...) curadora de seus filhos.

 (...) assinou por ela Simão Bueno. Por rogo de minha tia Maria Vaz (aa) Sim[--------------]

          Alem dos três filhos citados por Silva Leme no vol. 7º, 149, 2-3, encontramos mais o filho João:

10-9-1 Izabel Pedrosa casou três vezes. Primeira vez na Parnaiba em 1697 casou com Diogo Cubas Ferreira, filho dos falecidos João Cubas Ferreira e de Isabel de Siqueira. Diogo foi inventariado em Mogi das Cruzes em 02-05-1719, com geração.

ASBRAP 2 - fls. 101 a 121 - Livro 1 de casamentos de Santana de Parnaíba, coligidos por Silva Leme. Rodnei Brunete da Cruz. Diogo Cubas Ferreira, filho de João Cubas Ferreira e de Isabel de Siqueira, ambos fal. = cc Isabel Pedroso, filha de Jose Pedroso e de Maria Vaz da Cunha (ano 1697)

 

(pesq. Fabricio Gerin) Inventarios de Moji das Cruzes: 2º Cartório de Mogi das Cruzes

Diogo Cubas Ferreira

Autos 02-05-1719

Viúva: Izabel Pedrosa.

Um casal de filhos: Maria, 19 anos e Francisco 17 anos

Em vários termos: assino a rogo de minha mãe Izabel Pedrosa (aa) Fran.co Cubas.

Diz Francisco Cubas Pedroso, morador em o termo desta vila (...) requer a folha de partilha por morte de seu pai Diogo Cubas Ferreira.

         Segunda vez, Izabel casou com o viúvo Cap. João Dias Mendes falecido com testamento em 10-07-1714 e inventariado em 01-08-1714 na paragem chamada Tapiti termo da vila de Mogi das Cruzes, sem geração deste matrimônio.

Cap. João Dias Mendes foi primeira vez casado com Margarida Correa com geração in Aportes à GP: “Izabel de Moraes - SL. VII, 165, Cap. 4º”.

         Terceira vez Izabel casou com Antonio Rodrigues da Silva, falecido em Mogi das Cruzes aos 14-07-1735 e Izabel em 24 de setembro do mesmo ano.

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 14-07-1735 fal. Antonio Rodrigues da Silva marido de Izabel Pedrosa. Fez testamento, testamenteiros a meu enteado Francisco Cubas e Domingos [--------]

 

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 24-09-1735 fal. Izabel Pedrosa mulher de Antonio Rodrigues da Silva. Testamenteiros: seu filho Francisco Cubas e Tome de Abreu.

 

Izabel e seu primeiro marido Diogo Cubas tiveram dois filhos:

10-9-1-1 Maria, com 19 anos em 1719.

10-9-1-2 Francisco Cubas Pedroso com 17 anos.

 

10-9-2 Maria Cardosa ou Pedrosa casou duas vezes. Primeira vez com João (Batista) Lemes Bonfante, filho de João Batista Bonfante e Maria Leme.

João foi inventariado em Mogi das Cruzes em 1709. Em 1712 Maria Pedrosa estava casada com José da Silva Leme, tutor de seus enteados. Inventário e geração na familia José de Bulhões.

10-9-3 Cristóvão da Cunha (SL. 7, 149, 3-3).

10-9-4 João Pedroso de Moraes em 1713 foi nomeado tutor e curador de seus sobrinhos órfãos, filhos de seu cunhado João Lemes Bonfante:

inv. de João Lemes Bonfante 1709: Termo de declaração da viúva: declarou que havia mais nesta fazenda um casal de peças com um filho que estão na vila de Parnaíba em casa do irmão da dita viúva, João Pedroso.

16/12/1713 Termo de Curadoria - para que renovasse a tutoria dos órfãos, filhos que ficaram de João Lemes Bonfante, que servia ora José da Silva, padrasto dos ditos órfãos - e logo fez tutor e curador dos órfãos a João Pedroso de Moraes, por ser de parentesco mais chegado (assina: João Pedroso de Moraes).

 

10-10 Francisca Cardosa, 22 anos em 1668, solteira.

10-11 Domingas da Cunha 19 anos, solteira.

10-12 Ana da Cunha solteira com 18 anos em 1668. Ana Vaz Cardoso casou com Antonio de Siqueira de Escovar, filho de Antonio Delgado de Escobar e Ignez Gonçalves (ou Gil) - família Sebastião Gil Cap. 7º.

          Ana testou em Taubate em 13-06-1692. Seu testamento recebeu o cumpra-se em 23 do mesmo mês e ano e foi inventariada na paragem Itanhy em 22-07-1692. Antonio foi inventariado em 22-11-1694 por seu irmão Salvador Machado Sobrinho:

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício.

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariada- Ana Vaz Cardoso

Inventariante: Antonio de Siqueira Escovar

Taubate 22-07-1692 na paragem Itanhy sitio de Antonio de Siqrª onde foi o juiz para fazer inventario dos bens de Ana Vaz Cardoza mulher que foi de Antonio de Siqrª...

 

Testamento - Em nome de Deos amem ... eu Ana Vaz doente de cama.... declaro que sou nat de S Paulo filha leg de Christovão da Cunha Gago e s/m Messia Vaz Cardosa q Ds aja; cc Antonio de Siqrª temos entre ambos os filhos seguintes: Christovão, Manoel, Francisco, Joseph; Phelipe; Paulino; Mecia ; Maria; Catherina meus universais erdeiros... (declarou que tinha umas terras de herança e outras que lhe deu o irmão Cristovão da Cunha. Deixou o resto da terça para as três filhas). Feito aos 13-06-1692 - João Vaz Cardoso assinou pela testadora.

Cumpra-se: 23-06-1692

 

Titulo dos Filhos

Messia Vaz Cardosa 18 anos

Cristovão da Cunha 16 anos

Manoel de Siqueira 14 anos

Francisco da Cunha 12 anos

Jose 10 anos

Felipe 6 anos

Paulino 4 anos

Maria 8 anos

Catherina 2 anos e meio

 

20-05-1705- Petição que fazem Cristovão da Cunha e Francº da Cunha e Joseph de Siqueira moradores na Vª de São Paulo (filhos de Antonio de Siqueira e Anna Vaz da Cunha já defuntos- querem provar que são capazes de se reger)

Testemunhas: Simão Pereira de Faro morador em S Paulo vizinho dos justificantes; Guilherme de Oliveira, morador em S Paulo

João de Lara e Morais, 22 anos, morador em S Paulo

Diz Manoel da Cunha e Luiz Frrª Pitta moradores na Freguesia de N Sra da Conceição que por certos requerimentos que tem na vila de Taubaté lhe é necessário que o vigário da mesma freg o Pe Fr João Frrª (passe certidão de que estão casados) Passe a certidão como pede - S Paulo 29-04-1705 - Baruel

