PROJETO COMPARTILHAR

Coordenação: Bartyra Sette e Regina Moraes Junqueira

www.projetocompartilhar.org

 

 

COSTA HOMEM - HOMEM DA COSTA

 

 

Regina Moraes Junqueira

Bartyra Sette

 

 

No Sul de Minas Gerais encontramos várias pessoas com os apelidos Costa Homem e Homem da Costa, que aqui relacionamos:

Bartolomeu Homem da Costa

Inácio da Costa Homem

João Homem da Costa

José da Costa Homem

Matheus Homem da Costa

Mathias da Costa Homem

 

 

 

BARTOLOMEU HOMEM DA COSTA

Irmão de uma “Anna Simplicia”,foi citado no testamento de Inácio, filho de Matias da Costa Homem, porque ele possuía um escravo em poder dos dois irmãos. Em 1791 Bartolomeu era tenente, s.m.n.

 

 

INÁCIO DA COSTA HOMEM

Casado com Inacia Maria de Jesus, moradores em Pitangui. Com geração descrita na família “Marcelo Rodrigues Tavora”, neste site.

 

 

JOÂO HOMEM DA COSTA

 

João Homem da Costa, natural da Ilha do Pico e sua mulher Rosa Maria do Carmo, natural da Ilha do Faial, ambos Bispado de Angra, estabeleceram-se em Santo Antonio de Itaverava, onde deixaram geração descrita na família “João Homem da Costa e Rosa Maria do Carmo”.

 

 

JOSÉ DA COSTA HOMEM

 

Natural de Bom Jesus do Pitangui, filho legítimo de Manoel Bicudo Lemos e Rosa Maria. José casou com Maria Joana do Prado, natural de Bom Jesus dos Perdões, filha de Thomaz Luiz e Maria Lourença, ambos falecidos antes de 1825.

Foram moradores em Bom Jesus dos Perdões, termo da Vila de São José, onde ele possuía a Fazenda do Serrado, em sociedade com outras pessoas.

Maria Joana faleceu aos 06-06-1825, com inventário aberto no mesmo anos pelo viúvo.

José ditou seu testamento ao Padre João Thomas de Souza aos 19-08-1831, apresentado do dia 25 e aberto no dia 26 do mesmo ano e mês. Em uma declaração confusa, disse estar casado segunda vez, sem nomear a segunda esposa.

Segundo os inventários de José e Joana, neste site, eles tiveram cinco filhos.

Sem descendência das segundas núpcias, José deixou uma filha natural havida em solteiro (idades em 1831, segundo o inventário, de José):

Filha natural.

1- Francisca, emancipada

 

Filhos legítimos com Maria Joana do Prado (idades conforme inventário do pai, porem conflitantes com as que constam no inventário materno)

2- Joaquim, 16 anos.

3- Emerenciana, 14 anos.

4- José, 10 anos.

5- Antonia, 8 anos.

6- Maria, 6 anos

No censo de Bom Jesus dos Perdões, encontramos morando em casa de Pedro José Freire, o moço, testamenteiro de José:

Mapa de População do Distrito de Bom Jesus dos Perdões - 1831

5º Quarteirão – Fogo 21

Pedro José Freire, 27, branco, casado, lavrador

Balbina, cônjuge, branca, 18, casada, fiadeira

Escravos: 6

Joaquim da Costa, dependente, branco, 16, solteiro, lavrador

José, dependente, branco, 13

Merenciana, dependente, branco, 11

Antonia, dependente, branco, 10

 

 

MATHEUS HOMEM DA COSTA.

 

Natural da Ilha Terceira, filho de Domingos Homem e Catarina Nogueira. Veio para o Brasil em meados do século XVIII e aqui se casou com Maria Dias de Carvalho, filha de Jacob Dias de Carvalho e Francisca Pereira da Silva. Foi morador do Arraial dos Carijós, termo da Vila de São José. Com geração descrita na família “Manoel Pereira da Silva”, Cap 1º, neste site.

 

 

MATHIAS DA COSTA HOMEM, capitão

 

Casou com Catarina Maria de Gusmão, moradores em São João del Rei na Fazenda Santo Antonio do Rio das Mortes, distrito de São Gonçalo do Rio Abaixo. Catarina era irmã de Micaela de Gusmão, da qual foi herdeiro e inventariante o sobrinho José da Costa Homem.

Outros parentes de Mathias e/ou Catarina:

 

Francisco Joaquim Teixeira – primo de Ana Maria de Moura, filha do casal. Francisco Joaquim nasceu em Piranga, filho de Antonio Teixeira Siver e Maria das Chagas Rangel. Foi casado com Maria Emerenciana de Jesus, família “Manoel Pereira da Silva” Cap. 1º.

 

Manoel Caetano da Silva- também primo de Ana Maria de Moura. Filho de Alberto Caetano da Silva e D. Thereza de Jesus, era co-proprietário do Engenho Sumidouro, juntamente com seus primos Inácio e José da Costa Homem. Solteiro e sem filhos, deixou por herdeiro o afilhado, filho de Manoel da Costa Souto e D. Rita. Era irmão do Doutor Francisco Alberto, casado com Antonia de Brito e Moura. Manoel Caetano faleceu com testamento aberto aos 13-11-1800 e teve inventário (neste site) iniciado aos 06-05-1806 em São João Del Rei.

 

Mathias – citado como genro do casal.