(O P João Ferreira capelão de N Sra da Conceição de Guarulhos passa certidão de casamento):

- Mel da Cunha de Siqueira com Izabel Roiz Garcia aos 23-06-1703

- Aos 22-0201705 Luiz Ferrª Pitta com Messia Vaz Cardoza irmã de M.el da Cunha de Siqrª e de outros que por nome não se percam

25-04-1705- Cristovão da Cunha de Siqueira (apareceu para cobrar sua legitima)

Im 116- Idem Jose de Siqueira Vaz

Quitações de Cristovão da Cunha, Manoel da Cunha e Joseph de Siqueira passada por seu procurador - Quitação assinada por Fr.co da Cunha Vaz

Dizem os erdeiros filhos de Antº de Siqra de Escovar e de s/mulher Ana Vaz da Cunha que sua irmã Cn.ª de Siqueira faleceu ainda menor e erdara dos pais e do avô Anto Delgado Escovar........ e um irmão Fran.co da Cunha (também faleceu).

 

AHMFGF = Arquivo Histórico Municipal Dr. Felix Guisard Filho

Taubaté, SP - 2º Ofício

Imagens disponibilizadas por: www.recordspreservation.org

Transcrição e resumo: Projeto Compartilhar.

Inventariado Antonio de Siqueira de Escovar

Inventariante- Salvador Machado sobrinho

- Abertura de inventario aos 22-11-1694-, no sitio q ficou de Antonio de Siqueira de Escovar q Deus tem onde o juiz deu juramento ao irmão do dito defunto que declarou q seu irmão não fizera testamento e q os filhos eram os seguintes. Assinou Salvador Machado Sobrinho

Titulo dos filhos

Mecia 19 anos

Christovão 18 anos pouco mais ou menos

Manoel 17 anos pouco mais ou menos

Fran.co 16 anos pouco mais ou menos

Joseph 12 anos pouco mais ou menos

Maria 11 anos pouco mais ou menos

Felipe 9 anos pouco mais ou menos

Paulino 6 anos pouco mais ou menos

Catherina 4 anos pouco mais ou menos

 

 Avaliações

 

- Citados para partilhas

... citei a Christovão da Cunha e a Manoel Cardoso e a  Fran.co da Cunha e a Messia Vaz Cardoza e a seu curador (dos) sobreditos órfãos João Vaz da Cunha pera as partilhas.....

 

Quinhões: das dividas, de Christovão da Cunha, de Messia Vaz Cardosa legitima e terça, de Maria e Catarina, dos cinco órfãos machos a saber Manoel Cardoso, Fran.co da Cunha, Joseph, Phelipe, Paulino (a margem: só se deve a Phelipe e Paulino).

 

10-abril-1695 foi encarregado Salvador Machado Subrinho a curadoria de seus sobrinhos órfãos filhos q foram do defunto Anto de Siqrª de Escovar....

Declarou o curador acima nomeado (que ia viajar e não poderia exercer a curadoria) e nomeou seu irmão João Delgado por lhe caber por direito por irmão mais velho....

 

O casal teve nove filhos, (idade em 22-07-1692)

10-12-1 Messia Vaz Cardosa 18 anos. Aos 22-01-705 em Conceição dos Guarulhos, casou com Luiz Ferreira Pitta. Méssia faleceu aos 01-04-1759, viúva.

Guarulhos, SP obitos aos 01-04-1759 fal. Mecia Vaz Cardosa viuva, mãe de Eleuterio Ferreira Pita, de idade de 80 anos pouco mais ou menos.

Pais de, pelo menos:

10-12-1-1 Eleuterio Ferreira Pita casou com Catarina Rodrigues, falecida nos Guarulhos aos 10-11-1764.

Guarulhos, SP obitos aos 10-11-1764 fal. Catarina Rodrigues cc Leuterio Ferreira Pita, teria 50 anos.

10-12-2 Cristovão da Cunha 16 anos. Cristovão da Cunha de Siqueira requereu a legitima em 1705.

10-12-3 Manoel de Siqueira 14 anos. Manoel da Cunha de Siqueira casou, em Conceição dos Guarulhos aos 23-06-1703, com Izabel Rodrigues Garcia.

10-12-4 Francisco da Cunha 12 anos. Faleceu menor.

10-12-5 José de Siqueira 10 anos. José de Siqueira Vaz requereu a legitima em 1705.

10-12-6 Maria 8 anos.

10-12-7 Felipe 6 anos.

10-12-8 Paulino 4 anos.

10-12-9.Catarina 2 anos e meio. Faleceu menor.

11- Maria. Segundo S.L. 8º, 554, 1-10) Maria Vaz Cardoso foi a segunda mulher de Henrique da Cunha Lobo (ou Gago). Henrique foi inventariado em 1665 e Maria em 1683. Geração em SL. 5º, 5, 1-1.

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin

Henrique da Cunha Lobo; 1665; São Paulo

Partilhas:

Salvador da Cunha Lobo

Manoel da Cunha

Henrique da Cunha Gago

João da Cunha Lobo

Felipe --- pp do orfão Manoel da Cunha Cardoso

Francisco Furtado cc

Antonio da Cunha Cardoso.

 

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Maria Vaz Cardoso 1683

Autos aos 20-10-1683 nesta vila de S. Paulo casas e morada da dita defunta.

Declarante Antonio Cardoso testamenteiro e filho da defunta (aa Antonio da Cunha Cardoso)

[muito danificado]

Quinhões:

- da terca para cumprimento das verbas do testamento a uma filha sua e o remanescente para sua alma.

- Antonio da Cunha Cardoso

 

- partilha da terça do defunto Henrique da Cunha, pelos filhos da primeira mulher. Os herdeiros desta fazenda sao os seguintes:

- os herdeiros do defunto João da Cunha

- os herdeiros orfãos do defunto Manoel da Cunha

- o Cap. Salvador da Cunha

- os herdeiros maiores e orfãos do defunto Henrique da Cunha Machado

- os herdeiros de Mecia da Cunha

- os herdeiros de Izabel da Cunha

- os filhos menores [danificado]

15$000rs que toca aos herdeiros de Miguel de Almeida, no quinhão das dividas.

- os herdeiros orfãos de Salvador de Miranda

- a freira Maria da Assunção

- Ursula de Almeida

- os herdeiros de Marta de Miranda

- os herdeiros orfãos de Felipa de Almeida

- os herdeiros maiores e orfãos de ---------- ---------------

 

_______________________________________________________________________________________

 

Antonio Vaz Cardoso - Cap. 2º

(atualizado em 30-maio-2017)

 

S.L. 8º, 536, 1-1; Antonio Vaz Cardoso, foi C.c. Felipa da Cunha Gago, f.a de Henrique da Cunha Gago, o velho, e da sua 2.a mulher Catarina de Unhatte. V. 5.o pag. 213. Teve q. d.:

2-1 Gaspar Vaz Cardoso

2-2 Capitão Manoel Cardoso da Cunha

2-3 João Vaz Cardoso

2-4 Antonio Vaz Cardoso

 

Fabricio Gerin

Bartyra Sette

 

Antonio Vaz Cardoso e Felipa da Cunha Gago tiveram mais a filha Ana Vaz Cardosa, cujos filhos foram curatelados pelo tio Manoel Cardoso da Cunha.

 

1- Gaspar Vaz Cardoso era natural de Mogi das Cruzes onde faleceu com testamento em 22-09-1710.

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 22-09-1710 fal. Gaspar Vaz Cardoso e deixou por seus testamenteiros Cap. Antonio Glz Naves, a Manoel Cardoso

          Foi casado com Ignez Pedrosa, falecida em janeiro de 1711. Foram inventariados em conjunto aos 08-04-1711. Compareceram cinco filhos do casal, os menores tutelados pelo tio Manoel Cardoso da Cunha:

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Inventarios de Mogi das Cruzes-SP: 2º Cartório

Pesq.: Fabricio Gerin e Bartyra Sette

Gaspar Vaz Cardoso e s/m Ignez Pedrosa ambos em Gloria

Autos 08-04-1711 declarante Pascoal Vaz Cardoso como herdeiro mais velho de seus pais.

Seu pai faleceu em setembro do ano passado  e sua mae no mes de Janeiro, sem testamento.

Herdeiros:

Pascoal Vaz Cardoso, 40 = Manoel Cardoso, 34 = Maria Cardosa, 20 = Domingos Vaz Cardoso, 18.

 

Tutor: Manoel Cardoso da Cunha, tutor de seus sobrinhos

Testamento de Gaspar Vaz Cardoso aos 07-09-1710

Testamenteiros: meu irmao Manoel Cardoso e o Cap. Antonio Goncalves Nave.

Sou n. desta vila Santa Ana das Cruzes de Mogi, f.l. Antonio Vaz Cardoso e Felipa da Cunha, ja defuntos. Sou cc Ignez Poderosa e temos cinco filhos, 3 machos e duas femeas: Pascoal = Manoel = Domingos = Luzia Poderosa ja casada - Maria.

Luzia Poderosa ja foi dotada.

Aprovação 08-09-1710

Cumpra-se 22-09-1710

 

18-10-1715 Domingos Vaz de Lima disse que era falecido o orfao Domingos Vaz Cardoso, seu cunhado. O qual lhe fizera o enterro.

Recibo aos 13-08-1715: Recebi de Estevao de Lima do Prado 800 da cova do defunto Domingos Vaz Cardoso. (aa) Antonio Goncalves Nave.

 

1-1 Pascoal Vaz Cardoso, 40 anos em 1711. Provavelmente ao casar Pascoal mudou seu nome para Gaspar Vaz Cardoso e aos 09-06-1711 casou com Maria Diniz Luiz, filha de João Dias e Izabel Ribeira.

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 09-06-1711 Gaspar Vaz Cardoso, f. G.as Vaz Cardoso e Ignez Pedrosa = cc Maria Diniz Luiz, f. João Dias e Izabel Ribeira. Test.: Manoel [----] Delgado, Domingos Vaz, Izabel Delgada e Ana --------------

1-2 Manoel Cardoso, 34 anos.

1-3 Luzia Poderosa (Luzia Pedrosa da Cunha), ja casada, foi dotada. Casou aos 10-04-1701 com Domingos Vaz de Lima, natural de Santos-SP, filho de João Vaz de Lima e Luísa Fernandes.

(pesq. Fabricio Gerin) Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 10/04/1701 (Mogi das Cruzes) - Domingos Vaz de Lima, f. de João Vaz de Lima e Luísa Fernandes, nat. da vila de Santos = ... Pedrosa, f. de Gaspar Vaz Cardoso e Inês Pedrosa.

          Domingos faleceu em Mogi das Cruzes aos 20-12-1757, com testamento e foi inventariado em janeiro de 1758. Compareceram ou foram representados cinco filhos.

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 20-12-1757 fal. Domingos Vaz de Lima, fez testamento e é seu filho João Vaz testamenteiro.

 

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Inventarios de Mogi das Cruzes-SP: 2º Cartório

Pesq.: Fabricio Gerin e Bartyra Sette

Bairro Tapeti, ano de 1758, inventario de Domingos Vaz de Lima de que é sua mulher inventariante Domingas(sic) Pedrosa da Cunha.

Testamento - 15/12/1757 neste sitio do pé do Tapeti.

Testamenteiro: a meus filhos Joao Vaz Cardoso, Domingos Vaz Cardoso.

Fui casado com Luzia Pedrosa da Cunha - tivemos 6 filhos (faleceu um de menor idade), são vivos 5: Maria, que foi casada com o defunto Salvador de Pontes e também é falecida. Eram 5 vivos, pois são 4: - Rosa, que foi casada com o defunto Pedro de Azevedo; outra Maria, casada com Manoel Batista; João, que foi casado com Angela Moreira; Domingos, casado com Maria da Cunha.

 

Termo de Apresentação aos 05-01-1758

Presentes como testamenteiros do defunto Domingos Vaz de Lima, João Vaz Cardoso e Domingos Vaz Cardoso e por eles foi dito que este era o codicilo que por falecimento do dito defunto fora selado:

Autos: 12/01/1758

Inventariante a viuva do dito defunto Luzia Pedrosa da Cunha.

Falecera com testamento a 16 ou 17 do mes de dezembro do p.p. Este só fora casado com ela e ela com ele.

Assina a rogo da mãe João Vaz Cardoso

 

Titulo dos Filhos:

Maria cc Salvador de Pontes

Rosa cc Pedro de Azevedo

Maria cc Manoel Batista

João Vaz Cardoso

Domingos Vaz Cardoso

Que a dita Maria cc Salvador de Pontes era falecida e lhe ficaram filhos herdeiros.

 

Requerimento do testamenteiro e mais herdeiros-

Assim requereram Jeronimo de Azevedo por parte de sua mãe Rosa de Lima do Espirito Santo, mulher do defunto Pedro de Azevedo.

Angelo de Pontes, por si e pelos [...] herdeiros que eles não queriam nada do beneficio deste inventario em [...] de que suas mães foram dotadas e que a virem a colação e que sem duvida viriam a repor, e que como pobres não tinham por onde. (aa em cruz: Angelo Paes de Pontes)

Quinhões a:

Viuva inventariante

João Vaz Cardoso

Domingos Vaz Cardoso

Manoel Batista

Foram filhos do casal, situação em 12-01-1758

1-3-1 Maria de Lima, já falecida, foi casada com Salvador de Pontes, filho de Antonio de Pontes Sutil e Izabel da Fonseca. Geração na família "Sebastião da Fonseca Pinto".