 

Catarina faleceu sem testamento aos 10-03-1752 e teve inventário de seus bens aberto pelo viúvo em maio do mesmo ano. Segundo seu inventário, neste site, foram filhos do casal (idades em 1752):

 

1- Antonio de Escobar Barreto, 25 anos, sócio do irmão Inácio em terras no Piranga. Aparentemente faleceu sem descentes porque o seu irmão Inácio em testamento declarou ter vendido “tudo que tenho da legitima de meus falecidos irmãos Antonio Escobar de Barros e minha Irmã Dona Izabel”.

 

2- Inácio da Costa Homem, natural de São João Del Rei, falecido com testamento redigido aos 26-07-1791 em casa de sua irmã Ana Maria. Solteiro e sem “filho algum” deixou por herdeiros os sobrinhos, filhos naturais de seu irmão José e de Ana Maria, parda (inventário neste site)

RMJ: Matriz de São João Del Rei - óbitos

Em nome da SS Trindade (...) – 22-07-1791 na Fazenda e casas de morada de minha irmam D. Anna Maria de Moura. Testamenteiros: Tenente Manoel Caetano da Silva, Cap José Gomes da Costa, Cap Bonifácio Gomes da Costa, Cap José Joaquim Correa, Cap --- Manoel Antonio Mesquita. Sou solteiro, nunca fui casado nem tive filho algum que por Direito seja herdeiro de meus bens. Sou natural  de São João Del Rei, filho do Cap Mathias da Costa Homem e sua mer Catarina Maria de Gusmão. ... pelo falecimento de meu irmão José da Costa Homem .... os órfão meus sobrinhos filhos de Anna Maria mulher parda...

Declaro que em mãos e poder de Anna Simplicia e seu irmão o Ten Bartolomeu Homem da Costa (estava um seu escravo). ... Tenho um escravo dádiva de minha irmam Izabel Maria do Espírito Santo .... Deixo por minha morte a meus sobrinhos e sobrinhas filhos da mesma mulher parda Anna Maria.(...) Falecendo minha irmã Micaella Marcelina de Gusmão (...) Meu falecido irmão Antonio de Escobar Barreto (com quem tinha sociedade em terras no Piranga) (....) nomeio por meus herdeiros os sobrinhos filhos de Anna Maria, parda.

 

3- Ana Maria de Moura, 22 anos. Foi moradora no engenho de Santo Antonio do Rio Abaixo da Vila e Freguesia de São João del Rei, Comarca do Rio das Mortes, herança de seus pais, conforme declarou em testamento. Solteira e sem herdeiros necessários, nomeou por herdeiro seu primo o Furriel Francisco Joaquim Teixeira e três engeitadas que criou em sua casa. Seu testamento foi aberto aos 18-05-1802 e seu inventário em 1816 (neste site).

 

4- José da Costa Homem, 21 anos, natural e batizado na Freguesia de Nossa Senhora do Pilar, faleceu aos 04-08-1784 e foi sepultado na Matriz. Em seu testamento declarou nunca ter casado. Reconheceu cinco filhos naturais e nomeou para curador dos mesmos seu irmão Inácio.

RMJ: Matriz de São João Del Rei - óbitos

Aos quatro de Agosto de 1784 faleceo o Capitão José da Costa Homem, sepultado dentro da Matriz

Testamento: Em nome da Santíssima Trindade (....) Eu, José da Costa Homem, molesto mas em perfeito juízo (...) Nomeio para testamenteiros em primeiro lugar a meu irmão o Capitão Inácio da Costa Homem, em segundo minha irmam D. Anna Maria de Moura, em terceiro minha irmam D. Micaela Marcelina de Gusmão, em quarto minha irmam D. Izabel Maria de Espírito Santo. Sou natural e batizado na Freguesia de N. Sra do Pilar, filho de Mathias da Costa Homem e Catarina Maria de Gusmão. Solteiro. Nomeou a filha Maria Perpétua, filha de mulher branca e desimpedida. E mais quatro filhos: Florência), Ignácia, Alexandre, e ??? (ilegível), filhos naturais de Ana Maria da ---, “mulher solteira, os quais se acham em minha companhia”. Sou sócio em partes iguais de meu irmão Ignácio da Costa Homem. Declaro que sou testamenteiro e herdeiro de minha tia Micaela de Gusmão. Deixou o irmão por curador. Abril de 1784

 

          O inventário do Capitão José (neste site) foi aberto aos 16-12-1784. Nele foram arrolados os seguintes filhos:

4-1 Maria Perpétua de São José, filha de mulher branca e desimpedida, com 12 anos no inventário do pai. Desistiu da herança por serem as dívidas maiores que sua legítima.

4-2 Florência filha de Ana Maria da Costa, mulher parda e desimpedida, 7 anos

4-3 Inácia, também filha de Ana Maria, 5 anos

4-4 Alexandre, idem, 3 anos

4-5 Maria, ibidem, um ano

 

5- Micaela Marcelina de Gusmão, 18 anos. Seria a que foi casada com Mathias, genro de Matias da Costa Homem e Catarina. Foi indicada como terceira testamenteira do irmão José. Ela foi inventariada por Mathias Pereira Barbosa Dutra em 1786,

 

6- Mathias da Costa Homem, 19 anos, s.m.n.

 

7- Izabel Maria do Espírito Santo, 14 anos, nomeada quarta testamenteira pelo irmão José. O irmão Inácio herdou ao menos parte de sua legítima, conforme já dito acima, o que sugere que tenha falecido sem descendência.