1-3-2 Rosa Vaz de Lima ou Rosa do Espirito Santo ou Rosa de Lima do Espirito Santo casou duas vezes. Aos 04-11-1726 casou com Pedro de Souza de Azevedo, portugues.

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 04-11-1726 Pedro de Souza de Azevedo cc Rosa Vaz de Lima, f. Domingos Vaz de Lima, desta freguesia.

         Segunda vez aos 28-05-1750 casou com o viúvo Calisto Cardoso Lamin, filho dos falecidos Antonio Gonçalves Lamim e Antonia Cardosa, sem geração deste matrimônio.

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 28-05-1750 Calisto Cardoso Lamin, viuvo de Maria Fernandes Vidal, f.l. Antonio Gonçalves Lamim e Antonia Cardosa, já defuntos = cc Rosa do Espirito Santo, viuva de Pedro de Azevedo, f.l. Domingos Vaz de Lima e Luzia Pedrosa.

         Calisto foi casado primeira vez com Maria Fernandes Vidal, filha de João Pereira Vidal e Maria Moreira. Geração na família "Miguel Fernandes Nogueira".

         Pedro de Souza de Azevedo (ou de Azevedo Souza) e Rosa tiveram cinco filhos que documentamos. Jerônimo não consta no rol de seus irmãos em SL. 8, 537, 4-2:

1-3-2-1 Pedro de Azevedo aos 07-10-1761 casou com Custódia da Silva, filha de Estevão da Silva Carneiro e Maria Leme da Silva, neta paterna de Bras da Silva Carneiro e Simoa de Medina, neta materna de Sebastião Leme e Suzana Dias. família “Brás da Silva Carneiro”

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 07-10-1761 Pedro de Azevedo, f.l. Pedro de Azevedo de Souza e Rosa de Lima do Espirito Santo, np não da noticias, nm Domingos Vaz de Lima e Luzia Pedrosa da Cunha = cc Custodia da Silva, f.l. Estevão da Silva Carneiro e Maria Leme da Silva, np Bras da Silva Carneiro e Simoa de Medina, nm Sebastião Leme e Suzana Dias.

1-3-2-2 Agostinho de Azevedo Souza em 04-05-1780, viúvo de Izabel Leite, casou com Luiza de França filha de Inacio de Faria Moreira e Rosa de tal, neta paterna de João Pedroso Moreira e Izabel Pimenta de Abreu, neta materna de João Batista Maciel e Izabel da Cunha (SL 5, 79, 6-7).

Paroquia de Sant'Ana de Mogi das Cruzes-SP, aos 04-05-1780 Agostinho de Azevedo Souza, viuvo de Izabel Leite e filho de Pedro de Azevedo e Luzia de tal, np não soube dizer e nm de Domingos Vaz de Lima e Luzia de tal nts desta vila= cc Luiza de França, n. desta, f.l. Inacio de Faria Moreira e Rosa [danificado]eira, np João Pedroso Moreira e Izabel Pimenta de Abreu, nm João Batista Maciel e Izabel da Cunha

          Viúva, Luiza casou segunda vez aos 04-11-1784 com Francisco de Oliveira da Silva viúvo de Vitória Mendes de Moraes (casados em 13-07-1762 ela filha de Pedro Paes Dias e Domingas de Moraes), filho de Salvador de Oliveira da Silva e Francisca de Moraes.

Paroquia de Sant'Ana de Mogi das Cruzes-SP, aos 04-11-1784 Francisco Oliveira da Silva, n. desta e viuvo de Vitoria Mendes = cc Luiza de França, n. desta e viuva de Agostinho de Azevedo

 

Paroquia de Sant'Ana de Mogi das Cruzes-SP, aos 13-07-1762 Francisco de Oliveira da Silva, f.l. Salvador de Oliveira da Silva e Francisca de Moraes, dos avos não deu noticia = cc Vitoria Mendes, f.l. Pedro Paes e Domingas [------], dos avos não deu noticia.

Francisco de Oliveira e Vitória Mendes tiveram, pelo menos:

- Joaquim de Oliveira Silva aos 17-01-1786 casou com Maria Nunes de Jesus, filha de Angelo Vaz da Silva e Maria de Jesus Nogueira, neta paterna de Leandro de Goes da Silva e Catarina Vaz Pinta, neta materna de Francisco Nunes de Mattos e Maria Fernandes Nogueira, família “Miguel Fernandes Nogueira”. (

1-3-2-3 Maria do Espirito Santo, ou de Lima, casou com Lourenço Fernandes (ou Pereira) Vidal, filho de Critovão Pereira Vidal e Ignez Gonçalves Lamin falecida em 03-04-1761:

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 03-04-1761 fal. Ignez Lamim cc Cristo[---- ] Pereira Vidal.

Maria e Lourenço tiveram os filhos, q.d.:

1-3-2-3-1 José Fernandes Vidal, único citado por Silva Leme (SL. 8, 537, 6-1). Aos 29-08-1780 casou com Ana Maria Rodrigues, filha de Caetano de Goes Ribeiro e Gracia Fernandes casados em 27--11-1764, neta paterna de Lourenço de Goes e Maria Ribeira, neta materna de Miguel Pereira da Silva e Antonia Ribeira

Paroquia de Sant'Ana de Mogi das Cruzes-SP, aos 29-08-1780 Jose Fernandes Vidal, f.l. Lourenço Fernandes Vidal e Maria do Espirito Santo, np Cristovão Pereira Vidal e Ignez Gonçalves, nm Pedro de Azevedo e Rosa de Lima = cc Ana Maria Rodrigues, n. desta, f.l. Caetano de Goes Ribeiro e Gracia Fernandes, np Lourenço de Goes e Maria Ribeira, nm Miguel Pereira da Silva e Antonia Ribeira, todos desta freguesia.

 

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 27-11-1764 Caetano Ribeiro, f.l. Lourenço de Goes e Maria Ribeira, np Leandro de Goes e de escrava administrada de Salvador Martins, nm João Ribeiro e Maria Leme = cc Gracia Fernandes, viuva de Domingos de Candia de Macedo e f.l. Miguel Pereira e Antonia Ribeira, np Manoel Pereira de Miranda e Gracia [---]nandes, nm Manoel Ribeiro Lima e Ursula Rodrigues todos nts e moradores desta freguesia.

1-3-2-3-2 Ana Maria da Conceição aos 18-10-1787 casou com Francisco Antonio de Miranda, filho de Inacio de Miranda e Izabel Fernandes, neto paterno de Jorge Velho e Leonor de Miranda, neto materno de José Fernandes de Oliveira e Maria Ribeiro - família “Matias de Oliveira”.

.Paroquia de Sant'Ana de Mogi das Cruzes-SP, aos 18-10-1787 Francisco Antonio de Miranda, f.l. Inacio de Miranda e Izabel Fernandes, np Jorge Velho e Leonor de Miranda, nm Jose Fernandes de Oliveira e Maria Ribeiro = cc Ana Maria da Conceição, f.l. Lourenço Fernandes e Maria do Espirito Santo, np Critovão Pereira e Ignez Gonçalves Lamin, nm Pedro de Azevedo e Rosa do Espirito Santo.

1-3-2-3-3 Francisco Antonio Vidal aos 15-04-1788 casou com Maria Pimenta de Carvalho, filha de Antonio Pimenta de Carvalho e Domingas da Cunha, neta paterna de Francisco Vaz da Cunha e Catarina da Silva (citados em SL. 6, 69, 3-3), e neta materna de Sebastião Pimenta e Ignez de Mattos.

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 15-04-1788 Francisco Antonio Vidal, f.l. Lourenço Pereira Vidal e Maria de Lima, np Cristovão Pereira Vidal e Ignez Gonçalves Lamin, nm Pedro de Azevedo de Souza e Rosa do Espirito Santo = cc Maria Pimenta de Carvalho, f.l. Antonio Pimenta de Carvalho e Domingas da Cunha, np Francisco Vaz da Cunha e Catarina da Silva e nm Sebastião Pimenta e Ignez de Mattos, todos desta freguesia.

1-3-2-3-4 Manoel Pereira aos 17-09-1793 casou com Florinda Rodrigues, natural de S. Paulo, filha de Domingos Leme da Silva e Antonia Rodrigues.

Paroquia de Sant'Ana de Mogi das Cruzes-SP, aos 17-09-1793 Manoel Pereira, n. desta, f.l. Lourenço Pereira Vidal e Maria de Lima  = cc Florinda Rodrigues, n. S. Paulo, f.l. Domingos Leme da Silva e Antonia Rodrigues.

1-3-2-4 Josefa de Jesus aos 14-07-1761 casou com Francisco Leite Ferreira, filho de Antonio Leite Ferreira e Maria Pedrosa de Alvarenga, neto paterno de Francisco Fernandes Preto e Izabel Leite Ferreira e neto materno de Francisco Hidalgo e Ana Maria de Alvarenga (SL. 5, 340, 4-1)

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 14-07-1761 Francisco Leite Ferreira, f.l. Antonio Leite Ferreira e Maria Pedrosa de Alvarenga, np Francisco Fernandes Preto e Izabel Leite Ferreira e nm Francisco Hidalgo e Ana Maria de Alvarenga = cc Josefa de Jesus, f.l. Pedro de Azevedo de Souza e Rosa de Lima do Espirito Santo, nmaterna de Domingos Vaz de Lima e Luzia Pedrosa da Cunha, npaterna não deu noticia por ser filho do reino.

1-3-2-5 Jerônimo de Azevedo requereu no inventário avó materna: “Assim requereram Jeronimo de Azevedo por parte de sua mãe Rosa de Lima do Espirito Santo, mulher do defunto Pedro de Azevedo”.

1-3-3 Maria do Espírito Santo aos 15-01-1739 casou com Manoel Batista (Maciel), filho de João Batista (Maciel) e Izabel da Cunha, família “Matias de Oliveira”.

Paroquia de Sant'Ana de Mogi das Cruzes-SP, aos 15-01-1739 Manoel Batista, f.l. João Batista e Izabel da Cunha = cc Maria do Espirito Santo, f.l. Domingos Vaz de Lima e Luzia Pedrosa, todos desta.

Geração de cinco filhos em SL. 5, 79, 5-3, entre eles:

1-3-3-1 Manoel Joaquim Nunes aos 28-08-1770 casou com Ana Rodrigues Barbosa, filha de João Maciel Barbosa e Izabel Sobrinha, neta paterna de Manoel Ribeiro Lima e Maria Barbosa, neta materna de João dos Ouros e Izabel Sobrinha, família “Antonio Álvares Couceiro”.

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 28-08-1770 Manoel Joaquim Nunes, f.l. Manoel Batista e Maria do Espirito Santo, np João Batista e Izabel da Cunha, nm Domingos Vaz de Lima e Luzia Pedrosa da Cunha = cc Ana Rodrigues Barbosa, f.l. João Maciel Barbosa e Izabel Sobrinha, np Manoel Ribeiro Lima e Maria Barbosa, nm João dos Ouros e Izabel Sobrinha. Test.: Inacio Borges da Silva viuvo de Maria Vaz da Silveira, e João Rodrigues de Oliveira cc Inacia Paes de Almeida

1-3-3-2 Angela Vaz de Lima aos 02-10-1765 casou com José da Cunha do Prado, filho de João da Cunha do Amaral e Catarina do Prado (SL. 5, 210, 6-2).

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 02-10-1765 Jose da Cunha do Prado, f.l. João da Cunha do Amaral e Catarina do Prado, np João Batista Maciel e Izabel da Cunha, falecidos e nm Domingos Vaz de Lima e Luzia Pedrosa da Cunha  = cc Angela Vaz de Lima, f.l. Manoel Batista e Maria do Espirito Santo todos desta freguesia, np Baltazar Pinheiro e Maria Pinheira, falecidos e nm João da Cunha do Amaral e Izabel Pinheira, falecidos, nts todos de Jacarei.

B7: invertidos os avos dos oradores.

1-3-4 João Vaz Cardoso aos 17-07-1736 casou com Angela Moreira, filha de Antonio Leite Ferreira e Maria Pedrosa (SL. 5, 341, 4-3)

Paroquia de Sant'Ana de Mogi das Cruzes-SP, aos 17-07-1736 João Vaz Cardoso, f.l. Domingos Vaz de Lima e Luzia Pedrosa da Cunha = cc Angela Moreira, f.l. Antonio Leite Ferreira e Maria Pedrosa.

Pais de:

1-3-4-1 Angelo Vaz Cardoso em 25-10-1768 casou com Maria Machada de Góes, filha de Antonio de Góes da Silva e Maria Machada de Jesus, neta paterna de Tome de Góes da Silva e Maria da Purificação, neta materna de Manoel Machado de Lima, família “Antonio Álvares Couceiro”.

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 25-10-1768 Angelo Vaz Cardoso, f.l. João Vaz Cardoso e Angela de Godoy Moreira, np Domingos Vaz de Lima e Luzia Pedrosa da Cunha, nm Antonio Leite Ferreira e Maria Pedrosa = cc Maria Machada de Goes, f.l. Antonio de Goes da Silva e Maria Machada de Jesus, np Tome de Goes da Silva e Maria da Purificação, nm Manoel Machado de Lima, todos falecidos.

Angelo e Maria Machada tiveram, pelo menos:

1-3-4-1-1 José Pedroso Manso aos 10-08-1790 casou com Francisca da Conceição, exposta.

Paroquia de Sant'Ana de Mogi das Cruzes-SP, aos 10-08-1790 Jose Pedroso Manço, f.l. Angelo Vaz Cardoso e Maria Machada de Jesus = cc Francisca da Conceição, exposta em casa de Jose de Azambuja(?), todos desta freguesia.

1-3-4-2 Maria de Lima aos 24-02-17778 casou com João de Góes, irmão inteiro de Maria Machada de Góes do 1-3-4-1.

Paroquia de Sant'Ana de Mogi das Cruzes-SP, aos 24-02-1778 João de Goes, n. desta, f.l. Antonio de Goes da Silva e Maria Machada de Jesus, falecidos  = cc Maria de Lima, n. desta f.l. João Vaz Cardoso e Angela de Godoy

1-3-5 Domingos Vaz Cardoso casado com Maria da Cunha, filha de Antonio da Cunha de Macedo e Ana da Fonseca, família “João Ferreira Gomes” e SL. 5, 60, 5-1.

         Entre seus filhos:

1-3-5-2 Teresa Cardosa da Fonseca, natural dos Guarulhos. Em Nazaré Paulista aos 19-12-1765 casou com Manoel da Cunha, viúvo de Escolastica de Moraes, filho de Sebastião da Cunha natural de Taubate e Luzia Rodrigues do Prado, natural de Jacarei (SL. 7, 15, 5-7 e SL. 5, 60, 6-2)

Nazaré Paulista, SP igreja n. Sra de Nazaré [a margem: Manoel da Cunha com Teresa Cardosa da Fonseca. O dito contraente filho de Sebastião da Cunha natural de Taubate e s/m Luzia Rodrigues do Prado natural da vila de Jacarei, ja defuntos]  aos 19-12-1765 se receberam Manoel da Cunha, meu fregues, f.l. Sebastião da Cunha natural de Taubate, natural da vila de Jacarei, ambos já defuntos, dos avós paternos e maternos não sabem dar noticia, viuvo que ficou de Escolastica de Moraes = cc Teresa Cardosa da Fonseca n. da Conceição dos Guarulhos, f.fl. Domingos Vaz Cardoso n. de Mogi das Cruzes e Maria da Cunha n. da Conceição dos Guarulhos, neta paterna de Domingos Vaz de Lima n. da vila de Santos e s/m Luzia Pedrosa da Cunha n. de Mogi das Cruzes, quele já defunto, e neta materna de Antonio da Cunha de Macedo n. da Conceição dos Guarulhos, ja defunto e s/m Ana da Fonseca n. da Conceição dos Guarulhos. Test.: An tonio da Costa Ribeiro, casado e morador desta freguesia e Jose Pedroso Navarro, filho solteiro de Jose de Moraes da Cunha morador desta freguesia.

1-3-5-3 Ana Maria da Cunha natural dos Guarulhos. Em Nazaré Paulista aos 15-02-1765 casou com Bento Rodrigues Cardoso, aí batizado em 29-06-1722, filho de Jose Pinheiro Cardoso natural da Conceição dos Guarulhos e Messias Correa natural de Nazare, neto paterno de Francisco Pinheiro Gordi natural da vila de Cananea, e de Maria Cardosa natural e moradora desta freguesia, neto materno Francisco Correa da Veiga natural da freguesia da Conceição e de s/m Luzia de Orens natural de Nazare. Geração em SL. 1, 86, 4-1.

Nazaré Paulista, SP igreja n. Sra de Nazaré aos 15-02-1765 nesta matriz Bento Rodrigues Cardoso, natural desta freguesia, f.l. Jose Pinheiro Cardoso e Messias Correa, aquele natural da freguesia da Conceição dos Guarulhos e esta desta freguesia, ambos desta moradores, neto paterno de Francisco Pinheiro Gordi natural da vila de Cananea, e de s/m Maria Cardosa natural e moradora desta freguesia e ambos já defuntos, neto materno de Francisco Correa da Veiga natural da freguesia da Conceição e de s/m Luzia de Orens natural desta freguesia e que foi desta moradora, ambos ja defuntos = cc Ana Maria da Cunha n. da freg. de N Sra da Conceição dos Guarulhos, f.l. Domingos Vaz Cardoso n. de Mogi das Cruzes e de Maria da Cunha n. da freg. da Conceição dos Guarulhos, neta paterna de Domingos Vaz de Lima n. da vila e Praça de Santos e Luzia Peroza n. de Moti das Cruzes, aquele ja defunto, e neta materna de Antonio a Cunha de Macedo, ja defunto e natural de Mogi das Cruzes e s/m Ana da Fonseca n. da Conceição dos Guarulhos. Test.: Manoel Jose da Silva e Pedro Carvalho, casados.

 

Nazaré Paulista, SP igreja n. Sra de Nazaré aos 29-06-1722 bat Bento, f.l. Jose Pinheiro e Messia Correa Correa, padr.: Salvador Lopes e Maria de Siqueira Cardosa.

1-4 Maria Cardosa, 20 anos e solteira em 1711.

1-5 Domingos Vaz Cardoso, 18 anos em 1711 e já falecido em 18-10-1715.

 

2- Cap. Manoel Cardoso da Cunha foi casado com Izabel Ribeira de Alvarenga falecida em 01-04-1720 e inventariada em Mogi das Cruzes aos 07-07-1722 (SL. 8, 538, 2-2 e SL. 5, 343, 3-1).

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Inventarios de Mogi das Cruzes-SP: 2º Cartório

Pesq.: Fabricio Gerin e Bartyra Sette

Inventariada Izabel Ribeira de Alvarenga

Autos 07-07-1722  na paragem chamada Tapiti.

cabeça de casal Cap. Manoel Cardoso da Cunha

Ficaram sete filhos: Baltazar Martins de idade -50 cc  Maria Maciel = Salvador Cardoso, 48 anos, cc Margarida Frz = Manoel Cardoso da Cunha, 46 anos, cc Joana Barbosa = Maria da Cunha, de 30, cc Sebastião de Candia = João Vaz, 29 anos cc Ana Aguiar =  Felipa da Cunha = [queimado]

Falecera em 01-04-1720 com testamento

 

Tutoria e curadoria ao cabeca de casal Manoel Cardoso da Cunha pai do menor.

Compareceram sete filhos do casal, entre eles:

2-1 Baltazar Martins, 50 anos, casado com Maria Maciel.

2-2 Salvador Cardoso, 48 anos, casado com Margarida Fernandes.

2-3 Manoel Cardoso da Cunha, 46 anos, casado com Joana Barbosa.

2-4 Maria da Cunha, de 30 anos, casada com Sebastião de Candia. Em 13-02-1739 Maria casou com José Rodrigues Caraça, filho de João Rodrigues Caraça e Ana Rodrigues de Siqueira

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 13-02-1730 Jose Rodrigues Caraça, f. de João Rodrigues Caraça e Ana Rodrigues de Siqueira moradores na cidade de S. Paulo= cc Maria da Cunha, f. Manoel Cardoso da Cunha e Izabel Ribeira, moradores nesta vila.

2-5 João Vaz, 29 anos casado com Ana Aguiar.

2-6 Felipa da Cunha Gaga casou duas vezes. Primeira vez com Antonio Ferreira Lobo, falecido em 04-01-1719 com geração de quatro filhos. Segunda vez, Felipa casou com Francisco Leme da Silva

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

Antonio Ferreira Lobo - 1719

cc Felipa da Cunha

Faleceu aos 04-01-1719 sem testamento

4 filhos, 2 machos e 2 femeas

Filhos Legitimos:

Geraldo, com 11 anos.

Domingas digo Izabel com 9 anos

Leonor, 7 anos

Angelo, 4 anos

 

Diz Geraldo Ferreira Lobo q por falecimento de seu pai Antonio Ferreira Lobo, requer a fls. de partilha

Diz Francisco Lemes da Silva, como cabeça de s/mulher Philipa da Cunha, a qual herdou de sua filha Domingas Antunes já defunta, filha de seu antecessor Antonio Ferreira Lobo - 04 de setembro de 1728

Recibo de Filipa da Cunha Gaga: estou paga e satisfeita da folha que coube a minha filha Domingas, já defunta, que recebi a minha parte do alferes Andre Lopes da Cunha, que lhe coube por morte e falecimento do defunto seu pai Antonio Ferreira Lobo. Pedi e roguei a meu filho Geraldo Ferreira Lobo que esta por mim fizesse e assinasse.

 

Desistencia da tutela: Cap. Manoel Cardoso da Cunha, que de presente vive no distrito da freguesia de S. João de Atibaia (...). 1732

Novo tutor: Alf. Andre Lopes da Cunha

Novo Tutor: Ten. Francisco da Cunha Lobo - 1735

2-6-1 Geraldo Ferreira Lobo, com 11 anos em 1719. Provavelmente casou com Maria da Silva e foram pais de Josefa, batizada em 25-12-1729.

Paroquia de Sant'Ana de Mogi das Cruzes-SP, aos 25-12-1729 Josefa, f.l. Geraldo Ferreira Lobo e Maria da Silva, padr.: Manoel Simões de Sza. e Teresa Dias de Siq.ª.

2-6-2 Domingas com 9 anoo em 1719 e já falecida em setembro de 1728. Herdou sua mãe.

2-6-3 Leonor, com 7 anos em 1719. Segundo a GP: Leonor da Cunha, natural de Mogi das Cruzes, foi a primeira mulher de José Lopes de Medeiros, batizado em Nazaré em 30-10-1710, filho de Gaspar Lopes de Medeiros e Catarina Cortes.

Nazaré Paulista, SP igreja n. Sra de Nazaré aos 30-10-1710 bat Jose, f.l. Gaspar Lopes e Catarina Cortes, padr.: João da Cunha de Almeida e Ana de Medeiros.

SL. 2, 26, 5-1 José Lopes de Medeiros casado 1.o. com Leonor da Cunha, natural de Mogy das Cruzes, fa. de Antonio Ferreira Lobo, de Santos, e de Filippa da Cunha;t eve q. d.: da 1.a mulher: 6-1 a 6-4.

Além dos quatro filhos citados na GP, encontramos:

2-6-3-5 Helena Cardosa, natural de Atibaia-SP, faleceu em Cabo Verde-MG aos 07-06-1815.

Cabo Verde, MG Igreja N Sra da Assunção aos 07-06-1815 no bairro de São João faleceu Ellena Cardoza, viuva de Salvador da Silva, de idade de [danificado] anos pouco mais ou menos, natural de S. Paulo e freguesa desta freguesia.

          Era viúva de Salvador da Silva Morgado, natural de Taubaté-SP e falecido na Campanha-MG aos 12-04-1799 com 40 anos, filho de Salvador da Silva e Ana Moreira de Castilho.

Campanha, MG aos 12-04-1799 foi sepultado no adro desta matriz Salvador da Silva Morgado, falecido de uma gangrena de idade de 40 anos.

          Helena e Salvador tiveram os filhos, batizados na Campanha, q.d.:

2-6-3-5-1 Ana em 16-08-1768.

Igreja Santo Antonio (Campanha, Minas Gerais) aos 16-08-1768 Ana n. de trinta e tantos dias, f.l. Salvador da Silva n. da vila de Taubate-SP e Helena Maria n. de S. João de Atibaia-SP, padr.: Antonio Coelho da Silva e Inacia Maria mulher de Manoel Coelho; e os ditos pais moradoes na freg. de S. Ana do Sapucai.

2-6-3-5-2 Maria Joaquina em 04-03-1771.

Igreja Santo Antonio (Campanha, Minas Gerais) aos 04-03-1771 matriz, Maria Joaquina de sessenta e cinco dias, f.l. Salvador da Silva n. Taubate e Helena Cardosa n. S. João de Atibaia, ambos bispado de S. Paulo, np Salvador da Silva, falecido e Ana Moreira, maternos Jose Lopes de Medeiros e Leonor da Cunha. Padr.: Joaquim Jose Soares e s/mãe Maria Teresa mulher de Fernando Pereira Soares.

2-6-3-5-3 Clara em 18-01-1774.

Igreja Santo Antonio (Campanha, Minas Gerais) aos 18-01-1774 matriz de licença paroquial da freg. de S. Ana do Sapucai, Clara de tres meses, f.l. Salvador da Silva n. da vila de Taubate-SP e Helena Cardosa n. vila S. João de Atibaia-SP, avos paternos Salvador da Silva Morgado e Ana Moreira de Castilho, avos matenros Jose Lopes de Medeiros e Leonor da Cunha. Padr.: Alf. Manoel de Paiva, casado e Ana Maria filha de Fernando(?) Pereira Soares.

2-6-3-5-4 João Francisco Lopes aos 15-01-1801 casou com Ana Joaquina da Conceição, filha de Joaquim Rodrigues de Siqueira e de Ana Maria de Lima.

Campanha, MG aos 15-01-1801 nesta matriz se receberam João Francisco Lopes, f.l. de Salvador da Silva Morgado e de Elena Cardosa = E Ana Joaquina da Conceição, f.l. de Joaquim Rodrigues de Siqueira e de Ana Maria de Lima. Ambos naturais desta freguesia.

 

2-6-4 Angelo, com 4 anos. Angelo Ferreira Lobo aos 23-08-1737 casou com Izabel Sardinha de Pontes, filha de Roque Pereira de Pontes e Teresa Vaz Sardinha. Geração na família “Nunes de Pontes”.

3- João Vaz Cardoso casou com Domingas Nunes Bicuda, filha de Diogo Fernandes Nunes casado com Maria de Mendonça (Aportes à GP: Maria de Mendonça- SL. VI, 447, 2-1).

          João foi inventariado em Mogi das Cruzes em 28-03-1674, deixou cinco filhos curatelados pelo tio Antonio Vaz Cardoso:

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Pesq.: Fabricio Gerin/Bartyra Sette

João Vaz Cardoso

Autos 28-03-1674

Declarante a viuva Domingas Nunes Bicuda

01-03-1681 curador dos órfãos: Antonio Vaz Cardoso, tio dos mesmos: Joam = Maria = Ana = Felipa = e Izabel.

01-06-1682 Diogo Dias cc. Felipa da Cunha, f.l. de João Vaz Cardoso e Domingas Nunes, por estar de morada em Taubate (...).

3-1 João

3-2 Maria

3-3 Ana

3-4 Felipa da Cunha aos 26-01-1682 casou com Diogo Dias, filho de Francisco Rodrigues Ramalho e Maria Nogueira (SL. 1, 33, 5-6,)

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 26-01-1682 Diogo Dias f. Francisco Rodrigues Ramalho e Maria Nogueira = cc Phelipa da Cunha, f. João Vaz Cardoso, defunto e Domingas Nunes.

3-5 Izabel

4- Antonio Vaz Cardoso, tutor de seus sobrinhos supra citados.

5- Ana Vaz Cardosa casou com Brás Domingues Ribeiro. Ambos foram inventariado em Mogi das Cruzes, Brás em 1692 e Ana faleceu em 12-01-1715 e foi inventariada no mesmo ano. Em testamento, Ana menciona o genro Francisco Preto

Foram pais de:

5-1 Izabel, não é mencionada no testamento materno.

5-2 Úrsula

5-3 Ângela Cardosa aos 22-01-1711 casou com Francisco Fernandes Preto, filho de Antonio Rodrigues e Izabel Garcia.

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 22-01-1711 Francisco Frz Preto, f. Antonio Rois e Izabel Gracia = cc Angela Cardosa, f. Bras Domingues e Ana Vaz Cardosa.

Pais de, pelo menos:

5-3-1 Angelo Preto Cardoso, batizado em Mogi das Cruzes em 03-04-1712. Em 12-04-1742 tirou provisão para se casar com Mecia Nunes de Siqueira, com 22 anos e natural de Jacarei, filha de João Ribeiro de Proença e Teresa Nunes de Oliveira.

         Geração em SL. 8º, 286, 5-3 onde Francisco é citado como Preto Diniz e Teresa como Nunes de Siqueira.

SL. 8, 286, 5-3 Mécia Nunes de Siqueira, natural de Jacareí, C.c. Ângelo Preto Cardoso, f.o de Francisco Preto Diniz, de Santana de Parnaíba, e de Ângela Cardoso, de Mogi das Cruzes.

ACMSP Dispensas Matrimoniais - ano 1742 im 50

Justificantes Angelo Preto e Mecia Nunes 12-abril-1742

Ele f.l. de Francisco Preto e de s/m Angela Caroza, n. da vila da Sra Santa Ana de Mogi, moço solteiro.

Ela Mecia Nunes, f.l. de João Ribeiro de Proença e de s/m Teresa de Oliveira, naturais da vila de Jacarei e por ora um e outro moradores em a freguesia de Mogi do Campo caminho dos goiases.

 

Padre Marc.º de Almeida Ramos, vigario encomendado na Paroquial desta vila de N. Sra da Conceição de Jacarei certifico que revendo os livros de batizados por parte da contraente não achei o seu batismo, mas consta-me que fora batizada nesta paroquia haveram vinte e dois anos pelo Pe. Carlos de Figuey--a Montr.º, que Ds Haja, por assim o certificarem Sebastião Marques Coelho e Bras Cardoso, pessoas fidedignas, Jacarei 2-abril-1742

 

Querem casar Angelo Preto, f.l. de Francisco Frz Preto e de s/m Angela Cardosa, naturais e moradores que foram desta vila, e de presente moradores na freguesia de Mogi do Campo = com Mecia de Oliveira Nunes, f.l. de João Ribeiro de Proença e de s/m Teresa de Oliveira, naturais e moradores de N. Sra da Conceição de Jacarei.

 

Matriz de S. Ana das Cruzes:

- aos três de abril de 1712 bat a Angelo, f. de Francisco Frz Preto e de s/m Angela Cardosa, foram padrinhos João de Siqueira Aranha e Maria Muniz de Siqueira. Mogi 9 de abril de 1742.

 

Querem casar Angelo Preto Cardoso, f.l. de Francisco Preto, ja defunto e de s/m Angela Cardosa moradores que foram na vila de Mogi = com Mecia Nunes de Siqueira, f.l. de Joam Ribeiro de Proensa e de s/m Teresa Nunes de Oliveira, moradores na vila de Jacarei, e de presente todos nesta freguesia de N. Sra da Conceição de Mogi do Campo.

5-4 Clemente

5-5 Dâmaso Pedroso, herdeiro da terça materna.

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Inventarios de Mogi das Cruzes-SP: 2º Cartório

Pesq.: Fabricio Gerin e Bartyra Sette

Bras Domingues Ribeiro -1692

Autos 25-08-1692

Declarante Ana Vaz Cardosa, viuva.

Procurador da viuva Gaspar Vaz da Cunha (assina Gaspar Vaz Cardoso)

Filhos que ficaram:

Femeas: Izabel = Ursula = Angela.

Machos: Clemente = Damaseo

Curador dos órfãos: seu tio Manoel Cardoso da Cunha

 

Paroquia de Sant'Ana de Mogi ds Cruzes-SP, aos 12-01-1715 fal. Ana Vaz Cardosa, testamenteiros a seu filho Damazio Pedroso e a Domingos Dias Leme, deixou a terça ao dito seu filho Damazio Pedroso

 

Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo

Inventários e Testamentos não publicados

Inventarios de Mogi das Cruzes-SP: 2º Cartório

Pesq.: Fabricio Gerin e Bartyra Sette

Ana Vaz Cardosa

Testamento: 08/01/1715 (testamenteiros: meu filho Damásio Pedroso e meu sobrinho Domingos Dias Leme)

Declaro que fui casada com Brás Domingues (filhos: Úrsula, Angela, Clemente, Damásio)

- meu genro Francisco Preto

Cumpra-se: .../01/1715.